História The Scarecrow - Capítulo 1


Escrita por: ~

Postado
Categorias Originais
Personagens Personagens Originais
Exibições 1
Palavras 2.026
Terminada Sim
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 14 ANOS
Gêneros: Ficção, Sobrenatural, Suspense, Terror e Horror, Violência
Avisos: Mutilação, Tortura, Violência
Aviso legal
Todos os personagens desta história são de minha propriedade intelectual.

Notas do Autor


Esse é meu 1° conto de terror/mistério, então espero que gostem de ler tanto quanto eu gostei de escrever

Capítulo 1 - Capitulo 1 - Capitulo único


Fanfic / Fanfiction The Scarecrow - Capítulo 1 - Capitulo 1 - Capitulo único

Em um dia de verão, quatro amigos acabaram de sair de férias da faculdade e estavam decidindo o que fazer durante as férias. Enquanto eles conversavam Carol, uma garota de cabelos negros e longos, seus olhos eram castanhos e pareciam sempre expressar felicidade, e Sarah, seus cabelos eram ruivos e seu comprimento chegava a altura dos ombros, seus olhos verdes profundos refletiam uma alma serena e sem preocupações, disseram que queriam algo novo, uma experiência diferente e uma aventura para contar depois das férias, Robert, um rapaz alto, de cabelos castanhos, curtos e encaracolados, seus olhos castanhos sempre transmitiam tranquilidade e bondade, concordou com as garotas dizendo que seria ótimo fazer algo diferente, foi quando Jack, um garoto não muito alto, cabelos loiros e curtos, seus olhos azuis mostravam um coração bondoso e felicidade, sugeriu que todos fossem para o sítio de seu tio distante e  todos concordaram em ir.

Após uma longa viagem de ônibus já era possível ver a fazenda, e logo podia-se notar um enorme milharal, parecia um mar verde de pés de milho balançando ao vento e no centro da plantação encontrava-se um espantalho velho, de roupas surradas e sujas, estava caindo aos pedaços, ao longe via-se a casa do tio de Jack.

Assim que todos desceram do ônibus, os amigos foram em direção à casa, ao chegarem na entrada foram recebidos por Stephen, tio de Jack, era um homem velho, usava um macacão, um chapéu de palha e botas, tinha uma barba grisalha e mal cuidada, era cego de um olhos e seus olhos eram um tom de azul revelando uma alma sombria e solitária, ele possuía uma cicatriz horrenda em seu rosto e uma de suas pernas era de madeira. Logo todos entraram na casa, ela era velha mas bem cuidada, tinha apenas alguns problemas de iluminação e madeiras que rangiam quando tudo estava em silêncio, assim que Jack disse para os amigos subirem e guardarem suas coisas, Stephen puxou o braço de Jack para falar com ele:

– O que vocês estão fazendo aqui?

– Passando as férias da faculdade.

– Não! É perigoso! Os animais estão morrendo e ainda não sei por que talvez seja alguma doença.

– Esquece isso, eles devem ter morrido de velhice, não tem com o que se preocupar

Depois dessa conversa Jack subiu as escadas, todos estavam exaustos da longa viagem e terminando o jantar todos adormeceram. No meio daquela noite Sarah levantou para ir ao banheiro, ao estar voltando para a cama percebeu uma movimentação estranha vindo de fora da casa e foi se aproximando da janela no fim do corredor que levava aos quartos, quando olhou para fora da casa, ela viu Stephen entrando no milharal com uma espingarda, mas decidiu ignorar, achou que não fosse nada.

No dia seguinte todos se levantaram cedo e foram tomar café, enquanto Jack e Robert preparavam o café, Sarah e Carol arrumavam a mesa enquanto discutiam o que fazer naquele dia:

– O que podemos fazer hoje?

– Não sei… hum… podemos andar pela fazenda e procurarmos algum animal ou algo legal.

– Boa ideia

Mas logo Jack interveio:

– Não esperem muito, meu tio disse que os animais estão morrendo, não me surpreenderia se não tiver sobrado nenhum.

