História The Sensual Teacher - Capítulo 2


Escrita por: ~

Postado
Categorias Fifth Harmony
Personagens Ally Brooke, Camila Cabello, Dinah Jane Hansen, Lauren Jauregui, Normani Hamilton
Tags Ally Brooke, Camila Cabello, Camren, Demi Lovato, Dinah Jane, Fifth Harmony, Intersexual, Lauren Jauregui, Normani Kordei, Norminah, Trolly
Visualizações 195
Palavras 5.868
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ficção, Romance e Novela
Avisos: Homossexualidade, Intersexualidade (G!P), Sexo
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


Olá pessoas, como vocês estão? Espero que estejam bem.
Na capa é a Dinah com a Júlia. Vocês vão saber quem é a pequena ao longo do capítulo.

Boa leitura!

Capítulo 2 - Capítulo 2


Fanfic / Fanfiction The Sensual Teacher - Capítulo 2 - Capítulo 2

Depois de Veronica ter gritado do banheiro, os gêmeos acabaram acordando com o susto que levaram. Ally e Troy no mesmo instante que ouviram o choro dos bebês, saíram em direção ao meu quarto

— Ops! Esqueci que tinha bebês em casa. - Vero sai do banheiro com um pedaço de papel, terminando de limpar seu rosto e dando de ombros

Demi conversava com Normani no tapete e às vezes me lançava um olhar um pouco diferente dos que eu estava acostumada nos últimos dias, me deixando um tanto quanto curiosa. Como o casal estava demorando para voltar de meu quarto, resolvi ir até lá para ver se estava tudo bem com os bebês. Me aproximo da porta e dou duas leves batidas avisando minha entrada. 

— Vocês estavam demorando, resolvi vir para ver se precisam de algo. - me aproximo lentamente de Ally que está com Theo em seu colo, dando de mamar, enquanto Troy está com o tronco inclinado em direção à cama, trocando a fralda de Chloe que observa tudo atentamente ao seu redor segurando o brinquedinho de unicórnio que dei aos dois. 

— Até que demorou para você vir Laur! - Troy comenta sem desviar sua atenção da pequena à sua frente. 

— Eu gosto de saber se os bebês estão bem, ainda mais quando estão em minha casa. Sinto que sempre estará faltando algo à eles, por aqui não ser exatamente o cantinho deles. - dou de ombros e pego na mãozinha de Theo que a agarra no mesmo instante e para de mamar na hora que percebe minha presença. 

Troy levanta a pequena em seus braços e começa a encher o rostinho dela de beijos, arrancando sons estranhos da menina. Observo a cena sorrindo e Ally se manifesta. 

— Laur, você não segura ele um pouco para eu cuidar de Chloe agora? - fala se levantando da cama e sentando o menino de 6 meses em seus braços, com ele agarrando meu dedo indicador ainda. 

— Mas é claro Ally, sempre quero pegar esse garotão lindo no colo. - A menor me estende a criança e eu o pego no mesmo instante, ele me encara dando o que eu podia dizer ser um sorriso. - Fala pra mamãe que você adora a tia Laur, fala... 

Theo coloca suas duas mãozinhas em meu rosto e começa a fazer barulhos com a boca. Começo a estalar a língua e ele fica me olhando atentamente. 

— Amor, eu vou jogar a fralda dela no cesto de lixo e pegar a bolsa deles lá na sala. Precisa de algo? - o mais alto pergunta, beijando a testa de Ally

— Por enquanto não, qualquer coisa eu te chamo. - ele acena com a cabeça e sai do quarto

Ally senta na cama com a pequena e a deita em seu colo, dando de mamar para ela também. Enquanto estou mais interessada em tentar fazer o pequeno sorrir, fazendo caretas e mostrando a língua pra ele que vez ou outra tenta me imitar e põe a ponta da língua para fora. 

— Lauren, você está saindo com alguém? - A loira pergunta de repente me fazendo a encarar

— No momento não. Estava mais preocupada em cuidar dos negócios com o Troy que nem penso nisso pra falar a verdade. - dou de ombros e olho para Theo que deitou sua cabecinha em meu ombro esquerdo

— As coisas estão muito bem com os restaurantes, você não deveria se preocupar tanto ao ponto de não se divertir da maneira que precisa, se é que você me entende. 

