História The Last Letter - JiKook [Hiatus] - Capítulo 1


Escrita por: ~

Postado
Categorias Bangtan Boys (BTS)
Tags Bts, Jikook, Namjin, Vhope, Yoonmin
Visualizações 17
Palavras 3.574
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Colegial, Crossover, Drama (Tragédia), Famí­lia, Lemon, Poesias, Romance e Novela, Violência, Yaoi
Avisos: Adultério, Álcool, Estupro, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Mutilação, Tortura
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas da Autora


Fiquem com o primeiro capitulo desta fic maravilhosa!

Capítulo 1 - Eu não sou tão mal assim...


Fanfic / Fanfiction The Last Letter - JiKook [Hiatus] - Capítulo 1 - Eu não sou tão mal assim...

Jeon Jungkook, por mais que eu queira falar com você, terei de falar por cartas, nas quais me dão liberdade de expressar tudo o que sinto, ou vou sentir... por você. Estranho, não? Que este desabafo que farei, em todas as cartas que enviarei a ti, agora e para sempre, sejam bem guardados, tudo bem?

Isto é estranho para mim, minha primeira carta está sendo dirigida a você.... É difícil tornar tudo o que penso de idiota, tudo o que sinto e ainda sentirei por um babaca em uma carta. Tudo o que sinto, o que nunca senti, ainda mais por alguém que sempre pensei odiar! Mas, quando passei a perceber que, além de meu coração bater mais forte e rapidamente, eu ofegava quando você se aproximava de mim. Pensei por um instante em ter falta de ar, ou até asma!

E você sempre me fez passar por todos os tipos de dor, de automutilação à morte e, por incrível que pareça, é incrível a forma como me trata, me humilha. A forma como me olha, as formas como nossos olhares se encontram como a lua e o sol em um eclipse. Você não consegue entender, nem eu consigo! Queria saber o porquê. Por que me humilhar? Seu preconceito faz você ser quem não é, quem não sou! E isto é horrível até para você, seu popular descarado, filho de uma dama da noite! Nem xinga você, eu consigo!!! Como pode me machucar, fazer-me chorar, prender-me a está dor maravilhosa de ser torturado por você a todo o custo, por todo este tempo?

Eu te odeio por te amar!

Eu te odeio por tudo o que me fez e faz!

Te odeio por amar você demais a ponto de nunca ter deixado de observa-lo todos os dias!

ODEIO!!!

PJ.

 

– Quem é PJ. ?

– Ah, Jungkook. Não se faça de otário! Talvez, deva ser alguém tentando mostrar o sofrimento a você! – Namjoon diz. Esse idiota, além de ser meu melhor amigo, namora meu irmão.

– Acho que peguei pesado com esse tal de PJ.

– Jungkook, deixa de ser idiota!

– AH, não enche! VAI LÁ COM O SEU NAMORADINHO!

– Nossa, está bem! Se continuar assim, vai perde o resto de amigos que ainda tens.

– Me perdoe...

– Tudo bem, estou acostumado. Até – Namjoon diz, e desaparece dentre os corredores, mas sua resposta anterior ainda soava em minha mente. E do outro lado do corredor, aquela linda pessoa me observava, caminho até ali.

A beleza desta pessoa me fascina, sinceramente. Depois de humilha-la tanto, ainda consegue ser tão linda.

Park Jimin, como você consegue ser tão fofo sendo tão chato?

 

* * *

 

Estava caminhando pelos corredores, com papel e lápis nas mãos, quando ouço uma gritaria. Era ele, Jeon Jungkook, o de costume.

– Outra vez, não... – Digo sozinho. Observando-o, escrevo a próxima carta, até ele nota a minha presença obscura ali. E, enquanto ele se aproxima, eu me afasto.

– Jiminie, - Ele diz, nunca me chamou por este nome. Aí tem coisa. – O QUE VOCÊ ESTÁ FAZENDO AQUI, SEU NERDZINHO DE MERDA?

Sabia.

– N-Nada – ‘Ah, eu só estava vendo você ler a carta. Só isto’. – Estava caminhando por aqui...

– E ouvir a conversa dos outros é caminhar? SAI DAQUI!

