História The Orange of Your Locks - Capítulo 12


Escrita por: ~

Visualizações 754
Palavras 8.036
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Comédia, Crossover, Drama (Tragédia), Fantasia, Ficção, Fluffy, Lemon, Magia, Romance e Novela, Universo Alternativo, Yaoi
Avisos: Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas da Autora


AAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAHHHHHHHHHHHHHH
COMO VOCÊS ESTÃO HM?
Essa mudança acabou comigo, mas descobri algumas coisas...
como que um rodo não serve só para puxar água, mas para abrir o trinco da porta da cozinha pela janela kkkkk
foi uma ótima experiência, ri pakas kkk
nas notas final nos falamos mais..
Capitulo não revisado...
Bora ler...

Capítulo 12 - Emaranhados!



Os dias e noites em Sollar sempre foram presenteados por um clima ameno e confortável, por ser uma região litorânea ventava bastante - mais para uma brisa fresca - e as estrelas eram vistas com bastante nitidez pela falta de nuvens, os moradores de Sollar eram sortudos; tal beleza não podia ser vista com a mesma precisão nas demais regiões.  Aquele fim de tarde não seria diferente dos outros, um clima bom e morno sobre toda Sollar; pelo menos na maior parte dela.

  Naquela parte em questão o céu estava cinza e as nuvens carregadas e negras mostravam o clima frio que não era algo comum, sem aquele azul que o reino de Sollar tanto tinha e que trazia calmaria e alegria para os moradores daquela região litorânea, assim como os olhos de Jimin quando o feitiço fora jogado em si o céu estava opaco e com o furor de uma tempestade, aquele cenário montado por Hamin combinava perfeitamente com a situação em que o grupo se encontrava, aflitos e preocupados - para não se dizer com medo. Os ventos sopravam fortfeiticanda m de varias direções balançando com violência as folhas das diversas árvores, os tecidos leves das vestimentas e os fios de cabelo de ambos os alfas que se encaravam e se enfrentavam, golpes atrás de golpes com suas espadas em mãos com olhares que poderiam matar qualquer um que atravessasse sua trajetória, mas a fúria em si estava focada somente aquele bem à frente. Namjoon estava se saindo muito bem, porém Lucca não ficava para trás, seus movimentos sempre certeiros e velozes certas vezes dificultavam a defesa do platinado.  O alfa mais novo a cada investida para cima do outro demonstrava seu ódio e sede de vingança, não teria pena do homem que lhe tirou o irmão mais velho, não agora que estava prestes a ter sua vingança por telo perdido, usaria toda sua força e agilidade para tal feito. Lucca, diferente de seu irmão, podia usar magia e usou dessa vantagem para fazer toda a extensão laminada de sua espada ser revestida por chamas tendo um par de olhos avermelhados encarando a espada com certa surpresa.

- Wow! – Namjoon se afastou a uma distancia segura das chamas.

- Porque se afastou? – sorriu          – Não gosta de brincar com fogo, Kim Namjoon? – balançava a espada no ar com movimentos rápidos misturados ao som do contado do fio com o vento feroz.  O platinado trincou o maxilar, mas logo suavizou sua expressão com um leve sorriso.

- Ao contrário Lucca – de sua boca um divertimento e ironia deslizaram direcionados ao mais novo junto de um olhar totalmente desafiador         – Eu sou ótimo com fogo!

  Seus passos ágeis em direção ao mais novo que se alertou quase não podiam ser ouvidos, cautela foi o que Namjoon mais aprendeu em seus dias de servidão quando mais jovem - uma época que não tão distante. Ambas as espadas se chocaram em um alto som metálico causando um sorriso nos rostos dos alfas, a força requerida nas guardas pesava ora em Namjoon, ora em Lucca, o peso estavam sendo suportados por seus pés de apoio, que aos poucos começaram a tremer por não aguentarem mais segurar, os fios cruzados em forma de uma tesoura se desencostaram por um impulso desferido pelo platinado fazendo os dois se afastarem com suas respirações descompassadas e ainda com seus olhares chamuscando de raiva pelo outro.  Um silencio se iniciou, preenchido pelos olhares que poderiam criar raios direcionados bem na cabeça do individuo a frente, um curto tempo que ambos permitiram inconscientemente para que suas respirações voltassem ao normal. Assim que a meta deste curto ato fora alcançada o mais novo resolveu quebra-la, encarou o alfa mais velho com mais afinco, pois não haviam desviados nem por um segundo, analisando cada movimento do adversário.

- Você sabe o que é perder alguém que era seu porto seguro, Kim Namjoon? Eu sei. – se colocava novamente em posição de ataque               – E sabe o que me deixa mais puto? O fato de eu estar frente a frente à pessoa que me tirou. – rosnou para o mais velho.

- Era o meu trabalho e seu irmão estava o dificultando, meu objetivo em momento nenhum era tirar a vida dele...

- Todos dizem isso...

- Seu irmão tinha em mãos a espada de sangue, a que era para eu levar de volta, a espada é perigosa...

- Eu sei disso tudo – gritou             – Eu não me importo – baixou o olhar             – Mas de uma coisa eu sei; que você não tinha o direito de tirar a vida dele – mordeu os lábios e apontou a lamina para o outro               – Sabe Kim Namjoon, assim como a vida dele foi tirada, a sua vida será por mim.  Hoje. – o som das laminas novamente se chocando contra a outra fora ouvido e o calor das chamas próximo ao rosto foi sentido pelo alfa platinado causando-lhe um leve ardor.

- O que você pretende com tudo isso? Sua vingança não é voltada a mim? Por quer envolver tantas pessoas assim? – se afastou ao levar um chute na altura do abdômen.