Terminado o café da manhã os quatro amigos foram passear pela fazenda, em pouco tempo chegaram a um celeiro velho, sujo e quase desabando de tão mal cuidado, logo repararam algo estranho, o espantalho que estava no centro do milharal, no dia anterior, estava na frente das portas do celeiro. Deparando-se com aquela cena, Robert sugeriu que voltassem para falar com Stephen, assim eles voltaram para a casa e ao perguntar para o velho fazendeiro sobre o espantalho, ele respondeu que nunca havia tirado o homem de palha do lugar. Apesar de não satisfeitos com a resposta de Stephen, os amigos foram almoçar e, após o almoço por estarem entediados eles decidiram olhar pela casa para tentar achar algo, em pouco tempo de exploração Sarah encontrou um sótão e rapidamente todos subiram. Dentro do sótão havia muitas coisas antigas, quadros, móveis e caixas cheias de pertences dos prováveis primeiros proprietários da fazenda, estava tudo empoeirado, alguns móveis cobertos com grandes lençóis brancos, já acinzentados de tanta poeira, e assim eles foram olhando as coisas dentro do sótão, até que Carol encontrou um diário dentro de uma caixa, ela folheou o diário, mas não mostrou a ninguém e o levou consigo. Naquela noite Carol começou a ler o diário e nele estava escrito tudo de estranho e surreal que ocorria naquele lugar, e os relatos eram os mesmos ditos por Stephen e as coisas vistas pelos amigos, ao final do livro se encontrava um aviso, “se você está lendo isso e tiver presenciado mesmo que apenas um destes eventos vá embora o mais rápido possível”, ela se sentiu um pouco assustada e ficou incerta de o que fazer, ela devia contar a todos e ir embora ou ignorar aquilo tudo. Neste mesmo instante Robert se encontrava do lado de fora da casa tomando um pouco de ar, era uma noite muito quente e ameaçava chover, mas do lado de fora da casa havia uma brisa suave e fresca, estava tudo tranquilo e perfeitamente normal, até que o silêncio da noite foi rompido por um estrondo, o som parecia o de um raio caindo na fazenda, Robert saiu correndo assustado na direção do barulho, ao chegar na fonte do ruído se escondeu em um arbusto próximo e viu Stephen com sua espingarda, o cano ainda estava quente e saia fumaça de sua extremidade, porém a coisa que mais chamou a atenção de Robert foi o fato de o espantalho ter sumido, Robert assustado acabou fazendo barulho e Stephen virou em sua direção e desesperado  o garoto saiu correndo de volta para casa, ao chegar lá todos estavam acordados e assustados, os olhos antes calmos e felizes, cheios de esperança e serenidade, dos jovens agora mostravam apenas medo e desespero.

Robert contou a todos o que viu no celeiro, enquanto as garotas se acalmavam, Jack e Robert discutiam o que fazer:

- O que vamos fazer?

- Ainda não sei, podíamos falar com seu tio e ver o que está acontecendo, o que acha?

- Boa ideia, fale com as garotas sobre isso, vou buscar alguns lampiões.

Logo os quatro amigos se reuniram do lado de fora da casa e saíram à procura de Stephen. Ao entrar no milharal eles se separam, naquele momento começou uma tempestade, relampejava a todo minuto e vento estava muito forte, mas eles continuaram sua busca pelo fazendeiro, em pouco tempo ouviu-se um grito, Robert e Carol correram para sua fonte, era Sarah caída de joelhos no chão enlameado, estava completamente congelada de medo e em sua frente estava o crucifixo do espantalho, mas o lugar do espantalho estava Stephen morto cruelmente, e em seu peito estava escrito com cortes profundos e grotescos, “Todos vocês irão morrer nesta noite”, Robert e Carol não sabiam o que fazer e Jack não estava com eles, ele havia se perdido e estava distante demais para ouvir o grito de Sarah. Assim Carol decide voltar para a casa com Sarah enquanto Robert procurava por Jack, e quando estava quase saindo do milharal Robert viu um rastro de sangue, seguindo-o chegou ao corpo de Jack, estava preso a uma árvore por um garfo de feno, não existiam outras feridas além das do garfo, foi uma morte lenta e agonizante, seus olhos agora mortos, mostravam apenas medo, dor e tristeza, Robert ficou estático a frente do corpo do amigo, quando ouviu um barulho que vinha da direção da casa. Ao chegar na casa viu Carol caída no chão e Sarah não estava mais lá, Carol ainda não havia morrido e Robert correu para ajudá-la, haviam cortes por todo seu corpo e uma faca foi deixada em seu peito, cravada próxima ao coração, o garoto fez todos os primeiros socorros, mas ela não resistiu às feridas e se despediu dele com um sorriso no rosto, apesar do desespero que a dominava, dizendo, “Não se preocupe, não estou mais com medo de morrer, estou feliz que esteja ao meu lado”, e assim Carol deu seu último suspiro, Robert desabou em lágrimas, colocou seu rosto próximo ao da falecida amiga e disse que iria vingá-la e vingar a todos os outros. Ao se levantar Robert começou a procurar uma arma e, encontrou uma das espingardas de Stephen, saindo da casa novamente começou a andar pelo milharal e ao chegar onde o corpo de Jack estava, viu que o corpo não estava mais lá e que havia um rastro que ia ao celeiro, ao entrar no celeiro viu o corpo do amigo e uma sombra sobrepôs a sua, virando-se viu Sarah com uma foice em mãos, então gritou para ela:

