História The last immortal Warrior- INTERATIVA - Capítulo 26


Escrita por: ~

Postado
Categorias Originais
Personagens Personagens Originais
Tags Aventura, Batalhas, Divindades, Drama, Magia, Reinos, Supremos, Tragedias
Exibições 12
Palavras 2.900
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Artes Marciais, Aventura, Fantasia, Luta, Magia, Romance e Novela, Violência
Avisos: Álcool, Estupro, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Suicídio, Tortura, Violência
Aviso legal
Todos os personagens desta história são de minha propriedade intelectual.

Notas da Autora


*DIANA NA CAPA*

Capítulo 26 - Algo semelhante... E a história de Desmond.


Fanfic / Fanfiction The last immortal Warrior- INTERATIVA - Capítulo 26 - Algo semelhante... E a história de Desmond.

2 horas depois... 

 

Torre de Clamyst.

 

— Onde está o Nolan?— questionou Kirian, ao sentar-se no enorme sofá da sala.

 

— Max está com ele.— disse Logan, ao observar sua magia surgir ao levitar seu cajado.

 

— Não mais.— Max surgiu, pulando logo para o lado espaçoso onde despejou suas pernas.

 

— Como ele está?— perguntou Logan, ao vê-lo espreguiçar-se.

 

— Ele vai ficar bem...— Max respondeu, em meio a suspiro fundo e outra espreguiçada.

 

— Ei! O que houve?— disse Silver, ao aparecer, saindo do quarto de seu grupo no corredor ao lado.

 

— E aí, carinha do outro grupo.— disse Roy, ao sentar com seus braços fortes cruzados.

 

— Como estão? Enquanto estavam por aí bancando os herois, nós estavámos treinando.— disse Jimmy, sentando ao lado do seu colega de quarto enquanto via Logan brincar com o seu cajado o levitando.

 

— Caleb morreu... Ele morreu...— disse Rob, incrédulo ao receber um pergaminho de um pombo que havia pousado em seu ombro e logo indo embora.

 

— De quem está falando?— perguntou Jimmy, vendo-o sentar na poltrona, arrasado.

 

— Um amigo de longos anos...— Rob explicou, fazendo cair o pergaminho que continha a noticia.

 

— Caleb foi um cara legal...— Nolan vociferou, andando cautelosamente enquanto seu braço era tomado por dor.

 

— Como se sente,  guerreiro?— perguntou Logan ao avistá-lo, nada disposto.

 

— Ah... A dor estava mais forte antes... Mas ainda não está passando.— Nolan resmungou, encostando na parede.— Sinto muito, Rob.

 

— Ele estará em um bom lugar, eu suponho...— disse Rob, sorrindo fraco.

 

— E aí, rapazes.— disse o general, ao adentrar na sala, com a companhia de Makauss e Gregory.

 

— Vejo que estão se enturmando bem!— Gregory comentou, com sua mão pousada em sua espada média.

 

— E enquanto aos testes?— Desmond relembrou, protestando, ao vê-lo sério.

 

— Em breve, Desmond... Ainda estamos planejando como tudo será feito.— Tairak  comentou, ao caminhar em direção onde estavam.

 

— E então, general? O nosso inimigo capturado disse tudo?— Kirian mudou o assunto, questionando.

 

— Nem tudo, eu diria... Há possibilidade de que ele esteja blefando.— Tairak explicou, ao lembrar da longa conversa que tivera com o prisioneiro.

 

— Magnus quer se vingar...— Desmond sussurrou para ele mesmo, como se estivesse pensando no que dizer.

 

 

— Quais eram ou são os planos deste homem, Desmond?— Gregory questionou, olhando-o fixamente.

 

 

— Lamento, Gregory.. Mas não sei sobre nada. O que posso dizer é que seu ódio é enorme...— Desmond explicou, pensativo.

 

 

— Tem certeza que não?— Gared indagou, sorrindo de canto. Desmond apenas revirou os olhos e assentiu positivamente.

 

 

— Mestre... Desmond nos contou que Magnus o ajudou a se libertar...— disse Rob, meio hesitante, ao julgar pela expressão de resposta que Desmond mostrou ao ouvi-lo.

 

 

— Permita-me que eu conte o que aconteceu... Bem, uma breve história da minha vida... Da minha origem. Eu fui um dos espadachins escolhidos de Lycon para proteger o rei e sua rainha... Mas fui traído... Eu não fiz nada... E acabei pagando pelo erro que não cometi. Resultando em minha prisão... Até que houve uma rebelião e eu fui retirado da prisão do castelo... E bem, Magnus me ajudou a ser um homem livre... — Desmond explicou, entre-dentes... Lembrava de cada cena que passava em sua cabeça... 

