História The love awakens - Capítulo 3


Escrita por: ~

Postado
Categorias Star Wars
Personagens Finn, Leia Organa, Luke Skywalker, Personagens Originais, Poe Dameron, Rey
Tags Despertar Da Força, Finn X Poe, Poe Dameron, Poe X Finn, Spaceboyfriends, Spacehusbands, Star Wars, Stormpilot, Theforceawakens
Exibições 16
Palavras 1.253
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Aventura, Ficção, Ficção Científica, Lemon, Romance e Novela, Sci-Fi, Shonen-Ai, Yaoi
Avisos: Álcool, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo, Spoilers
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas da Autora


E ai, pessoal.
Como estão?
Trago um novo capítulo para vocês <3
Esses primeiros capítulos são bem introdutórios, mas logo logo começará a ter mais história.
Como sempre espero que gostem e desejo um ótimo final de semana a todos.
beijinhoos

Capítulo 3 - O Despertar do Ex-stormtrooper


Fanfic / Fanfiction The love awakens - Capítulo 3 - O Despertar do Ex-stormtrooper

Não era uma emboscada como eu havia imaginado

Realmente haviam alguns TIE Fighters perto do nosso sistema, mas apenas esquadrão e foi fácil eliminá-los, um por um. Eram cinco no total, cada um em ponto estratégico, obviamente vigiando o que entrava e saía de D’Qar e prontos para uma ofensiva se fosse necessário. A Primeira Ordem devia estar tendo problemas para reparar os danos que causamos, nós não havíamos sido atacados até então, mas eu sentia que não poderíamos permanecer muito mais tempo ali, e creio que a General também estava pensando o mesmo, mas por hora, não havia jeito.

            O que me dava um pouco de alívio era saber que era muito pouco provável que tivessem outra estação como a Starkiller, o que ao menos, nos dava um pouco de tempo. A situação era cada vez mais tensa. Fiz uma patrulha por minha conta, meu esquadrão concordou que era o ideal, fiquei preocupado que mandassem mais TIE Fighters imediatamente uma vez que perderam a comunicação com os que atingimos, mas isso não aconteceu e eu retornamos a D’Qar.

            A primeira coisa que fiz foi me reportar à General. Expliquei-lhe que haviam cinco TIE’s e que eu os eliminamos, também falei sobre o fato de ainda não terem mandado ninguém de volta, o que era estranho, já que agora eles sabiam que nós sabíamos de sua presença.  Rumei até meu alojamento, arrumei minhas coisas, tentei ler e distrair um pouco minha cabeça, mas havia algo que martelava o fundo de minha mente e que BB-8 verbalizou em linguagem binária.

            [Você ainda não foi visitar o Finn], era o que dizia, eu já estava com aquele dróide há tento tempo que entendia perfeitamente seus bips.

De fato eu ainda não tinha ido visitá-lo desde que cheguei e eu tive algum tempo livre, mas como não havia tido notícias dele sabia que ele ainda estaria preso àquela cama, inconsciente e imóvel, mas BB-8 tinha razão. Eu sabia que era minha obrigação ir vê-lo, mas toda vez que eu ia até o seu quarto apenas pensava em o quão injusto era ele estar ali e em como aquela situação era minha culpa.

            - Você quer ir vê-lo também? – perguntei ao meu querido dróide.

          Ele bipou animado afirmando que sim, apontando seu isqueiro em sinal de positivo. Não sei como eu ainda não o havia levado antes, afinal ele passou muito mais tempo com Finn do que eu, e ele gostava do garoto. Dirigimo-nos até a ala médica e chegamos até o quarto de Finn que também pedia reconhecimento de voz para entrar, sentei-me no mesmo lugar de sempre: ao lado de sua cama, BB-8 estava ao meu lado.

            - E ai, cara? Como está aguentando? – perguntei, eu me sentia meio bobo, mas quando eu o via ali, precisava falar com ele – Você não está facilitando as coisas, amigão. Já fui e voltei da minha missão e você continua aí.

            BB-8 bipava triste chamando Finn na esperança de que acordasse. Claro que "triste" de acordo com o chip de personalidade presente em seu sistema, mas para mim, suas reações sempre pareceram muito humanas.

            - Às vezes eu também gostaria de dormir por um tempão, amigo. – desabafei – as coisas por aqui estão tranquilas, mas logo eu sei que não estarão, não estou reclamando de nada, é claro, mas acho que nós da Resistência estamos carregando um fardo grande demais. Há dias que estou esgotado mentalmente.

            Eu já estava me levantando para sair, quando acrescentei.

            - Acorda logo, quem sabe assim as coisas não comecem a ficarem divertidas novamente? Você sabe, nós nos conhecemos há tão pouco tempo, é realmente injusto que você esteja aí enquanto eu poderia estar te mostrando muitas coisas que você iria gostar.  Não se preocupe com a Primeira Ordem, você está seguro aqui.

