História The Revenge of the Vipers - Capítulo 22


Escrita por: ~ e ~Lyarra_Martell

Postado
Categorias As Crônicas De Gelo e Fogo (Game of Thrones)
Personagens Arianne Martell, Arya Stark, Brandon "Bran" Stark, Brienne de Tarth, Catelyn Stark, Cersei Lannister, Daario Naharis, Dacey Mormont, Daenerys Targaryen, Doran Martell, Eddard Stark, Jaime Lannister, Jon Snow, Jorah Mormont, Khal Drogo, Loras Tyrell, Mace Tyrell, Margaery Tyrell, Melisandre, Myrcella Baratheon, Nymeria Sand, Oberyn Martell, Personagens Originais, Rickon Stark, Robb Stark, Roose Bolton, Sansa Stark, Talisa (Maegyr) Stark, Trystane Martell, Tyrion Lannister, Tywin Lannister, Willas Tyrell
Tags Ellaria Sand, Game Of Thrones, Oberyn Martell, Sansa Stark
Visualizações 102
Palavras 3.380
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Aventura, Drama (Tragédia), Famí­lia, Festa, Romance e Novela, Terror e Horror, Universo Alternativo, Violência
Avisos: Álcool, Bissexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Capítulo 22 - Retorno


Fanfic / Fanfiction The Revenge of the Vipers - Capítulo 22 - Retorno

Por mais que Sansa o tivesse temido, tiveram que sair no dia seguinte. Ela pensou que estaria com sua família por um longo período de tempo, mas Robb não poderia estar ausente de Casterly Rock por muito tempo enquanto eles tinham que estar de volta em Dorne o mais rápido possível para evitar complicações dos Lannisters. 

"Onde você irá?" Oberyn perguntou às filhas durante o café da manhã. "Você é livre para escolher, meus queridos, para ficar com Robb ou voltar para Dorne conosco." 

Obara e Nymeria olharam um para o outro. Eles haviam tomado a decisão há muito tempo. "Um pouco de ar estrangeiro nos faria bem", disse Obara a Oberyn, sorrindo para Nymeria. Ele tinha três filhas adultas, e os dois mais velhos eram mais próximos da idade e sempre haviam trabalhado juntos. Eles eram uma equipe perfeita. Obara muitas vezes falava com os punhos, mas Nymeria estava mais calma e mais analítica. Tyene, a terceira Serpente de Areia tinha querido vir com eles mal, mas Oberyn sabia que ela seria muito impetuosa e em vez disso causaria perigo indevido para si mesma.

"Diga a Tyene que sentimos falta de nossa irmãzinha" acrescentou Nymeria. "Ela deve sentir falta de nós ter que vencê-la o tempo todo também ..."

"B ... vencê-la?" Sansa perguntou, seus olhos azuis se arregalaram.

"Ah, não, Sansa" acrescentou Nymeria imediatamente. "É apenas uma competição irmã." 

No entanto, Obara revirou os olhos. "Eles são viciosas, esses dois," ela explicou ainda mais. "Eu tenho que constantemente observar minhas costas." 

Sansa riu. "Eu costumava ser assim com minha irmã, Arya, também", ela disse Obara e Nymeria. "Uma vez, Arya colocou esterco de ovelha no meu colchão sem que eu percebesse isso e fiquei mal durante semanas até que nós virássemos o colchão e descobríssemos o que ela tinha feito. "

Nymeria fez uma careta enquanto Obara coçava o rosto em desgosto. Parecia que eles teriam compreendido que era um destino terrível ter sofrido, mas sorriram quando sua nova madrasta foi capaz, pelo menos, de se relacionar com eles. Ela provavelmente era mais nova do que eles, mas eles sabiam que ela tinha uma certa força nela que todos os dorneses tinham. Eles tinham chegado a saber que os homens do Norte também tinham eles, depois de lutarem ao seu lado e observá-los por meses. Foi então quando eles decidiram que eles gostaram bastante de Sansa, apesar do fato de que ela parecia uma boneca enorme ao lado de seu pai, especialmente com sua pele quase branca e seus cabelos vermelhos ardentes. Era um jogo estranho, mas pelo modo como Oberyn e Ellaria tinham parecido tão confortáveis ​​e ... saciados ... ao seu redor, as Serpentes de Areia ficariam felizes por seu pai. 

