História The moon said - Larry Stylinson - Capítulo 17


Escrita por: ~

Postado
Categorias One Direction
Personagens Harry Styles, Liam Payne, Louis Tomlinson, Niall Horan, Zayn Malik
Tags Abo, Alfa, Beta, Larry, Lua, Ômega, Romance
Exibições 149
Palavras 3.984
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Drama (Tragédia), Ecchi, Escolar, Famí­lia, Fantasia, Festa, Ficção, Ficção Científica, Lemon, Magia, Orange, Romance e Novela, Shonen-Ai, Shoujo-Ai, Universo Alternativo, Violência, Yaoi
Avisos: Álcool, Bissexualidade, Drogas, Gravidez Masculina (MPreg), Heterossexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas da Autora


Chegueeeeei meu amores!!
O capítulo anterior me desgastou um pouco (por causa da Lua que é mt difícil de elaborar quando se trata de TUDO [mesmo] dela) demorei para escrever esse maaaar quem é vivo sempre aparece...
MUITO obrigada pelos fav, os comentários que AMO responder, estou contente com o desempenho da fic s2 vcs são demais!!!
Oh, aproveitem vishe??? Boa leitura, ah, perdoa qualquer erro <3

Capítulo 17 - Business


Fanfic / Fanfiction The moon said - Larry Stylinson - Capítulo 17 - Business

 

Pov Harry

Alguns dias depois.

Passei novamente a escova marrom em meus cachos somente para os ajeitar um pouco mais já que quando molhados não são muito jeitosos, talvez seja a hora de cortá-los, estão quase passando dos meus ombros, meu cabelo cresce tão rápido...

- Oi -louis falou colocando seu queixo no meu ombro e o fitei pelo reflexo do espelho, aparentemente alguém aqui fez a barba já que está rala.
- O-oi -disse colocando a escova sobre o balcão de mármore.
- Sobre o que tanto pensa? -louis perguntou colocando suas mãos sobre minha cintura.
- Que o meu cabelo está grande -fui honesto.
- Certeza que é isso? -ele passou seu nariz de leve sobre meu pescoço.
- Tenho -falei baixinho captando o porquê dessa pergunta e arrepiando.
- Vamos -meu marido não perguntou dessa vez simplismente mandou. Assenti com a cabeça.

Começamos a andar e descemos as escadas indo direto a sala de jantar, uma questão importante por que a sala tem esse nome se também tomamos o café da manhã e almoçamos nela?

- A propósito deixe seu cabelo como está, eu gosto dos seus cachos grande -ele proferiu e sorri sentando ao seu lado.
- Eu vou deixar -abaixei a cabeça sentindo uma pontada de timidez bater.
- Era tão bom quando vocês dois notavam a nossa presença -fizz suspirou parecendo nostálgica.
- Você é exagerada -disse neutro.

Aprendendo com Louis para deixar bem claro...

- Não, vou fingir que você não o imitou, por Lua alguém me mata -lottie fingiu se enforcar e a risada alta de Mark se fez presente.
- Quanta animação -jay disse entregando Doris para a babá que provavelmente ia levar a menina ao jardim junto de Ernest para os alimentar. Johannah disse que faz bem a eles comer no ar livre na maioria das vezes, não é como se entendesse sobre coisas de bebês, eu ainda não tenho um. Se é que terei um...
- Harry -virei para observar Louis. - Estava te chamando e você pareceu ir a Marte, você não parece bem -completou olhando para mim e depois  colocou sua mão em meus cabelos fazendo um carinho rápido ali.
- Perdi a fome -disse próximo ao seu rosto mas apenas beijei sua bochecha e levantei.
- Quer a minha companhia? -louis vem sendo mais atencioso comigo ou é impressão minha?
- Não nesse exato momento, pode almoçar antes -sorri para ele.

Subi para o nosso quarto e deitei na cama lembrando do que o Doutor havia dito. "Não é muito preocupante senhores Tomlinson, um quase cio fora de hora é irrelevante quando se é muito jovem, as vezes acontece mas admito que depois dos exames e de Harry ter dito não sentir vontade de ser penetrado o que é absolutamente normal durante um cio, achei um pouco suspeito o ômega não sentir a necessidade de sentir prazer, não quero os preocupar mas a uma possibilidade pequena porém não insignificante de Harry ter problemas para engravidar no futuro."

