História The selection - Capítulo 37


Escrita por: ~

Postado
Categorias Fairy Tail, Naruto
Personagens Lucy Heartfilia, Natsu Dragneel
Tags Gale, Galu, Gruvia, Jerza, Nali, Nalu
Visualizações 160
Palavras 2.972
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Crossover, Famí­lia, Harem, Hentai, Mistério, Romance e Novela, Shoujo (Romântico)
Avisos: Adultério, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Sexo, Spoilers, Violência
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Capítulo 37 - A Elite- Traição


Fanfic / Fanfiction The selection - Capítulo 37 - A Elite- Traição

MAL CONSEGUI DORMIR. A festa terminara tarde e eu ainda tinha que lidar com meu entusiasmo pelo que estava por vir: era impossível. Abracei Mavis mais forte; seu calor me confortava. Sentiria muito a sua falta quando ela fosse embora, mas pelo menos tinha a perspectiva de tê-la morando aqui comigo em breve.

Fiquei imaginando quem seria dispensada. Não me pareceu de bom tom perguntar, tanto que não perguntei. Mas se quisessem mesmo minha opinião, meu palpite seria Cana. Juvia e Mirajane eram as preferidas do público – mais do que eu – e Lissana e Ultear tinham seus contatos. Eu tinha o coração de Natsu. No fim, Cana não tinha no que se segurar.

Me senti mal, porque não tinha nada contra ela. Na verdade, meu desejo era ver Lissana fora. Talvez Natsu a mandasse para casa, pois sabia o quanto eu não gostava dela, e ele tinha dito que queria me ver à vontade no palácio.

Suspirei. Pensava em tudo o que ele me falara na noite anterior. Nunca tinha imaginado que isso era possível. Como eu, Lucy heartfilia – uma Cinco, uma ninguém – fui me apaixonar por Natsu Dragnel, um casta Um, o Um? Como isso tinha acontecido comigo, que tinha passado os últimos dois anos me preparando para uma vida de Seis?

Um pedacinho de mim pulsava de dor. Como explicaria a Gajel? Como contar que Natsu havia escolhido a mim e que eu queria ficar com ele? Será que ele me odiaria? Esse pensamento me deixou com vontade de chorar. Não importa o que acontecesse, não queria perder a amizade de Gajel. Não podia perdê-la.

Minhas criadas não bateram à porta para entrar, o que era comum. Sempre tentavam me deixar descansar o máximo que eu pudesse, e depois da festa eu estava mesmo precisando de descanso. Mas em vez de começarem a aprontar as coisas, Evergren se aproximou de Mavis e tocou em seu ombro para acordá-la.

Rolei na cama para ver o que se passava e dei com Coco e Levy segurando um saco de roupas. Outro vestido novo?

— Senhorita Mavis — sussurrou Evergren — é hora de levantar.

Mavis despertou lentamente.

— Não posso dormir mais?

— Não — respondeu EEvergren , penalizada. — Temos negócios importantes esta manhã. É necessário que a senhorita se junte a seus pais imediatamente.

— Negócios importantes? — perguntei. — O que está acontecendo?

Evergren olhou para Coco , e eu fiz o mesmo. Coco balançou a cabeça, e foi só.

Confusa, mas esperançosa, saí da cama e incentivei Mavis a fazer o mesmo. Dei um abraço forte antes de ela ir para o quarto de nossos pais.

Assim que ela saiu, olhei para as criadas e perguntei para Coco:

— Vocês podem explicar por que ela saiu?

Coco, mais uma vez, balançou a cabeça. Frustrada, comecei a bufar de raiva.

— Ajudaria se dissesse que ordeno a vocês que falem?

Ela me encarou, cheia de solenidade.

— Nossas ordens vêm de muito mais alto. A senhorita terá que esperar.

Fiquei à porta do banheiro, observando os passos das três. As mãos de Levy tremiam enquanto ela arrancava pétalas de rosa para o meu banho. Já Evergren franzia a testa enquanto fazia minha maquiagem e punha os grampos em meu cabelo. Levy às vezes tremia sem qualquer motivo, e Evergren normalmente fazia essas caretas quando estava concentrada. Era o olhar de Coco que me assustava.

