História The Nerd and the Bad Boy - Capítulo 11


Escrita por: ~ e ~Little_Angel1

Postado
Categorias Originais
Personagens Personagens Originais
Tags Clichê, Drama, Romance
Exibições 237
Palavras 2.338
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Colegial, Drama (Tragédia), Hentai, Romance e Novela, Violência
Avisos: Álcool, Heterossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Sexo, Violência
Aviso legal
Todos os personagens desta história são de minha propriedade intelectual.

Notas da Autora


Olá viemos das trevas com mais um capítulo , e dessa vez não demorou há !

Esperamos que gostem :3

Capítulo 11 - Bêbado outra vez?


Fanfic / Fanfiction The Nerd and the Bad Boy - Capítulo 11 - Bêbado outra vez?

Alguns dias depois...

Meu despertador toca uma música acelerada e barulhenta , fazendo rapidamente com que eu aperte o botão e o desligue. 

A minha cama me puxa e sussurra palavras doces , me iduzindo a ficar ali naquele lugar quentinho e prazeroso de se estar. Porém antes que ela consiga eu me levanto as pressas , já sem o gesso me sinto livre novamente. Vou para a janela e observo como o dia amanheceu , o sol preguiçoso não acordou e nem vai pois nuvens cinzentas cobrem toda a imensidão do céu.  

- Floquinho! - exclamo sorrindo ao ver meu gatinho atravessar a janela , ontem quando cheguei não o vi. Aperto-o contra mim e deposito um beijinho no topo de sua cabeça , o colocando em seguida na minha cama em meio aos cobertores.

Sigo para o banheiro e faço normalmente minha higiene matinal , eu estou ansiosa para voltar aos estudos , mesmo que as pessoas da escola tornem minha vida difícil aquele lugar será aonde eu farei minha vida , meu futuro está todo ali.

Já devolta ao quarto , tiro o uniforme escolar de dentro do guarda roupa , junto de uma calça de moletom preta larga. Me visto e jogo por cima um casaco de lã cinza.  Vou para frente do espelho e penteio meu cabelo , observo meus fios e por um milagre decido deixa-lo solto por assim. Passo os olhos pelo quarto e começo a procurar por todo lado os meus óculos , olho por debaixo da cama , na escrivaninha , na cômoda e não encontro-o em lugar nenhum. Além disso minha mente por decreto nenhum se lembra aonde os deixou , okay okay... Se eu for sem eles vou enxergar meio embacado , mas ainda assim enxergarei... Tudo bem , devo estar bizarra desse jeito pois não dá para eu me ver direito no espelho a imagem fica meio turva , mas vou assim e pronto. 

Saio do quarto encostando a porta e sigo andando pelo corredor. Ninguém acordou ainda , acho que meus irmãos não vão a escola hoje. Bebo apenas um gole de café e saio de casa fechando a porta e jogando a chave por baixo.

O ventinho gelado da manhã bate em meu rosto me cercando de um arrepio. O caminho até a escola é tranquilo , até o momento em que paro em frente a mesma:

- Olha lá a Nerd! - um garoto grita puxando o outro pela manga da blusa

Algumas meninas me olham com cara de nojo e outras com cara de quem nunca viu... Bom , já estou acostumada. 

Adentro o grande portão e ao longe avisto Nolan na sua  rodinha de amigos  , passo bem longe deles para que não notem que estou aqui e então eu sigo para minha sala que   ainda está vazia. 

Poucos minutos após me sentar e tirar o caderno de física da mochila , o sinal toca e o professor atravessa a porta , com uma cara nada boa ele começa a escrever na lousa com giz verde

" Hoje não estou bem , então só fiquem calados e não piorem minha dor de cabeça , minha dor de vida." 

Suspiro ao ve-lo se sentar na mesa e começar a ler um livro de poesias. Então é isso? Eu volto para a escola e o professor simplesmente não passa nada?

Aos poucos a sala vai sendo preenchida. Apelidos disferidos a mim , piadinhas , risadinhas e bolinhas de papel. Oh que dia mais animado! 

POV. KILLIAN

Estaciono meu carro em frente da maldita escola  e adivinha? estou atrasado! E estou atrasado porque eu quero e foda-se , só estou aqui por causa da droga de prova de matemática.  

- Maldito! - grito chutando o portão fechado da escola , nem um inspetor aqui na frente , nem diretor nem porra nenhuma.

Volto para o carro e abro o porta malas , retiro de lá uma sacola contendo três garrafas de Whisky puro e um maço de cigarro que guardo no bolso.

Fecho o porta mala e sigo para a extremidade baixa do muro no lado de trás , com cuidado jogo minha mocila e a  sacola do outro lado sorte que ela é de pano.

