História The Midnight Sun - Capítulo 5


Escrita por: ~

Postado
Categorias Bangtan Boys (BTS)
Personagens J-hope, Jimin, Jin, Jungkook, Personagens Originais, Rap Monster, Suga, V
Tags Bts, Caçador, Feiticeiros, Filho Da Lua, Filho Da Noite, Imortal, Jeon Jungkook, Jung Hoseok, Kim Namjoon, Kim Seokjin, Kim Taehyung, Park Jimin, Profecia, Vampiro
Visualizações 38
Palavras 4.724
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Aventura, Fantasia, Ficção, Mistério, Romance e Novela, Sobrenatural, Universo Alternativo
Avisos: Álcool, Heterossexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas da Autora


Oiii!
Prontos para entender história desse mundinho??
Então, boa leitura.

Capítulo 5 - Verdades sombrias


Fanfic / Fanfiction The Midnight Sun - Capítulo 5 - Verdades sombrias

O nome pairou no ar, deixando os rapazes agitados, o feiticeiro de capa azul sorrindo sombriamente e a moça totalmente confusa.

-o que?- murmurou Freya, piscando repetidas vezes- eu sequer sei quem é esse tal G-Dragon!

-tu talvez o conheças por outro nome- insistiu Mark, olhando atentamente para os olhos escuros da menina- mas sem dúvida ele é teu pai.

-não, você está enganado- garantiu Freya, dando um passo para trás, acabando por esbarrar em Jin sem querer- meu pai é um comerciante! E não um caçador de vampiros!

-ah não?- indagou o feiticeiro loiro, erguendo uma sobrancelha- então significa que tu não carregas a marca das ancestrais em tua pele?

-e-eu...- gaguejou a menina, pensando no quanto os rapazes reagiram mal ao verem suas cicatrizes.

-eu sei que deve ser difícil acreditar- disse Mark, andando pela pequena casa até alcançar um pesado livro de capa de couro marrom- mas confie no que digo... Pude senti-lo em ti desde que passastes pela minha porta.

-Mark... Pode ser um equívoco...- disse Jin, sem a menor confiança, vendo o amigo virar as grossas páginas do livro.

-ora, Seokjin. Sabes tão bem quanto eu que não é equívoco algum- insistiu o loiro, finalmente encontrando o feitiço que procurava em seu grimório- ela é filha dele, trás tua marca na pele, bem como o brilho nos olhos...

-mas como é possível...?- murmurou Jhope, vendo os olhares igualmente perdidos de seus companheiros- como ele pode ter tido uma filha?

-bem, apesar dos pesares, ele ainda é humano- Mark deu de ombros, virando para a menina que agora estava de cabeça baixa- tinha a chance de deixar um herdeiro... Claro com uma condição... Tua mãe morreu quando nascestes, estou certo?

-como você...?- Freya murmurou, sem conseguir organizar os pensamentos em sua cabeça.

-era inevitável... Nem uma humana teria forças para sobreviver à gestação de um ser sobrenatural- explicou Mark, cruzando os braços abaixo da capa azul.

-mas... Se ela é realmente filha dele, significa que a profecia está se cumprindo?- perguntou Jimin, olhando diretamente para Jin.

-ao que tudo indica, sim...- concordou o feiticeiro, sacudindo a cabeça- significa que a hora está chegando.

-mas... Eu não estou entendendo nada do que estão dizendo!- exaltou-se Freya, soltando a mão de Jin- eu não sou filha de caçador algum!

-Kwon Ji-yong...- disse Mark, atraindo a atenção da moça- te soa familiar?

Freya gelou no lugar ao ouvir o nome de seu pai. Seria possível? Seria ela filha daquele que chamam de filho do dragão?

-pra que você entenda do que estamos falando, precisa saber desde o começo- disse Namjoon, vendo a clara confusão estampada no rosto da moça.

-ah, adoro essa história- animou-se Mark, andando calmamente até sentar-se ao lado de Jungkook que lançou um olhar estreito para o feiticeiro- vamos, Seokjin. Conte à ela.

