História The Reluctant Heroes - Capítulo 15


Escrita por: ~

Postado
Categorias Os Heróis do Olimpo, Percy Jackson & os Olimpianos
Personagens Annabeth Chase, Apollo, Artemis, Bianca di Angelo, Calipso, Connor Stoll, Frank Zhang, Hades, Hazel Levesque, Jason Grace, Leo Valdez, Luke Castellan, Nico di Angelo, Octavian, Percy Jackson, Piper McLean, Reyna Avila Ramírez-Arellano, Travis Stoll, Will Solace
Tags Drama, Kawaii :3, Nico Di Angelo, Romance, Solangelo, Wico, Will Solace
Exibições 256
Palavras 2.086
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Bishounen, Colegial, Comédia, Crossover, Drama (Tragédia), Famí­lia, Festa, Ficção, Fluffy, Mistério, Musical (Songfic), Romance e Novela, Saga, Shoujo (Romântico), Shoujo-Ai, Slash, Universo Alternativo, Yaoi
Avisos: Bissexualidade, Heterossexualidade, Homossexualidade, Linguagem Imprópria, Spoilers
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas da Autora


Oi genteeee, tava morrendo de saudades!
Nico: sua hipocrisia ainda irá te matar.
Eu: Cala a boca e vai dá para alguém!
Nico: Oche... ta, tô indo...
Eu : >.< espera, é verdade mesmo? Calma aí que eu vou junto! ( ͡° ͜ʖ ͡°)


Ta gente, vou falar logo porque tenho "coisas para ver-digo fazer!
Mas falando com sinceridade agora, eu fiquei com preguiça de postar esse capítulo, sabe, primeira folguinha depois de anos! *dramatizando a cena
Aí falei para mim mesma, não posso deixar os meus leitores na mão, tenho responsabilidades e preciso arcar com elas. (Nico, coloca a música dramática de fundo que eu te pedi!)
Enfim, vou parar de enrolar e deixar vocês lerem!

Capítulo 15 - Dois órfãos se lamentando. Ô vida difícil essa, hein!


Fanfic / Fanfiction The Reluctant Heroes - Capítulo 15 - Dois órfãos se lamentando. Ô vida difícil essa, hein!

Autora

 

“- Oi... meu nome é Octavian.

Depois da apresentação do loiro, os alunos começaram a fazer as atividades rotineiras de educação física. Nico, Travis e Connor encaravam o menino imaginando mil e umas coisas para fazer com ele. Estavam tão focados nos planos mirabolantes que nem repararam que Octavian se aproximava.

- Olá, vocês já devem saber o meu nome, mas mesmo assim é falta de educação não se apresentar primeiro. Eu sou Octavian, é um prazer conhece-los. – O loiro falou sorrindo agradável.

- Muito simpático para o meu gosto. – Connor sussurrou para o irmão que deu um tapa repreendedor no braço do outro.

- Eu sou Connor e esse idiota aqui é meu irmão Travis, ah quase esqueci, esse emo é o Nico. Ele pode parecer sombrio, mas é gente boa. – Connor falou e Travis e Nico o encararam com uma interrogação. Geralmente era ele quem dava patadas nos novatos.

- Vocês parecem ser legais, que tal depois me mostrarem a escola? – Octavian perguntou sorrindo.

- Combinado. – Connor falou e depois eles voltaram as atenções para a aula.

Depois da aula de educação física, eles foram para o vestiário. Aquela aula era a última no dia, normalmente esse era o dia letivo que todos os alunos mais gostavam, (tirando a parte da aula de álgebra, já que nada na vida é perfeito) pois as aulas terminavam antes do almoço.

O tempo inteiro Octavian os seguia por onde andavam, isso de certa forma os irritou um pouco.

- Nico, porque você não mostra a escola para ele? Nós temos que... fazer um trabalho de inglês. É isso! – Travis falou puxando o irmão, que protestava, para algum lugar e deixando o moreno junto de Octavian. Quem precisa de inimigos quando se tem os irmãos Stoll como amigos! Pensava Nico.

