História The Seven - Capítulo 2


Escrita por: ~

Postado
Categorias Naruto
Personagens Gaara do Deserto (Sabaku no Gaara), Hinata Hyuuga, Ino Yamanaka, Itachi Uchiha, Naruto Uzumaki, Neji Hyuuga, Sai, Sakura Haruno, Sasuke Uchiha, Shikamaru Nara, Temari, TenTen Mitsashi
Tags Gaaino, Gaara No Sabaku, Hinata Hyuga, Ino Yamanaka, Naruhina, Naruto, Naruto Uzumaki, Neji Hyuga, Nejiten, Romance, Sakura Haruno, Sasuke Uchiha, Sasusaku, Shikamaru Nara, Shikatema, Temari No Sabaku, Tenten
Exibições 270
Palavras 1.559
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Artes Marciais, Aventura, Comédia, Famí­lia, Fantasia, Festa, Hentai, Luta, Magia, Mistério, Poesias, Romance e Novela, Saga, Suspense, Violência
Avisos: Álcool, Bissexualidade, Drogas, Insinuação de sexo, Nudez, Tortura, Violência
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Capítulo 2 - 14-14-14


Capítulo II

"Sabe por que o romance entre um Anjo e um demônio é tão bonito? Porque foi a junção do ódio, com a felicidade. Da poluição, com a pureza, do errado com o certo. Mas então, seria realmente errado amar?"

Escrito por: Annali

O sol raiva na floresta de Voig, era realmente caloroso estar ali. Movi meus olhos, encarando o céu azul e sem uma nuvem. Estava chegando perto, não é papai?

— Sinto muito em lhe pedir essas coisas, Sakura. Seu pai já fez tanto por nós...

Respirei fundo antes de me levantar, passei a mão pela minha roupa e por meu vestido, tirando os pequenos fiapos da vegetação, pegando minha capa ao lado e a vestindo. Lentamente e preguiçosamente, caminhei em direção a minha pequena casa?... Ri com isso, nunca poderia chamar de casa, cabana talvez.

As coisas tinham mudado tanto... Desde que "desapareci" naquele dia, nunca mais eu tinha ouvido qualquer notícia sobre o reino, não que eu estivesse devidamente interessada. Eu sabia que tinham algumas buscas secretas a minha procura, porém o Rei Fugako foi bem convincente e disse que a minha localização era extremamente sigilosa.

Hoje, o reino inteiro estava em festa. Era aniversário do segundo príncipe da capital, Uchiha Sasuke. Dia 14 de agosto, olhei novamente para os céus, e foi quando vi o primeiro sinal.

— Dia 14 de agosto, daqui a dois anos. Um corvo voará nos céus, indicando o início da era negra. O início de uma revolta, o início de um jogo. — Lentamente ela abaixou os olhos, indicando o quão triste estava.

Em um ato não pensado, em um fragmento de desespero. Uma luz verde, brilhou em minha mão, o corvo que voava em círculos, lentamente veio até mim.

Era extremamente difícil explicar as coisas, o rei desejava que eu estivesse desaparecida, talvez achassem que tivesse morta. Tudo tinha que funcionar completamente e eu era a peça única e insubstituível que faltava. Eu tinha aceitado trabalhar para Konoha escondida, tive extremas dificuldades por causa do incidente de Ino.

As pessoas estavam mais propícias a me reconhecerem, então era impossível não recorrer ao uso de capas negras e prender meus cabelos. Mas hoje, hoje era o dia que talvez tudo começaria. O dia qual eu fui treinada.

Sasuke Uchiha tinha nascido um dia antes do Festival Yule, que era apenas para festejar o fato de termos magia para dar e vender. Outra coisa marcante, era como a sociedade gostava dos dois feriados seguidos e das festas desnecessárias.

Antes do corvo chegar até mim, uma flecha o perfurou no meio. Arqueei uma sobrancelha, chasseurs. Aberrações que nasciam com o braço em forma de arco, criaturas com escamas de jacaré e aparentemente sem pelos. Eram extremamente canibais e não possuíam qualquer vínculo com sentimentalismo.

Eram criaturas fortes, para magos fracos. Seres que caminhavam para as trevas, não poderiam ser dominados, a alma deles era corrompida pelo poder, o poder de não ter.

