História The Secret Of Life - Capítulo 26


Escrita por: ~

Postado
Categorias Barbara Palvin, Harry Styles, Justin Bieber, Lily Collins, Martin Garrix, Shawn Mendes
Personagens Barbara Palvin, Justin Bieber
Tags Barbara Palvin, Criminal, Hot, Justin Bieber, Martin Garrix, Sexo, Shawn Mendes, The Secret Of Life
Visualizações 590
Palavras 2.134
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Colegial, Crossover, Drama (Tragédia), Hentai, Romance e Novela, Violência
Avisos: Adultério, Álcool, Drogas, Estupro, Heterossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo, Tortura, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


Oie gente, finalmente estou postando o capítulo né kkkkkkk, e estava pensando aqui em alguns capítulos escolher uma música pra ele e nesse eu queria que vissem ou ouvissem sei lá, a música 9 da mø com a cashmere (You'll never be mine) kkkk se vocês quiserem, é claro. Boa leitura e desculpem os erros

Capítulo 26 - Cargo


Fanfic / Fanfiction The Secret Of Life - Capítulo 26 - Cargo

P.v. Justin Bieber

Agora que já tinha resolvido aquele "problema" do Scott, iria para a boate, e sinceramente aquilo parecia nem ter acontecido, porque ele era irrelevante na minha vida, mas na de Brittney não pelo jeito, e qualquer coisa que não fosse irrelevante para ela que fosse para mim acabaria morrendo, não quero ninguém a desejando, beijando ou transando com ela, ou até mesmo pensar nela.

Eu estava dentro da boate subindo para o escritório quando vi Brittney estava lá, bêbada em cima de uma mesa tomando uma garrafa cheia de bebida indo para o pole dance das vadias que havia contratado, tinha vários caras que a olhavam desejando-a e do jeito que estava fora de sí, era capaz de dar para o primeiro velho ou cara que visse ou desse em cima dela, uma coisa que eu não deixaria é lógico.

Mandei um segurança tirar ela da boate, fiquei olhando de longe e meu segurança e sua namoradinha foram atrás dela, ignorei aquilo porque ela iria ficar bem com eles e entrei no meu escritório para usar minhas drogas sozinho, aproveitar meu momento de paz e relaxar até ir pegar o carregamento que seria hoje e houve tive vários estresses planejando isso, estava todo mundo irritado, mas antes de ir curtir iria usar minhas belezinhas.

Tirei tudo que estava na mesa, jogando no chão e coloquei cocaína na mesa preparando a carreirinha, peguei meu whisky e procurei a agulha e coloquei heroína, tomei meu whisky, injetei a heroína em meu braço e cherei q fileirinha inteira de uma vez.

Voltei para baixo e logo senti o efeito da cocaína, heroína e o álcool no meu sangue, fui para pista de dança e fui atrás de alguma garota, uma virgem talvez, era fácil de se achar por aqui já que elas gostam de "quebrar" as regras indo para boates para maiores se achando as fodonas, mal sabem que podem entrar no meu caminho.

P.v. Brittney

Acordei de noite, não devia ser muito tarde umas 10 horas indo correndo para o banheiro vomitar, toda aquela bebida que havia tomado ontem havia saído, o lado bom era que não estava com dor de cabeça só a barriga embrulhada, acho que era hora de eu tomar vergonha na cara e nunca mais beber, aquela foi a última vez na minha vida.

Dei descarga na privada e fiz minha higiene aproveitando e tomando um banho, parecia que enquanto aquela água caia sobre meu corpo eu me renovava me fazendo me sentir cada vez melhor. Terminei meu banho e sai do banheiro indo até o guarda roupa e pegando uma roupa para mim vestir, Lilly não estava no quarto então aproveitei para arrumar minha mala que eles tinham conseguido pegar de volta do hotel, menos um problema na minha vida.

Quando terminei fui para baixo e tomei lanche da noite com ela e ficamos jogando conversa fora e logo voltamos para o quarto, e Alex estava vindo me buscar.

-Você tá bem? -perguntei para Lilly que parecia meio decepcionada com algo.

-Você já vai embora -disse olhando para cima fingindo uma cara triste mas sabia que não era aquilo, ela era uma péssima mentirosa.

-Tá, agora fala a verdade -falei segurando minha mala para descer as escadas e ela olhou para os lados para ver se não tinha ninguém.

-É sobre ontem sabe, não sei se você se lembra mas é que eu realmente queria aquilo, eu confio nele e sinto que não vou me arrepender -a olhei com um ponto de interrogação na cara e ela arregalou os olhos dando um olhar significativo e logo entendi- mas se for pra ser, alguma hora deve acontecer -deu os ombros.

-Sua hora vai chegar, não precisa ter pressa, pensa quantos encontros legais sem mim vocês poderão ter sem mim -ela riu com meu apoio moral.