"Lamento ter chegado tão tarde" anunciou Catelyn quando chegou à mesa, sentando-se ao lado de Sansa. "A rainha teve um ataque de doença matinal, pobre coitada, e Robb ainda está com ela, então ele nos pede para não esperar por eles." Ela então virou-se para Sansa e disse "Você saberá tudo sobre isso mais cedo ou mais tarde." 
"A maternidade é um belo presente" ofereceu Ellaria. Ela dispensou as palavras "meu amor" por agora, especialmente quando ela estava na presença de Catelyn. "Mas para alguns, é um terrivelmente desconfortável." 

Felizmente para ela, Catelyn parecia concordar. "Quando eu tive Sansa, fiquei preso a minha cama por meses. Nada concordou comigo e eu só comi aveia com leite até que eu a entregue." Houve uma mudança em Catelyn. Embora ela não estivesse imediatamente aceitando Ellaria, ela pelo menos parecia estar tolerando sua presença e estava conversando com ela civilmente. Na verdade, ela parecia estar muito pensativa, mas tentou esconder isso fazendo pequenas conversas. Ela então olhou para Oberyn e perguntou: "Você quer que os filhos de Sansa sejam guerreiros como suas irmãs mais velhas?"

Oberyn limpou a garganta. "Todos aprenderão a lutar, menina ou menino, como é costume da Casa Martell", disse ele. Igualdade de oportunidades era o dom do Dornish, e sendo os senhores de Dorne, toda criança nascida na linha era treinada marcialmente. Era uma maneira para eles se unirem, como não só irmãos (ou irmãs) em sangue, mas também em armas. "Se eles têm outros talentos, então eles os desenvolveriam livremente." Afinal, ele era um segundo filho. Ele não tinha outras responsabilidades além de servir a Dorne. Tê-lo feito tecnicamente casando-se com Sansa, para forjar um laço com o Norte. Suas duas filhas são participantes dispostos no exército de Robb também, para adicionar à sua lista de responsabilidades cumpridas. No entanto, ele pegou a mão de Sansa e disse: "No entanto, "

Catelyn foi surpreendido para dizer o menos. "Eu tinha Robb direito na Rebelião", ela contou. "Mas, talvez seja sábio criar filhos em tempos de paz." Mesmo se fossem todas serpentes viciosas, Catelyn poderia ao menos entender que os Dornese amavam seus filhos. 

"Devia vir conosco, mãe" disse Sansa, sabendo que era apenas para oferecer. Mesmo que ela não se sentasse nos conselhos de guerra de Robb, ela agora estava ajudando sua rainha durante sua primeira gravidez e ela sabia que seria importante para Robb. Uma criança saudável significaria herdeiros mais saudáveis, e os Starks já estavam diminuindo, por assim dizer. 

"Eu adoraria", respondeu Catelyn. "Mas eu preciso aqui, ainda mais de Talisa e do bebê. Talvez quando a guerra acabe, todos possamos vir até Dorne para vê-lo." Sansa sorriu. Era uma boa coisa esperar. "Você sempre seria bem-vinda em Dorne, Lady Catelyn" disse Oberyn, parando abruptamente quando Catelyn murmurou. 
"Eu acho que você deveria me chamar de 'Mãe'", Catelyn o corrigiu. "Ou não está casada com o meu Sansa?"

"Você será sempre bem-vindo em Dorne, mãe" repetiu Oberyn. Oh, ela era uma mulher formidável, Catelyn Stark. Quem soubesse que as trutas das Terras do Rio podiam carregar tal farpas profundas. Ela não estava apenas fazendo ele parte de sua família, ela estava afirmando seu domínio sobre ele como sua sogra. Era uma jogada sonegada, que agora era difícil de desfazer. Pelo menos agora ele sabia onde Sansa herdara sua perspicácia polital e seus instintos afiados.

