História The Mad Coke Addicted - Capítulo 17


Escrita por: ~

Postado
Categorias Bangtan Boys (BTS)
Personagens J-hope, Jimin, Jin, Jungkook, Personagens Originais, Rap Monster, Suga, V
Tags Jikook, Kookmin, Taeseok, Vhope
Exibições 113
Palavras 1.509
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Colegial, Comédia, Lemon, Romance e Novela, Shonen-Ai, Shoujo (Romântico), Yaoi
Avisos: Bissexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Sexo
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas da Autora


Devia ta dormindo, mas to aqui. Porque a vontade de escrever e postar é mais forte!
Boa leitura (:

Capítulo 17 - Serei bom pra você, Taehyung


Pisquei um pouco quando finalmente despertei. Eu poderia dormir o dia inteiro, que sono! Fechei os olhos novamente. Puxei o lençol que estava na metade do meu corpo para cima. Foi quando percebi que o mesmo estava preso em alguma coisa, e então notei que Jungkook tinha acabado de acordar e estava atrás de mim, de conchinha comigo.

— Como veio parar aqui? — Perguntei sem me importar muito. Não era a primeira vez que dormíamos assim juntos. — Que eu me lembre, te deixei na cama ontem.

No dia anterior, quando Jungkook adormeceu em meu colo, depois de muito chorar e sem me dar nenhuma explicação do acontecido, eu o ajeitei na cama, puxei mais a coberta sobre si e abri um colchonete no chão para mim.

— Eu acordei de madrugada e seu corpo estava tão abraçável, virado de costas pra mim, que não resisti.

— Eu já te disse que você é muito gay comigo, né? — Bati em sua mão, que estava sobre minha barriga, enquanto ria.

— Já. — Ri mais ainda e ele também.

— Agora que está melhor, me explique o que aconteceu. — Tirei sua mão de cima de mim e me sentei no colchonete, ele fez o mesmo, se sentando de frente para mim.

— Levei o Jimin para uma festinha que me convidaram.

— Hmm?

— Aí eu obriguei ele a dançar, porque ele estava cheio de vergonha, mas depois de muita insistência minha e alguns copos de bebida... Eu e ele já estávamos colados, dançando no meio da pista.

— Mais o quê?

— Só que eu acabei bebendo bem mais que ele. — Uma expressão culpada surgiu em seu rosto.

— O que você fez, Kookie? — Eu conhecia muito bem as besteiras que meu amigo podia fazer quando estava bêbado. — Você fez merda e ele te deu um toco, né? — Balancei a cabeça negativamente, só esperando pela confirmação dele.

— Não. — Ele sorriu. — Foi ótimo, ele me adorou.

Quê?

— Mas você tava chorando que nem um doido ontem, porra! Me assustou. Achei que ele tinha te dado um fora.

— Não, ele me adorou e quer sair mais vezes. — Jungkook sorriu vitorioso.

— E o choro foi porque…?

— Recebi uma mensagem quando voltava pra casa. Meus pais dizendo que eu deveria voltar a morar com eles. Que eu deveria tentar novamente deixá-los me levar pro caminho certo.

— Você quer dizer, ser hétero? — Eu conhecia muito bem os pais do Kook.

— Pra eles esse é o único normal.

— Desculpa. — Ouvi a voz de Jin vinda da porta e me virei para si. — Seus pais não sabem de nada. — Jin lhe lançava um olhar reconfortante. Jungkook sorriu.

— Mas… meus pais de coração sabem. Você e Namjoon me deram muito mais amor que eles. — Jungkook levantou e foi até Jin, que o esperava de braços abertos. — Omma. — Kook apertou forte o mais velho.

— Só vou deixar passar — me levantei, indo até eles. — porque está tristinho. — Sorri e abracei os dois. Ouvi uma risada de Kook e de Jin.

Jungkook frequentava minha casa desde que éramos crianças, por isso meus pais eram tão apegados a si.

— Já está tarde. — Arregalei os olhos quando vi o horário.

— Não querem ficar em casa hoje? — Jin perguntou. — Jungkook não está tão bem. — Apertou de leve a bochecha do mesmo.

— Não posso! — Disse automaticamente. Hoje é o dia do meu encontro com Taehyung, eu não posso faltar de jeito nenhum!

— O que tem de tão importante na escola assim? — Jin me perguntou desconfiado.

— Nada não. Só não é bom perder matéria, só isso. — Eu ainda não contaria para ele sobre Taehyung, porque além de ser muito cedo. Jin o conhece e o garoto ainda é meu primo.

— Hmm, okay. — Ele ainda não acreditava em mim completamente, mas deixou por estar e saiu do quarto.

— Quem toma banho primei…

Antes de eu terminar a frase, Jungkook já tinha corrido para o banheiro do meu quarto. Revirei os olhos. Aproveitei para escolher minhas melhores roupas para vestir. Olhando blusa por blusa e calça por calça.

Por fim, acabei escolhendo uma calça rasgada preta e uma blusa de manga comprida, da mesma cor, só que com alguns detalhes brancos.

X

— Só falta me contar o que ficou conversando com o Taehyung, quando fui embora. — Disse Jungkook, enquanto andávamos para a escola.

— Eu o chamei para sair.

— Finalmente, Hoseok! — Levantou os braços para o ar, como se agradecesse aos céus.

— Não exagera. — Ri de sua reação.

— Como foi? Rolou beijo?

— Não… Eu fiquei envergonhado… — Confessei de cabeça baixa.

