História The Newcomers The Boarding - Capítulo 4


Escrita por: ~

Postado
Categorias Originais
Personagens Personagens Originais
Exibições 3
Palavras 3.215
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Colegial, Escolar, Famí­lia, Festa, Ficção, Romance e Novela, Suspense
Avisos: Adultério, Álcool, Bissexualidade, Drogas, Estupro, Heterossexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo, Spoilers, Violência
Aviso legal
Todos os personagens desta história são de minha propriedade intelectual.

Capítulo 4 - Amigas?


Fanfic / Fanfiction The Newcomers The Boarding - Capítulo 4 - Amigas?

Tori

Eu sei, eu sei. Vocês devem tá me odiando, né? Mas o que eu posso fazer? "Ela roubou o namorado da Nanda, que vaca!" "Ela beijou ele só pra acabar com o namoro deles!" "Ah, mas eu shippava tanto Navid!".

Em primeiro lugar era só uma aposta e em segundo, que ship ridículo! "Navid"... Não ficaria mais bonito Dori? Mas não se preocupem, não quero o David. Aquilo era só uma vingancinha básica. Na verdade era pra eu me vingar da Lis, mas quando soube do "namoro" da Nanda não me contive.

Como já sabem eu sou a Tori, mais apropriadamente Vitoria Mendler. Tenho 16 anos e sou da Alemanha. Vim morar em Londres quando era bem pequenininha e quando meus pais ainda se davam bem.

Minha mãe é alcoólatra, ela não aceita a vida dela, diz que é tudo uma merda, diz que eu só cheguei pra arruinar a vida dela e tals, e diz que é por isso que bebe. Isso tudo porque ela engravidou de mim quando tinha 16 e meu pai 22, quando os pais dela souberam obrigaram-na a abortar, mas aí ela fugiu de casa e foi morar com meu pai. Quando eu nasci eles vieram pra Londres.

Meu pai é um ótimo cara. Vive dando duro pra fazer o melhor pra mim e ajudar minha mãe. Ele é quem nos sustenta e compra os remédios dela. Já tentou colocar ela em uma clínica de reabilitação duas vezes, mas ela fugiu todas as duas. Não sei como ele ainda ama ela. Eu também amo, mas às vezes acho que é pena, sei lá!

Bem, com essa situação toda meu pai disse que eu tinha que viver longe daquilo tudo e decidiu me colocar num internato. É por isso que eu sou a novata desorientada e sem amigos.

"Ah, que historia mais deprimente a dela!" Foda-se! Não acho que seja deprimente, acho que é mais uma lição pra vida. E sim, eu sou mais uma daquelas garotas que acreditam no futuro e dizem que tudo o que acontece é porque tinha que acontecer. E é por isso que não me abalo mais tanto assim com as coisas.

 

Lis

Chegou a noite e a Nanda ainda não apareceu. Depois que saí do refeitório voltei pro quarto dela, fiquei lá até agora assistindo e resolvi tomar um ar naquela floresta que vim mais cedo. Tenho medo do escuro, mas às vezes ele é reconfortante.

É bom pensar na vida. Em tudo o que já aconteceu, no que está acontecendo, no que vai acontecer. Você pode refletir se seus planos de antigamente estão dando certo ou qual serão seus planos pro futuro. Pode pensar em você mesmo, se você é o que você quer ser.

- O que tá fazendo aqui? - Mike sentou ao meu lado me dando um susto pela segunda vez hoje. - É perigoso ficar aqui sozinha.

- Não me trate como se eu fosse uma garota indefesa. Fiz aula de artes marciais à um ano.

- Você pode ter feito aula de artes marciais, mas ainda assim é uma garota.

Encarei ele:

- Estou vendo aqui mais um garoto que acha que os homens são mais fortes que as mulheres?

- Não me diga que você é mais uma daquelas feministas.

- Sim, eu sou feminista, algum problema?

- Então você acharia certo a mulher fazer todos os trabalhos pesados que o homem faz?