Sansa suspirou. No mínimo, havia paz agora entre sua mãe, marido e Ellaria, por mais atenta e turbulenta que fosse. Isso deixaria de lado muitas de suas preocupações. "Deixo minha família sob seus cuidados, Obara e Nymeria", disse ela às filhas do marido. 

"É nossa honra, Sansa" respondeu Obara. "Tenha certeza de que estão em boas mãos." 

"Talvez você devesse juntar-se à Guarda Real de Robb, Obara" provocou Oberyn. "A Senhora Comandante Obara Sand soa bem. "

"Eu disse que queria ar estrangeiro, não serviço estrangeiro, papai" respondeu Obara sem rodeios. Ela não sentia qualquer compulsão de se ligar a ninguém, e serviria enquanto achasse conveniente. Se alguém queria ser técnico sobre isso, sabia que ela e Nymeria seriam considerados "reféns políticos" na aliança Stark-Martell. Eles serviriam até que não fosse mais necessário para eles fazerem isso. 

Quando os olhos de Oberyn se viraram para Nymeria, ergueu uma sobrancelha. "Não olhe para mim, eu só estou aqui para ter certeza de que Obara não faz uma bagunça de coisas", disse ela. 

"Cuidado, Nym" disse Obara. 

"Vejo?"

"Eu sentirei saudades suas meninas discutindo o tempo todo," Ellaria suspirou, distraidamente acariciando a trança de Nymeria. "É um entretenimento tão bom." 

"Dê a Robb um inferno por mim" acrescentou Oberyn. Quando Sansa perguntou, "que? Alguém tem que se certificar de que não cometa algum erro ele mesmo!" 

Ooooo

Veio a tarde, e era hora de eles se separarem. 

"Vou sentir muito a sua falta", disse Sansa à mãe e ao irmão, enquanto se abraçavam. "Que nos vejamos de novo em breve." Não havia lágrimas, porque agora eles poderiam pelo menos esperar voltar a ver um ao outro. Esse dia viria quando eles levariam King's Landing junto com Daenerys Targaryen e seus dragões. Ela estava certa disso. 

"Os dias vão passar" disse Catelyn à filha. "Estaremos juntos em pouco tempo. "

"Talvez devêssemos voltar para Winterfell juntos" sugeriu Robb. "Faz anos que não estamos em casa." 

Sansa assentiu. Quando ela tinha deixado Winterfell, ela era uma menina estúpida que só esperava ser Rainha, sonhando com a capital, de bolos de limão e vestidos de fantasia. Se ela soubesse que o preço de seus sonhos se tornaria realidade, ela teria fechado a porta no quarto dela e rogado ao pai para ficar e não sair com o rei. Ela então se virou para Talisa e disse: "Tudo de bom para o resto da sua gravidez, irmã. Espero que os Deuses abençoe você e Robb com um bebê saudável." 

Talisa sorriu. "Agradeço suas orações" disse ela, segurando calorosamente as mãos de Sansa. "Oro para que você seja muito feliz em Dorne com sua nova família." Ela podia ver muitas semelhanças entre Sansa e Robb. Ambos eram educados e obstinados, ambos prodígios na guerra ou no governo e aprendiam em seus pés. Se esses dois dias tivessem sido qualquer indicador, ela sabia que Sansa seria uma agradável cunhada e uma tia maravilhosa para seu futuro filho e os que poderiam seguir. 

Robb, por outro lado, estava preocupado com Oberyn com seu habitual olhar de desconfiança. "Se Sansa tiver alguma queixa, dirijo meus homens a Dorne e a levarei de volta a Winterfell, onde ela pertence" ameaçou Oberyn. 

"Você terá que lutar com Ellaria antes mesmo de tentar," Oberyn retornou com um sorriso brincalhão. A boca do menino virou agape, certamente a lembrança de sua noite de luta em Bitterbridge emergindo em sua memória. Ficou tão vermelho quanto o cabelo de Sansa e até mesmo Nymeria não pôde deixar de rir de sua reação. "Não se preocupe, Sua Graça, sua irmã está em mãos amorosas." 