Não sei ao certo como decorei essa frase mas ela tem súbita importância a mim. Ser um ômega e ter problemas para engravidar chega a ser vergonhoso, não que nesse momento tenho pensamentos sobre engravidar mas um dia eu vou ou iria. É assustador pensar que posso ser trocado somente por ser defeituoso. Jesus, é tão complicado lidar com Louis. Tem uma possibilidade dele não querer mais ficar comigo, isso explica a sua atenção direcionada à mim, culpa talvez, eu não sei.

- Da pra parar de pensar no que aquele médico de merda nos disse? -louis se jogou na cama e parei para o encarar de maneira assustada.
- Como sabe que estou pensando nisso? -o perguntei surpreso.
- Você só pensa nisso a dias, não é tão preocupante assim -ele disse neutro e respirei fundo a procura de controle.
- Só falou isso porque não é com você -me aproximei dele.
- Jesus, agora fiquei magoado -louis se sentou na cama de costas para mim. - O que será que tenho que fazer para te mostrar que somos um só animal? -ok, foi meio fofo, tirando a parte do animal óbvio.

Bati com um travesseiro em sua cabeça e escutei sua gargalhada, é um ótimo som.

- Como tem coragem de chamar seu marido de animal? -perguntei sentando ao seu lado segurando seu queixo.
- Coragem é o que não falta em mim -ele falou sorrindo de lado.
- Ah, é? -meu tom de voz saiu baixo e coloquei a língua para fora.
- Mal educado -as mãos de Louis estavam na minha cintura.
- Sou um garoto bonzinho -disse esbanjando ironia e Louis riu me puxando para mais perto de si.

Nem tão rápido nem devagar ele deitou meu corpo sobre a cama e mordeu meu lábio superior ainda com aquele sorriso que mata qualquer um. Minhas mãos foram para as suas costas apertando quase sem força alguma o tecido do seu suéter branco de lã. Fechei os olhos e lábios conhecidos se encontraram, o silêncio do quarto nos ajudava a ouvir os nossos pequenos barulhos causados pelos toques de nossos lábios no momento molhados.

- Namorem depois, vamos assistir Peter Pan agora -daisy e Phoebe gritaram ao mesmo tempo abrindo a porta.

E o meu marido se afastou de mim, se levantou e caminhou até o banheiro. Fiz quase o mesmo mas minha rota foi para a sala de estar.
Sentei no sofá e suspirei, queria ter continuado o que estávamos fazendo no quarto, estava tão bom namorar um pouquinho. Louis sentou ao meu lado com a cara fechada e ri dele e o dei um selinho rápido que não espantou a expressão enfurecida.

- Nunca vi atrapalhar certos momentos porque quer ver desenho com a família reunida -louis jogou uma pequena almofada vinho no rosto de Daisy que começou a rir.
- Não é desenho é Peter Pan, respeita que é de nível -felicite o mostrou seu dedo do meio e se sentou no chão com Ernest no colo.
- Só coloca logo essa porra -ele disse zangado e o mandei um olhar repreendedor. - Que foi? -questiou e neguei com a cabeça.
- Não fale palavrões perto de bebês idiota -lottie levou sua mão a sua bochecha e fez cara de tédio enquanto a deslizava. Definitivamente isso foi uma mistura de Liam pela advertência e de Gemma pelo ato, sorri lembrando deles.

O desenho começou e olhei para a grande televisão fixada na parede quase não usada nessa casa.

- Adoro ver Peter Pan -daisy disse animada quando a parte em que Pan leva Wendy para conhecer sereias, ninguém aqui parece adolescente ou adulto. Nem mesmo Jay pois essa parece encantada com o filme.
- Também -disse baixinho encostando a minha cabeça no ombro de Louis.
- Merda -louis disse se levantando. - Esqueci de uma coisa -completou andando apressado.
- Não esquece do jantar de negócios -johannah praticamente gritou pois Louis já estava fora do cômodo.

Bufei em negação, nem para se despedir de mim, revirei minhas orbes verdes e prestei atenção no filme. Até a pobre da pipoca esqueci de comer.

(...)

- Não se vista ainda -louis falou entrando o quarto e arrumei o roupão no meu corpo na tentativa de deixar a menor visualização da minha pele de fora.
- Louis -o mandei um olhar assustado.