- Claro que sim!

Me levantei. O Mike veio em seguida.

- Ainda preocupada com a Nanda?

Começamos a andar em direção ao corredor dos quartos, mais precisamente pro meu quarto.

- É. Não acha que é exagero?

- Nem tanto. Vocês são melhores amigas, acho que é normal saberem a rotina uma da outra e quando fizerem algo que não se inclui na mesma ficarem preocupadas.

Respirei fundo.

Ele tá de gozação com a minha cara, né? Só pode, porque que eu saiba eu e a Nanda somos as únicas estranhas que sabem tudo uma sobre a outras. Às vezes mentimos sobre umas coisinhas, mas depois acabamos contando ou a outra descobre.

- Nanda! - gritei ao ver a mesma batendo na porta do meu quarto.

Ela virou pra mim assustada e eu fui correndo até ela. A mesma me abraçou, eu sabia que tinha algo de errado acontecendo!

Mike chegou perto da gente.

- O Mike não serve mais pra consolar a Lis. O Mike vai embora. O Mike quer um beijo de despedida.

Quase ri com a idiotice dele. Coloquei a Nanda pra dentro do quarto e encostei a porta.

- O Mike é um idiota - falei.

Ele me puxou e me beijou.

- Segundo as regras da escola, se um garoto estiver na frente ou dentro do quarto da garota após às 17:00 os dois recebem suspensão. Então acho melhor você ir.

Mike me olhou estranho.

- Você leu aquele livrinho idiota?

- No tédio você acaba fazendo qualquer coisa - dei um selinho de despedida. - Obrigada por me distrair um pouco, mesmo que seja com uma questão idiota - ele riu. - Se cuida.

Entrei no quarto. Nanda estava tirando os sapatos na cama. Sentei lá e fiz o mesmo. Quem diz que tênis não cansa os pés tá muito enganado.

- Onde você tava? - perguntei.

- Não sei - ela respondeu. - Depois que você saiu com o Mike eu conversei um pouco com os meninos e depois eu decidi vir descansar um pouco e adiantar algumas atividades, mas daí alguém me puxou e me levou pra um lugar escuro. Tinham um garoto e uma garota, mas eu não consegui descobrir quem eram porque estavam conversando do outro lado da porta. Depois de algumas horas eles me soltaram aqui na frente com os olhos vendados.

A Nanda deitou na cama parecendo cansada.

- Acho que queriam te assustar. Será que é mais algum ritual idiota que fazem com os novatos? - pensei. - De qualquer jeito você vai dormir aqui hoje. Vou te emprestar algumas roupas.

 

Nanda

No dia seguinte o acontecido voltamos a rotina normal. Eu (1) e a Lis (1) fomos pro refeitório. Ela tá evitando falar, mas eu sei que tá pensando em quem poderia ter feito aquilo comigo.

Uma dúvida reinava em nossas cabeças: com quem vamos sentar? Olha só como somos divas, somos parceiras dos garotos mais populares do colégio. Bem, decidimos nos sentar com a turma do David. Depois de alguns minutos a Tori sentou lá me perguntando se eu tava bem - acho que a história se espalhou um pouco -. Fiquei tipo: WTF?

Bem, eu dei um fora nela e a mesma foi embora emburrada. Ô gente estranha é essa que eu vou conhecer...

- Você tá mesmo bem? Tem certeza que não sabe quem fez isso? - Theo me perguntou.

- Ah, como você é fofo! - disse. - Sim, eu tô bem. E como eu já disse antes, só ouvi a voz de um garoto e uma garota.

- E você não sabe quem são el...

- Caralho, nem eu fiquei tão preocupada! Esse clima de "Você tá bem?" não vai ajudar ninguém! E eu tenho que fazer a tarefa pra primeira aula. Fui! - a Lis se levantou e foi embora.

O Mike foi com ela porque estão na mesma aula e porque eu acho que esse negócio de "tarefa pra fazer" foi só mais um código entre eles pra irem se pegar escondidos.

