História The Killer at School - Capítulo 26


Escrita por: ~ e ~SnoopyFool

Postado
Categorias Originais
Exibições 14
Palavras 2.492
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Drama (Tragédia), Mistério, Romance e Novela, Suspense, Terror e Horror
Avisos: Álcool, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Violência
Aviso legal
Todos os personagens desta história são de minha propriedade intelectual.

Notas do Autor


Olá killers! Mais um capítulo para vocês!
Espero que gostem!


~Boa Leitura :3

Capítulo 26 - Até Que Tudo se Acerte


 

Uma maca era colocada dentro do carro da ambulância. Sky estava coberta por completo por um lençol branco. Os olhos fechados, a pele pálida e bastante sangue em sua barriga e em suas mãos.

As sirenes da viatura da polícia se juntavam com as da ambulância e ambas não paravam de piscar. Vários vizinhos observando o corpo ser colocado lá dentro até que a porta da ambulância se fechou.

- Eu estava no escritório. - Um homem loiro falava chorando com um policial - Eu devia ter voltado...

- Você precisa vir conosco. - O policial falou para ele - Para responder umas perguntas.

Gabriel estava sentado nos degraus da varanda ao lado de Jéssica, Eddy e Dandara. Jéssica estava com o braço em volta dele enquanto ele repousava a cabeça em seu ombro.

- Foi tudo tão rápido... - O garoto dizia para ela sem tirar os olhos da ambulância.

- Será que nunca vamos nos livrar desse killer? - Sugeriu Eddy um pouco nervosa. - Nunca teremos paz?

- Não até desmascararmos ele de vez. - Dandara disse balançando a cabeça negativamente. Ela estava em pé com os braços cruzados olhando para os vizinhos que pareciam horrorizados.

- Nós temos a cúmplice... - Jéssica falou ao mesmo tempo que Gabriel se afastou dela - Já é um grande começo para...

- Não. - Ele rapidamente interrompeu.

- ...não? - Eddy estranhou. - Como assim não? A Sthefany pode nos dar alguma pista de quem possa ser e daí...

- Não. - Ele repetiu novamente. Dessa vez, negando com a cabeça - Eu cansei de bancar o detetive. - Elas o ouviam surpresas - Cansei de me envolver tanto nessa história, para no fim... só acabar assim. Vendo a única garota que gostei morrer na minha frente.

- Mas Biel... - Jéssica ia falando novamente quando ele a interrompeu.

- Eu disse não. - Se levantou rapidamente e olhou para todas elas - Vocês podem pegar todas as coisas que temos contra o killer e tentarem bancar o Scooby-Doo, mas eu não vou mais me meter nisso. Eu cansei. Se o killer quiser me matar, ele pode vir. Eu só... não aguento passar por mais. - Então ele se virou e saiu andando.

- Biel! - Dandara tentou chama-lo, mas ele não parou.

- Deixa ele. - Eddy disse então olhando para o garoto que ia embora - Ele tem motivos para estar assim. Precisa de um tempo.

O carro da ambulância e da polícia começaram a ir embora, fazendo com que todos voltassem para suas casas. E somente elas ficavam ali pensativas.

 

 

 

Um homem negro e forte arrumava seu terno em frente ao espelho.

- Já estamos indo, filha. - Disse ele pegando a chave do carro que estava na mesinha - Até o jantar. - Falou saindo com uma mulher loira bem vestida.

- Tchauzinho. - Amanda apareceu da cozinha. Subiu as escadas rapidamente e foi até seu quarto. Abriu a porta e olhou para o garoto que dormia em sua cama. - Acorda, Bela Adormecida!

Bruno abriu os olhos e tentou se levantar para olhá-la.

- ...o... que aconteceu?... - Ele perguntou com os olhos quase fechando.

- O que aconteceu? - Ela fechou a porta e se aproximou da cama - Você só bebeu pra caramba e quase estragou a festa de homenagem.