Eu só fui tomar um banho depois de assistir um ou mais dois filmes infantis, ele tem que chegar bem na hora que tenho que pegar uma roupa no closet por que esqueci de levar as peças ao banheiro?

- Harry -louis me imitou revirando seu olhos e caminhando até mim e dei um passo para trás. - Não vou te atacar, só quero te entregar o seu terno -completou entregando o mesmo a mim que ainda estava na sua capa transparente de plástico, nem notei que ele segurava o mesmo.
- Pra quê isso?
- Usar é óbvio -ele bufou se sentando na cama e o encarei sem entender. - No jantar de negócios hoje Harry.
- E por qual razão tenho que ir? -questionei negando com a cabeça.
- Razão? Deixa eu pensar, você é casado comigo e tenho que tratar de negócios em um jantar, não pode fazer companhia ao seu marido? -falou com um ar irônico irritante.
- Posso -caminhei até ele e o dei selinho que fez um estalo baixo. - Avisar que eu tenho que comparecer a um jantar é bom maridinho -falei me afastando dele que gargalhou.

Entrei no banheiro e Louis veio atrás.

- Licença, tenho que vestir esse terno -disse o olhando pelo reflexo do espelho. Quase sorrindo.
- Oh, é que estou com pressa de te ver nele, espero que não tenha ganhado peso -o fitei de maneira séria e arqueei as sobrancelhas.
- Comprou o número certo? Como sabe o meu número? -questionei intrigado.
- Quem acha que escolheu seu terno do casamento?
- Foi minha mãe e a Gems -falei como se fosse óbvio e ele riu. - Para, não foi você.
- Claro que fui eu -ele disse jogando meus cachos para o trás.

Abri a boca e o observei de cima para baixo.

- Por que não contou?
- Achei que soubesse -louis deu de ombros e saiu do banheiro fechando a porta. Sorri olhando meu reflexo e tirei o terno preto de dentro de sua capa.

O coloquei de frente para o meu corpo. Louis até que tem bom gosto, de um terno praticamente todo branco ele foi para um quase todo preto, só a camisa social verde musgo que da um pequeno contraste. Bom gosto para ternos ele tem.

(...)

- Estamos atrasados Harry sai desse banheiro -revirei os olhos para o que Louis falou. E conferi meu visual do dia uma última vez, aliança no dedo, terno no corpo, sapatos sociais desconfortáveis nos pés, é, estou pronto.

Abri a porta vendo Lottie e Louis deitados na cama rindo de algo no celular da de cabelos prateados.

- Pronto -levantei as mãos como se dissesse "exagerados".
- Nossa -louis disse me fitando e levantou da cama exibindo seu terno cinza. Ele fica lindo em qualquer cor de roupa. - Você está lindo -se aproximou de mim e deixou um beijo em minha testa.
- Obrigado, você também está -disse com um sorriso tímido.
- Eu sei -falou neutro e indicou o caminho da porta, olhei rapidamente para Charlotte que fazia um sinal positivo com a mão e tinha um sorriso estranho.

Descemos a escada e depois fomos para a garagem, um local da casa do qual nunca tinha vindo antes, por mero desinteresse. Essa garagem me lembra a de um jogo, paredes cinzas e o chão tão branco que posso ver meu reflexo e outros ao redor.

- Saudade de dirigir esse carro -louis disse pegando uma das chaves e um barulho soou. Ele caminhou até o carro e fiz o mesmo.
- Saudade? O tem a quanto tempo? -questionei abrindo a porta pra mim sabendo que ele não ia fazer isso.
- O comprei esse ano mas só usei uma vez -ele deu de ombros depois de falar e ajeitei o meu corpo no assento do carona.
- Por Lua -revirei meus olhos.
- Que foi? Não tenho culpa se não tinha algum bom momento para usar um conversível.
- Seu rico esnobe -disse ligando o rádio assim que ele deu partida.
- Harry -louis falou rindo e fiz o mesmo.

O tempo que ficamos no carro foi calmo, somente o som da música ecoava baixinho, não estava totalmente silencioso, é estranhamente agradável, não deveria ser tão confortável ou deveria?

