História The Princess and the commoner - Capítulo 71


Escrita por: ~

Postado
Categorias A Seleção
Tags América, Aspen, Carter, Celeste, Daphne, Kriss, Lucy, Marlee, Maxon, Nicoleta
Exibições 207
Palavras 2.144
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 14 ANOS
Gêneros: Colegial, Escolar, Esporte, Famí­lia, Festa, Romance e Novela
Avisos: Linguagem Imprópria, Spoilers
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Capítulo 71 - Baile


P.O.V America

- vamos America, você precisa terminar de se arrumar – Marlee apareceu na porta do escritório.

- estou indo – resmunguei, terminado o último relatório.

- você está cheia e bobs no cabelo e está no escritório. Você pode por favor, se apressar? Até eu já estou pronta – ela reclamou.

Isso era verdade. Eu já estava com o cabelo quase pronto e a minha maquiagem já estava pronta. Segui com ela até o meu quarto, e a mesma não parava de resmungar. Serio, Marlee gravida era cinco vezes pior que uma Marlee normal.

 

- obrigada Marlee – Celeste sorriu ao nos ver entrar no quarto – pode ir terminar de se arrumar – ela tentou ser gentil.

- ta bom – Marlee sorriu e saiu.

- como ela está chata – Celeste resmungou.

- nem me diga – revirei os olhos.

- agora venha terminar de se arrumar, ou a May vai pirar – ela disse, me puxando para o meio do quarto.

- é isso é verdade – ri.

Continuamos conversando enquanto eu deixava Celeste e Julia fazerem o que quiserem comigo. Meu vestido era longo, na cor bege e um pouco armado, salto nudi simples, maquiagem clara, no meu cabelo feito um coque que encaixava perfeitamente a coroa oficial e a máscara dourada.

- maravilhosa – Celeste sorriu.

- obrigada – sorri – você também está linda – a elogiei.

Celeste usava um vestido vermelho com um corpete apertado, salto vermelho, maquiagem um pouco mais pesada, seu cabelo está em um coque que encaixava a coroa e a máscara preta com detalhes vermelhos.

- May acertou nos nossos vestidos – comentei.

A verdade era que May quem tinha escolhido o vestido de cada uma de nos. Ela nos queria perfeitas para o seu dia perfeito, então não reclamamos.

- vamos? Acho que a ruivinha já está nos esperando – Celeste me apressou.

- vamos sim – concordei.

Fomos até a escadaria principal que dava para o primeiro andar. Apesar do baile ocorrer no salão de bailes, que era enorme, nós iriamos nos encontraríamos ali, para irmos todos juntos.

- vocês estão maravilhosas – Dan sorriu.

- oi, que bom que chegou a tempo – sorri antes de lhe dar um selinho.

- obrigada querido, mas eu nasci maravilhosa – Celeste como sempre sendo Celeste.

- não tenho dúvidas disso minha linda – Domi sorriu para ela.

- priminho – sorri indo abraça-lo.

- oi ruiva chata – ele sorriu.

- como sempre sendo um amor, não é Domi? – Marlee chegou junto de Carter.

- e a loira falsificada chegou – ele brincou – você está linda gravida em, oi cara – os cumprimentou.

- Dominique – Carter o cumprimentou com um aceno de cabeça.

- oi Lee, está linda – sorri para a mesma.

Marlee usava um vestido amarelo longo, ele não apertava a sua barriga, que já estava a mostra. Salto dourado, maquiagem clara, cabelo solto e mascara dourada. Uma típica Marlee de amarelo.

- chegamos, estamos atrasados? – Lu perguntou, chegando com Aspen.

- não, May ainda não chegou – Celeste respondeu.

Os dois nos cumprimentaram. Lu também estava maravilhosa, seu vestido é azul tomara que caia, sandálias prata, cabelo em um coque baixo, maquiagem prata e mascara prata com detalhes em azul.

Logo a estrela da noite chegou, acompanhada de Lucas. May estava divina, seu vestido era azul, com duas camadas de tecido, o deixando volumoso na saia. Sandália prata, maquiagem prata meio azulada, seu cabelo estava meio solto meio preso, encaixando a coroa oficial e sua máscara azul. Acho que esqueci de mencionar, mas os meninos tinham suas gravatas e suas máscaras combinando com as nossas.

Juntos descemos até as grandes portas do salão de baile. Um guarda avisou que tínhamos chegados.

- uma salva de palmas para a Rainha America e o Príncipe Daniel – sorrimos e entramos juntos – Princesa May e Príncipe Lucas – os dois entraram exalando felicidade – Princesa Celeste e Príncipe Dominique – Celeste como sempre uma perfeita diva – Lady Marlee e Senhor Carter, Lady Lucy e Senhor Aspen – eles entraram um atrás do outro, sorrindo.