- Disso eu me lembro. - Se sentou e bocejou - Eu não estava bêbado quando fiz meu discurso.

- Mas estava quando aquela garota estranha te achou jogado no jardim da casa da Jéssica e te trouxe para cá no meio da noite. - Ela pegou um travesseiro e jogou nele - Tive que dormir em um colchão no chão para que você pudesse se curar dessa sua ressaca!

- Obrigado pudinzinho. - Ele sorriu.

- Não me venha com obrigado. - Amanda andava pelo quarto, parando em frente ao espelho - Meu pai bateu na porta umas duas vezes na madrugada perguntando por que eu estava rocando! Sua sorte é que eu consegui enganar ele. - Ela arrumava o cabelo em frente ao espelho.

- Você sabe que eu faria o mesmo por você, não é? - Ele levantou e foi até ela.

- Sai de perto de mim garoto. - Amanda o empurrou - Passei a manhã para me arrumar e não quero aparecer na escola com cheiro de cerveja.

- Você vai para a escola? Sério? - Ele voltou a se sentar na cama.

- Mas é claro que vou. - Amanda se virou para ele - Tenho o ensino médio para terminar, esqueceu?

- Eu não tenho mais cabeça para nada. - Bruno passou a mão no rosto.

- Você nunca teve, meu bem. - Ela passou um batom rosa forte e sorriu - Sendo sexy sem ser vulgar. - Disse para si mesma no espelho. - Agora, eu vou para a escola e você vê se toma um banho antes de ir para casa. Se sua mãe te ver assim vai te expulsar.

- Tá legal. - Ele levantou novamente e deu um beijo na bochecha dela.

- Sai, garoto! Você está fedendo a álcool. Tchau. - Ela pegou a mochila e saiu.

 

 

A escola já estava lotada de alunos quando Jéssica estacionou seu carro. Saiu, observando todas aquelas pessoas que entravam dentro da escola.

- Ei! - Ela ouviu alguém chamar. Se virou e viu que era Sarah.

- Bom dia. - Jéssica falou quando ela se aproximou.

- Eu soube da Sky... - Ela falou como se as palavras pesassem - O Biel deve estar arrasado.

- Ele está mesmo. - Fechou a porta do carro e as duas seguiram para as escadas.

- Teve alguma notícia dele?

- Não desde ontem. É com a Eddy disse: ele precisa de um tempo. Perdeu a Andrezyelle e ficou do mesmo jeito. Só que com a Sky foi bem mais... forte para ele, sabe?

- Eu sei. - Sarah confirmou. - Não consigo acreditar que aquilo ainda não acabou...

- Temos que voltar a tomar cuidado. - Elas adentraram na escola e começaram a andar pelo corredor - Tudo aquilo novamente.

Elas entraram na sala de aula que já tinham alguns alunos e foram para os seus lugares. Jéssica pôs a mochila e se sentou. Eddy, Dandara, Amanda nem Vitória haviam chegado ainda. Seu celular vibrou no bolso. Ela pegou e viu que era uma mensagem de alguém desconhecido:

“Olá, amiga. Sentiu saudades?”

Encarou a mensagem no celular e então respondeu:

“Vai pra merda! Por que não me deixa em paz?!”

Em seguida jogou o celular na banca e passou a mão no rosto.

- Nossa. O que eu te fiz? - Ela olhou para o lado e viu que era a garota que conheceu na noite anterior.

- Foi você que mandou a mensagem?! - Jéssica estava com os olhos arregalados e nervosa - Ai meu Deus! Me desculpa! Eu pensei que... eu...

- Relaxa. - Alice começou a rir - Eu sei tudo o que você passou. Cada detalhe. Não devia ter começado assim.

- Pois é. - Jéssica sorriu tímida - Espera. Como você sabe cada detalhe do que aconteceu?

- Ah... eu... - Ela deu de ombros - eu só acompanho o Pânico na Escola.

A professora Nadja entra na sala com um enorme sorriso no rosto. Junto com ela entra Amanda, Eddy, Vitória, Dandara e outros alunos.