— Olha só, Jiang. — A voz era áspera, não senti medo algum. Apenas arrastei os olhos para as duas criaturas de estatura alta, com a pele verde e estranhamente oleosa.

— Algum mago quer morrer. — Outro ponto, normalmente atacavam aldeias de magos que não possuíam um poder tão forte, ou seja, magos que usavam a magia para entretenimento, já que não eram fortes o suficiente para lutar.

— Fiquem calados, e então terei piedade. — Minha voz saiu áspera.

— Você fala de piedade como se fosse muito forte. — O outro respondeu, me virei de frente para ele, vendo a sua boca abrir. — Você tem o rosto belo. Terei o prazer de destroça-lo.

— Pare onde está. — Respondi, e o mesmo ficou ali parado, parecendo não entender o que estava acontecendo. — Seres como você, costumam ser invejosos e canibais. Por isso a sociedade os afasta, querem transpassar medo e querem ser temidos. Invés de tentar viver uma situação de paz, viver livre por aí, vocês sempre escolhem a guerra, não só vocês como eles, magos também. Matam os magos incapazes de se defender para que? Provar que são superiores ou provar para si mesmo que às pessoas tem que ter medo de vocês? Nós somos uma nação só, devíamos ser companheiros, almejar a paz. Sei que vocês só cumprem as regras e ordens. Mas, aqueles que desobedecem as regras são tratados como lixo, mas aqueles que abandonam seus companheiros são piores que lixo.

Então eles pararam ali, e se deram conta que: não seriam capazes me vencer, não por conta da força, mas pelo fato de nunca ter recebido amor.

"Elfos, é a luz pura no meio da treva que é o mundo. Tempos atrás, o mundo estava em guerra. Poder e mais poder, então os Deuses não tiveram escolhas. Eles mandaram um representante, alguém com poder suficiente para enfraquecer a magia, com vivacidade o suficiente para criar florestas e com beleza e amor para dar aos magos pobres."

Fui em direção ao corvo, o pegando com as mãos. E então deixei a mesma luz verde sair da minha mão.

Não era para ataca-lo, nunca foi. Apenas queria o tirar da escuridão. Seus olhos antes vermelhos, ficaram negros, a pele do mesmo se regenerava.

"Diferente dos anjos, os elfos não perderiam seus poderes, pureza ou luminosidade se "pecassem". Ele apenas não sabia, que o verdadeiro significado de amar, não é salvar. Para salva-la ele tinha que ama-la de verdade. O que ele não conseguiu, cometendo o pecado de luxuria sem amor, de uma vida sem amor. A única coisa que tinha na cabeça do Elfo, era simples.

Eu fui feito para salvar, não para amar. Não é?"

Sempre ouvi diversos boatos sobre essas histórias, mas era extremamente diferente do que meu pai me contava.

"Sinto muito por essa situação, desde pequena você vive em uma confusão interna e em uma obrigação sem fim, não é Sakura?"

Sim, nos crescemos sempre com obrigações. Ser a mais inteligente, sempre se dar bem com as outras pessoas, ter uma boa casa, uma família, ter bons herdeiros que tenham poder. E eu chamo isso de futilidade. Talvez eu tenha uma visão amarga do mundo, ou o problema esteja em mim.

O fato, é que eu tinha que ser mais forte do que qualquer ser, mais bonita do que qualquer jovem, mais inteligente e treinada. Ninguém nunca me perguntou o que eu queria de verdade, eram apenas obrigações. Apenas por eu ser diferente, apenas porque eu era poderosa.

O mundo é engraçado não é? Eu sempre quis viver como uma maga normal, e eu nunca. Nunca consegui isso.

— Vão embora. — Avisei, soltando o corvo, que voou para longe. Pelo canto dos olhos, vi a flecha ser disparada, pulei pegando a flecha antes de atingir o corno. — Está com problemas de audição?

— Você... — O primeiro que falou comigo murmurou. — Ela não é um mago, Yaio...

— Saiam daqui, antes que eu perca a paciência. — Sorri sínica.

— Você é uma hipócrita. — Um deles berrou, acho que o Yaio.

