História The Rise of a King of Darkness - Capítulo 1


Escrita por: ~

Exibições 154
Palavras 3.274
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Aventura, Crossover, Lemon, Magia, Romance e Novela, Shoujo (Romântico), Slash, Sobrenatural, Suspense, Violência, Yaoi
Avisos: Álcool, Gravidez Masculina (MPreg), Heterossexualidade, Homossexualidade, Incesto, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Mutilação, Nudez, Sexo, Spoilers, Tortura, Violência
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Capítulo 1 - Capítulo 1


Os olhos verdes encaravam as brasas da lareira do dormitório da Grifinória, um brilho que poucas vezes era refletido neles agora fazia com que o brilho em seus olhos se intensificasse.

Era um brilho de pura raiva.

Harry nunca havia sentido tanta raiva, quanto naquele momento.

Durante três anos, ele havia aceitado em silêncio a constante e óbvia manipulação de Dumbledore, esperando que o homem apenas perdesse o interesse e fosse encontrar outro para manipular. Porém, o velho havia ultrapassado todos os limites, quando decidiu forçá-lo a entrar em um torneio mortal, apenas para testá-lo. Não apenas isso, mas todos os seus supostos amigos, haviam acusado-o de ser um trapaceiro e entrar no torneio porque ele desejava a atenção.

Ronald finalmente mostrou sua verdadeira face, repleto de inveja, verbalizando tudo o que sempre havia pensado. Acusando-o de ser um bruxo das trevas e que ele deveria ter usado magia negra conseguir ser selecionado para o torneio. Hermione não havia sido muito melhor. Ela o acusou de ser infantil e mimado, e que ela estava cansada de vê-lo se meter em situações perigosas, apenas para conseguir um pouco de atenção.

Todos eles haviam cruzado a linha, que jamais deveria ter sido cruzada.

Durante anos, Harry se manteve, não apenas sua magia, mas toda a sua personalidade sob um controle delicado. Todos acreditavam que Harry Potter era um garoto comum, com potencial mágico baixo-mediano e inteligência igual. Todos eram cegos, pois ninguém havia percebido que Harry estava apenas fingindo. Ele era um ótimo ator, e não havia sido difícil perceber o que todos esperavam dele, no momento em que Hagrid apareceu. Harry não era idiota. Toda aquela conversa de "Dumbledore é o maior bruxo do mundo" e "todos de Sonserina são maus". Foi apenas fácil demais para Harry iludir a todos e lhes mostrar apenas o que eles queriam ver.

Porém, não mais.

Ele estava farto.

Todos eles haviam cruzado o limite estabelecido.

Agora, eles iriam descobrir quem era o verdadeiro Harry.

/Eu me perguntava por quanto tempo, você ainda esperaria para mostrar a esses tolos, sua verdadeira face./ Declarou uma voz masculina, ecoando pela sala vazia.

Harry agiu instintivamente, levantando-se da poltrona em que estava sentado e sacando sua varinha, apontando-a para o nada.

— Quem está aí? Responda! — Ordenou firme, nem mesmo parecendo estar abalado.

Uma risada sombria ecoou pela sala, antes que Harry visse tudo a sua volta mudar. Em menos de um segundo, ele não estava mais na Sala Comunal da Grifinória, mas em uma caverna. As paredes de pedra escuras e altas se erguiam, até serem devoradas pela escuridão completa. O chão sob seus pés eram cobertos não apenas de pedras, mas pedaços de ossos quebrados e, até mesmo, algumas pedras preciosas. A menos de meio metro de onde ele estava, havia um rio de lava que iluminava parcialmente a escuridão a sua volta. Porém, o que atraiu o olhar de Harry foi o homem sentado sobre uma grande rocha, do outro lado do rio.

Ele deveria ser o maior homem que Harry já virá em sua vida, mais de três vezes mais alto do que o Shard London Bridge. Ele tinha a pele cor-de-oliva e o corpo formado por músculos fortes e bem definido. Estava quase que completamente nu, se não fosse por um tipo de sunga de couro preto que usava. Em seus pulsos, haviam braceletes de metal bronzeados cravejados com diamantes brilhantes. Seu rosto era quadrado e com traços fortes, com cabelos negros rebeldes e olhos que lembravam um buraco negro que sugava toda a luz ao seu redor.

