História The Life Of An Eyeless Angel - Capítulo 1


Escrita por: ~

Exibições 1
Palavras 1.408
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Aventura, Colegial, Crossover, Drama (Tragédia), Escolar, Fantasia, Ficção, Ficção Científica, Luta, Magia, Musical (Songfic), Romance e Novela, Shoujo (Romântico), Terror e Horror, Universo Alternativo, Violência
Avisos: Álcool, Bissexualidade, Canibalismo, Drogas, Homossexualidade, Nudez, Tortura, Violência
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Capítulo 1 - O Começo - Acha Que Pode Fugir de Seus Pesadelos?


Havia, em uma casa pintada de branco e vermelho uma garota. Essa garota de 16 anos se chamava Renata. Sua família não era das mais harmoniosas, desde que seu pai divorciara-se de sua mãe, a mulher ficava muito brava constantemente. Quando se separaram, tudo sobrou à garota. Ela teve que arranjar trabalho, largar a escola que estava de pequena e entrar numa mais barata, sua mãe a batia, ameaçava, e brigava constantemente. Ela sentia falta. Sentia falta da sua vida, da sua escola, de não ter que trabalhar, de James. James era o melhor amigo da menina, eles não eram muito populares pois ambos eram considerados demônios por terem algo muito peculiar> Orelhas de animais. Ambos nasceram com orelhas de animais, James o coelho e Renata a gata. James não vivia bem com isso, era tímido, entediado, e um tanto fofo. Renata, por sua vez, se dava muito bem com sua genética, sempre procurava novos amigos que gostassem dela pelo que ela era, sem julgá-la por ter orelhas diferentes, descontraída, legal e extrovertida. Esses dois realmente se davam muito bem, e Renata, desde que se mudou, só conversa com o garoto pelas mensagens de celular.
Distraída em seus pensamentos, a garota finalmente acorda de seus sonhos. Sua mãe iria chamar. Ela sabia disso devido as orelhas de gato, que permitem ela ouvir a longa distância. A garota desce as escadas, olha para sua mãe sorrindo e pergunta o que ela queria. "Sua inútil, vá lavar suas meias!" resmungou a mãe. A garota estava com raiva, pois acabara de lavar, mas mesmo assim, sorriu à sua mãe "Eu já lavei, mãe!" a mulher, ainda brava, resmunga milhões e milhões de coisas para a garota. Ela não iria aguentar mais tempo. Realmente, ela não iria mesmo. Seu sorriso doce e gentil se fecha, seus olhos, agora bravos, encaram a mãe e ela interrompe a mulher. "ESCUTA AQUI! NÃO ME TRATE COMO UMA EMPREGADA, EU SOU SUA FILHA OK!" a mulher não perde e logo fala "Se é isso, vá morar sozinha" Renata saiu. Não levou chaves, não levou roupas, não levou o dinheiro, apenas as roupas do corpo. De onde ela tirara aquela coragem, ela não sabia. Mas tinha certeza onde ir. A Casa de James. Aquela casa perfumada, quentinha, com aquela mãe adorável, 24 horas, e o mais importante, seu amigo, James. A casa não era tão longe, seria 20 minutos a pé, sem paradas. A garota estava decidida, ela moraria com James, já que a mãe dele era sua amiga.
A garota andou, andou e andou. Na metade do caminho, uma chuva intensa começou. Ah, chuvas no começo do inverno, antes de toda essa água virar neve, a primeira e única libertadora, a Chuva no Inverno. Ela amava aquela chuva geladinha na sua pele quente de tanto correr, mas, logo mudou de ideia. Toda aquela chuva formou uma neblina densa, ela não poderia mais ver onde iria, e, para piorar, além de já estar com fome e sede, o solo ficou escorregadio. A garota continuou andando, correndo, tropeçando, caindo. Se arranhava em um arbusto, em uns galhos, e em outros. Ela se arrependeu. Não deveria ter saído de casa. Renata resolve descansar, senta embaixo de uma construção e aguarda. Cinco, dez, quinze minutos. A chuva parecia inacabável e ela estava ficando com frio, pois a adrenalina da corrida já havia acabado. Triste e chateada, ela deita a cabeça nos joelhos, os enrola com os braços. A garota começa a ponderar uma música, na qual gostava muito.
"Mayday! Mayday!
The ship is slowy sinking
They, think I'm crazy...
But they don't know the feeling...
They're all around me,
Circling like vultures
They wanna break me
and wash away my colors...
Wash away my colors!
Take me high and I'll sing.
Oh you make everything okay (okay, okay)!
We are one in the same,
Oh you take all of the pain away (away, away)...
Save me if I become
My demons!
I cannot stop this sickness taking over...
It takes control and drags me into nowhere.
I need your help, I can't fight this forever.
I know you're watching,
I can feel you out there!