Rodei o salão cumprimentando todos. Todos os países aliados e amigos da família estavam aqui. May fez questão convidar todos para esta noite.

- Ames, que saudades – Nick me abraçou.

- ola, como você está? – perguntei me apoiando em uma das pilastras no canto do salão.

- bem, você viu minha filha por ai? – ela perguntou, olhando por cima do meu ombro.

- não vi, mas estou com saudades da baixinha – sorri.

- Pietra anda me deixando louca, com três anos mais some do que fica sob meus cuidados.

- você também é uma mãe desnaturada – brinquei.

- nossa – ela fingiu ter se ofendido – meu marido também não ajuda em nada, o Victor é complicado – ela reclamou.

- pelo menos eu sei onde nossa filha está – ele falou, chegando com a pequena Pietra.

- vichi amiga, ele ta mais responsável que você – brinquei – vem com a titia, vem meu amor – chamei a pequena, que logo veio para o meu colo.

- tia Meli – ela falou.

- é meu amor, vem, vamos comer uns docinhos – falei a tirando dali.

- não deixe minha filha igual você America – escutei Victor falando ao fundo.

Dei alguns doces para a pequena, e um copo de suco. Depois procurei sua mãe ou pai para devolve-la, eu ainda precisava cumprimentar algumas pessoas.

- aqui – devolvi a pequena para Nic.

- que horas será a reunião? – ela perguntou baixinho.

- logo após o pedido oficial do Lucas. Vai continuar a festa, mas você pode seguir direto para o meu escritório particular – informei, no mesmo tom.

- tudo bem, nos vemos durante a festa – ela sorriu e saiu com Pietra no colo.

Continuei rodando o salão. Muitos ministros me paravam para conversar, mas quando chegava em política, eu sempre dava uma desculpa e saia de perto.

 

- amor – Dan me abraçou por trás.

- oi – sorri.

- vamos dançar? – ele me virou de frente.

- claro – concordei.

Dancei duas músicas com Dan. Antes de alguém nos interromper e pedir para dançar comigo.

- Senhoras e senhores, um minutos da sua atenção, por favor – May estava com o microfone – em nome desta noite, meu noivo e eu propúnhamos uma dança diferente, hoje vamos dançar um valsa antiga, então, por favor, chamem seus pares e nos acompanhem nesta dança – ela sorriu e devolveu o microfone, indo se posicionar no salão.

- parece que eu me dei bem em ensaiar valsas antigas então – o meu acompanhante sorriu.

- Maxon! – exclamei surpresa – pois bem, espero que não pise em meu pé – brinquei.

Nos posicionamos e logo a música começou.

P.O.V Autora

Olhar os casais dançando uma valsa antiga é lindo. O amor transmitido pelo olhar de muitos é invejável, e Maxon e America não passam muito longe disso. O olhar que eles compartilhavam era lindo, deixando os dois em sua própria bolha. America sabia que lá no fundo, por mais que ela tentasse esconder, seu amor por Maxon ainda existia. Já Maxon, não tentava esconder em nada sua paixão pela ruiva a deixando em vários momentos sem graça.

Mas não era só nosso querido casal que dançava lindamente. Um casal, no fundo do salão também descobria sentimentos novos. Olhares diferentes, um novo sentimento surgia. Mas, será que eles terão olhos para perceber que isso pode ser seu futuro? Ou melhor, terão coragem de confessar que se amam?

P.O.V America

- obrigada pela dança Maxon – agradeci assim que a música acabou.

- por nada Majestade – ele fez uma reverencia.

- a reunião será logo após o pedido do Lucas, no meu escritório – informei antes de me afastar.

- America! Até que enfim lhe encontrei – Daf me abordou – ual você está maravilhosa.

- você também está linda – sorri – mas o que você quer?

- como pode ter tanta gente assim? Já faz uma hora que começou o baile e eu não achei ninguém que eu conheça – ela revirou os olhos.

- exagerada – brinquei – aposto que você nem procurou.

- não mesmo – ela deu de ombros, me fazendo rir.

- vem, as meninas devem estar sentadas com a Marlee, mas cuidado, ela ta meio instável – já avisei, andando pelo salão.

- eu vi aquela dança – ela falou baixinho.

- que dança? – me fiz de desentendida.

- a com o Maxon – ela me levou para um lugar mais afastado – America, o que você está fazendo com o Daniel, se você ama o Maxon? – ela perguntou brava.