-isso é realmente necessário?- questionou Jin, recebendo um olhar ferino do loiro- aish, está bem...

-a muitos e muitos anos atrás...- incentivou Mark, gesticulando para que o outro continuasse.

-a muitos anos atrás, o mundo era povoado única e exclusivamente por humanos- suspirou Jin, olhando para a menina- mas, independentemente de qualquer cultura, todos tinham a crença em figuras divinas. Seres imortais e omnipotentes que era capazes de mudar o mundo conforme sua vontade.

-e como os humanos são e sempre serão criaturinhas ambiciosas, eles queriam alcançar tal poder- continuou Mark, não se contendo em apenas ouvir- por isso, começaram a buscar na natureza, formas de conseguir tal feito. Usando de experimentos, testes, pesquisas e tudo que podiam.

-e assim surgiu o que ficou conhecido como alquimia- disse Jin, recebendo o olhar atento de Freya.

-um ramo que buscava pela obtenção do elixir da vida eterna e a chamada pedra filosofal- completou Mark.

-mas não parou por aí. Houveram aqueles que usaram de meios e métodos um tanto quanto mais sombrios para tentar alcançar esses objetivos. Por meio de crenças pagãs, misticismos e superstições esses humanos criaram um jeito diferente de manipular a natureza.

-ali nasceram os primeiros feiticeiros- disse Mark, lançando um olhar enigmático para Jin- que, mesmo sem qualquer magia própria, conseguiram feitos impensáveis para a época.

-incluindo, o elixir da vida eterna. Um grupo de seis bruxas, depois de vários séculos de tentativas, finalmente conseguiu alcançar aquele objetivo. Mas, diferente do que se esperava, o elixir não conferiu apenas imortalidade e sim magia em sua forma pura, transformando aquelas mulheres em algo que nós sequer conseguimos compreender.

-elas ficaram conhecidas como as ancestrais- disse Mark, sorrindo animado- as primeiras a possuir magia correndo por suas veias. E delas, nasceram os primeiros feiticeiros como conhecemos hoje.

-seus filhos, diferente das mesmas, já nasciam com o poder entranhado na alma, e mesmo que não chegassem aos pés daquilo que as ancestrais eram capazes de fazer, ainda eram mil vezes mais poderosos do que um dia os humanos sonharam ser.

-porém, nem tudo estava perfeito. As ancestrais perceberam que seus poderes iam muito além do que elas próprias podiam controlar e por isso temeram que aquilo caísse em mãos erradas.

-elas destruíram tudo que conquistaram nos anos de vida mortal- contou Jin- apagaram todos os registros, eliminaram testemunhas e destruíram o elixir para sempre.

-deixando apenas seus filhos como legado daquilo que construíram. Assim, aquela nova raça começou a se espalhar pelo mundo, fascinando a todos os humanos que almejavam aquele poder. Os feiticeiros foram se adaptando ao longo dos anos para manter o poder em suas veias contido, até chegarem ao que eu e Seokjin somos hoje.

-no entanto, as ancestrais não tinham a capacidade de adaptação que a evolução genética permitia, mas seus poderes concedidos pelo elixir, não deixaram de crescer e se modificar. Por isso, chegou-se a um ponto onde elas se viram obrigadas a entrar num sono profundo. Uma espécie de hibernação, para recompor a estabilidade de seu corpo e sua alma.

-isso durou mais de dois milênios, até que finalmente uma das bruxas retomou sua consciência- contou Mark- ela era a mais jovem e sem dúvida a mais promissora.

-ela acordou e deixou o local onde suas irmãs haviam se recolhido e saiu para ver o que sua prole havia mudado no mundo. Descobriu coisas fascinantes, encontrou com seus primeiros filhos mesmo depois de tanto tempo, ficou totalmente maravilhada com o que os humanos e feiticeiros haviam conseguido construir de forma harmônica.

-no entanto, algo saiu fora do planejado- disse Mark, com um sorriso nada sutil- uma coisa a pegou desprevenida em sua jornada de contemplação.

