História The Ruby Soldier And The Ice Princess - Capítulo 3


Escrita por: ~

Postado
Categorias RWBY
Tags Blake Belladonna, Bumblebee, Ruby Rose, Rwby, Weiss Schnee, White Rose, Yang Xiao Long
Exibições 74
Palavras 3.506
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Artes Marciais, Aventura, Comédia, Drama (Tragédia), Luta, Orange, Romance e Novela, Shoujo (Romântico), Violência, Yuri
Avisos: Adultério, Álcool, Bissexualidade, Heterossexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Tortura, Violência
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas da Autora


YO!

ADIVINHA QUEM ESTÁ FAZENDO ANIVERSÁRIO!?

ISSO MESMO!

EUZINHA! (24/11)

PARABÉNS PRA MIM! <3

Eu quis muito postar esse capítulo no meu aniversário pq eu amei muito escrever ele! <3
Enfim, perdoem os erros e aproveitem essa delicia!

Capítulo 3 - You Got My Attention


Yang On

Eu sou uma das generais de Atlas, não nasci aqui, mas me tornei uma das guerreiras mais fortes do reino, e com isso consegui me tornar alguém importante.

Acabei de voltar de uma viagem, não foi uma guerra, ou batalha por territórios, muito menos alguma coisa perigosa, bom, apesar que atravessar os mares para chegar até Vale, para chegar até minha terra natal, pode acabar sendo um pouco difícil para os inexperientes, mas para mim, viajar era algo normal.

O rei de Vale, Ozpin, ele é um bom homem, experiente, calmo, e altamente calculista, Vale é uma ótima cidade para se viver, graças ao seu reinado, ele não tem herdeiros, mas é casado com Glinda Goodwitch.

Jacques Schnee, o rei de Atlas, me mandou para Vale para entregar uma mera carta para Ozpin, fiquei bem irritada, pois ele poderia mandar Neptune que faz esses trabalhos sem graça para ele, mas ele estava em outro serviço.

Ozpin respondeu sua carta, e disse para eu levar um prisioneiro até Atlas, ele também disse que poderíamos fazer o que quiséssemos com ele, bom, para mim, sem problemas, pelo menos até ele me mostrar o prisioneiro...

Na verdade, não era bem O Prisioneiro, era uma garota, provavelmente, da minha idade, uma Faunus, com cabelos negros, olhos incrivelmente amarelados e uma cara de revoltada.

Ozpin disse que ela faz parte de uma organização de Faunus que saqueiam as lojas e os tesouros do reino, então ele disse querer isolá-la, para ela não poder ter contato com seu “bando” novamente.

Se fosse um homem, eu não me importaria de matá-lo no meio do caminho e jogá-lo aos monstros do fundo do mar, entretanto, ela era uma mulher...

E QUE MULHER!

Não teria coragem de sequer tocá-la, mas ela resistiu á entrada no navio, então acabei tendo que fazê-la dormir, mesmo não sendo num jeito tão dócil, já que a fiz dormir com um golpe.

-Não precisa se preocupar, vou dar um jeito nisso.- prometi antes de bater para entrar na sala do trono

-Ainda não acredito em você.- a morena disse ainda com o saco na cabeça

-Olha... Eu tenho um plano, mas você não pode fazer nada indigente na frente do rei, entendeu?- perguntei retirando o saco de sua cabeça- Pode me dizer seu nome?

Orelhas de gato?

Que fofa…

Ela é arisca como um.

A morena não respondeu, apenas virou o rosto de raiva e evitou me olhar, em troca, apenas suspirei.

Bati na porta e entrei calmamente, o rei estava sentado em seu trono assinando alguns papéis, como sempre fazia:

-Retornei de minha viagem, majestade.- disse me ajoelhando em sua frente

-Ora, Yang... Já disse que não precisa fazer isso, já me serviu tempo o suficiente para que pudéssemos ser considerados amigos. Levante-se.- obedeci a ordem

-Trago a resposta de Ozpin, e bem... Essa prisioneira.-disse entregando a carta em sua mão

-Entendo... Mas o que Ozpin quer que eu faça com essa prisioneira?

