História The only beauty that matters is the beauty of the soul - Capítulo 35


Escrita por: ~

Postado
Categorias Fairy Tail
Personagens Angel, Aquarius, Aries, Bacchus Groh, Bickslow, Cana Alberona, Charlie, Dan Straight, Elfman Strauss, Erik (Cobra), Erza Scarlet, Eve Tearm, Evergreen, Flare Corona, Freed Justine, Frosch, Gajeel Redfox, Gildartz, Gray Fullbuster, Happy, Hibiki Lates, Igneel, Jellal Fernandes, Jenny Realight, Jude Heartfilia, Juvia Lockser, Kagura Mikazuchi, Kinana, Laxus Dreyar, Lector, Levy McGarden, Libra, Lisanna Strauss, Loki, Lucy Heartfilia, Lyon Vastia, Makarov Dreyar, Mavis Vermilion, Meredy, Metallicana, Millianna, Minerva Orland, Mirajane Strauss, Mystogan, Natsu Dragneel, Pantherlily, Rogue Cheney, Romeo Conbolt, Rufus Lore, Scorpio, Silver Fullbuster, Taurus, Ultear Milkovich, Ur, Virgo, Wendy Marvell, Yukino Aguria, Zeref
Tags Fairy Tail, Hentai, Romance
Exibições 56
Palavras 4.495
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Aventura, Colegial, Comédia, Escolar, Esporte, Famí­lia, Fantasia, Festa, Ficção, Ficção Científica, Hentai, Lemon, Luta, Mistério, Romance e Novela, Shoujo (Romântico), Sobrenatural, Universo Alternativo, Violência
Avisos: Adultério, Álcool, Drogas, Estupro, Heterossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sadomasoquismo, Sexo, Violência
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas da Autora


Capitulo fresquinho para vocês...
Espero que gostem.
Kiss...

Capítulo 35 - Luna


POV’S Aiko on:

Eu estava andando pela floresta a procura de alguma presa com bastante sangue para poder acabar com o ardor que está em minha garganta e com o desejo por sangue que se instalou em meu corpo, quando me vi fora dos limites permitidos, eu havia entrado na toca do lobo, mas ao invés de voltar antes de ter problemas eu resolvi caçar nas terras dos lobisomens, mas não qualquer lobisomem, são os únicos lobisomens que conseguiram vencer o controle mental do “terrível” Hades, o que significa que se eu por acaso encontrar algum deles eu terei uma boa luta e quem sabe o prazer de arrancar a cabeça de algum vira-lata. Enquanto eu caminhava as terras dos lobisomens o vento sempre chicoteava meu corpo, parecia que ele queria me mostrar algo e ele mostrou! Mostrou o cheiro mais delicioso que eu já senti em toda minha vida, eu segui o cheiro e avistei uma menina linda, ela brincava entre as flores de uma forma tão inocente e pura. O cheiro que senti era dela, mas havia outros cheiros próximos dela e foi só aí que fui me tocar que eu estava encrencado.

??? Quem é você seu sangue-suga? – Perguntou-me um moreno de olhos negros e de porte atlético, ao lado dele estavam mais três rapazes, um moreno que se parecia com ele, um loiro e um branco de cabelos verdes. Todos eles me encaravam com fúria.

Li os pensamentos deles antes de responder e descobri que o moreno que falou comigo se chama Caleb Strence e que ele é o líder da matilha, o que eles chamam de Alfa. Descobri também que o outro moreno se chama Joseph Strence, que ele é filho do Caleb, que o loiro se chama Henri Comière e que o que possui cabelo verde se chama Heitor Íremi. Mas o que eu queria descobri mesmo era nome da menina, mas esse eu não consegui descobri.

Aiko: Eu sou Aiko Scarlet. – Falei de forma calma, afinal eu não queria ter problemas. Não agora... – E você? – Ele deu um sorriso debochado.

Caleb: Eu faço as perguntas aqui garoto! – Falou um pouco alterado. – O que faz em nossas Terras?! – Perguntou de forma um tanto alterada.

Aiko: Digamos que eu me perdi. – Respondi de forma calma.

Joseph: Se perdeu? – Assenti e ele gargalhou. – Não queira nos fazer de idiota! – Falou irritado.

