História The New Seven - Capítulo 17


Escrita por: ~

Postado
Categorias The Seven Deadly Sins (Nanatsu no Taizai)
Tags Aventura, Comedia, Fantasia, The New Seven
Visualizações 11
Palavras 2.591
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 14 ANOS
Gêneros: Ação, Aventura, Comédia, Fantasia, Luta, Magia, Romance e Novela, Shoujo (Romântico)
Avisos: Álcool, Cross-dresser, Spoilers, Violência
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Capítulo 17 - A Espiã


Gustav abriu os olhos devagar, notou que não estava mais na carroça e sim em uma tenda deitado sobre uma especie de colchonete com vários tapetes e uma almofada apoiando sua cabeça.Serena estava sentada de costas para ele preparando uma especie de pasta a partir de algumas folhas medicinais. Então, alguem entrou na tenda carregando um frasco com um tipo de óleo dentro, esse "alguém" era uma garota de cabelos castanhos olhos verdes e pele bronzeada, usava um vestido até os joelhos amarelo e uma sapatilha vermelha. Gustav aproveitou que estavam distraídas para ler a mente da jovem e acabou descobrindo que seu nome era Maria.

-Eu não sei como voce consegue se meter em tantos problemas.- disse Maria entregando o frasco para Serena.

-Não reclame, a culpa não é minha que ele resolveu desmaiar bem na MINHA carroça.- respondeu a outra.

Maria era melhor amiga de Serena desde que eram pequenas, viajavam juntas com os outros ciganos de cidade em cidade sem rumo. Enquanto a de cabelos castanho tinha 1,67 de altura e a de cabelos azuis escuros tinha 1,70.

O olhar da menor desviou de sua amiga para o garoto de óculos no chão. Ao notar que ele as observava cutucou o ombro de Serena e apontou para ele.

-Oh, já acordou.-Serena se sentou ao lado dele terminando de amassar aquela pasta grudenta colocando o óleo que a outra havia trazido que serviria como uma pomada para a queimadura no peito de Gustav.

-Aquele porco lá fora é seu?- perguntou Maria apontando para a saída da tenda.- As crianças estão se divertindo muito correndo atrás dele já faz uma hora.

-Estou aqui a uma hora?- quis saber o jovem.

-Sim, voce sentiu fortes dores no peito na minha carroça e desmaiou.- Serena pegou a pasta já pronta na mão para passar no peito de Gustav, mas antes que ela o fizesse ele lhe segurou o pulso.- Se acalme, eu só quero ajudar.

Devagar ele a soltou e a garota começou a espalhar a pasta em sua pele avermelhada. Era fria mas ajudava a diminuir um pouco da dor, em pouco tempo ele já estava melhor com a parte de cima do troco enfaixado.

O jovem se levantou, ajeitou a blusa e fitou ambas as garotas.

-Aqui, voce pode levar um frasco dessa pasta se acaso a dor voltar.- falou Maria entregando o frasco para ele.

-E aqui está seu livro, as anotações das traduções estão dentro dele.- Serena entregou o livro junto com a bolsa. -Não se preocupe, não roubamos nada seu.

-Desculpem me por tudo.- o de olhos dourados fez reverenca para elas.

Ele saiu da tenda, Serena e Maria o seguiram.

-Não se esqueceu de nada não?- indagou a de cabelos azuis.

Gustav pensou por um instante com o dedo no queixo antes de responder:

-Ah, sim.- ele retirou da bolsa 5 moedas de ouro e as entregou para ela.- Espero que seja o bastante depois de eu ter causado tantos problemas a voces.

-Não, oque quis dizer foi-

-Gustav!!!!- os tres se viraram na direção do grito, BiBob estava embaixo de uma pilha de crianças que puxavam-lhe pelas orelhas, pelo rabo e as bochechas.- Que bom que voce acordou, vamos embora por favooooooor!!!- pediu o animal entre lagrimas de desespero.

-Tudo bem, ja estou indo- Ele encarou as duas novamente.- Mais uma vez peço desculpas por tudo. Espero que possamos nos encontrar novamente em outras circunstancias. Adeus.

O garoto começou seu caminho de volta seguido pelo porco que parecia rosnar para toda a criança que se aproximava dele. Serena e Maria os fitaram até sumirem entre as arvores.

