História The Last Letter - JiKook [Hiatus] - Capítulo 2


Escrita por: ~

Postado
Categorias Bangtan Boys (BTS)
Tags Bts, Jikook, Namjin, Vhope, Yoonmin
Visualizações 13
Palavras 3.556
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Colegial, Crossover, Drama (Tragédia), Famí­lia, Lemon, Poesias, Romance e Novela, Violência, Yaoi
Avisos: Adultério, Álcool, Estupro, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Mutilação, Tortura
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas da Autora


É a minha primeira fic Jikook, não me julguem. Eu não shippo, mas super respeito!
Mais capitulo, porque sim!

Capítulo 2 - Me perdoe...


Fanfic / Fanfiction The Last Letter - JiKook [Hiatus] - Capítulo 2 - Me perdoe...

Eu o perdoou, mas por favor, pare de fazer o que faz com Jiminie.

Só, por favor, não faça promessas, se não for cumprir.

Não diga, se não for fazer.

Não diga, prometa ou faça... Só não me machuque, só não o machuque. Não revelarei quem sou, pois nem eu mesmo sei quem sou!

Mas, por favor, quando for falar com o Chimchim. Diga que não quer vê-lo triste, que não quer vê-lo se mutilando, que não o quer chorando ou qualquer coisa que seja sorrindo. Diga que vai ficar tudo bem, porque ele não me ouve. Ele não ouve ninguém e, às vezes, só se sente bem abraçando o Jin, o Tae, o Hoseok, .... Você, o qual ele nunca mais falou. No qual, eu nunca mais falei...

Toda vez quando sonho, é você que está lá. E é bom vê-lo sorrir, mesmo não sendo diante a mim. É estranho saber que, além de estarmos tão longe, estamos tão perto. Uma lamparina fraca ofusca minha vista quando estou a olha-lo, mesmo sendo um incomodo, tudo dói quando estamos tão próximos. A dor principal é o coração.

Incrível o fato de você achar que estou sorrindo quando me ver, mas não sabe a dor quando você só se aproxima para me humilhar.

Você, ah, você. Acha que eu estou feliz, mas o que na verdade eu estou chorando, sofrendo por saber que o meu melhor amigo de infância vive me humilhando pelos arredores de todos, eu disse TODOS os lugares. Que ele sente nojo de mim...

Acha que, além de fazer-me chorar, eu sou um fantoche, que com aquele sorriso forçado, acha que não quer chorar?

NÃO! Eu quero chorar, me mutilar, suicidar!

Deixe-me sofrer, ao menos um pouco mais. Porque, eu não sei, mas isto facilita a dor que sinto por não ter você ao meu lado.

Você me conhece tão bem que, às vezes, parece que não...

Desde quando eramos pequenos fetos na barriga de nossas mães. “AMIGOS PARA SEMPRE” foi o que você disse quando tínhamos 2 anos, foi o que você disse bem antes de irmos aquele refeitório, antes de jogar-me naquele lixo quando tínhamos 10 anos.

Eu quero entender o porquê disto, por que me humilha desde então?

Meus amigos, você e seu irmão sempre foram... Sempre serão.

O fato de somente ele me abraçar, não basta.

Eu preciso de você. É você quem eu amo!

PJ.

 

– Jungkook? – Uma voz apareceu dizendo meu nome, assustando-me. O olho por um tempo, aquelas lembranças.

*¨*

7 ANOS ANTES DOS DIAS ATUAIS.

 

– Jungkook? Jungkook!!? – Ele me chamava repetidamente, em uma manhã nublada em Seoul. – Acorda, verme!

Tinha apenas 8 anos. Mas, para alguém de 7 anos como ele, já era bem mais maduro que eu... e chato!

– Ai, Jiminie! – Abro os olhos. – Como você consegue ser tão fofo sendo tão chato!?

– Sendo. Agora, levanta! – Diz e vai indo para o banheiro. Ele havia dormido aqui, outra vez, pois seus pais haviam viajado e eu insistira que o deixasse ficar aqui. – A Omma fez café da manhã, delicioso alias!

– O QUE? – Levanto em um pulo, gritando. – VOCÊ TOMOU CAFÉ DA MANHÃ SEM MIM?