- Pode ter sido a Kate - o Eric comentou.

- Por que a Kate? Quer dizer, por que você acha que a Kate faria isso? - Joe perguntou.

- Oras, porque ela deve ter ficado com ciúmes da Nanda e do Eric. Sabe como é o cérebro das mulheres, não é? Veem até o que nunca vai acontecer - David disse.

- Sim, eu entendo. Mas como vocês podem ter tanta certeza de que foi a Kate? Certo que ela é meio desequilibrada, mas acho que não faria uma coisa dessas.

- Podem, por favor, me dizer quem é Kate? - perguntei.

- A ex namorada do Eric. Ela é das líderes de torcida. Só vive com seu grupinho, mas não cansa de correr atrás de nós - Theo respondeu.

- Infelizmente o Eric um dia caiu nos joguinhos dela -  Joe disse.

Eric deu um tapa na cabeça dele. Daí os quatro começaram a conversar sobre as líderes de torcida e de como elas, como dizem eles, "evoluíram" esse ano.

Vou ficar de olho nessa tal Kate.

Quando tocou o sinal fui pra primeira aula: Educação Física. Ninguém merece! Fui pro vestiário feminino, troquei a calça pelo short e tirei  jaqueta.

- Oi - Tori (1) disse ao meu lado.

Arqueei as sobrancelhas. Ela suspirou e se sentou no banco.

- Certo. Olha, me desculpa pelo que eu fiz com você ontem, eu só... Fiquei cega de raiva quando vi você e a Lis. Eu posso explicar, vai. Por favor.

Ok, eu não gosto dela, mas sou curiosa, não faz mal ouvir uma explicaçãozinha idiota, faz?

- Eu sou a Tori, aquela Tori, lembra? Acontece que quando você me trocou pela Lis eu comecei a odiar vocês duas, mas quando sobe que você tinha sumido percebi que ainda me preocupo com você. Só me perdoa, vamos ser amigas de novo.

Ok, ou essa garota tá tirando com a minha cara ou ela é a Tori mesmo. Se bem que ela se parece um pouco com a Tori, e não teria como ela descobrir coisas do meu passado e isso também explica porque ela implicou comigo e com a Lola... Mas isso não tira o fato de que essa explicação dela foi meio merda.

- Não creio que você é a Tori?! - sorri. - Meu Deus! Você sumiu!

Ela sorriu aliviada e se levantou pra me abraçar.

- Eu nem me liguei que você tinha ficado triste por causa da Lis. E depois você começou a me ignorar e andar com aquelas meninas... Me desculpa!

- Ah, nem é pra tanto. Nós duas sabemos que sou ciumenta. Então, amigas?

- Amigas - sorri. - Agora vamos pra aula, o professor já deve tá começando a aula.

Eu tenho tanta coisa pra contar pra ela! Meu Deus, como eu tava com saudade da Tori...

 

Lola

Eu, linda maravilhosa, estava indo pro refeitório. Acabaram as três primeiras aulas e já é o recreio. "Mas quem fala recreio é criança". Foda-se! Se eu quiser chamo de Roderval!

Tava cantando lá minha música na cabeça e saltitando. Minha tia sempre diz: "Essa daí só cresceu na altura mesmo". Pois eu acho que nem na altura eu cresci.

Vi o Mike a alguns metros de onde eu tava. Ele entrou em um corredor mais a frente.  Andei até lá cuidadosamente me sentindo uma das três espiões demais. Me escondi atrás da parede pra ver um Mike com mais dois garotos e uma menina.

Se você pensa que ele e a menina estavam se agarrando ou algo assim está errado. Preferia até que fosse isso. A garota estava encostada na parede de cabeça baixa quase a ponto de chorar, enquanto Mike e os outros garotos tiravam sarro dela.

Eu pensei que esse lado dele já havia ido embora... Mas parece que continua o mesmo garoto idiota de sempre.

