História The Secret of the Bastard - Capítulo 3


Escrita por: ~

Postado
Categorias EXO
Personagens Baekhyun, Chanyeol, Chen, D.O, Kai, Kris Wu, Lay, Lu Han, Personagens Originais, Sehun, Suho, Tao, Xiumin
Tags Drama, Exo, Hunhan, Luhan, Romance, Sehun, Suspense, Violencia
Visualizações 7
Palavras 1.820
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Drama (Tragédia), Fantasia, Hentai, Lemon, Mistério, Romance e Novela, Suspense, Terror e Horror, Violência, Yaoi
Avisos: Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Mutilação, Nudez, Sadomasoquismo, Sexo, Tortura, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


Oi pessoal, eu vou dar o máximo de mim para postar, pois dia 21 começa minha semana de provas, vou tentar escrever, não prometo postar direto por conta das provas e ter de estudar, mas prometo tentar trazer capítulos ótimos para vocês!!

XOXO

Capítulo 3 - Conflitos Internos


Enfim, chegou o tão esperado momento! Os dois se encontraram no lugar combinado, na parte dos fundos da casa no novo Conde Oh, partiram rumo ao bosque onde tinha uma linda clareira, no caminho eles conversaram, ele cantou algumas músicas e trocaram algumas brincadeiras inocentes. O rapaz só pensava em uma coisa, como estava se sentindo em relação a ele? Isso era errado não podia ter nenhum tipo de sentimento além de amizade para com alguém, talvez não fosse paixão, ne nada do gênero, só uma fascinação, ou algo parecido, um sentimento forte de amizade talvez. Ele que nunca nem se quer sentira algo por outro rapaz, ou já sentira? Chegou a uma conclusão que o deixou pasmo. No fundo de sua mente pegou algumas lembranças de reparar em rapazes, e desejar coisas nada puras, coisas erradas, era isso? Ele sentia atração por homens? O que iria fazer? O rapaz ao seu lado não tinha medo de sentir aquilo, pois não achava algo errado, sentia-se atraído por Sehun, não era nada para se alentar, mas sentia-se bem atraído por ele. Ainda mais pelo ar misterioso que ele emanava de certo modo, aquilo não era atração, com certeza era apenas uma certa fixação por coisas misteriosas, internamente se perguntava o que seria, não iria perguntar nada, mas quem sabe com algum tempo de amizade Sehun poderia confiar-lhe e contar algumas coisas de seu passado.

Chegando à clareira sentaram-se sobre uma árvore, ela era tão grande que formou um arco sobre o lago que havia lá. Os dois ficaram ali conversando sobre coisas rotineiras da pequena cidade, vez em outra Oh lhe contava da parte do mundo que já havia explorado, cantaram algumas músicas juntos – sim os dois sabiam cantar – ele deu uma rosa vermelha ao moço, era a rosa mais linda e mais vermelha que os dois já haviam visto um vermelho intenso da cor do sangue, o jovem aceitou e disse que iria estuda-la, assim passaram algumas horas juntos – Sehun inconscientemente algumas vezes tocara na mão do moço que sempre retirava imediatamente, afinal ele não sabia que o Conde tinha anseios reprimidos por homens, bem nem o próprio Conde sabia até um certo momento dessa certa atração – Luhan se deu conta que o sol estava se pondo e se lembrou que tinha de voltar para a casa. Levantou-se apressado pegando um pequeno caderno que havia levado junto e foi falando:

- Eu preciso ir embora! O sol já está se pondo – Lembrando-se do que seu Pai tinha lhe dito.

- Está bem Senhor! Acompanharei até a saída do bosque, a propósito, por que o caderninho? Se me permite a pergunta. – Disse gentilmente.