- eu e o Maxon nunca vamos ficar juntos. O pai dele não permite, e ele não tem coragem suficiente para enfrentar o mesmo em relação a nos dois.

- America, essa reunião de hoje prova o contrário.

- ele vai fazer isso depois de se casar com ela. Não é tão ao contrario assim – falei.

- você é impossível America – ela bufou frustrada – só, não iluda o Dan, não deixe ele achar que há amor onde não tem – ela pediu.

- não vou – neguei – se eu ver que eu nunca vou sentir nada por ele, eu termino o nosso namoro.

- eu te amo amiga, mas você está cometendo a maior burrada da sua vida – ela sorriu sincera.

- porque a America está cometendo a maior burrada da vida dela? – Daniel se aproximou.

- coisas de menina – Daf olhou feio para ele – não sabe que é feio se intrometer na conversa dos outros?

- desculpe Daf – ele levantou as mãos em forma de rendição.

- vamos nos sentar? – perguntei tentando mudar o foco.

- claro – Daf sorriu.

Fomos em silencio para a mesa onde nossos amigos se encontravam. A mesa um pouco mais afastada do salão, onde a música não era tão alta, e dava para conversarmos normalmente.

- ola queridos – sorri ao nos aproximarmos.

- até que enfim apareceu, achei que já tinham te raptado pelo salão – Marlee fez drama.

- calma Lee, eu prometo não ser raptada até esse bebe nascer – brinquei.

- não, pode ir antes. Ninguém te suporta mais – ela fez um sinal com a mão para eu me afastar.

- ai Lee, assim você magoa o meu coração – fingi estar triste.

- não chora, eu te amo, me desculpa – ela levantou correndo para vir me abraçar.

- viu America, pare de fazer minha mulher chorar – Carter brigou comigo.

- desculpa, esqueci desse lado emocional dela – abracei a Lee – amiga não to triste, não precisa chorar, eu te amo – acariciei suas costas.

- promete? – ela pediu, com os olhos cheios de lagrimas.

- sim, prometo – sorri.

- então ta bom – ela concordou e voltou a se sentar.

Nos sentamos a mesa, a conversa fluía normalmente. Todos contavam as novidades que tinham. Marlee acabou soltando alguns podres nossos, que revelamos ontem, mas nada que pudesse nos prejudicar.

 

- ora, ora, se não são as putas do último ano – uma voz soou atrás de nos.

- Bariel – Marlee falou raivosa.

- o que você quer Bariel? – perguntei me virando.

Ok, não podia falar que ela estava feia, pois não era para tanto. Seu vestido era roxo, com um decote grande, e alguns detalhes abaixo do busto, ele não era tão volumoso, mas pelo menos desta vez era longo. Sua maquiagem era azul, muito linda, com uma batom claro. Sua máscara é lilás bem clarinha, com algumas pedraria, ela não era do meu gosto, mas não era feia.

- falar com você – ela disse, tentando ser autoritária.

- nossa última conversa não terminou muito bem. Você está em meu reino desta vez, não vou ser tão boazinha como fui na Asia – alertei, me levantando.

- não vou tentar nada, prometo – ela falou, levantando as mãos em sinal de rendição.

- ta bom – concordei.

Andamos em direção a sacada. Ficou um grande silencio por algum tempo. Bariel não falou nada além de tomar seu champanhe, e observar a festa. Quando fui me pronunciar, ela me pediu silencio.

- sabe, eu sei que você ainda ama o Maxon. Mas eu quero que você fique bem longe dele, entendeu? Como eu já te disse, ele vai se casar comigo, e não com você. Então pare de ter essas dancinhas ridículas com meu noivo – ela tentou se manter calma.

- sabe, se eu já estou com outro, deve ser porque eu já não o amo mais. E quanto a dança, você não se garante não? Foi só uma dança Bariel. Nem o meu namorado, que consegue ser super ciumento, está bravo comigo por causa da dança, pois ele se garante.

- então se você realmente não ama ele. Quero que você seja minha madrinha de casamento – ela se virou para mim, com um sorriso venenoso – você aceita?

- eu... – travei na hora de dizer.

Como eu iria ser madrinha do casamento do Maxon? Se eu não aceitar, vai ficar na cara que eu ainda o amo. Mas se eu aceitar, não sei se conseguiria ficar até o final da cerimônia. Não sei se conseguiria o ver se casando.

- vamos queridinha, preciso da sua resposta – ela continuava estampando aquele sorriso nojento.


Notas Finais


Roupa de todas elas: http://www.polyvore.com/baile/collection?id=5908556

Me desculpem por não postar na semana passada meu amores. Assim que possível eu postarei outro.


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...