 

— Que história trágica.— disse Jimmy, sussurrando para Rob.

 

 

— De fato, é trágica... E um pouco duvidosa. Não posso deixar de dizer de que é muita coragem de sua parte compartilhar conosco a sua dor, Desmond.— disse Gregory, o olhando fixamente como sempre faz. Sua voz até mudou... Tornando-se firme e autoritária.

 

— Eu precisava dizer... É por isso que eu o ajudava... 

 

— Seja sincero, rapaz. Você realmente quer ser um guardião? Um protetor? Um escolhido? Ou... Veio com intenção de ajudá-lo com sua vingança?— Tairak pestanejou, com seus olhos observadores captando qualquer reação estranha que Desmond poderia demonstrar.

 

—  Para ser sincero, eu iria ajudá-lo para que eu pudesse ser livre... De uma vez por todas. Mas... Eu entendi que eu estava cometendo um erro grave, então, optei por deixá-lo sozinho com seus planos.— Desmond retrucou, sabiamente e de modo firme. Olhando para cada um ao seu redor.

 

— O que acha disso, Makauss?— Tairak perguntou, não deixando de encarar o mesmo.

 

— No minimo, muito interessante.— Makauss respondeu.

 

— Parece que Loki está vindo com alguma mensagem importante.— Gregory disse, detectando-o rapidamente.

 

— Ah... Céus, odeio ter que subir aquela enorme escada... Bem! Desmond, Diana quer conversar com você.— Loki apareceu ofegante segundos depois de Gregory o detectar. Jimmy, Max, Nolan ficaram impressionados. — Acompanhe-me.

 

  {...}

CASTELO REGYN.

 

— Chamou-me, lider?— disse Desmond ao surgir em frente a porta da minha sala de visitas.

 

— Sim, eu o chamei. Loki, por favor, nos deixe a sós.— peço-lhe, o mesmo me olha estranhamente e olha  furioso para Desmond.

 

— Tem certeza?— disse Loki, não deixando de encarar o espadachim que apenas cruzou seus braços, saindo do caminho.

 

— Sim, não se preocupe.— respondi sorrindo, dando-lhe um beijo na bochecha, fazendo-o corar. Ele sorriu e saiu da sala, nos deixando a sós.

 

 

Loki fechou a porta e sinto que ele está ali, há todo momento, desde sempre me ajudando... Isto é estranho. Suas expressões são todavia, positivas sobre a minha pessoa... As vezes, me incomodo com isto. Desmond estava sério, parece saber do que se trata a nosta conversa e isto é bom, não gosto muito de explicar as coisas quando são óbvias.

 

— Suponho que deve imaginar o motivo de ter lhe chamado até aqui.— Murmurei, ao sentar na poltrona. O mesmo sentou em minha frente.— Espero, Desmond... Que você não tenha nada a ver com esta invasão.

 

 

— Eu temia pelo que aconteceu... Mas não tinha em mente de que seria tão rápido... Eu iria lhe contar... Perdoe-me por não ter feito isso.— disse Desmond, cabisbaixo e olhando ao redor toda a decoração dourada da sala.

 

— Está realmente sendo sincero?— Vociferei irritada. Todo esse assunto me deixa muito nervosa e eu não sei como lidar com isso... É uma mistura de ódio e revolta...

 

— Não tenho motivos para mentir.— Desmond retrucou, com sua voz tranquila e sutil.

 

— Seria capaz de me contar tudo que sabe? Tudo sobre o que aconteceu com você?— questiono, vendo-o me encarar sem expressar nenhuma reação aparente.— Foi ele que matou o Donald, o carpinteiro?

 

— Sim... Foi Magnus que assassinou aquele homem...— Desmond contou, um pouco pasmo e surpreso pela pergunta que fiz.

 

— E não fez nada para impedi-lo?!— vociferei alterada, levantando-me indignada pela resposta que obtive. 

 

— Eu... Eu não contei ao general... Mas eu fiquei tão abalado pelo que aconteceu comigo... Fui torturado durante anos... Tanto que, estranhamente perdi a memoria... E bem, nesse meio tempo, não tinha muita consciencia do que acontecia ao meu redor... O sentimento de culpa por algo...— Desmond comecou a responder, ainda tranquilamente, sem alterar sua voz.

