História The Perfect Wife - Capítulo 8


Escrita por: ~

Postado
Categorias Demi Lovato, Justin Bieber
Personagens Demi Lovato, Jeremy Bieber, Justin Bieber, Personagens Originais
Tags Demi Lovato, Horror, Justin, Justin Bieber, Mia, Realeza, Segredos
Visualizações 127
Palavras 4.057
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Crossover, Drama (Tragédia), Famí­lia, Mistério, Romance e Novela, Suspense, Violência
Avisos: Adultério, Álcool, Bissexualidade, Drogas, Estupro, Heterossexualidade, Homossexualidade, Incesto, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Mutilação, Nudez, Sadomasoquismo, Sexo, Suicídio, Tortura, Transsexualidade, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


Gente, essa imagem é uma boneca de porcelana, loira agora pq é como a Mia está, mas já tenho ela morena 💜

Vamos continuar? Hahaha

Boa leitura!

Capítulo 8 - Broken Doll


Fanfic / Fanfiction The Perfect Wife - Capítulo 8 - Broken Doll

       Mia Arabella Vincent POV

É errado querer que sua vida toda se torne um sonho, que você possa acordar quando não estiver mais gostando?

Talvez se nossas escolhas, ou melhor, obrigações não fossem tão resumidas a salvar algo ou ajudar alguém, quem sabe assim fazendo algo por nós mesmos, poderiamos então ser feliz.

Me casar com o príncipe Justin não foi difícil, a convivência sim, está sendo.

Por mais que ele não me conheça, ainda age de tal maneira.

Eu sei que não combinamos e sei que nunca daremos certo, eu não espero o contrário também, mas pensei, por um momento tive a esperança de que fosse ser diferente.

Não quero isso só pela pátria. Gostaria que fosse se verdade, intenso como os livros dizem.

Intenso como o amor deveria ser... Intenso como é.

- Mia... - Uma senhora loira com voz aguda pegou em minhas mãos sorrindo e me arrastou avaliando-me longe de Justin - Como você é linda! -

- Obrigada... - Sorri.

- Meu nome é Amanda Vasigili septuagésima terceira da República Inertent, trabalhamos com o rei Jeremy e é um grande prazer conhecê-la! - Diz com um sorriso calmo, mas ainda falso em seu rosto.

- O prazer é todo meu. - Inclino a cabeça procurando por Justin.

Havia uma multidão de pessoas, membros formados pela corte real que eu já conhecia andando e dançando pelo salão normalmente.

Era como nos filmes e livros, um baile real, mas sem aquela magia encantadora.

- Então, Princesa... - Amanda virou meu rosto com sua mão delicada - Gostaria de apresentar-lhe direito à meu filho, ele é um grande fã seu. -

- Oh, apresentar direito? - Faço um som de comovida - Eu já o conheço? - Peço quase silenciosamente.

- Mas, é claro, Mia. - Sua voz sôou e eu senti um arrepio.

Lembranças daquela noite entraram em minha mente, as vozes, o choro, excepcionalmente tudo estava novamente ali e então estávamos em câmera lenta antes de praticamente ser jogada naquela realidade passada e quase esquecida.

                *Flashback On*

As paredes do quarto escuro tinham cheiro de mofo, o chão era molhado e minhas mãos estavam amarradas.

Eu havia gritado e chorado por longos períodos, era apenas uma criança indefesa e mesmo assim tudo me foi tirado.

Minha boca estava coberta por um pano, para que eu não continuasse a gritar e mesmo assim, minhas lágrimas e murmúrios eram os mais constantes sons dali.

Era apenas uma garotinha nua, presa e amordaçado no meio de uma sala nojenta, escura e com ecos de medo.

Eu temia por mim, temia por tudo.

Tudo o que eu via naquele olhar além de meu medo refletido, era escuridão.

