História The Nerd and the Bad Boy - Capítulo 10


Escrita por: ~ e ~Little_Angel1

Postado
Categorias Originais
Personagens Personagens Originais
Tags Clichê, Drama, Romance
Exibições 191
Palavras 1.849
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Colegial, Drama (Tragédia), Hentai, Romance e Novela, Violência
Avisos: Álcool, Heterossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Sexo, Violência
Aviso legal
Todos os personagens desta história são de minha propriedade intelectual.

Notas da Autora


Para todos aqueles que queriam ser criança dnv só para ganhar um presente de dia das crianças
Para todos aqueles que foram bloqueados no whats por um amigo (a)
Para todos aqueles que sofreram de desilusões amorosas
Para todos aqueles que não acreditam num mundo melhor
Para todos aqueles que amam a chuva e o frio
Para todos aqueles que tão sem nada pra fazer , cá estamos com novo capítulo da fic depois de um século...
Vamo abaixa o volume dos fones e escutar apenas as vozes imaginárias dos personagens da fic.

Capítulo 10 - Acordando


Fanfic / Fanfiction The Nerd and the Bad Boy - Capítulo 10 - Acordando

Narradora Pov.

Era uma manhã fria de outono , as árvores perdiam suas folhas velhas que eram levadas pelo vento fresco da Califórnia , algumas flores brotavam no gramado ao redor daquele hospital e alguns pacientes saiam levados por seus familiares. Um mês havia se passado , um mês monótono na vida de todos ali naquela cidade. 

A garota ainda estava ali naquele quarto totalmente branco , com soro nas veias e caida em um sono profundo.

Mas em um súbito momento seus olhos se abrem em pequenas frestas e ela enxerga o teto a sua frente.  Sua mão esquerda se levanta e ela fita o soro ligado a sua veia , que se encontra bem visível. 

- Aonde estou - ela murmura com dificuldade com medo de que ninguém a escute

- Meu Deus! Você acordou! Finalmente!  - uma enfermeira corre até a menina e exclama alegre e saltitante - Preciso chamar o doutor! 

- Que dia é hoje? O que a-aconteceu? - uma lágrima de angústia escorre de seu olho esquerdo.

- Hoje é dia 23 de outubro , você acordou com a chegada do outono.  E  não se lembra do que aconteceu?  Bom , você sofreu um acidente e ficou em coma - a enfermeira sai rapidamente do quarto deixando a menina ali outra vez sozinha. 

Vários pensamentos se passam pela mente de Sofia nesse momento , quantas coisas havia perdido? Como estavam a mãe e os irmãos?  E os estudos?Será que perdeu provas importantes?

As imagens daquele dia voltaram a sua mente , Anne a levando para uma festa , Nollan e Killian , a zombaria... A chuva , uma luz de farol alto e sangue....
E então ela pensa " Eu não morri , nem a morte me quer...." 

SOFIA Pov.

- Senhorita Fletcher que feliz estou em te ver acordada! - o médico adentra o quarto , um sorriso largo brotado em seu rosto esguio. 

- Eu quero ir para casa , quero ver minha mãe e meus irmãos - falo secando meus olhos

- Não tão rápido mocinha , precisamos fazer os checkups para ver se está tudo okay e vc ainda irá ficar uns dias aqui pra ver que não teve nenhuma sequela- ele diz vindo até mim com seu medidor de pressão.

Ele examina tudo o que tem que ser examinado , cada centímetro do meu corpo.  Não estou mais com nenhuma fratura ,  e está tudo bem com minha cabeça , a qual bati.

Depois de um dia inteiro fazendo todo os tipos de exames ,  o médico finalmente me libera para poder ir pro quarto onde poderei ver minhas visitas.

Antes que a enfermeira saísse do meu quarto pergunto quando que poderei receber visitas da minha família e da Anne, ela me fala que amanhã eu poderia. Antes eles iram só avisar pra minha mãe que eu já havia acordado.