Me encostei no armário ao meu lado e respirei fundo. Eu me deixei enganar de novo por ele, que merda!

Tomei coragem pra ir até lá:

- Lis? - Mike disse ao me ver.

Olhei pra ele com desprezo, eu queria falar umas verdades pra ele e tirar aquela menina de lá, mas eu tava com tanta raiva que não conseguia nem olhar pra sua cara. Dei meia volta pra ir embora, mas ele puxou meu braço:

- Ei, o que foi? - perguntou.

- Me solta, Mike!

- Lis...

- Eu não acredito que você continua fazendo isso - ri com desprezo. - Eu é quem fui a idiota de acreditar que você tinha mudado, não é?

- Do que você tá falando? - ele chegou mais perto.

- Você sabe muito bem do que eu to falando!

Olhei pela última vez nos olhos dele e puxei meu braço com força.

Não aguento olhar mais nenhum segundo pra aquela cara ridícula. Odeio mais que antes esse garoto! Fui até a menina, fuzilando com raiva os outros idiotas, e a levei comigo enquanto o Mike só me olhava com aquela cara de desentendido dele.

Depois de um tempo paramos de andar e controlei as lágrimas pra não cair. Sempre fui muito sensível. Às vezes choro até por uma brincadeirinha idiota que fazem comigo. Não gosto de ser assim. A Nanda mal chora. Ela pode ficar triste mas... Não chora frequentemente nem por coisas idiotas como pelo que eu to chorando agora.

- Você tá bem? - a garota me perguntou.

Encarei-a:

- O que? Quem tem que te perguntar isso sou eu. Ele não fizeram nada demais com você, né? Podemos ir pra diretoria ou eu posso resolver isso por minha con...

- Não precisa - ela me interrompeu. - Eu tô bem. Obrigada.

Sorri pra ela. Parecia ser uma garota tímida.

- Ei, não deixe que ninguém faça isso com você. Seja corajosa, ok?

A garota fez que sim com a cabeça, depois disse que tinha que estudar e sumiu.

Respirei fundo pra espantar tudo o que havia acontecido, mas não adiantou. Decidi então procurar pela Nanda, encontrei-a sozinha numa mesa do refeitório. Fui até lá pra ver se adiantava de algo.

- Oi Lis!

- Nanda, o Mike... Ele... É um idiota!

Ela me olhou preocupada.

- Você tá chorando? O que ele te fez dessa vez?

- O mesmo de sempre. Me enganou, você sabe como eu odeio ser enganada!

- Não fica assim, nós duas sabíamos que isso poderia acontecer.

- Mas Nanda...

- Não, sério! - Ela me interrompeu. - Você já viu quanta gente você afasta de você por causa disso? Lis, você tem que aprender que o mundo não é fantasia! Que... Coisas ruins acontecem pras boas virem.

- O que?

Ok, o que tá acontecendo aqui?

- Lis, você afastou sua família com suas crises, afastou o Lew, afastou o Mike... E eu ainda to com você porque eu ainda te amo. Mas isso pode mudar um dia e você precisa aprender a conviver com os outros!

- Essa não é a quest...

- Claro que não é! - exclamou. - Me desculpa por tudo o que vou falar agora, mas você não pode achar que é tudo sobre você! Você é egoísta, só pensa em si mesma. É sempre a Lis, tudo é a Lis! Eu não te contei porque esperava que você descobrisse sozinha, mas... já tava na hora de você saber disso - Nanda suspirou. - Você hoje disse que não aguentava mais as pessoas se preocupando comigo, já parou pra pensar que o mundo não é só você?

Como ela pode dizer que só penso em mim? Ela sabe, eu às vezes deixo de fazer as coisas por causa dos outros, eu fico triste com a tristeza das pessoas até quando não fui eu quem fiz o mal. Eu sempre tento ajudar quando eu posso... Como ela pode ser tão falsa?

