História The selection - Capítulo 38


Escrita por: ~

Postado
Categorias Fairy Tail, Naruto
Personagens Lucy Heartfilia, Natsu Dragneel
Tags Gale, Galu, Gruvia, Jerza, Nali, Nalu
Visualizações 144
Palavras 1.552
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Crossover, Famí­lia, Harem, Hentai, Mistério, Romance e Novela, Shoujo (Romântico)
Avisos: Adultério, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Sexo, Spoilers, Violência
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Capítulo 38 - A Elite- A dor


Fanfic / Fanfiction The selection - Capítulo 38 - A Elite- A dor

XINGUEI E GRITEI DURANTE TODO O CAMINHO DE VOLTA. Os guardas tiveram de me segurar tão forte que sabia que ficaria cheia de hematomas depois. Não me importava. Tinha que lutar.

— Onde fica o quarto dela? — ouvi um deles perguntar, virando o rosto para uma criada que passava pelo corredor.

Eu não a reconheci, mas ela com certeza sabia quem eu era. Ela acompanhou os guardas até a porta. Escutei minhas criadas protestarem contra o modo como me tratavam.

— Acalme-se, senhorita. Esse comportamento é inaceitável — um guarda resmungou ao me atirar na cama.

— Saia da droga do meu quarto! — eu berrei.

Minhas criadas, todas com lágrimas nos olhos, se aproximaram de mim. Evergren começou a limpar meu vestido da sujeira do tombo, mas dei um tapa na mão dela. Elas sabiam. Sabiam e não me avisaram.

— Vocês também! — gritei com elas. — Todas fora, AGORA!

Elas se encolheram, e os tremores no corpo frágil de Levy quase me deixaram arrependida do que tinha dito. Mas eu precisava ficar só.

— Sentimos muito, senhorita — disse Coco, empurrando as outras duas para trás.

Elas sabiam como Juvia e eu éramos próximas.

Juvia ...

— Apenas saiam — falei em voz baixa, com o rosto enterrado no travesseiro.

Assim que a porta fechou, tirei o sapato que sobrara e me afundei ainda mais na cama para finalmente compreender centenas de detalhes minúsculos. Então era aquele o segredo que Juvia temia revelar. Ela não queria ficar porque não amava Natsu, mas tampouco queria sair e separar-se de Gray.

Várias cenas começaram a fazer sentido: o motivo de ela ficar em certos lugares e olhar para as portas. Era Gray; ele estava lá. Quando o rei e a rainha da Noruécia vieram ao palácio e ela não quis sair do sol... Grag. Era Juvia que ele esperava quando nos trombamos na porta do banheiro. Sempre ele, aguardando em silêncio, talvez roubando um beijo aqui e ali, à espera do momento em que poderiam ficar juntos de verdade.

Como ela devia amá-lo para ter sido tão descuidada, para arriscar-se tanto!

Como tudo isso podia ser real? Não parecia possível. Eu sabia das punições para quem fizesse coisas desse tipo, mas que aconteceria com Juvia , que ela estaria fora... Não podia compreender.

Meu coração gelava. Seria tão fácil eu estar no lugar dela. Se Gajel e eu não tivéssemos sido cuidadosos, se alguém tivesse escutado nossa conversa na pista de dança na noite anterior, poderíamos estar no lugar deles.

Será que eu voltaria a ver Juvia algum dia? Para onde a enviariam? Seus pais continuariam ligados a ela? Eu não sabia o que Grah era antes do recrutamento ter feito dele um Dois, mas meu palpite era que ele era um Sete. Sete era ruim, mas era muito melhor que ser um Oito.

Não podia acreditar que ela era uma Oito. Aquilo não podia ser real.

Algum dia ela poderia voltar a usar as mãos? Quanto tempo essas feridas levariam para sarar? E Gray? Será que andaria depois daquilo?

Poderia ter sido Gajel.

Poderia ter sido eu.

Me senti tão mal. Tive uma sensação cruel de alívio por não ser eu ali. Ao mesmo tempo, a culpa por aquele alívio era tão pesada que mal podia respirar. Que pessoa ruim, que amiga terrível eu era. Senti vergonha.

Não havia o que fazer senão chorar.

Passei a manhã e a maior parte da tarde encolhida na cama. Minhas criadas trouxeram o almoço, mas sequer o toquei. Ainda bem que elas não insistiram em ficar e deixaram-me só na minha tristeza.

Eu era incapaz de me recompor. Quanto mais pensava no acontecido, pior ficava. Não conseguia tirar o som dos gritos de Juvia da cabeça. Fiquei imaginando se algum dia os esqueceria.

Ouvi uma batida hesitante à minha porta. Minhas criadas não estavam para abrir, e eu não queria me mover. Então, não abri. Depois de uma breve pausa, o visitante entrou mesmo assim.

— Lucy? — Natsu chamou em voz baixa.

Não respondi.

Ele abriu a porta e caminhou até minha cama.

— Sinto muito. Não tive escolha.

Permaneci calada, incapaz de falar.

— Era aquilo, ou pena de morte. As câmeras os descobriram na noite passada e divulgaram o vídeo sem nosso conhecimento — ele insistiu.

Ele se calou por um tempo, talvez na esperança de que se ficasse ali tempo suficiente eu encontraria algo para lhe dizer.

Por fim, Natsu ajoelhou-se ao meu lado.

— Lucy? Olhe para mim, querida.