- Curly -ouvi a voz de meu marido e do meu novo apelido adorável, olhei para o banco do lado não o achando ali, virei a cabeça para a porta a vendo aberta e Louis com uma expressão irônica segurando a mesma.
- Que gentileza toda é essa? -perguntei saindo do carro e parando na sua frente. Louis fechou a porta e estendeu seu braço para mim que o segurei.
- Reclama quando sou gentil e quando não sou -louis falou neutro enquanto começávamos a andar.
- Está fazendo o mesmo -me dispus a reparar devidamente no local a onde estávamos, passamos pela entrada do prédio. Que era grandioso, luxuoso e provavelmente o preço do condomínio deve ser caro. Imaginei que iríamos a alguma mansão.
- Louis Tomlinson -ah, conheço você. Soltei o braço do meu marido para o deixar abraçar seu amigo.
- Stanley Lucas -eles se abraçaram e fiquei apenas a observar.
- Harry -o alfa olhou para mim e me abraçou rapidamente.
- O-oi Stanley -disse indo para perto de Louis novamente.
- Só Stan, seu marido fica a cada dia mais belo -falou encarando Louis e sorri sem mostrar os dentes um pouco envergonhado.

Voltamos a caminhar e entramos em um elevador dourado. Isso não deve ser de ouro mas brilha como um.

- A cobertura daqui deve ser linda -stan disse esfregando suas mãos parecendo estar ansioso.
- Com certeza é -louis disse pousando sua mão na minha cintura.

Depois de longos segundos de espera em conjunto com uma música feita para dormir estávamos finalmente na porta de madeira escura do apartamento. Estranhamente estou tranquilo.

Stanley tocou a companhia e um dos empregados abriu a porta e fez sinal para que entrassemos. Nem para perguntar quem somos, tudo bem, vou reclamar não.

- Bem-vindos estávamos esperando por vocês -uma mulher que aparenta ser uma beta disse com um grande sorriso assim que entramos na sala, que tinha um número pequeno de pessoas. - Que ômega lindo, prazer sou a Malia -completou se aproximando e dando um beijo sobre minha bochecha.
- Obrigado sou o Harry -disse um pouco constrangido.
- Adorável, Louis, Stanley -malia os complementou e caminhou até uma mulher de aparência juvenil que estava sentada no sofá, a mesma olhou para mim e se pôs a caminhar na minha direção.
- Harry? É um prazer te conhecer -disse me abraçando e retribui o gesto.
- O prazer é meu -dei um tempo para que ela pudesse completar com seu nome.
- Emily -disse a garota sorridente e observei o Stan com a expressão surpresa. - Pode me fazer campanhia? Todos aqui só vão falar de negócios -pediu de um jeito meigo, não havia notado que era uma ômega talvez seja pelo seu perfume doce.

Fitei Louis que apenas deu de ombros soltando minha cintura lentamente.

- Posso -disse e ela praticamente saiu por ai me arrastando enquanto contava várias e incontáveis histórias.

Por fim descobri que ela é adorável, acabou de fazer dezoito anos e temos bastante gostos em comum e que ela é a ômega da Malia a dois anos e que as duas se dão muito bem, contou também que não foi muito fácil no começo pois as duas só tinham sentido atração por homens mas que tudo surgiu de forma natural. Isso até lembra um casal, não lembro qual...

Ah, o jantar foi entediante, descobri que um prato com ostras pode sim ser saboroso, ao menos desenredei qual é a profissão do rabugento, pelo que entendi Louis é um executivo e a propósito muito bom em fechar negócios. Admito que essa profissão combina muito com ele. 

Sentei no sofá junto com Emily e sorri para ela tentando manter o foco na sua conversa, o que estava difícil já que Louis estava conversando com uma mulher alta e muito bonita.

- Harry -emily disse alto e a olhei.
- Pois não? -questionei.
- Vai matar a Eleanor se continuar a observá-la assim -a garota com o cabelo loiro longo falou rindo.
- Eleanor? -perguntei fitando o jeito como ela sorri para o meu marido enquanto balança uma taça com espumante.
- Isso é ciúmes? -stan se sentou ao meu lado. Odeio a boa audição dos alfas as vezes.
- Não -disse neutro. Se fosse ciúmes amigo, já estaria ao lado do meu marido, como não é só estou vendo de longe essa situação...
- Sei -stanley respondeu e o mandei um olhar furioso.
- Será que vou ganhar alguma coisa hoje? -emily disse empolgada e saindo totalmente do assunto ciúmes.
- O quê?
- Quando alfas fecham negócios os ômegas costumam ganhar algo -ela contou animada.
- Algo?
- É, eu ganhei um carro da última vez -falou como se fosse um brinco de ouro com pérolas.

