História The Path of Doom - Capítulo 12


Escrita por: ~

Postado
Categorias Justin Bieber, Kylie Jenner
Personagens Justin Bieber, Kylie Jenner, Personagens Originais
Exibições 71
Palavras 1.773
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Colegial, Crossover, Drama (Tragédia), Escolar, Festa, Ficção, Luta, Poesias, Policial, Romance e Novela, Violência
Avisos: Adultério, Álcool, Bissexualidade, Drogas, Estupro, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Sadomasoquismo, Sexo, Suicídio, Tortura, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Capítulo 12 - Não prometo nada


Fanfic / Fanfiction The Path of Doom - Capítulo 12 - Não prometo nada

 "Quantas vezes esses pesadelos vêm?

Quem são os lobos em sua cabeça?

Quantas vezes esses pesadelos vêm?

O passado deve ficar morto. "

Eu disse: "querido, eu estou tentando"

—Me solta! Velho me solta! —gritei me debatendo no porta malas 

Meus pulsos estavam amarrados pra trás por uma corda super forte, meus tornozelos amarrados por outra corda e pra ajudar, tinha um saco preto em minha cabeça que só piorava minha falta de ar. O desespero e o arrependimento já tinham me dominado, principalmente o arrependimento por ter saído de casa no meio da noite mesmo que tivessem me avisado pra tomar cuidado. 

Bem no fundo, tipo bem no fundo mesmo, eu esperava que a Kylie viesse me buscar, mesmo que ela tivesse sido uma completa cuzona sem coração comigo, mais sabia que isso não iria acontecer, como ela mesmo disse, ela não se importa comigo, ninguém se importa 

Já sentia que ia desmaiar tanto pelo medo quanto por estar sem ar naquele porta malas, até que abriram a porta e senti meu corpo ser puxado pra fora do carro. 

—Velho me solta —pedi pela milésima vez 

—Cala a boca moleque insuportável —Aquele homem falou enquanto me empurrava pra alguma direção 

Comecei a rezar com todas as minhas forças, todos os terços que minha avó me ensinou. Descemos uma escada com ele me empurrando o que só piorava minha situação, ele me fez sentar em algum lugar e amarrou meus pulsos nesse lugar. Provavelmente uma cadeira. Ele tirou o saco e pude respirar normalmente 

—Quem é você? —perguntei olhando pro homem em minha frente 

—Vejo que não puxou nada seu pai—Aquele Homem falou 

—Quem é você? –repeti com a respiração completamente desnorteada 

—Não foi fácil te pegar, aquela vadia não saia da sua cola, perdi muitos homens por causa daquela cadela arrombada, mais agora, tenho você totalmente pra mim 

—Olha irmão, da fruta que tu não gosta eu como até o caroço. É, ela é foda, uma completa cuzona, porém foda

—Tem o mesmo senso de humor que seu pai, mais do que vale ter o senso de humor mais ser um completo frango. 

—Não tenho pai, sou órfão. 

—Não sabe que o papaizinho tá vivo franguinho? 

—Vou nem discutir. 

—Bom, chega de conversar, vamos pra diversão 

Cristo amado 

Point of view KYLIE JENNER 

—Vou ver como o pirralho tá —falei me levantando de minha cadeira 

—Ué, não tava brava com ele? —Demi perguntou reprimindo o riso 

—So vou dar uma olhadinha e já volto 

—Dormiu essa noite? —Lauren perguntou e soltou a fumaça de seu baseado

—Não —respondi e as duas me olharam feio —To sem sono algum 

—Uhun, sabemos—Demi falou e as duas reviraram os olhos ao mesmo tempo me fazendo revirar os olhos 

—To indo nessa cadelas—falei e vesti minha jaqueta 

—Vai pro teu boyzinho vai. Kason—Lauren falou com deboche e eu dei o dedo pra ela

Sai antes que elas me zoassem mais, e fui para minha Lamborghini Galardo. Coloquei minha música favorita no momento i'd love to change the world remix (ouçam) e fui ouvindo o caminho todo. 

