História The Possession grids (Longfic - BTS - Taehyung) - Capítulo 1


Escrita por: ~

Postado
Categorias Bangtan Boys (BTS)
Personagens J-hope, Jimin, Jin, Jungkook, Personagens Originais, Rap Monster, Suga, V
Tags Ação, Bts, Drogas, Taehyung, Violencia
Visualizações 48
Palavras 1.825
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Colegial, Escolar, Hentai, Mistério, Romance e Novela, Suspense, Violência
Avisos: Álcool, Bissexualidade, Drogas, Heterossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sadomasoquismo, Sexo, Tortura, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


Olha quem não conseguiu se conter e tá iniciando outra Longfic! É pois é, a ansiedade não deixo eu ficar quieta.

Mas enfim, espero gostem e *vambora* ler.

Capítulo 1 - Mais um ano (Prólogo).


Fanfic / Fanfiction The Possession grids (Longfic - BTS - Taehyung) - Capítulo 1 - Mais um ano (Prólogo).

5º-feira.

02:45 da madrugada.

Assim que a porsche preta é estacionada em frente ao galpão pouco movimentado devido o deserto das ruas, o homem de meia idade denominado Marcos Baettan desembarca do automóvel e se põe a analisar o local onde estiverá a seis meses atrás. 

Com a falencia de sua empressa o mar de dividas lhe foi certeiro, a beixa renda mensal de seus negócios o afetaram tanto que a única alternativa pensada naquele momento fora se envolver com lavagem de dinheiro e desvios feitos a suas diversas contas no esterior, o que por um bom tempo não lhe deu complicaçãos visto que tudo ocorria em seus devidos conformes.

Os golpes por si davam-se como bem sucedidos e sua renda mensal nunca fora tão alta assim como o seu patrimônio. Entretanto, por uma causa ainda desconhecida, todo o convênio desonesto com o qual o senhor se envolverá, passou a falhar constantemente em um número alarmante que pora todo o seu avanço em risco. Temendo uma vida pobre e privada de seus luxos, Marcos opitou por fazer um empréstimo com um dos piores traficantes que vivem em Seul. Mas isto pareceu não lhe importar, a única coisa que interressava ao homem de meia idade, era continuar com seus mimos e pertences valiosos aos quais tanto se apegará.

Agora caminhando a passos apreensivos para dentro da cobertura, Marcos busca em sua memória desculpas convincentes para prestar ao indivíduo a quem deve e que lhe agurda sereno em sua sala. Embora soubesse dos prós e contras que viriam adstritos com este acordo, o senhor no alge dos seus 45 anos só considerava o fato de que não podia ser restringido de seus bens e fortunas. A vivência pobre de fato lhe despertava repulsa e após ter tido uma longa trajetória de luxo e classe alta, acabar como um zé ninguém lhe seria um castigo pior que a morte.

...

Centrado em desfrutar do conforte de sua sala, Kim Taehyung agora repolsa sobre sua poltrona da couro e descansa os pés ainda calçados na mesa a sua frente. O dia para ele fora exaustivo. Com tantas encomendas de drogas e armamentos pesados que receberá, não lhe restou tempo algum para descansar durante o do dia, somente agora na calada da noite é que se viu livre de seus esquemas sujos e corruptos.

A única coisa que ainda tem lhe prendido aqui neste galpão e o impedido que pegue seu carro e diriga a toda velocidade para sua mansão, é a espera impaciente espera pelo homem que lhe ligará mais cedo afirmando querer tratar de negócios importantes.

Kim sabia o que Marcos queria e porque resolveu aparecer antes do prazo instipulado para lhe pagar. A fragibilidade de seus subordinados a lhe dar de volta tudo aquilo o que devem já era conhecida pelo rapaz, e assim como todos os outros que passaram por esta sala alegando não ter condiçãos de quitar suas dividas, Marcos acabará morto pelas próprias mãos de Taehyung. 

Duas batidas na porta lhe despertam de seu quase cochilo, e Kim se ajeita na cadeira revestida de couro vagamente irritado por ter sido incomodado. Certo de que seria um de seus empregados avisando que o tal sujeito com os segundos contados acabará de chegar, Kim abre a segunda gaveta de sua mesa, e pega o compartimento de balas calibre 56 recarregando sua arma.