-Ele disse que pode fazer o que quiser com ela, mas eu pretendia mantê-la nas masmorras até o fim da sua vida.- a morena me encarou pasma e se irritou comigo

-Pois faça o que achar melhor, deixarei ela em suas mãos, general.- assenti com a cabeça- Mais alguma coisa?

-Não majestade. Apenas isso.

-Houve algum problema na viagem?

-Não, foi agradável, apesar de ser estranho voltar para um continente tão frio.

-Entendo. Bom, pode se retirar. Mandarei chamá-la se precisar de algo mais.

Fiz reverência ao rei e me retirei da sala, depois, me virei para a morena que me encarava com muita raiva:

-Ufa...-disse aliviada por ele não ter dito nada da faunus

-Você mentiu!- ela me incriminou

-Shh...- disse colocando um dedo sobre seus lábios, pedindo silêncio- Acredite em mim, você não vai passar nem um segundo nas masmorras... Gatinha.- pisquei para ela e ela revirou os olhos

Ao invés de levá-la para as masmorras, a levei para meu quarto no castelo, ele estava com um pouco de poeira, mas intocável, eu não gostava que as criadas entrassem nele, a garota me encarou sem entender o motivo dela estar ali:

-Eu disse.- falei sorrindo para ela

-O que pretende?- ela perguntou observando o local- Não me diga que o dragão de fogo tem um coração tão mole assim.- ela riu

-Por mulheres? Não posso negar, meu coração é fraco com elas.- respondi rindo com ela também

-Mas sério, o que pretende?- ela perguntou séria

-Eu ia deixar você passar o dia nas masmorras, e a noite iria libertá-la... Mas mudei de idéia.- respondi prendendo sua corrente na janela com um cadeado

-E qual a sua ideia agora?

-Você vai passar o dia no meu quarto, vou dizer para um soldado de confiança vigiá-la até a noite, e então irei libertá-la.

-Por que me soltar? Ozpin teve uma grande dificuldade em me capturar.-ela sorriu vitoriosa

-Bom, não vai ser tão fácil assim para você.- comentei rindo- Vou mandar uma carta avisando que você fugiu no meio do caminho, adivinha para quem?- ela me olhou irritada

-Qrow, não é?

-Olha só, a gatinha sabe de bastante coisa, enfim, ele mesmo, na carta vai estar escrito para que caso você volte para Vale, deverá ser executada, e vou mandar outra carta para o porto para que seja revistada qualquer faunus com orelhas de gato que deseje entrar num navio que saia de Atlas.

-Bela liberdade.- ela disse revirando os olhos -Não é como se você fosse me impedir de voltar para Vale, já escapei uma vez, posso escapar de novo.

-Bem, não sei se você sabe, mas o sistema militar de Atlas é muito melhor que o de Vale, ou seja, você não vai escapar tão fácil como escapou lá. Além disso, você pode viver uma vida normal aqui em Atlas, nenhum cidadão ou soldado viu seu rosto, apenas eu e o rei, então você pode recomeçar.- disse abrindo a porta

-Por que essa vontade de querer me libertar?- ela perguntou franzindo o cenho

-Eu sei como a sua espécie é oprimida, você pode, ou não, ser uma vítima do sistema e eu estou de bom humor hoje. Além disso, acabei achando você interessante, e eu não gosto de executar pessoas que acho interessante.- disse fechando a porta- Ah. Mais uma coisa.- disse abrindo a porta novamente- Pode pedir qualquer coisa para o soldado, ele irá atendê-la, e ali naquela estante há alguns livros, caso fique entediada. Voltarei quando escurecer.- disse finalmente fechando a porta

Andei calmamente pelos corredores, à procura de algum soldado em que eu confiava, não era muito difícil encontrar um, afinal, eles juravam mais lealdade á mim do que seu próprio rei.