– Não! – Disse ele. – Mas só estou brincando com você!

– IDIOTA!

– É VOCÊ! – Ele ri. Eu amo aquela risada. Começo a correr atrás dele.

– JIMINIE!!! – Grito, quando o alcanço. Começo a fazer cosquinhas, fazendo-o ri junto a mim.

– Os dois! - Jin aparece dizendo. Não acredito que, com 11 anos, é tão autoritário. – Podem parar, sem mim não.

– AH!! – Eu e Jimin bufamos e nos entreolhamos, e começamos a ri outra vez.

 

2 ANOS DEPOIS, 9 ANOS ANTES DOS DIAS ATUAIS.

 

Minutos antes do recreio

– Ei, Jiminie. Vamos ser melhores amigos para sempre certo? – Digo sorrindo.

– Certo! – Ele sorri.

– Amigos para sempre! – Digo o abraçando. Sinto ter sido beijado e, fico corado imediatamente, sorrio.

– Jungkook, vamos para o refeitório. Preciso contar-lhe algo...

– Tudo bem! – Sorrio. E fomos, eu, Jiminie, Taetae, Hope, Nam e Jin. O casal, no qual, nunca tivera preconceito em sua relação. O qual, nunca estive contra.

Assim que chegamos, ele me conta, meio inseguro: – Jungkook. A um tempo que eu sinto algo diferente por você. Posso não ser correspondido, mas tudo bem. Estou certo de minhas decisões, que cheguei a uma conclusão que nunca chegou a se passar por minha mente, e.... – Ele estava nervoso naquele momento, já eu estava ansioso. Ele fica tão fofo nervoso.... Segurava sua mão como se segurasse minha vida, e fico admirando-o dizer. – Agora eu sei que, além de um amor de irmão, eu sinto algo a mais por você.

Eu não sabia o que dizer, não sabia o que fazer. Largo suas mãos brutalmente, como nunca havia feito. O olho com indiferença. Minha alegria naquele momento tornou-se raiva, uma decepção e alivio, E, rindo, eu disse:

– O QUE? VOCÊ ESTÁ BRINCANDO COM A MINHA CARA, NÉ JIMINIE? É MAIS UM DAQUELES TROTES SEU? – Eu disse, com medo de sua resposta. Estava abalado. Minha audição, estavam querendo me enganar. Meu coração batia, fortemente, em uma velocidade desconhecida. – Não?

Ele balança a cabeça para os lados, olho as lagrimas surgirem em seus olhos. O nojo em meus olhos o assustara. Estávamos próximos a lixeira do refeitório, então o empurro, sem ideia do que havia feito. E, sem mais nem menos, digo: – Eu nunca serei melhor amigo de um Gayzinho de merda. Seu lixo, que bom que já encontrou seu lar, NA LIXEIRA! E que fique aí. Espero que saiba que, EU NUNCA IREI SENTIR O MESMO POR VOCÊ, SEMPRE SENTIREI NOJO DE VOCÊ. Seu idiota!

Me arrependi no mesmo segundo quando o vi chorar, pela primeira vez por minha causa. Mas eu não pude correr atrás dele, os populares daquela escola de merda, haviam me cercado. Fizeram minha cabeça, eu fiquei com ódio dele, nojo.

Hoje não posso mais consertar o que eu fiz a ele. Estou muito arrependido.

*¨*

– Jiminie? – Começo a lagrimejar. – Por favor, me perdoe. Me perdoe por tudo o que fiz, tudo o que lhe disse.

– Jungkook? Está me zoando? Se for, por favor, pare!

– Não, não estou te zoando! – Digo chorando. – Me perdoe. Eu, eu fui um estupido.

– Foi..., mas tudo bem. Estou acostumado. – Ele diz, sorrindo fraco. – Eu... perdoou você, J.J.

– Você, .... Como sabe da carta que escrevi para PJ?

– Bom, mais ou menos.

– Oh, Jiminie. Me desculpe por tudo…E, tira esse moletom, por favor. Agora!

– É.... não!