-apesar de ser uma das ancestrais, ela ainda possuía a vida humana dentro de seu ser- explicou Jin- e como tal, ela estava sujeita às tentações humanas.

-e a bruxa cedeu a única tentação realmente fatal para qualquer um de nós- disse Mark, alternando um olhar terno entre Namjoon e Jin- ela se apaixonou. Caiu de amores por um mortal... Um humano comum, mas que havia tomado seu coração como nem um outro.

-apesar de ter tido relacionamentos passados que resultaram no surgimento dos primeiros feiticeiros, a ancestral nunca havia se apaixonado. Eram apenas homens escolhidos a esmo, única e exclusivamente para a procriação.

-mas aquele rapaz era diferente- disse Mark, sorrindo enquanto se erguia de seu lugar- mesmo sendo apenas um jovem e humilde camponês, ele conseguiu conquistar aquele coração imortal e juntos viveram uma linda história de amor, a qual todas as moças almejam viver... Pelo menos, até que o destino impusesse sua verdade... Ele era um simples e frágil humano.

-uma noite escura, cavalos que se assustaram com algo na estrada, uma roda que soltou do eixo diante de um imenso precipício e pronto... Uma vida chegou ao fim- disse Jin, com o olhar perdido num ponto qualquer da sala, embora Freya suspeitasse que sua mente estava bem mais longe.

-a ancestral nada pode fazer- disse Mark num tom melancólico- nem todo o seu poder pôde salvar seu amado daquela triste realidade... No entanto... Ela não desistiu.

-jurou pela memória daquele camponês que iria trazê-lo de volta, nem que pra isso tivesse que buscá-lo no inferno- Jin proferiu, com uma voz assustadoramente baixa- usou sua magia para manter seu corpo intacto enquanto perdia anos e anos de sua imortalidade buscando uma forma de tê-lo novamente.

-ah, nunca duvide de uma mulher apaixonada- Mark riu sem humor- ela insistiu tanto que finalmente conseguiu... Usando a mesma base de conhecimento que deu origem ao elixir, ela recorreu a meios impuros, pecaminosos e irreversíveis para recuperar aquele que tanto amava.

-mas o resultado não foi bem o esperado- disse Jin, dando um leve sorriso- o feitiço realmente trouxe a alma do camponês de volta a vida, mas seu corpo não. Ele estava pálido e frio como o cadáver que era. Seus lindos olhos azuis foram tomados por um vermelho tão intenso que parecia devorar almas. O sol que tanto aquecia sua pele rosada, agora queimava como o inferno, causando dores inimagináveis.

-ele estava de volta, sim, mas já não era mais o mesmo- disse Mark, com um olhar tristonho- era uma alma viva aprisionada num corpo que já não vivia mais. E para suprir aquela existência tão inadequada, o corpo pedia por algo que o fizesse sentir vivo novamente... Pedia por aquilo que já não mais produzia por conta própria... Pedia... Por sangue.

-naquela noite, nasceu o vampiro original- concluiu Jin, olhando fixamente para os olhos já rubros de Jimin- uma criatura tão poderosa que nem mesmo a ancestral podia derrotar.

-mas nada disso superaria o poder de um amor verdadeiro- suspirou Mark, tornando a sentar ao lado de Jungkook- ah... Juntos eles viveram felizes, mesmo com aquelas dificuldades. Nada seria capaz de destruir aquele amor... Nada... A não ser o destino.

-anos depois, o vampiro original já havia transformado quatro humanos em seres iguais a ele e esses vampiros de primeira classe disseminaram aquela nova espécie pelo mundo. Mas, diferente dos feiticeiros, os vampiros não conseguiam conviver em harmonia com os humanos, pelo contrário, usavam seus corpos como fonte de alimento e satisfação carnal, até que o mundo começou a entrar em colapso- suspirou Jin.

-diante desse caos, os feiticeiros não viram alternativa se não acordar as ancestrais em seu recolhimento e quando as cinco bruxas viram o que sua tola irmã havia feito, ficaram horrorizadas. Aquilo não era certo, não era natural... Precisavam dar um fim àqueles filhos da noite.