- Então... vamos? – O loiro perguntou e Nico suspirou.

- É vamos. – Nico falou cansado enquanto andava e mostrava os lugares.

- Você não parece muito contente em me levar para conhecer os lugares, se quiser eu posso procurar outra pessoa para me mostrar. Não me importo. – Octavian falou distraído. Seria a melhor coisa que você faria para mim! Pensava Nico.

- Não, tudo bem, só estou um pouco cansado. – Mentiu Nico. – Ali é o banheiro masculino... então, por qual motivo veio para essa escola? Os pais o largaram por não te aguentar? Órfão? Família psicopata? Pais ausentes? E ali é o pátio.

- Nossa, você costuma perguntar essas coisas para os novatos? É de desanimar qualquer um. – Octavian falou rindo aumentando o passo já que Nico desceu as escadas pulando os degraus.

- A maioria das vezes é por esses motivos, só estava tentando puxar assunto... ah o banheiro feminino. – Nico deu de ombros.

- E você? Por que está aqui então?

- Órfão.

- Entendi. Acho que posso dizer o mesmo de mim, bom, minha mãe morreu faz pouco tempo e eu nunca conheci o meu pai, acho que nem quero conhece-lo. - Octavian falou simples.

- Por que não? – Nico perguntou.

- Err... é complicado. Meu pai nem fez questão de me conhecer quando nasci, sabe aqueles adolescentes irresponsáveis que saem se enfiando em qualquer buraco que encontra? Esse era o meu pai. Minha mãe o procurou quando soube que estava grávida, mas ele nem a ouviu, ficava achando que a minha mãe só queria o dinheiro dele. Depois disso, ela cuidou de mim sozinha. Tinha vezes que eu achava que ela me culpava pela vida que teve que levar, não só achava como também tinha certeza. Ela fazia questão de contar essa história sempre que podia, mas o que eu posso fazer, né? Ela era a minha única família e a pessoa quem me criou. Às vezes eu queria não ter nascido para não ter causado tantos problemas para a minha mãe... – Octavian falou suspirando e Nico o encarou sem saber quais palavras dizer, ele nunca foi bom em consolar as pessoas, mas ficou muito impressionado com a vida que o loiro teve que passar, deveria ser muito triste.

- Mas e os pais da sua mãe? Por que não a ajudaram? – Nico perguntou enquanto pararam e se sentaram em um banco debaixo de uma árvore no pátio. Finalmente havia terminado de apresentar o básico da escola.

- Os meus avôs a deserdaram quando ela era adolescente, antes mesmo que eu nascesse, acho que foi porquê minha mãe foi pega em uma festa de maiores cheia de drogas e bebidas alcoólicas. Dá para perceber que ela não era uma flor que se cheire, não é? Bom, enfim, ela saiu de casa bem nova e se dedicou a fazer programas para sobreviver, foi assim que ela conheceu o meu pai. Depois que eu nasci ela continuou a fazer os programas, mas me culpando sempre pela vida que levava. Dois meses atrás, minha mãe morreu de alguma doença que deve ter pego por causa do “trabalho”, nós nãos tínhamos dinheiro nem para roupas imagine para a saúde. – Ele falou dando de ombros como se já tivesse acostumado a contar essa história, mas em seus olhos havia amarguras e um outro sentimento... seria dor.

- O que aconteceu com você durante esse tempo? – Nicou perguntou curioso e tentando disfarçar a surpresa pela história do outro. Octavian enrijeceu quando ouviu a pergunta, mas no mesmo instante voltou para uma expressão indiferente.

- O conselho tutelar estava definindo o que iriam fazer comigo, foi assim que eu vim para cá. – Ele disse, mas suas palavras não pareciam tão verdadeiras quanto a história. Pena que Nico nem percebeu, só se sentiu mal pelas coisas que o loiro teve que passar, ele geralmente praguejava pela vida que teve, pela morte da mãe, mas nunca pensou se outras pessoas também podem estar sofrendo como ele, ou até mais.