Estacionei na rua de trás, fui andando lentamente até a casa, me certifiquei que a rua estava mesmo vazia e subi pela escadinha, pulei a grade da sacada, entrei no quarto encontrando o mesmo vazio e franzi o cenho. Procurei no banheiro e no closet mais ambos estavam vazios e estranhei o closet estar tão desorganizado sendo que o pirralho é super perfeccionista. 

—VOCÊ NÃO TÁ ENTENDENDO, MEU FILHO SUMIU! —ouvi uma mulher gritar 

—ELE DEVE ESTAR NA CASA DAQUELE AMIGUINHO VIADO! —ouvi um homem gritar 

—EU JÁ LIGUEI PRO RYAN E ELE NÃO TÁ LÁ! O JASON SUMIU CARALHO! 

Merda! 

Pulei a sacada direto, e corri até meu carro, entrei no mesmo, fui no rastreador e dei um grito socando o painel do carro ao ver que Jason estava no território do Derek. Puta que pariu, puta que pariu, puta que pariu! Se alguma coisa acontecer com aquele moleque, o Jeremy me mata! 

Dirigi em alta velocidade até minha casa, estacionei em frente a mansão mesmo, e corri pra dentro. 

—Filha, o que foi? —Minha mãe perguntou mais ignorei ela e corri pro meu quarto 

Tirei rapidamente a roupa, corri pro closet, vesti uma macacão de frio preto super justo, calcei a bota de cano alto preta sem salto, subi a gola do macacão até o queixo, enfiei meu cabelo dentro da roupa, e coloquei a touca de esquiar que só tinha o buraco do nariz e dos olhos —uniforme de missão. Enfiei quatro facas dentro das botas, duas armas no quadril e desci correndo 

—Aonde vai? —Rihanna perguntou 

—Provavelmente morrer —falei e corri pra garagem 

Subi em minha BMW preta, coloquei o capacete e sai arrancando chão. Segui o GPS até uma parte e depois fui andando pra não chamar tanta atenção. Peguei uma das armas, coloquei no silenciador, e atirei nos dois seguranças que estavam na frente da casa,corri pra dentro sem fazer barulho e fui abaixada pra não chamar tanta atenção. Atirei nos outros cinco que estavam na sala bebendo, e segui o GPS até uma portinha preta. Trancada. Peguei um grampo de cabelo enfiei na fechadura e fiquei girando até abrir, Respirei fundo carregando a arma e desci as escadas devagar 

—Jason —sussurrei parando no final da escada —Jason! 

—Kylie? —Jason perguntou meio alto 

—Shiiu, fala baixo —sussurrei e corri até ele—Vou te tirar daqui, mais fica quieto 

—Ta

Peguei uma das facas em minha bota, cortei as cordas que prendia seus pulsos, depois cortei a de seus tornozelos e o ajudei a levantar 

—Vem —sussurrei, peguei a mão dele e o puxei pra cima 

Me abaixei o puxando junto quando vi 6 seguranças e atirei nos seis os matando na hora, corri com o garoto pra fora do galpão e continuamos correndo,até que do nada ele parou 

—Que fo...—antes que eu pudesse terminar Jason começou a vomitar

Esperei ele terminar e voltamos a correr até minha moto até que uma chuva super forte começou a cair. Montamos na moto, dei o capacete pra ele e sai cantando pneu. Uns 5 km depois a moto do nada parou 

—Q-q-que fo-fo-foi? —Jason perguntou tremendo de frio 

—Não sei—respondi e tirei a máscara já ensopada —Parou de funcionar 

—Co-como a-a-a-assim? F-f-az f-funcionar

—Sou gangster não mecânica querido. Vai, vamos andando, deve ter alguma coisa por aqui 

Descemos da moto e fomos andando na chuva, avistei de longe um letreiro escrito "motel" e agradeci mentalmente. Entramos no motel e fomos até o balcão 

—U-um quarto —gaguejei tremendo de frio 

—Qual a forma de pagamento? —O velho perguntou olhando fixamente para meus seios 

Abaixei a gola do macacão, tirei meu cordão de ouro e entreguei pra ele

—Verdadeiro? —perguntou analisando a joia e eu assenti

O velho me entregou uma chave e puxei o garoto pras escadas. Procurei o quarto 102,enfiei a chave na maçaneta e entramos. 