Ela costumava estar sempre composta, mesmo nas situações mais medonhas e estressantes, mas hoje se movia como se tivesse dois sacos de areia nas costas, estava curvada de tantas preocupações. A todo instante, fazia uma pausa e esfregava as mãos na testa, como se assim pudesse suavizar a ansiedade em seu rosto.

Observei enquanto ela descobria o vestido. Era modesto, simples... e negro. Assim que olhei para o vestido soube que ele só poderia significar uma coisa. Comecei a chorar antes mesmo de saber por quem.

— Senhorita? — veio Evergren em meu auxílio.

— Quem morreu? — perguntei. — Quem morreu?

Coco me puxou e enxugou as lágrimas de meus olhos.

— Ninguém morreu — ela respondeu, mas sua voz não era reconfortante; era rígida. — Agradeça aos céus por isso quando tudo acabar. Ninguém morreu hoje.

Ela não me deu maiores explicações e me mandou direto para o banho. Levy tentava se controlar. Quando finalmente rompeu em lágrimas, Coco lhe pediu para trazer algo leve para eu comer. Levy obedeceu imediatamente, sem sequer fazer uma reverência antes de sair.

Levy retornou depois de um tempo, com alguns croissants e pedaços de maçã. Quis me sentar e comer devagar, prolongando ao máximo o momento, mas bastou uma mordida para perceber que a comida e eu estávamos brigadas naquele dia.

Por fim, Coco pôs em meu peito o broche com meu nome; o prateado do broche ficava ainda mais lindo contra o preto do meu vestido. Não me restava mais nada a fazer senão enfrentar esse destino inimaginável.

Abri a porta do quarto e congelei. Voltando-me para as criadas, deixei escapar meu medo:

— Estou assustada.

Coco pôs as mãos sobre meus ombros e falou:

— A senhorita é uma dama agora. Precisa enfrentar essa situação como uma dama.

Inclinei a cabeça levemente quando ela me soltou, tirou minhas mãos do batente da porta e saiu. Queria poder dizer que caminhei com a cabeça erguida, mas, para ser sincera, dama ou não, eu estava aterrorizada.

Para minha imensa surpresa, ao chegar ao foyer, encontrei as demais garotas. Seus vestidos eram parecidos com o meu e elas tinham a mesma expressão no rosto que eu. Senti uma onda de alívio. Eu não estava encrencada. Quando muito, todas estávamos, e pelo menos eu não passaria por tudo isso – seja lá o que fosse – sozinha.

— Aí está a quinta — disse um guarda para seu companheiro. — Sigam-nos, senhoritas.

Quinta? Não estava certo. Éramos seis. Corri a vista pelas outras enquanto descíamos as escadas. O guarda tinha razão. Apenas cinco. Juvia não estava lá.

Meu primeiro pensamento foi de que Natsu tinha mandado Juvia para casa. Mas será que ela não passaria no meu quarto para dar tchau? Tentei pensar em alguma relação entre todo esse segredo e a ausência de Juvia, só que nenhuma ideia fazia sentido.

Ao pé das escadas, um grupo de soldados nos aguardava. Lá também estavam nossas famílias. Meus pais e Mavis pareciam ansiosos. Todos pareciam ansiosos. Olhei para meu pai e minha mãe, em busca de alguma luz, mas minha mãe balançou a cabeça e meu pai levantou os ombros. Procurei Gajel entre os homens de uniforme. Ele não estava lá.

Vi dois guardas escoltarem os pais de Juvia para o fim da nossa fila. A mãe estava curvada de preocupações e apoiava-se no marido, cuja expressão de dor dava a impressão de que envelhecera anos em uma só noite.

Não. Se Juvia tinha saído, por que eles ainda estavam lá?