 

— Já recuperou a sua memoria? Sabe quem você é? Sabe onde seus pais estão? Seu reino?

 

— Recuperei minha memoria assim que estranhamente fui atraido pela arvore de Angard... Naquele momento... Eu sabia sobre tudo que aconteceu... Eu sou Desmond Lowvine, espadachim de Lycon... Morava em uma vila chamada Maskow, meus pais... Eles estão mortos.— respondeu Desmond, hesitante, mas respirando fundo há cada momento.

 

— Como eles morreram? Você se lembra?— questiono, curiosa, voltando a me sentar.

 

— Era uma madrugada fria... Eu tinha apenas dez anos... Quando tudo aconteceu. Eu só pude ouvir os gritos e minha mae dizer que eu tinha de me proteger... Eu não sabia o que fazer... FOi quando ambos decidiram ir lá fora. Passaram-se horas... E horas... E eu finalmente criei coragem para ver. O que vi... Nunca irei esquecer. Muitas mortes... Corpos no chão... Sangue para todos os lados... Até que havia um grupo de cavalheiros negros... Que vinham em minha direção... Então, fui salvo pelo grupo do Magnus.— ele explicou, depois de cada pausa em cada palavra. — Eles tinham marcas em suas peles... Uma marca de um reino... Eu não sei dizer qual, mas irei descobri.

 

 

— É possível que esta marca seja de um reino comandado por um supremo...— Indaguei assustada com tudo que ouvia. Eles estão por todos os lugares.— Todo este tempo você era tratado como escravo... E como foi planejado a morte do Donal?

 

 

— Foi feito uma emboscada... Tudo muito rápido. Eu não sabia que quem ele queria que morresse naquele lugar... Seria você.— Desmond vociferou.

 

— Então, era para ser eu no lugar dele?— Retruquei, pasma. Suspiro fundo ao saber de que tudo é minha culpa... Se fosse eu, tudo poderia ser resolvido...

 

— Eu era o único que poderia sair livremente para qualquer lugar de Raigok... Ele me resignou a ir em busca de alimentos... Eu não sabia que ele assassinou aquele homem. Eu havia escutado os boatos e logo toda aquela confusão se formou. Quando voltei para onde nos alojavamos... Ele estava com um sorriso no rosto... Foi então que descobri que foi ele... Ouvi dizer da sua própria boca que não era ele que deveria ter sido morto, mas  também, foi um ato para surpreende-la. Eu não queria isso... Não queria sempre ter que viver nas sombras por culpa ou porque cometi algo ruim...— Desmond dessa vez, descontrolou-se ao dizer e seus olhos azuis logo lacrimejavam.

 

 

— Entendo a sua preocupação... As suas lágrimas... O motivo de ter o ajudado... Apesar de que não  sabia ao certo o que estava fazendo. Acredito que eu posso confiar em você, Desmond... Eu só não quero me decepcionar... As pessoas cometem erros, ok? Todos nós cometemos... Isso é natural... — comentei ao limpar seu rosto quase pálido e o vê-lo sem reação por ter feito isso.

 

— Eu quero que saiba de que darei a minha vida para protegê-la. Sinto que, aqui em Raigok sou livre... Posso ser quem eu quero ser. Posso ajudar as pessoas... Posso proteger alguém... Posso me sentir útil. E eu quero fazer isso! Mas também, quero dizer-lhe que eu irei atrás de vingança...— Desmond vociferou, entre-dentes, cerrando seus punhos.

 

— Eles mataram seus pais... E eles também mataram os meus.— Eu indaguei, vendo-o surpreso. Seus olhos estavam assustados, logo, mantiveram-se normais.

 

—  Eu prometi que faria isso... Que mataria quem os assassinou.— Desmond contou, me olhando sério.

 

— Eu também fiz uma promessa... E irei cumprir. Aliás... Nós iremos.— respondi, sorrindo, enquanto me erguia, vendo o retrato de ambos meus pais.

 

Todo mundo sofre com algo. Todos tem suas dores... Seja ela profunda ou não. Agora entendo o motivo por Desmond ser tão diferente...

Ele é agradável, sua expressão séria e fria sumiu em instante.  Desmond, sua energia é formidável, mas está negativa só de pensar nesta terrível morte de seus pais... Lembro-me de tudo que aconteceu e me sinto ruim. Fico feliz por ele ser tão sincero e ter consciência de seus atos, o que é honrável. 

{...} O mesmo saiu logo em seguida, sorridente e Loki o analisava com toda cautela. 

 

— Está tudo bem, Diana?— Loki surgiu na porta assim que Desmond saiu. 