Eu e o casal somos donos de uma rede de fast-food, chamada Habib's. Sempre quis estar envolvida nesse meio, porque nada melhor do que trabalhar com comidas. Nossos pais nos deram uma forcinha para abrir o nosso pequeno negócio assim que decidimos que seria isso que queríamos. Hoje, nossos restaurantes são uns dos mais procurados. Mas para que isso acontecesse, foram anos trabalhando e tentando fazer com que eles tivessem um grande nome. O que demorou um pouco. 

— Sim, eu sei. Estou a meses sem fazer nada, às vezes acho que vou enlouquecer. Mas tenho plena consciência que só estou assim por preguiça de sair para conhecer pessoas novas mesmo. - dou uma risada fraca. 

— Sair para conhecer pessoas novas? Sério? Você reparou na mulher que está sentada no meio da sua sala? Você não precisa sair para conhecer, tem uma a poucos metros de você e pelas olhadas que ela te deu durante o dia todo, acho que você deveria investir. - ela arqueia sua sobrancelha. 

— O que? Demi não está interessada em mim. Aliás, nós já ficamos algumas vezes, mas nada muito sério. - tento esquecer dos olhares que ela me lançou antes de eu vir para o quarto. 

— Talvez ela esteja querendo relembrar o tempo que vocês se pegavam, pelas olhadas que ela te deu o dia inteiro e você deveria aproveitar para deixar as coisas rolarem. Não falo na questão de vocês terem algo sério, mas as vezes um bom sexo alivia e muito. Além de fazer bem para o humor e para a pele. - seu tom sério me faz pensar por um instante, mas ela logo solta uma risadinha e nega com a cabeça. 

— É por isso que você está sempre de bom humor e com uma pele incrível né senhora Ogletree? - começamos a rir e ela termina de amamentar a filha, colocando ela apoiada em seu peito para que a menina arrotasse. 

— Você deveria considerar o que eu disse, afinal, ela é linda e tem um corpo de dar inveja. 

Fico alisando as costas de Theo que está quietinho em meu colo, ainda com a cabecinha apoiada em meu ombro. Eles são tão calmos que Ally nem tem trabalho para cuidar deles. Começo a pensar no que a mais velha me disse. Eu e Demi já transamos algumas vezes, era apenas sexo e isso foi de total acordo entre nós duas. Mas paramos com nossas aventuras assim que ela começou a namorar e decidiu ser fiel ao namorado babaca que ela tinha. Ainda bem que eles não estão mais juntos, ele não dava nenhum valor a bela mulher que ela é. Ela é linda, tem um corpo maravilhoso, talvez... Só talvez, a gente possa conversar e ver o que isso pode dar, já que ela me olhou de maneira diferente novamente e seja um sinal de querer relembrar os velhos tempos.

[...]

Já era tarde quando Ally e Troy foram os primeiros a saírem com os gêmeos. Normani logo em seguida. Ficando apenas eu, Demi, Lucy e Vero na sala, assistindo ao filme que Lucy havia escolhido, Amizade Colorida era o nome. 

O casal estava abraçadas no sofá ao meu lado esquerdo e Demi do meu lado direito, um tanto quanto próxima de mim. Na tela da enorme televisão, começou a cena em que os atores estão fazendo o juramento de apenas fazerem sexo, sem sentimentos e aquelas coisas todas. Me remexi um pouco desconfortável com a cena a seguir, onde mostrava eles fazendo sexo. Aquelas simples cenas me deixando um pouco animada, já que fazia tempos que eu não me envolvia com alguém, pode parecer bobeira estar excitada com essas cenas, mas quando se está sem sexo por alguns meses, qualquer coisinha já desperta o desejo. Me levantei e fui em direção à cozinha, fiquei de costas para a entrada da mesma e apoiei minhas mãos na pia, precisava beber um pouco de água e respirar, mas quando eu ia me virar para ir em direção à geladeira, paraliso no mesmo instante ao sentir um corpo atrás de mim. 

— Lauren? Você está bem? - Demi sussurra atrás de mim e eu me viro para encara-la, ela no mesmo instante passa a língua pelos lábios e olha para baixo. Sigo seu olhar e vejo que há um certo volume em meu shorts. 

— Sim, estou bem. Só precisava de um pouco de água. - falo sem me mover, apenas a encarando, esperando que ela levantasse a cabeça. Ela não demorou muito a levantar com o lábio inferior preso entre seus dentes. 