ㅡ Entra. ㅡ dita sem muito ânimo.

ㅡ Com licença senhor Kim. ㅡ seu subalterno pede adentrando o cômodo. ㅡ Marcos chegou e está acompanhado de alguns seguranças.

A risada abafada de Taehyung ecoa pelo lacal e o homem ainda parada ao lado da porta, esboça um sorriso ladino em concepção com a atitude de seu chefe. Ambos ali sabem o quão tolo o senhor ainda na segunda sala deste galpão foi em trazer proteção, isso só evidência a total falta de corragem que tem em vir acertar as contas, e se Marcos acha mesmo que conseguira sair daqui a não ser em um saco preto direto para o necróterio, ele esta redondamente enganado, pois seus segurnças terão o mesmo destino que ele.

ㅡ Manda ele entrar.

ㅡ Sim senhor. ㅡ o maior acente abandonando o cômodo e Kim relaxa na cadeira com um ar divertido ao saber da tolice de Marcos.

Embora Taehyung seja bastante novo para ser líder de um império no mundo do tráfico, ele é muito esperiente na área e não comete o deslize de ser pasado para trás. Tudo o que o garoto faz é muito bem pensado e seu lucro demasiado o benéficia imensamente por isso. E assim como em todos os acordos que já fez, ele não sairá desse sem ser compensado. Não é só a morte de Marcos que ele quer, Kim também o fará sentir na pele as consequências de se meter com alguém como ele.

ㅡ Por aqui. ㅡ o mesmo homem que adentrou esta sala instantes atrás abre a porta conduzindo Marcos a entrar.

Taehyung o analisa com uma mão no queixo e o mais velho engole em seco indo se sentar na cadeira de frente para o garoto. O medo está estampado na face de Marcos. Ter conciência de que podera sair daqui sem vida meche tanto com seu pisicológico que as batidas de seu coração já encontram desreguladas.

ㅡ Você pode sair. ㅡ o mais novo diz ao homem parado ao leste da sala e este logo acente se retirando e deixa apenas Marcos e Kim um na compahia do outro.

Por longos segundos a única coisa ouvida são as respirações de ambos os indivíduos na sala, ㅡ uma mais descompensada que a outra. ㅡ O nervosismo do senhor de meia idade é tão evidente que Taehyung não contém um sorriso ladino de pura maldade para com o homem a sua frente.

ㅡ E então? O que te trás aqui? ㅡ Kim pergunta com certo deboche no seu tom de voz.

Marcos se ajeita ficando mais confortável na cadeira e fita rapaz de órbes escuras se preparando para o que tinha a dizer. Ele realmente não tem como pagar o que deve, mas a oferta que veio fazer sem dúvidas pode despertar o interrese de Taehyung.

ㅡ Vim lhe fazer uma proposta. ㅡ dita simplório observando atento as reações do mais novo para si.

ㅡ E você acha mesmo que eu vou aceitar? ㅡ a expressão de Kim muda para uma séria e irritadiça. Como pode Marcos vir aqui lhe fazer um proposta quando lhe deve mais de trezentos mil? Com toda certeza o homem sentado na cadeira está pedindo para morrer mais cedo.

ㅡ Se eu não achasse não estaria lhe fazendo a oferta. ㅡ apesar de temeroso com o que poça acontecer Marcos deposita confiança em suas palavras na tentativa de convence-ló. ㅡ Tem certeza de que vai gostar do que eu tenho a lhe propor.

Kim puxa sua arma da cintura e a aponta para Marcos que recua com o susto, mais permanece no lugar atônito. Ele não esperava por isso, Mas Kim sebe muito bem o que faz e qualquer deslize que o mais velho poça dar ele não exitara em lhe acetar uma bala bem no meio da testa.

ㅡ É bom que esteja certo, porque se eu não gostar do que ouvir você já era.