- Como eu lhe disse todas as nossas escolhas são acompanhadas de suas consequências. Foi bem difícil achar o ruivinho, você acredita que ele é o único ômega puro dentre todos que habitam os quatro reinos? tsc, tsc. Mas mesmo com tudo que aconteceu tivemos sorte, pois minha mãe conhece o rei de Sollar, justamente onde o ômega que nós procurávamos morava. – seu tom era alegre                   – Mesmo sendo mais novo eu sabia que Hoseok era um príncipe mimado, mas não sabia que o rei era um salafrário e que traía a esposa , porem não me importo, foi dessa imprudência que foi concebido meu beta – olhou de relance para o loiro desacordado              – Nós não sabíamos se o ômega era do sexo masculino ou feminino, mas assim que aquele beta estranho falou do ômega que tinha os fios laranja eu soube que era ele, ômegas puros possuem características que os diferem dos outros, o cheiro, a cor dos olhos, a inocência e a determinação, subornei o tal beta e ele levou um presente para o príncipe, então nós só precisávamos esperar, seria poupado bastante trabalho de nossa parte. Mas então ele fugiu, O OMEGA FUGIU – sorriu massageando a têmpora          – E tudo saiu do nosso controle.... PORÉM, ele me levou até você, há coisa melhor do que isso, Kim Namjoon? – gargalhou abrindo os braços.

- Sabe o que eu acho? Que meu nome saindo dessa sua boca suja não combina nem um pouco, e isso está me dando nos nervos. – respirando fundo pôs a mão na cintura fitando o céu escuro, mas que não deixava o ambiente um breu total. Apesar de lá fora estar à noite, dentro daquela bolha estava claro como em um por do sol.

- Você tem um senso de humor deplo...rável – cortou o ar com a espada lançando uma bola de fogo que acertou o braço do alfa por não conseguir desviar pela sua alta velocidade. O mais velho grunhiu pelo ferimento e ouviu um ruído olhando para onde veio arregalando os olhos por ver que o murmúrio foi proferido pelo beta que mesmo inconsciente sentiu a dor do ferimento. Agora estava sentindo a dor, porém o beta ainda a sentia na mesma proporção.

   Não fazia sentido, tinha certeza de que havia encontrado a pessoa ligada a si, não seria coincidência demais.

“Tudo isso só acabará quando aquele com cheiro de mel você encontrar.”

 Por que o beta ainda sentia suas dores? Tinha alguma coisa a mais que havia perdido de vista?

 Resolveu recapitular alguns dos acontecimentos.

  Matou alguém...

 Descobriu que a mãe desse alguém era uma feiticeira maluca.

A mesma lhe jogou uma maldição, e consequentemente na pessoa a quem estava ligado.

 A pessoa a qual descobriu á minutos atrás que poderia ser Jin, um beta com cheiro doce de mel. Justo o cheiro que ficara dois anos procurando com a ajuda de seus amigos.

Coincidência? Porra nenhuma.

Então porque a tal maldição ainda não havia sido quebrada?

 

- Droga! – nessa disputa teria que ter cuidado ou Jin também sofreria. Voltaria a ter o cuidado que teve nos últimos dois anos por alguém que não conhecia, mas que já zelava pelo seu bem estar. Só que agora havia algo diferente. Ele sabia quem era esse alguém. Seu desempenho seria voltado novamente à defesa. Tudo pelo beta.

      O mais novo percebendo que a cada brecha entre tantos golpes o mais velho desviava seus olhos para o beta deitado sob a árvore, resolveu usa-lo a seu favor, desestruturar o alfa seria algo fácil, ato totalmente covarde, mas que seria a cara do alfa moreno. Era uma pena, deve ressaltar aqui, na mente de Lucca, capitulando, na mente psicótica do alfa moreno, ter gostado tanto do beta e o querer leva-lo consigo, havia achado o beta tão interessante, cheio de voz e que enfrentava qualquer um mesmo que a situação não estivesse favorável a ele, mas viu que não poderia ter o que tanto foi atrás, a sua tão esperada vingança se deixasse ser levado pelo desejo carnal e se convenceu de que Seokjin morreria naquele dia junto ao alfa platinado. Sim, Lucca tinha completa consciência da maldição que sua mãe havia jogado sobre o alfa - coisa que não escondeu para o beta após toma-lo para si, mas Jin estava com tanto pavor que não entendeu nenhuma sílaba do que fora proferida por aquela boca imunda - e consequentemente sobre Seokjin, pois o beta, como já estava óbvio para muitos, era quem estava ligado ao alfa pelo destino.

- O que tanto olha para o meu beta, Kim Namjoon? – cada vez que o moreno falava, fazia questão de falar o nome completo do alfa carregado de desprezo, o que fazia a paciência do platinado se esvair aos poucos e proferir um “que saco” enquanto tentava não perder o controle       – Não acho que você tenha esse direito!

Namjoon franziu e sorriu negando com a cabeça.

- Seu? Acho que nós, mais do que qualquer um aqui – olhou para ambos os lados mostrando que eram os únicos naquele local acima da cachoeira esbanjando sua ironia                    – Sabemos muito bem que ele não é nada seu, Lucca. – fez uso da mesma artimanha que o mais novo.

- Tem certeza? Pois acho que minhas marcas dirão’ o contrário. – seu sorriso aumentou de tamanho quando Namjoon o olhou confuso mostrando que sua ideia havia dado certo.

- Como? – o alfa fechou os olhos por dois segundos inclinando de leve a cabeça para esquerda fechando as mãos em punhos, seus dedos se tornado brancos. O modo que o mundo estava era quase impossível não pensar em coisas ruins, ainda mais vindo do mais novo que em momento algum deixou seu olhar repleto de maldade fraquejar ou que seu veneno parasse de escorrer, Namjoon jurava que tudo naquele alfinha filho de uma puta poderia contaminar qualquer um que entrasse em contato com o mesmo, e ao ouvir aquelas palavras saírem – diga-se pingarem como o veneno da boca do mais novo, sua mente desenvolvia sem freio e muito menos sem sua autorização, várias situações em que o moreno havia deixado marcas.

- Ainda duvida? Pode checar. – sorriu largo jogando sua espada no chão em sinal de que não atacaria por hora, a mesma que ao se chocar com os pedregulhos daquela terra árida teve sua chama apagada.