Era impossível não se sentir minúsculo e quase que insignificante perto daquele homem.

— Quem é você? — Indagou, agradecendo em silêncio por conseguir manter a voz firme, apesar da apreensão que sentia, diante de alguém que poderia facilmente esmagá-lo como se fosse um inseto.

— Eu sou Tártaro, aquele que aprisiona e pune as almas e as criaturas. Uma vez preso em meus domínios, apenas a dor mais terrível e os pesadelos mais sombrios lhe aguardam.

Harry engoliu em seco.

Ele conhecia as histórias sobre o Tártaro. Diferente do que os trouxas acreditavam, os deuses eram tão reais quanto à própria magia, principalmente porque todos os bruxos eram, na verdade, mortais abençoados pela Senhora da Magia, a Deusa Hécate. Porém, Tártaro não era apenas um deus, ele era um primordial, irmão do próprio Caos, que deu origem a tudo no universo. Tártaro era a concretização de todos os medos e pesadelos de cada ser vivo, fosse moral ou imortal. Uma vez inimigo dele, nem mesmo a morte lhe traria a paz.

A última coisa que Harry precisava em sua vida, era ficar do lado ruim de Tártaro.

— Existe algo que o senhor deseje de mim? — Perguntou, cuidando para manter sua voz o mais respeitosa possível, inclinando um pouco a cabeça em sinal de respeito.

— Erga sua cabeça, de todos os mortais, você é o único que não necessita temer-me. — Proclamou Tártaro, sua voz firme ecoando por toda a caverna.

Harry ergueu a cabeça e encarou o deus sem entender.

Porque ele era diferente? As lendas diziam que o Tártaro não amava ou poupava ninguém. Os únicos que, supostamente, o Tártaro deveria mostrar algum interesse eram em seus…

Os olhos verdes de Harry se arregalaram, quando ele compreendeu.

Deuses eram reais, por tanto, logicamente, os semideuses também eram. Havia boatos na escola, que alguns dos alunos eram semideuses, mas ninguém realmente falava abertamente sobre isso. Os únicos que poderiam ter tais informações, seriam os próprios semideuses e seus pais mortais. Contudo, entre os boatos, alguns diziam que o semideus crescia inconsciente de sua herança divina, até que o próprio pai imortal aparecesse diante dele e lhe revelasse a verdade.

E lá estava ele… diante do imortal que era temido, não apenas por mortais, mas pelos próprios imortais.

Se ele era o único que não deveria temer a presença de Tártaro, então só havia uma explicação.

Harry tentou, mas ele não conseguiu suprimir a vontade de rir, passando as mãos por seu cabelo de forma nervosa.

— Tem de ser sempre comigo, não é mesmo? — Falou ironicamente.

— Você cresceu muito inteligente e astuto, meu filho. — Comentou o primordial, apenas confirmando as suspeitas de Harry. — Você foi astuto durante a infância, garantindo que os Dursley nunca descobrissem suas habilidades de semideus. Foi astuto ao perceber as manipulações de Dumbledore, garantindo que ele vivesse com a ilusão de estar no poder. Você soube esconder de todos quem você realmente é o que você realmente pode fazer.

— Só porque eu fui astuto, você se manteve quieto? — Perguntou um tanto irritado. Ele havia tido de passar pelo inferno durante todos aqueles anos. Se seu pai biológico era alguém tão poderoso, que faria o próprio Zeus molhar as calças, porque ele não havia lhe ajudado antes?

Os olhos de Tártaro fixaram no rosto irritado de seu filho.

— Porque sua astúcia foi tão grande, que enganou até mesmo a mim. — Admitiu Tártaro, antes de lhe oferecer um meio sorriso. — Por muito tempo, eu realmente acreditei que você era uma criança submissa e ignorante. Apenas nos últimos meses eu fui capaz de vislumbrar um pouco do seu verdadeiro eu.

— Então, se eu fosse um pirralho submisso e ignorante, você não me ajudaria? — Perguntou desdenhoso, fechando os punhos com força, fazendo com que o chão sob seus pés tremesse.

