História The precious heir - Interativa - Capítulo 4


Escrita por: ~

Exibições 71
Palavras 1.549
Terminada Não
LIVRE PARA TODOS OS PÚBLICOS
Gêneros: Comédia, Romance e Novela, Shoujo (Romântico)
Avisos: Heterossexualidade
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas da Autora


Hellow mininis ~ tudo bem?
Então, vim aqui deixar um capítulo curtinho sobre o príncipe russo para que vocês não pensem que vou negligenciar os seus personagens. Todos terão as mesmas chances, pois temos uma princesa justa!

Estou esperando alguns prólogos para começar a mostrar os selecionados :<

Capítulo 4 - Capítulo II - O príncipe


Fanfic / Fanfiction The precious heir - Interativa - Capítulo 4 - Capítulo II - O príncipe

O quarto do rei, assim como o de Chloe, tinha vista para os jardins. Conforme o sol mudava de posição, a luz ganhava um tom alaranjado acolhedor e iluminava as altas muralhas. Ainda era cedo e a princesa acordou sozinha na cama. Seu pai provavelmente estaria cuidando dos preparativos para a seleção. Ela amava esses pequenos cuidados dele e isso trouxe um aperto inesperado em seu coração. Talvez fosse desses detalhes e do amor expresso em gestos que Moriarty tanto sentia falta.

Não era justo ter todo um reino enquanto seu irmão não tinha nem mesmo um pai. Sacudiu a cabeça tentando dissolver os pensamentos negativos que corroíam sua mente logo cedo. Teria uma lista de problemas para lidar, um sorteio em uma semana para realizar e o um príncipe russo para acalmar. De repente o quarto pareceu pequeno diante da multidão de pesos que estavam sendo colocados em seus ombros.

Andava pelos corredores de pijama e observava o vai e vem de criadas e funcionários preparando o castelo para receber trinta e cinco convidados. As decorações de sua festa mal sucedida de aniversário davam lugar ao azul royal e flores silvestres escolhidas para receber os filhos de Illéa. Mas ainda faltam duas semanas, pensou ela arqueando a sobrancelha. O quarto pareceu distante devido aos passos lentos da princesa perdida em pensamentos e nem viu quando tropeçou encontrando um par de olhos azuis que pareciam despedaçá-la.

— Bom dia, Russ — a menina sorriu temerosa tentando desfazer a fúria que consumia o príncipe da Rússia. Ele a puxou pela mão a apressando para o quarto onde poderiam conversar sem dezenas de pares de olhos atentos a sua discussão. Milhares de nós pareceram se formar no pescoço da menina e não conseguia desatar nenhum deles, os engoliu ruidosamente sentindo o incômodo percorrer seu interior enquanto a postura de Russell se erguia diante dela de forma assustadora. Um de frente para o outro, alheios a beleza de um jardim meticulosamente planejado, alheios ao conforto e luxo do quarto de uma princesa.

—  Eu me atraso algumas horas e você se compromete com 35 garotos de uma só vez, Chloe. Achei que... —  ele vira o rosto e suspira sentindo a dor de seu peito percorrer suas veias como chumbo o deixando pesado —  pensei que você estivesse comprometida comigo.

—  Russell ... —  tentou alcançá-lo com sua mão pequena mas recuou mordendo o lábio, temendo que o contato com ele a pudesse destruir em dezenas de cacos quebrados de seus sentimentos feridos.

Endireitou os ombros em uma postura forte. Seu peito eram balões de água estourando e inundando cada centímetro dela. Estava se afogando em suas emoções.

—  Antes de estar comprometida com você, estou comprometida com Illéa. Você mais do que ninguém deveria entender. —  seu par de olhos dourados buscavam compreensão dos azuis magoados do príncipe.

—  Sim, entendo que você tem um país em seus ombros assim como eu também o tenho. — a princesa envolveu suas mãos uma na outra tentando se impedir de lançar-se em um abraço tentando retirar com seu toque toda a dor expressada naqueles olhos azuis. Um cenho franzido. Um coração ferido. Um príncipe traído. — Esta é a nossa maior diferença, princesa. Você sempre esteve em um lugar acima do reino no meu coração.

Chloe carregava uma expressão ferida por milhares de flechas, por milhares de palavras, por milhares de sentimentos cortantes. Labaredas de fogo a consumiam e seu rosto queimava em tons de vermelho e rosa.

—  Não me peça algo que não posso fazer, Russ. Você tem irmãos que poderiam assumir no seu lugar, você tem um pai e uma mãe jovens e fortes que governam com pulso de ferro. Eu sou a única pessoa disponível no momento para Illéa, bem, eu e o meu meio irmão. Mas não existe possibilidades de entregar o país naquele par de mãos vingativas.

Russell avançou em uma marcha cuidadosa, cada passo que diminuía a distância entre eles era um ataque nas muralhas fortificadas que Chloe levantara. Muralhas de responsabilidade. Muralhas de um compromisso com um país que ela carregava em seu sangue. As mãos firmes do príncipe foram o golpe final, destruindo as barreiras de uma menina assustada demais, e os ombros dela cederam ao toque caindo lentamente enquanto o ar que parecia preso a mil anos em seus pulmões saia devagar.  

—  Já que não existe outra possibilidade e você não permite um príncipe participar da seleção, irei abrir mão da Rússia pela chance de ter sua mão. No fundo sempre soube que essa teria que ser minha decisão se quisesse ficar com você.

