História The Minghao Show. - Capítulo 4


Escrita por: ~

Postado
Categorias Seventeen
Personagens Wen Junhui "JUN", Xu Ming Hao "THE8"
Tags Jeongcheol, Jun, Junhao, Meanie, Minghao, Seventeen, The8, Verkwan
Visualizações 300
Palavras 2.307
Terminada Sim
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Comédia, Fluffy, Romance e Novela, Shoujo (Romântico), Universo Alternativo, Yaoi
Avisos: Álcool, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


Desculpem a demora.
Então, eu alterei algumas pequenas coisas no enredo, mas ainda segue o plot do filme, ok?
Muito que bem.

Capítulo 4 - Quatro.


Fanfic / Fanfiction The Minghao Show. - Capítulo 4 - Quatro.

Bem vindos ao “The Minghao Show”!

No episódio anterior Minghao beijou Junhui, descobriu a verdade sobre a vida dele, mas o menino é lerdo então não se preocupem ainda tem muita história pela frente.

E agora? Ele ainda pensa em viajar? Segue apaixonado pelo chinês desconhecido e lindo demais pra sanidade de qualquer um? Veremos isso e muito mais, agora, no “The Minghao Show”!

 

Episódio 19.543:

--------------------------------------------

- Hao, você precisa parar com essas ideias loucas de viajar. - Mingyu tentou convencer o menino do contrário. O diretor tinha sido claro: Minghao deveria parar de sonhar com a possibilidade de sair da ilha, pelo menos por hora. - A gente não tem como sair daqui e você sabe disso.

- Não temos dinheiro, nem meios de viajar, Minghao. - Wonwoo concordou. - Quem sabe daqui há alguns meses...

- É, quem sabe. - Minghao deu de ombros. - Agora eu vou dormir porque eu to cansado pra caramba. Valeu gente.

O Xu nem esperou os amigos irem embora e se enfiou no quarto. A verdade era que Minghao não tirava da cabeça toda aquela história maluca de sua vida ser uma ilusão. Tudo bem que algumas coisas bem loucas já aconteceram, como quando no Natal um cara esquisito pulou de uma caixa de presente gigante gritando “eu conheci o Minghao”, ou quando um retroprojetor caiu do céu e na televisão falaram que havia sido um retroprojetor de uma nave especial que havia se desprendido... Mas apesar de esquito, Minghao nunca achou que girasse em torno dele.

Sem sono o Xu resolveu assistir televisão, mas não havia nada que o entretece. Pegou o moletom que Jun usava e o cheirou. Queria poder lembrar um pouco mais do rosto do moreno, apreciar aquela beleza sobrenatural e angelical do outro. Foi com essa ideia em mente que buscou todas as revistas espalhadas na casa e começou a procurar entre os modelos estampados nas revistas qualquer semelhança com Jun. Nariz, boca, cabelo, até as sobrancelhas... No fim acabou com um grande recorte. Respirou fundo e voltou pro quarto colocando aquele suposto retrato do Wen perto da cama e o moletom ao seu lado.

Minghao encontraria Jun e isso não estava em discussão.

 

- Sério que ele vai dormir abraçado com esse moletom? Meu Deus que fofo e brega.

- Yoona, hoje eu quero ouvir o programa. Cala a boca e assiste essa merda!

 

Minghao acordou disposto e determinado. Se a vida dele era mesmo uma grande mentira queria descobrir a verdade e se livrar da dúvida. Foi para a faculdade de dança e para o trabalho, tudo isso em silêncio, apenas respondia algo quando era perguntado, a maior parte do tempo o Xu apenas observava. Cada detalhe não passava despercebido. Enquanto almoçava dentro do carro para poupar tempo entre a faculdade e o trabalho resolveu olhar pelo retrovisor, não foi sequer intencional, apenas ficou observando quem passava por ali. Um homem de bicicleta roxa, uma mulher com um buque de flores, uma criança com um cachorro... Dez minutos depois e: um homem de bicicleta roxa, uma mulher com um buque de flores, uma criança com um cachorro... Epa. Curioso ele ficou ali mais uns vinte minutos e as mesmas pessoas passaram várias vezes, como se apenas dessem voltas no quarteirão. Pareciam figurantes.

Minghao balançou a cabeça descrente. Não podia ser não é mesmo? Era absurdo demais. E mais uma vez: um homem de bicicleta roxa, uma mulher com um buque de flores, uma criança com um cachorro.

Talvez fosse possível.

 

- Ele tá tempo demais parado nessa merda de carro! Manda alguém pra lá agora!

- Mas o Mingyu não está por perto senhor...

- E quem ta mais perto?

- A Sunny. Ela veio buscar o pagamento e pediu pra conversar com uma amiga dela que é figurante e-

- Tá, tá, manda ela mesmo, só tirem ele desse carro porque já está me dando agonia.

 

- Haohao? - Minghao ouviu batidinhas no vidro da janela do carro. - O que faz aqui? - Sunny entrou no carro sem ser convidada.