Não faço o mínimo esforço e consigo pular aquela droga de muro. Pego a mochila e a sacola e sigo para dentro da escola. 

Caminho em passos lentos até o porão escondido da escola , na quarta aula eu vou para a sala. Ninguém vem aqui porque acham que é um lugar mal assombrado , segundo lendas é aqui que habita os fantasmas dos alunos daqui que morreram no decorrer dos anos desde a fundação da escola em 1980.

Adentro o porão , não está sujo só há um pouquinho de pó aqui e ali. Acendo a luz fraca do local e dou alguns passos até um sofá velho me jogando ali. Abro uma garrafa de whisky e dou um gole que logo é seguido de mais três.  

Hoje é o dia da minha revolta com o mundo. " Ah o mimadinho está com frescura." Dane-se se o que tenho é frescura ou não!  

Hoje é dia 23 de setembro , maldito 23 de setembro. O dia em que eu , Killian Jones veio ao mundo. Eu acordei pela manhã e fiz o que sempre faço quando acordo , tomei banho , fiz higiene , me vesti e desci para cozinha.  Assim que vi Granny servindo suco , pensei que ela viria até mim e diria " Feliz aniversário Kill. " ou " Meu menininho completou 17 aninhos." Mas não , ela estava mais interessada no programa de culinária dela. Eu esperava que ela me desse Parabéns , porque só dela eu esparava isso , já que meus pais nem sabem que dia eu nasci e Nolan só quer saber quantas garotas eu pego.

Dou outro gole no whisky e começo a lembrar das poucas vezes em que alguem me desejou feliz aniversário...

POV. SOFIA

- Sofia , pode por favor ir até a secretaria e pegar uma folha de ocorrência? - o professor pede de repente e eu faço rapidamente o que ele manda , ávida para sair dessa sala.

Caminho pelo corredor olhando para o chão e com minhas mãos no bolso do casaco , ouço alguns passos vindo na escada ao lado e me encolho imaginando que possa ser alguém para me insultar.

 Então sigo fitando o chão com os olhos fixos no meu ,  quando do nada alguém tromba em mim e vai ao chão , quase me levando junto.

- Ow , me ajuda aqui moça. - a voz de Killian faz minhas pernas tremerem e meus olhos com medo vão para o chão aonde ele está caído e pelo jeito está bebado

Ele não está me reconhecendo ou isso é alguma pegadinha dele ? Engulo em seco quando ele começa a vomitar puro líquido no piso branco do corredor. 

- Céus , que cheiro de álcool- murmuro sentindo o cheiro que vem dele , e o cheiro forte que exala seu vômito

- Eu , vou morrer -  ele fala embolado , com os olhos vermelhos. - Que tá olhando ? É você Nerd?

Eu poderia deixa-lo aqui jogado , passando mal bêbado.  Mas eu não me aguento e me agacho ao seu lado. 

- Você é um anjo? - ele pergunta sorrindo como um bobo , a bebida afetou mesmo seu cérebro. 
Seguro em seu braço e tento levanta-lo , tentativa falha pois ele não colabora.

- Pra onde vai me levar moça? - Killian segura minha mão com a sua gelada , fazendo meu corpo estremesser com esse contato.

Tá , ele já me tocou outra vez. Aquela vez quando me salvou de um cara na rua , ele até me abraçou. E aquela vez na aula de arte onde estavamos vendados. Mas algo inexplicável acontece quando ele me toca , meu corpo simplesmente se extremesse.

- Colabora Killian , vou te ajudar a levantar. - falo receosa

O puxo outra vez  e ele se levanta , dá umas cambaleadas para trás, mas logo passo seu braço em volta de meu pescoço para que ele se equilibra.

Dou alguns passos e vejo que não será tão fácil leva-lo para um lugar onde cuidem desse garoto bêbado. Adentro a primeira sala que vejo em minha frente e acendo uma luz. Percebo que é o laboratório de ciências e percebo também que Killian está murmurando palavras sem sentido algum.

O encaminho até o fim da sala e peço para que ele se sente , e assim ele faz se encostando na parede. 

Pego alguns aventais e embolo-os junto , colocando no chão para ele deitar a cabeça e ele deita soltando um longo suspiro.

- Me trouxe para me fazer seu escravo sexual? - ele segura minha mão e a repousa sobre seu peito esquerdo , dando um sorriso estranhamente malicioso. 

Afasto rapidamente minha mão e sinto meu rosto esquentar e ficar vermelho. 

- Você fica linda vermelhinha. - ele sorri 

Como uma pessoa bêbada pode agir dessa forma? Deus... Ele nem ao menos sabe o que está falando! Se quando estiver sobrio ele souber que sou eu a Nerd , vai querer se matar.