- Só poderemos nos encontrar por duas semanas, foi o prazo que eu dei a meu Pai e ele aceitou, mas acalme-se ele não sabe que é para me encontrares com você, e sim que eu quero catalogar espécies de novas plantas, por isso o caderninho, tenho que ir! – Sehun segurou a mão dele, o que o fez se virar para trás, porém ainda sim guiaria até a saída do bosque, porém aproveitou e disse dando um meio sorriso misterioso e erguendo uma de suas sobrancelhas.

- Então estamos em encontros proibidos?! – Luhan arregalou os olhos e lhe deu um tapa no ombro e resmungou de volta.

- Pare de me olhar assim, e como talvez estaremos em encontros proibidos? – Disse apenas para tirar uma com a cara do seu novo amigo. E foi se virando para continuar a caminhada até a saída do bosque, quando algo que nem Sehun e nem Luhan esperavam aconteceu, num ato de puro impulso descuidado por estarem saindo pela estrada Oh tropeçou e se apoiou em Luhan que se não fosse for sua força iriam os dois para o chão – o conde não era dos mais leves até por sua musculatura – seus rostos ficaram afastados, porém perto o suficiente para sentirem s respiração um do outro. O garoto ficou espantado, com os olhos arregalados, Xiao não esperava aquilo, mas também como saberia que o outro iria tropeçar, percebei que estava encarando muito de perto aquele rosto tão bonito para si e empurrou Sehun para seu lugar antes de tropeçar – pigarreou e continuou olhando para Sehun:

- Me desculpe, não sei como eu tropecei – Falou o Conde percebendo que estivera por alguns segundos em transe com o olhar do mais novo.

- Não tem problema nenhum, e acho que tropeçou com seus pés – riu – deu sorte que sempre estou atento e bem faço exercícios, porque você me desculpe a indelicadeza não é nada leve.

- Eu sei que não sou leve senhor repara tudo, mas é peso de músculos apenas – disse indignado ou pelo menos tentando fingir.

- Opa, tudo bem Senhor – levantou as mãos em trégua – tenho que ir agora até amanhã – Fez uma reverencia e saiu deixando um Sehun meio confuso para trás sobre tudo o que ocorrera, sobre seus sentimentos e sem saber se tinha feito besteira ou algo parecido, provavelmente estava com uma cara de paisagem pensando em tudo o que estava rondando sua cabeça. Ele finalmente a voltou a realidade da terra e foi se diregindo para sua casa, será ele estar com algum tipo de interesse por ele? Não, logo expulsou esse pensamento. Balançou a cabeça e negação para si mesmo e levantou os olhos para o céu olhando para os raios de sol esvaindo e dando lugar a um céu azul que logo se tornaria negro e disse em voz alta para si mesmo:

- O que é isso Oh Sehun? – Disse dando uns tapinhas na bochecha como se quisesse acordar – Você precisa de uma banho gelado pra acalmar essa mente.

  Se alguém pudesse ouvi-lo diriam que ele é louco por estar falando sozinho, mas apenas ele sabia – ou melhor não sabia – o que estava acontecendo em sua mente e consigo próprio.

- Só espero que ele tenha chegado bem em casa. – Dito isso terminou de rumar para sua casa para tomar seu banho e quem sabe uma bebida e talvez ter uma boa noite de sono desta vez.

O garoto por sua vez foi para casa tentando desvendar o que estava tanto acontecendo consigo, porque não estava sabendo lidar consigo mesmo, bagunçou o cabelo em frustração e tratou de esconder o que estava pensando, sempre fora muito bom nisso, nunca demostrar o que pensa ou sente, chegou a casa e seus pais estavam na sala tomando chá. Assim que entrou seus pais se viraram e perguntaram a causa da pequena demora. Xiao se lembrando do que aconteceu baixou a cabeça e disse que se distraiu com as plantas e flores – apontou para suas mãos que seguravam a rosa, e deu a mesma para sua Omma – ele não sabia se seus pais iriam acreditar, mas foi a única desculpa que conseguira pensar na hora. Seus pais assentiram e o deixaram subir para seu banho e, ir dormir.

