História The peculiarity - Capítulo 4


Escrita por: ~

Postado
Categorias Neo Culture Technology (NCT)
Personagens Chenle, Doyoung, Haechan, Jaemin, Jeno, Jisung, Johnny, Mark, RenJun, Taeil, Ten, Winwin, Yuta
Tags Chenjun, Jaeje, Johnten, Markchan, Markhyuck, Nct, Nct Dream, Peculiaridade, Renle, Yuwin
Visualizações 41
Palavras 2.352
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Colegial, Drama (Tragédia), Fluffy, Romance e Novela, Shoujo (Romântico), Suspense, Violência, Yaoi
Avisos: Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


heeeeeey

Capítulo 4 - Come on, stalker!


Haechan adentrou em seu quarto sendo seguido por Jaemin, que era quase sua sombra, o seguia para todo lugar. Moravam na mesma casa, seus pais eram casados. Jaemin perdeu seu pai aos oito anos de idade, Haechan o conhecia desde os cinco anos. Eram amigos grudados durante a infância, seus pais começaram um relacionamento três anos depois da tragédia que tirou a vida do Sr.Na.

Quando ambos completaram treze anos, seus pais realizaram a cerimônia de casamento. Não foi ruim para nenhum dos dois, no começo apenas foi estranho dividir a mesma residência que seu amigo, mas se acostumaram rapidamente.

Isso foi até bom, Haechan soube o que era realmente ter uma mãe, e Jaemin não ficou com a sensação ruim e o vazio em seu peito por sentir a falta de ter um pai, claro que ninguém iria substituir o lugar de seu pai biológico, mas era bom ter alguém para conversar sobre coisas que sua mãe raramente entendia. Os dois eram ótimos pais, sempre presente na vida dos menores, sempre cuidando dos dois e dando muito carinho. Haechan e Jaemin eram gratos demais por tê-los.

– Jisung está muito mal mesmo... Ele nunca agrediu ninguém. — Jaemin disse já se jogando na cama do ruivo, que revirou os olhos observando.

– Pela primeira vez na vida, eu senti medo de alguém. — suspirou sentando-se na cadeira de rodinhas perto de seu computador  — Sinto falta da amizade dele, ele era legal comigo. Mas aquele Chenle estragou tudo.

– Nem vem, Hyuckie... Você sabe muito bem que aquele chinês não fez nada. Foi você. — o outro disse abraçando um travesseiro enquanto encarava Haechan.

– Eu? — perguntou apontando para si mesmo fazendo uma cara de desacreditado, como tivesse acabado escutar a maior mentira.

– Sim, você acha que Jisung se afastou de você por causa de Chenle? Não. Foi por causa daquela coisa horrível que você aprontou com Mark! — exclamou irritado relembrando de tudo que o ruivo fizera para o canadense — E em seguida estragou mais ainda as chances de reatar  a sua amizade com Jisung, começando a praticar bullying com Chenle. Aquilo foi horrível.

– Para. Não fale sobre isso. Você sabe que me arrependo, eu gosto muito do Mark. — suspirou triste abaixando seu olhar passando a fitar seus pés — Espero que ele me perdoe algum dia. E sobre Chenle, eu só estava com ciúmes! Jisung era meu melhor amigo.

– Hum... Perdoar ele até perdoa, Mark é uma boa pessoa. Mas se você continuar assim, arrumando briga com ele. Será difícil. — Jaemin disse sincero, se levantando e indo até o amigo-irmão — Por que ainda pega no pé dele?

– Essa é a minha desculpa para continuar perto dele. Se eu parar, ele provavelmente irá parar também. Não vai correr atrás de mim, e novamente vou ter que ficar longe dele, isso é ruim. — confessou num tom de voz baixo. Haechan gosta muito de Mark, este foi o único jeito que encontrou para continuar próximo ao canadense, pegar no pé dele e arranjar brigas á toa.