De repente o foyer foi invadido pela luz. Pela primeira vez desde minha chegada, as portas do palácio foram escancaradas, e todos fomos conduzidos para fora. Cruzamos a pequena pista circular da garagem e fomos além dos enormes muros que nos aprisionavam nas terras reais. Os portões se abriram com um rangido, e logo fomos saudados pelo barulho ensurdecedor de uma multidão.

Um grande palanque fora montado na rua. Centenas, talvez milhares de pessoas apinhavam-se ali. Crianças sobre os ombros dos pais, câmeras espalhadas ao redor, membros da equipe de produção correndo diante da multidão para captar aquelas cenas. Fomos levados para uma pequena arquibancada, e a massa nos ovacionava conforme caminhávamos. Pude notar a tensão desfazendo-se nos ombros de cada uma das meninas à minha frente à medida que o povo nas ruas gritava seus nomes e lançava flores aos nossos pés.

Acenei para as pessoas ao ouvir meu nome. Me senti tão boba por ter ficado preocupada. Se a multidão estava feliz daquele jeito, então nada de mal poderia estar acontecendo. Os funcionários do palácio realmente precisavam repensar o modo como lidavam com a Elite. Toda aquela ansiedade por nada.

Mavis sorria, feliz por ser parte daquela emoção, e eu estava aliviada por vê-la à vontade mais uma vez. Tentei me concentrar em todos os fãs, mas me distraí com duas estruturas estranhas em cima do palanque. A primeira tinha um mecanismo que parecia uma escada em forma de A; o segundo era um grande bloco de madeira com furos dos dois lados. Com a ajuda de um guarda, subi até meu assento no meio da primeira fileira e tentei imaginar o que estava acontecendo.

A multidão explodiu de novo quando o rei, a rainha e Natsubsurgiram. Também eles estavam vestidos de preto e tinham rostos sérios. Como eu estava próxima de Natsu , voltei o olhar em sua direção. Não importava o que fosse, se ele me olhasse e sorrisse, eu saberia que tudo estaria bem. Desejei que ele me olhasse, que me desse algum sinal. Mas seu rosto estava impassível.

Um momento depois, as ovações da multidão se transformaram em vaias e ofensas. Procurei ver o que os deixava tão infelizes.

Meu coração subiu pela garganta. Era como se meu mundo caísse.

Guardas puxavam o soldado Fulbuster por correntes até o palanque. Seus lábios sangravam, suas roupas estavam tão sujas que ele parecia ter passado a noite inteira rolando na lama. Atrás dele, Juvia também estava acorrentada; sua linda fantasia de anjo estava imunda e sem as asas. Um paletó cobria seus ombros arqueados, ela caminhava com os olhos baixos para evitar a luz. Ela contemplou a multidão e nossos olhares encontraram-se por uma fração de segundo antes de ela ser mais uma vez empurrada para a frente. Ela levantou os olhos novamente, à procura de alguém. Eu sabia quem. À minha esquerda, os pais de Juvia observavam tudo, se abraçando forte. Estavam visivelmente desolados, em outro lugar, como se seus corações tivessem deixado seus corpos.

Voltei a olhar para Juvia e para o soldado Fulbuster . Apesar dos rostos claramente angustiados, ambos caminhavam com um certo orgulho.

Não. Não, não, não, não, não.

Assim que os dois subiram ao palanque, um homem de máscara começou a falar. A multidão se calou para ouvir. Aparentemente, aquilo – fosse o que fosse – já tinha acontecido antes, e as pessoas sabiam como se comportar. Mas eu não; meu corpo se contorcia, minha barriga gelava. Ainda bem que eu não tinha comido.

— Juvia Lockser — o homem anunciou — uma das selecionadas, filha de Fiore, foi encontrada na noite passada em um momento de intimidade com este homem, Gray Fulbuster , membro de confiança da Guarda Real.

A voz do carrasco transbordava um excesso de arrogância, como se ele estivesse ditando a cura para uma doença mortal. A multidão mais uma vez vaiou as acusações.