Aiko: Eu estava caçando e acabei passando do limite e quando percebi isso vocês apareceram. – Dei de ombros.

Caleb: Então saia logo antes que minha paciência se vá. – Assenti e depois me teletansportei para minha casa.

Quando cheguei em casa me dei conta de que eu não havia me alimentado, mas isso não me importava, o que realmente importa é que eu quero saber quem é aquela menina e quero provar só um pouquinho do sangue dela, afinal enquanto isso não ocorrer nenhum outro sangue satisfará minha sede insana.

Aiko: Merda! Agora eu vou ter que dá um jeito de ver aquela menina! – Me sento no chão na posição de lótus, fecho meus olhos e me concentro no vento. Ele me mostrará ela tenho certeza disso, pois quando você domina bem um elemento, você e ele se tornam um só e tudo que ele toca você sente.

Quando me concentro apenas no vento ou ar, como preferirem, eu posso sentir o aspecto das superfícies que ele toca e posso sentir o cheiro de vários lugares ao mesmo tempo. Agora eu sinto o cheiro das belas flores do sul da floresta, posso sentir a suavidade de suas pétalas e sinto um pouquinho do cheiro de quem eu procuro. Ao leste eu sinto o cheiro da terra molhada pela bela Cachoeira Do Amor, não me perguntem porque ela se chama assim, porque eu realmente não sei, eu até posso ouvir o barulho da queda d’agua. Ao oeste eu sinto o cheiro dos lobisomens e misturado com o cheiro deles eu sinto o cheiro dela. Oh sim! Um cheiro delicioso, que me dá agua na boca, além de despertar pensamentos bastante pervertidos em minha mente nada pervertida. Posso sentir a maciez de sua pele e oh! Eu posso ouvir sua voz suave. Oh céus! Imagine essa voz maravilhosa gemendo meu nome enquanto eu a fodo deliciosamente, oh sim! Meu pênis chega fica duro só de imaginar. Há! Há! Se minha mãe ouvisse meus pensamentos com toda certeza me mataria, já meu pai sendo o tarado que é ficaria orgulhoso. Aquele azulado tarado anda tirando a inocência da minha pobre mãezinha, mas isso é bom, pois por causa disso eu vou ganhar irmãozinhos e então terei certeza que minha mãe será feliz enquanto eu estiver longe...

Mas não é hora para pensar nisso. Agora eu preciso me concentrar para poder descobrir o nome da minha futura presa... Me concentro bastante nela e sinto seu cheiro ficar cada vez mais forte e posso ouvir sua voz com mais nitidez. Ela está conversando com alguém e parece que ela está brava.

??? Por que eu não posso sair para brincar sozinha Tio Caleb? – Pelo tom de voz parece que ela está brava.

Caleb: Porque é perigoso! – Nossa ele está tentando ao máximo falar com calma, mas não funcionou muito. – Hoje tinha um vampiro observando você. – Humm... Quer dizer que ele me viu a encarando, isso pode me atrapalhar. – Escute Luna, eu não quero que nada aconteça com você e é por isso que não quero que saia por aí desacompanhada entendeu? – Falou com o tom de voz mais suave.

Oh! Então o nome dela é Luna? Que nome lindo assim como ela...

Luna: Tá bom tio... – Seu tom de voz demonstra sua tristeza, mas creio que por respeito ao tio, ela aceitou.

Ouço passos, logo após ouço soluços e então o ar ao meu redor se entristece e eu percebo que a belíssima Luna está chorando e que até o ar ficou triste por causa de suas lágrimas. Ouço passos de novo, só que esses são mais suaves e tem o cheiro de um animal, sim! É um animal, mais especificadamente um lobo. O ar se torna mais calma com a chegada do lobo...

Luna: Oh Ken! O que faço? O titio não confia em mim! – Seu tom de voz sai meio embargado por causa do choro. – Ele me trata como se eu ainda fosse criança! – Funga irritada e eu imagino a cara que ela está fazendo agora e me controlo para não rir.

Ken: Ele só se preocupa com você Luna, não seja ingrata. – Seu tom de voz indica que está entediado. – Tinha realmente um vampiro de espionando, mas eu senti que ele não é mal, mas também não é bom. Ele é uma mistura dos dois. – Bom... Comecei a gostar desse lobo. – E te digo mais ele virá atrás de você, pois ele gostou do seu cheiro. Eu não sei porque, pois normalmente os vampiros odeiam os cheiros dos lobisomens. – Puta merda! Eu não percebi que ela era lobisomem!