   Namjoon não soltou a sua espada, ainda com ela em mãos andou em direção ao beta, pegou a mão checando o pulso deste e vendo que estava regulada apesar da respiração descompassada, provavelmente da dor que ambos sentiam, engolindo em seco segurou a barra da camisa cinza que Jin usava e a ergueu tendo a visão das tais marcas que Lucca havia dito, com seu coração acelerado deslizou suas mãos sobre duas delas tendo completa ciência de que eram recentes, abaixou a blusa novamente e as afastou sorrindo incrédulo, não precisava ser um gênio para saber de que modo Lucca havia feito aquelas marcas, e era essa possibilidade o que mais estava revelando o lado negro do alfa de Namjoon, sua respiração se tornou tão forte e pesada que facilmente se sobressaísse ao canto de um pássaro, se os mesmos pudessem ser ouvidos dentro daquela bolha cinza preparada pela feiticeira, havia sim animais ali dentro, mas todos foram pegos pela névoa, a que os acolheram como um cobertor os levando para a inconsciência, mas não morte. Seu sangue ferveu e suas veias saltaram, deixando-as a mostra do seu pescoço aos seus pés, em toda sua derme estavam evidenciadas linhas sinuosas e esverdeadas como se tivessem sido pintadas por cima daquela camada fina e com pelinhos claros levemente arrepiados, fechou os olhos e fez uma junção da personalidade de Jin e de Lucca - o que para si fora uma eternidade repleta de agonia para o mais novo durou cerca de cinco segundos - e supôs que o alfa com certeza havia mesmo tomado o beta contra sua vontade; tanto pelo jeitinho alegre do loiro e pelo nível das marcas. Fitou o alfa sobre o ombro, um dos seus joelhos no chão e o outro levemente flexionado evidenciando seus músculos pela calça de lavagem escura, próximo ao corpo desacordado e sua mão acarinhando o rosto de bochechas ruborizadas enquanto a outra apertava a guarda de sua espada com uma força descomunal. Seus ombros tencionaram quando ouviu a ultima voz que queria ouvir entre outros bilhares no mundo.

- O tomei para mim a dois dias, e quer saber? Ele é ótimo – afirmou a ultima parte de forma sussurrada para provocar         – Sabia que não fui o seu primeiro? Seokjin, cheio de segredos e surpresas. – brincou enquanto pegava sua espada do chão.

- Cale esta sua boca imunda. – ordenou em um quase rosnado.

O mais novo não obedeceu e continuou a falar, diga-se jorrar seu veneno.

- Eu vou leva-los comigo e você não vai poder fazer nada, Kim Namjoon...

   Namjoon riu por ouvir seu nome saindo novamente daquela boca, a mesma que queria costurar para que nunca mais pudesse sair nenhuma palavra sequer daquele buraco de minhoca e na merda que o mais novo estava falando, se ele achava que o deixando a par de sua atrocidade para com o beta lhe daria alguma vantagem, estava muito enganado,  pois se Lucca não sabia, saberia agora, acabara de acordar uma fera a muito tempo adormecida. Apoiou a ponta de sua espada no chão e se levantou ainda de costas para o alfa mais novo, olhou para cima fechando seus olhos e gargalhou, de raiva, fúria, Lucca havia conseguido o que queria, mas o completo contrário, após seu surto de risos o semblante de Namjoon se fechou, o clima pesando, algo maligno e acusador pairando sobre o alfa, aos poucos um sorriso ladino se formou em sua face, estralou o pescoço se virando, encarando com seus olhos chamuscados como fogo em um vermelho brilhante, este que poderia consumir o mais novo ali mesmo.

- Você... – intercalou seu olhar do alfa para sua espada sem tirar o sorriso do rosto, ofegou em expectativa e fez uma pausa para arregaçar as mangas enquanto sua aura se tornava avermelhada assim como seus olhos causando certo arrepio no outro alfa, apontou o fio da espada para o mais novo fechando um dos olhos e encostando de forma calma seu queixo em seu cotovelo como se estivesse mirando o outro, com a leve inclinação seu cabelo também acometeu a fazer o mesmo movimento deixando parte de sua franja cair sobre seu olho esquerdo, fazendo-o até num momento como aquele ficar com um ar charmoso.  A pedra escarlate que lhe tinha na guarda prateada estava na mesma intensidade do mesmo brilho que tomava tanto seu corpo quanto seus os olhos         – Vai morrer!

  Lucca sorriu com sua espada agora coberta por uma fumaça negra que saía da sua guarda.

- Vai me matar? Como matou meu irmão? – gargalhou sendo acompanhado pelo outro no ato.

  Namjoon parou de sorrir e encarou o mais novo com sua expressão fechada.

- Não – seu rosto expressava todo seu desgosto com o outro         – Agora eu tenho um motivo para lhe matar. – depositou parte de sua força na espada movimentando-a para trás e com rapidez a lançou para frente cortando o ar que formou uma grande rajada de vento se locomovendo a km, cortando tudo a sua frente e abrindo uma cratera por onde passava, o mais novo que não conseguiu desviar fora atingido de raspão na lateral de seu tronco, abrindo um corte diagonal que escorria seu sangue, o mais velho não deixaria brecha para o outro e correria em sua direção pra lhe golpear pela segunda vez se um grande brilho vindo do pé da cachoeira não tivesse chamado à atenção de ambos, Namjoon olhou para baixo e viu o ômega ruivo ser cercado por um brilho e Jungkook correndo em sua direção, Lucca que estava próximo também observando a cena levantou a espada mesmo ferido dizendo que o mais novo não atrapalharia e cravou-lhe a espada no chão fazendo com que raízes negras crescessem e fossem em alta velocidade ondulando por fora e por dentro da terra como serpentes rastejando na direção de Jungkook e o segurando a dois metros de onde o ômega estava. Namjoon olhou para onde a espada estava cravada e desferiu um golpe fazendo-a voar para longe, mas as raízes não se desfizeram, continuaram intactas e ainda segurando o alfa que se debatia tentando se soltar fazendo os espinhos que continha em toda sua extensão lhe cortarem a pele.

- Desgraçado! – se apressou ao mais novo, porém perdeu o equilíbrio quando uma das raízes agarrou seu pé causando alguns cortes pelo espinho, tentou se soltar, ato que só fez aumentar-se o aperto, ou seja, de nada adiantava. Visualizou a silhueta de Lucca correr até sua própria espada enquanto friccionava seu ferimento.

- Ser portador de magia às vezes é bem vantajoso – andava em direção ao alfa que tentava se soltar        – Foi muito bom ter Seokjin, é uma pena que ele vá junto contigo. – suspirou pesadamente em falsa angustia e Namjoon travou o maxilar alcançando novamente sua espada que já havia se apagado          – Mas vocês se verão, pra onde quer que você vá... – levantou a espada com ambas as mãos e a soltou em cima do alfa         – Ele vai TAMBEM.... – e o golpe fora desferido.