— Sim, eu vejo que você está bem. Muito bem aliás. - ela levanta sua mão direita e com o dedo indicador traça uma linha em minha barriga coberta pelo tecido da camiseta e para no cós de meu short, repousando o dedo ali no elástico do mesmo. 

— E então? Podemos voltar para a sala? As meninas estão lá sozinhas. - falo sorrindo e ela nega com a cabeça - Por que não?

— Porque tenho coisas mais importantes para fazer aqui. - ela nem espera que eu responda e passa seus braços ao redor do meu pescoço, colando seu corpo ao meu e me atacando com seus lábios. Minhas mãos automaticamente vão para sua cintura e a puxando mais contra meu corpo. Sinto umas pontadas no meu membro e minha excitação aumentar. Demi nota, já que está colada em mim e desce seus beijos por meu pescoço, dando leves mordidas e acabo soltando um gemido quando ela chupa meu ponto de pulso. 

— Passei o dia inteiro querendo fazer isso. Mas meu auto controle foi para o espaço agora. - ela sussurra contra minha pele, fazendo meu corpo inteiro se arrepiar

— Eu percebi seu olhar na sala. Parecia que iria me atacar a qualquer momento. - respondo já que conhecia bem aquele olhar e desço minhas mãos por sua bunda e apertando a carne da região. Ela solta um gemido baixinho e me encara, se afastando do meu corpo. 

— Eu queria fazer isso, mas com todos aqui não era possível. - ela segura em meu queixo e morde meu lábio inferior, puxando em sua direção. 

— Talvez, você devesse passar essa noite aqui. Você não pode simplesmente ir embora depois de me deixar assim e podemos relembrar os velhos tempos. - aponto para minha ereção bem evidente em meu short. 

— Isso era tudo o que eu precisava ouvir! - e assim sai da cozinha, me deixando com o corpo em chamas, ansiando por mais. 

Eu não sei onde estava com a cabeça para convidar Demi para dormir em meu apartamento, mas quando a excitação se faz presente, eu não consigo pensar muito bem a não ser querer foder aquela mulher gostosa que me agarrou em minha cozinha. Talvez ela só quisesse uma noite de diversão e eu poderia dar à ela, já que ambas estamos solteiras no momento. Depois de tomar um copo de água e tentar pensar em qualquer coisa broxante para que aquela ereção não ficasse tão evidente, caminhei de volta para a sala, encontrando o casal em pé se despedindo de Demi. 

— Mas já vão? O filme nem acabou ainda. - pergunto olhando de uma para a outra com a sobrancelha arqueada.

— Eu quero aproveitar um pouco minha noite a sós com Lucy, esse filme me deixou com tesão. - Veronica fala, agarrando a cintura de Lucy e rindo ao receber um tapa da namorada. 

— E quando é que você não quer aproveitar não é? Parecem duas coelhas. - reviro os olhos e com o canto deles vejo Demi indo até a cozinha novamente. 

— Você deveria aproveitar também Laur! - As duas falam juntas e me lançam um sorriso malicioso. Caminhamos até a porta e me despeço delas, já trancando a porta e voltando para a sala, me jogando no sofá. 

Demi volta da cozinha, parando na minha frente e sorrindo ao ficar no meio de minhas pernas. 

— Talvez agora a gente possa continuar com o que fizemos na cozinha. - fala já sentando em meu colo, com os joelhos ao lado das minhas coxas e apoiando as mãos em meus ombros. 

Pego o controle que estava ao meu lado e desligo a televisão, já que não iria terminar de ver aquele filme. Deixo o controle onde estava e passo meus braços ao redor de sua cintura e me levanto do sofá, Demi passa suas pernas ao redor da minha cintura e começa a beijar meu pescoço. Caminho em direção ao meu quarto com a mulher em meus braços e quando estou próxima a cama, jogo ela em cima do colchão. 

— Você provocou a mulher errada Demétria! - falo abrindo o botão e descendo o zíper da calça jeans da mulher, puxando até seus tornozelos e jogando em algum canto do quarto. Ela já havia retirado seus chinelos e começava a tirar sua camiseta ficando apenas com um sutiã preto e uma calcinha de renda da mesma cor. Ela era gostosa, mas apenas de lingerie em minha cama era melhor ainda. Meu pau estava rígido dentro de minha cueca apenas ao imaginar fodendo aquela mulher em minha frente. Arranco meu shorts com pressa e Demi se ajoelha na cama, me puxando para ficar próxima dela. Ela começa a tirar minha camiseta e eu ajudo na ação. Ficando apenas de top e cueca preta. Coloco minha mão direita em cima da minha ereção e aperto meu membro de leve. 