-porém, mesmo as cinco ancestrais não podiam destruir o vampiro criado pelo pecado de roubar uma alma dos céus ou do inferno... Por isso, recorreram a uma ramificação de sua espécie. Uma família de feiticeiros que se dedicou a pratica da metamorfose do corpo- Jin tinha um pequeno sorriso nos lábios carnudos- Alguns os chamavam de transmorfos, outros de filhos da lua.

-a família, mesmo podendo transformar-se em qualquer criatura viva, haviam adotado o lobo como forma perfeita e logo foram assemelhados às figuras presentes nas lendas antigas- Mark usou uma entonação arrastada para dar mais ênfase em suas palavras- Homens que ao nascer da lua cheia se transformavam em lobos famintos e ferozes. Mas a verdade é que os filhos da lua eram diferentes, eles não eram reféns da lua cheia e mantinham total consciência humana quando se transformavam.

-aquela família era realmente poderosa, mas nem mesmo sua vantagem em número foi capaz de vencer os filhos da noite- Jin olhava pela janela da pequena casa, vendo o sol brilhar lindamente do lado de fora- uma guerra horrível foi travada. Milhares perderam suas vidas e a mais nova das ancestrais foi renegada por suas irmãs... No fim, o vampiro original se manteve soberado sobre os filhos da lua e as ancestrais foram obrigadas a tomar uma atitude mais drástica.

-a família dos filhos da lua foi massacrada, mas não totalmente- disse Mark, com uma expressão indecifrável- houve um sobrevivente. Um rapaz, o mais novo de três irmãos mortos, cujos poderes haviam sido absorvidos pela mais novas das irmãs... As ancestrais o escolheram, lhe deram uma chance de vingança contra aquele que destruiu sua família.

-enquanto o vampiro original estivesse vivo, o universo não estaria em equilíbrio- disse Jin- por isso, se elas não podiam destruir aquele que fazia a balança pender, então elas iriam criar alguém que a deixasse em equilíbrio novamente.

-as ancestrais se reuniram, usaram todas as forças que restavam em seus corpos depois da terrível batalha e iniciaram um novo ritual- Mark, se pôs de pé e a cada palavra ia dando um passo para perto de Freya- usaram aquele jovem filho da lua como sacrifício e lhe deram um novo motivo para viver.

-fizeram dele um imortal novamente, assim como o vampiro. Mas havia um porém... A sua imortalidade dependia de uma condição. Um juramento feito às cinco ancestrais...

-enquanto o filho da noite caminhasse sobre a terra, o jovem não deixaria esse mundo- Mark, já estava tão próximo que poderia tocá-la- Deveria caçá-lo até o inferno se fosse preciso e no dia que aquela alma deixasse o corpo, o jovem teria paz.

-para garantir que a ancestral mais nova não iria tirar a vida do jovem para proteger seu amado vampiro, as cinco irmãs fizeram um novo feitiço. Ligaram a alma do jovem à única coisa que a ancestral jamais teria coragem de destruir- Jin suspirou.

-ligaram a alma do jovem ao filho da noite. E, enquanto sua missão não fosse cumprida, ele não poderia deixar esse mundo. Mesmo que a vida se esvaisse de seu corpo pelas mãos do próprio vampiro, ele iria renascer das cinzas e continuar sua busca.

-e para firmar aquele juramento eterno, as ancestrais deixaram no jovem uma marca- nesse momento, Jin encarou a moça profundamente, antes de recitar as palavras que conhecia tão bem- "tu és nosso caçador. Por tuas mãos nossa justiça sera feita..."

-"tu és nosso dragão e pela chama de tua alma libertarás o mundo da criatura que caminha sob o sol da meia noite..."

-"mas para isso, filho do dragão, tu precisas abrir mão de tuas asas e permanecer nesta terra corrompida até que tua missão se cumpra"- Jin finalizou, baixando os olhos.

-naquela noite, as ancestrais fizeram as cicatrizes em suas costas para que ele nunca esquecesse de sua promessa- Mark olhou para Freya atentamente.