- Foi você que causou tudo isso? O que você ganhou com isso Sarah? Achei que fossemos amigos!

- A meu caro acredite, não sou sua amiga e nunca serei, e apenas ganhei o prazer de ver os rostos de desespero de seus amigos, enquanto gritavam e imploravam por suas vidas, mas o mais divertido foi esse garoto atrás de você, ver toda a dor que ele sentia, o sofrimento e medo por morrer sozinho, seu sangue jorrava por sua boca, foi um verdadeiro espetáculo! E por fim um olhar de fúria e ódio direcionados a mim e a promessa vazia de que eu pagaria por tudo isso.

Por um instante o rosto de Sarah tremeu e, sua pele começou a cair, transformando-se, em Carol, depois Stephen, e então em Jack e por fim no espantalho da fazenda, com longos braços e pernas de madeira, seu rosto de um saco de tecido grosseiro, apresentava olhos negros e cheios de perversão e maldade, com um sorriso ele disse:

- Depois de tudo que você passou acho que o mínimo que posso fazer é deixá-lo saber meu nome, muito prazer Robert, eu sou Jay, agora que sabe disso vou matá-lo também!

- Mas como isso é possível?

- Vamos você é mais inteligente que isso, não é óbvio? Eu sou um metamorfo e sua morte

- Não se eu o matar primeiro

- Hum... apenas tente!

E assim Robert atirou na perna de Jay e saiu correndo para fora do celeiro, mas Jay foi rápido atrás dele e tentando acertá-lo mais uma vez com um tiro, Robert foi pego por um golpe de Jay, foi arremessado alguns metros de onde estava para perto de um lampião, vendo que seus tiros não tiveram efeito algum, teve uma ideia, pegou o lampião e saiu correndo tentando despistar Jay, assim que conseguiu escapar do metamorfo, pegou um recipiente cheio de gasolina e começou a derramá-la no chão perto do milharal, com sua armadilha pronta, chamou a atenção do monstro que o procurava:

- Ei feioso! - Disse arremessando uma pedra em Jay – Por que não vem me pegar?

O espantalho veio correndo em fúria na direção de Robert e assim que ele pisou na gasolina, Robert jogou o lampião no chão cheio de combustível, causou uma explosão e todo o milharal começou a pegar fogo junto com Jay, que agonizava de dor e revelando sua verdadeira forma e depois caindo no chão enquanto as chamas o engoliam, ele agonizava e gritava, contorcia-se e assim sua vida foi se esvaindo aos poucos e abandonando o mundo dos vivos, até que seu sofrimento finalmente chega ao fim com a morte.

O dia amanhecia e Robert com lágrimas velou seus amigos, logo após deixou o local, com grande peso no peito, todos haviam morrido, só restou ele, a garota que amava morreu em seus braços, sentia-se vazio, mesmo tendo vingado a todos, seu coração não ficou mais leve, sua mente foi ficando cada vez mais cheia de maldade, perversões e tristeza, assim ele foi embora daquela fazenda.

- E dizem que depois de alguns meses ele voltou para lá e se isolou durante anos e agora ele espreita nas sombras da noite caçando monstros assim como ele foi caçado por um

- Nossa Steve, que história, que bom que é inventada.

- É... que bom mesmo...

- Vamos embora?

- Vamos

E falando consigo na própria mente Steve disse, “Infelizmente esta não é uma história inventada, e só eu sei disso, porque eu estava lá e sobrevivi”.


Notas Finais


Espero que vocês leitores tenham gostado. Espero melhorar minhas histórias e trazer novos textos dentro das categorias que estou mais acostumado ;P


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...