Isso é estranho... A não ser que eu... Merda de novo! Não acredito! Eu achei minha “alma gêmea”... Mas isso é tipo estranho. Que merda! Isso não deveria acontecer agora! Eu tenho que sair daqui o quanto antes!

Aiko: Droga! Droga! – Chamo o Chris e ele aparece diante de mim. – Diga que eu estou errado... – Ele dá um sorriso torto, maldito dinossauro!

Chris: É verdade meu caro amigo e não adianta fugir, pois ninguém pode fugir do destino. – Dou um soco no chão e ele se abre por conta do impacto.

Aiko: Mas eu não posso me relacionar agora, isso pode colocar ela em risco! – Ele sorri.

Chris: Meu caro amigo ela já está em perigo, mas ela é mais poderosa do que imagina. – Sua típica expressão calma me irrita.

Aiko: Porra! – O vento começa a se agitar. – Eu preciso do sangue dela! – Falo encarando o nada. – E eu preciso fodê-la! – Falo ao me lembrar do jeito dela. – Mas não posso não agora. – Me viro para ele e vejo seu sorriso debochado e me seguro para não quebrar a fuça dele.

Chris: Meu amigo seu desejo uma hora ou outra vai te vencer e quando isso acontecer você vai agir as cegas e poderá fazer alguma besteira. – Fala de maneira calma. – Te aconselho a fazer o que tem de fazer agora que ainda raciocina do que depois quando seu desejo cegar você. – Respiro fundo e concordo.

Aiko: Tem razão. – Afirmo me entrando em casa. – Mas não farei nada agora, pois estou com sono. – Entro no meu quarto e vejo o Chris me acompanhando. – Pode ir amigo, sei que não gosta que eu perturbe sua paz. – Ele sorri e some. – Bom... Agora é dormir para depois eu planejar uma forma de realizar meus desejos. – Me deito na cama e deixo o sono me levar...

POV’S Aiko off.

Enquanto isso uma certa loira de olhos chocolates estava meditando e acabou percebendo que seu amado sobrinho procurava algo com seus poderes de controlar o ar. Ela tentou localizar o ruivo, mas ele colocou um escudo ao redor de sua casa que impede qualquer um de acha-lo, isso irritou um pouco a loira, mas depois ela se acalmou, pois sabia que o ruivo precisava desse tempo sozinho. Mas ela não ficou tão tranquila assim existe muitas coisas que perturbam ela...

POV’S Lucy on:

Que merda! As coisas estão se complicando e eu estou com medo. Com muito medo! Tenho medo de que por causa de minha briga com o Mard Geer eu tenha que lutar contra minha filha ou contra meu sobrinho. Eu não suportaria isso, eu não prefiro morrer a ter que machucar as pessoas que amo...

Bickslow: Lucy? – Abro os olhos e dou de cara com os belos olhos verdes do Bicks. Merda! Eu fui pega de surpresa. – Você não deveria se preocupar com isso loira. – Falou se sentando ao meu lado. – O Aiko jamais lutaria contra a mãe dele e a Jasmim... – Ele ficou pensativo.

Loke: A Jasmim jamais lutaria contra a mãe dela. – Nos assustamos ao ouvir a voz do ruivo.

Bickslow: Ele tem razão Lucy, sua filha ama a você e o Natsu, ela jamais lutaria contra vocês. – Falou sorrindo.

Suas palavras me confortam, mas não conseguem acalentar meu medo, pois temo que o Mard Geer a controle e a faça tentar me machucar.

Loke: Não se preocupe minha loira, o Mard Geer não pretende nos matar. – Falou com convicção o que me fez ficar desconfiada, não só eu, o Bicks também.

Bickslow: Por que afirma com tanta convicção assim? – Perguntou para o Loke o encarando com desconfiança.

Loke: Não posso lhes contar agora, mas peço que confiem em mim. – Pediu se deitando no chão, sendo acompanhado por mim e pelo Bicks.