-Soldado.- chamei á atenção de um soldado que estava em alerta encostado na parede

-G-General?- ele disse fazendo reverência  

-Não precisa disso, você é do meu exército, correto?- perguntei segurando uma faixa que todos os meus soldados continham

-Sim. Precisa de algo?

-Sabe onde fica meu quarto?- ele assentiu- Há uma garota lá, quero que ela continue lá até a noite, mas tenho que resolver algumas coisas e não posso ficar o dia inteiro com ela. Quero que a vigie-a até eu voltar, e que faça o que ela pedir, como água, soltá-la para necessidades básicas, comida, etc.

-S-Soltá-la?- ele perguntou assustado

-Sim, ela está presa em uma corrente. Aqui a chave.- disse lhe entregando o objeto- Você não poderá contar para o rei, nem para ninguém, ficará entre nós, se perguntarem, invente alguma desculpa qualquer. Pode fazer isso?- perguntei sorrindo para ele

-S-Sim...

-Não me decepcione, volto ao anoitecer.- disse largando o soldado sozinho

Agora, finalmente estava sozinha, eu gostava de passar um tempo passeando sem ninguém por perto, era revigorante para alguém como eu que passava cercada por milhares de pessoas a todo minuto.

-Ah... É mesmo, Ruby.

Lembrei que eu tinha que falar com a minha irmã, então fui a sua procura, estava curiosa para saber o que ela fazia no castelo, e ainda mais, o por que dela estar acompanhada da princesa?

Encontrei as duas rindo de alguma coisa enquanto caminhavam juntas.

Mas que merda?

-Ruby!- gritei para a menor que me deu um sorriso ao me ver- Desculpa por mais cedo... Podemos conversar agora.- disse me desculpando

-Tudo bem.- a princesa ainda a acompanhava

-Enfim, que história é essa que você está acompanhando a princesa?- perguntei curiosa

-Bem... Enquanto você ficou fora na guerra, e depois saiu em uma missão logo em seguida sem ao menos me der um “Oi”, eu andei treinando sem parar, e hoje eu sou a guarda real da princesa.- ela disse vitoriosa

-VOCÊ O QUE?!- gritei assustada- QUANDO VOCÊ CRESCEU?! ESTOU TÃO ORGULHOSA!-disse lhe dando um abraço

-Y-Yang... Não consigo respirar.- ela disse com dificuldade

-Desculpa, desculpa.- olhei para a Princesa que se assustou com o meu olhar- Então, princesa, ela está fazendo um bom trabalho?

-Por enquanto, sim.- ela respondeu friamente, como o esperado- Ruby, vou falar com o meu pai, e ler algum livro depois, você está dispensada por hoje.- ela se direcionou á minha irmã como Ruby?

-Têm certeza? Não vai precisar dos meus serviços?

-Absoluta. – a garota de cabelos brancos sorriu para ela- General, com sua licença.- ela se despediu e seguiu reto no corredor

-Ela é realmente muito fria, tenho dó de você irmãzinha.- disse rindo, vendo ela ir embora

-Ela não é o que parece.- me virei para Ruby que sorriu para mim- Vamos para casa;

Quando minha irmãzinha caçula cresceu tanto?

Era isso o que eu me perguntava enquanto via sua capa vermelha arrastando no chão, ela não era mais aquela garotinha que eu precisava proteger, apesar de eu ainda sentir que precisava, ela já havia aprendido como sobreviver, sem a minha presença, sem a presença de nosso pai:

-Você não vem?- ela se virou para mim, me tirando de meus pensamentos

-Logo atrás de você.- disse a seguindo- Podemos passar em um lugar antes? Prometo que vai ser rápido.

-Claro, por que não?- ela estava animada como sempre

Saímos do castelo e fomos para o campo de treinamento do exército, onde os calouros treinavam, lá não era só um local para treinamento, também há lá um tipo de habitação para os soldados, sejam eles calouros ou qualquer outro tipo de soldado.

