História The Pirate - Capítulo 3


Escrita por: ~

Postado
Categorias Bangtan Boys (BTS), Got7
Personagens Jungkook, V
Tags Pirata&príncipe, Taekook, Top!taehyung, Vkook
Visualizações 211
Palavras 3.222
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Crossover, Fluffy, Lemon, Luta, Magia, Romance e Novela, Universo Alternativo, Yaoi
Avisos: Heterossexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


Voltei!
Este vai ser o último capítulo de hoje. Amanhã eu irei postar mais um capítulo <3

Boa leitura <3

Capítulo 3 - O banho no rio


Eu e Jeongguk começamos a andar pela floresta. Pé do moreno parecia doer um pouco, mas nada muito exagerado.

O barulho das árvores balançando e o som dos pássaros cantando dava um ar agradável para o lugar. A natureza nos deixava tranquilos, com uma sensação ótima de paz.

Só porque somos seres humanos, não quer dizer que somos melhores que os animais. Eu mato para comer, não por maldade. Mi-Cha sempre me disse para pegar da natureza somente o necessário para sua sobrevivência.

Quando andamos mais um pouco, avistamos um rio. Não era tão largo e grande, mas suficiente para matarmos nossa sede e tomarmos banho.

Comecei tirando meu colete e em seguida minha blusa, deixando meu tronco nu.

- O que você pensa que está fazendo? – Perguntou o príncipe com os olhos arregalados.

- Tirando minha roupa. – Dei de ombros.

- Mas por quê? – Desviou seu olhar para um ponto qualquer em cima das copas das árvores.

- Porque eu quero tomar banho! Não me limpo há dias. Estou me sentindo sujo. – Comecei a tirar minha calça e entrei no lago. Antes de molhar meu quadril, tirei rapidamente minha cueca e joguei para o lugar onde o resto de minhas roupas estavam. Em seguida enfiei meu corpo na água gelada, deixando somente minha cabeça para fora.

- Não vou entrar em um rio que nem sei se a água é limpa. – Reclamou o Jeon fazendo uma careta. Revirei os olhos e mergulhei minha cabeça. Quando voltei para a superfície, olhei para ele novamente. Revirei os olhos mais uma vez.

- Para de reclamar! Se quer continuar sujo, o problema é seu. Mas eu não vou ficar mais nem um dia com sujeira no meu maravilhoso corpo.

- Aish! – Cruzou os braços e olhou para o chão como se estivesse pensando. Por fim, revirou os olhos e começou a tirar as roupas. Admito que não pude deixar a olhar seu abdômen definido

Jeongguk tem braços fortes e um abdômen bem definido. Dá para perceber nitidamente os gominhos. Suas coxas também são muito gostosas, mesmo sendo cobertas pela calça de tecido grosso ainda.

Quando tirou sua calça, mesmo não querendo, tive que desviar o olhar. Não me importo de ser observado, mas o príncipe parece ser tímido com esse tipo de coisa.

Fui nadando mais para o fundo do rio e quando já senti meus pés não tocando o fundo, parei e mergulhei. Fiquei cerca de quarenta segundos debaixo da água. Fiquei com os olhos fechados, mas abri depois de um tempo. Com os olhos abertos, notei alguns peixes pequenos passando ao meu redor. A visão era embaçada, mas não era impossível ver.

Notei a água ficar mais agitada e concluí que Jeongguk estava atrás de mim, provavelmente nu. Vou o respeitar e não olhar para seu corpo, por mais difícil que seja.

Posso até ser pirata e não gostar dele, mas sou sincero o suficiente para admitir que Jeongguk é sim um rapaz muito gostoso.

Quantas vezes já disse isso?

Após ficar um certo tempo dentro do lago, decidi sair e me secar naturalmente. Sentei-me em uma pedra e fiquei olhando para o céu. Jeongguk ainda tomava seu banho e nenhum dos dois olhava para a nudez do outro.