– Wow... Donghyuck é você mesmo? — brincou recebendo um dedo do meio por parte do ruivo, Jaemin colocou a mão em seu peito — Mark gostava de você e sofria por isso. Agora parece que o jogo virou, não é mesmo? — o provocou arqueando as sobrancelhas com um sorriso maroto plantado em seus lábios.

– Nana... — o chamou carinhosamente com um sorriso falso — Vaza daqui. — Disse segurando um dos enfeites que estavam em cima da mesa de seu computador, ameaçando-o jogar em Jaemin o fuzilando com olhar.

– Só vou "vazar" — fez aspas com os dedos — Porque prometi ajudar um amigo... — disse se afastando do local onde seu meio-irmão estava sentado. Saiu rapidamente do quarto indo em direção ao seu para se arrumar, iria se encontrar com Jeno. Não teve coragem de contar essa pequena parte para Haechan, sabia que o ruivo não ficaria nada contente sobre isso.

Após Jaemin deixar o quarto, Donghyuck levantou-se indo até a porta, encostando a mesma. Suspiro cansado e deitou-se em sua cama, fitando seu teto branco, completamente entediado.

Todos os dias eram a mesma coisa, Haechan não havia muitos laços de amizades naquela escola. Muitos o julgava por ser filho do diretor, alguns se aproximava por conta de Jaemin, este que era considerado o mais bonito da escola. Por isso, quem tinha interesse nele se aproximava de Donghyuck primeiramente para saber mais sobre seu irmão.

Aquilo já estava cansando o ruivo, ele apenas queria que tudo voltasse como era antes. Que Mark, Jisung e Jeno o perdoassem, que Chenle voltasse logo, não aguentava ver o estado em que o Park estava por causa do desaparecimento do chinês.

– Eu só queria poder voltar no tempo. — disse arrependido abraçando seu urso que estava ao seu lado. Com os olhos lacrimejando, libertou as lágrimas enquanto lembrava dos momentos que teve ao lado de seus ex-amigos.

~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~

Jaemin estava sentado no banco da praça, exatamente no local que combinou de se encontrar com o Lee. Combinaram o encontro enquanto conversavam no intervalo sobre alguns assuntos bobos e trocavam alguns selinhos escondidos no banheiro, um lugar nada romântico, mas o único onde ninguém os pegavam em flagra.

Jaemin abriu um enorme sorriso ao ver a silhueta de Jeno um pouco distante de si andando até o banco. Entretanto, seu sorriso sumiu rapidamente ao vê-lo acompanhado por Jisung que parecia não estar nada feliz ali.

– Oi... Esperou muito? — perguntou o Lee assim que se aproximou.

– Não. Cheguei faz pouco tempo. — sorriu fraco e olhou para Jisung.

– Ahn... Eu trouxe ele porque não queria vê-lo trancado o tempo todo no quarto do Mark. Algum problema ele ficar conosco? — questionou recebendo um não falso de Jaemin, seguido por um sorriso forçado. Logo quando consegue escapar para sair com o Lee, ele traz um amigo? Jaemin ficou chateado, porém, sabia como o Park estava. Não quis arranjar confusão por isso.

– Gente, eu não quero atrapalhar os pombinhos. Posso ir para outro lugar e deixá-los a sós. — o Park disse levando suas mãos até os bolsos de seu moletom.

– Yah... Está tudo bem, Jisung. Não se preocupe. — Jaemin explicou batendo suas mãos nos lugares vagos do banco ao seu lado — Sentem, vamos conversar. — Os dois rapidamente ocuparam os lugares ao lado de Jaemin.

– Jaemin... Como Donghyuck está? — o azulado perguntou num tom baixo, Jaemin pode notar um misto de preocupação e arrependimento em sua voz.

– Ele está bem. — deu um sorriso fraco. — Hum... Vocês querem comer algo? Podemos ir naquela lanchonete aqui perto.

– Pode ser... — Jisung disse desanimado.

– Vamos então... — o Lee se levantou puxando os dois pelas mãos.