— Se você fosse um 'pirralho submisso e ignorante', você não seria meu filho, mas filho do mortal James Potter. — Declarou Tártaro, vendo a confusão brilhar nos olhos de seu filho. — Uma criança concebida por mim é um rei por direito. Alguém com a força física de um titã e a inteligência da própria Equidna. Meu filho tem como destino reinar sobre todos, mesmo os deuses deveram se curvar perante a ele. Durante anos, desde que conheci sua mãe, eu esperei para ver se havia a possibilidade de você ser meu herdeiro. De que você fosse aquele que conduziria o mundo a uma nova era. Você foi tão astuto… tão inteligente… que mais de uma vez, eu acreditei que você não era meu, mas de James Potter. Ser capaz de enganar-me assim… você não imagina o quão orgulhoso estou de você, meu filho.

Harry relaxou, enquanto ouvia as palavras ditas por seu pai.

Ele não pode impedir o sorriso que se desenhou em seu rosto, quando escutou que Tártaro se orgulhava dele. Contudo, ele não podia deixar de perceber o que o deus primordial havia dito.

— Você disse que estou destinado a reinar… o que isso significa, exatamente?

Tártaro sorriu, seus olhos brilhando misteriosamente.

— Significa exatamente o que parece. É seu destino derrubar o Olimpo e todos os tolos que o governam, então estabelecer uma nova ordem.

Era impossível para Harry não se surpreender com aquilo.

Ele deveria derrubar o Olimpo e estabelecer uma nova ordem?

Ele sabia que os pais tendiam a esperar grandes coisas de seus filhos, mas era difícil acreditar que um pai poderia esperar que seu filho conduzisse uma guerra e se tornasse um rei. Bem, Tártaro não era um pai comum.

— Como eu poderia destruir o Olimpo? Sou apenas um.

— Você é muito mais do que isso, meu filho. — Declarou Tártaro, um sorriso de puro orgulho se desenhando em seus lábios. — Você é meu filho. Seus poderes, assim que completamente despertos, farão com que até mesmo os deuses tremam apenas com sua presença. Além do mais, você terá a sua disposição um exército de monstros e titãs, que vão obedecê-lo e protegê-lo cegamente.

— Um exército de monstros e titãs? Sem querer ser desrespeitoso, mas eles já foram derrotados no passado, o que me garante não seria o mesmo no futuro.

Tártaro riu das palavras de seu filho.

— O desejo pela vingança pode dar-lhes um estímulo. Além do mais, você sempre pode convencer outros a servi-lo. Conheço muitos deuses e semideuses que guardam rancor contra Zeus e o Olimpo. Alguns estão mais perto de você, do que você mesmo pode imaginar.

Um meio sorriso se desenhou em seus lábios.

Seu pai estava, obviamente, falando dos possíveis semideuses que estudavam em Hogwarts.

— Você parece muito seguro de que eu, não apenas vá vencer essa guerra, mas que eu vá declará-la. E se eu lhe disser que não desejo essa guerra? Que tudo o que eu quero é viver pacificamente?

Tudo o que o primordial fez, ao escutar as palavras do mais jovem, foi rir. Ele riu como se alguém houvesse lhe contado a piada mais engraçada do mundo, antes de se controlar e olhar fixamente nos olhos de seu filho.

— Você é meu filho. Não haverá ninguém que o conheça melhor, do que eu te conheço. Eu sei o quanto você anseia por julgar e punir a todos que ousaram ir contra você. Eu sei o quanto você anseia por redesenhar o mundo, e fazer com que todos se curvem aos seus pés. Eu sei tudo sobre você, meu filho. É por isso que, eu sei que você fará isso, agora que a oportunidade lhe foi entregue.

Um sorriso de pura maldade se desenhou nos lábios de Harry.

Ah, apenas o pensamento de punir aqueles tolos. Harry sentia um prazeroso arrepio de prazer percorrer seu corpo.

— Você disse que meus poderes estão bloqueados. Como faço para que eles sejam desbloqueados. Sabe, uma cabra velha pensou que seria uma boa ideia me jogar em um torneio mortal. Seria bom ter acesso a alguns poderes extras.

Tártaro observou seu filho.

A altivez, o sarcasmo, a confiança… era incrível que ele precisou de 14 anos para ter certeza de que aquele menino era realmente seu.

Seus olhos negros se desviaram para o rio de lava que os separava.

— Basta que mergulho neste rio, e todos os seus poderes serão complemente desbloqueados.

Harry arregalou os olhos, olhando para o rio de lava, para então erguer os olhos em direção ao deus incerto.