— A senhorita lockser quebrou seu voto de lealdade ao nosso príncipe Natsu! E o senhor Fulbuster roubou algo que pertencia à família real através de suas relações com a senhorita Lockser! Temos aqui um crime de traição à família real!

As afirmações eram feitas aos berros, como que pedindo a aprovação da massa, que a concedeu.

Mas como as pessoas podiam concordar com isso? Não sabiam que se tratava de Juvia? A doce, bela, confiável e generosa Juvia? Talvez ela tivesse cometido um erro, mas nada que merecesse tamanho ódio.

Gray foi amarrado à armação em forma de A por outro mascarado. Suas pernas e braços foram esticados ao máximo para imitar a forma daquela peça. Cingiram sua cintura com tiras de couro acolchoadas, tão apertadas que incomodavam mesmo a quem apenas presenciava a cena. Já Juvia foi forçada a ajoelhar-se diante do grande bloco de madeira, sem o casaco, arrancado de suas costas. Passaram seus punhos pelos buracos e amarraram suas mãos dos dois lados, com as palmas para cima.

Ela chorava.

— É um crime para pena de morte! Mas, em sua misericórdia, o príncipe Natsu poupará a vida destes dois traidores. Vida longa ao príncipe Natsu!

A multidão fez coro à voz do homem. Se não estivesse completamente perdida, eu saberia que tinha o dever de me unir às vozes, ou pelo menos aplaudir o príncipe. Foi o que as garotas ao meu redor fizeram, bem como nossos pais, mesmo em choque. Eu não prestei atenção neles, porém. Só via os rostos de Juvia e Gray.

Não foi à toa que nos deram assentos na primeira fileira: queriam nos mostrar o que aconteceria se cometêssemos um erro idiota como esse. Só que de onde eu estava, a menos de seis metros do palanque, podia ver e ouvir tudo o que realmente importava.

Juvia encarava Gray, que esticou o pescoço para devolver aquele olhar. Era impossível não notar o medo de ambos, mas havia no rosto dela algo que tentava dizer a Gray que ele valia tudo aquilo.

— Eu te amo, Juvia — ele gritou para ela. Mal foi possível ouvi-lo com o barulho da multidão, mas a declaração foi feita. — Vamos ficar bem, eu prometo.

Juvia estava tão amedrontada que não pôde responder, mas fez que sim com a cabeça. Naquele momento, eu só podia pensar em como ela estava linda. Seus cabelos dourados estavam uma bagunça, o vestido era um desastre e seus sapatos tinham ficado em algum lugar no caminho. Mas, Deus, ela parecia radiante.

— Juvia lockser e Gray Fulbuster, vocês dois estão destituídos de suas castas. São os mais inferiores dos inferiores. São Oito!

A multidão comemorou, o que me pareceu um erro. Por acaso não havia ali nenhum Oito que não gostaria de ser encarado dessa forma?

— E para infligir em ambos a vergonha e a dor que trouxeram à Sua Majestade, vocês serão açoitados com quinze golpes. Que suas cicatrizes lhes recordem dos seus muitos pecados!

Açoitados? O que isso queria dizer?

Minha resposta veio um minuto depois. Os dois mascarados que amarraram Gray e Juvia tiraram longas varas de um balde d’água. Eles as agitaram no ar algumas vezes para testá-las, e eu pude ouvi-las zunir enquanto cortavam o ar. A multidão aplaudiu aquele aquecimento com o mesmo êxtase e a mesma adoração que tinham acabado de dedicar às Selecionadas.

Em poucos segundos, o dorso de Gray seria golpeado humilhantemente, assim como as preciosas mãos de Juvia...

— Não! — gritei. — Não!

— Acho que vou desmaiar — murmurou Cana, ao passo que Ultear soltou um gemido sobre o ombro de seu guarda.

Mas nada fez diferença.

Levantei e lancei meu corpo em direção ao assento de Natsu , caindo sobre o colo de meu pai.

— Natsu, Natsu, faça isso parar!

— Você precisa se sentar, senhorita — meu guarda tentou me convencer a voltar para o meu lugar.

— Natsu, eu imploro! Por favor!