Marcos concente ainda encarrando o revólver e quase engasga com a própria saliva de tanto engoliar o seco. Tomando corragem para voltar ao que dizia, o idoso volta seu olhar para Taehyung e fita as órbes escuras percebendo que o mais novo não está blefando.

ㅡ E- eu vim te pedir mais um ano. ㅡ fala afoito. ㅡ Mais um ano para eu poder te pagar o que devo e em troca eu lhe entregarei minha filha.

Taehyung ri soprado com o que acabada de ouvir. ㅡ Sua filha? ㅡ pergunta irônico. ㅡ O que menos me falta na porra dessa vida é mulher e você me oferecer uma vadiazinha qualquer! ㅡ branda nitidamente alterado.

Kim posiciona seu dedo para fazer o desparo mais antes que o faça se lembra de que não pode matar Marcos agora, primeiro terá que tortura-ló um pouco pisicologicamente.

ㅡ Como vai a sua esposa?

A pergunta do mais novo sai carregada de sarcasmo, o que faz Marcos perceber o que se passou e as inevitáveis lagrimas começam a descer pelo seu rosto. A essa altura a única pessoa que Marcos mais amava além de si mesmo está esquartejada em uma sala não muito distante desta, e seus restos mortais seram jogados as cães de guarda do local assim que o mais velho  estiver identico a sua falecida esposa.

ㅡ O que fez com ela Kim? ㅡ a voz do idoso já se encontra embargada por conta do chora, mas em nenhum momento deixa de ser calma.

ㅡ Você sabe o que fiz. ㅡ sorri malandro. ㅡ Mas antes de eu dar o mesmo destino a você vou deixar que veja o resultado. 

Prontamente Taehyung abre a mesma gaveta de onde tirou o compartimento de balas, e apanha um envelope pardo o jogando mais a sua frente na mesa para que Marcos pegasse. O mesmo contém as fostos de MinHee, a mulher de 42 anos que agora se encontra sem vida em um saco preto na sala próxima. Macos retira a primeira foto e observa o rosto desfigurado de sua mulher agora morta e mais lágrimas de desespero transvordam pela vista do senhor que se sente profundamente triste neste momento. Como pode Kim ser tão sem escrúpulos assim?

ㅡ Agora vamos acabar com você. 

Taehyung pega sua arma novamente e mira na direção do homem pronto para atirar. Um único disparo e tudo já era, Marcos se juntaria eternamente a sua falecida esposa lá nas profundezas do inferno, lugar aonde Kim mais tarde saberia que ia parar também.

ㅡ Fiquei sabendo que gosta de brasileiras. ㅡ Marcos dita sem se importar com a arma apontada para sua cabeça. ㅡ Melhor ainda seria se fosse virgem não?

Pela primeira vez desde que o homem chegou neste galpão, Kim realmente se sente minimamente interressado no que o mais velho tem a dizer. De fato mulheres estranjeiras sempre despertaram um desejo avassalador em Taehyung, principalmente as brasileiras que são demasiadamente chamativas por seu corpo escultural e avantajado. Mas virgem...? Seria melhor do que qualquer coisa que ele teria imaginado.

ㅡ Onde quer chegar? ㅡ pergunta desconfiado.

ㅡ A minha filha Kim. ㅡ fala um pouco mais recuperado da tragica notícia. ㅡ Ela é dois em um, e eu a entrego a você em troca de mais um ano para poder pagar o que lhe devo.

Taehyung analisa o homem buscando sinais de mentira mas para sua insatifação ㅡ ou não ㅡ ele não há encontra. Embora saiba que vá matar Marcos independente de qualquer coisa, seria ótimo realizar esse fetiche de transar com uma brasileira virgem. Então porque não aceitar? Ele vai sair ganhando de qualquer jeito mesmo.

ㅡ Acho que podemos entar em um acordo. ㅡ Kim devolve sua arma a gaveta e apoia um dos cotovelos no braço da poltrona e põe a mão no queixo fitando o mais velho. ㅡ Eu quero ela aqui amanhã.


Notas Finais


E então o que acharam? Eu confesso que fiquei meio incerta em relação ao prólogo mas enfim...

Um beijão da tia Kimffs e até o próximo.


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...