Fui em direção á uma tenda que ficava do lado de fora, e de longe, pude ver quem eu queria:

-Emerald!- gritei assim que vi a garota de cabelos esverdeados

-Yang.- ela disse sem muito animo

-Ora... Não seja assim.- disse fazendo bico e me aproximando- Já conheceu minha irmã?- me virei para trás sem encontrar ninguém- O que...?

-É aquela?- Emerald perguntou apontando para Ruby que tentava ver uma luta que ocorria

Minha irmã tentava passar pela multidão formada para ver uma luta que atraia muita atenção, já que todos pararam de treinar para vê-la:

-Deixem-me passar.- disse pegando Ruby pelo colarinho e pedindo passagem para vermos a luta de perto

-I-Incrível...- a menor observava a luta atentamente, e não perdia nenhum detalhe

-Fox e Cardin estão lutando de novo?- perguntei suspirando

-Você os conhece?!- ela perguntou com brilho nos olhos

-Claro! Fox faz parte do meu esquadrão principal, e ele tem essa rixa idiota com Cardin desde que o recrutei para o meu exército.

-Cardin também é?

-Não, ele não é tão bom assim.- disse sorrindo para a menor- Hey! Fox! Acabe logo com isso!- o garoto de cabelo avermelhado me olhou e assentiu

E com apenas um golpe de espada, ele terminou a luta, desarmando Cardin, e rendendo-o:

-Game Over.- Fox disse

-Como...?- Cardin se questionava desolado- Eu sempre ganhava de você!

-Bem, eu tive uma boa mentora.- ele comentou enquanto vinha em minha direção e guardava sua espada

No mesmo momento em que ele virou as costas, Cardin pegou a sua espada do chão e veio para cima de Fox numa investida rápida, não haveria como ele se defender.

Parei Cardin com uma investida mais rápida ainda, dando um soco em seu estomago, e o derrubando no chão com uma rasteira:

-O que pensa que estava fazendo atacando um oficial do meu exército?- perguntei colocando meu pé sobre seu peito e pisando forte

-E-Ele é um trapaceiro!-ele disse com dificuldade

-Na guerra, nada é justo, se não sabe disso, não está pronto para ir para o campo de batalha!- todos escutavam com atenção o meu sermão no garoto-Qual o seu nível?

-C-Cinco...

-Você voltará para o nível três por querer atacar um soldado oficial, e levará uma punição, deverá limpar o estábulo dos cavalos durante dois meses, e se não cumprir corretamente, deverá limpar as espadas de treino e cairá para o nível um novamente.- todos ali se assustaram com a severidade da minha fala- Compreendeu?

-Sim.

-Ótimo.- disse saindo de cima dele

No campo de treinamento, há os soldados oficiais, e os não oficiais.

Oficiais são os soldados que são escolhidos para lutarem em exércitos de algum general, e com isso eles são superiores aos soldados não oficiais.

Os Não Oficiais são soldados que não fazem parte do exército de nenhum general, e eles respeitam um sistema de nível, sendo que cada nível contém seus privilégios.

Por exemplo, no nível um, você tem um quarto pequeno que é dividido entre você e mais umas 3 pessoas, recebe pouco dinheiro por mês, os soldados calouros começam geralmente nesse nível.

No nível cinco, o último nível, você tem seu próprio quarto, recebe um salário um pouco menor, ou igual ao de um oficial, você recebe um cavalo, e apenas quando se chega no nível cinco, é possível fazer um teste para ver se você irá para algum exército.

Cardin está neste nível á anos, e Fox, se tornou meu soldado enquanto ainda estava no nível três, eu vi ele lutando contra Cardin, e percebi como poderia aproveitar o bom potencial dele, mesmo ele perdendo, percebi que ele era muito melhor que Cardin, apenas lutava de um jeito errado, então, o ensinei a lutar corretamente.