Lucy: Nós confiamos em você. – Nós três passamos a encarar o céu e nos concentramos apenas nele, o resto do mundo naquele instante não era importante, a única coisa importante naquele momento é que nós confiamos uns nos outros cegamente e que por causa disso nós vencemos inúmeras batalhas e não será essa que nós iremos perder justamente pela falta de confiança. Nós nos conhecemos a quase cem anos e nesses anos que passamos juntos aprendemos a identificar quando um de nós está mentindo ou quando o que ele diz não é confiável, e nesse exato momento o Loke é totalmente confiável...

Não sei ao certo quanto tempo passamos ali em silencio encarando o céu, só sei que só paramos de encará-lo quando a voz do Natsu se fez presente e ele nos avisou que precisávamos ir para o jardim leste rapidamente. Nós três o acompanhamos e quando chegamos lá demo de cara com o Mard Geer. Ele estava com um copo de uísque em uma mão e a outra estava segurando a mão da Angel. A mesma estava conversando com os irmãos animadamente.

A Observei e vi que seus olhos tinha um brilho que eu nunca havia visto ali, seu rosto estava com um expressão suave e a aura dela está completamente feliz. É impressionante como o amar e ser amada nos faz mudar completamente. A Angel má não existe mais, no lugar dela a Angel feliz e gentil que um dia morreu renasceu das cinzas e tudo isso por causa do amor. Uma pena que ela ame justamente uma pessoa como o Mard Geer. Falando nele... Ele está diferente, seus olhos não são mais tão frios como antes, seu semblante é mais alegre e sua aura não é mais tão negra como antes... Não é possível! O Mard Geer está apaixonado! Céus! Isso pode indicar que ele ainda tem salvação assim como o irmão do Natsu. Talvez o amor mude ele e clareie a aura dele. Me sinto aliviada por isso, eu não gosto de ver as pessoas mergulhadas nas trevas e fico feliz em ver alguém entrando no caminho de luz, mesmo sendo alguém como o Mard Geer...

Mard Geer: Como vai bela Lucy? – Falou com seu típico sorriso torto, atraindo a atenção de todos para mim, inclusive da Angel, ao contrário das outras vezes, ela não me encarou com raiva ao contrário, ela me encarou com um sorriso suave dançando em seus lábios.

Lucy: O que faz aqui? – Perguntei tentando parecer calma, mas no fundo eu queria mata-lo.

Natsu: Foi o que perguntei a ele, mas o desgraçado disse que só falaria quando você estivesse presente! – Falou entre dentes se segurando para não matar o Mard Geer. Eu segurei sua mão e lhe sorri, tentando passar um pouco de calma para ele, o que deu um pouco certo.

Mard Geer: Vim lhes pedir perdão pelo comportamento nada gentil de meus subordinados. – Falou tomando um gole de uísque. – E pra dizer que seu amigo de cabelos verdes está bem, a sua amiga ruiva é que não está tão bem assim, mas eu afirmo que ela voltará em breve e inteira, só não garanto que ela vai voltar sem algumas cicatrizes. – O Dan quase voou em cima dele. – Acalme-se Dan, sua bela irmã está em boas mãos. – Seu sorriso pervertido apenas irritou ainda mais o ruivo e oh! Eu não me lembrava que a Flare é irmã do Dan, mais que coisa! Eu tenho que organizar mais minhas memórias. – O Freed está se divertindo bastante com a Kyouka e com a Sayla. – A Angel sorriu ao ouvir essa parte.

Angel: Eles três tem um relacionamento conturbado, mas no final das contas aquelas duas loucas mostraram que dentro daqueles grandes seios bate um coração e que ele bate pelo Freed e bom, o dele também bate por elas. – Falou apertando a mão do Mard Geer. – Lucy sinto que em breve seremos vovós! – Falou com um sorriso de orelha a orelha o que me assustou e deixou o Natsu bastante irritado.

Natsu: Se aquele moleque tocar na minha filha eu... – Parou de falar ao ver a expressão assassina que se apoderou dela.

Angel: Escute Natsu você é muito gostoso e seria um desperdício matar você, mas se você voltar a falar do meu filho com esse tom eu não vou hesitar em te matar. – Sorri ao ouvir isso.

Lucy: Calma meu amor, nós não podemos impedir nossa filha de se relacionar com o cara que ela gosta e eu ficaria muito feliz em ter um netinho me chamando vovó! – Ele me encarou incrédulo, já o Mard Geer sorriu.