– Tira! – Peço, já com certo ódio de mim mesmo. Eu sei que o que ele esconde debaixo deste moletom é culpa minha... – Não vai tirar? Pois bem.

O puxo para o banheiro. Chegando lá, o olho. Seus olhos já vermelhos querendo chorar, por eu ter pego seus pulsos com certa brutalidade... Outra vez. E puxo as mangas de seu moletom para cima, revelando seus pulsos cortados.

– Jiminie... Eu, é – Gaguejando, ajoelho e ponho-me a chorar. – A culpa é minha, não é? Me perdoe.

Ele se ajoelha na minha frente e, sem mais nem menos, o abraço. E ficamos ali, por um longo tempo, abraçados.

 

Já lhe pedi perdão, sinto muito.

Tenho novidades, voltei a falar com Jimin. Ele me perdoou, eu acho.... Para mim, nem eu mesmo me perdoaria.

Eu fiz tantas coisas a vocês dois. Me desculpe.... Eu queria poder ter reparado meu erro antes.

Mas, me diga. Você falou comigo? O Jimie disse conhece você, mais ou menos. Ele não quis revelar, assim como você! Ele é meu melhor amigo, e eu o amo (Como um irmão). Então está tudo bem. Você também é meu melhor amigo, mesmo eu não sabendo seu nome...

Então, não irei mais machuca-lo, feri-lo ou magoa-lo. Tudo bem?

E, por favor, me perdoe.

 

J.J.

 

– Você voltou a falar com ele? – Taehyung diz, serio. – Poxa Chimchim! Depois de tudo o que ele fez a você?

– Tae, eu só voltei a falar com ele, não é nada demais. Aliás, eu não o perdoei por completo.

– Você sabe que agora irá ser complicado, não é? – Ele diz, e eu assenti.

– Posso correr o risco. – Digo sorrindo. Caminhávamos juntos até Hoseok, que estava em frente ao refeitório e, logo vejo Jungkook vindo em minha direção. – Tae?

– Que? Vai pergunta se está bonito? – Ele diz, irônico.

– Não. Mas, o que me diz?

– Eu digo: Oi, Jungkook! – Ele diz, rindo.

– Caceta!

– Jimie? – Aquele dos dentes de coelhinho pergunta.

– Jungkookie... – Engulo seco.

– Eu sei que não me perdoou – Ele diz, e afirmo que não. – Eu sei que o que fiz a você foi errado, e darei meu máximo para retomar o que sempre fomos.

– AMIGOS... – Digo, e uma lágrima cai. Eu sei o quão trouxa sou, mas dói saber que nunca seremos mais que isto. – Tente.

– Jimie, é sério isto? Não vai olhar para mim?

– Você disse que ‘daria seu máximo para retomar o que sempre fomos’, eu somente completei. – Viro-me, ainda falando. – Eu me declarei para você naquele dia, você me humilhou naquele dia. Eu fiz meus primeiros cortes naquele dia, você virou popular naquele dia. Tudo porque eu disse que amo você! Você acha que eu iria conseguir olhar para você depois de tudo? Que eu iria retornar a ser seu melhor amigo? Você mesmo disse que sempre iria sentir ‘nojo’ de mim. O que quer que eu faça? Te de beijinho e diga que “Eu te perdoei”? Quer? Eu prefiro deixar-me esconder e ser humilhado por você.

– Eu pedi perdão! Você disse que me perdoava. – Estávamos os dois, gritando, com lágrimas nos olhos. Todos daquele refeitório estava nos olhando. – Não sabia que ainda sente algo tão intenso por mim! Devia me odiar, eu mesmo me odeio. Eu nunca quis fazer aquilo com você.

– Mas você fez! E agora, já está feito. Eu ainda estou machucado, ferido, isolado. E você está com o seu grupinho de merda! Ainda bem que, ao menos o Jinnie ainda fala comigo depois daquilo, e ele dava o máximo para não revelar isto a você, ele dava ao máximo para fazer eu levantar daquele chão imundo daquele banheiro, depois de ser jogado, mais outra vez por você, depois de ser humilhado.

– O JIN AINDA FALA COM VOCÊ?

– SIM!

