História The Seven Doors (Imagine BTS) - Capítulo 5


Escrita por: ~ e ~k-popliv

Postado
Categorias Bangtan Boys (BTS)
Personagens J-hope, Jimin, Jin, Jungkook, Personagens Originais, Rap Monster, Suga, V
Tags As Sete Portas, Bts, Chaves, Imagine, J-hope, Jimin, Jin, Jungkook, Mistério, Mundo Paralelo, Pingente, Rap Monster, Romance, Suga
Exibições 225
Palavras 1.599
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 16 ANOS
Gêneros: Aventura, Drama (Tragédia), Fantasia, Ficção, Mistério, Romance e Novela, Universo Alternativo
Avisos: Heterossexualidade, Linguagem Imprópria
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


Esse capítulo vai ficar um pouco curto, então, desculpem, galera.
E desculpem se estivesse meio tediante, é que eu preciso fazer ele dessa forma, pra no próximo capítulo, eu conseguir fazer o que tem na minha mente. Enfim... Boa leitura e não esqueçam as notas finaaaais, kissu '3'

Capítulo 5 - The Second Door


Fanfic / Fanfiction The Seven Doors (Imagine BTS) - Capítulo 5 - The Second Door

Estando ali, olho para os lados, tentando ao menos saber onde estava, o que me falhou. Era uma casa, mas não a minha casa. Eu estava na sala e parecia haver uma cozinha enorme do lado e uns dois andares a mais lá em cima. 

Tudo era tão detalhado, perfeitamente planejado. Tinha jarros, vasos de plantas, quadros, um sofá belíssimo e espaçoso, uma TV que só Deus sabe as polegadas que contém... Isso aqui estava mais p ara uma mansão do que para uma casa.

Olho para trás e vejo uma mulher, não parecia tão jovem, mas também não tão velha. Ela estava vestida com muita elegância e quando me avistou, disse-me:

—Oh, minha filha.. Por que ainda não foi se arrumar? Não podemos chegar atrasados pra festa da sua prima! Ande, se apresse! -ela dizia enquanto olhava para minhas vestes nada "apropriadas" para a ocasião. 

—Ela ainda não está pronta?! -um homem se aproximou elevando o tom de sua voz um pouquinho demais. - S/N SUBA AGORA E SE VISTA! NÃO VOU CHEGAR ATRASADO POR SUA CULPA E NEM POR CULPA DE SUA MÃE! -ele grita, parecia realmente zangado. Então, eu apenas subo as escadas meia perdida. Era uma casa enorne, mas eu nem ao menos sabia onde ficava o meu quarto. Mas calma, por que estou obedecendo as ordens deles? Pais? Desde quando eles são meus pais? Ah, dane-se, estou muito exausta pra pensar sobre isso agora.

Já no andar de cima, abro a porta de cada cômodo procurando, então, o "meu", quarto. Depois de abrir umas quatro portas, finalemnte encontro o quarto. Assim que abro a porta, vejo um vestido preto rodado com brilhantes sobre seu corpete, aqueles típicos vestidos de festa, mas eu gostei, era preto -minha cor favorita- e era lindo. No chão, havia um par de saltos prateados. Eu não ia usar aquilo, de jeito nenhum. Abro uma porta que dava pra um closet luxuoso e cheio de mimimi. Reviro os olhos e apenas me dirijo até a parte dos sapatos. Até que eles não tinham tão mal gosto assim. Lá tinha muitos pares de sapatos, mas acho que já sabia o que ia calçar. Vou até uma prateleira meia alta e pego um salto preto de veludo, era alto, e seu salto era grosso, bem bonito.

Então, rapidamente, tomo um banho e me visto, satisfeita com o que via sobre o espelho. 

Desço as escadas e encaro eles, que me esperavam não fazia tanto tempo.

—O que está fazendo? Aonde vai vestida assim, S/N? -minha "mãe" me olha horrorizada.

—Eu apenas vesti o que você me deixou em cima da cama... E é lindo! O que está vendo de tão ruim nesse? -seguro as pontas do vestido e franzo o cenho.

—Eu disse pra você que podia usar todos que quisesse, menos o que eu deixei em cima da cama. Aí, S/N, quando vai parar pra me ouvir? -ela abaixa a cabeça.

—EU NÃO VOU ESPERAR MAIS! Vamos logo Hee Rin, se não você fica também! -ele então a puxa pelo pulso, não parecia ser de leve, e a leva até o carro. Eles realmente iam ir sem mim? Ótimo, uma dor de cabeça a menos. Então esse é o nome da minha suposta mãe, ou sei lá o que...

Hee Rin

Não me parece tão ruim.

Eles saíram cedo... Acho que não iriam voltar tão cedo também. Isso pode ser uma boa, até. Dou um sorriso travesso e subo pro meu quarto. Retiro aquela roupa apertada e coloco uma calça jeans rasgada nos joelhos, um all star vermelho que tinha ali e um blusão cinza. Agora sim, confortável.