– O.K... – Digo, afastando-me. Sussurro: – Idiota!! Por que eu amo você, hein?

Jungkook sempre foi irritante ao extremo. Desde a infância, nós éramos amigos. Tipo, melhores. Até aquele dia fatídico...

 

9 Anos antes

Minutos antes do recreio.

– Ei, Jiminie. Vamos ser melhores amigos para sempre certo?

– Certo! – Sorrio.

– Amigos para sempre! – Ele diz me abraçando, e dou um beijinho em sua bochecha.

Soou a campa.

– Jungkook, vamos para o refeitório. Preciso contar-lhe algo...

– Tudo bem! – Ele sorri. E fomos, eu, Jungkook, Tae, Hoseok, Namjoon e Jin. O casal mais fofo da escola. O qual nunca tivera preconceito em sua relação.

Assim que chegamos, eu conto a ele:

– Jungkook. A um tempo que eu sinto algo diferente por você. Posso não ser correspondido, mas tudo bem. Estou certo de minhas decisões que, cheguei a uma conclusão, nunca chegou a se passar por minha mente, e.... – Ele estava mais ansioso que eu naquele momento. Tão lindo.... Segurava minha mão como se segurasse uma folha, e prestara uma atenção admirável em mim. Até aquilo saí de minha boca. – Agora eu sei que, além de um amor de irmão, eu sinto algo a mais por você.

Ele largou minhas mãos de uma forma espantosa, olhou para mim como meu pai olhara na noite passada. Meu sorriso naquele momento tornou-se lágrimas de decepção. E, rindo, ele disse:

– O QUE? VOCÊ ESTÁ BRINCANDO COM A MINHA CARA, NÉ JIMINIE? É MAIS UM DAQUELAS PALHAÇADAS SUA? – Ele disse, de forma, como se estivesse ridicularizado. Meus olhos, estavam querendo me enganar. Meu coração, primeiramente. – Não?

Balancei minha cabeça para os lados, percebi o nojo em seus olhos. Estávamos próximos a lixeira do refeitório, então ele me empurra. E, sem mais nem menos, começou a dizer:

– Eu nunca serei melhor amigo um gayzinho de merda. Seu lixo, que bom que já encontrou seu lar, NA LIXEIRA! E que fique aí. Espero que saiba que, EU NUNCA IREI SENTIR O MESMO POR VOCÊ, SEMPRE SENTIREI NOJO DE VOCÊ. Seu idiota!

 

ϪϫϪ

 

Num momento desses você faria o mesmo que eu. Correria até o banheiro e choraria, já que todos ali riam de você.... Até quem você ama, e passou a odiar! Foi neste dia que comecei a me mutilar, por causa dele. É tudo culpa dele. Eu quis me declarar, e ele simplesmente me humilhou, me jogou no lixo e fez isto!

 

* * *

 

No mesmo dia, de tarde.

 

Poderia não me deixar amar, não mais!

Eu queria poder te odiar, mas não consigo!

Eu queria poder te deixar, mas não consigo!

Eu queria poder te esquecer, mas não consigo!

Eu queria poder me afastar, mas não consigo!

Eu sinto como se estivéssemos unidos por um elástico, quanto mais nos afastamos mais forte será o impacto quando nos encontramos novamente. Eu prefiro deixar-me esconder, de que ser humilhado outra vez por você! Mesmo que nada, você me trata como um lixo, como se eu fosse desnecessário.... Assim como o seu amigo, eu estou acostumado! Você acaba comigo somente sorrindo, e é incrível como uma pessoa pode ser tão perfeita, sendo tão idiota. Nada pessoal, mas por trás de meu capuz escuro e negro, há um rosto inchado e completamente vermelho. Adivinhe, quem é a motivação?

Isso mesmo. VOCÊ!

PJ.

 

– De novo? – Namjoon pergunta.

– É o que parece – Respondo.

– Mas por que isto agora? – Jin aparece dizendo. O que nos assusta.

– Não sei, mas a cada carta, que ele ou ela manda, são como facadas.... Dá para sentir sua dor.

– Está vendo o que você faz? É para sentir mesmo.

– O seu irmão tem razão, uma hora ou outra você tem que sentir a dor de alguém.... Ou de todos, através de um – Namjoon diz, e com razão.