– Jeno... Posso falar com você? É rapidinho. — Jaemin disse se soltando da mão do outro, ficando parado no lugar — Jisung, vai na frente? — questionou, o Park só deu de ombros e continuou andando em direção a lanchonete.

– O que foi? — Jeno perguntou se aproximando de Jaemin assim que Jisung se afastou.

– Vem cá. — Jaemin puxou o moreno para atrás de uma árvore, o prensando na mesma enquanto circulava seu pescoço com seus braços, sorrindo ao sentir ele fazer o mesmo, só que em sua cintura.

– Yah, Nana... — sussurrou carinhosamente levando uma de suas mãos até o rosto do mesmo, acariciando sua bochecha — Vamos... Podemos comer rápido, levamos o Jisung para a casa do Mark. Depois vamos para minha casa, estou sozinho lá.

– Tudo bem... Mas, por que trouxe ele? Por que para a casa do Mark? — perguntou confuso.

– Jisung está com um probleminha em casa. Ahn... Ele não tem um bom relacionamento com os pais, sabe. — explicou para Jaemin que assentiu, beijando seus lábios rapidamente em seguida, fazendo o Lee dar um sorrisinho um tanto tímido.

– Vamos logo, nenezinho. — o mais novo apertou a bochecha do mais velho, logo segurando sua mão e o guiando até a lanchonete, na qual Jisung os esperavam com uma feição irritada.

– Até que enfim! — exclamou demasiado alto chamando atenção de algumas pessoas no estabelecimento.

– Está parecendo um velho reclamação, Jisung... Senta ai Jaemin, vou pedir algo para nós comer. — disse, dando um selar na bochecha do mesmo, indo até o caixa.

– Boa tarde... Eu vou querer três... — estava falando mas foi rapidamente interrompido pela moça, aparentemente bem mais velha que si.

– Me desculpa, se importa de esperar um pouco? — questionou a atendente, recebendo um aceno negativo e um balançar de mãos de Jeno, dizendo que estava tudo bem — Obrigada... — disse antes de se virar e entrar em uma porta, o Lee apoiou seus cotovelos no balcão cruzando o braços, ouvindo uma movimentação pela porta que a moça havia entrado, tomando um pequeno susto a vê-la sair com uma pequena caixa — Renjun, você é muito desastrado. — resmungou, e Jeno pode ver o garoto vindo logo depois carregando várias caixas, com o semblante emburrado, nada feliz.

– Eu só tomei um susto com... — o chinês olhou para Chenle, que ria da sua desgraça — Uma barata! sabe, aquelas bem irritantes? voadoras, huh, da nojo só de lembrar! — disse fuzilando o outro chinês com o olhar, este que estava se sentindo ofendido ao ser comparado a uma barata.

– Hey, Renjung! — Jeno disse, fazendo Renjun o olhar.

– Lee Jeno... É Renjun! — o corrigiu deixando as caixas em cima do balcão.

– Oh... Perdoe-me. Sou horrível para guardar nomes. — se desculpou envergonhado ajeitando seus cabelos.

– Tudo bem. O que faz aqui? — questionou o chinês.

– É uma lanchonete, né? Vim assistir um filme. — indagou com um sorriso irônico.

– Filme? Não é para isso que existe cinema? — disse confuso olhando para o Lee, que estava querendo rir de sua lerdeza.

– Meu Deus, Renjun! — balançou a cabeça rindo, vendo o mais novo ainda confuso — eu estava brincando, você realmente acreditou?

– Yah, claro que não! — riu baixo, ficando no local onde a atendente estava antes — Então, boa tarde senhor. O que vai querer? — Huang disse seriamente.

– Hum... Vou querer três fatias de bolo de chocolate, e três hambúrgueres. Batatas fritas e três coca-colas. Por favor — disse entrando na brincadeira fazendo Huang rir enquanto anotava tudo.

– Tudo bem... Daqui a pouco entregam na sua mesa. Tenha uma boa refeição! — disse sorrindo abertamente fazendo seus olhos quase se fecharem por completo, fazendo o coração do Lee amolecer. "Aigoo, que sorriso..." pensou ele.