"Certamente cuidaremos de Sansa, Vossa Graça" respondeu Ellaria. "Você tem minha palavra." Ela compartilhou um olhar com Catelyn e deu-lhe um aceno brusco. Seu gesto foi devolvido e ela sabia que o coração de Sansa estava aliviado. 

"É melhor que estejamos em nosso caminho, então" disse Oberyn, subindo em seu cavalo depois que ele ajudou Ellaria e Sansa a se aproximar deles. Brienne de Tarth já estava na sua, pronta para seguir Sansa para Dorne. " Eu deixo minhas filhas sob seus cuidados, rei Robb. Com sorte, talvez eu deva mandar um terço para você."

Robb sorriu em resposta. "Eu acolherei de bom grado qualquer uma das sobrinhas de Sansa se eles estiverem dispostos a se juntar a mim", disse ele. "Obara e Lady Nym provaram ser excelentes guerreiros. Se você não se importa, eu gostaria de levantar Obara como um capitão formal e Lady Nym como seu tenente." Aqueles eram novas fileiras em seu exército ainda renovador, porque ele percebeu que juramentos seculares não serviram para aqueles que estavam tão distantes para ele. 

 As Serpentes de Areia se entreolharam de surpresa, enquanto seu pai assentia em agradecimento. "Não deixe o Rei Robb descer, meus queridos", disse ele. "Desejo-lhe muito bem, capitão e tenente Sand. "

"Viagens seguras", Catelyn desejou a todos. "Por favor, tente escrever de volta quando você chegou." 

 "Vou, mãe" prometeu Sansa. "Viagens seguras de volta para Casterly Rock também." 

 Talisa segurou a mão de Catelyn enquanto observavam a festa Dornesa se afastar. De Bitterbridge, eles iriam mais adiante pelo Roseroad até chegarem a Cider Hall, e depois viraram para o Passe do Príncipe para Dorne. Catelyn estava forçando as lágrimas, sem dúvida. Era difícil para ela, reunir-se com sua filha apenas para se separar dela novamente. Naqueles dois dias, Sansa nem sequer lhe tinha contado o sofrimento dela em King's Landing, mas podia vê-lo em seus olhos. Sua filha se tornara uma pessoa completamente diferente, uma que ela não conhecera, mas que Oberyn (e Ellaria, de qualquer forma) amava. Sansa agora estava mais confiante, e já não se esquivava do que era diferente, fora do comum. Sua filha costumava desejar danças elegantes, mas agora compreendia estratégia e arte de governar como se tivesse nascido para isso. 

"Venha" disse Robb à esposa e à mãe. "Nós precisaremos voltar também." 

Ooooo

"Estão demorando muito" resmungou Tyene enquanto tomava chá com o príncipe Doran, o irmão de Oberyn e a princesa Myrcella, o primo de Trystane na casa particular de seus familiares nos Jardins de Água. Passaram-se duas semanas desde que fora dito que o partido Dornes estaria saindo de King's Landing, e ainda assim não havia visão de seus pais. 

"Paciência, Tyene" aconselhou Doran. "As estradas serão um pouco difíceis de atravessar, especialmente com o tempo de viragem." Com o longo verão terminado, o tempo estava começando a ter uma mudança mais fria. Em Dorne, não significou uma queda das temperaturas, mas mais chuva e umidade. Seria fazer os desertos são lugar mais hospitaleiro, mas as passagens nas montanhas Dornish difícil de viajar. 

"O príncipe Oberyn vai trazer San ... er ... Princesa Sansa?" perguntou Myrcella. Tinha examinado o título de Sansa por um momento. Sansa nunca tinha sido uma princesa, embora uma vez ela fosse a rainha de Joffrey. 

 Doran assentiu. "Mas é claro", disse ele. "Dorne receberá sua nova princesa de braços abertos, você é uma amiga de Sansa Stark, não é, princesa?"