Jeon saiu da água e mesmo não querendo, minha atenção foi para seu corpo. Por alguns segundos observei todo ele. O príncipe notou onde que estava meu olhar e deu um sorriso malicioso. Bufei e olhei para as águas. Notei seu olhar em meu corpo também e decidi vestir minhas roupas de uma vez. Eu já estava quase cem por cento seco e uma gota ou outra em minha pele não irá encharcar minhas roupas.

- Vou dar uma volta para você se secar e colocar suas roupas. Já volto. – Digo me virando de costas para ele e indo em direção à floresta.

Não faço ideia de quanto tempo eu fiquei fora, mas quando voltei, Jeongguk já estava vestido e estava observando o rio como se fosse a vida dele dependesse daquilo.

- Que merda você está fazendo? – Perguntei cruzando meus braços acima do peito.

- Pescando. – Respondeu sem sequer olhar para mim.

- Como você está fazendo isso?

Ele ficou um tempo olhando para a água, até que em uma rapidez quase impossível, capturou um peixe pequeno de cor cinza.

- Desse jeito. – Olhou para mim sorrindo mostrando em sua mão direita o animal marinho que se debatia tentando se soltar e continuar vivo.

- Ah! – Fiz um som qualquer de surpresa. Não esperava que ele soubesse fazer isso. – Como você aprendeu a fazer isso?

- Com um amigo plebeu. – Deu de ombros.

- Plebeu? – Fiquei mais surpreso. – Achei que tivesse nojo de plebeus. Assim como seu pai tem.

- Olha só Kim, não é porque eu sou filho de um idiota que eu tenho que ser como ele. Eu sempre fui aos vilarejos e tentei ajudar os mais necessitados. Aprendi a fazer pão com o filho da cozinheira para levar aos pobres. Eu quero ser um bom rei.

Mesmo não querendo admitir, fiquei feliz por saber que ele faz esse tipo de coisa. Lembro que quando era mais novo, já cheguei a ficar algumas vezes sem comer por passar por dificuldades financeiras.

- Hum... – Apenas murmurei. Não digo mais nada. Porém o príncipe sorriu para mim e eu não pude deixar de perceber o quanto seu sorriso é lindo. Parece que possui dentinhos de coelho.

Jeongguk afastou-se do lago e foi andando até a floresta. O segui e no caminho fui observando como ele anda com uma postura totalmente ereta. Os ombros ficam bem para cima e o pescoço e queixo ficam exatamente para frente. O idiota deve ter feito muitas aulas de etiqueta. Parece que não são apenas as princesas que têm aulas assim.

O céu começou a escurecer e andar por entre o mato sem nada além da luz da lua – que naquela noite era cheia – é uma tarefa muito difícil.

Eu e Jeongguk nos sentamos em uma área sem árvores, colocando as frutas em cima do casaco que eu não usava mais. Olhamos para cima e por um longo tempo ficamos observando as estrelas aparecerem e a lua cheia com sua grande beleza e brilhante luz que iluminava a ilha de noite.

- Sabe, quando eu era criança, meus pais sempre queriam que eu estudasse e treinasse muito para ser um rei. Só que eu ficava com muita pressão e isso me sufocava. Então para aliviar isso eu fugia para a floresta e ficava por horas encarando a lua e as estrelas. Foi em uma dessas noites que conheci meu melhor amigo e irmão de consideração, Jung Hoseok. Ele é um plebeu, filho de lenhadores, mas nunca conheci alguém mais inteligente, forte e sábio do que ele. Meus pais tentaram muitas vezes nos separar por preconceito, mas a única vez que enfrentei mais próprios pais foi quando disse que não iria me afastar do Hobi – apelido dele. – Sorriu abertamente. Parecia realmente gostar desse rapaz. Será que só gosta dele como um amigo mesmo? – Eu nem sei o porquê de estar te contando essas coisas... Você não se importa com ninguém sem ser você mesmo. Nem deve ter amado alguém na vida além de si mesmo.

- Eu amei alguém. – Digo e noto o moreno me encarar com certa curiosidade. Se ele acha que eu vou contar quem, está muito enganado. Ainda não confio nele para contar um segredo que nunca contei a ninguém.