- Eu? O que você faz aqui? - O garoto perguntou bufando. O namoro com Sunny não tinha acabado da melhor forma possível e não esperava a ver tão cedo.

- Vim visitar uma amiga. - Ela deu de ombros. - Pode me dar uma carona pra casa?

- Na verdade não, Sunny. - O Xu respondeu. - Já estou atrasado pro trabalho.

- Não estaria se não estivesse parado aqui há tanto tempo. - A menor bufou.

- E como sabe que estou parado aqui há tanto tempo? - Minghao perguntou curioso.

- Eu só vi você parado aqui, Haohao. - Desconversou.

- Na verdade Sunny, algumas coisas estão bem interessantes hoje. - Ele riu. - Você aparece do nada e as pessoas ficam dando voltas no quarteirão. Engraçado né?

- Do que você está falando?

- Eu estou falando disso. - Ele puxou a garota para perto de si para que ela pudesse olhar pelo retrovisor. - Um homem de bicicleta roxa, uma mulher com um buque de flores, uma criança com um cachorro. Eles vão passar daqui a pouco, repara comigo. - E eles realmente passaram. Minghao riu e Sunny sentiu a mão começar a suar.

- Você tá paranoico.

- Não, eu to ótimo, aliás, vamos eu te levo pra casa. - Ele deu partida no carro. - Na verdade eu acho que vou fazer melhor, porque a gente não vai embora de Buypol? Isso mesmo, você seria uma excelente companhia Sunny, vamos para o aeroporto!

Minghao saiu do estacionamento e começou a dirigir em direção ao aeroporto. Estava indo até rápido demais quando se deparou com um grande trânsito, parecia que demoraria horas para chegar onde precisava.

- Poxa, que pena que tá engarrafado, adoraria viajar contigo. - Suny riu nervosa.

- Ah, mas não seja por isso. - Minghao deu a volta pela praça várias vezes em alta velocidade enquanto Sunny gritava loucamente e voltou para o mesmo caminho e adivinhem: nenhum carro. - Que interessante, não tem mais nenhum carro.

- Me leva de volta! - Sunny gritou. - Eu quero ir pra casa, Minghao, você esta me assustando.

- Eu só quero viajar querida, nada demais.

- Me leva de volta, Minghao.

 

- Meu deus, o menino ficou doido...

- Acho que agora ele finalmente ligou os pontos e percebeu que tá na TV.

- Será?

- Ai tomara porque esse programa tá chato já.

- Chato, mas você não sai da minha casa né, Yoona? Me poupe.

 

Mingaho levou Sunny para casa. Não sem antes gritar pelas ruas, ultrapassar um sinal vermelho e beijar a bunda de uma idosa.

- Você quer ser preso?

- Na verdade eu queria saber se posso ser preso. - O Xu riu. - Aparentemente não.

Sunny entrou na casa que antes fingia ser dela com medo. Minghao não estava agindo como o garoto fofo que havia namorado. Não mesmo. Estava paranoico, falava alto. Deixou que ele entrasse ali com ela na tentativa de acalma-lo, mas o garoto começou a vasculhar a casa.

- Nossa, parece que você não vem aqui há séculos. - Minghao observou olhando para o pó acumulado nos móveis.

- Eu fiquei um tempo na casa da minha mãe...

- Sua mãe não tinha morrido?

- Ah, não essa mãe... Uma tia que me criou, ela é quase uma mãe pra mim.

- Engraçado, nunca conheci nenhuma tia que é quase uma mãe pra você. - Minghao revirou os olhos. - Engraçado.

- Haohao para com essa loucura.

- Pior que eu achava que também era loucura sabe, até eu perguntar pro meu professor da faculdade qual era meu nome, já que eu nunca falei nada na sala e ele me responder com um “Ora, você é o Haohao”, depois disso ele arregalou os olhos e consertou com um “Minghao, seu nome é Minghao, meu Deus não posso perder esse emprego.”. Primeiro: como ele sabe que me chamam de Haohao se eu tenho zero amigos naquela faculdade e segundo: porque ele perderia o emprego por saber o meu apelido. Esquisito né?

- Haohao...

- E mais esquisito ainda foi quando eu tentei ligar o rádio do carro e sem querer acabou pegando interferência e eu achei que fosse o rádio da polícia, mas o cara falou “ele está indo para a Rua das Flores comprar um BIGMAC”. Quem estava me seguindo? Porque eu era o único naquela rua. Super mega esquisito né? E pra piorar você surge do nada, Sunny, num bairro que eu tenho certeza que você nunca frequentou porque eu namorei você por um puta tempo e as pessoas dão voltas no quarteirão, engarrafamentos são criados do nada para me impedirem de sair daqui. É esquisito pra caramba tudo isso não é mesmo? - Minghao segurou Sunny pelos braços e a sacudiu. - Porque estão mentindo pra mim?

- Me solta, Haohao. - A garota gritou. - Socorro, me ajudem! Ele perdeu a cabeça!

- Com quem você está falando? - Minghao gritou de volta.

 

- Chega, mandem alguém pra lá agora!