– Jiminie, eu.... Me perdoe, eu nunca quis fazer aquilo com você, nunca quis machuca-lo.

– Mas fez, machucou, feriu, amassou e pisou naquilo que hoje eu nem sei da existência. – Eu me viro para Tae e Hope e, por fim, digo. – Eu sempre senti algo a mais por você, Jungkook. Mas você mesmo disse que nunca iria sentir o mesmo. Eu só... eu resolvi aceitar.

E sigo para o meu local, que mais parece minha quinta casa.

Acho muita falta de educação nunca limparem este maldito banheiro. Serio!

 

* * *

 

Jungkook, eu acabei de ver a briga entre Jimin e você. E cheguei à conclusão de que ele foi, como o de costume, chorar e mutilar-se. Você fez algo que o feriu muito por dentro, trouxe a ele uma tormenta estupenda. Fez algo ruim tanto no passado de vocês como a ele.

Acredite, eu já passei por isto, milhares e milhares de vezes. Dói muito, mas para nós, mentes suicidas, ninguém entende, ninguém sente a nossa dor, ninguém sabe o porquê de sempre estarmos só, de sempre querermos estar sozinhos, de sempre sermos sozinhos.

Você nunca sentiu a dor de alguém, não sabe amar, nem o que é amor. Você não tem coração. Por uma causa no passado, ele se feri, e seus cortes escorrem aquele chão imundo.

Hoje, a cada pequena ação ruim sua, Jiminie vai ao seu quinto lar fazer o que faz desde aquele dia. E você nem ao menos sabe. A culpa sempre foi sua, mas ele se culpa por algo que não fez... Ele se culpa por algo que você fez!

Ele só se declarou. Por que não sorrio e disse que o entendia? Que iria dar o máximo para sentir o mesmo? Ou que sentia o mesmo, mesmo não sentindo?

Ele só disse te amar. E o que você fez? Você arrancou, quebrou, feriu, amassou e espatifou aquilo que todos chamam de coração.

Era só dizer que o ama, que iria esforçar-se para sentir o mesmo que ele sentia, que tudo ficaria bem. Mas não, tinha que o jogar em uma lixeira e ter falado aquelas coisas horríveis a ele. Coisas que até hoje, são o pesadelo de Park Jimin.

Você não entende o que é amar, não sabe o que é o amor. Se ao menos soubesse, teria feito diferente.

Agora sabe o que ele sente. Agora sabe o que eu sinto.

Tudo o que você começa, ele termina se machucando mais ainda. Mais e mais lágrimas.

Sinta o sangue, suor e lágrimas de Park Jimin.

PJ.

 

– Jungkook, o PJ está certo, você fez algo horrível a ele.

– Mas, Tae.... Estou fazendo de tudo!

– Mas não o suficiente. – Ele explica. – O Jimin te ama, o máximo que você deveria fazer é terminar com a vadia da Lalisa!

– Ela não é uma vadia!

– Mas te chifra, seu idiota! – Ele, praticamente, gritou. Me puxou para a quadra, que não foi uma das coisas mais boas a serem feitas. Chegando lá, Lalisa está beijando um... uma garota?

– Ela me trai com a Jisoo? – Digo, e ele assenti.

– E mais cinco.

Resolvo tirar satisfações, e vou até lá.

– Então, é isso.... Eu, ela e mais cinco?

– Jungkook?? – Ela me olhou assustada.

– É, espero que só um ‘Tá bom’ sirva para um termino. Tá bom!? – Digo e saio andando. Pego Tae pelo braço, e pergunto. – Onde está Jiminie?

 

Chego naquele banheiro, havia corrido demais até ali. O avisto na pia, não é a melhor cena.

– E mais uma vez, – Começo a falar, o que o assusta. – A culpa é minha.

– O que faz aqui? – Diz, e pego o estilete de suas mãos. – Devolva!

– Jiminie, eu terminei com Lalisa.

– Uhn, legal. – Ele finge o desinteresse, mas sei que está feliz. Jimin vai até a torneira, à liga e lava os pulsos. Pude ver sua face contorcer-se de dor.

– Jiminie, por favor, não fique assim comigo!