 

— Estou.— respondi, ao vê-lo aproximar. 

 

— Eu não sei o motivo... Mas não confio nele.— disse Loki ao ver Desmond seguir para a torre.

 

— Eu tinha uma má impressão sobre o mesmo... Estava completamente errada.— disse ao sentir seu abraço forte e carinho ao me envolver.

 

— E o que disseram foi tão interessante assim? A ponto de te fazer mudar de ideia?— Loki  comentou, dando risada do quanto estou séria e tentando permanecer. Com Loki é dificil.— Merida disse que irá reunir os lideres dos grupos, o general, Gregory, Makauss e os demais para a reunião... Esqueci de te dizer. É sobre os testes. Devo comunicá-los?

 

— Sim, é melhor que os comuniquem. Diga ao Gall para avisar os sacerdotes, quero a presença dos três.— disse ao vê-lo assenti positivamente e ir até Gall.

 

{...}

 

— Desculpe... Eu acabei ouvindo vocês...— disse Amber, ao surgir na frente da porta enquanto caminho em direção a escada.

 

— Oi, Amber.— sorri ao vê-la. Ela parece desanimada... O que será que aconteceu?

 

— Não ficou furiosa por isso?— perguntou Amber, estranhando a minha reação.

 

— Você não gostaria de me ver furiosa...— Voltei a descer enquanto a vi caminhando na sala principal. 

 

— Amber! Amber, volta aqui!— disse Zara ao surgir irritada.

 

— Estou atrapalhando algo?— vociferei ao parar em seu caminho.

 

— Ah... Bem... Não... Não!— Zara murmurou confusa ao me ver.

 

— Está tudo bem... Posso lidar com ela.— Amber me tranquilizou, subir as escadas e fui em direção á quarto delas.

{...}

 

— É ela! Ela está vindo!— escuto Effie gritar ao me ver e entrar no quarto.

 

— Céus... Não seja tão escandalosa!— Amy resmungou.

 

— Deixe-a. Effie é sempre tão animada.— Sasha deu risada.

 

— Olá, meninas.— respondi, vendo-as em fila.

 

— Bem vinda ao nosso quarto, líder.— vejo-as me reverenciar e sorridentes.

 

— Obrigada! Onde está Genevieve?— perguntei ao olhar para todas e não avistá-la. Em alguns segundos, vejo-a sair do banheiro.

 

— Serve aquela ali?— Effie apontou para Genevieve que apenas parou de enxugar seu cabelo longo com a toalha branca.

 

— Ah... Estão falando de mim?— Genevieve pausou o seu trabalho com a toalha e olhou para mim cabisbaixa.

 

— Olá, Genevieve... Teria alguns minutos?— perguntei, ela apenas assentiu com a cabeça. Esperei que ela se aprontasse..

 

{...}

 

— Gostaria muito de saber sobre o que quer conversar, minha lider...?— disse ela, ao adentrar em meu quarto.

 

— Sinta-se a vontade.— disse ao fechar a porta e vê-la sentar na poltrona.

 

— Bem... Eu estou curiosa.— disse Genevieve, disposta com uma grande manta em seu corpo, pois está frio.

 

—Kirian... É o seu irmão?— questiono, curiosa. Ela me olhou pasma, mas logo seu rosto mudou para sorridente.

 

— Está interessada nele?— disse, sorrindo. Eu apenas dei risada, sem graça.

 

— Não... Não é isso! Eu só... Não percebi que eram irmãos até... Esqueça.— revirei os olhos na tentativa falha de explicar.

 

— Vocês fazem um casal muito bonito.— Genevieve sussurrou animada.

 

— Mas... Eu não...— ela me interrompeu com um abraço.

 

— isso é incrivel! Meu irmão está apaixonado por você... E você por ele!— ela comecou a dizer alto demais. Tampei sua boca e suspirei fundo.

 

— Eu não sei o que realmente sinto por ele... Eu só estou curiosa para saber sobre vocês...

 

— Ele não tem namorada. Na verdade, meu irmão tem muitas admiradoras em Midgard... Mas nenhuma o interessou... E olha que muitas nobres.— Genevieve sussurrou.

 

— Uau... Pelo jeito, ele é um sedutor de primeira.— dei risada, ao ver Genevieve me olhar diferente.

 

— Adorei o seu quarto... E a vista que tem aqui é incrivel...

 

— É sim... Bem, já que estamos conversando, comunique á Amber de que  teremos uma reunião em breve, ok?! A respeito dos testes.