— Este é o Rio Flegetonte. O rio de fogo que percorre todo o Submundo. Aqueles que cometem crimes violentos, tem como penitencia serem afogados nele. Porém, você é meu filho. O fogo que corre no rio Flegetonte, também percorre suas veias. Esse fogo alimenta seus poderes, para despertá-los você deve banhar-se neste rio.

Harry ouviu cada palavra, encarando o rio de lava.

Era loucura, pensou, caminhando em direção ao rio.

Era loucura entrar em um rio de lava, assim como era loucura ser um bruxo e um semideus.

Era loucura… mas, ainda assim, era real.

Com esses pensamentos, ele entrou no rio de fogo. Ele sentiu suas roupas derreterem, mas sua pele não estava sendo queimada. Na verdade, era como mergulhar em uma banheira de água morna. Mais confiante, ele prendeu a respiração e mergulhou no rio, até que todo seu corpo estivesse submerso.

Durante os primeiros momentos, Harry apenas sentiu como se estivesse mergulhando em uma confortável banheira, até que algo mudou. A lava que o envolvia começou a borbulhar e seu corpo começou a superaquecer. Um grito mudo escapou de seus lábios, enquanto sentia todo seu corpo queimar loucamente, até que finalmente foi capaz de se jogar para fora do rio, ofegante e zonzo.

Lentamente, ele abriu os olhos, deparando-se com o sorriso divertido de seu pai.

— Você está com uma aparência muito melhor, meu filho. — Declarou Tártaro, fazendo com que um dos diamantes diamante que cobriam o chão se erguessem, expandindo-se e transformando-se em um espelho.

Harry levantou-se com alguma dificuldade, para então olhar seu reflexo no espelho, quase não acreditando o que via.

A primeira coisa que percebeu, era que estava mais alto. Bem mais alto.

Devido à desnutrição e aos maus tratos, mesmo aos quatorze anos, Harry não tinha mais do que 1,60m de altura. Agora, porém, ele deveria estar com quase 1,80m de altura. Não apenas isso, sua pele havia ganhado um saudável tom cor-de-oliva, todo seu corpo, que antes parecia ser feito apenas de pele e osso, havia ganhado músculos. Não era nada exagerado, como daqueles homens que tomava esteroides e anabolizantes, mas poderiam ser facilmente confundidos com aqueles. Uma rápida olhada em seu parte inferior e Harry teve certeza… não eram apenas os músculos e sua altura que haviam crescido. Todo seu corpo estava grande. Seus cabelos também estavam diferentes, eles ainda eram negros e desarrumados, mas não era mais o desarrumado que lembrava um ninho de ratos, mas um desarrumado sexy. Seus olhos ainda eram verdes brilhantes, mas ele já não precisava mais dos olhos para ver. Na verdade, sua visão estava melhor do que nunca. Todos os demais traços em seu rosto não haviam mudado muito, apenas pareciam que eles haviam amadurecido mais rapidamente, deixando mais como um homem do que como um garoto.

Foi então que ele notou outra grande mudança. Sua cicatriz… a cicatriz que havia sido o motivo de ter sido atormentado por todos aqueles idiotas, havia desaparecido, sem deixar uma única marca.

— Eu concordo com você, pai. Essa aparência é muito melhor. — Declarou, não estranhando a facilidade com que ele havia chamado o deus de pai.

— Sua aparência deve atrair muitos seguidores, mas seu poder deve fazê-lo temido e respeitado por todos eles.

— Você vai me dizer o que eu posso fazer, ou vou ter de descobrir sozinho? — Perguntou, erguendo os olhos para Tártaro.

— Você tem muitos poderes, mas vou lhe dizer de alguns: umbracinese, a habilidade de manipular as sombras; geocinese, a habilidade de evocar manipular a terra e seus minérios; pirocinese, a habilidade de evocar e manipular o fogo; hidrocinese, a habilidade evocar de manipular a água; você poderá convocar e controlar qualquer tipo de criatura, seja ela um monstro ou um simples animal; nenhum veneno poderá lhe fazer mal, você também poderá criar e evocar qualquer tipo de substancia venenosa; sua força física rivaliza com a de Tifão; você pode crescer, para se tornar tão alto quanto um titã ou deus; e, se você for capaz de se controlar o suficiente, poderá enviar qualquer inimigo direto para as profundezas no inferno.