– Justo!

– Mas isto é de fato justo, porque eu ainda humilho e faço coisas ruins com muitas pessoas.

– Principalmente com o grupinho do Park Jimin!

– Repete – Exijo.

– Principalmente com o grupinho do Park Jimin?

– PJ. Park Jimin. Mas é claro, deve ser uma pegadinha desse nerd!

– Ou, quem sabe, uma forma dele expressar o que sente por você!

– AH, Jin! Sério? O Jimin?

– Deixa de frescura, égua. Se ele ainda gostar de você verdadeiramente, você caçoaria com os sentimentos dele? – Diz Jin.

– Não... – Abaixo minha cabeça, e digo. – Jin.

– Então deixa de ser cara-de-pau! Pode ser qualquer um aqui!

– O Jin tem razão, Jungkook. Deixa de ser chato com o outros, deixa de ser chato com o Jimin.

– Mas, ARGH! – Digo. Não vou parar com o Jimin, nem ferrando. – Está bem.

– Olha, lá vem eles. Pede desculpas e depois a gente se fala – Eles falam, e me empurram fazendo com que eu caia em cima de alguém.

E aqueles olhos tomaram minha alma por segundos, milésimos. Capaz de apaixonar qualquer um. Uma pena estarem inchados e vermelhos. Me sufoca a possibilidade de ser capaz de beija-lo, e ainda assim, sentir nojo dele.

Jungkook! Que pensamento, você o odeia.

 

* * *

 

Estávamos conversando, Hoseok e eu, quando alguém cai em cima de mim. Acho incrível a forma como seus olhos se encontram com os meus, velozmente, seguindo caminhos tão distintos. Nossas respirações agora juntas, lábios quase se tocando, a vontade de beija-lo é colossal. Meus lábios estremecem. Meus olhos de lagrimas se preenchem. Até ele se levantar rapidamente, depois de minutos que, para mim, pareciam séculos.

– É, é.... desculpe-me, eu, eu, é.... – Ele tentava falar o que, para mim, é muito fofo! – Presta atenção por onde anda, seu nerd de merda!

– Mas foi você que caiu em cima de mim, idiota! – Eu disse, na tentativa de me defender enquanto Hoseok me ajudava a levantar.

– Ah, quem se importa? Olha por onde anda, seu ridículo! Tenho nojo de você, GAYZINHO DE MERDA!

E mais uma vez, me afasto rapidamente, corro para o banheiro em prantos, tranco-me em uma cabine e choro. No encontro de cortes e feridas, sangues despejados.

Hoseok entrou no banheiro. Já preocupado, dizendo:

– Jimin? Jimin, por favor, cadê você?

– Me deixa sozinho, Hobi, por favor!

– Tudo bem...

– Obrigado, amigo.

 

Após um tempo chorando, percebo que estou sozinho no banheiro. Até alguém entrar chamando por mim.

– Jiminie, por favor, apareça. Não o deixe machuca-lo outra vez – Diz a pessoa que acabara de entrar no banheiro, já reconhecendo está voz. A vontade chorar aumenta cada vez mais.

– Jin, eu já o deixei me machucar. Agora eu estou terminando de fazer com os meus pulsos, o que ele começou com palavras – Digo, ainda chorando. Um sorriso surge em meu rosto, ao menos o tenho aqui. Abro a cabine, dando de cara com ele e o abraço. – Que bom que ao menos você ainda está ao meu lado.

– Mas é claro – Ele sorri, olhando para mim. – Agora, vamos limpar estas lágrimas, este sangue. Você tem que sorrir, esqueceu?

Sorrio, porém, fraco. E digo a ele:

– Obrigado por ainda estar aqui. Mesmo você não sendo quem eu tanto desejo ser. Eu amo você. Obrigado por me fazer levantar todas as vezes que ele me faz cair.

– Jimin, isto foi muito gay. Mas eu adorei! Também amo você, maninho.

Como ele pode ser tão legal tendo um irmão idiota?

 

* * *

 

Noutro dia.