- Shiiiu, princesinha, tenho certeza que irá gostar... - Ele sussurrou abrindo o zíper de sua calça jeans suja e rasgada, sem desviar um segundo sua atenção de mim. - A Bonequinha de Porcelana terá uma rachadura, não acha? -

              *Flashback Off*

Aquelas mãos imundas tocaram meus ombros, meus olhos estavam arregalados.

- E-eu sou a princesa e exijo respeito. - Digo entredentes.

- Tudo bem. - Ele escorre sua mão de meu ombro para minhas mãos, pegando uma apenas e a beijando, causando-me ânsia.

Ele ergue os olhos sem deixar de soltar minha mão e antes de sua respiração ricochetear em minha pele prossegue:

- Recorda-se de mim, Bonequinha de Porcelana? -

- Como poderia esquecer? - Ironizo.

- Sou Leonard, mas pode me chamar de martelo. Eu fiz uma rachadura em uma de suas bonecas uma vez, lembra-se? Aliás, quebrei a boneca inteira... E eu realmente sinto muito. - Pisca para mim e prossegue - Gostaria de uma dança? Para me redimir com sua Boneca Quebrada. -

- Desculpe, Leo. - Justin diz brincalhão, como se já o conhecesse, porém com seriedade - Ela está acompanhada. -

- Oh, príncipe. - Reverenciou-o - Bela esposa, só cuidado para não ser enganado pela pureza dela. - Caçoa e Justin me olha sem expressão.

- Isso não é um assunto seu. - Digo repreendendo-o. Não Justin, mas Leo.

- De acordo, cara bonequinha quebrada. - Sai dali com uma taça de champanhe em mãos.

Respiro fundo sentindo a mão de Justin se entrelaçar na minha, alertando que estava ali, não importasse o que fosse..

Só então noto que Amanda ainda estava ali, ela observava tudo e estava com um olhar estranho sobre mim.

- Também já estou indo. Nos vemos em breve? - Ela pediu receosa e indo rapidamente para fora de minha visão.

Abaixei meu olhar e senti as lágrimas se aproximando, mas eu não iria chorar.

Eu não podia.

Já havia feito isso no passado e mamãe ensinou-me a não ser a fraca, com toda sua frieza eu aprendi a erguer a cabeça.

Ninguém nunca mais me machucaria.

- Vamos? - Justin sussurrou bem em minha orelha, me fazendo dar um pequeno pulo de susto - Estão nos esperando. - Riu e assenti.

As horas passaram, eu conheci cada membro do ministério, cada título da corte, decorei alguns nomes e depois deixei Justin com seu pessoal de trabalho.

Eu estava na pequena sacada que dava para o mar, nunca havia reparado, mas o Palácio ficava de costas para a praia.

Meu vestido balançava com o vento e cada fio de meu cabelo voava com o mesmo.

A brisa fraca e leve, me dava a sensação de voar, era realmente muito gostoso aquilo tudo.

- Querida. - A voz de Pattie sobressaiu-se ao barulho incessante das ondas abaixo e a frente de nós.

- Rainha. - A reverencie e ela gargalhou, mas se conteve fechando a porta da sacada para que apenas nós estivéssemos ali.

Ela parecia bêbada. Sem dúvida nenhuma, ela estava.

- Sabe, Mia... - Sua fala estava um tanto arrastada - Eu não odeio você, eu até mesmo gosto de você. - Ela sorriu e se apoiou na sacada a meu lado.

- Isso é muito bom. - Sorrio.

- É, realmente, é. - Faz uma careta depois gargalha - Amanhã eu não vou lembrar disso, mas você vai ter que recordar sempre, todos os dias! - Segurou minha mão com força.

- Tudo bem. Tudo bem. - Alerto e ela prossegue:

- Nem tudo que parece é, ninguém aqui é bonzinho, ninguém aqui é seu amigo então, por favor me escute, eu estou bêbada, mas sei o que estou querendo dizer e preciso que saiba! - Apontou seu dedo para a porta que dava para o salão onde todos ainda riam e dançavam - Não confie nele, não confie! -

- Em quem? - Perguntei e antes de ela dizer-me, Jeremy entrou pela porta.