 

 

- Tem certeza?

 

 

   Por um momento o alfa achou que o vento havia parado de soprar, pois todo o ar que tinha abandonou seus pulmões de forma violenta.

 

   Sim, o golpe fora desferido, mas não por Lucca e sim por Hoseok - que com sua camada de pele suja de sangue que não sabia se era seu ou do alfa que enfrentara mais sedo - apareceu atrás do alfa lhe cravando a espada sem dó nem piedade que atravessou o peito pelas costas, ah Hoseok havia escutado a confissão do alfa mais novo, mas estava desnorteado demais para ter alguma ação imediata, sendo que quando se viu livre da tontura e náusea se colocou a defender seu irmão, sabia que aquele alfa não era de confiança desde que o viu só por sentir o veneno escorrer lhe a boca quando o mesmo dizia palavras de maldade e com um sorriso de criança.

 Seus olhos estavam fixados ao nada, qualquer ponto poderia ser definido como seu foco naquele momento, o sangue que escorria do fio pingava no chão deixando círculos vermelhos de derivadas proporções por onde caíam, antes de conseguir olhar para quem havia lhe desferido o golpe, Lucca recebeu outro, agora de sua frente, arregalou os olhos sentindo a dor cortante da lamina em contato com sua carne pela segunda vez, segurou a lamina com a mão que não segurava a espada logo a soltando para concluir o mesmo ato com a outra agora livre enxergando Namjoon com um dos joelhos flexionados e segurando com ambas as mãos a guarda de sua espada cravada no seu peito e com a cabeça levemente abaixada deixando que sua franja caísse toda para frente tapando seus olhos vermelhos e brilhantes, o mesmo ergueu a cabeça e lentamente se levantou encarando o alfa olho no olho, por um momento Lucca estremeceu, porém já era tarde, sua vida já lhe deixava o corpo ao poucos; seu saco de pele, osso e excrementos ficava cada vez mais mole e descartável.

- Você nunca mais vai encostar um dedo nele e em mais ninguém. – rodou a lamina abaixo do peito do alfa vendo seus olhos revirarem e seu sangue escorrer por entre seus lábios trilhando um caminho carmim do queixo ao pescoço, ambos - Hoseok e Namjoon retiraram suas laminas e o corpo do jovem alfa caiu no chão já com sua vida esvaída. A raiz se desfez aos pés do platinado.

    Olharam-se, limparam as laminas e as guardaram.

- Onde estava? – perguntou ao moreno enquanto limpava o suor da testa com as costas da mão.

- Só tenho uma coisa pra dizer... Aquela névoa é uma desgraça na vida da gente.

 Começaram a andar para onde o loiro estava despertando quando se ouviu um som estridente de um trovão seguido de um leve tremor capaz de despertar a preocupação nos alfas, elevaram seus olhares para o céu, a bolha em que Hamin criou estava criando algumas rachaduras na estrutura, se entreolharam assustados e correram.

 

 

•°•°•🌸•°•°•


 

 Ninguém nunca pensa que é possível se apegar a alguém ou a algo tão rápido, mas quando acontece são tantas coisas que mudam de concepção, a maneira de pensar, de agir, de ver as coisas. Jungkook nunca achou que fosse se apegar a alguém como era com a sua mãe, convenha-se, era sua mãe, mas quando aquele ômega atrevido de fios laranja apareceu com o seu cheirinho de flor de cerejeira e com seus olhos que se tornavam duas meias lua quando sorria o Jeon percebeu que algo estava pra mudar, seu coração bateu tão acelerado ao sentir o calor e o toque da mãozinha em seu rosto naquele dia, mesmo com sua pequena implicância com pessoas desconhecidas o ruivinho conseguiu um cantinho em seu peito e em seus pensamentos. Aquele ser tão forte e ao mesmo tempo tão frágil ganhou o coração do impulsivo Jeon Jungkook. E em tão pouco tempo. Algumas pessoas fazem praticamente de tudo para não se apegarem, com a desculpa de que um dia seria livre de algum suposto sofrimento no futuro, Jungkook não pensou nessa possibilidade quando decidiu que iria em frente com a vontade de seu lobo - a qual se tornou a sua vontade também.  Ele iria proteger aquele ômega, o seu ômega. Mas ali, ao pé daquela cachoeira, Jungkook não tinha mais certeza de que conseguiria proteger o ômega, o pensamento de querer o guardar em um potinho não caia mais bem para si, eram só... momentos oportunos na sua mente, algo pejorativo. Qual a conjugação de proteção?  Seja qual for ela Jungkook não conseguiria exercer, pois como alfa estava se sentindo fraco e inútil, seu coração estava machucado e a cada vez doía mais ao enxergar dentro daqueles orbes negros e sem brilho que seu pequeno estava sofrendo, sim, seu pequeno, seu lobo escolhera o ômega e ele se apaixonou pelo mesmo, e não abriria mão da companhia dele e seguiria com aquela decisão, mesmo naquele momento que era surrado pelo de fios agora negros. Quando Jimin o contou a historia de sua “fuga“ para Lunna, Jungkook nunca pensou que aquela simples situação que demonstrava ser somente egoísmo de um príncipe mimado, podia ganhar proporções tão exageradas como já havia ganhado. Jimin o deixou e mesmo que seu lado fraco dissesse para deixar e que nunca conseguiria livrar o pequeno daquela agonia, o alfa rosnava dentro de si a cada vez que aqueles pensamentos lhe arrematavam a mente, queria e iria trazer o seu ômega de volta, ômega esse que desferia golpes atrás de golpes no alfa que somente se defendia, o vento estava com a ferocidade reduzida, porem era mais úmido e frio, o clima ao pé da cachoeira era totalmente diferente do inicio da queda de suas águas cristalinas, consequentemente mais escuro.

  Seus braços latejavam de tanto que os usava para se defender, Jimin não dava brechas, ora usava os punhos outrora os pés. Jungkook tentava fazer o ômega acordar, mas todas suas tentativas até aquele momento tinham sido  todas sem sucesso.