 

Eu fui idiota o suficiente de pensar que, de certa forma, você iria querer que eu continuasse a ser aquele seu amigo que nós dois sempre fomos, desde crianças até aquele dia que você me empurrou no lixo e disse “Eu nunca serei melhor amigo de um gayzinho de merda”, que você iria me abraçar e dizer que está tudo bem, que ainda se importa comigo. Mas não, aqui estou eu, chorando e, aí está você sorrindo.... Fazendo ela feliz, fazendo de conta que eu nem existo.

Eu jurei não me importa, mas o ‘amorzinho’ de vocês fica na mesma sala que a minha... Só de saber que você sente ‘nojo’ de mim, ‘raiva’, ‘ódio’ do meu melhor amigo e de mim. Ciúmes bestas desde a infância. Já me dá certos ódios de você, serio! Por mais que eu o odeie por fazer-me duvidar de tais sentimentos, sinto pena de você! Seriamente dizendo, acho que te amodeio por você ser tão, popularmente falando, IDIOTA!

PJ.

 

– De novo? – Digo sorrindo, assustando Jungkook.

– Cara, sei lá, eu nem lembro quem é esse ser que empurrei na lixeira. Mas ainda acho que é o Park Jimin.

– Que nada, Jiminie não seria capaz disto – Digo, claro que eu sei que é o Jimin que manda estas cartas. Jimin é meu melhor amigo..., mas o Jungkook não sabe. Ainda. Ele pode ser meu irmão, mas eu não o conto tudo – Se quiser eu falo com ele.

– Nem ouse. YOONGI! – Jungkook grita. Quase estourando meus tímpanos.

– QUE É!? – Ele grita, estressado.

– Você, por favor, pode descobrir quem está escrevendo estas cartas?

– Ah, tá. Tanto faz – Responde frio.

– Deixa de ser frio, Yoongi! – Jin o repreende.

– TÁ! – Disse, tentando parecer animado. – TCHAU.

 

Mais tarde.

 

– Ainda acho que o Jungkook devia pedir desculpas para o Jiminie – Digo a Taehyung. Ele havia ido para minha casa para eu passar os assuntos, ou é o que Jungkook acha. Ele foi mesmo é para conversa comigo, adivinhe, sobre o que!?

– Eu sei, mas eles praticamente se amamodeiam – Ele diz, com razão. Jungkook não odeia Jimin só por ele ama-lo, é um pouco de cada. – E ainda mais, o amor de Jimin nunca foi correspondido.... Como Jungkook, propriamente, disse naquele dia horrível.

– Mas sabe o incrível, Jungkook ainda dizia para mim o quanto sentia ódio de Jimin, nojo. E tudo aquilo que ele fez... Ele tentou pedir desculpas depois daquilo, mas a escola toda, praticamente, começou a encher a cabeça dele de merda – Digo. A parte do “a escola toda começou a encher a cabeça dele” é verdade. Mas o Jungkook nunca odiou Jimin, ele sempre gostou dele, mas essa sua popularidade não o deixa ser ele mesmo mais. – Bom, Tae. Jungkook deve estar chegando e você tem de ir. Está bom? Mande um beijo para Jimin, por mim.

Ele assentiu sorrindo e foi embora. Eu estava na varanda o vendo ir com Hoseok, já que o mesmo veio busca-lo para leva-lo até sua casa.

Outro casal respeitado, além de mim e Namjoon.

 

* * *

 

Outra vez, mais uma carta deixa no armário de Jeon Jungkook. Deixada por quem? PJ.

Só eu para ser um completo idiota e deixar ali, para ele, outra vez, não?

– CHIMCHIM! – Taehyung gritou, tirando-me de minhas cogitações.

– Que?

– Yoongi está procurando o autor das cartas que Jungkook recebe!

– Cacete!

– É melhor fazer isto em casa, ou em outro lugar – Advertiu Hoseok.

– Não, posso correr o risco.... Se é o PJ que buscam, vão ficar buscando – Articulo e sorrio para eles.

– Jimin, você é demente? – Taehyung diz, segurando meu pulso. O que faz ele doer.

– Certamente – E sigo para o refeitório. Eles se entreolham e me acompanham.

E mais uma carta será deixada no armário de Jungkook, Yoongi que se foda!

To nem aí, pode me procurar até no esgoto. Mesmo que me encontre, eu sempre vou mandar se fuder.