– Obrigado... — disse rindo, agora baixo se afastando e indo em direção à mesa, onde Jisung e Jaemin conversavam sobre algo, se sentou ao lado do seu quase-namorado — Voltei.

– Mas já? O papo parecia estar bom lá! — Jaemin disse, totalmente com ciúmes.

– Está com ciúmes? Que fofo! — circulou sua cintura com um de seus braços, sorrindo bobo enchendo a bochecha do mais novo de beijinhos, o fazendo reclamar tentando segurar a vontade de sorrir.

~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~

– Uma barata? Uma barata, Renjun? Sério? — Chenle reclamava para Huang, quando o mesmo voltou para dentro terminando de guardar as coisas na caixa. Assim como a melhor amiga de sua mãe o pediu educadamente para fazer — Como pode comparar uma pessoa maravilhosa como eu... Com uma barata?

– Você queria que eu dissesse o que? “Ah, me assustei com um garoto super fofo, mas, vocês não podem vê-lo. Ele é um fantasma!” — exclamou terminando de lacrar a caixa com a fita — Super normal.

– Hum... Então você me acha fofo? — disse se aproximando de Renjun com um sorriso, um tanto malicioso, em seu rosto.

– Fofo e irritante! Vai me seguir para todo o canto agora? — Renjun disse irritado.

– Provavelmente sim. Você é legal, e eu cansei de ficar naquela escola. — explicou encarando os fios de cabelos do outro, por estar tão perto.

– Deus... Me deseje boa sorte. — Renjun suspirou longamente, se virando quase soltando um grito ao perceber a pequena distância que estava de Chenle. — Por que estava atrás de mim? Tão perto assim?

– Eu... Queria te assustar de novo? — respondeu meio incerto, Renjun franziu os olhos dando de ombros.

– Bom. — se virou pegando a caixa nas mãos, passando ao lado do Zhong — Terminei... Finalmente.

– Finalmente mesmo... — Chenle falou baixo — Vai para a casa agora?

– Uhum... Vai me seguir até lá também?

– O que você acha? — sorriu fofo, fazendo Renjun formar um sorriso ladino em seus lábios.

– Vamos logo, stalker.

– Vamos... — seguiu Renjun até a porta, saindo logo depois.

– Já terminei, Noona... Amanhã eu passo aqui! — se despediu, olhando para mesa de Jeno logo depois, percebeu o moreno o olhando, então acenou em sua direção sorrindo gentilmente, saindo da lanchonete em seguida, sendo seguido por Chenle, este que estava emburrado com os braços cruzados.

– Jaemin vai te matar se ver você assim com Jeno. — disse olhando para o chão andando ao lado de Renjun pela calçada.

– Por que? — o olhou.

– Ele é muito ciumento... — Zhong deu de ombros.

– Eu e Jeno somos apenas colegas, ele não precisa ficar com ciúmes.

– Você é muito lerdo Renjun! Você não percebeu o jeito que Jeno estava te olhando? Mark também te olhou assim na escola. Os dois estão ficando interessados em você. Se não tiver interesse em nenhum dos dois, trate de deixar isso bem claro. — explicou sem olhar para o outro chinês — Donghyuck e Jaemin são dois demônios quando estão com ciúmes, e eu sei bem disso. Não quero que ele pegue no seu pé como fez comigo quando eu estudava ai e era amigo do Jisung. Só... — suspirou parando de andar — Só tome cuidado, tudo bem? É como aquele ditado "Quem avisa amigo é."

– T-Tudo bem... — gaguejou sem saber o que dizer, Chenle o deixou sem palavras. — Obrigado por me avisar. — agradeceu parando ao lado dele.

– Não precisa agradecer... É... Vamos logo. — disse um pouco envergonhado começando a andar na frente sem esperar Renjun.

– Hey, me espera, baratinha! — brincou rindo passando a correr atrás de Chenle, que fugia de Renjun enquanto ria.  



Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...