- Jimin... Por favor... Me ouça. – derrubou o ômega no chão e subiu em cima deste com as pernas em torno de seu quadril, segurou seus pulsos com força que fez Jimin grunhir e o alfa se preocupar, havia o machucado, mas era necessário, o menor se debatia sob o alfa                      – Jimin, JIMIN – teve sua atenção                – Volta, eu preciso de você, você não é assim, não quer me machucar. Não aceito que se deixe ser derrotado dessa maneira, você é forte.

- Argh! – aumentou o aperto, o ômega parou o olhando por seis segundos, mas logo passou uma de suas pernas por baixo do corpo maior que si e chutou o alfa para longe, se levantando na mesma hora            – Ahh!!! – abaixou a cabeça com as mãos em sua lateral pressionando o local, falhando em seus passos e quase indo ao chão de novo, o alfa se aproximou, no entanto parou quando o ômega ergueu a cabeça com seus olhos encharcados de lágrimas negras que escorriam por seu rosto deixando o caminho de tristeza e desespero, o vento carregado de gotículas minúsculas da água que caiam ao pé da queda d’água molhava a tez leitosa do ômega que dava grandes lufadas, com os fios negros da franja molhada colados em seu rosto Jimin olhou bem nos olhos do moreno e Jungkook viu o que já sabia; o ômega estava sofrendo, o mesmo abria a boca e a fechava sem formar uma sílaba sequer enquanto seu peito subia e descia com rapidez.

- Jimin? – falhou na voz, a fala embargada fora jogada ao vento em total suplica que o mesmo levasse sua dor até os ouvidos do ômega, andou novamente em direção ao ômega que havia desviado seu olhar e lamuriava baixinho, por consequência de ouvir os passos nas pedras soltas abaixo dos pés alheios olhou para o alfa mostrando novamente sua falta de expressão, algo que causava dor em qualquer um que o encarasse olho no olho        – Jimi... – foi interrompido pelo ômega que pulou sobre si o derrubando no chão e arranhando suas costas com os pedregulhos abaixo de si, os ferimentos arrancaram-lhe um gemido de dor, agora com a posição anterior invertida as pequenas mãos em seu pescoço fazendo pressão lhe causavam falta de ar; a força do ômega estava quase igualada a do alfa.

 Jungkook estava em um dilema, sua defesa estava fraca, limitado por si próprio, se usasse sua força contra o ômega para se defender sem dúvidas o machucaria, de uma forma ou de outra, ambos sairiam machucados e no caso do ruivo já estava bem machucado, não fisicamente como o alfa já estava bem revestido por manchas roxas por seu corpo, mas temia pelo psicológico do ômega, algo que poderia desmoronar tão facilmente, o alfa via isso nos olhinhos opacos que mesmo com tanta violência não desviavam dos seus e que estavam carregados de vários sentimentos em falho contraste com sua expressão facial.  Os pelos do alfa estavam arrepiados pelo fato de estar com medo e também de estar sem roupas, pois se rasgaram no momento em se transformou. Estava tão preocupado com o ômega que se esquecera de sua nudez. A visão que estava tendo era tão bela, se não fosse a situação em que se encontrava, beijaria o ômega ali mesmo. Por um momento sua mente lhe enviou ao dia que mostrou o campus para o ômega e o mostrou uma parte que poucos em sua vida receberam a dadiva de conhecer, podia se contar nos dedos as pessoas que o moreno colocaria sua mão no fogo, o ruivinho fora a pessoa que conseguiu todos esses feitos e estava naquela situação, era até um pouquinho cômico, quando encontrou o ruivo e o afrontou cheio de sua prepotência se alguém lhe falasse que estaria lutando por ele, riria da cara deste alguém, mas naquele momento estava ali, sendo estrangulado pelas mãozinhas e com um singelo sorriso no rosto, levou uma mão ao rosto pálido do ômega enquanto a destra segurava as mãos em seu pescoço, naquele momento algo aqueceu seu coração ao meio daquele caos, proteger alguém vai muito além, proteger alguém não quer dizer que você irá livra-la de suas dores ou que você vá se livrar da sua, mas sim o fato de estar ali quando ela precisar de você. Passou o polegar sobre o caminho úmido limpando uma das lágrimas que caíra; ato que fez o ômega se assustar e por consequência afrouxar o aperto das mãos, uma brecha que ate então o alfa estava a espera, firmou a mãos entre as suas e deu um leve empurrão no corpo menor que o seu, se levantou mais rápido que o outro em andou em direção a ele, porém quando achava que estava tendo algum progresso e a um metro do pequeno com um leve arranhão no braço algo lhe chamou atenção.

- Cansei de brincar!

 A voz da mulher agrediu  atingindo acompanhada de um vento forte que lançou o alfa para longe do pequeno que arregalou os olhos por alguns segundos pelo modo que o outro foi afastado de si. Jungkook fora arrastado para próximo à margem do rio, terra e pedregulhos voando por cima de si, seu corpo fora usado para criar um longo caminho de dez metros cavados no chão, sua dor e ferimentos foram intensificados, se praguejando forçou seus olhos a se abrirem e conseguiu visualizar Hamin a conversar com o pequeno e lhe entregar uma rosa branca, antes de seus olhos se fecharem novamente.

 

 

 Taehyung e Yoongi e chegaram ao local em que os outros estavam e quando viram a cena, um Jungkook muito machucado e aparentemente desacordado o ômega se alertou, puxou o arco do alfa e lhe entregou com um olhar que já dizia toda sua intenção com aquele ato, ver o ômega ruivo que não era mais ruivo conversando com aquela mulher enquanto o alfa estava praticamente desmaiado lhe doeu o peito. As mentes de todos estavam cheias de coisas mal resolvidas, tudo estava em um emaranhado de pensamentos, todos distorcidos e confusos, estava difícil por alguma coisa no lugar, tal situação levava-os a ter atitudes estipuladas pelo impulso e instinto.

- Acerta aquela mulher. – disse com ódio.

- Não dá, eu posso acertar o Jimin assim.