 

* * *

 

No mesmo dia.

 

Tem dor maior do que olhar para você todos os dias e te ver sorrindo e, ainda assim sentir lágrimas em meus olhos.... Isto é estranho, é esquisito, é horrível, doloroso, vê-lo pegar na mão dela, e ainda não ser a minha.

Odeio ser tão trouxa, tão idiota, tão iludido, tão besta, tão... LIXO!

Porque toda vez que te vejo, eu fico feliz. Mas, por que toda vez que eu não te vejo, eu fico com dor de cabeça? Essa dor insuportável, passa somente quando eu sei que no amanhã seguinte eu vou te ver. Só de saber.... Não há palavras para descrever.

É como um sonho, você aparece e tudo fica colorido.

E é como um pesadelo, você vem e me humilha.

Eu te contei de tudo, início, meio e fim. Olha no que deu! Me conhece da pontinha do dedo de meu pé até o fim de meus cabelos.... Pode ter me ferido, mas não tanto quanto eu mesmo me firo. Por sua causa. Este mundo onde vivemos, tem uma infeliz realidade. Flores são mortas, cortadas por pessoas por serem bonitas. Pessoas se cortam e morrem por não se acharem ser belas o suficiente. O incrível disto é..... Eu sou uma flor, porém, não me acho belo o suficiente.

É estranho, é como se estivesse retornado de tal lugar desconhecido, fora do mapa, fora de... Vida. É sempre assim, você volta a falar comigo, me humilha, e depois esfrega em minha cara o quão desnecessário sou. E, toda vez que eu tento, de diversas formas, você vem e me impede. Você sempre impede que pessoas que, por terem gostos diferentes do seu ou opinião sexual diferente, elas cheguem perto de você. Você, literalmente, as humilha!

Eu só queria poder ter coragem de fazer o mesmo....

Mas, o meu amor por você, faz algo me impedir.

PJ.

 

– Nossa! – Digo baixo. – Como alguém pode amar a mim? Eu sou tão idiota.

– Jungkook, você está bem? – Lalisa, minha namorada, perguntou a mim. – O que está lendo?

– Nada – Minto.

– Ok.

– Tenho que ir, minha Omma deve está furiosa.

– Tudo bem. Tchau – Beijo-a e vou indo. Ainda pensando

Como alguém poderia amar a mim. Por que?

Lalisa não me ama, isto eu sei. Mas, de fato, como alguém... como PJ, iria amar a mim? Eu sempre fui tão, tão... sei lá. Odiado? Estupido? Idiota? Trouxa?

Mas, focalizando, vamos voltar a andar...

Estava em uma pracinha, observando todos. De casais a pequenas crianças e seus melhores amigos. Lembro de quando era criança, de quando eu, Jin e Jimin brincávamos por praças parecidas, de quando tiramos uma foto com nossas famílias.

Retorno o olhar para o asfalto, azul-acinzentado. Só me lembro de ainda está pensando nas cartas e na pessoa que as escreve, só me lembro de um garoto caindo em cima de mim. E começou a dar um branco quando, de repente, fito aqueles olhos.

Como podem ser tão lindos? Como um ser como este, além de pequeno e ter um corpo exuberante, pode ser tão lindo?

Uma pena, eu o magoei demais.

 

* * *

 

Estava passeando por uma praça, numa rua que eu nem sei o nome, até tombar em cima de alguém. E lá estava ele, com aqueles dentinhos de coelho, sorrindo.

– Ora, ora. Park Jimin? – Disse ele, idiotamente lindo!

– J-Jungkook? – Digo sem perceber que o papel, na qual, que estava em minhas mãos havia caído. Estamos tão próximos que eu seria capaz de fazer certas bobagens com este bastardo.

– Você está próximo demais, afaste-se! – Após ele dizer isto, levanto rapidamente olhando para os lados e para o chão a procura de meu papel. – Procurando isto?

E lá está, em suas mãos.

– Devolva! – Peço.

– Calma – Disse começando a ler. – Você esqueceu de assinar, Jiminie.

Ainda bem.

– Ji-Jiminie? Você nunca mais havia me chamado assim, faz 9 anos. Depois daquilo...