- Sim, senhor.

 

- Sunny? - A voz de Mingyu se fez presente no apartamento. - Oi, eu cheguei mais cedo? Você não queria conversar sobre... Meu Deus, Haohao?! Solta ela. O que houve?

- O que você tá fazendo aqui?

- A Sunny me chamou. - Mingyu usou de todo o seu talento para atuação naquele momento. Sabia que Minghao havia ido longe demais. Sunny correu para os braços de Mingyu aos prantos.

- Ele perdeu a cabeça, isso não é profissional! - Ela chorava. - Ainda bem que você apareceu.

 

- Acho que agora o caldo entorna, viu Hyo?

- Também acho, Yoona.

 

- Hao. - Mingyu chamou a atenção do melhor amigo. Os dois estavam sentados na beira do mar. Apesar de morrer de medo era o único lugar que acalmava o Xu. - Me conta o que aconteceu.

- Eu to vivendo uma mentira, Gyu. - Minghao suspirou. - Eu só não tinha reparado antes... Eu to vivendo uma grande mentira.

- E da onde você tirou isso?

- O Jun falou e eu comecei e perceber coisas... - Minghao olhou para Mingyu. - Você mente pra mim a vida toda também?

- Haohao. - Mingyu não sabia o que responder. A verdade é que ele se considerava sim um grande amigo para Minghao, e sempre tentou fazer a vida do garoto mais feliz. Precisava daquele emprego para sustentar a mãe que sofria de uma grave doença nossos ossos e mentir para Minghao era a única forma de conseguir pagar o tratamento. Mesmo assim mentir para Minghao estava cada vez mais difícil. - Como você pode acreditar numa pessoa que mal conhece? Você é muito inocente. Ele nem deve lembrar mais quem é você.

Mas Jun lembrava. Nesse exato momento o Wen assistia ao programa rezando para Minghao resolver dar o fora dali. Tinha chamado Seungkwan, Hansol, Jeonghan e Seungcheol para assistirem com ele. Os amigos viram o beijo dele com Mingaho pela TV e entendiam o chinês. Estavam fazendo companhia e se juntaram a Jun nas preces para que Minghao descobrisse tudo e saísse de Buypol, até mesmo Seungkwan, fã n° 1 do programa e agora JunHao shipper, como ele se autodenominava.

- Eu sei que não posso acreditar em tudo que me dizem, Gyu, mas não é como se ele estivesse errado. O dia todo eu percebi coisas qe não percebia antes.

- Isso porque você está paranoico.

- Será? Será que eu estou paranoico?

- Hao, olha pra mim. - Gyu pediu e buscou forças para conseguir dizer o que pretendia. - Eu sou seu melhor amigo há anos. Nós dois temos vivido cada uma juntos que nossa... Você é uma das pessoas mais importantes na minha vida, por isso nós temos essas pulseiras bobas da amizade que eu te dei aos doze anos e nenhum dos dois tirou até hoje. Se a sua vida fosse uma mentira eu também teria que estar envolvido, acha mesmo que eu faria algo assim com você?

Minghao sorriu. Mingyu não mentiria pra ele.

 

- Muito bem Mingyu. Vai ganhar um aumento... 

 

Aumento.

Dinheiro.

Minghao era um ser humano, afinal de contas.

Mingyu suspirou. Nem acreditava no que estava prestes a fazer.

- Hao. - Puxou o amigo para perto e jogou o microfone preso na camisa longe.

- O que é isso? - Minghao apontou para o objeto que Mingyu atirou na areia.

- Me escuta. Quando a gente tinha doze anos nós prometemos nessa praia que seriamos melhores amigos e nunca mentiríamos um para o outro né? Eu vou cumprir essa promessa.

Junhui estava agarrado a televisão. “Conta, Mingyu, conta por favor” gritava para a tela. Seungkwan já chorava.

- Foge daqui, Hao, é um show. Jun estava certo, foge daqui.

- Gyu, você...

- A gente se encontra do lado de fora e eu te explico porque menti tanto tempo, não fica com raiva de mim eu tenho um razão muito boa, mas eu não consigo mais fazer isso com você. Dá o fora, eles não vão deixar você usar o aeroporto então vai de barco. E vai agora, eles vão demorar pra chegar na praia.

- Mas de barco? Eu tenho medo...

- É agora ou nunca, Hao. - Mingyu apontou para o barco ancorado na costa.

Ouviram sirenes e barulho de carro.

- Hao!

- Agora. - Minghao abraçou o, ainda melhor amigo, e correu para o barco. - Eu vou sair de Buypol.

Seria uma pena se Yang destruísse os planos do Xu.

 

Eita porra! Er... Desculpem.

O que será que vai acontecer no próximo episódio? Minghao conseguirá fugir? Eu vou perder meu emprego pro xingar em horário nobre? Isso e muito mais no próximo "The Minghao Show"!

 


Notas Finais


Espero que tenham gostado e sim, o próximo capítulo é o último! <3

Minha OS Junhao: https://spiritfanfics.com/historia/hajima-jun-9825890


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...