História The selection - Capítulo 41


Escrita por: ~

Postado
Categorias Fairy Tail, Naruto
Personagens Lucy Heartfilia, Natsu Dragneel
Tags Gale, Galu, Gruvia, Jerza, Nali, Nalu
Visualizações 128
Palavras 1.626
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Crossover, Famí­lia, Harem, Hentai, Mistério, Romance e Novela, Shoujo (Romântico)
Avisos: Adultério, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Sexo, Spoilers, Violência
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Capítulo 41 - A Elite- Duvidas


Fanfic / Fanfiction The selection - Capítulo 41 - A Elite- Duvidas

CORRI PARA FORA DO SALÃO. Era evidente que Lissana não me fizera um favor; ela quis me mostrar meu lugar. Por que eu me incomodava com isso? O rei esperava meu fracasso, o público não me queria, e eu tinha certeza de que não poderia ser princesa.

Subi as escadas rápida e silenciosamente, tentando não chamar a atenção. Não havia como saber quem era a fonte não identificada do palácio.

— Senhorita — Coco disse, ao me ver entrar — pensei que fosse permanecer no salão até o almoço.

— Você poderia sair, por favor?

— Perdão?

Bufei de raiva, mas tentei não perder a paciência.

— Preciso ficar só. Por favor.

As três fizeram uma reverência e saíram sem dizer uma palavra. Me sentei ao piano. Tentaria me distrair até não pensar mais naquilo. Toquei algumas músicas que sabia de cor, mas foi fácil demais. Precisava me concentrar de verdade.

Me levantei e revirei a banqueta do piano em busca de algo mais difícil. Folheei várias partituras até dar com a lombada de um livro. O diário de Fiore! Tinha esquecido completamente que estava comigo. Aquilo seria uma grande distração. Fui para minha cama com o livro em mãos e o abri, contemplando cada uma das páginas antigas antes de virá-las.

O diário abriu na página com a fotografia do Halloween; aquela foto rígida tinha servido como um verdadeiro marcador de página. Reli a entrada:

As crianças comemoraram o Halloween deste ano com uma festa. Imagino que seja uma maneira de esquecer o que se passa ao redor, mas me parece frívolo. Somos uma das poucas famílias remanescentes com dinheiro suficiente para festejar, mas essa brincadeira de criança me parece um desperdício.

Olhei novamente para a foto. Me detive especialmente na garota. Qual seria sua idade? Qual o seu cargo? Gostava de ser filha de Zeref Fiore? Será que isso a tornava muito popular?

Virei a página e percebi que o texto não era o começo de uma nova anotação, mas a continuação de um comentário mais extenso sobre o Halloween.

Eu achava que com a invasão chinesa veríamos os erros do nosso estilo de vida. Sempre me pareceu óbvio – especialmente nos últimos anos – que havíamos nos tornado uns preguiçosos. De fato, a facilidade com que a China entrou em nosso país não me surpreende. Tampouco me surpreendeu nossa demora em nos organizar e contra-atacar. Perdemos aquele espírito que levava as pessoas a atravessar os mares, os invernos arrasadores e a guerra civil. Ficamos preguiçosos. E enquanto descansávamos, a China assumiu as rédeas.

Nos últimos meses em particular, tenho sentido o desejo de doar mais do que dinheiro aos esforços de guerra. Quero liderar. Tenho ideias e, após minhas generosas doações, talvez seja o momento de oferecê-las também. Precisamos de mudança. Não posso deixar de perguntar-me se não serei a única pessoa capaz de realizá-la.

Senti calafrios. Não pude deixar de comparar Natsu a seu antepassado. Zeref parecia inspirado. Juntava os pedaços do país com o desejo de formar um todo. Me perguntei o que ele acharia da monarquia se estivesse vivo.

Quando Gajel abriu a porta silenciosamente naquela noite, morri de vontade de contar a ele o que tinha lido. Me recordei, porém, que eu já tinha falado com meu pai sobre a existência do diário, o que já era uma quebra do meu juramento feito a Natsu.

— Como vão as coisas? — perguntou Gajel, ajoelhado ao pé da minha cama.

— Tudo bem, acho. Lissana me mostrou este artigo hoje — comentei, para depois balançar a cabeça. — Não sei se quero falar disso. Estou tão cansada dela.

— Acho que com Juvia fora, ele vai demorar para dispensar alguém, não?

Dei de ombros. Sabia que o público estava ansioso por uma eliminação, e o que aconteceu com Juvia foi mais dramático do que o esperado.

— Ei — interveio ele, arriscando-se a se pôr sob a luz que entrava pela porta escancarada — vai ficar tudo bem.

— Eu sei. Só sinto saudades dela. E estou confusa.

— Confusa sobre o quê?

— Sobre tudo: o que faço aqui, quem sou eu. Pensei que soubesse... Não sei nem explicar direito.

Aquele parecia ser o meu problema. Todos os meus pensamentos estavam embaralhados. Era incapaz de organizá-los.

— Você sabe quem é, Lu. Não deixe eles mudarem você.

A voz dele era sincera. Me senti segura por um minuto. Não porque tivesse as respostas, mas porque tinha Gajel. Se algum dia perdesse de vista quem eu realmente era, sabia que ele estaria lá para me conduzir de volta.

— Gajel, posso lhe perguntar uma coisa?

Ele concordou. Continuei:

— É meio estranho. Se para ser princesa eu não precisasse casar com ninguém, se fosse apenas um cargo que eu pudesse escolher, você acha que eu seria capaz?

