História The manager and the ace. - Capítulo 18


Escrita por: ~

Postado
Categorias Kuroko no Basuke
Personagens Akashi Seijuro, Aomine Daiki, Hyuga Junpei, Kagami Taiga, Kise Ryouta, Kousuke Wakamatsu, Kuroko Tetsuya, Midorima Shintarou, Momoi Satsuki, Murasakibara Atsushi, Shoichi Imayoshi
Tags Adolescente, Akashi Seijuro, Aomine Daiki, Basquete, Kise Ryota, Kuroko No Basket, Kuroko Tetsuya, Midorima Shintaro, Momoi Satsuki, Murasakibara Atsushi, Romance, Teiko
Exibições 24
Palavras 1.388
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 16 ANOS
Gêneros: Colegial, Comédia, Escolar, Esporte, Romance e Novela, Shoujo (Romântico)
Avisos: Heterossexualidade, Spoilers
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas do Autor


Oláaa, continuo no esquema de narrar em terceira pessoa! Estou gostando muito do resultado, mas queria a opinião de vocês. Aonde estão os meus leitores? :( aproveitem o capítulo, bjosss <3

Capítulo 18 - A dor de um coração partido.


Fanfic / Fanfiction The manager and the ace. - Capítulo 18 - A dor de um coração partido.