Nós ficamos conversando em frente da casa enquanto ele não chegava, iria me mudar hoje para casa de Alex e sinceramente não estava ansiosa nem um pouco porque acho que vai ser bem estranho.

O carro chegou e entramos nele e ela a comprimentou com um beijo e eu um toca aí, o caminho não foi muito longo, até que era perto. Chegamos em um prédio que era bem bonito por fora, agora iriamos ver por dentro.

-Lar doce lar Maninha -disse saindo do abraço de Lilly e indo abrir a porta.

-Aposto que só está arrumado porque estava vindo -rimos enquanto eu olhava o apartamento, era pequeno mas era aconchegante.

Entramos dentro do apartamento e ele me mostrou o meu quarto e eu fiquei lá já que eles iam sair, como estava no tédio deu um ataque de organizadora e comecei a arrumar meu quarto, minhas roupas e fiquei lá assistindo netflix, nunca achei séries tão legal mas nunca é tarde para experimentar algo novo.

P.v.  Justin Bieber

Não passou muito tempo e logo achei uma garota que se arrepiu toda com só eu ter passado, como toda virgem, ela estava com a amiga dela que já estava bêbada.

Aproveitei a situação e fui tentar algo com ela, ela não queria mas graças sua amiga que já nem sabia que estava ali as duas toparam, duas virgem em uma noite só não é fácil mas dessa vez me superei.

Nós ficamos fumando várias coisas para elas ficarem chapadas e darem mais coragem de fazerem aquilo depois finalmente consegui meu menage fui embora e as deixei lá na cama, pelo menos tive elas poderem dizer que perderam a virgindade com o maior gângster do século.

Depois fiz mais alguns rolinhos de maconha para o caminho e chamei os caras e fomos todos para seus carros, fiquei fumando, mas acho que passei dos limites porque normalmente eu fico em plena consciência, agora já via tudo turvo e nem sabia mais pra onde estava indo, por isso segui eles.

Quando chegamos já era 22:30, o horário combinado para chegar o caminhão com a heroína, todos ficaram escondidos e os carros também e eu fiquei lá parado em pé olhando para cima e dando risada.

O caminhão chegou já batendo a luz do farol batendo na minha cara e estacionou e os seguranças e os caras começaram a tirar tudo do caminhão e ir colocando no porta malas e banco dos carros já que era muita. 

Paguei o motorista e ele entrou no caminhão, ele já tinha virado indo embora quando parece que tudo em minha visão está em câmera lenta, uma moto aparece com uma metralhadora e começa a atirar parando a moto e dando uma pequena volta atirando para todo lugar, todos estavam escondido mas eu no momento não estava conseguindo raciocinar fiquei parado, e quando percebi levei um tiro no ombro caindo direto no chão e ele foi embora, comecei a piscar vendo tudo girando e senti tapas em meu rosto só que acabei não sentindo mais nada e tudo apagou aos poucos.

P.v. Ryan Butler

Quando aquele desgraçado atingiu o Justin ele foi embora e deixou um papel cair propositalmente, peguei ele e o li, estava escrito; "Isso foi só um aviso, não se meta mais comigo seu moleque. Dessa vez fui boazinho e deixei você ficar, mas da próxima será bem pior.". Apertei aquele papel com força e com raiva, Justin não era apenas meu amigo, era meu irmão e construímos isso junto, um cara metido à besta não iria se intrometer nisso.

-Cara, a bala penetrou o ombro dele, se não fizermos nada irá infeccionar -falou Chaz preocupado.

-Vamos ter que levar ele para um hospital -chequei sua pulsação- droga, usem a cocaína como anestesia, andem! E depois o coloquem no carro. -mandei.

-Ele pode ter uma overdose, o cara já tava drogado.

-Essa é a única chance que temos de trazer ele de volta, é agora ou nunca -ele concordou e injetou a injeção nele e eu peguei um um pano apertando para impedir a perda de sangue- vamos levar ele para o hospital, vocês fiquem aqui e levem tudo para o galpão -falei para os seguranças.

Coloquei Justin no carro com ajuda de Chaz e depois colocamos gasolina no carro do Justin com algumas drogas dentro para despistar os tiras e também faria com que Philips pensasse que ele havia morrido nós deixando um passo a frente, ele ficaria puto mas quando voltasse me agradeceria.

A fumaça começou a subir e fomos para o hospital, corremos pelas ruas em alta velocidade até achar um hospital bom mais próximo e logo achamos e ele foi para a emergência entrando na cirurgia. A única coisas que podíamos fazer agora era esperar, e eu como um bom amigo, resolvi avisar para uma pessoa que sei que realmente se importa com ele lá no fundo.