Luhan já em sua cama começou a pensar... Não consigo parar de pensar em Sehun e no olhar intenso que aquele homem tinha, intenso porém parecia que escondia muitas coisas, coisas tristes. Queria muito saber o que era, queria ajudar no que quer que fosse, mas como? Nem amigos eram ainda, mas tentaria ajudar. O que pensará de mim, será que o encarei demais, se o fiz achará que eu gosto de homens, bem isso não é mentira nenhuma, mas ele ao cair por ter tropeçado ou sei lá que raios se passou para ele tropeçar daquela maneira. De fato eu sou um homem com vinte e três anos anos prestes a fazer vinte e quatro daqui a alguns meses, que gosta de homens, que não se casou ainda, por além de não gostar de mulheres, sim tinham muitas lindas por ai, mas isso não era de seu gosto, achava também que o casamento tem de ser feito por amor e não apenas para obter vantagens ou títulos.

Amanhã me desculparei pelo comportamento e seremos bons amigos. O único problema é que agora não paro de pensar em seu estranho olhar, o que será que aquele olhar escondia? Não seja tolo Xiao Luhan, por que ele aceitaria sua ajuda? Afinal ele deve ter muitas pessoas para o aconselhar. Mas ainda sim... Oh Sehun ama música e sabe cantar muito bem, é amante das plantas assim como eu e, tem um ar de mistério que não consigo decifrar. Ah Deus o que eu estou pensando... Luhan pare, vá dormir!

Sehun em sua casa se aprontando para o banho se perdeu em seus pensamentos... Bem, depois que Luhan me deixou para trás não me restou escolha se não voltar para casa. Céus por que eu tive de tropeçar, onde ou o que estava em meu caminho para isso acontecer, ele achará talvez que fiz de propósito, ou pensará que sou um completo desastre. Eu costumo ser bem livre ou eu era assim, alguns casos aqui e ali sem compromissos, encontros casuais. Mas ele me tira de todos esses pensamentos fanfarrões de alguma forma, não penso nele desse jeito. Quer dizer não posso pensar ele é outro homem e certamente não nutre esses tipos de pensamentos por outros do mesmo gênero. Mas contudo quero que ele saiba que é especial, de alguma forma ele me laçou completamente, só consigo pensar nele. Ele sempre tão feliz, isso me encantou muito, espero poder confiar nele, quem sabe ele possa ouvir algumas de minhas aflições, quer dizer eu quero que sejamos amigos bem próximos. O que diria ele se eu pedisse que mantivéssemos uma amizade, construída em duas semanas que pode se tornar sólida? Acho melhor não, pelo menos não agora. Esperarei as duas semanas, se eu resistir até lá.

Será que ele aceitaria a amizade de alguém como eu? Sou um bastardo, não sou puro como ele é, e seus pais certamente não poderiam saber. Mas eu estou muito incerto sobre ele, sim ele retribuiu o olhar com a mesma intensidade com a qual eu estava olhando, porém mesmo assim não sei o que pensar. Quero muito que dê certo e, se eu o pedir ele aceite. Espero que não tenha tirado conclusões erradas sobre mim e de meu comportamento hoje, não foi minha culpa tropeçar e muito menos me perder nos lindos olhos e na face angelical que ele tem, tão lindo no entardecer, Deus só consigo pensar nele, foco Oh Sehun. Todavia Luhan é diferente de todas as moças e moços que já conheci, embora as outros fossem inteligentes, nenhum deles chegou aos níveis de conhecimento de Luhan, ele é curioso sempre deseja saber mais sobre todos os assuntos possíveis, ama música, sabe cantar lindamente, ama tudo o que é belo na arte e é um adorador da natureza assim como eu, tudo isso me fascinou nele. Quero muito vê-lo amanhã novamente, mal caibo em mim mesmo de ansiedade. Mas por hora tratarei de tentar dormir, ou não acordarei para meus afazeres.


Notas Finais


Espero que tenham gostado meus cupcakes!!


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...