- Bom dia turma. - A professora fala.

- Será que ninguém aqui sabe do que houve? - Sarah questionou aos amigos.

- Eu acho que não. - Eddy responde - Todos estavam acostumados a ler notícias no Pânico na Escola.

- O que aconteceu? - Amanda se virou. - E cadê o nerd loiro?

- É uma longa história. - Disse Jéssica - Depois conversamos.

 

 

Quando o intervalo tocou, todos foram para a mesa de sempre no refeitório.

- Gente, - Vitória começou falando após se sentar. Ela lia algo em seu celular - o Pânico na Escola está fora do ar. Foi deletado.

- O quê? Como assim? - Amanda disse pegando o celular das mãos dela. - É melhor vocês me contarem logo o que está acontecendo!

- Bom... - Eddy começou falando - acontece que o Biel tinha razão. Pegamos a pessoa errada. - Ela disse em tom de sussurro, tomando cuidado para que ninguém mais ouvisse - A Sthefany não era o killer de verdade. O verdadeiro killer está solto.

- Não pode ser! - Vitória levou um susto.

- Como vocês podem ter tanta certeza?! - Amanda exclamou.

- Fala baixo! - Dandara pediu.

- Porque ontem a noite... - Eddy voltou a falar - depois da festa... ele matou a Sky.

- Não... - Amanda negava com a cabeça sem conseguir acreditar - não pode ser... de novo não...

- Quando isso vai ter fim?... - Sarah questionou.

- Talvez nunca tenha... - Jéssica disse por fim com um tom frio.

 

 

Eddy colocava uns livros no armário sem perceber que alguém se aproximava. Quando fechou a porta, viu Eduarda.

- Oi. - Disse ela, fazendo Eddy saltar de medo.

- Meu Deus, garota. - Ela levou a mão ao peito, assustada - Você quase me matou de susto!

- Desculpa. Eu adoro assustar as pessoas. - Eduarda sorriu. - Mas... mudando de assunto... eu soube o que aconteceu com a garota loira. A Sky, não era?

- ...sim. - Eddy confirmou, meio cabisbaixa.

- Eu vi na televisão ontem. Sinto muito.

- Obrigada. O Biel está precisando mesmo da nossa força. Estou pensando em ir lá visitar ele depois da aula.

- Eu... posso ir com você? - Ela perguntou.

- Claro.

- Ele é meio estranho, mas é uma pessoa legal. Não merece estar passando por isso.

- Pois é. Então... te vejo depois da aula?

- Pode ser. - Eduarda assentiu sorrindo.

 

 

Na hora da saída, Sarah, Dandara e Jéssica saiam da escola junto com todos os outros.

- O que acham de fazer uma visitinha a Sthefany? - Jéssica sugeriu parando no meio da escadaria.

- Tipo... agora? - Dandara perguntou.

- Claro!

- Eu topo. - Sarah disse - Quero só ver o que aquela vadia ruiva vai dizer quando nos ver.

- Isso aí. Vamos ver se conseguimos alguma pista com ela.

As três entraram no carro de Jéssica e foram embora.

 

 

Na casa de Gabriel, Eddy e Eduarda falaram com a mãe dele e subiram as escadas. Viraram o pequeno corredor e chegaram na última porta, onde ele estava. Eddy abriu e pôde ver o garoto deitado na cama que estava completamente bagunçada.

- Biel? - Ela disse adentrando.

- ...o que vocês estão fazendo aqui? - Ele perguntou com os olhos quase fechando.

- Viemos ver como você está. - Ela disse sentando na cama ao lado dele - Eu sei que o que aconteceu com a Sky te abalou. Abalou a todos nós..., mas não deixa que isso acabe com você. - Eduarda ouvia tudo em pé um pouco próxima da entrada.