 Mas não podiam esperar, tinha que ser naquele momento enquanto a feiticeira estava distraída com o ômega; parecia que a mesma estava lhe explicava algo. Yoongi viu que eles estavam perdendo tempo, a adrenalina de que tudo podia dar errado lhe acometendo o peito novamente, com o alfa mais novo daquele jeito aquela era a única maneira de conseguirem alguma vantagem sobre aquela mulher. O alfa mirava com cautela onde a acertaria, o pequeno estava de costa para eles bem a frente da mulher, quando viu o ômega assentir e dar um passo para trás para se afastar Yoongi travou, o sangue lhe subiu a cabeça e suas mãos tremeram o fazendo ter uma ação mal pensada e desesperada.

- TAE, ATIRA!

 Gritou entre pulmões e pôde ouvir o som da flecha sendo lançada, a mesma fora tão rápida acertando a mulher no ombro direito lhe rendendo uma dor aguda e um praguejar, o ômega olhou para trás assustado, a flecha passara próximo de sua cabeça, tão perto que a sentiu passar e balançar alguns fios em que encostara. A mulher disse para que o de fios negros continuasse e olhou para ambos próximos a uma enorme arvore, retirou a flecha de seu ombro e a quebrou, Yoongi deu dois passos quando fora surpreendido pelo mesmo golpe que havia derrubado o alfa mais novo, Taehyung correu ao seu encalço e lhe segurou recebendo o impacto de suas costas contra a árvore, desnorteado por alguns segundos ouviu lamurias atrás de si e se virou vendo o alfa com uma careta de dor.

- Tae! – se apressou em ficar de frente para o alfa que respirava com dificuldade, pôs uma das mãos na altura do abdômen e o outro gritou.

- Não, deixa, está doendo. – sua face se contorcia, mas estava aguentando.

- Vai ficar tudo bem. – segurou o rosto bronzeado do alfa entre as suas mãos           – Céus, o que eu faço? – negava com a cabeça e um forte brilho atrás de si lhe tirou a atenção do alfa para o que estava acontecendo.

  Jimin estava sentado sobre um circulo com desenhos desconhecidos e ao seu lado estava outro circulo com uma coisa, um corpo, o circulo brilhava criando uma barreira ao redor do ômega e o brilho era intenso e iluminava toda a extensão daquela bolha nublada, o loiro tentou levantar assim que viu o alfa mais novo também se levantar correndo até onde o ômega estava, porém fora impedido pela mão do castanho.

- Não vá, fique aqui, não podemos fazer mais nada... Argh! – o ômega deu um salto e voltou a abaixar, se aconchegou no meio das pernas do alfa e encarou aqueles orbes que até momentos atrás estavam com um brilho âmbar magnifico e encaixou seu rosto no pescoço deste. Seu peito estava doendo, muito, um afago foi iniciado em seu cabelo fazendo-o fechar os olhos com um rostinho choroso             – Jungkook saberá o que fazer, eu sinto. – deixou um selar nos fios loiros.

 

 

 

Jungkook corria para onde o ômega estava, seu peito ardia pela falta de ar e esforço extremo, nem sentia mais as dores, sua atenção estava voltada somente ao ser pequeno dentro daquele circulo, estava extasiado.  A dois metros do circulo brilhante se assustou quando raízes espinhosas surgiram sob seus pés e lhe rodearam, não era possível que a cada vez que dava um passo para frente regressava dois para trás, somente a dois metros, dois fodidos metros e novamente fora parado, tentava sair do aperto porem a cada movimento os espinhos lhe cravavam a pele aumentando a gravidade de seus ferimentos.

  Seu desespero chegou ao extremo quando o ser dentro do circulo fechou os olhos e se deixou cair desacordado.

  Ao ver o corpo pequeno levitando enquanto era envolvido pela luz que saia dos desenhos desconhecidos, Jungkook gritava e lançava palavras ao léu. O sangue que escorria dos cortes posicionados em cada ponto daqueles diversos espinhos escorria por sua derme lhe manchando com sua dor, o corpo envolvido por uma luz avermelhada ao lado de Jimin também fora erguido por uma força maior.  A mulher que podia ser vista estava com as mãos erguidas e proferia palavras desconexas em outra língua.

  O alfa estava aceitando seu destino - o qual não teria a capacidade de proteger ninguém que fosse importante para si, Jimin estava novamente escorregando por entre seus dedos - quando um brilho que transcendia o do circulo, se formou num ponto abaixo do peito do ômega, feixes de luz de várias cores como num prisma ao ser banhando pela luz do sol se encostavam uns nos outros formando uma nova cor, e desse brilho aos poucos foi possível ser vista a imagem de um lobo, esse que na medida em que as cores saiam do ômega se encontravam com o tronco do pequeno lobo e formavam seu corpo.  Jungkook estava tão surpreso que nem viu o momento que foi liberto daqueles espinhos, só percebeu quando suas pernas não aguentaram seu peso o fazendo despencar, mesmo caindo com os joelhos naquela terra o alfa não desviou os olhos daquela imagem maravilhosa, o pequeno lobo brilhante desceu e andou em passos curtos e cautelosos em sua direção, seu brilho intercalava nas diversas cores do arco íris, todas em um tom que trazia calma, o alfa apoiou seu peso em uma de suas pernas e mesmo hesitante estendeu sua mão para o animal que a cada vez mais se aproximava, o lobinho abaixou o focinho na destra do alfa e no mesmo instante uma corrente elétrica tomou conta do corpo forte e suas veias tomaram uma coloração dourada que corria da mão encostada ao focinho alheio, indo até os pés e voltando fazendo seus olhos também ficarem por um curto período de tempo da mesma cor, seus ferimentos instantaneamente se curaram e suas forças foram totalmente recuperadas como se houvesse tido uma boa noite de sono, o lobinho afundou mais a face em um leve carinho e começou a desintegrar-se se comprimindo a um só brilho dourado do tamanho de uma palma.  Jungkook olhou para seu corpo nu e viu que não estava mais com aqueles tantos ferimentos e muito menos tinha cicatrizes mostrando que algum dia já os tivera, olhou surpreso para o ponto dourado que pairava a sua frente como um beija flor.

- Foi você... – tentava afirmar para si mesmo que aquilo era real e que aquele pontinho que há segundos atrás era um lobinho lindo e brilhante havia mesmo lhe curado as feridas, um vento forte quase afastou aquele brilhinho de perto do alfa que no mesmo instante saltou e segurou a bolinha dourada em seus braços, Jungkook podia jurar que sentiu o cheiro de Jimin vindo daquele ponto de luz. Percebeu também que ele tinha um calor próprio; seu peito novamente se aqueceu, aquele calorzinho era deveras aconchegante.