Take me high and I'll sing.
Oh you make everything okay (okay, okay)!
We are one in the same,
Oh you take all of the pain away (away, away)!
Save me if I become
My demons...
Take me over the walls below...
Fly forever.
Don't let me go!
I need a savior to heal my pain
When I become my worst enemy...
The enemy.
Take me high and I'll sing.
Oh you make everything okay (okay, okay)!
We are one in the same,
Oh you take all of the pain away (away, away)!
Save me if I become
My demons.
Take me high and I'll sing...
Oh you make everything okay (okay, okay)...
We are one in the same...
Oh you take all of the pain away (away, away)...
Save me if I become
My demons..."
Triste, ao acabar de cantar a garota chora. Essa música, diferente das várias outras geralmente a acalma, faz mostrar o que ela fez de errado, ela se sente mais leve... A garota chora, chora, e acaba dormindo.
***
"O-olá? Você está bem?" Uma voz doce e gentil entra em seus ouvidos, fazendo a garota acordar e olhar para cima.
"Oi... Eu, eu não sei..." Diz a garota, observando o garoto de cabelos marrons e orelhas de urso, surpresa por ter outras pessoas com genéticas animais por aí. Ele exibia um sorriso amigável, que se destacava na chuva com neblina.
"Ah, sim. Vamos conversar em casa, aqui está muito frio! *ele estende a mão para ajudá-la e os dois caminham um do lado do outro* Então, qual o seu nome?
"R-Renata..."
"Seu nome me parece familiar... Bom! Meu nome é Frederick! O que você estava fazendo lá?" Pergunta o garoto, curioso.
"Eu estava indo à casa de um amigo, mas eu me perdi devido a neblina, e resolvi descansar lá."
"Nossa! James ficaria super feliz se você fosse para a casa dele! Ele vive falando de uma garota que parecia muito com você."
"J-James tem orelhas de coelho?" A garota pergunta feliz e desconfiada
"Sim! Você o conhece?"
"Eu ia para a casa dele..."
"Então vamos agora!!" O garoto agarra a mão da menina e sai correndo com um guarda-chuva na outra mão, eles correm, conversam e se divertem. Há muito tempo Renata não se divertia tanto.
Frederick bate na porta e Renata se esconde atrás dele, a porta se abre revelando o garoto. James era um garoto bonito, médio, sempre vestindo uma jaqueta, as orelhas de coelho e seu cabelo tingido de roxo. Um rosto claro, com bochechas fofas e sempre meio avermelhadas.
"Ah? Olá Freddy! Eu estava treinando na minha guitarra!" Diz o de orelhas de coelho, animado.
"Eu tenho alguém que você amaria ver!" Fala Frederick, animado e tentando ser misterioso.
"Quem? Cadê? Cadê?" O garoto questionou empolgado
Nesse mesmo instante, Frederick fica agachado, Renata pula por cima dele e cai direto num abraço com o antigo amigo, abrindo suas asas violetas com flores e estrelas. O 'coelho' fica bem vermelho.
"R-Rê?!" O garoto lacrimeja com um sorriso no rosto e retribui o abraço
"Bon!!" A garota abraça ele quase esmagando-o, quase 2 anos para tirar atraso.
"P-por que você ainda me chama disso?" Pergunta, constrangido.
"Queria estragar o clima não, mas você tem asas? To entendendo mais nada" Pergunta Frederick, confuso.
"Ah, sim. Eu tenho uma parte anja. Eu já morri." Explica Renata, ainda abraçada no amigo.
"Estou conversando com um cadáver? Fiquei mais confuso ainda..." diz o de orelhas de urso com um sorriso de "O que está acontecendo?".
"R-R-Rê? V-Você está me sufocando nos seus p-peitos...." Fala o amigo, totalmente vermelho.
"Ahh! Desculpa!" Ela o larga e ri junto com 'Freddy' do constrangimento do parceiro.
Até aí, Renata está feliz, encontrou seu amigo, ela está com um amigo novo, mora com os amigos, sua mãe não a atrapalhará mais,
Final Feliz!
???>....
???>....
?> Finais felizes são chatos.
???>....
???>... Você tem o poder de causar algo mais. *faz surgir dois botões. Um escrito Alegria e o outro Terror* Mas essa ação terá consequências...
???>> A vida é cheia de surpresas.... *clica várias vezes em terror* Agora a verdadeira história começará! Você acha que pode fugir de seus pesadelos? Pois você não pode. Seu terror virá para te perseguir... *fala dando um sorriso demoníaco*


Notas Finais


???> Esse é o primeiro capitulo...
?> Licença, já que lerá essas histórias para mim todos os dias, poderei eu saber seu nome?
???> O máximo que precisa saber sobre mim é que eu existo.
?> Do que poderei te chamar?
???> J. Me chame de J.
?> J?
J> Já questionou de mais. Vá dormir minha criança.
?> Mas...! (o garotinho iria completar a frase)
J> Vá! Dormir!
(Tudo some em poeira vermelha)


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...