História The Man I Love - Sterek - Capítulo 21


Escrita por: ~

Postado
Categorias Teen Wolf
Personagens Allison Argent, Chris Argent, Derek Hale, Erica Reyes, Isaac Lahey, Jackson Whittemore, Jordan Parrish, Kira Yukimura, Liam Dunbar, Lydia Martin, Malia Tate, Mieczyslaw “Stiles” Stilinski, Peter Hale, Sheriff Noah Stilinski, Vernon Boyd
Tags Derek Hale, Dylan O'brien, Sterek, Stiles Stilinski, Teen Wolf, Tyler Hoechlin
Visualizações 279
Palavras 2.352
Terminada Sim
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Drama (Tragédia), Famí­lia, Fantasia, Lemon, Romance e Novela, Slash, Suspense, Yaoi
Avisos: Álcool, Gravidez Masculina (MPreg), Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo, Violência
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas do Autor


Mais um capítulo! Espero que gostem!

Capítulo 21 - Morto


Levei Jackson para sua casa. Chegamos lá um pouco molhados pela chuva que cresceu em segundos. Ele sentou desajeitado no sofá de sua enorme sala iluminada e massageou seu queixo. “Sinto muito” era a única coisa que eu conseguia repetir enquanto andava até sua cozinha para pegar um pouco de gelo.
            Com a sacola de gelo em seu rosto ele me olha ainda confuso. Acho que deve estar processando o que aconteceu em minha casa.

            - Não encontramos aquela cara ontem? Quando saíamos do restaurante?

            - Sim, ele é o pai de Luna... Já falei sobre ele, se lembra?

            - Não – Ele diz isso revirando os olhos e se arrumando no sofá. – Você nunca falou sobre o pai de Luna. E nunca fiz questão de perguntar também. Achei que seria muito invasivo.

            - Eu sinto muito pelo o que ele fez, Jackson. Ele... nós...

            - Estão juntos?

            Ele não me ataca com a pergunta, mas vejo a surpresa e dor em seu rosto. Nego com a cabeça, não sei o que dizer.

            - Nós estamos passando por algo complicado. Ele apareceu depois de muito tempo e... Quer se aproximar de Luna. Quer se aproximar de mim.

            Jackson joga o gelo no chão e me encosto na parede de sua sala.

            - Eu sinto muito, Jackson. Não sinto por você as mesmas coisas que sente por mim.

            - Mas sente por ele.

            Ele afirma isso, mas ainda assim sinto a necessidade de concordar com minha cabeça. Por que é tão fácil dizer isso para Jackson e não para Derek? Ele é o alvo dos meus sentimentos e não consigo dizer em seu rosto que o amo.

            - Até mais, Stiles... Conversamos outra hora.

            Não espero que ele diga outra coisa. Saio de sua casa e recebo a chuva forte até sair de seu jardim, atravessar o meu e chegar em minha casa.
            Derek está com Luna no sofá e ela mostra a ele todas as bonecas que tem sobre a mesa de centro. Scott anda até mim e sei que me fará perguntas.

            - Sim, Derek bateu em Jackson.          

            - Eu vi – Ele cochicha levantando suas sobrancelhas. – E o que ele está fazendo aqui? Achei que manteriam distância.

            - Não precisa cochichar. Ele está nos escutando.

            Derek nos olha do sofá e Scott respira fundo. Vou até a sala e me sento no sofá ao lado de Luna. Ela me abraça com um enorme sorriso. Obviamente está feliz por seu pai estar ali.

            - Onde estava? – Ela pergunta.

            - Na casa de Jackson. Ele queria me mostrar algo.

            Para ela isso foi o bastante e não pergunta mais nada. Quando Scott começa a brincar com ela e suas bonecas, me levanto e peço para Derek vir atrás de mim. Ele me segue até meu quarto no segundo andar.

            - Precisava mesmo fazer aquilo? – Pergunto fechando a porta do meu quarto e cruzando os braços.

            - Ele estava te beijando. O que queria que eu fizesse?

            - Esperasse até que eu o afastasse e explicasse toda a situação. Agora ele me odeia em sua casa enquanto coloca gelo no rosto. Sorte dele não ter sido lançado no cômodo ao lado por causa de sua grosseria.

            - Nós não falamos sobre ele, não é mesmo? O que vocês são? Namoram e esqueceu de me contar?

            - Não, Derek, não namoramos. Não acha que eu já teria contado isso a você? – Passo por ele e esbarro propositalmente em seu ombro ao andar para minha cama. Ele senta ao meu lado e me encara. – Nós saímos algumas vezes.

            - Só saíram?

            O meu silêncio responde o que passou por sua cabeça. Ele concorda devagar e junta suas mãos enquanto olha o chão do quarto.

            - Ele gosta muito de mim. Muito mesmo. Tanto que veio aqui hoje para me dizer isso.

            - Por que saiu com ele ontem?

            - Eu não faço a menor ideia, Derek. Saí apenas por sair. Eu sabia que era errado, já que não é ele quem eu amo.