-Bom, agora que o senhor "bela adormecida" já se foi podemos voltar a nossa vida normal!- Maria andou toda feliz em direção de sua carroça.

-isto não está certo.- a de olhos acinzentados ainda encarava as arvores onde os dois haviam sumido.- Ele não me agradeceu depois do que fiz por ele...Isso não vai ficar assim!- na hora Serena começou  a andar na direção de onde o garoto e o porco haviam ido com os punhos fechados pisando forte no chão.

-Serena! oque está fazendo?!- perguntou Sua amiga indo atrás dela.- Porque está indo atrás dele?!

"Porque?...", aquilo ecoou na mente da jovem cigana. Por que ela estava indo atrás dele? Simplesmente não podia deixar pra lá? De um certo modo aquele garoto havia mexido com ela e algo nele a fazia querer saber mais sobre ele e achou que usando o pretexto de "ele me deve um pedido de desculpas" seria o suficiente para ir atras dele e como uma boa amiga que era Maria a seguiu.

 

 

 

DEPOIS DE ALGUM TEMPO COMO STALKER....

Gustav passava de tenda em tenda procurando algo de seu agrado. BiBob  havia voltado para a taberna dizendo que precisa descansar depois de um hora sendo usado como cabo de guerra por "pirralhos" mesmo sabendo que teria de colocar Zia na cama mas qualquer coisa era melhor que suportar outra criança e a essa hora Lion e Rebeca já deviam ter terminado sua conversa.

Ele olhava os livros , via se eram bons antes de compra-los e guarda-los na bolsa. Enquanto isso Serena e Maria o seguiam escondidas atrás de vasos, se misturando entre as pessoas, ficando atrás das tendas...enfim, nunca o perdendo de vista.

-Até onde voce pretende ir com isso?- indagou a de olhos verdes.

-Shhh, ele pode te escutar.- cochichou Serena- Eu quero ter certeza de que ele se esqueceu de dizer obrigado.

Por um segundo que se distrairam, Gustav desapareceu de vista.

-Droga, cade ele?

Ambas começaram a olhar em volta procurando-o.

-Com licença.

A voz apareceu de tras delas tão repentinamente e tão próxima que as assustaram fazendo-as cairem derrubando os vasos  nos quais estavam escondidas.

Ao se virarem deram de cara com Gustav que as observava em pé ajeitando seu óculos.

-Ei, sua mãe nunca te ensinou que é feio assustar os outros?!- questionou Serena se levantando e ajudando Maria a ajeitar os vasos.

-Desculpem, não foi minha intenção. Mas oque estavam fazendo aqui?

-A Serena inventou uma história de que voce deve um "obrigado" a ela só pra ela poder vir atrás de voce e- Serena deu um pisão forte no pé da outra que a fez pular em um pé só.- Ai! Porque fez isso?!

-Era isso então? Não seria mais fácil terem vindo falar comigo diretamente?

-Foi isso que eu disse pra ela enquanto seguiamos voce mas ela insistia com a historia de te seguir.

Outro pisão lhe foi dado no outro pé.

-Já que esse é o caso, eu as agradeço por tudo oque fizeram por mim. -disse ele fazendo reverencia para elas.-Agora se me dão licença preciso ir.

E assim ele voltou a olhar as tendas enquanto Maria encarava Serena.

-Agora que ele já te agradeçeu podemos ir embora por favor!

A cigana suspirou, olhou para Gustav mais uma vez e falou:

-Tudo bem.

Antes que saíssem do lugar dois homem mal encarados as seguraram pelo braço.

-Oque estão fazendo aqui?!- eles olharam os vasos que tinham uma rachadura.- Voces estavam roubando?

-Não somos ladras, não roubamos nada! Me solte!- exigiu a jovem.

-È voces não tem cara de ladras mesmo, são muito bonitinhas.- falou o outro homem.

-Com licença, mas acho que elas disseram que não roubaram nada então não ha motivo para mante-las aqui.- Gustav viu oque faziam com elas então resolveu intervir.

-E quem é voce?- perguntou o primeiro mal encarado.

-Meu nome é Gustav e acho que não é certo oque estão fazendo a essas damas.