- Pattie está encomodando? - Pediu e ela sorriu fraco sem vontade - Vou levá-la agora, está bêbada, nunca pensei que a veria assim. Me desculpe, princesa. - Riu e pegou em sua mão.

Pattie virou-se para mim antes de encostar a porta e sibilou para que só eu entendesse:

- Não esqueça disto e não confie. - Assenti e não me preocupei mais.

Bêbada ela era mais maluca que o normal.

Me sentei na cadeira e fechei meus olhos, estava cansada.

Quando abri novamente meus olhos, me senti sendo vigiada.

Olhei para os lados e bem no canto da sacada, na vértice escura, havia uma sombra.

Alguém estava ali.

- Olá? - Questionei recompondo-me e dando um passo minúsculo na direção daquilo.

- Bonequinha de Porcelana, você gosta de brincar com o perigo, não? - Era ele novamente.

Era Leonard.

- Me deixe em paz. - Segurei um grito em exclamação dando um passo para trás na defensiva.

- Eu estou com saudades de você, que tal eu amarrá-la, amordacá-la e deixá-la nua novamente para repetirmos a dose? - Arca o cenho e sai das sombras.

Seus olhos naquele escuro, aquele vazio que eu tanto temia.

O que eu faria?

Já sentia novamente aquela sensação de nojo e asquerosidade.

Virei-me de costas para ele e corri em direção a porta, estava trancada.

Me dei conta de que o salão estava completamente escuro, eu não devia ter fechado meus olhos.

Senti meus batimentos cardíacos aumentando. Meu coração poderia a qualquer momento saltar de mim e minha respiração era rápida.

- Eu estou com saudades. - Suas mãos moveram meu cabelo dando a visão de meu pescoço para ele, ele deixou um beijo ali e eu estava imóvel, apenas sentindo minhas lágrimas - Porém, hoje eu não irei fazer nada. - Tirou a chave de seu bolso e abriu a porta sussurrando ainda em meu pescoço - Primeiro as damas. -

Assim que ergui forças corri, corri o máximo que pude.

Minha maquiagem leve estava borrada, meu cabelo completamente desgrenhado, estava afoita e com medo.

Segui em direção a entrada principal, entrei sem cuidado algum, nem mesmo tirei meus saltos quando cheguei ao fim da escada.

Abri a porta do quarto e avistei Justin sem sua camisa apenas com uma calça de moletom me encarando assustado.

Meus olhos se fecharam e eu instintivamente corri até ele e o abracei desleixando em seu colo.

Deixei todas as minhas emoções aflorarem, o inimigo estava por perto e eu só precisava descobrir quem o havia trago.

Eu só precisava entender porque ele fizera aquilo comigo e porque ainda não havia terminado.

- Mia... - Justin ergueu meu rosto e sussurrou - O que está havendo? Onde esteve? Eu procurei por você e eu... Eu estava tão preo... - Justin se calou me apertando mais contra si mesmo.

Por um instante pensei em contar tudo à ele, mas Justin não entenderia. Como poderia?

- Eu... - Congelei quando por um instante vi o rosto de Leonard na janela, me afastei de Justin e corri até a mesma, me certificando daquilo.

Impossível, estávamos em um andar elevado, e ele teria de estar flutuando no ar.

- Mia, está tudo bem. Só me diga. - Justin circulou minha cintura com seus braços me protegendo.

Eu sei que havia pedido para irmos devagar, mas aquilo não parecia errado, amigos se protegem, certo?

- Marabella. - Sussurrei - Eu lembrei dela e tive uma crise de choro. -

Não deixava de ser mentira, minha pequenina havia se ido e ninguém mais ocuparia seu lugar.

- Tem certeza? - Ele virou-me rapidamente e encarou meus olhos - Porque algo me diz que não é apenas isso. -

- Ah, bem, eu também dormi na sacada e me assustei com... com... - Encarei o chão - Um fantasma. -

Inventei qualquer coisa.