Como não há nada para fazer aqui e o remédio aplicado na minha veia está me dando sono , resolvo dormir um pouco só cinco minuti...

ANNE Pov.

Um mês já  se passou desde que Sofia entrou em coma, esse mês sem sombra de dúvidas foi um dos piores da minha vida.

Cada dia é a mesma coisa de sempre desde o acidente , chorar pela situação da Sofia e ficar remoendo as lembranças do passado . A um mês eu não sei o que é sair de casa ou melhor sai do meu quarto , sei que minha mãe  anda preocupada comigo e me culpo por isso , mas eu simplesmente não consigo ; é como se algo estivesse me puxando para baixo nesse mês inteiro.

Todas as noites eu venho tendo diversos pesadelos  com o que aconteceu a Megan.Aquela caixa preta se encontra no mesmo lugar depois que a reabri , em cima da minha escrivaninha.

- Anne ,  abre a porta por favor. - ouço minha mãe pedir  do outro lado da porta , a qual permanece trancada a mais ou menos uma semana e meia.

- Mãe eu não quero, me deixa sozinha!

- Não quer o que? Sair do quarto? Nem pra ir visitar a Sofia , quando ela acaba de acordar?

- O que???  -  dou um pulo da cama e vou  correndo em direção a porta -Como assim mamãe?

- Isso mesmo você ouviu meu amor ,  a Sofia acordou. A Marta  acabou de nós ligar avisando. -ela sorri 

- Meu Deus  mãe , eu não acredito! -  falo indo abraça-la imediatamente .

Essa sem dúvidas foi a melhor notícia que recebi esse mês inteiro.  Parece que uma alegria imensa invadiu meu espírito com essa notícia!

- Vem mãe ,  tá esperando o quê pra irmos para o hospital - me apresso ,  já indo em direção a porta e sendo impedida pelo som da risada da minha mãe.

- Haha , filha você vai pro hospital de lingerie?  -  pergunta ela ,  e só então percebo que estou somente de calcinha e sutiã e com uma meia preta no pé. Que visual lindo heim.

- Espera um minuto mãe que me troco rapidão. - ela sai do quarto e eu vou até o guarda roupa.

Não demoro muito e já estou vestida com um jens velho meu, All Star no pé e minha blusa favorita do Asking Alexandria.

- Anda mãe! Vamos logo. - falo ajeitando meus cachos com a mão. 

Depois de 20 minutos , finalmente chegamos no hospital. Me informo com a mulher da recepção em que quarto Sofi  se encontra , e em passos rápidos eu vou em  direção ao mesmo.

Assim que adentro o quarto , vejo Sofia deitada na cama ligada ainda a alguns aparelhos , enquanto olha para a  janela fechada.

- Hey Sofi

- Anne! - só de ouvir ela falando meu nome com alegria e aqueles pequenos olhinhos brilhando , solto um sorriso.

- Meu Deus , que saudades! 

Não consigo controlar o impulso de correr até ela e a abraçar forte ,   recebendo um gemido de dor em resposta.

- Ai me desculpa Sofia , não queria te machucar. Aliás quero pedir desculpas ,  tudo foi culpa minha... o acidente e-eu não deveria ter te levado naquela festa idiota. - baixo os olhos.

Digo tudo já desesperada com as lágrimas escorrendo pelos meus olhos , a culpa me consumindo mais do que nunca.

- Esquece isso Anne. Tá tudo bem.

- Não Sofi... 

- Shii Anne ,  as coisas que aconteceram no passado fica lá enterradas. E pare para pensar , você não teve culpa. Vem cá me dar um abraço com mais calma ,  afinal você não é a  minha melhor e única amiga? 

- Melhor amiga? 

- Sim Anne , ou não é?- ela pergunta sorrindo 

- Claro que sim. - a abraço com mais calma agora , desfrutando desse momento. 

(...)

Depois de um tempo conversando com ela ,   a mãe de Sofi chega com os irmãos, entao eu resolvo ir embora já que está quase dando 19:00  e para dar um pouco de privacidade a eles também.