P.v. Brittney

Estava assistindo e tirei um pouco da minha concentração da TV e do meus chocolates mexendo em meu celular, sei que parece coisa de velho mas comecei a olhar as notícias do jornal por puro tédio, e de repente vejo que um garoto da minha escola morreu.

Entrei no coisa e logo vi que foi reconhecido como suicídio e puta merda, era o Scott, sei que era pra eu estar nem ai mas caralho, ele já foi meu namorado, estudava comigo e juntando tudo isso tinha certeza que não foi suicídio.

Eu tenho certeza de foi o Justin com ciúmes, não achava que ele chegava a esse nivel, a culpa foi minha então por ter provocado, que merda eu fiz.

Estava perdida em meus pensamentos pensando nas merdas que fiz, quando meu celular começou a apitar que nem louco e era Ryan estranhei mas atendi.

-Ryan? Alô? 

-Brittney sei que você não tem nada haver com isso mas sei que você se importa com ele de verdade, você não é igual a essas vadias que ele pega -comecei a ficar nervosa.

-Do que você ta falando? -ele ficou em silêncio- o que aconteceu? Me responde.

-O Justin, ele está numa cirurgia de risco porque foi baleado e perdeu muito sangue -naquela hora parecia que eu havia paralisado, o que estava acontecendo na minha vida? Todo mundo estava morrendo de algum jeito.

-Eu estou indo para aí agora! -falei desligando o celular e indo correndo trocar de roupa.

Chamei um táxi e fui correndo até ele e o cara parecia que não se tocava quando eu o apressava, mas era uma lesma mesmo, o caminho inteiro já havia derrubado tantas lágrimas de nervosismo, preocupação, angústia, medo, tudo que se possa imaginar, e misturado. No momento só queria matar o motorista para ver se conseguia me distrair.

Quando finalmente chegamos, eu paguei ele e subi correndo até o andar que Ryan estava.

-Cadê ele? Ele está bem? -perguntei atropelando as palavras.

-Calma, ele ainda está na sala de cirurgia e não tenho notícias dele -eu comecei a chorar, estava parecendo uma criança quando a mãe não compra um doce pra ela no mercado, e fui correndo para um abraço.

Nós ficamos lá abraçados e preocupados esperando notícias dele enquanto eu tentava para de chorar ou chorar menos.

Poucos minutos depois.

O médico apareceu lendo a prancheta nem parecendo perceber que nós estávamos ali, depois foi até a recepcionista e voltou.

-Parentes, amigos do Zack? -olhei confusa para Ryan.

-Nós somos amigos -ele veio até a gente- Zack é o nome falso -falou baixo.

-Ée.. Bom, o estado do amigo de vocês é grave, a bala foi quase atingida no coração, e houve muita perda de sangue e o banco de sangue não tem o tipo dela, já que é muito raro. Infelizmente não podemos fazer nada até que ache alguém compatível com o sangue dele.

-Que tipo de sangue é o dele? -falei desesperada.

-o-

-Eu sou o- eu dou, vamos logo -apressei ele e fomos para a sala.

Fomos até as enfermeiras e elas tiraram meu sangue e levaram para outra sala e eu fiquei lá sentada esperando já que estava fraca quase desmaiando.

Algumas horas depois.

-Brittney blanche? Ryan Butler? -escutei meu nome sendo anunciado e sai de lá correndo quase caindo no chão.

-Ele está bem? 

-Felizmente sim, a cirurgia foi realizada com bastante risco mas conseguimos terminar ela e ele ficar quase bem.

-Quase? Como assim?

-No final da operação ele teve uma pequena overdose que conseguimos controlar, ele não está nada limpo, por isso terá que ficar em observação até ficar totalmente limpo ou não ter uma overdose -concordei.

-Podemos ir ver ele? -ele concordou- vamos Ryan -o puxei.

Entrei no quarto e Ryan logo atrás e pude ver que ele estava numa situação horrível, ele estava pálido, parecia estar sem vida, aquilo doeu em meu coração, corri e fiquei deitado do seu lado acariciando seus cabelos.

-Vou deixar vocês à sós, você está mais preocupada com ele do que eu, e você que provavelmente gosta mais -deu um sorriso sem humor.

-Sim, obrigada -sussurrei dando um sorriso confortável olhando para ele- mas eu sei que ele nunca será meu -abaixei meu olhar para sua mão e as juntei dando um beijo em sua testa e fechando os olhos indo para mais perto dele ainda- mas eu sempre vou estar aqui com você quando precisar, vai ficar tudo bem!


Notas Finais


Brittney um belo exemplo dessa água não bebereis ou de trouxa? Talvez os dois? Kkkkkkkkk

Música- https://youtu.be/t5p5uCgY-tY
Letra- https://www.vagalume.com.br/cashmere-cat/9-after-coachella-feat-mo-sophie.html


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...