História The Secret - Capítulo 28


Escrita por: ~

Postado
Categorias Sou Luna
Personagens Luna Valente, Matteo
Tags Lutteo, Revelaçao, Segredo, Sobrenatural, Sou Luna, Soy Luna
Exibições 147
Palavras 1.517
Terminada Sim
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 16 ANOS
Gêneros: Ação, Aventura, Colegial, Drama (Tragédia), Escolar, Famí­lia, Fantasia, Festa, Luta, Mistério, Policial, Romance e Novela, Suspense, Terror e Horror, Universo Alternativo, Violência
Avisos: Álcool, Heterossexualidade, Linguagem Imprópria, Mutilação, Suicídio, Tortura, Violência
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas da Autora


IMPORTANTE
Hey povinho, Como eu havia dito antes, os personagens originais aparecem em duas pequenas cenas em capítulos diferentes. Não é necessariamente em ordem. Mas, como aumentei a fic, possivelmente, ainda terão uma participação nos últimos capítulos, dando o final a eles.
Essa fic meio que se escreveu sozinha. Quando comecei a escrever tinha em mente 30 capítulos, porém, acabei tendo que aumentar. Por isso, vamos ter entre 35.
Estamos se encaminhando para o final, por isso, vou começar a postar a cada três dias e não cinco. Até porque já estou escrevendo a fic que entrará no lugar dessa.
Será Lutteo obviamente, mas, pela primeira vez, escreverei sobre Gastina como um dos núcleos principais.
Agora chega de avisos.... Boa leitura!!!!!!!!

Capítulo 28 - O ar livre


~ Luna

Acordei com a cabeça latejando, tentei abrir os olhos, mas o medo não me permitia, a voz do Simón era como um sussurro distante, contudo eu sabia que ele estava na minha frente e aos poucos, reuni a coragem que ainda me restava e abri os olhos me deparando com aquele garoto usado para nos destruir, ou aquilo que costumava ser ele.

Percebi que estava amarrada em uma cadeira e Ámbar estava do meu lado, chorando baixinho, enquanto tinha uma faca cravada em sua perna.

- Porque tá fazendo isso?

- Porque você precisa aprender – Respondeu voltando a me encarar. Por um momento vi pena nos seus olhos, porém, esse simples gesto logo se desfez e ele se aproximou lentamente enterrando uma faca em minha perna direita. Doeu tanto, o aço frio resgando a minha pele enquanto seus olhos me analisavam. – Você não... precisa fazer isso. Não é uma pessoa ruim.

- Tem razão... ele não é uma pessoa ruim, mas quando aceitou, perdeu o controle sob o seu próprio corpo. - Seus olhos se tornaram totalmente negros, quando um sorriso enorme seguiu em seus lábios.

- Lauriel...

- Que esperta bonequinha. – Mexeu na faca ainda na minha perna, causando um grito que não deveria sair. Não queria demonstrar dor. – Sua família te entregou de bandeja sabia? Caroline Winchester, sempre fiel ao seu compromisso de pagar por todos aqueles que morreram graças a suas armas... nem percebeu que estava entregando uma garota de sua linhagem. Só soube nos últimos minutos da sua vida, pensando nisso, acho que alguém roubou o diário dela.

Neguei percebendo que Ámbar estava conseguindo se desamarrar. Assenti e olhei em direção a ele.

- As próximas gerações foram atormentadas e eu sabia que a chegada da “escolhida” estava próxima, foi quando resolvi começar o ritual. Eu só podia voltar na terra em quatro anos e meio, e em cada data, um massacre, que deveria derramar o sangue de no mínimo cinco pessoas, marcava um dos pontos do pentagrama.- Olhei minha perna que tinha sangue demais. Lauriel a tirou a faca rapidamente e voltou a enfia-la. -  E finalmente você nasceu, seu pai era um Winchester, estão era mais fácil de ser possuído.

- Ninguém era sobrevivente, você que deixou que vivêssemos.

- Claro Luninha. Eu precisava de cinco pessoas mortas no último massacre e você, é claro. – Sua mão tocou o meu rosto. – Mas o bem sempre dá um jeito de estragar a situação... Matteo Balsano, garoto presunçoso e o único capaz de acabar com... você.

- Comigo? – Ele riu alto e negou assentindo.

- Vocês se conheceram, incrivelmente se apaixonarem e agora essa situação se tornou insuportável – Ámbar faz uma careta e voltou a mexer as mãos, pude ver que seus pulsos sangravam, porém, ela não parava. – Eu te observava, falando com os espíritos e pensando que eram seus amigos... e esse colar? Sua mãe era uma mulher esperta.

- Eu não aceito nada disso, eu não vou... – Lauriel tocou novamente a faca e a tirou, colocando suas mãos sob os ferimentos e os curando. Respirei fundo, a dor ainda me torturava.

- Você já aceitou. – Olhou em volta e apontou para todos os corpos. – Eu escolhi só os que tinham talento para serem mais que humanos insignificantes.

- Quer dizer que eles vão voltar?

- Claro que não Luna, não seja patética. Mas a morte deles valeria para algo. -  Resmungou antes de sorrir para Ámbar e se aproximar. Senti meus olhos se encherem de lagrimas e apenas ouvi o barulho de ossos se quebrando.

Medo.... não conseguia sentir nada mais que isso. Tudo aquilo era minha culpa, nada diminuiria aquela dor, aquele desespero.