— A senhorita está se arriscando.

— Saia de perto de mim! — gritei para o guarda, chutando-o o mais forte que podia. E por mais que eu tentasse, ele ainda me segurava forte.

— Lucy, sente-se, por favor — pediu minha mãe.

— Um! — gritou o homem no palco, e eu vi a vara cair sobre as mãos de Juvia.

Ela emitiu o mais dramático dos gemidos, como um cachorro que leva um chute. Gray não soltava nenhum ruído.

— Natsu! Natsu! — gritei. — Faça isso parar! Faça isso parar, por favor!

Ele ouviu. Eu sabia. O vi fechar os olhos devagar e engolir em seco, como se pudesse tirar aqueles sons da sua cabeça.

— Dois!

O choro de Juvia era pura angústia. Eu não podia imaginar sua dor – e mais treze golpes estavam por vir.

— Lucy, sente-se! — insistiu minha mãe.

Mavis estava sentada entre meus pais, com o rosto virado. Seu choro era quase tão dolorido quanto o de Juvia.

— Três!

Olhei para os pais de Juvia. A mãe tinha a cabeça enterrada nas mãos; seus braços enganchados nos do marido, como se ele pudesse protegê-la de tudo o que viam naquele momento.

— Me solta! — gritei para o guarda, em vão. — Natsu! — berrei.

Minhas lágrimas atrapalhavam minha visão, mas eu conseguia ver o bastante para saber que ele tinha ouvido.

Olhei para as outras garotas. Não devíamos fazer algo? Algumas pareciam chorar também. Elise estava curvada, com a cabeça apoiada nas mãos, dando a impressão de que poderia desmaiar. Mas nenhuma delas parecia irritada. Não deveriam estar?

— Cinco!

O som dos gemidos de Juvia me assombraria pelo resto da vida. Jamais ouvi nada parecido. Ou o eco doentio da multidão, vibrando, como se aquilo não passasse de mero entretenimento. Ou o silêncio de Natsu, permitindo aquilo. Ou o choro das garotas ao meu redor, aceitando aquilo.

A única coisa que me dava um pouco de esperança era Gray. Embora suasse com o trauma e tremesse de dor, ele conseguiu balbuciar palavras de conforto para Juvia.

— Vai... acabar logo... — esforçou-se para dizer.

— Seis!

— Amo... você — ele gaguejou.

Eu não aguentava mais. Tentei arranhar o guarda, mas o casaco grosso o protegia. Gemi quando ele me apertou mais forte.

— Tire as mãos da minha filha! — meu pai gritou, puxando os braços do guarda.

Com aquele espaço, me movimentei até conseguir encará-lo e dei a joelhada mais forte que pude.

Ele soltou um grito abafado e caiu de costas, sendo amparado por meu pai.

Pulei a grade, um pouco desajeitada por causa do vestido e dos sapatos.

— Juvia! Juvia! — eu berrava, correndo o mais rápido que pude.

Quase cheguei até os degraus; mas fui agarrada por dois guardas. Era uma briga que eu não conseguiria ganhar.

Pelo ângulo de trás do palco, vi as costas expostas de Gray. A pele já rasgada, despedaçada, pendendo em tiras asquerosas. O sangue escorria, arruinando aquilo que havia sido a calça do seu uniforme de gala. Eu era incapaz de imaginar o estado das mãos de Juvia.

Só de pensar nelas caí em uma histeria mais profunda. Gritei e chutei, mas tudo o que consegui foi perder um dos sapatos.

Fui arrastada para o palácio enquanto o homem anunciava o próximo golpe. Não sabia se deveria me sentir grata ou envergonhada. Por um lado, eu não precisava mais ver aquilo; por outro, me pareceu que eu estava abandonando Juvia no pior momento de sua vida.

Uma amiga de verdade não teria de fazer mais que isso?

— Juvia! — gritei. — Juvia, perdão!

A multidão, porém, estava tão entusiasmada, e minha amiga gemia tão alto, que acho que não fui ouvida.



Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...