Nunca amei alguém romanticamente, apenas como amigo. Mas eu o perdi, e tenho medo de que ao me apaixonar por alguém ou ficar muito próximo vou sofrer como sofri com a perda de Mi-cha e dele.

Ficamos nos encarando por um tempo. Não sei como, mas senti um climinha entre nós.

O clima logo foi quebrado pelos meus tripulantes que chegaram fazendo mais barulho que Jimin ao se masturbar no “banheiro” e achar que ninguém ouve.

- Estamos atrapalhando? – Perguntou Namjoon dando um sorriso malicioso. Reviro meus olhos e me levando do chão. Em seguida pego as frutas e vou para perto de Yoongi e Namjoon.

- Não ouse falar assim nunca mais. – Sussurro em seu ouvido, mas o meu amigo mais pálido também ouve e troca olhares cúmplices com o Kim mais velho à minha frente.

- Desculpa capitão. Não vou mais falar o quanto você sabe que o príncipe é atraente. – Deu outro sorriso ladino e eu dei um tapa em sua nuca. Se ele vier mais uma vez com esse seu duplo sentido eu juro que mato ele.

Jimin pegou o resto das mangas no chão porque o mimadinho não ajudou em nada e todos nós – com exceção do Jaebum que deve ter ficado em minha embarcação – fomos andando. Namjoon e Suga nos guiavam. Parece que com a ajuda deles, o caminho ficou mais claro e muito menos confuso. Eu já conseguia saber para que lado viemos.

Após andar bastante, começo a sentir grãos finos de areia tocando minha pele sensível do pé e avisto o mar cristalino. Já chegamos à praia e consigo ver meu navio.

Jaebum anda mancando em nossa direção e posso notar que sua perna já parece bem melhor.

- Está melhor? – Pergunta Jeongguk a JB enquanto apoiava-se em Yoongi como se ele fosse um paralítico e não conseguisse andar. Desnecessário, afinal ele apenas torceu o seu pé.

Entro em meu lar e vou até meu quarto perto do escritório . Tranco a porta e troco de roupa já que a outra parecia bastante suja. Coloco as roupas no cesto de roupa suja para alguém lavar – pois essa tarefa era de Mark o qual está desaparecido. Após trocar de roupa, destranco a porta e vejo o príncipe entrar em meu quarto mancando ainda.

- O que você está fazendo aqui? – Pergunto arqueando minha sobrancelha em sinal de confusão.

- Me disseram que você tem um tipo de geléia milagrosa que ao passar no machucado alivia a dor. Meu pé está torcendo bastante.

- E por que você acha que vou te ajudar? Posso guardar tudo para mim. – Disse sorrindo tentando o provocar.

- Porque você quer o dinheiro do resgate e para isso eu preciso estar bem. – Deu de ombros enquanto forçava um sorriso. Sorri mais abertamente com sua esperteza e fui até meu armário pegando o pote de vidro deveras pequeno e abrindo a tampa.

Sentei-me na cama e Jeongguk sentou em meu lado estendendo seu pé. Sinto um leve cheiro de chulé, mas não é como se eu não tivesse. Então apenas ignoro o cheiro ruim e pego o pincel que estava dentro do pote do remédio caseiro feito de frutas um tanto exóticas. Passo o pincel na geléia e depois começo a passar na área machucada de Jeon. Ignoro seu olhar bem fixado em mim e em minhas ações e continuo a passar em sua pele pálida e macia demais para meu gosto.

Após passar por alguns minutos o remédio caseiro, guardei o pincel dentro do vidro e fechei o pote deixando-o ao meu lado na cama.

- Obrigado. – Jeongguk colocou sua mão em cima da minha em uma forma de chamar minha atenção e sorriu. Parecia realmente agradecido com algo que pode ser considerado mais que minha obrigação.

- Não me agradeça por nada. – Tirei sua mão branca de cima da minha e levantei-me da cama. Peguei o vidrinho de geléia e guardei-o em seu devido lugar.