-o esforço para a realização desse ritual foi tanto, que as cinco ancestrais foram obrigadas a entrar em sono profundo novamente, confiando que seu caçador iria cumprir seu destino.

-porém, a ancestral renegada não se manteve quieta diante da ameaça contra seu amado, uma vez que o caçador podia matar o vampiro, mas o vampiro não podia matar o caçador, então ela procurou um jeito de mantê-lo protegido.

-a alma do caçador estava presa ao vampiro e a do vampiro presa ao próprio corpo. Logo, o único jeito de impedir que ele fosse morto, seria garantir que a alma dele nunca pudesse ser libertada- disse Mark- pra isso, ela buscou algo que a muito havia sido esquecido.

-a pedra filosofal- disse Jin- a pedra foi conquistada pela mais jovem das ancestrais, porém nunca usada até aquele momento.

-diferente do que se imaginava, a pedra não tinha o toque de ouro nem nada do que os antigos alquimistas acreditavam- esclareceu Mark- ela tinha um poder muito maior... Era capaz de selar qualquer coisa contra qualquer um.

-a ancestral usou um feitiço para manter a pedra protegendo a alma do vampiro e enquanto ele estiver com ela, ninguém pode matá-lo. Mas, como punição por suas ações, as irmãs sairam de seu sono uma última vez...

-elas usaram seu poder para aprisionar a mais nova num lugar de onde ela jamais poderia sair por conta própria- disse Mark com um olhar sombrio- e antes de perderem a consciência novamente, a mais velha das irmãs fez um profecia...

-a profecia dizia que o caçador jamais poderia ser morto sem antes matar o vampiro. Ao mesmo tempo que o vampiro não podia ser morto enquanto carregasse consigo a pedra filosofal, mas que isso teria um fim.

-dizia que a única coisa capaz de pender a balança novamente era o sangue nascido do dragão.

-por milênios diversos feiticeiros tentaram decifrar essas palavras, mas ninguém nunca conseguiu- Jin apertou a capa roxa contra o corpo- o fato de a balança pender significa a morte de um dos dois... Mas nem um deles pode ser morto. E o "sangue do dragão" sempre foi associado ao próprio G-dragon e assim acabava no mesmo dilema.

-pelo menos até agora- Mark lançou um olhar intenso na direção de Freya-tu, minha cara, possui o sangue do dragão nas veias... Tu é capaz de pender a balança.

-isso não... Não é possível...- Freya murmurou tão baixinho que os feiticeiros mal ouviram.

-ainda duvidas que sejas filha do caçador?- indagou Mark, tocando-lhe a bochecha.

-e-eu...

-ele pode tirar a prova- Mark olhou subitamente para Jimin que imediatamente arregalou os olhos.

-eu?- indagou o ruivo, alternando o olhar para Jin.

-tu és o único vampiro vivo, além do original, que provou do sangue do caçador- esclareceu o loiro, pegando a menina pelo braço e puxando rumo ao rapaz.

-como sabe disso?- Freya não conseguiu conter a língua e acabou perguntando.

-o sangue do caçador é como veneno para os vampiros- explicou Namjoon, pensativo- foi uma das precauções tomadas pelas ancestrais.

-eu estava presente quando este rapaz foi salvo de morrer com aquele veneno- Mark olhava tão intensamente para o ruivo que o rapaz já estava se sentindo acuado- prove do sangue dela e vais ter a confirmação que precisa.

-mas, se ela for mesmo filha do caçador, o sangue dela não sera igualmente venenoso?- perguntou Jungkook, se pronunciando pela primeira vez.

-eu duvido- Mark negou- mas caso seja, eu posso cuidar para que ele não sofra danos.

-como?- dessa vez foi Jin quem questionou.

-com isso- o loiro puxou um colar do pescoço, no qual havia um pequeno frasco onde um líquido vermelho escuro cintilava.

-isso é...?- Jimin ofegou.

-sim, isso é o sangue do vampiro original- confirmou Mark, olhando curiosamente para o frasco- quer dizer, sangue de alguma de suas vítimas. Mas a partir do momento que o sangue toca as veias do vampiro original ele recebe a magia contida em seu corpo e portanto, se torna a única coisa capaz de curar um vampiro deste veneno.