—Vai tomar banho, vou ver se consigo achar alguma roupa seca pra gente —falei tirando o excesso de água do cabelo e Jason assentiu ainda tremendo depois foi pro banheiro 

Sai trancando a porta e voltei até o balcão no andar de baixo 

—Cara, tem alguma roupa pra emprestar pra gente? —perguntei me apoiando no balcão de madeira 

—O que está disposta a pagar em troca? —o velho perguntou 

—Acredito que meu cordão já pague

—Roupas não estão incluída com os quartos 

—Cara escuta aqui, sabe aquele garoto que ta comigo? Então, ele acabou de ser salvo de um sequestro, tá longe pra caralho de casa e provavelmente vai pegar pneumonia. Eu tô morrendo de frio, esse macacão tá me dando agonia, minha progressiva já era, acabei de te dar meu cordão que comprei a menos de uma semana, e minha moto parou de funcionar. Não tô com paciência pra aguentar velho chato e tarado então empresta logo a porra da roupa antes que eu arranque sua cabeça fora —ameacei apontando a arma pra cabeça do homem que me olhou com os olhos arregalados. 

—V-vem ca

Dei a volta no balcão e entrei com ele em uma porta preta. Ele me deu duas blusas e uma calça, fiz ele jurar que não ia contar a ninguém sobre mim e subi de volta pro quarto. Quando entrei, Jason saiu do banheiro com a toalha enrolada no quadril e com uma cara um pouco melhor 

—Conseguiu? —Jason perguntou com a voz falha 

—C-consigo tudo que eu quero baby. —falei e coloquei as roupas em cima da cama

—Vai tomar banho, sua boca tá muito roxa 

—Não sai daqui 

—Não tenho pra onde ir 

Revirei os olhos, peguei uma das blusas e fui pro banheiro, abri o macacão, tirei o mesmo, estendi a lingerie no boxer, entrei no mesmo e liguei o chuveiro. Fechei os olhos sentindo a água quentinha cair sobre meu corpo gelado e arrepiado,sai depois de uns 10 minutos, me sequei, vesti a calcinha há que era minha única peça seca, vesti a blusa que batia abaixo de minha bunda e sai do quarto penteando o cabelo com um pente que achei no banheiro 

Jason estava sentado na cama já vestido e olhando pra parede 

—Eu devia ter te deixado lá! Falei pra você não sabe de noite sozinho, sabe que o Derek está atrás de você mais mesmo assim saiu sozinho de noite! Teimoso! —falei e voltei pro banheiro 

Peguei o kit de primeiros socorros que achei embaixo da pia, voltei pro quarto, fui até o garoto e comecei a fazer o curativo em no canto de sua boca

Point of view JASON MCCANN 

—Como me encontrou? —perguntei trêmulo 

—Com o rastreador talvez? —Kylie perguntou fazendo o curativo em seu supercilio 

—Que rastreador? 

—Que coloquei na sua nuca 

—Colocou um rastreador na minha nuca? 

—A umas 3 noites

—Tira essa merda mim! 

Comecei a passar a mão por toda minha nuca porém não consegui achar aonde ficava aquela merda 

—Kylie tira isso de mim caralho —Falei entrando em desespero 

—Aí relaxa, é só um rastreadorzinho, e se não fosse por ele, eu não teria te achado e você estaria morto 

—Mano é sério tira isso de mim! Possessão tem limite, e você passou dele! 

—Pra tirar vai doer, e não vou usar anestesia ou seja, vai doer mais ainda 

—Velho por que colocou isso em mim? E quando? 

—Pra poder saber onde você está, e já falei, a 5 noites atrás 

—Não vi você colocando isso em mim

—Você tava dormindo aliás, você fica bonitinho dormindo, e calado aliás 

—Não podia colocar isso dentro de mim sem me perguntar se podia 

—Não peço pra fazer nada eu apenas faço e relaxa, você não vai nem sentir ele aí 

—Fique longe de meu quarto enquanto eu estiver dormindo 

—Não prometo nada 





Notas Finais


Desculpa só estar postando agora de madrugada, mais eu passei o dia Vomitando e não tava conseguindo nem pegar no celular, desculpa mesmo


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...