- Venha – Ele puxou o meu braço. Fechei meus olhos deixando ser levada, não queria ver Ámbar, não queria ver mais nada. Sua risada me assustou e antes que pudesse raciocinar, senti algo diferente dentro de mim.

~~~~~~~~~

- Não fique com medo. – Matteo revirou os olhos e estacionou em frente a um grande portão. Andie tocou sua mão e entregou a espada rapidamente, se aproximando e pressionando seus lábios contra os dele. Matteo se afastou bruscamente, antes de a lançar um olhar com desprezo. – Nossa, quanta grosseria.

- Dê uns quinze minutos, eles chegam aí – Andie assentiu e o viu se afastar, entrando no grande portão de madeira. O lugar estava cheio de arvores que atrapalhavam a visão do que vinha além, já que era um espaço muito grande e abandonado.

Matteo sentia o medo se espalhar pelo seu corpo, mas não voltaria atrás. Caminhou por mais alguns minutos, até poder ver parte da fazenda. A casa se formou diante dos seus olhos, fazendo ele respirar fundo e aceitar o seu destino.

Luna era parte dele agora, e Matteo faria de tudo para salva-la. Nem que isso custasse a sua vida.

Antes que pensasse em dar alguns passos a diante, viu a porta ser aberta e Simón sair segurando fortemente o braço de Luna. Ele sorriu abertamente direcionando seu olhar até Matteo.

- Guardei o melhor para você – Ele ouviu a voz do moreno e logo percebeu não se tratar de Simón. – Sabe que isso não servirá pra nada.

- Bem! Podemos testar. – Se aproximou dos dois, Luna sentiu seu coração acelerar e o medo atingir seu órgão mais importante. Não poderia perder mais alguém, não ele, o único que faria qualquer coisa por ela. – Lauriel?

- É... e se você me matar, mata ele também. – Matteo sorriu e deu alguns passos para frente.

- Ele já está morto – Disse. Lauriel sorriu como se concordasse, porém, no fim Matteo sabia o que o diário de Caroline Winchester dizia e tudo o que ela previu estava se realizando afinal. – E também sabemos que se o ritual não ser completo, todos que participaram do último voltariam.

- Como em qualquer outra parte – Lauriel frisou apontando o dedo. - Viu Luninha. Se alguém tivesse salvado qualquer outra pessoa da sua família, todos estaria bem hoje. A vida é cruel e apesar de Caroline ser uma ótima vidente, ela não previu o grande final.

- Mas previu o suficiente. – Lauriel sorriu e Matteo obteve certeza que ela sabia do que era falado. Luna olhou o namorado e logo sentiu uma dor forte em sua cabeça, fazendo ela cair de joelhos. Quando ia a ajudar, Matteo sentiu o braço de “Simón”, joga-lo para longe.

O impacto do seu corpo contra o chão, fez a espada ser jogada longe e um barulho de algo se quebrando podia ser ouvido, contudo, a dor simplesmente não venho, o que o deixou aliviado e curioso. Não conseguiu ter tempo para pensar, já que Lauriel se aproximava em uma velocidade anormal. Rolou para o lado, quando o soco do demônio atingiu o local onde se encontrava.

Matteo se levantou e tentou acertar algum golpe no “inimigo”, mas realmente não era fácil atingir alguém tão mais forte que ele. Na última tentativa, Lauriel pegou o seu braço e o torceu, na tentativa de quebra-lo, porém, algo parecia travar a sua força.

O demônio olhou com o canto dos olhos a garota ainda no chão. Luna abriu um pequeno sorriso vendo o olhar incrédulo dele que simplesmente voltou a jogar Matteo para longe e se aproximou lentamente.

- Sabe Matteo... você é um idiota. Nem sabe o que te espera. – Refletiu aproximando sua mão do peito do moreno, ele poderia ter se afastado, contudo, ao ver quem se aproximava da espada, deixou que ela agisse.

- Idiota – Andie falou antes de jogar a espada para as mãos do moreno.

Lauriel estranhamente paralisou e não conseguiu se defender, quando Matteo o acertou, derramando o sangue do quinto sobrevivente.

- Luna – A garota reuniu forças para se levantar e correr para os braços de quem havia a salvado. Matteo sorriu e a viu encarar os seus olhos. – Acabou princesa.

Pressionou seus lábios contra os de Luna, iniciando um beijo calmo, que transmitia tudo o que Matteo estava sentindo no momento: Saudade, alivio, felicidade e tristeza.

- Coisa mais linda – Katherine apareceu junto a Rebekah, Melissa e Gastón que vinha um pouco atrás e ao ver seu primo naquela situação, sentiu a dor de uma perda irreparável. Lagrimas ameaçaram sair dos seus olhos, até que Rebekah tocou o seu braço e negou com a cabeça.

- Ele vai voltar, seu idiota. – O loiro revirou os olhos e ensaiou falar algo, porém, foi calado quando percebeu que Simón se mexia.

- Você não tem que fazer algo Katherine? – Melissa apontou para o casal que ainda se abraçava sob o olhar irritado de Andie, a morena se aproximou e tocou o rosto de Luna, a olhando profundamente.

E foi naquele momento que todas as lembranças voltaram. Olhou para Matteo e depois direcionou seu olhar até Melissa... se lembrava dela. Se lembrava de tudo.

- Eles tão todos vivos. – Anunciou Andie dentro da casa, estranhando, mas preferiu não falar nada que tirasse o foco de Matteo, ele teria que vir com ela.

Luna olhou as árvores que se mexiam batendo contra o vento e fechou os olhos... finalmente, sentiu o ar livre.


Notas Finais


O ritual interrompido, todos de volta a vida, Lauriel morto fácinho.... ainda temos alguns capítulos, meu povo.
Alguma sugestão?
Muahahahaha


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...