-N-Não precisava disso.- Fox comentou assustado

-Se ele é tão bom assim, não demorará para ele voltar para o nível em que estava.- disse fazendo todos rirem

-Incrível Yang!- minha irmã disse com os olhos brilhando em minha frente- Eu mal tinha visto ele se mexer!

-Depois que se luta em várias guerras, se aprende a nunca ficar em guarda baixa. Já deveria ter aprendido isso Fox!- o repreendi novamente

-Desculpa! Eu só não esperava que ele fosse tentar algo do tipo...

-Bem, não há mais o que fazer. Vá beber ou transar com a Velvet, fiquei sabendo que ela está aqui.- o garoto corou fortemente

-Infelizmente, ela ainda está com a Coco, senhora. –ele disse deprimido

-É uma pena para você. Se esse é o caso, faça o que quiser.- ele assentiu e se despediu

-Incrível como você é respeitada, Yang.- a minha irmã disse sorrindo para mim

-Você também vai ser.- disse bagunçando seu cabelo- Tive uma idéia!

-Qual?

-Vou pegar uns papéis que pedi para Emerald, vá se aquecendo, pois quando eu voltar... Iremos ver o quanto você progrediu.

-V-Vai lutar comigo?!- ela perguntou assustada

-Yep.

Apenas disse isso e fui em direção a tenda, peguei de cima da minha mesa os papéis do meu forte, tudo igual, não precisava de reformas, o estoque de comida estava bom, o armamento novo havia chego e os soldados estavam animados como sempre.

Carimbei o papel com o meu selo, e voltei para o local da batalha, procurei Ruby pelo local, mas ela me encontrou primeiro:

-É bom estar preparada.- disse desembainhando minha espada e me dirigindo ao círculo feito de pedras

-Sempre estou!- Ruby fez o mesmo

A garota havia tirado sua capa, e assim que entramos em modo de batalha, todos prestaram suas atenções em nós, ouvíamos até torcidas para as duas, obviamente, a maioria torcia para mim.

Um tambor bateu, dando início a nossa luta, Ruby começou vindo para cima, ela era rápida, estava mais rápida do que da última vez, defendi seu ataque com a minha espada, e a empurrei para longe.

Ela tentou uma investida mais uma vez, mas dessa vez, ela desferiu vários golpes, e não depositou toda a sua energia em um só, era um pouco complicado acompanhar pelo olhar seus movimentos:

-Está mais rápida.- disse quando cruzamos nossas espadas e pudemos chegar mais perto uma da outra

-Obrigada. Eu treinei bastante desde que você saiu.

-Percebi... Entretanto, não foi o suficiente!

Agora, era a minha vez de atacar, fui com uma investida mais rápida que a dela, tanto que ela defendeu mal o golpe, depois, comecei a desferir uma série de ataques que ela não conseguia defender apenas com a espada, ela tinha que desviar, percebi que sua atenção estava totalmente focada na espada, e me aproveitei.

Foquei toda a minha força numa única investida e a ataquei, de alguma forma, ela conseguiu defender, e pior, ela conseguiu me desarmar:

-Estava esperando por isso.- ela disse enquanto sorria

-Acho que já está na hora... De lutar sério.- disse enquanto subia a guarda das minhas mãos e sorria macabramente para a menor a fazendo se sentir assustada

Por puro instinto, ela me atacou por eu estar indefesa, porém, pobre Ruby, foi um erro depositar tanta fé em um golpe só, apenas por eu estar desarmada. Desviei facilmente do golpe, me virando de lado e vendo a garota passar pela minha frente, com uma abertura enorme para um ataque fácil.