— Eu sou obrigada a sua hipócrita, por conta dessa sua covardia. É melhor prevenir do que remediar. — Previ facilmente seus movimentos, ele se jogou em cima de mim, tentando socar minha cara. Apenas segurei seu soco.

— Voo-cê, segurou? — Ele olhava para as suas mãos, apenas suguei sua magia a transformando.

— Eu repeli. — Informei, apoiei a outra mão no chão, fazendo com que eu me equilibrasse, chutei sua barriga com meus dois pés, usando sua própria força contra si. Ele voou, caindo no seu outro companheiro. Quando vi, já era tarde. Meu capuz tinha caído, o mesmo cuspiu sangue que respingou em minha bochecha. Merda.

— É ela, a procurada... — Não o deixei acabar a frase.

Soquei o chão com a minha própria força, um pouco dela pelo menos. Abriu uma rachadura exagerada, admito. Os dois me fitavam, assustados, talvez com raiva ou admirados. Realmente não sei.

— É melhor saírem daqui, eu estou começando a perder a porra da paciência. Vão, espalhem isso por ai, garanto que nenhum dos dois vão estar vivos se fizerem isso. — O que que chutei ainda pouco, se levantou limpando o canto da boca.

Você, eu odeio gente como você. Gente que acha que sabe mais que os outros por ser de uma família especial, ou um ser diferente. Você é uma verdadeira idiota. Como você acha que é viver escondido? Ou melhor acha que é legal as pessoas terem medo de você? Afirmam que nós não temos sentimentos, alguns podem até não ter. Mas isso tudo é fruto da sociedade nojenta e sem escrúpulos que vocês criaram. Você disse outra hora que nos temos medo é temos que provar para nós mesmos que somos superiores. Como você pode entender alguma coisa sobre isso?

— Você fala como se soubesse de tudo.

— E eu não sei. Mas você é... você é linda. Eu daria tudo para ser como você, ou ser um mago... — Eu ri, levemente.

— Podem ficar com a minha casa e comida, eu tenho mais coisas para fazer. Quando se deitar hoje, pensa bem antes de julgar todos os magos iguais, assim como vocês dois não são iguais aos outros. Me diga uma coisa, aparência é realmente tudo o que importa para você?


Notas Finais


Oie oie oie, hihihi. Na verdade, eu não ia postar hoje. Mass, isso era a introdução do capítulo só, hihihi
Porém eu temia que não ia conseguir postar esse final de semana (domingo ou sábado) então decidi postar essa parte, ou seja o próximo capítulo vai ser deoois. Também queria saber de uma coisa anjos, eu tenho medo de fazer capítulos muito grandes e vocês enjoarem ou se cansarem da fic e de fazer muito pequeno porquê aí eu ia ter que fazer várias contas da tabuada de 7, hihihi.
Então, capítulos longos (com o prazo mínimo de uma semana) ou capítulos curtos um por semana?
Para mim tanto faz...
Ah, gente pera ainda que eu ainda tenho bastante de coisa para conversar aqui, hihihi
1° não fiquem assustados comigo, eu sou meio espontânea e animada (falei até disso na outra fanfic também) então não se assustem com os vários (❤) que eu botar nos comentários ou até mesmo se eu ficar respondendo a sua respostas(? que) eu gosto de toda essa interação, sabe?
2° os comentadores de plantão, quem quiser dá uma ajudadinha na minha outra fanfic que é "Care for me" parece de drama mas não é gente, juro é super fofa e tem um romance meio misterioso e romântico.
3° E essa Sakura não é? Acho que no resto do capítulo aparece o Sasuke, na verdade eu só queria conversar com vocês um pouco sabe? E esse capítulo é principalmente para vocês conhecerem quem é Sakura Haruno, o quanto ela mudou ou amadureceu.
Vou deixar o link da outra fanfic aqui e, até os comentários.

Ps: e esse favoritos, não. Para tudo, 27 comentários? Cara chorei. Liguei para as minhas amigas gritando horrores, sou grata a vocêssss. Pelos deuses, não quero ser melosa e sentimentalista(e dramática) é só o meu jeito mesmo, enfim. Mas o que seria dos autores sem vocês não é?

beijos e por deuses, juro que vou calar a boca.


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...