"Sim, ela era tão amável e amável comigo antes de vir aqui" confirmou Myrcella. Ela se lembrava de que Sansa estava muito animado para se casar com seu irmão, sem saber o quão cruel ele poderia realmente ser. Joffrey a intrigou. Ele não era nada parecido com ela ou Tommen, e ele sempre foi malvado com todos, até mesmo com sua mãe às vezes. Uma parte de seu pensamento de que era bom que ele tivesse morrido, para que ninguém pudesse ser ferido novamente. Já era ruim o suficiente para ele ter começado uma guerra ... 

 Doran sorriu. "Lá, você não tem nada a temer, Tyene" disse a sua sobrinha. "A esposa de seu pai não tentará usurpar a posição de sua mãe." Tyene olhou para ele meio surpreso e meio chocado. Era evidente para ele que não lhe ocorreu que ele conhecesse seus pensamentos. As cobras de areia eram todas filhas bastardas, todas as oito, não importa o quanto Oberyn os amava. Se ele e Sansa tivessem filhos, esses filhos teriam precedência sobre eles. "Ela é uma menina de dezesseis anos, Tyene, ainda mais jovem do que você ... O que ela poderia fazer com suas irmãs e Ellaria?"

 Tyene suspirou."Espero que tenha razão, tio" disse ela. "Eles dizem que este Sansa Stark é bonito, seus cabelos são vermelhos como fogo e sua pele é branca como a neve ... É verdade, Princesa?"

 Myrcella acenou com a cabeça para a descrição, mas de alguma forma, sua expressão parecia estar em desacordo. Ela nunca pensou em Sansa como sendo bonita. Ela a achava muito pálida, tão pálida que sua pele parecia manchada. Mas não via Sansa há muito tempo, e talvez durante esse tempo Sansa mudasse um pouco. 

 Naquele momento, Sarella e Elia entraram na sala de estar animadamente. "Trystane os viu, ele viu papai e mamãe andando de Sunspear, ele saiu para encontrá-los!" Elia anunciou. 

 "Bem, então, o que estamos esperando?" perguntou Doran. "Pegue todas as suas irmãs, estamos recebendo-as em casa!" 

 Sansa nunca tinha visto tal estrutura antes. Sua jornada em Dorne tinha sido reveladora, e ela tinha aprendido muito de sua futura casa de Oberyn e Ellaria, mas quando eles entraram no Water Gardens, ela não podia acreditar que tal um oásis poderia realmente existir. Os Jardins de Água foram apropriadamente chamado, havia várias piscinas grandes e também fontes, cercado por jardins exuberantes. No entanto, ela também podia ver que era uma fortaleza trabalhando. As paredes eram grossas e altas, o suficiente para resistir a ataques, calculou ela. 

 "O que você acha?" perguntou Oberyn. "Impressionante, não é?"

" É "disse Sansa, perplexo. "É lindo!" 

 "Você vai adorar isso aqui, meu amor" disse Ellaria. "E você também, Brienne."

 Brienne conseguiu um sorriso estranho. "Mas é um pouco quente demais para mim, mas vou conseguir", disse ela, tentando não reclamar demais. Ela já tinha trocado em armadura de couro Dornes, mas ela ainda não estava acostumada ao calor. 

 "Quando vou ver o resto de suas filhas?" Sansa perguntou a Oberyn. Ela esperava que as outras seis Serpentes de Areia fossem tão facilmente usadas para ela como Obara e Nymeria. Ela não esperava que eles tomassem para ela imediatamente, mas ela rezou para que ela tivesse relações agradáveis ​​com eles. 

 "Quase imediatamente se eles não puderem ajudar," Ellaria riu. "Eles amam muito o pai." Ela continuou a explicar como Tyene e Sarella, cujas mães haviam deixado aos pés de Oberyn ao mesmo tempo em que ela estava gravemente grávida de Elia, vieram reconhecê-la como sua mãe também. Assim, embora ela fosse tecnicamente a mãe das quatro Cobras de Areia mais jovens, ela tinha sido mãe de seis delas. "Não se preocupe, meu amor, eles vão crescer para te amar também." 