Isso fez com que Nico sentisse um aperto no coração, ele não era de demonstrar emoções, mas depois de ouvir essa história ele sentiu uma extrema vontade de abraçar Octavian e o confortar. Lógico que o seu orgulho não deixou.

- E você? Por que está aqui? – Octavian perguntou tirando Nico dos seus devaneios.

- Ah eu também nunca conheci o meu pai, mas Bianca falou que ele era muito carinhoso e legal até um certo tempo. Antes que pergunte Bianca é a minha irmã mais velha que também está aqui comigo. Meu pai morreu quando eu tinha dois anos, foi isso que minha mãe falou. Ah a minha mãe! Ela adoeceu nessa mesma época, entrou em depressão quando meu pai morreu. Bianca cuidava tanto de mim, quando da minha mãe adoentada, bom até a minha mãe morrer quando eu fiz seis anos, foi bem traumatizante, mas já superei. – Mentiu Nico, depois deu uma respirada e voltou a narrar sua história. Nunca em sua vida foi contando isso para uma pessoa que acabava de conhecer, mas Nico sentiu que podia desabafar com Octavian, ele transmitia segurança para o moreno. – Depois disso Bianca e eu viemos para essa escola e aqui estamos até hoje. Fim, essa é a minha história trágica. Nem tanto quanto a sua, mas mesmo assim... trágica.

- Sua irmã parece ser bem legal. – Octavian falou rindo baixo.

- É sim, ela é uma pessoa incrível, eu a admiro muito e o meu sonho é que ela seja feliz. Só não conte isso para ela, senão ela vai começar a puxar as minhas bochechas e de chamar de bebê cute cute e bla bla bla. – Nico falou revirando os olhos provocando risadas do outro.

- Mas isso é muito fofo, você é o bebezinho da sua irmã, aceite que dói menos. – Ele falou enquanto apertava as bochechas de Nico que corava até a raiz, fazendo uma imitação de Bianca. – “Ah meu bebê, eu também te amo muito, vem cá na mamãe já está na hora da papinha do neném! “

- Solta as minha bochechas seu infeliz! – Nico falava enquanto tentava tirar as mãos de Octavian do seu rosto.

- Não. – Octavian falou só para provocar o garoto que estava vermelho, agora tanto pela vergonha, quanto pela raiva.

- Você não deveria ter dito isso. – Nico falou com um sorriso macabro e então começou a fazer cocegas no loiro que soltou rapidamente as bochechas do outro. Octavian se contorcia de rir tentando desviar das mãos de Nico que não dava brecha, foi em um desses momentos que Octavian se desequilibrou e caiu em cima de Nico.

- Idiota. – Octavian falou recuperando o ar que havia perdido enquanto ria.

- S-só devolvi na mesma moeda. – Nico falou constrangido notando a posição em que se encontravam. Quando o loiro percebeu, saiu desengonçadamente do colo do moreno. Ambos com o rosto em brasa.

- D-desculpe. – Octavian falou corado.

- S-sem problemas. – Nico respondeu também corado. Eles ficaram em um silencio constrangedor até que Octavian resolveu quebra-lo.

- Então... me ajuda a encontrar o meu dormitório? – O loiro perguntou.

- Ah claro, vem comigo. – Nico falou se levantando e indo até o corredor em que ficavam os dormitórios, sendo seguido por Octavian. – Você sabe o número do seu quarto?

- Número... 7. – Ele falou olhando no papel que carregava na mochila. Nico assentiu e foi procurando pelo número. – Ah ali!

Eles foram até a porta e antes de Octavian entrar ele olhou para Nico sorrindo.

 - Obrigado por me mostrar a escola, o meu dormitório e tudo mais, Nico. – Ele falou sorrido corado e Nico retribuiu o sorriso.

- Não foi nada e foi você quem encontrou o dormitório, eu não servi para nada. – Nico falou de cabeça baixa.

- Só a sua companhia já bastou Nico. D-d-digo, err... obrigado por me acompanhar! – Octavian falou gaguejando. – Bom, eu já vou entrar, até amanhã Nico!