O jeito carinhoso dele me deu um nó no estômago. Olhei mesmo assim.

— Eu precisei fazer aquilo. Precisei.

— Como você pôde ficar parado? — minha voz soava estranha. — Como você pôde não ter reação?

— Já lhe disse uma vez que parte desse cargo é parecer calmo mesmo quando não se está. É uma coisa que tive de aprender. Você também aprenderá.

Franzi a testa. Por acaso ele pensava que eu ainda queria aquilo? Aparentemente, sim. Quando ele compreendeu minha expressão, o espanto tomou conta de seu olhar.

— Lucy , sei que você está nervosa, mas por favor? Já disse: você é a única. Por favor, não faça isso.

— Natsu — respondi devagar. — Sinto muito, mas acho que não posso fazer isso. Nunca poderei me sentar e assistir a uma pessoa sendo ferida daquela maneira por ordens minhas. Não posso ser princesa.

O ar começou a faltar a ele, era provavelmente a manifestação mais próxima de uma verdadeira tristeza que eu tinha visto nele.

— Lucy , você coloca em jogo o resto de nossas vidas por causa de cinco minutos da vida alheia. Coisas assim acontecem raramente. Você não teria que fazer isso.

Me sentei, na esperança de que assim pensaria melhor.

— É que... não consigo nem pensar agora.

— Então não pense — ele insistiu. — Não deixe o momento levá-la a uma decisão sobre nós dois quando você está tão nervosa.

Essas palavras me pareceram um truque.

— Por favor — ele sussurrou, cheio de intensidade, agarrando minhas mãos. O desespero de sua voz me fez olhar para ele. — Você prometeu ficar comigo. Não desista, não assim. Por favor.

Respirei fundo e fiz que sim com a cabeça.

— Obrigado.

Foi evidente o seu alívio.

Natsu permaneceu ali sentado, segurando minha mão como se ela fosse seu último fio de esperança. Não era como no dia anterior.

— Sei... — ele começou a falar. — Sei que você não está segura quanto ao cargo. Sempre achei que seria difícil para você aceitá-lo. E tenho certeza de que isso o torna mais difícil. Mas... e quanto a mim? Você ainda está segura quanto a mim?

Hesitei, incerta sobre o que dizer.

— Já falei que não consigo pensar.

— Ah. Tudo bem — o tom de voz deixava clara a sua tristeza. — Vou deixá-la em paz por ora. Mas falamos logo.

Ele se inclinou como se quisesse me beijar. Baixei os olhos, e ele limpou a garganta.

— Até mais, Lucy.

Então ele saiu.

E eu me senti despedaçada de novo.

Minutos ou horas depois, minhas criadas entraram e me encontraram em prantos. Eu rolava de um lado para o outro na cama, e não havia como elas não verem a súplica em meus olhos.

— Ah, senhorita! — exclamou Evergren , vindo me abraçar. — Vamos aprontá-la para dormir.

Levy e Coco começaram a desabotoar meu vestido, ao passo que Evergren limpava meu rosto e desembaraçava meu cabelo.

As criadas sentaram-se ao meu redor e me reconfortavam enquanto eu apenas chorava. Queria explicar que era mais que Juvia ; que havia também a mágoa em relação a Natsu. Só que seria tão vergonhoso reconhecer o quanto aquilo mexia comigo, e como eu estava errada.

Minha dor dobrou quando perguntei por meus pais e Coco contou que todas as famílias tinham sido acompanhadas de volta para casa rapidamente. Não pude sequer dizer adeus.

Coco acariciava meus cabelos, acalmando-me aos poucos. Evergren estava aos meus pés e esfregava minhas pernas para que eu relaxasse. Levy apenas mantinha as mãos sobre seu peito, como se sentisse tudo aquilo comigo.

— Obrigada — balbuciei entre fungadas. — Me desculpem pelo que fiz.

Elas trocaram olhares.

— Não há o que desculpar, senhorita — insistiu Coco.

Quis corrigi-la – com certeza, tinha ido longe demais no jeito como as tratara pela manhã – mas logo veio outra batida à porta. Pensei em como dizer educadamente que não queria ver Natsu naquele momento, mas quando Levy se apressou em atender, vi o rosto de Gajel do lado de fora.

— Perdão pelo incômodo, senhoritas, mas ouvi o choro do lado de fora e quis checar se estava tudo bem — disse ele.

Ele caminhou até minha cama. Ação ousada depois do dia que todos tivemos.

— Senhorita Lucy , sinto muito por sua amiga. Ouvi dizer que ela era especial. Se precisar de qualquer coisa, estou aqui.

Seu olhar transmitia tantas coisas. Estava disposto a sacrificar uma imensidade de coisas para que eu me sentisse melhor, se possível. Estava disposto a tirar tudo aquilo de mim apenas para o meu bem.

Que idiota eu tinha sido. Quase abri mão da única pessoa no mundo que realmente me entendia, que realmente me amava. Gajel e eu tínhamos construído uma história juntos, e a Seleção quase a destruiu.

Gajel era minha casa. Gajel era minha segurança.

— Obrigada — respondi baixo. — Sua gentileza significa muito para mim.

Gajel abriu um sorriso quase imperceptível. Pude ver que ele queria ficar. Era o que eu queria também, mas não ia acontecer com minhas criadas circulando por ali. Me lembrei de quando pensei que sempre teria Gajel. Fiquei feliz de descobrir que era a mais pura verdade.



Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...