– Jiminie, eu não sou tão mal assim, e por favor, esqueça aquilo! Tome – Ele disse me devolvendo a carta. – Preciso ir.

Assinei.

Estou com medo, não dele ou de mim, mas dos olhos que hoje não reconheço mais. Ele mudou, nunca havia trocado mais de simples xingamentos comigo ou com qualquer outra pessoa que fale com ele.

Está estranho.... Um estranho bom e, ao mesmo tempo, ruim.

 

* * *

 

Chego em casa um pouco desconfiado e resolvo ligar para Yoongi.

– Yoongi, achei! – Conto, incerto.

Uhn... Achou quem?– Articula, desinteressado. – E quem era?

– Park Jimin! Eu li uma carta, algo assim dele hoje, acho que era ele – Hesito.

Como assim, “Leu uma carta dele”?

– Eu, meio que, esbarrei nele hoje, na praça, praticamente. Ele caiu em cima de mim – Arrisquei esclarecer.

Tá, e você acha que era ele só porque sentiu o pau dele roçando o seu? – Ele articulou, zombando.

– Você quer morrer cedo, né? – Indago.

Não – Ele graceja. – Mas por que acha que ele?

– Por que estava assinada! – Minto.

ESTAVA ASSINADA!? – Ele, praticamente, gritou do outro lado.

– Não absolutamente... – Articulo e o escuto bufar. – Mas eu reconheci sua letra. É parecida.

Tento satisfazer, o que é, possivelmente, impossível.

Quando tiveres certeza absoluta, me liga! Quanto a isso, não ouse me ligar se não tiver!!! – Proferiu e desligou.

 

Ainda assim, aquela dúvida corre sobre minhas veias. Me faz estremecer. PJ me odeia, e são existentes vários e vários motivos para isto!

Isto é estranho, Jimin não pode ser.... não seria capaz depois de tudo o que o fiz. Ele nunca irá me perdoa, disto eu sei.

* * *

Posso ter errado com pessoas que gostam de mim, mas você vai ser diferente.... Me perdoe, mesmo eu não conhecendo. Você diz que eu o conheço muito bem, mas eu não lembro. Eu não sei quem és.

Minha dor de cabeça, agora é insuportável. Meu irmão diz que é a possibilidade de um ‘chifre’, mas iludo-me dizendo que Lalisa não seria capaz.

Eu não sei o quanto te fiz sofrer, o quanto te machuquei, o quanto te magoei, me perdoe. Eu nem sei quem és, mas perdoe-me por tudo. Estou com medo de magoa-lo novamente.... Nós nos conhecemos tão pouco.

Então diga-me o que quer, diga-me o que sente, faça-me saber tudo o que sente, faça-me sentir a dor que sentes, o ódio que tanto diz amar...

Eu prometo que, quando tudo isto acabar, irei parar de machucar você. Entenda eu não sou assim... Pergunte ao Namjoon, ao Jin... pergunte ao Jimin.

Ah, o Jimin.... Eu nunca quis feri-lo, nunca quis machuca-lo, nem o fazer sentir o que sente. Só o quero de volta, sendo meu melhor amigo, aquele maduro e chato. Como ele consegue ser tão fofo sendo tão chato?

Por favor, fale comigo. Mas, se não quiseres revelar quem és, por mim, tudo bem.

J.J.

 

– Jimin, ele falou sobre você – Hoseok e Taehyung, praticamente, gritam. – Ele falou de você!

– Eu li, Taehyung. Eu li – Digo, sorrindo bobo.

– E ele ainda pediu perdão... Nossa, nunca pensei que, um dia, iria ouvi-lo dizer isto. Que dizer, ler. Ainda, mas ele, um gostosão do 3° ano, que estuda na mesma sala que a nossa – Taehyung diz sorrindo.

– A TÁ – Hoseok grita, tentando ganhar atenção alheia. Seu ciúme faz com que Tae comece a rir e os dois seguirem caminho.

– Aí, aí. Ah, vamos lá – Digo, respiro fundo.


Notas Finais


Olha a fic... <3
Bom, caso tenho gostado, comentem por favor, isto é importante pra mim!
Beijão, amo vocês!


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...