- Mesmo assim... Obrigado. – O vi dar de ombros e se levantar da cama mancando um pouco até a porta surrada de meu cômodo preferido. Saiu pela porta deixando-me sozinho.

Já era tarde da noite e enquanto esperava meus tripulantes terminarem a janta que é basicamente fruta com um pedaço pequeno de um veado que Yoongi e Namjoon caçaram que possuía um tamanho mediano e um peixe pequeno que Jungkook pescou, resolvi dormir um pouco.

 

{xxx}

 

Acordei com alguém me chamando e logo pude perceber que era nada mais nada menos que Jackson. Seus olhos estavam vermelhos e sua faça inchada e avermelhada demonstrando choro recente, provavelmente por causa de Mark.

- A janta já está pronta. – Afastou-se de mim e quando iria sair do cômodo eu o chamei novamente. Não se virou para mim, apenas me ouvia e respondia de costas mesmo.

- Quanto tempo eu dormi?

- Aproximadamente uma hora. – Respondeu rapidamente e saiu. Levantei-me da cama e fui para o local onde sempre jantamos. Era parecido com uma sala de jantar do palácio, mas os móveis eram menos chiques. Consegui-os roubando de um homem rico meses atrás.

Ao entrar no local todos ficaram em silêncio, mas em seguida dei permissão para continuarem conversando. Sentei-me em meu lugar de sempre e peguei alguns pedaços de manga, para ser mais específico, os maiores pedaços e os mais maduros. Quando peguei o maior pedaço do veado, Jeongguk pegou-o de meu prato.

- O que você pensa em que está fazendo? – Arregalei os olhos e em seguida dei meu olhar mais assustador para o príncipe que não ficou nem um pouco afetado. Apenas ignorou meu tom grosso e meu olhar conhecido como “Olhar da Morte”. Os meus tripulantes pararam de comer e conversar para observar a briga que está muito próxima de acontecer. É melhor o mimado não continue a me irritar.

- Quem disse que você quem deve ter o maior pedaço da carne? – Cruzou os braços. Revirei os olhos com sua irritação desnecessária e lhe joguei um olhar desafiador que logo foi retribuído.

- Eu?! Eu sou capitão! O líder daqui! É mais que óbvio que eu tenho que ter a carne melhor.

- E eu sou um príncipe!

- Caguei para isso mimadinho! Aqui é o meu navio e eu decido tudo do jeito que quero! – Lhe lancei o último olhar desafiador e fui pegar o pedaço da carne que deve ser minha. – Agora me devolva a minha carne.

- Idiota! – Murmurou emburrado com um baita bico formado nos lábios. Se ele não fosse tão irritante quem sabe eu até o acharia fofo de alguma forma.

- Precisa de mais que isso para me deixar irritado de verdade, príncipe. É acho melhor você não me provocar. Sou muito mais perigoso do que você pensa! – Envio o pedaço do veado na boca e mastigo e engulo sem nem um pingo de educação.

- Mastigue de boca fechada, por favor. É nojento te ver comer deste jeito! – Reclamou fazendo careta.

- Eu como do jeito que eu quiser, Jeon! Agora coma e para de reclamar senão te deixo sem comida e te tranco em seu quarto por dias.

- Você não teria coragem! – Me desafiou mais uma vez. Esse garoto não tem medo de mim! Incrível!

- Ah, eu tenho! – O olhei desafiando-o com o olhar mais uma vez. – Eu já te enforquei. Quer que eu faça isso de novo? – Arqueei a sobrancelha. Os outros caras se encolheram na cadeira, até mesmo Namjoon e Yoongi. Sabem quando estou ficando realmente irritado e as consequências disso.

Jeongguk bufou e levantou-se da cadeira fazendo-a ranger no piso de madeira e saiu do local em passos firmes. Os tripulantes ficaram me encarando esperando saber qual seria minha reação a tudo isso. Eu apenas peguei o máximo de comida e enfiei em uma das tigelas de barro saindo da mesa quase fazendo a cadeira e madeira podre ir ao chão.

