História The Key To Happiness - Capítulo 2


Escrita por: ~

Postado
Categorias Once Upon a Time
Personagens Emma Swan, Regina Mills (Rainha Malvada)
Tags Morrilla, Once Upon A Time, Swanqueen
Exibições 180
Palavras 1.556
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Famí­lia, FemmeSlash, Magia, Musical (Songfic), Orange, Romance e Novela
Avisos: Álcool, Bissexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo, Violência
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas da Autora


Oi gente, voltei!
No capítulo de hoje não teve relação com música nenhuma então não vai ter indicação (pelo menos por hora).

Espero que gostem, desculpem qualquer erro, bjo bjo!

Capítulo 2 - A Shadow That Won't Disappear With Light


Regina P.O.V. 

 Quando se passa muito tempo lutando contra os próprios fantasmas, eles passam a fazer parte de quem você é. Eu, infelizmente, sou a prova viva disso. Me livrei da Evil Queen, esmaguei o coração dela e ainda assim não estou feliz. É como uma assombração permanente, uma sombra que não se desfaz mesmo com a luz. Tudo bem, eu sinto falta do Robin e isso ajuda um pouco na minha infelicidade diária, mas eu realmente estou tentando melhorar. Eu sinto como se não estivesse em meu lugar neste mundo, como uma intrusa. Eu tenho o Henry, mas ele tem a Emma, e por mais que eu o tenha criado com todo amor que pude, sei que hoje ele não precisa mais de mim. Eu tenho amigos, mas se eu tivesse que desaparecer hoje não faria falta. 

Meu plano era simples, eu queria um tempo para me afastar de tudo e todos. Talvez conhecer o mundo, ver como era ser normal, não ser reconhecida como Evil Queen. Resolvi que deixaria a Emma ser mãe por tempo integral, com direitos legais e tudo mais. Eu não estava preocupada com a cidade ou nada desse tipo. Por anos eu fui a ameaça, e se eles souberam lutar comigo saberiam lutar contra qualquer coisa. 

Tinham também umas outras coisas quem andavam rondando meus pensamentos aos quais eu me negava até mesmo a repetir para mim mesma. Dizem que o tempo cura tudo, estou disposta a esperar para ver em quanto tempo eu vou curar. Se eu fui capaz de esperar anos por uma vingança, também sou capaz de esperar muito tempo pela minha felicidade. Só preciso encontrar forças para não desistir, só isso

 

Emma P.O.V. 

H: Mãe? 

E: Oi kid. 

H: Pode me encontrar no Granny’s antes da aula? 

E: Claro. Em 20 minutos? 

H: Te vejo lá. 

Cheguei ao Granny’s no tempo combinado e fiquei aguardando Henry. Não demorou muito e ele chegou. 

- Oi mãe. - ele me deu um beijo rápido no rosto e se sentou em minha frente. Parecia preocupado. 

- Que carinha é essa? Aconteceu alguma coisa, kid? 

- Não... 

- Henry Daniel Mills, não minta para sua mãe! – eu falei imitando a Regina e nós dois rimos. 

- Eu tô preocupado com a minha mãe, ela anda estranha. – ele falou um pouco chateado. 

- Como assim, estranha? 

- Ela não fica mais por perto, parece estar escondendo algo. Ontem ela e a tia Zelena brigaram... a tia foi embora de casa e a minha mãe não apareceu mais depois disso. Ela não dormiu em casa e também não atendeu o telefone. 

- Olha kid, eu vou tentar cuidar disso. Agora já pra escola que o senhor está atrasado. Quando sair da aula me liga e eu te conto se tenho novidades ou não, ok?  

- Tá bem. Até depois então. – ele foi embora um pouco mais tranquilo. 

Nós dois sabíamos mais que ninguém o quão complicada a Regina era. É muito difícil ajudar alguém que não quer ajuda, sendo a Regina então, precisaria de um milagre para a minha ajuda ser bem vinda. 

 

× 

Decidi que passaria na prefeitura para ver se conseguia falar com ela pessoalmente já que não atendia o telefone. Como ela quase nunca perdia um dia de trabalho, não custava tentar. Quando cheguei em frente ela estava descendo do carro. 

- Regina, bom dia! 

- Meu deus, Emma! Que susto! Quer me matar?! – ela levou uma das mãos ao coração. 

- Desculpa, não queria te assustar assim. – eu não via motivo pra ela ter reagido daquela forma mas tudo bem. 

- Tá, que seja. Quer alguma coisa? – ela falou impaciente enquanto caminhava na direção da prefeitura. Eu a acompanhei. 

- Queria conversar... – mordi meus lábios esperando por uma resposta enquanto entrávamos na sala dela. 

Ela rolou os olhos demonstrando que não estava muito afim de conversa, principalmente comigo. Por fim fechou a porta e fez sinal com a cabeça pra eu sentar no sofá, em seguida fez o mesmo. 

- E então, o que a traz aqui Swan? 

- Henry. – respondi sem muita certeza se deveria ter mencionado o nome dele tão cedo ou se deveria ter esperado pra usar como carta na manga. – ele me procurou para conversar, está preocupado com você, disse que você brigou com a Zelena e que anda distante também. Eu imagino que isso tenha algum tipo de ligação com a nossa conversa não terminada do outro dia. 