Harry suspirou, quase extasiado, enquanto ouvia tudo o que era capaz. Não, aquilo não era tudo, ele sentia todo o poder que percorria suas veias. Ele sabia que era capaz de muito mais que aquilo.

— Antes de você ir, meu filho, tenho dois presentes para você. — Falou Tártaro, atraindo a atenção de Harry mais uma vez.

O primordial abriu sua mão direita, revelando uma delicada argola feita de prata. A argola flutuou em direção a Harry, até que ele a tomou em suas mãos. No momento em que a tocou, porém, a argola brilhou e transformou-se em uma enorme foice. A foice deveria ter quase três metros de altura, com um cabo feito de obsidiana perfeitamente polida, a lâmina da foice deveria ter mais do que um metro e meio, feita de diamante perfeitamente lapidado e polido. Provavelmente, aquela foice deveria pesar mais de trinta quilos, mas em suas mãos, ela parecia incrivelmente leve.

— Essa é Theristís. Aquela que ceifa as almas mortais e imortais. Uma vez cortado por sua lâmina, a vítima será jogada nas profundezas do inferno, onde apenas a dor e o desespero será encontrada. Nas mãos de outro, essa foice pesará toneladas, só você será capaz de erguê-la. Para ativa-la ou desativa-la, basta dizer 'télos'.

Harry sorriu, testando um pouco a flexibilidade da arma. Ele nunca havia segurado nada que não fosse sua varinha, mesmo assim, aquela foice parecia tão… certa. Era quase como se havia sido feita especialmente para ele.

— Ela é perfeita, muito obrigado pai. Télos. — Agradeceu, fazendo com que a foice voltasse à forma de argola de prata, colocando-a em volta de seu pulso direito. — Qual é o outro presente?

— Acredito que eu seja seu outro presente. — Falou uma voz quase que melodiosa atrás de si, fazendo com que Harry se virasse rapidamente.

Parado a pouco mais de um metro de distância, encontrava-se a mais bela criatura que Harry já havia visto. Mesmo as veelas e Fleur Delacour pareceriam feias, se comparadas àquela bela criatura a sua frente. Era difícil para Harry dizer se era um homem, ou uma mulher, mas pelo peito liso, ele poderia supor que era um homem. Um homem incrivelmente belo.

Ele deveria ter por volta de 1,70 de altura, sendo apenas um pouco mais baixo que o próprio Harry no momento. Sua pele era incrivelmente branca, como se nunca houvesse sido tocado pelo sol, seu corpo era delgado e com contornos sutis, quase andrógenos. Seu rosto delicado estava adornado com belos olhos prateados e longos cabelos negros estavam presos em uma requintada trança, que parecia atingir a linha abaixo de sua cintura. Ele vestia um longo manto negro, decorado com bordados em vermelho sangue e alguns rubis. Para completar, ele possuía um magnífico par de asas negras.

— Este é Rishi, o deus da perdição. Meu último filho imortal, nem mesmo Zeus sabe de sua existência. Ele será seu protetor e mais fiel servo, para ajudá-lo a alcançar seu destino. Chame-o sempre que necessitar.

Seu irmão… aquela criatura belíssima era seu irmão.

Bem, lá se iam todas as fantasias que estava tendo, pensou um tanto frustrado.

— Um pouco tarde para você me dar uma babá, pai, mas tudo bem. — Falou em um tom de ironia, desviando o olhar de Rishi, para encarar seu pai, que lhe respondeu com um meio sorriso.

— Hora de você voltar meu filho. Acredito que você queira ter algum sono, antes de começar a caminhar rumo ao seu destino.

Harry não teve tempo de falar nada. Antes mesmo que ele percebesse, estava nu de pé em frente à lareira na Sala Comunal da Grifinória.

Rindo internamente, Harry subiu as escadas para o dormitório o mais silenciosamente possível.

Quando o dia amanhecesse, o mundo testemunharia o começo da ascensão de um rei.


Notas Finais


Oi gente, bem, essa é uma ideia que eu tive, em resposta ao desafio da Belgrath, que está postado no site fanfiction.net

Se alguém ficou curioso para saber como seria o físico do Harry, basta imaginar o corpo do Jacob Black de Crepúsculo a partir de Lua Nova.

Espero que todos tenham gostado e acompanhem a história.
Bjs =)


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...