-não acho que isso seja uma boa ideia- Jin hesitou, trocando um olhar nervoso com Namjoon.

-pois é a única saída- garantiu o loiro, virando a atenção para a menina que ouvia tudo calada- me permite?

o feiticeiro da capa azul tomou o pulso da menina nas mãos, materializando um pequeno alfinete, e logo aguardou por uma confirmação de Freya. Ela prendeu a respiração e assentiu, fechando os olhos quando o loiro espetou o alfinete em seu dedo indicador. Soltou a moça, virando para o vampiro, enquanto a menina colocava o dedo na própria boca, e lhe estendeu o alfinete sujo de sangue. Jimin hesitou, olhando para Namjoon antes de pegar o pequeno alfinete, levando-o aos lábios grossos. Lambeu o líquido vermelho, esperando sentir a mesma dor causticante de quando foi obrigado a sorver o sangue do caçador, porém tudo que sentiu foi o sabor ferroso tão delicioso quanto o melhor dos doces que já provará em vida. Mas acima daquela satisfação inesperada, o vampiro sentiu o mesmo gosto de sensação agridoce tomar sua língua.

-e então?- pressionou Taehyung, olhando ansioso para o mais velho.

-é o mesmo sangue- Jimin murmurou, sem saber exatamente o que pensar.

-acreditam em mim agora?- indagou Mark, sorrindo vitorioso, enquanto retornava ao seu grimório- pois bem, agora que a dúvida foi tirada, presumo que irás querer tirar o selo com ainda mais urgência.

-por que diz isso?- perguntou Jin, se recuperando do pequeno momento de choque.

-o selo foi feito a mando do caçador para protegê-la de qualquer magia, mas assim o como o selo que tu colocastes em teus vampiros, este serve para que ele possa rastreá-la- explicou Mark, tornando a ler o feitiço certo.

-mas se fosse assim, ele já teria a encontrado em nossa casa- rebateu Jin, puxando a menina para perto de si.

-na tua casa? Onde há selos e barreiras para todos os lados?- Mark ergueu uma sobrancelha, fazendo Jin se calar.

-mesmo que tirem o selo dela, ainda vai apagar sua memória e devolvê-la ao caçador?- perguntou Jhope, olhando para o feiticeiro moreno.

-não!- exclamou Mark, assustado- não pode devolvê-la! Se estivermos certos e ela for a responsável por pender a balança, vós não podeis deixar que ele a pegue.

-mas...- Jin começou a protestar, porém foi interrompido.

-se ela pender a balança para o lado do caçador, todos os vampiros iram morrer- Mark disse firmemente- se quiseres manter tua família sã e salva, precisas protegê-la.

-deixe-o tirar o selo, quando chegarmos em casa decidimos o que fazer com ela- pediu Namjoon, olhando fixamente para Jin- sejamos rápidos, estou com um mau pressentimento.

-escute-o, Seokjin- aconselhou Mark, já esfregando as mãos para criar as pequenas chamas azuis.

-está bem- cedeu Jin, suspirando- tire o maldito selo.

-com prazer- Mark se aproximou, pegando a menina pelos pulsos e puxando-a para o centro da sala- afastem-se.

Os vampiros se recolheram para próximo das paredes, deixando o certo livre ao feiticeiro que rapidamente moveu as mãos, criando um círculo de chamas azuis ao redor dele e da menina ao mesmo tempo que seus olhos se iluminassem num forte tom de azul. Freya se encolheu, tremendo de leve quando o loiro começou a murmurar palavras numa língua desconhecida. Imediatamente, pequenos arabescos azuis foram surgindo na pele dos pulsos da menina, fazendo-a arregalar os olhos. Conforme os desenhos apareciam, Mark ia deslizando os dedos sobre eles até que se tornassem negros e aos poucos fossem desbotando.

Enquanto observava o feiticeiro fazer seu trabalho, Jimin sentiu um cheiro estranhamente familiar, fazendo seu corpo entrar em alerta e suas presas ameaçarem descer. Ficou confuso por um momento, se perguntando se seria o cheiro da moça, finalmente revelado com o desaparecimento dos selos, mas algo lhe dizia que não.