- Você sabe que foi você quem afastou o Lew, foi você quem riu dele! Você sabe que eu não afastei a minha família porque quis, e você sabe sobre o Mike tanto quanto eu sei! Você não tem o direito de me chamar de egoísta, ok? Vê se pensa no que você falou, porque isso foi o cúmulo da idiotice!

Levantei da cadeira estressada, nem olhei pra trás. Eu nunca esperaria isso vindo da Nanda, ainda mais num momento como esses. Pela manhã eu comentei sobre a preocupação excessiva com o que aconteceu ontem, mas foi porque eu achei que era melhor esquecer aquilo, porque ficar relembrando só iria piorar... Mas, enfim, eu não devo satisfações à Nanda, não até ela repensar sobre o que falou.

Andei pro quarto e tranquei a porta do mesmo me jogando na cama em seguida. Só ela poderia me fazer mais triste do que eu já estava.

Ouvi duas batidas na porta e depois ela se abriu. Dan entrou com uma bandeja na mão e colocou em cima da cama.

- Vi que você subiu sem comer nada - sentou na cama. - O que aconteceu.

- Obrigada, Dan - sorri. - Não precisava se preocupar comigo.

Ele sorriu:

- Você é uma garota legal.

- A Nanda me decepcionou hoje, foi só isso. Além do Mike também ter me decepcionado. Mas não quero ficar nesse clima depressivo, não me trás boas lembranças. Prefiro ser a Lia alegre e idiota.

Dan me abraçou e beijou minha testa.

- Você sabe do que é capaz. Não pode ficar triste por causa de duas pessoas que não sabem valorizar o que tem.

Ele tem razão. Pensando bem, foram eles que perderam.

 

Nanda

- O que aconteceu aqui? - Tori perguntou voltando da cantina e se sentou onde a Lis estava à alguns segundos atrás.

Suspirei alto:

- Parece que a Lis e o Mike se desentenderam de novo.

- Ela parecia meio mal.

- É. Falei umas coisas a ela e ela ficou pra baixo, mas daqui a pouco ela tá falando comigo de novo. É sempre assim. Aliás, ela iria descobrir uma hora ou outra.

Tori mordeu seu sanduíche.

- Bem, em briga de marido e mulher ninguém mete a colher!

Rimos. Me levantei. O David me pediu pra ir encontrar com ele na biblioteca. Agora que já sei que a Tori só queria "se vingar" podemos ser amigos de novo, afinal aquilo era só uma aposta.

- Vou ver o David - disse.

- Hm.. - me olhou com uma cara maliciosa.

- Não é nada disso. Nos vemos mais tarde!

Andei em direção a biblioteca. Fica no corredor de cima das salas de aula, é tipo um local que parece meio mal-assombrado, não porque "ninguém vai pra biblioteca", na verdade muita gente vai pra fazer pesquisas e também tem computadores. Parece meio mal assombrado porque no corredor onde fica não tem luz e fica fazendo uns barulhos estranhos.

Abri a porta da biblioteca. Aparentemente não parecia que o David tava lá, só tinham umas pessoas fazendo pesquisas nos livros e mexendo nos computadores, até a bibliotecária arrumando os livros nas sua respectivas estantes. Mas depois vi o David.

Ao lado da última prateleira lá atrás, mal dava pra vê-lo. E parece que estava com companhia. Mais ou menos que quase comendo uma garota morena.

Certo, não vou atrapalhar o momento deles. Saí da biblioteca e voltei pro refeitório. Não que eu tenha me sentido incomodada, mas quase fiquei. Devo me preocupar?

- Lis, precisamos conversar sobre o David - disse pra mesma que estava sentada com Dan e os outros.

- Ué, não era eu que me importava só comigo mesma? Não vamos ter essa conversa, por que não fala com a Tori?

E depois se virou de novo. Eu nem falei tudo o que tinha pra falar dela, imagina se eu falasse... Mas se ela quer voltar a ser criança, o que posso fazer?


Notas Finais




Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...