- Eu só preciso de um tempo, Eddy. - Ele se ajeitou na cama de modo que seu corpo ficasse sentado. O cabelo bagunçado e a cara de sono eram bastante visíveis. Pegou os óculos na cômoda e colocou no rosto - Até pegarem esse killer.

- Isso pode demorar mais do que imaginamos. - Eduarda falou - Não vamos descobrir quem é o killer sem o detetive nerd. - Ele olhou para ela que sorria. - A polícia não consegue nem prender um simples bandido, não vai conseguir pegar um psicopata mascarado que usa cúmplices e tem planos doentios. Os alunos precisam de você. Nós precisamos de você.

- Eu entendo que estejam querendo me animar, mas eu já tomei a minha decisão. - Ele tirou o lençol que cobria o corpo e se levantou. Eddy levantou em seguida e o encarou.

- Vamos lá, Biel! - Ela falou segurando em seus braços - Pega seu notebook e volta com o Pânico na Escola! Volta a ser bruto e falar suas coisas de nerd que mal entendemos. - Eddy sorria tentando animá-lo - Faz seu mural com as nossas fotos e tenta desvendar quem é o killer outra vez! Nós vamos conseguir! Eu sei que vamos! - O garoto apenas ouvia - Mas para isso, precisamos estar juntos.

Gabriel olhou para Eddy e depois para Eduarda. Se abaixou e pegou uma das caixas de papelão que roubaram da casa de Vanessa e então começou a dizer:

- Você tem razão. - Ele assentiu com a cabeça. - Nós vamos conseguir. - Eddy sorriu para Eduarda e depois para ele - Mas não estaremos junto nessa. - Então entregou a caixa nas mãos dela - Eu cansei.

 

 

Um homem forte fardado, guiava Jéssica, Dandara e Sarah pelos corredores da delegacia até chegarem no final. Ele pegou uma chave e abriu a porta, deixando que elas entrassem.

- Vocês têm vinte minutos. - Disse com uma voz fria e séria enquanto elas entravam na sala.

A sala era um pouco pequena. Havia apenas uma mesa com três cadeiras na frente e somente uma atrás, onde Sthefany estava algemada. Usava um macacão laranja e seus cabelos estavam bagunçados.

- Olá, amigas. - Disse ela quando a porta se fechou.

- Não vem com essa, garota. - Jéssica foi direta. Sentou na cadeira junto com as outras e prosseguiu com um tom rígido - Nos conta agora quem é a pessoa que você estava ajudando!

- Ah, pobre Jéssica - Sthefany balançava a cabeça ainda sorrindo - está bem óbvio quem é. Vocês só precisam ficar atentos.

- Não estamos com gracinha, Sthefany! - Dandara falou. - Esse ou essa psicopata que você está protegendo matou nossa amiga ontem a noite.

- O killer já me havia me contado que ela seria a próxima vítima. Coitadinha... - Ela fez uma cara triste.

- Isso não tem graça! - Sarah exclamou - Como pode se divertir com isso?!

- É hilário! - Ela gargalhava. - Só vocês não conseguem ver o quanto é divertido olhar alguém nos olhos e depois vê-la implorar pela própria vida...

 

As líderes de torcida, incluindo Amanda e Vitória, caminhavam em direção ao vestiário. Todas rindo e suadas, conversando sobre assuntos comuns.

 

- Depois... - Sthefany continuava a falar - ter o poder de decidir se mata... ou se apenas se diverte com a pessoa...

 

As garotas entraram no vestiário e todas pararam ao ver algo que chamou a atenção de todas.

 

- E a melhor parte, - O sorriso continuava estampado no rosto da garota ruiva - é quando acham o corpo. - Ela gargalhou - Essa é minha parte favorita. Os gritos... não tem preço.

 

A treinadora Edivânia estava enforcada no meio do vestiário com a barriga aberta e os órgãos jogados no chão. Havia muito sangue para todo lado. E então, todas gritaram ao mesmo tempo.


Notas Finais


Tamu quase no final
Guentem aí
HUAHUAHUA


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...