Ele falou tão rápido que saiu embolado e entrou no quarto batendo a porta com força. Nico ficou encarando a porta sem saber o que pensar, seu coração estava a mil por hora e sem um motivo especifico, suas mãos estavam suadas e tremendo.” O que por Hades eu estou sentindo?!” era o único pensamento na mente do garoto.

 

[...]

 

- Então Nico, sobre as férias no final do ano, Zoe quer te falar uma coisa! – Bianca falou nervosa.

- Isso! Que amiga você é, joga tudo em cima de mim! – Zoe falou zangada e suspirou encarando o pequeno que as olhava confuso. – Olha Nico, eu sei que todas as férias você e sua irmã passam aqui no colégio, mas esse ano vai acontecer um evento muito importante e nós estávamos querendo muito ir nele e eu também sei que você não iria querer ir junto.

Levantei a sobrancelha em indignação, era isso mesmo produção! Sua irmã iria abandoná-lo para ir em um maldito evento de não-sei-o-que e ainda tem a ousadia de NÃO chama-lo para ir junto?!

- Antes que você diga alguma coisa, eu sei que você odeia os “The Heroes” por isso que não te chamei, então aquieta o cú ai. Será a primeira vez que a banda faz turnê aqui na Itália, então eu quero muito ir. – Bianca falou vendo que o garoto iria protestar. – As férias são, infelizmente, só duas semanas e a viagem será na primeira semana das férias, então eu voltarei e ficarei com você depois. Poxa Nico, não fica zangado, é só uma semana e é no final do ano ainda.

- E eu vou ficar sozinho aqui nessa semana das férias? É isso? Você vai me deixar para ver essa banda idiota? – Perguntou o garoto embravecido.

- Banda idiota?! Pera aí, não vem descontar a sua raiva nos meus deliciosos The Heroes não! Eles são incríveis e deixa de ser mimado que será só uma semana! – Zoe falou com raiva e então Nico levantou bruscamente da cama e olhou irritado para as duas que se encolheram com o olhar que ele mandou.

 - Quer saber, pode ir nessa droga de show, eu não me importo! Eles são mais importantes do que eu, não é?! Ah e também, por que você não dá o meu presente de aniversário para eles, apostos que nem se lembrou desse detalhe. Mas não faz diferença, já disse que não me importo, seja feliz e vá, não sou seu pai mesmo! – Nico falou abrindo a porta e na hora que ia sair, bateu em alguém que estava na frente. Nico levantou olhar olhando em quem esbarrou, logo bufou e passou pelo lado do garoto indo para fora do quarto.

- O que eu perdi? – Connor, acompanhado de Travis, perguntou para as garotas que estavam se encarando até suspirarem.”

 


Notas Finais


Sério, achei que vocês nunca iriam adivinhar no ultimo capítulo que eu lancei a pergunta de qual loiro seria. Porque achei que ninguém iria suspeitar que o nosso psicopata de plantão estaria em mente na minha mente perturbada. Eu acho estranho uma coisa que eu tenho. Eu, na maioria das vezes, gosto do personagem que já atormentou o protagonista (acho que gosto de vê-los com o eco esmagado, sei lá), exemplos bons são o Octavian, o Levi e o Draco.
Triste a história dele não é? Eu quase chorei só por imaginar o que ele passou, eu gosto de entrar no personagem quando faço as histórias (uma coisa fácil de fazer é um psicopata, sabe, é a minha verdadeira personalidade aí fica mais simples na hora de entrar no personagem. Ps: Continuo sendo uma fofa :3)
O Nico esta sendo meio mimado para o meu gosto, não deixa nem a irmã fazer a farra e beber todas no show aí acordar nua no meio de várias pessoas e depois perceber que estava em uma suruba e... acho que viajei de novo '-'
Ai ai Connor, você não perdeu nada a não ser o seu detector de tretas...
É isso aí gente, semana que vem tem mais! Tchau o/


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...