– Já estou assim, contigo. – Ele diz, frio, e sai do banheiro deixando-me ali, sozinho. E o sigo, por fim.

– Jiminie. – Digo suave, e o mesmo se volta para mim com um olhar inferior.

– O que quer? – Ele diz, ainda frio. O puxo pelos pulsos e o abraço, o mesmo lutava para sair de meus braços, mas eu não o solto. Quando ele consegue soltar-se, eu o olho nos olhos.

– Nunca pensei que faria isto, justo com o meu melhor amigo! – Digo. Pegando em sua face, aproximo nossos rostos. Todos ali estavam atentos no que havia de ocorrer ali, naquele corredor, testemunhas. E o beijo.

Beijo meu melhor amigo e sinto algo que nunca sentir em todo o tempo em que vivi.

AMOR.

O mesmo demora raciocinar o ocorrido, mas logo cede. A cada momento, cada segundo, aquele beijo, um primeiro beijo de “melhores amigos que se ‘amam’”, fica mais intenso, calmo, suave, fica com mais amor.

Calmamente mordo aqueles lábios macios e rechonchudos, separo-me dele levemente. Olhamos nos olhos um do outro e, sorrimos pela primeira vez um para o outro.

– Eu te odeio por te amar tanto. – Diz, num sussurro.

Sorrio.

 

– Jungkook, por que beijou Park Jimin? – Ele perguntou furioso.

– Porque, eu também não sei, mas foi porque eu quis beija-lo. – Digo. – Estou farto de fingir ser quem não sou. Farto de fazer os outros sofrerem. Farto de humilhar quem eu amo!

– E você ama aquele gay?

– E se eu o amar, iria fazer diferença? Você ama o Mark, não é? É a mesma coisa! – Digo calmo.

– Mas é diferente.

– AH, JACKSON. ADIMITA QUE AMA O MARK! – Grito, assim que todos os olhares se voltam para nós. Mark vem em nossa direção, meio envergonhado.

– Isto é sério Jack? Você me ama mesmo? – Ele diz, todo vermelhinho. QUE FOFENHOO

– É... – Ele tenta falar, mas ao olhar para mim, diz: – NÃO. EU NÃO AMO NENHUM GAYZINHO MEDIÓCRE!

Quando ele está longe o bastante, eu digo para Mark.

– Calma, ele só está com vergonha do que sente. Depois, ele vem falar com você. E, talvez, peça desculpas.

– Só não espero que seja igual a você. Depois de nove anos...

– Bom, é..... Esqueça este assunto.

 

– Jiminie? É você mesmo? Que corpo. – Digo, e ele me olhou sério. Estávamos em sua casa, eu escorado em sua escrivaninha e ele deitado em seu beliche. Seu beliche, no qual, eu dormira por longo anos.

– Jungkook, o que faz aqui? – Ele perguntou, levantando de sua cama, sorrindo.

– Vim ver meu melhor amigo!

– Ah... – Seu sorriso desapareceu, tão rapidamente.

– Ei? – Levanto vagarosamente seu queixo, fazendo-o olhar em meus olhos. – Eu amo você, está bem?

– O tal ‘amor’ que diz sentir, é somente de simples amigos ou mais que isto? – Ele sentando em sua cama, sem pressa.

– Ainda estou a tentar descobrir o que você despertou ontem. Mas, quanto a isto... um replay não cairia mal, né? Será que eu posso dar play?

– Nhã... – Ele diz. – Posso pensar?

– Não. – Digo. Indo até sua cama, o deito colocando seus braços a cima de sua cabeça. O olho sorrindo. – Não pode pensar.

E o beijo, pela segunda vez. Sentir seus lábios macios e rechonchudos nos meus, é como navegar num mar de toddynhos. Se é que, talvez, exista!

 

Por que eu o humilhei?

Por que fiz isto a você?

O por que, eu não saberei dizer, mas meu melhor amigo é uma prova de eu consegui mudar. Ele é uma prova de que todos mudam. Agora, por favor fale. Fale comigo. Desejo tanto conhece-lo.

Diga pessoalmente, que me perdoa.