Poderia parecer irracional ou idiota, mas a fim de quê eu contaria à ele? Julgamentos?

- Não existem e você sabe. Porque está tentando me enrolar? - Justin arcou o cenho - Foi aquele cara, não é? O Leonard, não? -

Senti um arrepio.

Deveria contar á Justin, talvez o mesmo proibisse sua entrada no palácio.

Talvez ele pudesse fazer algo.

Suspirei profunda e pesadamente.

- Eu não gosto dele. - Disse relaxando meus ombros e olhando para Justin, nossos corpos extremamente perto - Ele é repugnante. -

- Ele tentou algo? - Perguntou erguendo sua sobrancelha.

- Não, mas... - Me afastei de Justin tentando não pensar naquilo, aquelas mãos sujas... - Eu não gostaria de voltar a vê-lo, na verdade eu odiaria. - Sentei na ponta da cama e logo fui seguida por Justin.

- Posso lhe garantir que farei o possível e o impossível para não vê-lo novamente. - Sorriu.

Olhei para Justin, mantinhamos sustento nosso olhar, ele era tão marcante e tão bonito, seria impossível não percebê-lo e agora tão bondoso...

- Obrigada. - Respondo e deito meu tronco na cama, sem me importar.

Só queria relaxar um pouco, esquecer os momentos infernais de mais cedo.

Justin começa a fazer cócegas em mim e eu gargalho alto, alto mesmo.

- Justin! - Exclamo tentando me afastar, mas aquilo só faz com que ele continue.

Eu já estava enrolada no vestido, parte dele acima do limite de elegância, estava vulgar.

Justin parecia inofensivo, cansado me olhando, ergui-me e ajeitei meu vestido.

- Você é hilário! - Sorrio e vou ao banheiro.

                           •••

Depois de relaxar na hidro, realmente me banhei, segui até o closet somente de toalha e vesti uma camisola, sem me importar com sutiã algum.

Vesti meu hobby ao sair do closet e tive uma das visões mais interessantes e fofas que poderia ver naquela noite.

Justin Bieber dormindo e quase babando e roncando.

Eu me juntaria a ele, em seu sono real, mas estava inquieta, não queria dormir ainda.

Andei pelo gigantesco quarto e vasculhei gavetas e armários, estava procurando por algo que me fizesse trabalhar e ao mesmo tempo não pensar em algo ruim.

Encontrei embaixo da cama, um violão.

Não fazia idéia de que Justin tocava.

Coloquei o violão encostado na cama e balancei Justin pelos ombros, mas ele não estava dormindo e me puxou para ele.

Cai por cima dele na cama e ri.

- Por que você não deita e para de fuçar pelo quarto acordando-me? - Pede me jogando a seu lado.

Bom garoto, aprendeu sobre meus limites.

- Quero que toque para mim. - Aponto para o violão.

- Ah, eu não... - Ele tentou inventar alguma desculpa, mas o interrompi:

- Antes que diga qualquer coisa, eu prometo que toco algo para você se fizer isso por mim! - Sorrio.

- Você toca? - Ele pede com um sorriso malicioso, levando a frase ao outro sentido, gargalho novamente e me levanto sentando - Tudo bem, acordo feito. - Sorri e senta na cama.

Justin pega o violão e o afina antes de iniciar suas notas afinadas.

- Você pode cantar, eu não irei rir das notas desafinadas e fora de tons que os homens costu... - Assim que ele começou a cantar meu queixo caiu lá embaixo.

- Well, let me tell you a story

(Bem, me deixe te contar uma história)

About a girl and a boy

(Sobre uma menina e um menino)

He fell in love with his best friend

(Ele se apaixonou por sua melhor amiga)

When she's around, he feels nothing but joy

(Quando ela está por perto, ele não sente nada além de alegria)

But she was already broken

(Mas ela já estava partida)

And it made her blind

(E isso a fez cega)

But she could never believe that love

(Mas ela nunca poderia acreditar que o amor)

Would ever treat her right

(Iria tratá-la bem)

Did you know that I loved you

(Você sabia que eu te amei)

Or were you not aware?