 Um grito lhe tirou daquele torpor de segundos, a voz estridente da mulher que estava com a posse de seu ômega, a mesma parecia estar com dor e olhava constantemente para o início da cachoeira onde havia se separado de seus amigos, o que poderia ter acontecido? Jungkook queria saber, porém viu aquele momento como uma brecha, aconchegou o brilho cheirosinho em seu pescoço  e pegou novamente sua espada andando até a mulher que estava tão mergulhada em sua suposta dor que não viu o jovem se aproximar, na mente de Jungkook não passava nada, estava em branco, seu instinto estava no comando.

   Com seus olhos chamuscando em um azul brilhante e com movimentos rápidos fez dois cortes um nas costas e um na barriga da feiticeira que se afastou com seu sangue escorrendo, o que estava difícil enxergar pelas suas vestes negras. Não esperou a mulher fazer algo ou jogar-lhe suas palavras de ofensa, com a mesma chama e tranquilidade andou até o ômega que ao poucos tinha seu corpo descendo e segurou o corpo molinho em seus braços, Yoongi que mesmo junto ao alfa, havia visto tudo, mas não podia deixar seu alfa ferido, correu em direção ao moreno abaixando ao seu lado.

- O que foi aquilo? – apoiou uma das mãos no ombro do alfa e a outra nos fios negros do ômega desacordado.

- Eu não sei. – sua voz seca coincidia com o cuidado em que segurava o ômega em seus braços.

 Olharam para a mulher que gritava a plenos pulmões que voltaria e mataria a todos enquanto entrava em um buraco que abriu no chão junto ao que abriu também onde o corpo que estava ao lado de Jimin e sumiu, assim como havia sumido na época em que Namjoon tirara a vida do seu primeiro filho – e agora tirara do seu segundo.

  Assim que a mulher sumiu um som alto de trovão fora ouvido, ambos olharam para cima e viram o céu cinza começar a criar rachaduras.

- Vamos sair daqui.

 O alfa segurou o corpo mole e o firmou em seu peito com o rosto quase deitado em seu ombro e saíram, andaram até o alfa castanho e Yoongi o ajudou a levantar, Taehyung não estava com nenhum ferimento aberto, mas o impacto das suas costas com o tronco daquela velha árvore lhe renderam algumas escoriações, com um bom descanso e uma boa pomada feita pelo seu ômega estaria novinho em folha e de volta à ativa.

  Por estarem abaixo da cachoeira tiveram que dar uma pequena volta, e na metade do caminho se encontraram os outros Hoseok estava com uma calça folgada com um tecido confortável de algodão da cor preta e estava com algumas manchas de sangue que foram malmente limpas, Namjoon pegou o ômega e estendeu a mochila para o mais novo que tirou uma calça igual a que Hoseok estava, se vestindo também, pegou novamente o ômega em seus braços e todos foram andando apressados na medida do possível, o beta estava grudado no alfa platinado e Hoseok ajudava Yoongi a carregar o alfa castanho.  O céu ainda tinha várias rachaduras que continuavam a se estender e mostrar brechas escuras mostrando que lá fora já estava bem escuro. Todos se viram presos ainda naquela bolha.

- Se protejam.

 Namjoon pegou sua espada e colocou sua força na mesma que tinha sua joia escarlate brilhando, abraçou seu tronco com a destra encostando a guarda em seu outro braço, mirou sua atenção para cima e desferiu seu golpe. Uma rajada de vento acertou as rachaduras estraçalhando-as, destruindo a fortaleza já fragilizada, pequenos pedaços firmes como vidros caíram por cima dos corpos que se protegiam, no entanto não fora necessário, o pedaços se desintegraram e se tornam floquinhos leves e brilhantes que pairavam em direção ao chão. Todos olharam e puderam ter a imagem do chão coberto de um pó lilás, pequenos focos brilhosos.

  A volta para o castelo fora um pouco difícil, mas como Hoseok conhecia o lugar suas habilidades de rastreamento e localizações ajudaram muito. Ao chegarem Hoseok e Jin trataram de hospedar os demais e cuidar dos ferimentos. Jungkook não saia de perto do ômega de fios negros que não acordava de jeito nenhum, todos estavam na ala hospitalar e logo depois de tratados foram direcionados aos quartos menos os mais novos que continuaram lá, Jungkook não dormia e muito menos largava a mão do ômega, já estava amanhecendo e o alfa velava o “sono” do ômega, apoiou a mão na haste ferrosa da cama e com a outra acarinhava os fios, quando retirou à mão alguns fios foram juntos , o cabelo do ômega estava caindo, sentiu uma pontada no peito e respirou fundo.

- Você precisa descansar comer algo, quando foi a ultima vez que comeu? – o loiro mais alto se aproximou com os braços cruzados sobre o peito e se apoiou no batente da porta.

- Não me lembro. – respondeu sem olhar o beta.

- Vamos, Namjoon está lá na cozinha, faço algo para vocês, se ele acordar eu peço alguém para que nos avise. – estendeu a mão para o mais novo o chamando.

  Jungkook suspirou e seu estomago protestou, se rendeu e foi com o beta para a cozinha. Namjoon os viu entrar, porem não parou de tomar seu café, muito menos olhou nos olhos do mais novo, o beta percebeu.

- Vou fazer algo para vocês comerem, tem que ser algo que sustente. – falou pegando alguns legumes para fazer uma sopa; rápido, prático e gostoso.

 Os alfas comeram e o mais velho saiu só agradecendo pelo alimento, o loiro franziu. O mais novo terminou e foi andando para lavar a louça quando o mais velho disse que não precisava e que ele deveria descansar, lhe garantindo que se Jimin acordasse o chamaria. Jungkook foi para um dos tantos quartos de hospedes e se deitou, porém não conseguiu dormir, rolou e rolou naquela cama até que fosse acalentado pelo tão aguardado sono.

  Acordou meio atordoado pelo sono, o que não durou muito tempo, assim que percebeu que já era noite após olhar pela janela saiu correndo para a ala hospitalar, mais especificamente o quarto do ômega encontrando Jin sentando ao lado da cama velando o sono do outro, assim como ele mesmo estava fazendo mais cedo.