-Jin hyung- chamou baixinho, fazendo o mais velho se inclinar para que ele pudesse sussurrar em seu ouvido- tire um de meus selos.

-o que? Por que?- estranhou o feiticeiro, olhando surpreso para o vampiro.

Jin havia selado todos os cinco vampiros como forma de sempre poder os encontrar rapidamente, além de que, para os três mais novos, os selos serviam para suprir seus poderes e instintos, de modo que em caso de emergência ele pudesse contê-los imediatamente. Ao todo, Jimin, Taehyung e Jungkook, possuíam três selos em seus corpos. Um em cada pulso e um ao longo da coluna vertebral, mas esses ficavam ocultos aos olhos.

-por favor, só faça o que estou pedindo- insistiu o ruivo, estendendo o pulso esquerdo para o feiticeiro.

-não faça nem uma besteira- advertiu o mais velho, pressionando os dedos na pele fria do vampiro.

-confie em mim- disse Jimin, vendo as linhas rosadas se espalharem por seu pulso até sumir aos pouquinhos.

Mark proferiu as últimas palavras, piscando para trazer seus olhos ao tom natural enquanto as chamas se apagavam ao redor de seus corpos. Ao mesmo tempo, Jimin lançou um olhar indecifrável para a janela, puxando o pulso das mãos de Jin, antes de sumir porta a fora.

-onde ele foi?- perguntou Taehyung, estranhando a saída súbita do ruivo.

-não sei- admitiu Jin, vendo Mark deslizar os dedos na pele da menina uma última vez antes de soltá-la.

-está feito- disse o loiro, fechando a capa ao redor do corpo, quando uma forte ventania escorreu pela janela, trazendo consigo um cheiro bem conhecido dos demais- ai não...

-ele está aqui?- J-hope se ergueu num pulo, olhando nervosamente para a porta.

-eu sabia que ele viria, mas não achei fosse tão rápido- ofegou Mark, dando pequenos passos para trás.

-temos que sair daqui- Namjoon agarrou mais a mão de Jin, já puxando-o para perto dos mais novos.

-o que foi?- perguntou Freya sem entender, alternando o olhar entre os rapazes- quem está aqui?

-cadê o Jimin? Temos que sair antes que...- Jin falava nervosamente quando foi brutalmente interrompido por um forte barulho.

A porta de madeira foi estilhaçada com um forte chute, fazendo pequenos pedaços voarem para dentro da casa enquanto Freya soltava um grito agudo. Jin imediatamente agarrou no braço da menina, arrastando-a para trás de seu corpo, ao mesmo tempo em que uma chama azul queimou ao seu lado.

Mark havia desaparecido juntamente com o pesado grimório.

Os vampiros assumiram seus tons coloridos em suas orbes, deixando as presas crescerem, enquanto se posicionavam de forma protetora ao redor do feiticeiro. A poeira baixou, revelando o vão da porta iluminado pelos raios da manhã, até que uma bota negra pisou firmemente sobre os restos de madeira e logo uma figura ocupou o espaço.

Ele não tinha expressão alguma no belo rosto. Seus olhos estavam delineados por uma cor negra, realçando o tom castanho das íris. Bem como seus cabelos ruivos contratavam com a pele clara.

O homem caminhou lentamente para dentro da casa, dirigindo um olhar frio para cada um dos presentes, focando imediatamente na pequena menina agarrada ao braço do feiticeiro.

-Freya...- ele chamou com uma voz grave e profunda, vendo a jovem arregalar os olhos e estremecer.

-papai...- a menina respondeu num fio de voz, sentindo Jin apertar sua mão.

-afaste-se para que eu possa me livrar destes demônios- o homem ditou, puxando uma pesada espada que trazia nas costas.

-papai, me escute...!

-ah, Namjoon...- o homem interrompeu, olhando com falsa decepção para o vampiro- achei que tinha aprendido a manter seus diabinhos longe do meu caminho...