(Ou que você não estava ciente?)

You're the smile on my face

(Você é o sorriso no meu rosto)

And I ain't going nowhere

(E eu não vou a lugar nenhum)

I'm here to make you happy

(Eu estou aqui para te fazer feliz)

I'm here to see you smile

(Eu estou aqui para te ver sorrir)

I've been wanting to tell you this

(Eu tenho esperado para lhe dizer isto)

For a long while

(Por um longo tempo)

What's gonna make you fall in love?

(Quem vai fazer você se apaixonar?)

Oh, I know you got your wall wrapped all the way around your heart

(Eu sei que você tem sua parede envolvida em torno do seu coração)

Don't have to be scared at all, oh, my love

(Você não precisa ter medo algum, oh, meu amor)

But you can't fly unless you let yourself

(Mas você não pode voar, a menos que você se deixe)

You can't fly unless you let yourself fall

(Você não pode voar, a menos que você se deixe cair)

Well, I can tell you're afraid of

(Bem, eu posso dizer que você tem medo)

What this might do

(Do que isso pode fazer)

'Cause we got such an amazing friendship

(Porque nós temos uma amizade incrível)

And that you don't wanna lose

(E que você não quer perdê-la)

Well, I don't wanna lose it either

(Bem, eu não quero perdê-la também)

And I don't think I can stand

(Eu acho que não posso ficar)

Sitting around while you're hurting, babe

(Sentado enquanto você está se machucando, querida)

So take my hand

(Venha, pegue minha mão)

Well, did you know you're an angel

(Bem, você sabia que você é um anjo)

Who forgot how to fly?

(Que se esqueceu de como voar?)

Did you know that it breaks my heart

(Você sabia que parte meu coração)

Every time to see you cry?

(Toda vez que te vejo chorar?)

'Cause I know that a piece of you's gone every time he done wrong

(Porque eu sei que um pedaço de você se foi toda vez que ele faz algo errado)

I'm the shoulder you're crying on

(Eu sou o ombro em que você esta chorando)

And I hope by the time that I'm done with this song that

(E eu espero que quando eu terminar com essa música)

I figured out

(Eu descubra)

What's gonna make you fall in love?

(Quem vai fazer você se apaixonar?)

I know you got your wall wrapped all the way around your heart

(Eu sei que você tem sua parede envolvida em torno do seu coração)

Don't have to be scared at all, oh, my love

(Você não precisa ter medo algum, oh, meu amor)

But you can't fly unless you let yourself

(Mas você não pode voar, a menos que você se deixe)

You can't fly unless you let yourself fall

(Você não pode voar, a menos que você se deixe cair)

I will catch you if you fall

(Eu vou te segurar se você cair)

I will catch you if you fall

(Eu vou te segurar se você cair)

I will catch you if you fall

(Eu vou te segurar se você cair)

But if you spread your wings

(Mas se você abrir suas asas)

You can fly away with me

(Você pode voar para longe comigo)

But you can't fly unless you let ya...

(Mas você não pode voar, a menos que você se deixe)

You can't fly unless you let yourself fall

(Você não pode voar, a menos que você se deixe cair) -

Eu estava sorrindo, de verdade.

Aquilo era tão lindo, sua música, seu amor pela canção, ver ele entregue à algo era reconfortante.

- Isso foi perfeito e... Mágico! - Toquei em seu braço - Já pensou em mostrar-se ao mundo? -

- Eu sou um príncipe, estou acima de cantores e afins. - Disse dando de ombros.

- Mas, talvez ser um príncipe não seja o seu sonho. Então, Bieber, qual seu sonho? - Pergunto murmurando sua música - I will catch you if you fall... -

- Meu sonho é que seja minha. - Respondeu rapidamente e levantando, como se isso fosse a coisa mais normal do mundo. - Agora, se não se importa, vamos dormir. -

Justin pegou o violão e o guardou, eu estava na mesma posição o observando.