- Ele ainda não acordou. – o beta afirmou com seu rosto sem emoção sendo iluminado pela única luz de um abajur próximo de onde estava se levantou e o mais novo assentiu             – Namjoon disse que assim que acordasse você fosse o procurar, acho que ele está no sexto quarto a direita do que você estava.

- Sim.

- Eu vou comer alguma coisa. – ambos saíram do quarto, e cada um foi para uma direção.

 Assim que chegou bateu três vezes antes de ouvir o alfa permitir sua entrada, abriu a porta e a fechou vendo o ômega sentado na beira da cama enquanto os outros dois permaneciam em pé.

- Recebemos uma ligação de Lunna nesta tarde... Teremos que voltar amanha.

- Mas como? Com o Jimin desse jeito vai ser difícil.

- Teremos que tentar, as pessoas responsáveis pelo seu novo treinamento chegaram. E você sabe que o rei não abre mão disso. – um silencio incômodo se iniciou e ninguém era capaz de quebrar.

- Era só isso? – o mais novo perguntou dando pequenos passos para trás. O mais velho assentiu         – Tudo bem!

 Deixou o quarto e foi voltando para onde Jimin estava, o corredor pouco iluminado parecia não ter fim, adentrou o quarto tendo a visão do ômega sentado na cama com a pernas para fora enquanto olhava para a janela.

- Minie... – mordeu o lábio em nervosismo se aproximando ao ver o ômega direcionar a atenção para si          – Está bem? – o ômega nada respondeu, nem com palavras nem com movimento algum, continuou imóvel e em silencio, fitando o rosto do alfa que lhe abraçou em seguida.

  Ficaram por alguns segundos um sentindo a respiração do outro enquanto o alfa sentia uma das mãozinhas do ômega se apoiando em seu peito e subindo gradativamente até estar apoiado em seu ombro e as pernas roliças enlaçarem seu quadril, o rosto que normalmente estaria corado encostou-se ao peito rijo e os olhinhos semicerrados encarraram o pescoço daquele com o queixo apoiado em seus fios. Ergueu-se encaixando o rosto no pescoço tão encarado e relou os lábios carnudos na tez que teve seus pelinhos arrepiados pelo contato tanto da carne macia quanto da respiração quente em sua superfície         – Mini... – fora interrompido pelo ômega loiro que entrou acompanhado dos outros dois.

- Jungkook, se afasta, esse não é o Jimin! – o ômega ditou alto vendo os mais novos se assustarem, o ômega empurrou o alfa e pulou da cama olhando para todos os lados, seus olhos felinos ainda opacos encaravam a todos naquele quarto.

- Minie! – o moreno tentou andar em direção ao ômega, mas fora puxado pelo amigo quando duas pessoas entraram logo após o beta e seguraram o ômega, um deles era o loiro amigo de Jin, ditou algo nos ouvidos do ômega que amoleceu em seus braços, o colocou novamente na cama.

- Esse ômega está sem o controle de seu corpo, sendo assim ele será alvo de espíritos esse de agora é um exemplo, teremos que o fazer voltar à consciência. – ditava enquanto analisava o corpo pequeno       – Vamos retirar isso – se referia a grande marca na nuca          – E depois ele terá controle do seu corpo. Se a retirarmos do jeito que está, ele ficará com sérias sequelas. Com quem ele mais tem vinculo ou algum laço afetivo? – olhou para todos que apontavam para o alfa mais novo            – Vou ligar sua mente a dele, você terá que encontra-lo onde estiver preso e o fazer voltar, pode fazer isso? – o mais novo mordeu o lábio e encarou indeciso.

- Quais as chances disso dar certo? – perguntou vendo o ômega intercalar seu olhar de Jimin para si e os outros.

- Posso ser sincero? – o mais novo assentiu           – Se você for forte, as chances são de setenta por cento.

- Vou fazer. – andou até o ômega que ressonava na cama e lhe deu um beijo na testa.

 

 

Estava tudo escuro, o único ponto de luz estava no canto do lugar que parecia um quarto, mas não se passava da mente do ômega que estava nublada, nada se passava por ela, alguns vultos cinza podiam ser vistos de vez em quando.  Aquele pequeno ponto de luz, ao se chegar mais perto pode se ver correntes negras presas às pernas e mãos do ser de madeixas alaranjadas deitado, seus olhos fechados e sua respiração fraca não o deixavam se mexer, mas ainda estava consciente. Abriu os olhos por um breve momento.     

 – Jungkookie, cadê você?

 


Notas Finais


Agradeço aos favoritos, comentários e principalmente pelo apoio e carinho que voces me dão, muito obrigada... 😍😍😍

Gente que saudade... 😳
Me abrassem...(づ-̩̩̩-̩̩̩_-̩̩̩-̩̩̩)づ

Agradeço pelas palavras de incentivo em relação a minha mudança... Muitas pessoas proximas a mim disseram que eu tava fazendo errado... E nossa isso me deixou puta...

POR QUE A MALDIÇÃO DO NAMJOON NAO FOI QUEBRADA? TAN TAN TAN

voce que chegou agora se apresente quero te conhecer amore... hehe

Fic de leitoras... ♥

Tell Me Why? ~ jhessyjung12

Sinopse:  Tive vários sonhos, como o de ir para a lua, querer ser um pirata, porém quando eu te conheci você se tornou o maior deles. Te amar é uma aventura que estou disposto a enfrentar, espero que você me deixe entrar nela. Tell Me Why de te amar tanto?

[Vhope] 
https://spiritfanfics.com/historia/tell-me-why-8914160


Shooting Stars  ~_Meiko

Sinopse: Esse era seu desejo. Tudo deveria dar certo apenas com um pouco de esforço e a ajuda da pequena estrela cadente.

[Original] 
https://spiritfanfics.com/historia/shooting-stars-8891138

Tentarei sempre pôr fics de alguns leitores que estão sempre interagindo e que a tem adicionado na lista de leitura (pois fica mais fácil de stalkear) quando atualizar..

Até a próxima amores... estarei respondendo os comentários anteriores... para quem acompanha 'He stop me' semana que vem haverá atualizaçao... Um beijao...


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...