SOFIA Pov.

Duas semanas depois

Finalmente o médico me deu a tão esperada alta. Depois de assinar todos os papéis da minha alta ele se ofereceu para ligar para minha mãe vir me buscar já que a mesma não veio aqui ainda hoje.

Ela ficou super feliz quando o Doutor disse que já estou liberada para ir pra casa, e como não temos carro , uma ambulância nos levará até em casa também porque ainda permaneço com o gesso na perna direita.

Quando fico sozinha no quarto , sem aquele soro  em minha veia ,  levanto da cama e caminho até a enorme janela do quarto. Observo as pessoas andando para lá e para cá , várias folhas de maple caidas ao chão , devemos estar em outono mesmo ,  como a enfermeira disse. 

- Sofia! - ouço a voz de minha mãe e me viro para trás , vendo a mesma passar as pressas pela porta e correr até mim , me apertando em seus braços. 

Sorrio e me aconchego em seu perfeito abraço. Parece que faz séculos que não sentia seu calor mesmo tendo a visto ontem.

- Meu amor que bom que você vai pra nossa casa, eu  fiquei muito angustiada com o que aconteceu. Nunca mais me dê susto desse filha. - ela pede  com uma voz chorosa

- Prometo nunca mais sair de casa para festas de quem não conheço - rio

- Ansiosa para voltar para casa meu amor? - ela pergunta , me olhando nos olhos.

- Muito. 

Saimos dali e vamos em direção a saida do hospital.  Assim que saio daquele lugar e sinto o vento em meu rosto e o cheiro do outono um sorriso largo brota em meu pequeno rosto.

Quando a ambulância estaciona na frente de casa , uma sensação de paz me cerca. Sem duvidas , nada melhor do que estar em sua própria casa. Saio com calma de dentro do veículo e com a ajuda de minha mãe atravesso o portão estreito , ouço o barulho da ambulância chegar e suspiro adentrando minha casa.

Assim que acabo de entrar em casa ,   dois minis corpos se agarram em mim.

- Meus amores que saudades de vocês. - digo passando a mão no cabelo de Leo , e dando um beijo no topo da cabeça de David.

- Queridos , que tal vocês deixarem a irmã  ir tomar um banho para tirar o cheiro do hospital , enquanto nós preparamos um jantar especial para ela? - minha mãe nos interrompe

- Ebaaa - gritam correndo em direção a cozinha.

- Meu amor vai lá tomar um banho e descançar um pouco que quando o  jantar estiver pronto levo para você lá.

- Obriga mamãe, mas não precisa eu venho pra jantar com vocês na mesa.

- Tudo bem meu amor - diz , ela me dá um beijo na bochecha e vai para a cozinha preparar a comida junto com meus pivetes.

Sigo em direção ao meu quarto e assim que entro nele , mais um misto de paz e alegria me cercam. Senti tanta saudades daqui.

Depois de um longo banho , tomando cuidado com meus curativos que ainda tenho no corpo , visto um short soltinho com cuidado por causa do gesso e emfim visto uma regata.

Pego minhas muletas e vou em direção a cozinha,  deixando pra deitar depois. Quero matar um pouco da saudades da minha família primeiro. 

Assim que chego na porta , não consigo impedir que um sorriso brote  em meus labios diante da cena a minha frente. Minha mãe com meus irmãos arrumando a mesa enquanto fazem palhaçadas.

(...) 

Agora estou pronta para dormir e descansar . Durante o jantar tentei convencer a mamãe deixar eu voltar pra escola amanhã  pelo simples fato de eu já ter perdido um mês e duas semanas de aula ,  fora as provas que já devo ter perdido.

Mas mesmo assim minha mãe não deixou , eu iria ficar os dias de atestado em casa....

 


Notas Finais


Sofia acordou do coma , felicitações a ela *-*
Espero que tenham gostado , bjs tenham uma boa noite e até mais :3
Ps: Feliz dia das crianças para todos os Peter Pan de plantão.


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...