— Já ta gostando dele assim? — Jungkook riu.

— Ya! Claro que não. — O empurrei.

— Ta sim.

— Não to!

— Sabe como eu descubro isso fácil?

— Como?

Me deu um selinho rápido nos lábios.

— Jeon Jungkook! — Gritei, automaticamente o empurrando.

Ele começou a gargalhar.

— Aí a minha prova.

— Ridículo. — Dei um tapa em seu ombro.

— Ali o Taehyung. — Ele tampou a boca com uma mão e apontou para trás de mim com a outra.

Virei mais rápido que a velocidade da luz. A gargalhada do Kook podia ser ouvida novamente.

— É bom demais. — Ele disse sem conseguir parar de rir. Comecei a enchê-lo de tapas.

— Meninos. — Parei de atacá-lo quando ouvi uma voz de mulher muito perto da gente. Me virei e reconheci a moça, era amiga da omma Jin. Sorri para a mulher. — Como vão seus pais? — Ela me perguntou sorrindo.

— Bem. — Respondi.

— Eu vi você pequenininho. — Bagunçou meus cabelos rapidamente. — Você também Jungkook. — Sorriu para o outro e o mesmo retribuiu o ato. — Agora estão crescidos e assim já. — Assim já? A olhei confuso, mas ela se curvou e logo foi embora.

— Ela deve ter visto o beijo pra falar assim. — Jungkook comentou.

— Ou foi só modo de falar. — Eu esperava. — Se ela conta pra omma Jin...

— Estaremos casados semana que vem. — Completou a minha frase.

— Vira essa boca pra lá. — O empurrei rindo.

Chegamos a escola e como Taehyung já estava lá, fomos para perto de si. Sentamos os dois nas duas cadeiras vagas, em sua frente.

— Hoseok. — Ele sorriu, me cumprimentando, logo direcionando o olhar para o meu melhor amigo. — Jungkook, desculpa, eu senti… é… ciúmes dos dois, foi idiota. Eu gritei com você também, não quero mais isso.

— Ta desculpado. — Jungkook sorriu. O olhar de Taehyung suavizou.

— Deixa eu dizer… Jimin te adorou.

— Sério? Ele falou de mim para você?

— Ficou conversando comigo essa manhã toda. Ele estava muito empolgado. — Jungkook e Taehyung dividiam um sorriso. E eu sorria por consequência, meu melhor amigo e o garoto que eu esperava… ter alguma coisa séria no futuro, se dando bem. Eu não tinha mais pelo que pedir.

Jungkook passou a prestar atenção na aula e eu me virei para Taehyung.

— Dormiu bem ontem? — Falei baixinho.

— Sim. — Sorriu mexendo nos cabelos, apenas por toque, mas me fazendo sentir mais atração por si, mesmo com o pequeno ato. — Tive um sonho bom.

— Quer me contar? — Apoiei os braços em sua mesa, me aproximando, mas não tão perto, afinal, estávamos numa sala de aula.

— Foi um pouco estranho também. Quer mesmo ouvir? — Perguntou em dúvida.

— Quero. — Sorri o incentivando a continuar.

— Eu era menor, devia ter uns treze anos… Eu estava perdido em um país desconhecido, assustado, passando fome e sem ter onde ficar. Até que um garoto, apenas um pouco mais velho me encontrou. — Suas bochechas coraram, mas ele continuou sem desviar o olhar. Por essa reação, eu imaginava que o outro garoto deveria ser eu. — Me deu de comer e beber, e permitiu que eu ficasse na sua casinha da árvore. — Soltou uma risadinha baixa. — Ele voltava da sua escola e cuidava sempre de mim. E sempre tentava conversar comigo para entender de onde eu era. Mas eu não entendia seu idioma. — Soltei uma risada, entretido em sua história. — Nossa comunicação fora sempre ele me arrastando para os lugares e apontando o que eu deveria fazer. Quando me salvou pela primeira vez, ele saiu me puxando pela mão por aí, e eu apenas permiti, pois ele parecia ter a minha idade, e por sorte eu o acompanhei, pois ele só me ajudou. Nunca descobrimos minha origem ou o porque ou como de eu estar ali, mas com o passar dos anos, ele foi me ensinando sua língua. — Seu olhar brilhava enquanto relembrava. — Já estávamos na faixa dos vinte anos e ele já trabalhava. Arrumou um apartamento e sua primeira intenção, era ter um lugar de verdade para eu morar. — Suas bochechas ficaram mais vermelhas, se é que isso era possível. — Hoseok… — Chamou meu nome, empolgado. — Eu e ele nos envolvemos. Adotamos uma criança. — Riu bobo. — E no fim... nos vi velhinhos, na varanda, observando o pôr do sol. — Ele passou as mãos no próprio rosto, como se para aliviar toda aquela vergonha. — Aí eu acordei.

— Era eu, não era? — Sorri gentil. Ele fez que sim com a cabeça.

— Desculpa, deve estar assustado agora. — Ele disse rápido. — Não quero te pressionar a nenhum relacionamento sério. Só quis contar o que sonhei… Sou um pouco romântico até dormindo. — Sorriu envergonhado.

— Não me assustou. — Apoiei uma mão em cima da sua. — Serei bom pra você, Taehyung, serei bom como o Hoseok dos seus sonhos.


Notas Finais


Momento vhope fofinho <3 E que aquela mulher da rua não seja linguaruda, amém apskaoska


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...