Por Lua, isso não é um presente um pouco exagerado?

- Atenção por favor -malia exclamou me tirando dos meus pensamentos e fazendo com que eu a olhasse. - Obrigada, fico feliz de fechar o negócios com os "Tomlinson" e uma parceria com os "Zabeh" -disse contente e o pouco de pessoas na sala de estar aplaudiram. - Hoje não serei eu que irei presentear minha companheira.

Sorri um pouco chateado para Emily que pareceu se entristecer um pouco com as palavras de sua esposa.

- Harry -louis falou enquanto caminhava até mim, fez um sinal com a mão como se pedisse para eu levantar e assim o fiz. Ele mostrou uma caixa média de veludo preta para mim e a abri devagar.

Suspirei assim que vi a peça, Louis tem um gosto estranho para jóias porém é tão bonita. O colar tinha uma mistura bonita entre ouro e provavelmente prata, o prateado em si da peça ficava somente numa pequena parte do cordão próxima ao pingente de coração com moldura em dourado e por brilhantes em volta, por dentro da moldura tem uma pedra vibrante de um tom vermelho que acredito ser um rubi, também há uma adaga encaixada no coração com pedrinhas verde nas laterais de sua armação. Tem um pigente pequeno de maçã na linha entre o prateado e o dourado e do lado oposto tem mais duas pedras em pequenas molduras douradas. Parece um colar inspirado em algum desenho, tão diferente e bonito.

Louis tirou o colar da caixa depois de me deixar capitar detalhes da peça e peguei a caixa de veludo na tentativa de o ajudar.

- Diferente de outros colares esse se abre pela frente -louis retirou a adaga do coração o que me deixou surpreso e sorri.

Ele se aproximou de mim e colocou o colar em meu pescoço, o fechou e beijou minha bochecha.

- Espero que tenha gostado, quero que o use bastante -disse se afastando.
- Obrigado -sorri um pouco envergonhado para ele.
- Ai minha Lua, que colar lindo -emily falou pegando meu braço e o puxando para que ela pudesse vê-lo de mais perto.
- Louis sempre teve bom gosto -a mulher que anteriormente estava conversando com o meu marido disse se aproximando.
- Oi Eleanor é um prazer -tentei soar o menos como posso impor, é, falso possível. Algo nela irrita e nem a conheço não deveria estar julgando...
- O prazer é todo meu, pelo visto Louis já contou sobre mim -sorri grande para ela.
- Na verdade foi o Stanley e ele só citou o seu nome -"wow" por que estou tão arredio com ela.
- Oh, entendo eu preciso ver o Christopher e a Juliet -ela sorriu meiga se retirando.
- O que deu em você? -emily perguntou risonha.
- Não sei -controlei minha vontade de rir deixando somente um sorriso leve escapar.

Não sinto que agi de uma boa forma eu fui tão... Louis.

- Curly, chegou a hora de irmos -louis falou se aproximando e dessa vez com Malia e Stan ao seu lado.
- Tudo bem -disse levantando do sofá e Emily fez o mesmo.
- Você vai mandar mensagem não é? -concordei com a cabeça para a pergunta da minha mais nova amiga.
- Vou, manda aquela música que falou ser ótima -disse dando poucos passos até Louis e segurando o seu braço.
- Claro, ah, manda o número da sua irmã ela parece tão legal -sorri assim que lembrei contar a Emily o quão maluquinha Gemma é.
- Fizeram uma grande amizade de forma rápida -malia disse caminhando até a sua garota.
- Ao menos foi divertido para os dois -stan disse fazendo com que todos rissem baixo.
- Foi ótimo fechar negócio com você e o jantar foi espetacular -louis falou sendo formal.
- Obrigada, vocês foram uma ótima companhia -malia sorriu.

Depois de nos despedimos corretamente de todos, isso inclui aquela ômega que abraçou o Louis desnecessariamente, só lembrando.... Chegamos em casa, guardei o meu colar e depois tomei um banho rápido.

