História The Road To Hell - Capítulo 1


Escrita por: ~ e ~biiapadalecki

Postado
Categorias Supernatural
Personagens Abaddon, Anna Milton, Ash, Balthazar, Bela Talbot, Bobby Singer, Castiel, Charlene "Charlie" Bradbury, Claire Novak, Crowley, Dean Winchester, Diana Ballard, Ellen Harvelle, Gabriel, Gadreel, Garth Fitzgerald IV, Jo Harvelle, Jody Mills, John Winchester, Kevin Tran, Lilith, Lúcifer, Mary Winchester, Meg Masters, Rowena MacLeod, Ruby, Sam Winchester
Tags Crystal Reed, Dean Winchester, Nina Dobrev, Romance, Sam Winchester, Supernatural
Exibições 23
Palavras 1.394
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Colegial, Crossover, Famí­lia, Ficção, Romance e Novela, Sobrenatural, Suspense, Terror e Horror, Universo Alternativo, Violência
Avisos: Álcool, Homossexualidade, Linguagem Imprópria, Sexo, Suicídio, Tortura, Violência
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas da Autora


Olá Hunters, como estão? Essa é minha primeira Fanfic aqui no site e espero que se animem com ela. Amo Supernatural e junto com minha amiga Bia, resolvi postar uma ideia nossa.

Regrinhas básicas:
🐿 Callie Winchester é interpretada por Crystal Reed.
🐿 Hope Jacob é interpretada por Nina Dobrev.
🐿 Comentários são bem vindos.
🐿 Capa temporária!
🐿 Não xingar autores/leitores.
🐿 Críticas construtivas são bem vindas forever, mas sem desrespeitar.
🐿 Plágio é crime e se vocês verem qualquer fanfic parecida, é pura coincidência.

Boa Leitura!

Capítulo 1 - Prólogo


Callie Martin Winchester POV. 

Dakota do Sul.

Acordo com o som do meu despertador, que após um longo raciocínio, concluí que é uma obra do diabo, que ele executou inspirado no inferno. Levanto da cama e vou direto para o banheiro, faço minha higiene pessoal, como qualquer pessoa faz, ou pelo menos deveria fazer. Coloco a minha roupa para ir em direção ao inferno, também conhecido como escola, visto uma calça preta rasgada, camiseta branca e tênis da mesma cor.

Desço as escadas em direção a cozinha, onde avisto o velho preparando café da manhã para a minha pessoa.

- Bom dia, Bobby. - digo fazendo o velho se assustar.

- Bom dia Callie. A comida está quase pronta, fiz o de sempre, bacon e ovos.

- Obrigada, você sabe que eu amo bacon né?

- E o céu é azul? - pergunta Bobby em tom sarcástico.

Tomo o meu café rapidamente, para não me atrasar, pego minha mochila e vou em direção a escola, que fica a aproximadamente três quadras daqui. Apesar da vida que levo, aqui em Dakota do Sul, as coisas são muito tranquilas, mesmo tendo muitos casos de possessões demoniacas, mas isso acontece em todos os lugares.

Algo normal para mim.

           ____

Depois de um longo dia de aulas chatas, com pessoas fúteis... Ok, elas não são tão fúteis assim, mas se elas soubessem que a vida é mais que sair, beber escondido e fazer sexo... Não posso culpa-los por não saber do que sei, mas é o fardo de se carregar o sobrenome Winchester.

As únicas pessoas que prestam na minha escola e que sabem de um pouco do que sei são o incrivelmente gay Tiny Foster, a maravilhosa Lydia McCall e Stiles Argent, seu namorado. Eles são os meus melhores amigos.

Decido passar em uma cafeteria e comprar alguma coisa pro velho, ele merece por estar cuidando desde que... Desde que o meu pai morreu. Dean-o e Sammy, meus irmãos, que inclusive odeiam quando eu os chamo assim, insistem em achar que ele está vivo, mas eu prefiro achar que ele está morto, porque é melhor do que criar expectativas.

Minha maior qualidade é não criar expectativas.

Virando a rua da cafeteria, me vêem lembranças a cabeça, pois vejo um Chevy Impala na cor preta, que parece muito com o carro de meu irmão mais velho.

Entro na cafeteria, compro uma torta para mim e Bobby, do seu sabor preferido. Chocolate.

Pago a senhora simpática e espero o troco e assim que saio quase corro e pulo de felicidade, mas me contenho. Vejo os meus irmãos saindo de uma casa. Só não fui atrás deles porque eles estão usando ternos, então presumo que estejam investigando um caso, a única coisa que eu não entendi é: esses bastardos não estavam em Indiana? Os meninos andam em direção a cafeteria, e sem pensar muito, decido sair correndo para que eles não me vissem, acontece que minha missão foi falha, pois quando virei a rua, Dean-o me puxou pela mochila.

- Onde você pensa que vai com a minha torta, pirralha?

- Dean-o, Sammy, é bom revê-los, mas prefiro que solte a minha mochila antes que eu grite, e por sinal, essa torta não é pra você, é para Bobby. Mas o que diabos vocês estão fazendo aqui? Não estavam em Indiana?

- Primeiro, é Dean, ta querendo apanhar? Segundo, te explico isso em casa, enquanto eu estiver comendo essa torta que está com uma cara ótima, vamos que eu te dou carona.