-E quem vai impedir a gente? Voce?- falou um deles batendo nos livros que o jovem carregava na mão os fazendo cair no chão sujando-os de lama. Ambos os mal encarados riram alto mostrando alguns de seus dentes podres.

Gustav fixou seus olhos nos livros no chão e antes sua iris era dourada agora parecia quase negra oque combinava com seu rosto agora sombrio. Devagar ele ergueu a cabeça na direção deles, ambos pararam de rir quando o fitaram até as ciganas se surpreenderam com a frieza que ele transparecia.

-Voce vai pegar meus livros do chão e pedir desculpas para elas agora.- falou ele com uma voz grave assustadora.

-Hã, e quem vai nos obrigar voce? Sua putin-

Antes que ele acabasse a frase o punho do de óculos lhe acertou o estomago com tanta força que suas costas se arquearam pra trás com tudo enquanto cuspia sangue misturado com saliva. A força do menor o arremessou contra um muro a 60 metros dali o fazendo se quebrar em varios pedaços.

Os tres ali presentes olharam perplexos de boca aberta o estrago que ele havia feito. Gustav se virou para o outro que engoliu em seco e tentou correr mas Gustav foi rápido e um feixe de luz saiu de seu dedo entrando no pescoço do maior.

-Pegue os livros do chão.- ordenou ele e assim o homem o fez sem ter controle de seu corpo.- Limpe a capa e os entregue para mim.- obedecendo os comandos o maior limpou as capas e os entregou a Gustav que ainda tinha os olhos sombrios.- Agora se ajoelhe e peça perdão a essas damas por te-las ofendido chamando-as de ladras.- Ohomem foi até elas e se ajoelhou.

-"Perdoem-me senhoritas, sou um homem bebado que não sabe oque diz."

-Muito bem, agora pode ir.

Estalando os dedos Gustav quebrou o encanto dando ao homem o controle de seu corpo novamente. Assustado o mal encarado foi até seu companheiro caído sobre oque antes era o muro, ajudou-o a se levantar e a andar e ambos fugiram dali rapidamente. As pessoas, inclusive as duas garotas, o fitavam de boca aberta. Os olhos dele devagar foram voltando ao dourado natural e seu rosto ao suave e inteligente de antes.

-Peço desculpas por isso.- diz ele para elas.

O cérebro de Serena ainda processava tudo aquilo que havia acontecido.

-Quem....Quem é voce?- o olhar dela desviou de sua face para sua camisa rasgada perto da clavícula e notou uma coisa vermelha ali mas não era uma queimadura pois tinha forma.- Sua camisa...

Ele fitou o rasgo e também reparou na area avermelhada, tirando as ataduras devagar oque era antes um queimado agora haviam dado forma a uma marca em formato de cabra. Gustav observou aquilo por alguns segundos antes de cobri-la novamente com sua roupa.

-Voce...Tem certeza de que está bem?- Serena parecia preocupada.

-Sim, não a nada com que tenha de se preocupar.

Ela  lhe fitou os olhos dourados tentando achar algum vestígio de emoções neles, sem sucesso.

Uma multidão começou a se formar mais a frentes e os tres foram até lá saber do que se tratava quando ouviram um grito:

-Uma espiã!

Passando entre aquela gente puderam ver oque era. Um guarda levava uma mulher pelo braço, ela usava uma capa com um capuz e um macacão branco, mesmo com a cabeça coberta dava pra se ver que seu cabelo era negro. 

-Eu peguei essa daqui, xeretando onde não devia.- falou o guarda tirando o capuz da mulher revelando uma mulher de meia-idade com olhos puxados, se parecia muito com a ...

-Mamãe?- sussurrou Gustav para que ninguém o escutasse mas Serena o escutou.

-Voce a conhece?

Outro guarda chegou puxando outra mulher.

-Achei mais uma!

Tirando o capuz dela revelou-se uma mulher de cabelos cinzas meio azulados de olhos dourados.

-Jericho? Oque elas fazem aqui?- perguntou Gustav para si mesmo.

-Oque fazemos com elas senhor?- o guarda perguntou para o Chefe da Guarda que estava diante deles.

-Levem-nas para a prisão até eu decidir oque farei com elas. As interrogarei mais tarde.

-Sim senhor.

Os dois começaram a leva-las para a prisão. O chefe da guarda falou para a multidão:

-E quento ao resto de voces, voltem a seus afazeres.