- Ei, o que você tem? -louis perguntou e o ignorei voltando a passar a toalha pequena branca na minha cabeça. - Harry caralho não se atreva a me ignorar -peguei meu creme de cabelos e passei sobre meus cachos e passei a escova rapidamente.

Virei de frente para o meu marido e passei minha língua sobre os meus lábios.

- Quem é essa Eleanor? -fui direto.
- A Calder? Eleanor Calder? -ele questinou.
- Calder -disse com uma voz fina e irritante parecida com a dela.
- Isso é ciúmes? Ela é minha amiga a anos -ele falou se aproximando.
- Não é ciúmes, sua amiga de anos não foi no nosso casamento e não disse que tinha uma amizade com ela antes -falei enquanto com o dedo indicador cutucava seu peito e ele apenas riu.
- Se acalma, poderia reclamar do jeito que aquele Christopher te olhou mas eu não fiz -ele colocou suas mãos na minha cintura e as desceu lentamente enquanto se aproximava mais do meu corpo me fazendo arrepiar. - Não briguei pela falta de atenção que tive nem pelas inúmeras vezes no jantar quando alguém te elogiava -suas mãos apertaram minhas coxas e senti um impulso pequeno para cima e estava sentado no balcão de mármore ao lado da pia.

Suas orbes encontraram as minhas e nossos lábios se encostaram de maneira preguiçosa, iniciando um beijo lento mas com urgência já que a língua de Louis passou sobre meu lábio inferior pedindo passagem. Entreabri os mesmos devagar e senti a língua de Louis começar de maneira calma parecendo não querer me assustar a explorar o interior de minha boca, nossas línguas se tocaram de forma sutil com leves movimentos e sugadas feitas por Louis. E o ar se fez necessário.

- Vamos dormir -louis pediu e arfei, ele fez um movimento para se afastar mas o puxei de volta pela camisa branca simples e passei minhas pernas pelo seu quadril.
- Só mais um pouquinho -disse e comecei a dar vários selinhos nele.
- Nós vamos perder o controle desse jeito -louis foi sincero e me afastei um pouco, beijei seu queixo sentindo os pelos ralos da sua barba incomodarem meus lábios.
- Tá -respondi em um sussurro, tirando minhas pernas de sua cintura.

A mão de Louis foi para a minha bochecha e seus dedos fizeram o trabalho gostoso de acariciar minha pele, o fitei enquanto tocava na sua barriga, sorri de lado o notando perdido na minha boca que provavelmente estava vermelha, junto com minhas bochechas. Fiquei tão perdido no nosso beijo que nem ao menos lembrei delas.

- Você é tão lindo curly -ele falou se afastando e com o espaço desci do mármore gelado.
- Você que é muito l-lindo Louis -gaguejei envergonhado.

Alguns bons minutos do mesmo jeito finalmente deitamos na cama, deixei minha cabeça sobre o travesseiro. Estava o observando na mesma intensidade que ele fazia. E depois de algum tempo o fitando percebi o motivo de ainda estarmos assim.

- Boa noite Louis -disse em um sussurro.
- Boa Harry -e foi como se finalmente o sono tivesse novamente seu domínio sobre mim.

Não é só uma frase que já estamos acostumados a falar um para o outro antes de adormecer. A maioria das atitudes, gestos, palavras, passou a ter importância e significado. Quando foi que comecei a gostar do Louis aos defeitos até as qualidades?


Notas Finais


A *cagadinha* que a Lua fez pareceu nesse capítulo mas num se preocupe non Hazz sz
E de novo aquele pergunta comum minha... ESTÃO GOSTANDO DO (como posso digitar isso af) É... ENREDO?? DA FIC? Espero que sim pois da um trabalhinho escrever.
N vou demorar muito pra att porém tenho algumas coisa pra fazer, tipo mudar essa capa q tá horrosa (e olha q fui eu q fiz hehe) tenho uma festa pra ir domingo... arrumar desde hoje pra ficar bonitinha no dia shsuhaua okay perdi o foco ne
Beijo com gloss de... limão hehe
Eu n to bem hj scrr shauhadaiah
Voltei pra dizer q toda vez q att pelo celular essa merda separa os parágrafos faz um bagunça que só, to nervosa 💜


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...