- O que você queria me dizer aquele dia na piscina? - Pergunto vendo-o se virar e vir como um predador na minha direção.

- Quer mesmo saber? - Franziu a testa como se travasse uma luta interna consigo mesmo. Assenti respondendo:

- Quero muito. -

- Mia, olha, isso é bobagem, isso tudo. Você sabe, nos conhecemos a pouco tempo, não tem nada que eu deva dizer. - Deu de ombros me empurrando levemente para o lado para deitar-se.

- Justin, eu sei que nos conhecemos a pouco tempo, e no início eu realmente achei que você era um babaca, mas me provou o contrário. - Sorrio - Podemos nos conhecer a pouco tempo, mas nos damos bem, não acha? Eu sou a sua melhor amiga! - Exclamo.

Ele me olha, mas não esbanja uma expressão definida.

- Se você diz que é minha melhor amiga, entende o que eu acabei de cantar? - Ironiza parando a minha frente.

- Entendo. - Suspiro - Eu vou voar e você... Você não vai me deixar cair. - Encaro seus olhos cor de mel.

Justin se aproxima lentamente e quando imagino seus lábios tocando os meus, apenas sinto sua boca em minha bochecha.

- Boa noite, Mia. - Sussurra roçando seus lábios por minha orelha e apaga o abajur.

Depois que ele se vira para o lado contrário ao meu na cama, eu decido arrumar-me.

O quarto estava em um completa escuridão e aquilo lembrou-me do quarto escuro.

- Justin. - Sussurrei.

- Estou ouvindo. - Murmurou.

- Quero que acenda o abajur. - Continuo sussurrando.

- Você está com medo? - Ele zomba.

- Eu não costumo dormir com o escuro, não me trazem boas lembranças... - Toco suas costas com minha mão espalmanda pelas mesma, traçando o caminho até sua nuca - Somos amigos, não somos? - Peço e ele bufa ligando a luz.

- Eu liguei, agora, se não for pedir muito pode continuar com isso? - Pergunta buscando minha mão com a sua.

- "Formiguinha"? - Rio baixo - Vovó fazia em mim quando era pequena. -

- Tudo bem, só quero que faça, é muito bom. - Ele quase geme, apenas rio.

Depois de muito tempo acariciando e traçando o caminho das costas até a nuca; da nuca até as costas, virei-me de costas para Justin.

Eu estava realmente inquieta, havia algo errado comigo.

Tudo bem que eu havia visto uma pessoa de meu passado obscuro, mas isso era diferente.

Foi como se todas as sensações de não confiar em nada nem ninguém, estivessem voltando.

E isso prova que em parte Pattie estava certa.

Decidi levantar da cama, mas antes de fazer isso, Justin segurou meu braço e virou-me para ele.

- Eu já entendi, você não consegue dormir. - Revirou os olhos e eu deitei minha cabeça em seu peito - Gosta de cafuné no cabelo? - Pede direcionando seu olhar todo para mim.

Porém, eu podia confiar em Justin.

- É uma das maravilhas do mundo! - Aperto meus olhos e ele ri.

- Ok, então eu farei isso, se não vai amanhecer e você não dormirá. - Deu de ombros levemente e iniciou sua sessão de cafuné.

Aquilo era tão bom, sua mão em meu cabelo, brincando e acariciando...

Meus olhos começaram a pesar e eu logo adormeci.

            Justin Bieber POV

Mia não era como as outras, mas do mesmo jeito, não havia nada nela que eu pudesse dizer que não havia visto em outras.

Necessariamente Mia era diferente, talvez um conjunto complexo e perfeito de várias mulheres e suas personalidades.

Uma mistura maravilhosa.

A forma como seus olhos sempre vidravam-se em mim, e não no que eu era, toda a sua espontaneidade distinta e única.

Sem dúvidas eu a idolatrava.

Queria descobrir seus medos e todas as coisas ruins que a cercam, mas ela insiste em não me deixar ver.