            Seus olhos voltam-se para mim mais uma vez e, como sempre, suas mãos encontram as minhas. Mas isso por apenas um segundo, logo elas seguram meu rosto e ele me beija. Ele sabe que o que eu disse é verdade, ele sempre sabe.
            Depois de tantos anos pude realmente sentir o que a saudade de seu beijo me causava. Tê-lo agora é dolorosamente bom e sei que quero continuar com isso.

- - - - - - - - - -

Passado

            Passei o dia todo com Cora em minha casa. Assim que chegamos ficamos na sala assistindo qualquer coisa que passasse na tv. Não prestávamos atenção, mas também não conversávamos. Estávamos presos em nossos próprios pensamentos.
            Nenhum dos outros lobisomens queriam ficar naquela casa com Peter e o mistério do que poderia estar acontecendo com Derek em sua casa só aumentou enquanto as horas passavam. Às 15:00 ele nos ligou e o que disse só me deixou preocupado. Cora não queria me preocupar, mas Derek insistiu que eu soubesse.
            Peter havia fugido da cidade. Claro que não deu um motivo, mas fez isso sem pensar duas vezes. Derek está há horas seguindo-o e diz que isso é difícil, já que por Peter ser um alfa, ele também é mais rápido.

            - Ele está fugindo porque? – Perguntei para Cora.

            - Talvez tenha pensado que todos se juntarão para matá-lo.

            - E vocês farão isso...?

            - Não... – Ela não pareceu ter muita certeza ao dizer isso. – Derek lhe contou que desconfiamos sobre a morte de nossa irmã, não é? – Concordo com a cabeça. Pensar mais uma vez que ele poderia ser capaz disso me assusta. – Não é novidade para ninguém que Peter gosta de poder. Ser um lobisomem é tudo para ele, conhecidos nossos sabem muito bem disso. Mas de uns tempos para cá... ele tem agido ainda mais interessado em poder. Pensei até mesmo que...

            Ela respira fundo. Vou até a cozinha e pego um copo de água para ela. Quando me sento mais uma vez no sofá ela parece se controlar para não chorar.

            - Está tudo certo – Digo segurando sua mão. – Pode me contar. Sabe que Derek não ligaria.

            - Pensei até mesmo que Peter poderia estar planejando matar todos os betas de sua família. Os adotados, claro. Eu acho...

            - Não estou entendendo...

            - Um alfa fica mais forte se tiver mais betas. Do mesmo jeito que ele fica mais forte ganhando-os, pode ficar forte matando-os. Se estiverem fortes, os betas podem dar muito poder a Peter. Não sei se ele pensaria em matar apenas os adotados. Poderia matar também sua filha, Derek e eu...

            - Ele não faria isso.

            Também não consigo passar muita certeza no que digo.

            - Matar lobisomens até entendo. São eles ou vocês, mas a própria família por poder? Isso é horrível.

(...)

            Mais horas se passaram. Derek não ligou por um bom tempo e eu queria sair correndo pela floresta gritando seu nome, como se isso fosse me ajudar.
            Consegui falar com ele apenas às 18:00, quando ele disse que estava em uma cidade tão longe que apenas ouvi o nome duas ou três vezes em minha vida. Ele correu pela floresta como um lobo e disse que Peter deveria estar fazendo o mesmo. Nossa ligação foi encerrada depois dele dizer que sentiu o cheiro de Peter em outro lugar e achar que ele estaria voltando para Beacon Hills.

            - Por que ele iria para tão longe apenas para voltar depois? – Perguntei para Cora, mas assim como eu, ela estava perdida.

            Eu vi o relógio da sala marcar 19:27 quando Cora apertou meu pulso na sala escura de minha casa. “Derek está aqui” ela disse e quando comecei a andar para a porta da frente ela apontou para a cozinha. Abri a porta dos fundos e lá estava ele. Uma sombra saindo da floresta, quando se aproximou mais da luz da varanda, pude ver que ajeitava sua camiseta e colocava sua jaqueta. Estava terminando de se vestir, provavelmente carregou sua roupa enquanto lobo.
            Eu o abraço imediatamente e ele me ergue sem nenhum trabalho.

            - Estive tão preocupado! O que estava pensando quando foi atrás dele?

            - Queria respostas. Ainda não faço ideia se ele matou ou não minha irmã e porque mais ele estaria fugindo?

            E não consigo responde-lo. Tudo o que aconteceu foi tão rápido e intenso que ainda sinto a necessidade de ficar grudado a Derek.

            - Stiles – Cora diz atrás de mim na cozinha. Tem meu celular em sua mão e vejo que alguém está ligando. – Jordan Parrish quer falar com você.

- - - - - - - - - -

Presente

            - Me prometa que ficará tudo bem por aqui – Scott diz enquanto o abraço na porta de minha casa.

            - Somente se prometer que realmente tentará algo com Allison. Ainda torço por vocês dois juntos.