— Fica de quatro, agora! - ordeno já afastando a mulher do meu corpo. Ela se vira ficando de costas para mim e apoiando suas mãos na cama e me olhando por cima do ombro esquerdo e então empina sua bunda para que eu tenha uma bela visão dela naquela calcinha pequena que me impossibilita de ver sua intimidade no momento. Me ajoelho no chão, aos pés da cama, puxando ela pelas coxas para que ficasse mais próxima de mim e então dou um beijo em sua nádega esquerda e um tapa estalado na direita. Ela solta um gritinho em surpresa e eu sorrio com a vermelhidão em sua pele. Levo minhas mãos para a lateral de sua calcinha e começo a abaixar aquela peça que não será útil no momento. 

— Eu vou te foder a noite inteira, pra você aprender a não me deixar excitada com mais alguém em casa. - abaixo meu rosto em direção a sua intimidade e passo minha língua em toda sua extensão, capturando sua excitação que já era evidente. Ela solta um gemido manhoso e então eu volto a passar minha língua entre seus pequenos lábios, indo em direção ao seu clitóris e rodeando minha língua ali. 

— Meu Deus Lauren! - ela solta ofegante e levo minha mão direita para meu membro por cima da cueca e começo acaricia-lo enquanto sugo seu clitóris, fazendo um som de sucção ecoar no quarto e fazer a mulher arquear um pouco as costas. Levo minha mão esquerda até suas costas e deslizo pela região sinalizando para ela empinar mais para que eu a chupasse melhor. — Isso Lauren... assim! Chupa bem gostoso. - ela começa a tremer um pouco e talvez não seja apenas eu que estou a algum tempo sem sexo aqui. A penetro com a minha língua, fazendo movimentos de vai e vem e torcendo ela dentro daquela região quente e úmida. — Puta que pariu! Eu vou gozar... - ela anuncia e eu começo a estimular seu clitóris com meus dedos e aumento os movimentos da língua. Não demora muito para que Demi soltasse um gemido alto e gozasse em minha língua. Capturei todo seu gozo e ela cai com o rosto no colchão, tentando controlar sua respiração.

— Porra! - solto entre dentes por estar tão dura ao ponto de que já estava doendo e eu precisava gozar. Me levanto do chão e vou até minha gaveta em meu guarda-roupa, procurando por meu pacote de camisinha e pegando um. Não é porque eu não faço sexo a algum tempo que eu não tenho que comprar camisinhas para deixar guardada e me prevenir em situações como essa. Volto para onde eu estava e Demi está deitada de barriga para cima e apoiada em seus cotovelos me observando. Abaixo minha cueca, chutando para algum lugar e abro o preservativo com os dedos e deslizo pela minha extensão, olhando na boceta rosada da mulher que está com os olhos fixos em meu membro e mordendo seu lábio inferior com tanta força que aquilo me faz perder o controle, abrindo mais as pernas da mesma e me posicionando ali. 

Seguro em meu membro posicionando em sua entrada e a penetro de uma vez, inclino meu corpo para começar a beijar a mulher abaixo de mim e ela coloca suas mãos em minhas costas, cravando suas unhas em minha pele. 

— Eu não me lembrava que você era tão grossa assim... porra - ela fala fechando os olhos e eu coloco minhas mãos ao lado de sua cabeça e começo a aumentar os movimentos do meu quadril, gemendo alto sem me importar com nada e sendo acompanhada pela mulher à minha frente. 

— E grande também. - falo convencida e sinto meu orgasmo se aproximando e não paro com meus movimentos frenéticos, sentindo meu corpo inteiro tremer e minhas bolas se contraírem e então gozando logo em seguida dentro da camisinha. Apoio minha cabeça em seus peitos e espero que meu corpo se recupere. 

Saio de dentro dela e caminho em direção ao banheiro, já tirando a camisinha para jogar no cesto de lixo e voltando para a cama, encontrando a mulher coberta com meu lençol branco me olhando da cabeça aos pés. 

— Você é tão gostosa que me sinto excitada novamente. - fala levantando o lençol para que eu me aconchegasse à ela. 

— Eu posso te dizer o mesmo. - me aproximo dela e a puxo para um beijo mais calmo, mas que ela intensifica rapidamente. 