Gajel arregalou os olhos verdes por um segundo, como que contemplando a enormidade da pergunta. Para seu mérito, pude notar que pensou bem antes de responder.

— Perdão, Lu. Não acho. Você não é calculista como eles.

Seu rosto revelava um pouco de tristeza, mas não me ofendi por ele me achar incapaz de ser princesa. Só fiquei um pouco surpresa com seu raciocínio.

— Calculista? Como assim?

Ele respirou fundo.

— Estou em toda parte, Lu, e escuto muita coisa. Há muita agitação no sul, nas áreas com grande concentração de castas inferiores. Segundo os guardas mais antigos, essas pessoas nunca concordaram muito com os métodos de Zeref Fiore, e já faz tempo que há conflitos na região. Dizem por aí que foi por isso que o rei ficou fascinado pela rainha. Ela veio do sul, e sua escolha acalmou as coisas por uns tempos. Parece que já não é mais assim.

Pensei de novo em mencionar o diário.

— Isso não explica o que você quis dizer com calculista — comentei.

Gajel hesitou.

— Outro dia, antes dessa história de Halloween, eu estava em um dos escritórios. Eles discutiam sobre simpatizantes dos rebeldes no sul. Pediram-me que levasse umas cartas para a ala postal em segurança. Havia mais de trezentas cartas, Lucy. Trezentas famílias rebaixadas de casta por não terem denunciado alguma coisa ou por terem ajudado alguém que o palácio considerava uma ameaça.

Perdi até o ar.

— Eu sei — continuou Gajel. — Dá para imaginar? E se fosse você? Você só sabe tocar piano, e de repente, tem que arrumar emprego em um escritório. Como encontrar um emprego na área? A mensagem é bem clara.

Concordei.

— E Natsu... ele sabe disso?

— Acho que sim. Falta pouco para ele governar sozinho.

Meu coração não queria acreditar que ele tinha concordado com tudo isso, mas parecia provável. Ele tinha que estar consciente do que se passava e se conformar.

Seria eu capaz de fazer isso?

— Não conte para ninguém, certo? Um deslize como esse poderia custar meu emprego — alertou Gajel.

— Claro. Já esqueci.

Gajel sorriu para mim.

— Sinto saudades de estar com você, longe de tudo isso. Saudades dos nossos problemas de antes.

Achei graça.

— Entendo o que você quer dizer. Andar às escondidas pelo meu quintal é tão mais fácil do que no palácio.

— E desdobrar-me para arrumar uma moedinha para você era melhor que não ter nada para oferecer.

Ele deu uma batidinha no jarro ao lado da minha cama, o jarro que costumava conter centenas de moedinhas que ele me dera em pagamento por cantar para ele na casa da árvore, lá em casa.

— Eu não sabia que você guardava todas até a véspera da sua partida — acrescentou.

— Claro que eu guardava! Quando você estava longe, elas eram tudo o que me restava. Às vezes, eu as despejava em cima da cama só para juntá-las de novo. Era bom ter algo que você tinha tocado.

Nossos olhares cruzaram-se, e tudo o mais pareceu distante por uns momentos. Confortava-me estar novamente naquela bolha, o lugar que Gajel criara para nós anos atrás.

— O que você fez com elas? — perguntei.

Tinha ficado com tanta raiva dele antes de ir embora que devolvi todas. Todas menos aquela que ficou presa no fundo do jarro. Ele sorriu.

— Estão em casa, esperando.

— Esperando o quê?

Seus olhos brilharam.

— Isso eu não posso dizer.

— Ótimo — repliquei, entre um sorriso e um suspiro. — Guarde seus segredos. E não se preocupe por não ter nada para me dar. Já estou feliz por tê-lo aqui, por finalmente podermos acertar as coisas, mesmo que não seja como nos velhos tempos.

Evidentemente, isso não bastava para Gajel. Ele enfiou a mão por baixo da manga do casco e arrancou um de seus botões dourados.

— Literalmente, não tenho nada mais a oferecer, mas você pode agarrar-se a isto, uma coisa que toquei, e pensar em mim a qualquer hora. Pode ter certeza de que estarei pensando em você também.

Pode parecer tolice, mas queria chorar. Era inevitável, um instinto natural, comparar Gajel com Natsu. Mesmo naquele momento, quando o pensamento de ter que escolher entre um ou outro ia tão distante, eu os punha lado a lado.

Para Natsu, parecia ser muito fácil me dar coisas – até ressuscitar um feriado por minha causa, para garantir que eu tivesse do bom e do melhor – porque ele tinha o mundo à disposição. E lá estava Gajel: me dando preciosos momentos roubados e uma ninharia para manter-nos conectados. E a impressão era de que ele me dera muito mais.

Lembrei-me de repente que Gajel sempre tinha sido assim. Ele sacrificava seu sono por mim; arriscava-se a ser pego depois do toque de recolher por mim; arrumava moedinhas para mim. Era mais difícil enxergar a generosidade de Gajel porque não era grandiosa como a de Natsu. O coração por trás dela, porém, era muito maior.

Afastei novamente a vontade de chorar.

— Não sei como fazer isso agora. Sinto que não sei mais fazer nada. Eu... eu não esqueci você, certo? Você ainda está aqui.

Levei as mãos ao peito. Por um lado para mostrar o significado de minhas palavras a Gajel; por outro, para aliviar o desejo estranho que estava ali. Ele compreendeu.

— Isso basta para mim.



Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...