            "Pelo menos por enquanto", pensei. Ao sair, dei umas palavras com a Doutora Kalonia, eu achava que o garoto estava demorando muito a acordar, mas ela afirmava que era dentro do esperado. Eu tinha total confiança naquela mulher, ela arrumou minhas costelas mais vezes do que eu jamais poderia contar. Mas Finn não tinha apenas costelas quebradas, ele tinha um ferimento feito à sabre de luz. Eu imagino perfeitamente como deve ter sido uma luta cruel, ainda hoje tenho pesadelos com o dia em que Ren me torturou mentalmente, e agora o meu salvador jazia em uma cama.

            Eu continuei conversando com pouco com Kalonia, ela me perguntava sobre as missões e sobre o que eu achava desse silêncio todo, quando eu já estava entediado e desejando ir embora, um méd-dróide a chamou.

            - Dr. Kalonia, o humano está acordando.

            Nós nos entreolhamos e ela pediu para que eu a acompanhasse, seria melhor para ele acordar com alguém que conhecia ao seu lado. Finn não estava exatamente de olhos abertos, mas murmurava alguma coisa que eu não conseguia entender. Cheguei mais perto, minhas mãos alcançaram as dele.

            - Calma amigo, estou aqui. – murmurei.

            - Rey? Solo? Chewie? – ele repetia.

            Claro que seriam esses nomes que viriam a sua cabeça primeiro, foram as últimas pessoas com quem esteve.

            - Não parceiro, aqui é o Poe. Poe Dameron, consegue se lembrar? – virei-me a doutora – será que ele está com algum tipo de amnésia?

            - Deixe o rapaz despertar completamente – ela falou – aí saberemos.

            Aos poucos os olhos de Finn se abriram, sua expressão era de dor. Ele olhou para mim, o susto evidente em seu rosto se atenuou um pouco.

            - Calma, parceiro. Não se force muito! – continuei – você está a salvo em D’Qar.

            - Minha cabeça dói – ele falou.

            Olhei para Kalonia, ela fez sinal para que eu continuasse falando com ele.

            - Lembra-se do que aconteceu? – perguntei.

            - Kylo Ren atacou a Rey... ela caiu... eu empunhei o sabre de luz que a Maz deixou comigo.. mas... ele me acertou.

            Finn ficou um tempo parado encarando o nada, parecia estar angustiado, e eu tinha certeza de que não tinha nada a ver com dor física.

            - Cadê a Rey?

            - Aconteceu uma coisa simplesmente inacreditável com ela, parceiro. Nós conseguimos o mapa e ela foi de encontro com Luke Skywalker.

            Aparentemente era muita informação para ele processar e ele levou uma das mãos a testa e apertou.

            - Mas por quê?

            - Bem – falei baixando a voz – ela é sensitiva a força, vai treinar para se tornar uma jedi.

            Finn voltou a encarar o vazio por mais um tempo, mas estava sorrindo um pouco.

            - Isso é incrível.

            - É sim, sua amiga é muito especial. Ela queria estar aqui quando acordasse, mas teve de partir imediatamente.

            - Não, não, nem precisa justificar. Eu entendo.

            Eu havia me esquecido em como aquele garoto era bondoso. Ele havia quase sido morto para proteger a amiga, e estava totalmente feliz por ela estar bem, ele não pensava apenas em si mesmo e provavelmente era por isso que decidiu deixar a vida de Stormtrooper.

            Continuamos conversando por mais um tempo, ele estava mais calmo, contei a ele sobre tudo o que aconteceu, sobre a explosão de Starkiller e até mesmo sobre Chewie tê-lo carregado, o que o deixou feliz, aparentemente o wookie quase o esmagou várias vezes depois de ter sido atingido.

            Doutora Kalonia pediu para que eu me retirasse, que ela seguiria com os procedimentos com ele, assim que ela constatasse que ele estava cem por cento bem, receberia alta.

            - Bom, amigo, eu preciso ir, mas em breve eu volto para te visitar, tudo bem?

            - Ok, Poe. – ele falou – e obrigado.


Notas Finais


Um capítulo curtinho, eu sei, talvez consiga postar mais capítulos mais tarde, mas não posso prometer. Prometo apenas que logo chegaremos ao que interessa! rsrs
Se vocês estiverem gostando da fic e quiserem acompanhar meu trabalho eu tenho mais duas fanfics aqui no site.
Lost in Space (concluída) -> https://spiritfanfics.com/historia/lost-in-space-6925417
Uma Nova Esperança (oneshot) -> https://spiritfanfics.com/historia/uma-nova-esperanca-oneshot-7126880

Não sei quem é o autor da imagem de capa, se souberem me avisem por favor para creditar. Segue o link da imagem -> https://s-media-cache-ak0.pinimg.com/originals/d0/67/f8/d067f8739f851a1258bf8300d0ec015a.jpg

É isso pessoal, até breve e que a força esteja com vocês!
:**


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...