 

— Está bem! Irei comunicar sim!

 

{...}

AMBER. DESMOND. ZARA.

 

— Amber, eu estou falando com você! Não me ignore!— disse Zara ao acompanha-la até o pátio.

 

— Zara... Nao seja idiota e pare de agir como uma criança, ok?—  Amber vociferava a ignorando, até esbarrar em alguém.

 

— Olha para onde anda...— disse Desmond, ao segurá-la firme antes que caisse no chão.

 

— Me solta!— disse Amber, o empurrando há tempo.

 

— Ei! Quem é ele?— Zara sussurrou.

 

— Não tenho a minima ideia... E nem quero saber.— disse Amber ao sentar no banco e olhar as estrelas.

 

— Desmond... Mesmo que nem queira saber.— disse Desmond ao ir em direção a torre.

 

— Desmond! Ei! Tairak quer que todos estejam na sala!— Max apareceu acenando para o mesmo que revirou os olhos. Era possivel vê somente o destaque de seus olhos azuis com os de Amber... Verde intenso.

 

— Parece que você gostou dele.— Zara sussurrou em provocação.

 

— Cale-se.— Amber retrucou irritada, voltando no caminho.

 

— Sabe, Amber... Me surpreendo como pode ser tão tosca!— Zara indagou dando risada.

 

— Vocês duas, parem!— disse Genevieve, ao ver que Zara invocara um tipo de monstro das sombras.

 

— Desculpe, Gene... Zara me irrita ao extremo... Mais até do que Effie... E eu sinceramente não sei como estou dizendo isso.— Amber desculpou-se ao voltar a sentar no banco.

 

— Eu estava falando com a lider... E ela pediu para avisar a voce, Amber... Para comunicar as demais de que nós teremos uma reunião... E pediu para lhe entregar isto.— Genevieve deu-lhe um pergaminho. Zara revirou os olhos e seguiu para o quarto.

 

— Está bem, obrigada.— Amber a agradeceu.

 

— Irei na frente, ok? Vou dizer a todas para te esperar antes de dormir.— Genevieve entrou no castelo sorridente.

 

— Ei... Amber.— disse Desmond, ao aparecer em sua frente.

 

— Céus! Não apareça assim!— disse ela ao tentar atacá-lo, mas o mesmo esquivou-se.

 

— Desculpe... Eu só queria te devolver isso.— disse Desmond ao entregar-lhe um amuleto especial.

 

— Como você ousa a... Esquece.—Amber retirou seu amuleto das mãos asperas de Desmond que apenas sorriu ao ver a brutalidade da mesma, indo sem agradecer.

 

— Belas espadas.— ele havia dito, ela parou no caminho e sorriu, logo indo embora.

 

{...}

 

Enquanto isso...

 

— Abrem aqui!— dissera uma voz nada desconhecida.

 

— Magnus?— disse Guth ao vê-lo de capuz.

 

— Sim, sou eu! Abre essa porta logo!— disse Magnus ao olhar para os lados.

 

— O que aconteceu?!— disse Bard ao vê-lo entrar.

 

— Deu tudo errado...— Magnus sussurrou irritado.

 

— O que, exatamente?— perguntou Guth, revirando os olhos.

 

— Eles falharam... Eu falhei...— Magnus resmungou.

 

— Ok... E enquanto ao Desmond?— Bard comentou.

 

— Ele está lá... Na torre... Com eles! Ele é um traidor... Maldito traidor!— Magnus gritou irritado.

 

— Calma, chefe... Vai ver... Ele está lá porque tem um plano!— Bard tentou adverti-lo.

 

— Não... Ele vai pagar com isso... Eu nao estava contando em ter que matá-lo... 

 

— Ele não é fraco, Magnus... Não é a toa que ele estava com todas aquelas correntes e trancado naquela gaiola... Ou seja lá o que era!— disse Guth, o alertando.

 

— Não me importa! Irei matá-los... Matar cada um que estiver lá! Inclusive, Desmond. Ou eu não me chamo Magnus...


Notas Finais


Espero que tenham gostado... O cap não teve mt acontecimento nem muita ação, é mais sobre a história de Desmond, a semelhança interessante que ele tem com a Diana.. E bem, o encontrinho fofo ou nem tão fofo de Amber e Desmond <3
E O QUE TEM A DIZER DO INTERESSE DE DIANA COM O IRMÃO DA GENE, HM? HM??? HSFJSDF
BJÃAAO, ATE O PROXIMO CAP E DSCP OS ERROS <3


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...