 Sansa assentiu com a cabeça na compreensão. Ela sabia que nunca seria capaz de substituir Ellaria como sua mãe, mas ela esperava que eles a considerassem como parte de sua família também. Talvez levaria muito tempo, mas ela estava disposta a assumir aquela jornada. Era o mínimo que podia fazer pela família do marido. 

 Eles deram um giro à esquerda e foram recebidos com um jovem rapaz que tinha um ar de nobreza poised sobre ele. "Tio, temos-nos mantido esperando por muito tempo!" disse para Oberyn depois de um caloroso abraço. 

 "Nós batemos em um remendo de tempo áspero no Pass do príncipe," Oberyn disse antes de introduzir sua esposa a seu sobrinho. "Trystane, gostaria que você conhecesse minha esposa, Sansa de Winterfell, assim como sua espada jurada Lady Brienne de Tarth." 

 Trystane imediatamente beijou a mão de Sansa, chamando-a de "Tia Sansa" da maneira mais encantadora. "Lady Brienne", disse ele com um aceno brusco depois Brienne indicou que ela não queria que a mão dela fosse beijada. Ele deu um rápido abraço a Ellaria também. "Venha, meu pai e as meninas estão todos esperando por você", disse ele, levando pessoalmente Sansa pelo braço. 

 Sansa deixou Trystane guiá-la até o que parecia ser uma seção bem guardada dos Jardins da Água, e a primeira coisa que viu foi uma fileira de garotas, todas de cabelos escuros e olhos escuros. Embora seus rostos fossem ligeiramente diferentes, todos tinham os olhos de Oberyn. O homem sentado na cadeira mais grandiosa era sem dúvida seu cunhado, o príncipe Doran. O mais à direita era um rosto familiar. Era a princesa Myrcella, a irmã de Joffrey. Ela era mais alta do que Sansa se lembrava, mas não menos bonita. 

 - Bem-vinda a Dorne e aos Jardins da Água, irmã - proclamou Doran quando Sansa lhe deu uma pequena reverência e beijou-o na bochecha. - Estou contente por ver que o senhor fez com meu irmão e Ellaria. 

 "Você me mandou para King's Landing e os Riverlands para adquirir uma aliança e uma esposa, e eu lhe trago Sansa Stark, Princesa do Norte", disse Oberyn a Doran. - Onde está minha recompensa?

 Doran sorriu amplamente. "Você ouviu, garotas," ele se virou para as seis Cobras de Areia. "Vá para o seu pai." Imediatamente, Oberyn e Ellaria foram invadidas por raparigas de várias idades. Sansa sentiu-se um pouco sobrecarregado. Ela nunca tinha visto tantas crianças de uma só vez, e todas eram suas enteadas, mesmo as mais velhas que pareciam mais velhas do que ela. 

 "Sansa, venha," Ellaria fez um gesto para Sansa, e tomou sua mão. "Meninas, esta é a princesa Sansa, e ela é a nova esposa do papá. Você deve dar-lhe o mesmo respeito que você dá a seu pai, tio Doran e eu, estou claro? "

 "Por favor, me chame de Sansa" disse Sansa, repetindo o mesmo que disse a Obara e Nymeria. Os quatro mais jovens correram para Sansa e felizmente deram seus abraços e beijos, enquanto Tyene e Sarella a olhavam com curiosidade. "Vamos começar por ser amigos primeiro." Ela ofereceu sua mão para eles e Tyene tomou. 

 "Bem-vindo a casa, Sansa" disse Tyene. "Espero que você esteja feliz aqui com papai e todos nós." 

 Sarella apertou-lhe a mão também, mas também beijou sua bochecha para uma boa medida. "Ela é um pouco paranóica, não se preocupe com ela" sussurrou ao ouvido de Sansa. 

 Doran pigarreou. "Agora que estamos todos corretamente conhecidos, talvez devêssemos jantar servido? Você deve estar faminto de sua jornada." 



Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...