— Não pense que já acabamos com isso Jauregui! - fala com os lábios colados aos meus e acabamos sorrindo. 

E assim foi nossa noite e boa parte da madrugada. Passamos horas transando, nós duas estávamos insaciáveis demais para foder apenas uma só vez e dormir. Nas próximas transas foram mais demoradas e me segurei mais para não gozar tão rápido quanto havia gozado na primeira. Em algum momento da madrugada, acabamos pegando no sono, devido ao cansaço e tínhamos que acordar cedo. Demi para ir trabalhar e eu para ir à academia.

- POV Camila Cabello -

Chegar no estúdio de dança com um sorriso enorme já era costume para uma segunda-feira de manhã. Sempre fora meu sonho e o sonho de minha melhor amiga termos um estúdio como esse, sempre batalhamos por ele e hoje finalmente nós podemos chama-lo de nosso. O local não é muito grande, mas era do tamanho perfeito para que coubessem cerca de 20 pessoas e elas se movimentassem sem uma esbarrar na outra. 

Caminho até o canto da sala, onde havia uma mesa com um aparelho de som e coloco minha bolsa ao lado. Rapidamente conecto meu celular ao aparelho e uma música calma mas com uma batida forte ecoa pela sala. 

Começo a cantarolar baixinho enquanto abro as janelas da sala e sorrio pelo dia lindo que faz lá fora. Era segunda-feira, fazia um dia ensolarado no Rio de Janeiro, o que não era novidade. Já haviam pessoas correndo pela praia, se exercitando e outras apenas aproveitando o sol. 

— Bom dia bunduda. - Dinah entra pela porta que estava aberta, me viro para abraçar a mais alta e recebo um beijo na testa e um tapa na bunda. Ela sempre fazia isso. 

— Bom dia Cheechee!! - respondo sorrindo e ela retribui. — Você viu se teremos alunos novos essa semana?

Dinah vai em direção a mesa que estava minhas coisas, jogando lá sua bolsa e tirando os óculos de sol apoiando no topo de sua cabeça. 

— A Lourdes não chegou com a agenda ainda. - Fala prendendo os cabelos em um rabo de cavalo. - Ela deve estar trazendo café da manhã para nós tomarmos juntas. 

Lourdes era nossa secretária, uma mulher com aproximadamente 50 anos de idade, era alta, da pele bronzeada e tinha longos cabelos castanho claro. Quem via a mulher falava que ela estava em seus 20 e poucos anos ainda. Ela estava bem em forma, assim podia se dizer. Trabalha conosco desde o início, então já éramos bem amigas. A mulher mais velha sempre passava em alguma padaria e trazia algo para que pudéssemos tomar um café da manhã em grupo. Já era nossa rotina de todas as manhãs. 

Cerca de 10 minutos depois a mulher chega e fomos as três tomar o café para poder dar início a mais um dia de trabalho e fofocarmos um pouco. 

— Meninas, vocês duas tem que se alimentarem direito. Como vão ter energia para dar aulas de estômago vazio? Imagina se eu não viesse pra cá com um café descente. - a mulher comenta olhando para mim e depois para minha melhor amiga, que bebia um copo enorme de suco de uva. 

— Estômago vazio? A Camila? É que você não está na sala com a gente durante o tempo todo. Ela assim que consegue tira alguma coisa daquela bolsa que parece um baú de tanta coisa que tem lá. E sabe o que é ruim nisso tudo? Ela não engorda, vai tudo pra cá. - Dinah acerta um tapa na minha bunda, que solto um gritinho em surpresa. 

— Dinah Jane, você pare com essa tara na minha bunda, já falei que tem que levar para um jantar primeiro. - Aponto o dedo em sua direção e pisco para a mesma que dá uma risada alta sendo acompanhada por Lourdes. 

A manhã daquela segunda-feira foi tranquila. Demos aula para uma turma de senhoras que iam todas as manhãs e Dinah como sempre fora muito animada, acabava a aula ensinando umas danças sensuais para elas, dizendo que nunca é tarde para apimentar o casamento de todas ali presentes.

[...]

Entrava pela recepção acompanhada de Dinah ao meu lado quando fomos interrompidas por Lourdes. 

— Meninas, recebi uma ligação agora a pouco. Vocês terão alunas novas, cerca de seis mulheres reservaram o horário das 19:30h! A que me ligou parecia muito animada para ter essas aulas. - Lourdes sorri abertamente, ajeitando seu óculos de grau na ponta de seu nariz. 