Mard Geer: Isso não vai acontecer agora, pois não permitirei. Não é o momento certo para ter um filho. – Falou de forma calma. – Além de estarmos praticamente em guerra, a bela Jasmim ainda não está pronta para ter filhos. – Explicou de forma calma.

Angel: Oh! Mas eu sei que quando isso tudo acabar os dois vão para algum lugar bem pacifico e construíram uma família lá, assim como o Aiko. – A Erza a encarou intrigada.

Erza: O que sabe do meu filho? – Perguntou com o tom de voz um pouco alterado.

Mard Geer: Você falou demais Angel. – A repreendeu com um sorriso torto. – Veja bem belíssima Erza, você tem perguntar essas coisas para o Aiko, eu não posso sai por aí revelando coisas dele que ele não contou a você. – O encarei espantada, desde quando esse idiota se importa com o Aiko?

Lucy: Você está estranho. – Ele sorriu.

Mard Geer: Eu também acho. – Falou e depois tomou o resto de uísque que ainda tinha no copo. – Bem, eu só vim aqui lhes dizer que seus amigos estão... Bem. – Falou com um pouco de incerteza. – Digo a vocês que em breve eles estarão de volta, mas por enquanto apenas acreditem que eles estão bem na medida do possível. – Ele ficou um pouco tenso. – Peço lhes que não tentem resgatá-los, isso acarretaria em problemas para a bela Jasmim, e acreditem eu não quero machuca-la. – Falou com uma expressão era séria. – Mas caso se metam onde não devem eu serei obrigado a machuca-la e isso me deixará muito bravo e com toda certeza vocês pagarão caro por me fazer machuca-la. – Agora sua expressão era fria e totalmente malévola. – Tchau. – Ele estalou os dedos e então sumiu junto da Angel.

Todos os presente ficaram estáticos e em silencio, até que eu após me recuperar do meu estado de choque resolvi me pronunciar:

Lucy: Ele quer mesmo que eu acredite que ele sentiria muito em machucar a Jasmim? – Perguntei ao Loke, o ruivo por sua vez suspirou cansado.

Loke: O Mard Geer jamais bateu na Jasmim ou tocou nela de forma maliciosa. Quando ela aprontava as coisas ele a deixava de castigo, mas nunca permitiu que ninguém machucasse ela. – Falou de forma calma. – Ele fez ela se tornar alto suficiente, fez ela se tornar forte. Ele ensinou ela a controlar seus poderes, ele a ensinou a respeitar aqueles que mereciam e ele mostrou para ela os dois lados do mundo e permitiu que ela escolhesse o que ela quisesse e quando ela escolheu o bem ele respeitou a decisão dela. Ele ensinou ela a admirar você Lucy. – Suspirou irritado. – O Mard Geer precisa da Jasmim, ele não a sequestrou por conta de você não. – Sua voz se alterou um pouquinho. – Me impressiona que uma pessoa tão inteligente como você se deixe cegar pela raiva. – Depois disso ele virou as costas e saiu.

Bickslow: Ele tem razão Lucy. – Falou de forma calma me fazendo ver que eu realmente estou me deixando levar pela raiva. – A Jasmim não voltaria para lá caso ele a machucasse. – Falou encarando o céu. – E pelo que vi em suas lembranças ela gosta muito dele, tanto que aceitou ficar longe dos pais para ajuda-lo. – Eu assenti.

Lucy: Mas eu não entendo para que ele precisa da minha menina. – Desabafei um pouco triste.

Bickslow: Essa é uma das resposta que teremos com o tempo Lucy! – Falou sorrindo. – Agora eu vou dormir. – Falou e logo após desapareceu.

Natsu: Acho que nós precisamos conversar não é? – Assenti e nos teletransportei para nosso quarto.

Lucy: O que quer dizer? – Perguntei me sentando na cama.