   Momoi não entendia porquê seu namorado estava demorando tanto. A menina foi para a mesa onde estavam as comidas, como combinado antes, mas se surpreendeu com a demora de Aomine. Só tinha ido buscar uma bebida, então já deveria ter voltado, certo? Começava a imaginar coisas desagradáveis quando escuta uma voz que, ultimamente, trazia raiva e desprezo para seu coração.
        -O-olá, Momoi. -disse Sakurai. O menino que estava determinado a destruir o relacionamento que a gerente e o ás de seu time tinham demorado a construir.
       -Ah, oi, Sakurai. -ela responde friamente. Não demonstrou nenhuma faísca de alegria por o ter visto, diferente do que fez a noite inteira, com qualquer um dos outros convidados que conversava com ela ou com seu namorado.
      -V-você está muito bonita, sabe?-ele diz, levando os braços a cabeça. Parecia envergonhado em puxar assunto com a menina, e triste por ainda não ter recebido pelo menos um abraço.
     -Sakurai, eu vou direto ao ponto. -ela se vira rapidamente para o menino. Antes de continuar, repara no que ele está vestindo. Uma blusa branca e uma calça social. Não, não era bonito como seu moreno. E não, não despertou nenhum interesse repentino por o que acaba de ver.-Não vou ter nada com você. Não quero nada com você. Eu estou comprometida. Eu amo o Aomine. Amo, você sabe o que é isso? Não me interessa se você diz que ele é garanhão, ou que vai ficar com outras meninas, é a sua palavra, de uma pessoa que não reconhece os próprios limites, contra a dele, a pessoa que eu escolhi pra me fazer feliz. -suas palavras atingem o jogador como uma navalha afiada. Apesar de atingido por essa gama de informações, não desiste do propósito pelo qual iniciou a conversa.
     -Momoi, você e os outros podem me considerar fraco. Eu confesso que demonstro isso. Me sinto diminuído por os garotos do time e principalmente por seu namorado. -ele assume um tom seguro que não é de seu feitio. -Só que sei quando posso superar. E no quê posso superar. Eu vou te mostrar que comigo você vai ser feliz de verdade. Não vê que esse relacionamento com o Aomine só traz brigas? Vocês não conseguem manter uma estabilidade. -a garota demonstra preocupação com seus olhos rosados. Mas não diz uma palavra. -Não consigo te ver triste assim sem fazer nada. V-você pensa que é feliz, mas não é. Vai ser comigo. -ele a puxa e com um movimento só a beija. Não a deu tempo para fugir, ou protestar. Mas isso não impediu que seu amigo gigante o fizesse.
      -Ei, Sakurai, acho melhor você não se meter com a namorada dos outros. -Murasakibara irradiava ódio em suas palavras. Estava pronto para fazer Sakurai se arrepender do que tinha acabado de fazer. Apesar de doce e sonolento, Atsushi sabia fazer outra pessoa o temer quando necessário. Foi interrompido pela voz de sua amiga.
    -Mukkun... O estrago já foi feito. -ela disse com lágrimas caindo de seus olhos. Não forçou o choro. Tampouco conseguiu fazer com que ele parasse. Quando Murasakibara a afastou de Sakurai, a garota procurou incansavelmente Aomine. Quando o avistou, estava parado encarando a cena que tinha acabado de acontecer. Tinha um copo quebrado em seus pés. E uma menina que costumava ser sua ex rindo de tudo o que estava acontecendo. Costumava. Antes que Satsuki pudesse correr e explicar o que havia acontecido, Aomine se virou e beijou a menina que tanto tinha tentado acabar com o relacionamento dos dois. Asaka não protestou. O beijou com a mesma intensidade. Momoi não conseguia se mexer. Não conseguia falar. Não ouvia nem mesmo a música que estava tocando. Só foi tirada do transe por a voz do gigante da geração dos milagres.
     -Momoi, olhe pra mim. -ele parecia preocupado com o que tinha acabado de ver. -Você quer que eu vá atrás do Sakurai e faça ele explicar pro Aomine o que aconteceu? -ele segurava os ombros da menina com os braços.
    -Mukkun, já está feito. Só, por favor, me leve pra casa. -ela continuava chorando. Sua voz demonstrava a dor que estava sentindo. A maquiagem começava a borrar. Murasakibara não estava acostumado a ver a amiga naquele estado. Pelo menos, não sozinho.
    -Vamos, eu vou atrás do Akashi. -ele puxou a menina e a levou até aonde o imperador estava. Ele parou de conversar com seus colegas da Rakuzan quando viu os rostos assustados de Momoi e Murasakibara.
    -Lá fora. Agora. -o ruivo disse sem perguntar o que tinha acontecido. Quando chegaram na parte de fora da boate, sentaram em um banco. Ainda tinham pessoas do lado de fora, mas não pareciam se importar com uma garota chorando, um menino e um gigante de 2 metros de altura.
    -O que aconteceu? -ele pergunta à Murasakibara.
   -Eu estava na mesa de comidas quando vi o Sakurai beijando a Momoi. Vi que ela não conseguia se soltar, então ajudei. Ele sumiu, mas quando fui falar com a Momoi, ela estava vendo o Aomine beijar outra menina. Não conheço. -Akashi ouvia tudo com atenção sem demonstrar tristeza. Era frio e calculista em situações como essa.
   -Momoi, você sabe quem era aquela menina? -ele volta sua atenção para sua amiga. Estava péssima. Sentada, com seu rosto borrado com a maquiagem preta que caía junto com suas lágrimas. O cabelo estava bagunçado. Não fazia nem mesmo careta pra chorar. Mas sua dor era visível. A dor de um coração partido.
   -Eu sei, Akashi-kun. Era a Asaka. Ex namorada do Aomine. Eu não sabia que ela ainda estava aqui, achei que tinha nos deixado em paz. -ela fita o ruivo com olhos de preocupação. -Ele me disse que não teria nada com ela, Akashi-kun. Que tinha nojo dela. Como pôde fazer isso comigo? -levou suas mãos ao rosto e continuou chorando. Não estava sendo dramática. Não estava preocupada com o que os outros ao seu redor iriam pensar. Só conseguia chorar.
   -Murasakibara, entre lá dentro de novo e chame o Kise. Diga que preciso falar com ele agora. -o gigante ouviu as ordens do antigo capitão e entrou na boate. Akashi se sentou do lado da garota. -Momoi, essa história está mal contada. Não se preocupe, iremos resolver isso. -ele dizia enquanto procurava um desfecho para o que acabara de ouvir. O capitão da Rakuzan era inteligente. Sabia que uma peça estava faltando. Acompanhou o sofrimento do amigo para conseguir namorar com Momoi. Agora que tudo estava bem, porquê traí-la? Seus pensamentos foram interrompidos por a voz do copiador.
    -Akashi! Estava com duas meninas quentes ali dentro! Quase conseguindo alguma coisa, porque me chamou aqui e... -parou de reclamar quando viu a garota. O que tinha acontecido? Ryouta considerava Momoi uma grande amiga. Contava para ela seus problemas amorosos, sua paixão pelo basquete e tudo o que realmente importava. Se preocupava com ela e não conseguia a ver assim.- O que houve, Momocchi? Aonde está o Aominecchi? -ele procurava o amigo com os seus olhos até que viu o Akashi fazer uma expressão que dizia ''não''.
     -Ki-chan, ele me traiu. Ele está com a Asaka lá dentro. A beijando. Acho que vão pra casa juntos. Não sei o que fazer. -ela continuava chorando. Kise começou a se desesperar. Não sabia o que dizer. Estava confuso como Seijuro estava. Como um casal que estava tão bem agora estava tão mal?
    -Akashi, o quê nós vamos fazer? -ele disse, esperando uma resposta do imperador.
    -Nós vamos a levar pra casa e você vai ficar lá até ela dormir. Kuroko e Midorima não devem saber do que aconteceu. Vou mandar uma mensagem para o Tetsuya, ele que vai cuidar do Aomine.
    -Certo, onde está seu motorista? Eu vou a levar pro carro e esperar você lá. -Kise disse levantando gentilmente a menina com seus braços.
    -Ali, naquele carro preto. Não vou demorar. -ele pega seu celular e digita uma mensagem para Kuroko. ''Aomine a traiu. Resolva essa confusão. Agora. '' Guardou o aparelho e seguiu até seu carro. Não iria ficar na casa de Momoi, mas a iria acompanhar. Quando entrou no carro, viu que a situação não estava melhorando. Ela não parava de chorar. Não parava de se contorcer. Como se estivesse com algum ferimento que estava doendo muito. Pediu ao motorista que se apressasse. A noite iria ser muito longa.
 


Notas Finais


gostaram?? bjos


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...