— Seis mulheres? Ei Chancho, vai que alguma delas tira você da seca? - A loira fala animada indo em direção à nossa sala. — Mal posso esperar para ver a cara delas. - sinto minhas bochechas queimarem mas nego com a cabeça. 

— A senhorita Jane não perdoa ninguém né querida? - A de cabelos castanho claro fala divertida. 

— Aquela lá não tem jeito não Lourdes. - respondo para ela com um sorriso tímido pelo comentário anterior de minha amiga. — Tá pra nascer alguém pior que ela. 

[...]

Depois de sabermos que teríamos alunas novas, eu e minha melhor amiga começamos a debater sobre o que iríamos ensinar à elas. Dinah queria que nós fizéssemos uma aula bem agitada para que todas se divertissem e não achasse que era apenas ensinar os passos e pronto. Não gostávamos de fazer isso, era clichê demais. Tendo Dinah como companheira era difícil as aulas serem chatas e entediantes. Ela sempre foi assim, desde que nos conhecemos na faculdade. Nunca tinha tempo ruim para ela, sempre estava animada e fazendo piadinhas com as pessoas ao seu redor. 

Nós duas morávamos juntas em uma casa próxima ao estúdio, desde que terminamos a faculdade. Meus pais insistiram para que eu aceitasse a casa que eles tinham comprado para mim e eu não poderia negar, já que não podia pagar um aluguel no momento. A casa não era grande, mas era um tamanho bom para que eu, Dinah e sua pequena pudéssemos morar sem invadir o espaço da outra. Dinah engravidou de seu ex namorado, foi um descuido de ambos, mas ela não se arrepende de nada, aliás, tem uma filha que qualquer um desejaria ter. A pequena Júlia tem cinco anos de idade, é a cara da minha melhor amiga e nem preciso dizer que adora uma bagunça também né? Tendo Dinah como mãe já era de se imaginar. 

- POV Lauren Jauregui -

Já marcavam 19:00h em meu celular e eu estava animada por poder me divertir um pouco com todas as minhas amigas. Faz tempo que não saíamos todas juntas, sempre faltava alguma, mas nessa noite isso seria diferente. Passei a tarde toda pensando em como seria as nossas professoras, segundo o que Vero me informou elas eram lindas e bem gostosas, eu só esperava que aquilo não me distraisse nas aulas. Ouvi a campainha do apartamento tocar e me levantei em um pulo já sabendo quem estava do outro lado da porta. 

— Hey vadias! - Cumprimento minhas amigas, abrindo a porta e dando passagem. 

— Oi Laur! - todas responderam em um coro, como se fosse ensaiado mas Ally me dá um tapa no braço direito. 

— Me respeite que eu sou uma mulher casada! - ela diz séria e eu levanto as mãos em rendição, murmurando um "desculpa" mas rindo quando ela tentou conter um sorriso e falhou. Ally nem ligava para esse meu jeito de cumprimentar elas, sabia que era brincadeira, ela conhece bem as amigas que tem. Assim que todas entraram senti a falta de uma e olhei no corredor para verificar e não havia mais ninguém. 

— Cadê a Demi?- perguntei assim que fechei a porta e me joguei no sofá. Não via a mulher desde que peguei no sono na madrugada que ela passou aqui. Ela saiu logo cedo para ir trabalhar e espero que nada tenha mudado por termos transado. 

— Aquela gostosa disse que encontraria com a gente no estúdio, porque é mais perto para ela. - Normani fala ajeitando sua roupa. 

Olhei pro lado e observei Vero voltar da cozinha com um pacote de Doritos em mãos e se jogando no sofá ao meu lado. 

— Não tem comida na sua casa não Iglesias? - Arqueio uma sobrancelha para a mulher jogada ao meu lado. 

— Jauregui, não seja egoísta com as amiguinhas. - responde de boca cheia, sendo atingida por uma almofada em cheio em seu rosto e acabo me assustando pela mesma passar tão rápido perto de mim. — Nossa amor, que violência é essa?

— Tenha modos, você não é mais criança pra falar de boca cheia. - Lucy a repreende cruzando os braços na altura dos seios. As vezes ela é mais como uma mãe para Veronica do que uma namorada. 