Natsu: Eu já entendi tudo, o Mard Geer não quer o mal da nossa filha e isso me tranquiliza o resto, nós saberemos com o tempo. – Falou caminhando para perto de mim. – Eu gostaria de ter uma conversa mais intima com a senhorita... – Seu sorriso cafajeste denunciou suas intenções e antes que pudesse sequer pensar em fugir ele já estava em cima de mim atacando meus indefesos lábios com um beijo ardente. – Não se importa se eu queimar suas roupas né? – Falou após encerrar o beijo e antes que eu respondesse minhas roupas viraram cinza. – Eu prefiro você assim sem nada. – Falou antes de começar a beijar meus pescoço. Suas mãos quentes foram parar nos meus seios, oh sim! Elas são tão quentes e oh! Sabem trabalhar tão bem, mas tão bem que instintivamente eu comecei a gemer de tesão. – Isso minha loira agracie meus ouvidos com seus gemidos. – Sua rouca carregada de erotismo atiçou cada partesinha do meu corpo. – Você é tão gostosa Luce... – Oh! Eu vou gozar só de ouvi-lo falar assim. Ele segurou minha mão e levou até seu membro rijo e eu como uma boa pervertida que sou comecei a massageá-lo. – Oh Luce! Assim você me mata de prazer. – Falou antes de atacar meus seios com sua língua habilidosa. Ele passava ela devagar depois chupava e oh! Ele mordia de leve me levando ao delírio.

Lucy: Oh céus Natsu! – Ele sorriu sobre a pele de meu peito e começou a descer beijando minha barriga até chegar na minha intimidade úmida, onde ele deposito um beijo antes de começar a brincar com meu inchado clitóris. Ele passava a língua em movimentos circulares, depois sugava e oh, ele passava os dentes, me levando a loucura, ele repetiu isso um monte de vez até eu senti uma queimação no meu corpo e então cheguei a um orgasmo violento.

Natsu: Você é uma delicia querida.– Seu sorriso sacana atiçou todo meu corpo de novo. – Agora é minha vez de gozar... – Falou antes de se posicionar entre minhas pernas e me fazer ficar na expectativa, mas como ele mal, ele não me penetrou logo, ao invés disso ele começou a me torturar esfregando sua glande no meu clitóris. – É bom assim? – Eu assenti. – Vamos loira fale. – Pediu esfregando sua glande na minha entrada. Arqueie minhas costas e dei uma palmada na sua bunda. Ele entendeu o recado e me preencheu de uma só vez me levando plenitude total, oh! Como eu amo senti-lo todinho dentro de mim, é tão bom. Seu pau é tão quente e tão grande, eu amo sentir minha intimidade se abrindo para acomodá-lo e amo ainda mais quando ele começa dar estocadas fortes. – Ah! Luce você é tão gostosa. – Tomou meus lábios num beijo ardente.

Minhas unhas arranham suas costas enquanto ele vai fundo dentro de mim, uma... duas... três... várias vezes, me dando o máximo de prazer possível. Suas mãos forte e quentes seguram meu quadril para ajudar no movimento.

Lucy: Assim rosado... Oh! Assim... – Mordo seu ombro e arqueio minhas costas oh! Eu sinto que está chegando. – Mais fundo... – Falo entre dentes e num ultimo gemido eu me derramo sobre o pênis dele, ele dá mais algumas estocadas e com um gemido rouco ele se derrama dentro de mim. – Eu te amo... – Falo ofegante, após lembrar meus pulmões como é que se respira.

Natsu: Eu também te amo loira. – Afirmou sorrindo e depois saiu da cama. – Banho? – Falou com um sorriso sacana.

Lucy: Você não cansa não? – Ele nega e me puxa, grudando nossos corpos.

Natsu: Eu passaria o dia todinho fodendo você e ainda teria energia para o outro dia. – Falou antes de segurar minhas coxas e me erguer do chão, me obrigando circular sua cintura com minhas pernas.

Lucy: Bom, vamos banhar então. – Ele sorri e depois me beija, enquanto me leva para o banheiro, lá dentro nós fizemos amor de novo e quando saímos de lá também. Bom, acho que nós passamos quase a noite toda transando.

Quando terminamos estávamos tão cansados que nem saímos para jantar, apenas dormimos nus sobre o que restou da nossa cama...

POV’S Lucy off.

POV’S Jasmim on:

Tédio... Super Tédio é o que estou sentindo agora. Céus! Não tem nada para fazer nesse esconderijo! E eu estou irritada para caramba. Estou tão irritada que mataria o primeiro que cruzar meu caminho...