            Ele ri, mas sei que pensa nisso. Scott tem que voltar para Beacon Hills e continuar trabalhando. Ele foi uma grande ajuda com Luna, e logo hoje, quando Derek está em minha sala de estar, não posso contar com a ajuda de meu amigo. Terei que enfrentar a relação que cresce entre o lobisomem e sua filha no cômodo ao lado.

            - Até mais, Scott.

            Mais um abraço apertado e ele atravessa meu jardim, entra em seu carro e vai embora. Quando fecho a porta, escuto as risadas de Derek e Luna. Já é fim de tarde e os dois passaram horas se divertindo. Não me intrometi um minuto sequer. Bom, precisei fazer isso apenas uma vez quando Derek citou que tinha poderes especiais e me certifiquei de que ele não assustaria Luna com a conversa sobre seu dom hoje. Obviamente eles conversarão sobre o poder que possuem, mas não quero que as coisas andem rápidas demais. Precisei dizer que ele tinha super força porque comia todos os vegetais quando era criança e que se ela fizesse o mesmo também poderia levantar um carro.
            Derek riu do modo como mudei o rumo da conversa e Luna fez uma careta quando soube que o segredo para uma super força eram vegetais. Quando me sento ao lado deles no sofá, Luna pede para que Derek faça uma trança em seu cabelo, pois somente com uma trança ela poderia ser a Rapunzel.

            - Ela tem até mesmo o vestido – Digo. – E o de outras princesas também, não é mesmo?

            - Mas é claro. Tia Allison disse que sou uma princesa – Concordo achando que ela diria apenas isso, mas outra coisa sai de sua boca. – E Jackson também. Ele disse que nossa casa é meu castelo.

            Os olhos verdes de Luna não conseguem ver o que se passa em minha cabeça depois do que ela diz. Conversei sobre Jackson com Derek mais cedo em meu quarto. O coitado nem mesmo deve ter parado de sentir dor em seu rosto após o soco que levou e aqui estamos nós, falando novamente sobre ele e sua passagem por essa casa.
            Derek sorri, ao contrário de mim, achou graça no que sua filha disse.

            - Não sei se ficará boa, mas posso tentar, certo? – Ele pergunta para Luna.

            Ela concorda e se vira de costas para ele. Seu enorme cabelo negro cai em suas costas quando o rabo de cavalo é desfeito e eu apenas me encosto no sofá, esperando o desastre que veria na cabeça de minha filha em alguns minutos.

            - Pode parar de sorrir – Derek diz começando seu trabalho. – Cora me pedia para fazer isso. Sei muito bem o que estou fazendo.

            E o desgraçado realmente sabe o que faz. Nunca, em toda minha vida, eu conseguiria fazer uma trança tão perfeita como a que Luna tem agora. Ela pede para que eu tire uma foto, para que também possa admirar o que fez meu queixo cair.

            - Suas tranças são péssimas – Ela me diz devolvendo o celular e anda até o lado de Derek. – A sua é bem melhor, papai.

            Derek também é atingido por uma onda de surpresa ao escutar isso. Ele fica feliz por Luna chama-lo de pai e por receber o elogio. Claro que não sinto ciúmes, mas é... estranho vê-la ter esse tipo de carinho com ele. Sinto que consigo escutar os fios da ligação, já existente entre os dois, se fortalecendo.

            - Então vá todos os dias para a escola com tranças feitas por seu pai – Digo revirando os olhos e me levantando do sofá. – E além do mais, a Rapunzel é loira. Você tem apenas o vestido dela.

            Luna dá risada, mas Derek corre atrás de mim e me abraça.

            - Deixe de ser chato.

            Me viro para ele e vejo o sorriso que faz meu coração explodir. A ponta de seu nariz encosta no meu e deixo meus braços em cima de seus ombros.

            - Acontece, Outro Papai, que nossa princesa já trocou algo que faço pelo o que você faz, o que mais trocará depois? – Sorrimos antes dele me beijar. Aproximo meus lábios de sua orelha e sussurro. – Espere só até ela saber sobre o lobisomem que é. Aí trocará o pobre humano aqui de vez.

            - Ela não trocaria você, humano. Eu nunca trocaria você.

            Não consigo evitar de sorrir. Hoje mesmo estivemos na cama de seu apartamento e depois “discutimos” em meu quarto. A relação com Derek agora parece ser uma caixa de surpresas.

            - Estou com fome – Luna diz nos separando e partindo para a cozinha.

            - Você não é o superpai? – Ele põe as mãos na cintura em uma pose engraçada. – Então dê um jeito nisso. Porque também estou com fome.

- - - - - - - - - -

Passado

            Há um buraco em meu peito. Acho que esqueci como respiro e sinto o gosto salgado das lágrimas em minha boca. Elas simplesmente correram pelo meu rosto quando deixei meu celular cair no chão e Derek precisou me segurar para que eu também não atingisse a grama.
            O que devo fazer agora? Continuar chorando? Gritar até que minha voz desapareça? Ou devo começar a repetir em minha cabeça “Meu pai está morto”?


Notas Finais


Me digam o que estão achando! :D O próximo não irá demorar para sair, então até mais <3


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...