-é bom te ver também, G-Dragon- disse o líder, sem se abalar com a presença do caçador, enquanto os mais novos rosnavam baixinho.

-faz tempo não é mesmo?- disse o homem, com um sorriso de canto- desde que teve a sorte de salvar o maldito de minhas mãos, antes que eu o destroçasse... Aliás... Onde ele está? Gostaria de corrigir este erro.

-sinto muito, mas não irá corrigir erro algum neste momento- disse Namjoon, sustentando o olhar do outro.

-ora... Tiveram a ousadia de roubar minha filha e você ainda faz a indelicadeza de me desafiar?- disse o caçador, estalando a língua em seguida- você já foi mais cortês, meu caro.

-papai, por favor...- implorou Freya, soltando-se do aperto de Jin e avançando por entre os vampiros- eu fugi de casa sozinha, eles não tiveram nada a ver com isso...

-Freya...- sibilou o feiticeiro, tentando segurá-la antes que saísse do pequeno círculo protetor, mas foi segurado por Namjoon.

A menina se aproximou do pai, vendo ele fixar aqueles olhos friamente sombrios em seu rosto.

-por favor, deixe-os ir- implorou ela, segurando na manga do sobretudo escuro enquanto Jin sentia o coração falhar uma batida- eu volto com você pra casa, mas por favor não faça mal a eles...

-quanta decepção...- o homem calou a menina com sua voz sombria, erguendo a mão lentamente até agarrá-la pelo pescoço.

Namjoon teve que exagerar na força para conseguir impedir o feiticeiro de correr para a menina.

O líder estava terrivelmente nervoso. Estava frente a frente com o pior dos homens e sabia que o único motivo de não terem sido brutalmente atacados era a presença da menina chorosa diante deles. Precisava pensar rápido, tinha que tirar seus meninos e seu feiticeiro daquele lugar em segurança, mas sabia que o caçador jamais permitiria. E ainda havia Jimin que desapareceu sem explicações enquanto aquele homem ameaçava suas vidas.

Ele tinha que ser rápido. Não iria deixar seus meninos caírem nas mãos daquele monstro.

-minha própria filha- sussurrou G-Dragon, apertando a mão ao redor do pescoço da menina ao ponto de deixá-la nas pontas dos pés- defendendo esses demônios... Esses vampiros...

-p-pa-papai...- gaguejou Freya, engasgando com a falta de ar.

-ah, querida, você vai voltar comigo sim- disse ele, aproximando o rosto do dela e olhando no fundo de seus olhos- mas daqui esses demônios não saem com vida.

Com um movimento rápido e firme, o caçador jogou a menina no chão atrás de si, causando um ofego por parte do feiticeiro. Todos estavam chocados, não esperavam que aquele homem teria coragem de machucar a própria a filha daquela forma.

A menina caiu com força, fungando chorosa enquanto a acariciava a bochecha ralada nos estilhaços de madeira. Ao mesmo tempo que G-Dragon empunhava a espada imensa, focando os olhos frios diretamente em Namjoon, o que causou um rosnar ainda maior por parte dos mais novos.

O nervosismo era palpável para Jungkook e Taehyung, eles nunca estiveram diante de tal situação. Sequer conseguiam conter os tremores em seus corpos quando o caçador fez menção de avançar no grupo.

No minuto que G-Dragon deu um passo a frente, seu corpo foi brutalmente jogado rumo a parede, atravessando a madeira com violência enquanto todos os presentes encaravam chocados. Uma nuvem de poeira subiu logo que o caçador voou, atingindo diversas casas até chocar-se contra um muro que imediatamente desabou sobre ele.

A poeira baixou. Um rapaz estava levemente agachado, em posição de ataque, observando o buraco na parede. Seus olhos brilhavam num vermelho intenso enquanto um rosnado ressoava em sua garganta.

-Jimin...?- ofegou Freya, olhando chocada para a face totalmente séria.


Notas Finais


Hohohohohohoho primeira aparição do senhor G-Dragon!!
Espero que tenham gostado.
Bjksss!
By: HM


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...