Ondas de desespero e surpresa inundavam e balançavam Chloe que agora era arrastada pela força das palavras de Russell. O sorriso travesso do príncipe eram relâmpagos, eletricidade que percorria a pele e lhe provocaram arrepios. Um passo para trás. Um negação em um aceno de cabeça andava de braços dados com a culpa.

—  Não. Jamais poderia permitir que você abrisse mão do seu futuro Russell. Isso é demais, isso é … — as palavras escaparam furtivamente fugindo com o vento que vinha da janela. Tentou se apoiar nas grades intrincadas com flores e folhas de metal que serviam de divisória entre ela e uma queda dolorosa pela sacada. Não ouvia, nem mesmo se virou enquanto os passos de Russell se aproximavam dela. Não sentia, estava paralisada. Presa em cordas de responsabilidades que a puxavam para baixo, para as profundezas de um oceano de confusão. O toque em sua cintura a içou de seu naufrágio.

—  No momento, você é o único futuro que tenho em mente — Um olho azul abriu e fechou em uma piscadela que provocou um sorriso fraco na princesa, mas foi o suficiente para cessar as lágrimas que escorriam sem permissão.

—  Isso é loucura... — o dourado e o azul se misturam quando os olhos se encontram. Um suspiro pesado. Um abraço apertado e um beijo no alto da cabeça de cabelos castanhos de um tom tão claro que poderia ser confundidos com raios de sol.

— O amor verdadeiro geralmente vem acompanhado de insanidade —  beijou a testa da princesa, suas mãos percorriam a face delicada fazendo contornos e desenhos que só ele via.

—  Russ, eu tenho que dar chances iguais a todos. Você teria uma certa vantagem só pelo fato de já me conhecer. — não teve forças para se desvencilhar daqueles braços tão acolhedores. Deixou-se pender para o amparo daquele ombro e respirou o perfume cítrico sentindo suas preocupações sendo dissolvidas.

— Na Seleção de sua bisavó, Eadlyn, um dos candidatos vivia no palácio. — encostou sua fronte na da princesa se permitindo ficar à distância de um beijo — E eu, vivo na Rússia — ambos riram. A respiração dela inebriava o russo que precisou se afastar para não acabar provando o gosto dos lábios rosados do pequeno pássaro de asas coloridas e olhos dourados que parecia estar sempre querendo voar para longe dele — Se você pensa que vou desistir sem lutar, está muito enganada. Agora que sei o que é amar, se deixasse você ir tão facilmente, bem, isso me mataria.

— Não acredito que estamos fazendo isso, não acredito que estou fazendo uma seleção —  a distância mesmo que de uns poucos centímetros era assustadora, e logo ela se lançava mais uma vez em um abraço familiar. Sentiu quando ele apoiou-se no alto de sua cabeça. Sentiu quando as mãos firmes envolveram sua cintura. Só não sentia mais suas pernas que pareciam ter se desfeito em água.

— Se você disse que era a única saída, confio no seu julgamento. Me deixe ser o candidato de Angeles, me deixe conquistar o direito de me casar com a futura rainha de Illéa. Me deixe lutar para ficar ao lado da mulher que eu amo, Chloe. — a intensidade de seu olhar parecia um oceano prestes a engoli-la em suas frases apaixonadas. Ela suspirou se deixando mergulhar de cabeça no azul dos olhos de Russell.

— Russell Reski Diacomom, você é o tipo mais problemático que já conheci, sua lábia diplomática e tendência ao drama me deixam sem saída. Espero que seus pais não mandem um exército para resgatar o filho quando anunciar em rede nacional que abriu mão do reino. — revirou os olhos e cruzou os braços, o pé direito batia no chão resignado enquanto esperava uma resposta. Um meio sorriso aparecia furtivo em seus lábios.

— Vou ter que anunciar em rede nacional? Serei um homem morto. Um homem perdidamente apaixonado, porém morto. — os olhos azuis brilhavam animados apesar das palavras mórbidas, ele estava radiante.

—  A decisão é sua. — deu de ombros querendo ficar séria mas se desfazendo em um sorriso travesso.

—  Depois eu é que tenho tendência ao drama, huh? — deu um peteleco no nariz pequeno da menina que logo levou as mãos ao rosto e fez uma careta.

Daqui a apenas duas semanas sua vida não seria mais a mesma. Estaria convidando homens desconhecidos a viver em sua casa. Conheceria trinta e cinco jovens totalmente diferentes e tinha medo do que poderia acontecer com suas emoções. Ela só tinha uma única certeza, que mesmo em meio a loucura de uma seleção teria pelo menos uma pessoa com quem poderia contar. A pessoa que deixaria seu reino para ficar ao seu lado. Ao mesmo tempo que isto era confortante, era assustador. O pavor e a adrenalina percorreram suas veias, e que venha a seleção, pensou observando as nuvens.


Notas Finais


Dessa vez não teve capa, pois estou com preguiça ... mentira, verdade aklshlaslkahslas
Gostaram do capítulo? Me odeiam? Vocês vão continuar lendo?

POR FAVOR NÃO SE ESQUEÇAM DOS SEUS PRÓLOGOS.
Comentários me alegram e me animam a escrever mais e rápido :)


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...