Mia não quer que eu saiba de absolutamente nada e isso é um defeito incorrigível, por enquanto.

Eu não estava apaixonado por ela, mas sentia um tipo de atração incurável por ela.

Desde que via suas fotos, quando Pattie me ensinava a odiar tudo sobre eles, desde lá essa atração nasceu.

É algo que pode corromper.

Eu tentei ser um idiota com ela, era assim que deveria ser, eu deveria odiá-la por motivos que eu não entendia, mas mesmo sendo uma ordem direta para a denominação de "Salvar a Pátria", não pude seguí-la.

Mia encantou-me e eu não iria tratá-la mal, não sem um bom motivo.

- Pensei que vocês não estavam se falando. - Ouvi a voz de Hailey abrindo a porta do quarto, ela estava com roupas de dormir, e Pattie a odiaria por isso. Maus trajes.

- Deixe-a dormir. - Sussurrei - Ela está inquieta. -

- Use sua varinha mágica, tenho certeza que ela ficaria muito comportada. - Riu baixo e eu não contenho meu riso também.

- Que modos! - Tento soar firme, mas minha voz vacila e eu acabo pigarreando para retomar alguma postura.

- Ah, Bieber, somos primos, corte isso. - Deu de ombros e se aproximou - Vai me dizer que Mia ainda não conseguiu lhe satisfazer... -

Apenas olhei para Mia que dormia a meu lado, agora.

- Hails, por favor, vá dormir. - Peço.

Realmente não queria que Mia acordasse e pior ainda, que ela retornasse a ficar inquieta.

- Ela ainda não deu-lhe sua pureza... - Concluiu - Terei que trabalhar nisso. - Sorriu e eu fiquei estático - Ora, estou brincando! - Ergueu as mãos e levantou-se indo até a porta - Tenha uma boa noite, príncipe! - Disse rindo e desapareceu.

          (Duas Semanas Depois)

Meu relacionamento com Mia estava ótimo, não era de namorados ou algo mais, estávamos mesmo começando pelo início, apesar de toda atração que nos cerca.

Pattie estava mais calma e mais cuidadosa, por algum motivo, não estava atacando Mia, mas havia algo mais ali.

Pattie não era uma megera como estava sendo com Mia, pelo menos.

E Jeremy, nunca fora tão bondoso com alguém. Apesar de tudo, ele era muito conservador e frio.

Sentei-me na mesa logo seguido por Mia, estávamos atrasados para a hora do café, mas nem o rei nem a rainha se importaram.

Pattie esbanjava um sorriso enorme, estava feliz.

- Temos um pronunciamento. - Iniciou Jeremy.

- Não me diga que mamãe está grávida!? - Me apressei em ser honesto, mais um herdeiro me deixaria com poucas opções.

Não que eu só pensasse no que iria herdar, mas se eu não tivesse cem por cento das terras de meus pais, eu com certeza perderia grande parte do respeito e prestígio.

Minha imagem não poderia piorar.

- Justin! - Pattie bradou com graça.

Sempre graciosa, assim como Mia.

- Ao contrário do que o príncipe pensa, estamos indo viajar esta tarde, nada muito importante, só tirar umas férias. - Concluiu sorrindo fraco - Os ministros estarão fazendo seu trabalho, então não se preocupe em passar no escritório real. - Avisou-me.

- Até o fim da semana que vem retornaremos. - Finalizou Pattie.

Mia tocou de leve meu cotovelo que estava abaixo da mesa.

Olhei para ela rapidamente e notei aquele sorriso de quem pensava em algo.

Só precisava descobrir o quê.

                 ...Continua...


Notas Finais


E foi isso, eu ia dizer algumas coisas, mas acho que a Pattie já deu alguma pista.

Certo, então foi isso, até logo - E pessoal, eu não tenho data prevista para continuar, não irei demorar mas também não posso dizer que vou ficar postando todo santo dia! 😂 -

Amo vocês! 💜❤


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...