- Emma... – ela selou os lábios, fechou os olhos e respirou fundo como se tentasse conter todo o desagrado que a temática da conversa causava e, em seguida, deu um sorriso – você queria saber o motivo da outra conversa e eu vou dizer porque você vai saber de uma maneira ou de outra. Eu resolvi viajar, conhecer outros lugares, sair um pouco da cidade e esse é um dos motivos de eu querer que você tenha direitos legais sobre o Henry. Você seria mãe em tempo integral enquanto eu estivesse fora. Acredito que o Henry pense que estou distante porque ando planejando tudo isso e acabo me distraindo. Quanto a Zelena, ela não está feliz por eu ter matado a Evil Queen e foi esse o motivo do nosso desentendimento. Satisfeita, Swan? – ela terminou de forma irônica, sendo a mesma Regina de sempre e eu sorri. 

- Por que essa vontade repentina de viajar? – indaguei mais para mim mesma que para ela. 

- Vai existir alguma vez em que eu decida fazer algo sem que você queira saber todos os motivos o tempo todo? – perguntou irritada. 

- Não é isso, Gina, me desculpe. É que eu achei que parece que você está fugindo de algo. 

- De certa forma eu estou. Cansei de ser julgada como Evil Queen o tempo todo... eu quero saber como é ser normal, não ser reconhecida pelo passado, ter as mesmas chances que qualquer um de encontrar amor verdadeiro. -ela desabafou de forma honesta - Não que eu esteja procurando, mas aqui na cidade o único que teve coragem, a quem eu amei, já não está entre nós e eu não fui capaz de salvá-lo. 

- Soa... corajoso. – nem eu não sabia muito bem o que queria dizer. 

Sério Emma? – estava irritada por eu reagir assim depois dela ter me mostrado os reais motivos para se afastar. 

- Foi mal, é que... Eu acho que você deve se dar uma nova chance? Acho! Mas já parou pra pensar que você pode estar planejando da forma errada? 

 - O que você quer dizer, Emma? 

- Regina, o mundo é enorme e queira ou não, agora você é parte dele. Se eu entendi bem, sua ideia é viajar, conhecer outros lugares e pessoas... como vai fazer isso se nunca realmente interagiu com ninguém que não tenha vindo da floresta encantada ou que não seja de um mundo literário? 

- Pessoas são sempre iguais, Swan. 

- Sim, mas as culturas não. Storybrooke fica num país que a cultura domina o mundo todo, praticamente. Quão convincente vai ser quando notarem que você não sabe nada sobre cultura moderna? 

- Faz sentido... - murmurou pensativa. 

- Olha, talvez eu não seja a melhor pessoa, mas eu sou a única na cidade que viveu normalmente no mundo real. Eu posso te dar dicas sobre coisas que pessoas normais costumam ter interesse... e talvez isso ajude caso o seu final feliz não seja um habitante da floresta encantada. 

- O que você está sugerindo exatamente? – perguntou com certa desconfiança. 

- Aulas... eu acho. Mais ou menos como quando você estava me ajudando a usar magia

-Tá... eu topo, acho que isso pode me ajudar. 

- Quando você quer começar? – perguntei animada. 

- Não sei. O quanto antes. 

- Que tal hoje a noite? Poderia ser na sua casa. Zelena não está lá, hoje é dia do Henry dormir lá em casa.... teríamos privacidade. Se bem te conheço você vai preferir assim. Pode ser as 19 horas? 

- Hmmm, pode ser mais tarde? Tipo 20 horas? É que eu tenho... algo para fazer antes. Eu te aviso quando estiver a caminho de casa, assim você não fica me esperando. 

- Por mim tudo bem, hoje, 20 horas então. Até a noite. – falei me levantando. Notei que ela já não prestava atenção em mim, estava concentrada mandando mensagem para alguém ou algo do tipo no celular. Fui saindo e ela nem levantou os olhos. – Errr. Tchau, Gina. 

- Até mais tarde, Swan. –  falou distraída sem se preocupar se seria ouvida ou não. 

 

× 

Regina P.O.V. 

Telefone vibrando 

- Oi, desculpa eu demorar para responder... eu não podia... A Emma queria falar comigo, veio aqui no meu trabalho... tá, descansa, deixa que eu arrumo isso mais tarde... eu vou mais cedo para cozinhar e jantamos. Tenho que estar em casa as 20hrs... ela sugeriu umas coisas e eu aceitei logo para evitar mais perguntas, então não teremos muito tempo hoje... devo chegar por volta das 17 hrs... tudo bem então... até mais, se cuide e fique tranquila... Eu não esqueci, confie em mim... tudo bem, vou mandar verificar isso agora mesmo... sim, eu tranquei com magia, também coloquei um feitiço para esconder a casa, está tudo bem... preciso desligar e adiantar o trabalho para conseguir sair cedo... descanse, você gastou muita energia durante a noite... até mais tarde... Tchau.


Notas Finais


Me digam o que acham por favor. Sugestões são muito bem vindas.
Bjo Bjo e até o próximo capítulo.


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...