Conforme a multidão se desfazia Gustav começou a ir em direção para onde haviam levado sua mãe e Jericho, Serena o seguiu.

-Onde voce pensa que vai? Isso não é problema nosso!- avisou Maria.

A outra limitou-se a fita-la e responder:

-Ele precisa de ajuda.

-Não precisa não, voce viu oque ele fez com aquele cara uns minutos atrás.

Sem dar ouvidos a ela a cigana continuou. Maria bufou mas a acompanhou.

 

 

 

 

NA PRISÃO...

Os dois guardas que levaram Guila e Jericho antes ,agora estavam na entrada da prisão não permitindo que ninguem entrasse. Ao ver os tres se aproximando um deles disse:

-Quem são voces?

-Meu nome é Gustav e eu vim ver uma das prisioneiras.

-Ridiculo, saíam daqui!

-Esperem senhores. Voces não sabem com quem estão falando, esse garoto tem poderes que voces jamais virão. Mostre a eles.- falou Serena indicando para o garoto fazer um daqueles "truques" de antes.

-Vamos ver então. Se me surpreender poderá passar.

Depois de alguns segundos na mente do guarda, Gustav ajeitou os óculos no rosto e começou:

-Seu nome é Benedith Valon, tem 40 anos, sua mulher se chama Teresa e seu filho Victor, gosta da cor rosa mas esconde isso por medo do que os outros possam pensar de voce, e esconde um segredo de sua esposa, voce gosta de se vestir de certos modos contra a roupa masculina e tambem-

Maria cobriu lhe a boca com as mão impedindo que ele continuasse.

-Acho que já chega né Gustav?- Maria devagar tirou a palma.

O guarda estava tão vermelho quanto uma pimenta enquanto o outro parecia segurar uma risada.

-V-voces podem p-passar.

E assim eles foram.

-Quer dizer que voce gosta de "certas coisas" né?- provocou um guarda ao outro.

-Vai tomar conta da sua vida!

Dentro da prisão Gustav seguia em frente e antes que continuassem falou sem encara-las

-Obrigado a voces duas por me ajudarem.

Serena ficou sem jeito e Maria sibilou com a boca para ela: "Voce tá caidinha por ele." Ela tentou ignorar mas...será que era verdade?

Chegando na cela onde estavam as duas espiãs, Gustav chamou Guila:

-Mãe?

Ela olhou para ele e segurou as barras.

-Gustav, oque está fazendo aqui?- perguntou sua mãe.

-Pergunto o mesmo para a senhora.

Guila suspirou, Jericho que estava sentada no chão desviou o olhar.

-Como voce sabe há alguns anos os reinos de Camelot e Liones tem sido atacadas por demonios mais do que o normal, após algumas pesquisas descobrimos que eles estavam vindo desse...reino que nunca ouvi falar, mas como eles surgiam não sabiamos então decidimos investigar. Eu, Jericho, Sarah e Eloisie vinhemos para cá a mando do GilThunder já faz uns dias, desde então procuramos a origem dos demonios mas nada até agora.

-Sarah e Eloisie estão aqui?

-Elas conseguiram fujir antes dos guardas nos pegarem.- Jericho pegou uma palha do chão e ficou a girando nos dedos.

-Gustav preste atenção.- Guila pegou na mão de seu filho e o encarou nos olhos.- Se os demonios não pararem de vir por bem...terão de parar por mal.

-Oque quer dizer com isso?- perguntou Serena.

-Gilthunder disse que se os demonios não pararem em algumas semanas declararam guerra a esse reino qualquer que ele seja.- informou Jericho.

-Por isso voce precisa descobrir oque está causando os ataques, eles parecem confiar em voce. Por favor voce precisa fazer isso antes que algo ruim aconteça a ambos os reinos.- O olhar de Guila desviou do rosto de seu filho para sua camidsa rasgada que deixava a mostra uma pequena parte da marca.- Oque é isso?

Ele tentou esconder mas ela segurou-lhe os pulsos e retirou o tecido da frente expondo a marca da cabra.

-Essa é...- começou Jericho.

-A marca do pecado da cabra.

 

 

 

....


Notas Finais


deslcupa a falta de acentos mas ja tentei varias vezes colocar o acento circunflexo e não dá =~=


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...