- Aonde você estava bebendo?  - pergunto 

- Você se parece com a Sofia , mas ela é uma Nerd escrota. Já você...

Killian volta outra vez a segurar minha mão , dessa vez ele começa a brincar com meus dedos os entrelaçando ao seus. Quero que a terra se abra e me engula! 

- Sabe moça , hoje é meu aniversário. - ele sussurra , como se quisesse que ninguém ouvisse. Ele leva minha mão a sua boca e deposita um beijo sobre meus dedos com seus lábios frios , fazendo meu corpo formiga e uma onda me percorrer. Seus olhos claros fixos nos meus que cada vez vão ficando mais embaçados.

- Feliz aniversário Killian , vou chamar alguém da enfermaria para vir te ver. - exclamo e solto meus dedos dos seus.

- Fica aqui  comigo.. - ele pede mas eu finjo não ouvir , saindo apressada dali , com o coração batendo em ritmo acelerado  e a respiração descompassada. Totalmente desconcertada. Ele estava mal mesmo , para dizer aquelas coisas...

Chego em frente a enfermaria quando vejo a mulher sair de lá , explico a ela que Killian estava bebendo dentro do colégio e que acabou passando mal.

Depois ando até a secretaria e pego logo a folha de ocorrência ,   passo pelo bebedouro e tomo um gole de água , pois podia sentir minha garganta seca implorando pra ser molhada.

Vou em direção a sala de aula para então entregar a folha de ocorrência ,  e com uma grande esperança de que eu possa voltar para minha carteira e ficar em paz ,  sem ninguém me atormentando ou tacando bolinhas de papel em mim.

Mais algumas aulas se passam e eu ouço o sinal de saída , só então percebo que já está na hora de ir embora. Arrumo meus materiais na mochila enquanto sinto alguns idiotas trombarem em mim de propósito.

Logo vejo Anne adentrando a sala feito uma doida , já que não nos vimos hoje.

- Nossa , acho que morri - ela me olha e eu fico sem entender. 

- Que foi sua doida, por que acha que morreu?

- Porque estou vendo um anjo na minha frente - Anne e suas ironias

- Palhaça!

-  Você tá muito linda ,  mas muito mesmo sem o óculos e com esses cabelo solto. - fala me olhando de cima a baixo

- Larga de graça e vamos logo , anda!

A pego pela mão e a puxo para sairmos logo daqui.

- Hey apressada espera, o que você acha de nós irmos no parque um pouco? - ela me para

- Vai me dar sorvete?

- Chocolate com flocos?

- Sim! - exclamo feito uma criancinha de prezinho.

- Sei ,  vamos logo interesseira. 

Um tempo depois chegamos ao parque ,  resolvemos deixar nossos materiais no carro da mãe de Anne e ir logo no carrinho de sorvete.

Escolho o meu de chocolate com flocos e Anne de pistache , então nós vamos andando pelo parque afora.

- Aí depois disso tive que ir chamar a enfermeira par... ANNE você tá me ouvindo? - olho para ela e a mesma nem ao menos está prestando atenção no que estou falando.

- Hã? - pergunta 

- Sua chata , você não ouviu nem metade do que eu disse sobre o Killian - digo passando um pouco de sorvete na cara dela.

- Quê? Não acredito que você me sujou de sorvete Sofia! - ela fala incrédula

- Há não? Então olha só - falo passando meu sorvete de casquinha ,  todo na bochecha dela.

- SOFIA eu vou te matar! 

Anne começa a correr atrás de mim tentando me pegar , e eu como sou  desengonçada ,  não demora muito até que ela me alcance me derrubando no chão e em questão de segundos ela está em cima de mim me enchendo de cosquinhas.

- P-para por f-favor - falo com extrema dificuldade pelo nível de cosquinhas que ela está me dando.

- Só paro  se me prometer nunca mais passar sorvete na minha cara. - ordena ela depositando cada vez mais cosquinhas na minha barriga.

- P-rometo , agora chega!

E ali naquele momento eu vi como era engraçado o modo como Anne apareceu na minha vida e conseguiu me entender tão rapidamente, que conseguia me fazer sorrir até quando eu estava desabando quando não aguentava o que fazem na escola comigo , e o melhor , não tinha vergonha de mim.Sem dúvidas nós já devemos ter feito amizade em outras vidas.

Enquanto Anne continua com as cosquinhas a única coisa que eu  penso entre as risadas , era de como sou grata de ter uma amiga como Anne.
 


Notas Finais


Ta aí para qm qria momento fofo da Sofia e do Kill :3
Até mais!


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...