Todos sabemos os erros que cometemos, sejam bons ou ruins. Todos sabemos que por mais que a pessoa não mereça perdão, devemos dá-la uma chance de mostrar a nos que mudou, mudou para melhor.

Errar é humano. Não quando seu erro ocorre mais de inexplicáveis vezes, não quando se é imperdoável.

Eu errei com você, errei com ele.

Eu não sou capaz de merecer o amar de vocês dois, não sou capaz de merecer o perdão de vocês. Eu, somente, sinto muito...

J.J.

 

– Aish, que bad! – Jimin aparece dizendo. O que me faz esconder a carta de imediato. – Calma.

– Aí Jiminie, por que me assusta?

– Eu não, parece que você vê defuntos.

– Deixa de se xingar, seu bobo!

– Não consigo, sou trouxa. – Ele diz, e começa a ir para sala.

– Te amo. – Digo quando ele já está longe.

– Vai enviar hoje?

– Caramba Jin, que susto. – Coloco as mãos no peito. – Eu ainda não sei. Mas, o Nam e o Yoonie já tentaram descobrir quem é ele, não encontraram nada.

– Desista! Ele está mais perto do que pensa. – Jin disse e seguiu para a sala, quando no fim do corredor, aquelas mãozinhas dadas, Jackson e Mark. Ele abriu os olhos mais cedo do que eu...

– Pelo visto, foi mais cedo do que pensei. – Digo, Mark olha para mim sorrindo e depois para o amado. Todos daquele local os olhavam de boca aberta. – Que fofos.

– É, que fofos! – Jimin aparece ao meu lado.

– Caralho, Jiminie. De novo!

– Ah, que nada. Então, pronto para recompensar nove anos de amizade perdidos? – Ele pergunta, e eu percebo a dor ao dizer aquilo. Não aguento mais ver esses lindos olhos inchados e vermelhos.

‘ Me parece o PJ. ’

Que pensamento Jungkook! Jimin não é ele!

– Estou pronto para outra coisa.

– O que? – Ele me olha confuso.

– No refeitório te digo, agora vamos para sala.

– Não tenho boas lembranças nestes lugares... – Ele diz aquilo e, eu sei o que fiz, me parte o coração. Nem eu tenho boas lembranças nestes lugares, em nenhum lugar.

Chegando na sala, os olhares se voltam para mim e Jimin. Cochichos, fofocas, bilhetes, rondam aquele local. Um ódio se apodera de mim.

– Como pude troca-lo por estes idiotas? – Digo alto.

– Pois é, como pode? – Ele responde, e rimos juntos.

As aulas passam como vultos. E a cada segundo a mais no relógio, mais nervoso fico.

‘ Será que ele vai aceitar? ’ ‘Acha que vou parecer um idiota? ‘

Perguntas como essas, e do tipo, soam em minha mente. Até aquela carta aparecer.

 

Sei que você ama ele, um amor tão pouco que, para ele, vale ouro. Jungkook e Jimin, estou começando a shippa-los. De forma tão agradável, o beijo de vocês me tocou o coração. Não pude chorar ou fazer coisas parecidas, só senti um alivio enorme surgi em mim, só senti a alegria dele, só senti o amor de vocês dois.

Cuide bem daquilo que restou do que você partiu. Ele já passou por todo o tipo de dor, todo o tipo de sofrimento. Ele já passou por tantas coisas.

Você ao menos o perguntou? Peça-o para contar tudo o que perdeu. Ele não quer saber o que ele perdeu, por saber que você tem saído com seus “novos amigos”. Eu sei, pode doer no início, mas o escute. Faça o que a, exatos, nove anos você não fez.

Você pode ter o deixado e, simplesmente, magoado. E ele o perdoou, então, lute pelo o que sente. Faça o que deveria ter feito a nove anos atrás!

Então, vá em frente.

Mas eu juro, é minha única promessa.... Se você o fizer feliz, fizer ele parar de sofrer, fizer ele parar de chorar. Eu irei revelar quem sou. Eu irei falar com você. Eu irei perdoa-lo.

Assim como ele, eu amo você. Assim como eu amo você!

PJ.

 

– Eu prometo! – Sorrio.


Notas Finais


AAAAA, eu vou começa a shippar...


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...