— Até crianças tem mais modos que essa piranha ai. Meus filhos são um ótimo exemplo. - Ally que estava conversando com Normani se pronuncia toda orgulhosa. — Todas prontas? Já está perto da hora. 

Após todas se ajustarem em suas roupas e tirar uma foto por insistência de Ally, elas adentraram em meu carro e fomos para o estúdio, cantando as músicas que tocava no rádio e rindo ao sempre notar as pessoas olhando para nós quando eu parava em um semáforo.

Cerca de dez minutos depois, parei meu Porsche Cayenne preto no estacionamento do estúdio e saímos todas do carro. Paramos na frente do mesmo para observar o local, era um prédio de dois andares na cor vermelha, no topo do prédio havia um letreiro neon escrito "C&J Dance Studio". Normani e Ally estavam ansiosas e foram na frente, me deixando com Lucy e Vero para trás. 

— Vamos logo, antes que eu desista disso tudo. - Lucy falou e começou a andar na frente, puxando a mão de Vero, que olhou pra mim e sussurrou. 

— Eu disse que as professoras eram gostosas e ela não gostou. - Acabo rindo, Veronica não prestava mesmo. Ela sabia que Lucy morria de ciúmes mas gostava de provocar a mulher. 

Já estávamos todas na recepção, havíamos chegado alguns minutos antes da hora marcada e ficamos esperando dar o horário e Demi chegar. Ela estava atrasada como sempre. Veronica estava animada e levantou da cadeira, mexendo em seu celular e dando play em Crazy In Love. 

— Vai meninas, cinco...seis...sete...oito. - ela fala e começa a reproduzir a cena do filme "As Branquelas" onde as meninas estão tendo uma batalha de dança na boate e todas começamos a rir. Ally e Normani acabaram acompanhando Vero, fazendo eu e Lucy gargalhar alto e fingindo ser o outro grupo que duelavam com elas. A secretária nos observava com um sorriso no rosto e batia palmas a cada dança feita, mostrando qual tinha sido melhor. 

— E ai sapabonde! Começaram a festa antes de mim? - Demi fala entrando no local e cumprimentando todas ali e me lançando uma piscadela, retribuo e sorrio para a mesma. 

— Até que enfim você chegou, pensei que não viria mais. - Ally fala ofegante, após ter dançado com as outras. — Vamos logo meninas. - sai em direção às escadas rumo a sala. Seguimos a baixinha a nossa frente, que já foi entrando na sala de aula. 

O lugar era lindo, o chão era de um marrom claro, que brilhava mais que o letreiro lá fora, tinha espelhos em duas das paredes e barras de ferro em outro canto. 

Meus olhos observavam atentamente o local onde eu passaria muitas noites com minhas amigas a partir de hoje, quando eles focam em duas mulheres paradas de costas, próximas à uma mesa que tinha um aparelho de som grande. Uma era alta e loira e tinha um corpo muito bonito, mas a menor de cabelos escuros tinha um corpo de tirar o fôlego de qualquer um. Ela estava vestida com uma calça legging preta, um tênis da Nike na mesma cor e uma camiseta branca larga com o ombro esquerdo aparecendo. As curvas dela parecia que foram desenhadas por deuses. Sem dúvidas aquela professora seria meu fim. Elas conversavam baixinho e mexiam em alguma coisa, não dava para ver, porque estava na frente delas. Não tinham notado que já havíamos entrado na sala, quando Vero deixou seu celular cair no chão como sempre e chamando a atenção das mesmas. Elas então se viraram e eu quase desfaleci. Que mulheres lindas eram aquelas senhor?

— Oi meninas, sejam bem vindas! - A maior disse sorridente e caminhou até nós para nos cumprimentar. — Eu sou a professora Jane e essa é a professora Cabello. - A menor da um sorriso e apenas acena com a mão. Professora Cabello, então esse é o nome da mulher linda parada a poucos centímetros de mim, que analisava todas nós. Parecia um pouco tímida, mas pela sua profissão devo estar enganada. 

Elas então deram início a aula. Nos alongamos e as únicas que estavam com dificuldades nos alongamentos era Demi e Vero, que eram as mais sedentárias entre nós. Mas mesmo assim se esforçaram para fazer certo. Depois dos devidos alongamentos, começamos a dançar zumba, por escolha da professora Jane, que disse que pretendia ensinar um ritmo diferente a cada aula para nós, já que éramos bem animadas. 

[...]