- Opa, uma carona é sempre bem vinda. ─ Sorrio. – E a torta não é sua. ─ Dean apenas ri.

- É muito bom te ver, baixinha. - diz Sammy quase me esmagando em um abraço.

Vamos em direção ao carro, e ao entrar no mesmo, tenho que fazer um contorcionismo gigantesco.

- Porra, Dean, você sabia que existe uma coisa chamada saco de lixo? Esse carro tá imundo!

- Olha a boca, baixinha! O carro é meu e se eu quiser deixo um gambá morto aqui dentro, se está achando ruim vá a pé.

- Um gambá morto já é exagero... Ai meu Deus! Isso é um rato?

- Onde? - diz Dean em um tom levemente alterado. Dito isso, Sammy e eu começamos a rir de sua cara de espanto.  – Super engraçado. ─ ele diz, dando partida no carro.         

 ____

- Callie, onde você estava? Porque demorou tanto? - grita Bobby, antes mesmo de eu passar pela porta.

- Desculpe, esses bonitões me ofereceram carona, eu tive que aceitar - digo, fazendo Bobby vir correndo, mas o mesmo para quando vê meus irmãos.

Ele os abraça, mas fica confuso.

- Afinal, o que caralhos vocês estão fazendo aqui? Não estavam em Indiana? – questiona retoricamente.

- É exatamente o que estou tentando descobrir.

- Ta bom, agora vamos comer essa torta, estou morrendo de fome. - pronuncia Dean.

- Novidade. ─ dizemos todos juntos, fazendo Dean revirar os olhos.

 

Bobby serve um pedaço de torta para cada um e em menos de um segundo, Dean já detona seu pedaço. Como em silêncio, pensando na possibilidade de sua volta e meu pai me vêm a cabeça, mas um alarme soa e eu apago isso da mente.

John está morto, assim como minha mãe. Todos estão mortos e minha única familia agora são meus irmãos e Bobby.

− Meninos, porque estão aqui? ─ ouço a pergunta de Bobby. Encaro meus irmãos em silêncio, percebendo o clima entre eles pesarem.

− Estavamos com saudades de vocês. ─ Sammy responde, desviando os olhos para o prato.

− Conta outra.

− É verdade, Callie. Queriamos ver como vocês estavam. ─ Dean-o sustenta, sorrindo docilmente.

Resolvo não insistir, sabendo que eles não contariam a verdade tão cedo e ainda mais a mim. Coloco meu prato na pia e observo os três homens a minha frente em silêncio.

− Tenho lição de casa para fazer.

E sem dizer mais nenhuma palavra, distancio-me subindo as escadas, decepcionada com a mentira tão mal contada deles.

 Bato a porta com força, jogando-me na cama com raiva. Eu poderia estar lá embaixo conversando e matando saudades com eles, porém não consigo olhar na cara de pessoas mentirosas por muito tempo. Odeio mentiras e odeio ainda mais os autores delas. Acontece que papai passou metade de minha vida mentindo sobre a morte de mamãe, o que ocasinou um grande surto ao descobrir a verdade.

Decido dormir, porque ainda tenho uma vida a ser seguida e a escola não irá esperar uma adolescente se resolver com os irmãos caçadores de fantasmas. Isso foi irônico, mas é a mais pura verdade a ser dita.

---

O sinal ecoa pelos corredores e aos poucos a sala de aula vai se esvaziando, sobrando apenas eu e Hope Jacob na sala de aula. Recolho meus materias com pressa para ir para casa, porém paro ao ver a garota se atrapalhar toda com os cadernos e deixá-los cair no chão.

Poderia ignora-la e sair como se não tivesse visto a menina mais popular e conhecida da escola se atrapalhar toda, igual ela caçoava os outros, mas minha consciência é boazinha demais para isso e sem muitas opções, me aproximo.

− Precisa de ajuda? ─ indago seca. Hope levanta o olhar de suas coisas, fechando a cara.

− Não lembro de ter pedido. ─ Viu? Tenho que aprender a ficar quieta.

− Está bem. ─ saio da sala sem ao menos olhar para trás, pensando em como sou idiota, seguindo para a saída, contudo paro brutalmente. – O que esses dois fazem aqui? ─ sussurro a mim mesma.

Em frente a escola, apenas do outro lado da rua, meus queridos irmãos estão encostados na lataria preta, conversando. Respiro fundo e determinada a trata-los com ignorância.

− O que pensam que estão fazendo aqui? ─ quase grito, parando em frente a eles.

− Viemos te buscar, Callie. ─ Sammy responde calmamente.

Sorrio nervosa.

− Eu não pedi carona.

− Que pena que nós não perguntamos. ─ Dean-o ironiza. – Agora entra nesse carro numa boa ou entra por mal.

Bufo, obedecendo. Empurro algumas embalagens no chão daquela imundice e me sento no banco de couro, cruzando os braços. Meus irmãos entram em seguida, todos calados como uma familia feliz que não somos.

− Até quando vai ficar assim?

− Depende de quando vocês vão me contar a verdade, Dean-o.


Notas Finais


Gostaram? Comentem e favoritem, garanto que um coração não mata ninguém e a gente fica muito feliz!

❤ Beijos a todos. ❤


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...