Jasmim: Que grande merda! – Esbravejei socando a parede. As pessoas que passavam me encaram espantadas. – Querem algo? – Eles negaram e voltaram a andar. – Preciso de morango! – Sai correndo para a cozinha. Quando cheguei lá me deparei com o Syaoran.

Syaoran: Por que essa raiva toda? – Perguntou com um sorriso debochado.

Jasmim: Não fala nada Syaoran, por favor. – Pedi enquanto pegava os morangos na geladeira.

Syaoran: A TPM chegou? – Peguei uma faca que estava perto e lancei nele, mas o idiota é ágil e desviou. – Calma meu amor... – Falou se aproximando.

Jasmim: Não se aproxime! – Pedi irritada, mas ele não fez o que pedi ao contrário, ele se aproximou ainda e me pressionou contra a geladeira.

Syaoran: Adoro esse seu cheiro de jasmim misturado com morango. – Falou cheirando meu pescoço, me fazendo esquecer completamente porque eu estava irritada.

Jasmim: Me deixe quieta. – Pedi enquanto alguma de minhas linhas de raciocínio ainda funcionam, mas ele é persistente e não me largou.

Syaoran: Quero... – Ele não terminou de falar, pois acho que num momento de loucura eu o beijei, sim... Eu o beijei com vontade, eu precisava sentir seus lábios macios e sua língua também macia. Minhas mãos tinha a necessidade de sentir os fios macios de seu cabelo. – Você precisa descansar. – Falou após encerrar nosso beijo tão bom.

Jasmim: Eu sei, mas eu estou preocupada com o Aiko. – Ele sorriu e beijou minha testa.

Syaoran: Não se preocupe com aquele depravado, eu sinto que em breve ele terá alguém para cuidar dele. – Falou com um sorriso suspeito.  Me soltei dele e o encarei com uma sobrancelha erguida.

Jasmim: O que você está me escondendo? – Ele sorri e agarra minha cintura, colando meu corpo ao seu.

Syaoran: Nosso amigo pervertido está prestes a conhecer sua alma gêmea. – Falou a ultima parte de forma debochada.

Jasmim: Sério? – Ele sorriu e eu o beijei de tão alegre que fiquei.

Syaoran: Agora vá descansar. – Falou de forma séria e eu sorri.

Jasmim: Tá bom. – Dei um selinho nele e peguei meus morangos. – Fica comigo? – Ele me olha... me olha e depois sorri. Mas antes que nós sequer desse o primeiro passo o Happy apareceu na porta.

Happy: Teremos problema chefe... – Falou com sua típica expressão entediada. – Um dos homens fazendo sua ronda descobriu o esconderijo de uns Lobisomens rebeldes aqui perto. – O ar começou a ficar tenso.

Syaoran: Reforce a segurança e tente entrar em contato com o Aiko. – O azulado assentiu e desapareceu feito fumaça, literalmente!

Jasmim: Vai fazer seu trabalho... – Dei um selinho nele e me teletransportei para o meu quarto. – Oh! Meus amores. – Falei encarando meus morangos. Oh! Eles parecem ser tão gostosos. – Me deliciarei com vocês bebês... – Sorri antes de colocar um deles na boca e... Céus! Que maravilha! Como pode algo ser tão gostoso... Enquanto eu degustava meus morangos eu senti uma pontada na cabeça e então eu vi uma menina de cabelos negros ela estava brincando em meio as flores, mas aí um vampiro atacou ela e então os dois travaram uma briga intensa, em que ela saiu toda machucada, o vampiro tentou atacar ela, mas eu não consegui ver o final, pois tudo sumiu e só ficou a dor de cabeça. – Syaoran! – Eu sai atrás dele, mas não o encontrei. – Tenho que impedir que isso aconteça! – Me teletransporto para a floresta e a encontro e me surpreendi ao perceber que ela é um lobisomem. – Não creio! – Ela me encarou assustada. – Quem é você? – Perguntei sorrindo de forma gentil.

??? Sou Luna! – Falou sorrindo. – Se abaixa! – Ela gritou e eu me abaixei!

??? Não acredito que terei o prazer de matar uma lobisomem e uma subordinada do Mard Geer. – A voz grave dessa criatura me fez ficar arrepiada de medo.

Continua...


Notas Finais


Espero que tenham gostado.
Até o proximo.
Beijos.


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...