Passamos uma hora dançando dentro daquela sala. Foi um pouco torturante para mim com uma professora daquelas dançando na minha frente em uma calça tão apertada, ela é tão atraente que duvido que você não pensaria o mesmo. Estávamos todas sentadas no chão, suadas e exaustas. Nunca me diverti tanto em uma noite como me diverti a poucos minutos atrás. Teve muita risada, quando em um certo momento Demi escorregou e caiu de bunda no piso da sala. Cada uma no grupo era mestre em alguma coisa e ela era em cair ou escorregar em alguma coisa, mesmo não tendo nada no caminho. 

Ally se levantou e acompanhamos ela, porque ela precisava ir para a casa dela para cuidar dos bebês, mesmo Troy insistindo que estava tudo sob controle, mas como ela era uma mãe um tanto coruja, entendíamos o lado dela. Nos despedimos das professoras com acenos e saímos do local, rumo ao meu carro.

-POV Camila Cabello -

As novas alunas eram muito animadas, fazia tempo em que não dávamos aulas pra pessoas assim como elas. Elas se dedicavam e se divertiam com tudo, isso era muito bom de se ver. 

— Eu estou exausta! - anuncio assim que termino de fechar as janelas da sala para podermos ir embora. Esse era o nosso último horário e Dinah terminava de pegar nossas coisas. 

— Eu também Chancho. Eu adorei elas e adorei mais ainda aquela que ficou te secando a aula toda. - ela fala com um sorrisinho no rosto e eu a encaro. 

— De quem você está falando?

— A de olhos verdes. Ela tentava disfarçar mas sempre que eu olhava pelo espelho, ela estava olhando para a sua bunda. - arregalo os olhos por não ter reparado nisso. 

— Talvez você esteja vendo coisas e nem era pra minha bunda que ela estava olhando. 

— Como não? É impossível alguém não olhar pra uma coisa desse tamanho e com essas calças apertadas fica maior ainda. Pode confiar, ela estava olhando para você sim. - fico em silêncio sem querer prolongar aquele assunto. A mulher de olhos verdes era linda, isso era inegável, mas uma mulher linda como aquela duvido que estaria olhando para mim. Afinal, ela pode conseguir quem ela quiser e até mais bonitas que eu. 

[...]

Depois de sair do estúdio, passamos na casa dos pais de Dinah para pegar sua filha e fomos para nossa casa. Júlia sempre ficava na casa dos avós enquanto Dinah trabalhava. Os pais da loira nem se importavam em cuidar da neta, porque eles diziam que era melhor deixar com eles do que com algum estranho. E eles estavam certos nesse ponto, haviam muitas babás que judiavam de crianças e Dinah não queria nem sequer pensar em alguém machucando sua pequena. 

A pequena chegou em casa e foi direto pro banho com sua mãe, enquanto eu preparava algo para nós três comermos. Decidi fazer hot-dog, já que era rápido e Júlia havia dito que estava com vontade. Tinha acabado de fazer e deixar tudo em cima da mesa, quando a menina veio correndo e agarrou minha perna esquerda. 

— Tia Mila, sente o cheiro do meu perfume novo. - ela apontou para o seu pescoço e eu me abaixei para poder pegar ela no colo e sentindo o aroma que semelhava com cheiro de talco. 

— Que delícia de perfume Ju, quem te deu hm? - afundo meu nariz em seu pescoço, arrancando risadas dela e se mexendo em meus braços. 

— Você, tia. - ela fala entre risadas e me da um beijo no rosto e vira a cabeça para a mesa que estava com os hot-dogs prontos e me da um sorriso enorme.  — Você é a melhor tia do mundo todo. - me da um abraço apertado e me enche de beijos. 

— Talvez eu esteja um pouco com ciúmes dessa cena. - Dinah aparece na porta da cozinha fazendo beicinho para nós duas. Júlia a chama com a mão e nós nos abraçamos e rimos quando a criança que estava no meio de nós ficava intercalando entre beijar a mãe ou a mim. 

Nossas noites eram sempre assim, nós três sempre juntas e eu amava isso. Elas eram minha família também, conviver com elas era algo tão bom que eu não poderia ter escolhido pessoa melhor para morar a não ser minha melhor amiga e companheira de trabalho.


Notas Finais


E então o que acharam?
Desculpa pelo hot um tanto quanto fraco, mas o foco aqui não é Lauren e Demi e tals.

Qualquer coisa me chamem no Twitter: @boocabello_

Até mais!


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...