E por causa desse erro, foi o fim para Ruby, eu a havia desarmado e lhe dado um mata leão, não havia como escapar, ela bateu no meu braço três vezes, pedindo trégua:

-E a vencedora... É a General!- todos vibraram e comemoraram

-Foi por pouco.- comentei ajudando minha irmã a se levantar

-Foi um erro pensar que você ficaria indefesa sem a espada.- ela disse coçando a nuca

-Haha! Foi mesmo, mas não tinha como você saber, nunca havia me desarmado antes.- disse bagunçando seu cabelo- Você está bem melhor, mas vai demorar algum tempo para que tenha a mesma experiência que eu.

-Você acha que vou ganhar de você algum dia?-ela perguntou esperando uma resposta sincera

-Sinceramente? Talvez. Eu sou muito foda, mas talvez você fique mais foda que eu.- disse sorrindo e a menor também sorriu

Depois da batalha, fomos para casa, como nos velhos tempos, andamos pelas ruas animadas de Atlas, brincamos de jogar bola de neve uma na outra, comemos meu prato favorito, que Ruby havia preparado, ela havia se tornado ótima na cozinha.

Vivemos nossa tarde como se tivéssemos voltado anos atrás, tivemos um tempo juntas que não tínhamos a muito tempo.

Quando a noite caiu, estava na hora de retornar, Ruby também disse que iria voltar para o castelo para conferir se Weiss precisava de alguma coisa.

Quando entramos no castelo, fomos por caminhos diferentes, então nos despedimos e eu fui em direção ao meu quarto, mas notei que o guarda não estava na frente da porta, estranhei e desembainhei minha espada.

Abri a porta com rapidez e vi a Faunus sem correntes pronta para pular a janela, enquanto o soldado que havia dito para vigiá-la estava caído no chão desacordado:

-Ia ir embora sem me dar “tchau”?-perguntei guardando a espada

-Não está surpresa?- a morena perguntou

-Não. Esperava que fosse tentar fugir. Eu já enviei as cartas, e vinha te desacorrentar. Mas não acho que seja mais necessário.- sorri para ela para afirmar o blefe

-Você é louca.

-Já pensou na minha proposta? De recomeçar?

-Pensei... Talvez não fosse uma má idéia...- ela respondeu dando um sorriso de lado

-Isso é ótimo.- comentei sentando na cama- Não me cause problemas...- disse fechando os olhos

-Vou evitar fazer isso.- me virei para ver o sorriso que a morena dava

-Ah... Afinal, você sabe sorrir...

-Blake.-a olhei confusa e entortei a cabeça

-Blake?

-Blake Belladonna. Queria saber meu nome, não?- isso foi a ultima coisa que ouvi ela dizer antes de pular a janela

-Blake Belladonna, é?- sorri e me deitei na cama- Combina com você, gatinha...

Me levantei e olhei meu quarto, ele estava intocavel, apenas minha estante de livros parecia diferente, cheguei mais perto para conferir e ri quando percebi. Ela havia organizado todos os meus livros em ordem alfabética, olhei para o soldado no chão e balancei a cabeça em forma de negação:

“Vou evitar fazer isso.”

Lembrei dela dizendo, pois o que ela fez seria um problema, mesmo não sendo grave:

-Hey. Está bem?- perguntei para o soldado o acordando

-O-Onde ela está?- ele perguntou se levantando e olhando para os lados

-Ela já se foi, a um bom tempo.- disse olhando a janela

-D-Desculpa, General! Ela me pegou desprevenido!- ele se curvou em forma de desculpas

-Não se preocupe, não é tão grave. Apenas saia do quarto e finja que nada aconteceu.- disse o empurrando para fora

-E-Entendo! Obrigado, senhora.- fechei a porta na cara do coitado

Me deitei na cama, exausta, o dia foi muito agitado, olhei para a janela e pensei em fechá-la, mas não o fiz...

Vai que a gata resolvesse voltar...

 

 

 

 


Notas Finais


Lindo? Lindo!
To feliz? Pra caralho!

Obrigada por lerem, o melhor presente q tive esse ano foram os favoritos e os comentários de vcs, sério, de verdade mesmo, obrigada :3

Vejo vocês a qualquer hora!
Fui! :D


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...