- Terminem de comer o mais rápido que conseguirem e arrumem isso. Vão dormir que quero vocês todos dispostos assim que o sol começar a aparecer. Quero arrumar esse navio e sair dessa ilha o mais rápido possível. – Saio do cômodo após ouvir o “sim, capitão!” dos meus homens.

Não quero ir para meu quarto. Não há nada interessante para fazer lá nesse momento e não estou com nenhuma vontade de dormir. Acho que estou insônia, então vou para onde tem uma visão mais bonita e agradável do mar. Gosto de como a lua cheia dá reflexo para as águas salgadas do oceano. O mar de dia é bonito, mas à noite é mais bonito ainda. Não sei explicar, mas quando observo o reflexo da lua no oceano eu consigo uma sensação de paz inexplicável.

Perdi a conta de quanto tempo fiquei observando a paisagem enquanto terminava de me alimentar, mas imagino que tenho ficado quase uma hora. Quando estou sentindo o vento no cabelo e a sensação de paz é como se só existisse eu e o oceano. Não sei explicar o quanto eu amo navegar. É um dos poucos momentos que me sinto verdadeiramente feliz. Claro que existe os momentos de estresse, como os momentos em que meus tripulantes resolvem não me obedecer ou quando dá alguma coisa errada. Mas eu amo navegar! O mar é meu lar e nunca vou deixá-lo.

Ouvi passos de aproximando de mim e senti a presença de alguém. Primeiramente achei que fosse Jeongguk, mas depois a pessoa apoiou-se na borda do navio e eu notei ser Namjoon. Ele começou a observar a água também e sorriu. Sei que também gosta bastante da sensação de navegar e por isso caso eu morresse ou desistisse do navio, daria o meu navio para Namjoon. Além de ser o que mais gosta de comandar os barcos nas águas – depois de mim –, é o mais responsável de todos meus homens.

- Já está menos irritado? – Perguntou. Em nenhum momento virou-se para me olhar. Continua observando a paisagem assim como eu.

- Sim. Você sabe que esse tipo de paisagem me deixa mais alegre. – Apenas assentiu concordando com minha fala. Notei que o Kim queria me perguntar algo, porém parecia não ter coragem para isso. – Vai! Pode perguntar o que quiser.

O mais velho enfim me olhou. Todavia, seu olhar era profundo e parecia que estava me avaliando, observando minhas reações. Descobrindo meus sentimentos mais profundos e verdadeiros.

- Você acha que vai se apaixonar por Jeongguk? – O olhei assustado. Como assim me apaixonar pelo mimado?

- Você está louco Namjoon? Mas é óbvio que não! Eu nunca me apaixonei de verdade e não vai ser o príncipe mimado que vai me conquistar. – Assumi uma postura séria.

- Mas você tem que admitir que o rapaz é gostoso e atraente. – Sorriu malicioso. Fiquei o olhando por um tempo pensando se digo o que acho realmente.

- Okay, eu admito. Eu o acho muito atraente sim. Mas me apaixonar por ele? Jamais! – Deu uma risada soprada e encarou a lua brilhante que iluminava a ilha.

- Pelo menos você acha-o atraente. Já é um começo. – Sorriu. Eu revirei os olhos e bufei com sua audácia idiota e inconveniente.

- Nem começa Kim! Dá última vez que você falou que eu iria ficar com alguém, nunca fiquei!

- Não era culpa minha se você quase comia Bogum com os olhos. – Debochou de mim.

- Mas não fiquei com ele. Era um idiota. – Dei de ombros. – Agora se for para ficar me fazendo perguntas idiotas, eu vou indo dormir. – Vou andando em direção ao meu quarto sem dar boa noite para meu “amigo”.

- Boa noite para você também Taehyung. – Riu soprado e voltou a observar o céu cheio de estrelas.

Voltei para meu quarto e tranquei a porta. Deite na cama macia e enquanto esperava o sono chegar fiquei encarando o teto branco do teto. Eu? Apaixonado pelo príncipe? Nunca!


Notas Finais




Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...