Amarro meu cabelo sobre um rabo de cavalo mal feito e desço, pegando umas chaves reserva que havia em um canto da escrivaninha da sala. Abro a porta e a tranco de volta, levando as chaves comigo.

Então, sem rumo mesmo, ando por aí. Sigo uma rua por aqui, uma rua por ali. Até me encontrar em uma praça, com um lago enorme e muito verde por aí. Apenas dou de ombros e me sento em um banco por ali, apreciando a paisagem.

Estava cada vez mais entediada, e o pior é que só se passaram aproximadamente meia hora desde que saí. Aish.. já vi que esse dia ia durar. 

Reviro levemente os olhos e me vejo por flashs extremos em meus olhos. Coloco as mãos a minha frente, como uma forma de defesa e logo param. 

—Ah, desculpe! Pensei que você fosse parte da paisagem. -tiro as mãos da frente, vendo um cara, mais ou menos da minha idade, dezoito, ou sei lá. Ele era bonito e segurava uma câmera fotográfica na mão, enquanto sorria de lado.

—Hahaha, engraçadinho você, hein. -falo irônica e rio fraco em seguida. Ele, então, se senta ao meu lado, um pouco distante e sorri.

—Bonito, não é? -ele observa o lago e o verde ao seu redor. Olho pra ele de relance e logo olho pra paisagem novamente e solto um sorriso.

—É. Muito bonito! -olho diretamente pra ele- Trabalha com fotografias? -pergunto, meia curiosa.

—Ainda não, mas gostaria. -ele sorri. Me pergunto como ele enxergava, ou se ele enxergava. Quando sorria, seus olhos pareciam fechar por completo. - E você?

—Na verdade, não sei nem o que faço aqui! -rio negando com a cabeça. -Mas, mudando de assunto, posso ver a foto que tirou de mim agora a pouco?

—Ah, claro! -ele pega a câmera e procura a foto por lá, onde havia pastas e pastas sobre o chip. Até que para em algo e estende pra mim. Estendo meu pescoço e vejo a foto. Ele realmente tinha talento, conseguiu uma foto minha olhando com brilho nos olhos pras margens do lago. 

—Nossa, você tem muito talento! -olho pra ele impressionada. - Você deveria ser fotógrafo. 

—Na verdade, eu fui contratado pra ser fotógrafo de uma festa hoje. Daqui a pouco tenho que ir até lá. -ele sorri fraco.

—Ah, sim. Entendi! -afirmo e sorrio de leve. Logo, um silêncio enorme se estendeu no local, nos fazendo um pouco desconfortáveis.

Logo, ele se pronuncia.

—Então, eu tenho que ir. Já deu meu horário. -ele se levanta sorrindo fraco- A gente se vê. Tchau! -ele acena e eu aceno de volta  suspirando. Acho melhor voltar, já está ficando tarde. 

Me levanto e ando de volta, se é que aquele era o caminho certo. De qualquer forma, até que as pessoas daquele lugar eram legais, inclusive aquele garoto que nem sequer sabia o nome. 

[...]

Algum tempo depois, chego em casa e tranco a porta, colocando tudo de volta em seu lugar. Subo e troco de roupa, colocando um vestido chiffon azul de magas longas e uma sandália que tinha ali. Eu não gostava muito de vestir essas coisas, mas até que era fofo, e já que a única coisa que tinha  no meu guarda-roupa era esse tipo de coisa, tinha que usar.

Então, vasculhei as prateleiras do meu quarto e vi alguns livros, a maioria clássico... Argh. Peguei um de romance que havia ali, uma mais moderno, e me sento em minha cama, passando por páginas aleatórias até que começo a lê-lo do início. 

Ainda eram seis da tarde e apenas se passaram meia hora desde que comecei a ler até cair no sono de vez.

[...]

O sol já havia feito sua passagem quando acordei. O céu estava estrelado e eu por alguma razão, me sentia diferente. Eu me sentia em... Casa. Sentia como se conhecesse tudo e a todos ali, o que, quando cheguei, estava totalmente confusa para com isso.

As roupas, aquele lugar, memórias se passaram pela minha cabeça sobre aquelas coisas. Quando ganhei aquelas roupas, quando nos mudamos pra cá, quando minha mãe se casou com aquele cara e quando eu chorei porque queria o meu pai de volta.

Eu realmente passei por tudo aquilo? Era estranho saber disso, pra quem não se lembrava de nada.

Logo ouço a porta abrir e ser fechada rapidamente. Corro até lá embaixo e vejo os dois. 

—Oh, olá S/N! Como foi seu dia? -ela pergunta.

—Ah, foi... -logo lembro do garoto, do parque, daquele cara chato que por sinal era meu padrasto. - Foi bem tediante. 

—Ah, que pena, a gente se divertiu bastante lá. Você devia ter ido! -reviro os olhos. Eu acho que ainda não aceitei o fato de minha mãe ter se casado com outro, muito menos um cara como ele. Argh.

—Eu ia, mas acontece que pessoas aqui estavam com tanta pressa que nem esperar queriam, e o pior é que outra pessoa aqui foi na lábia sem se imoortar. -falo irônica e arqueio a sobrancelha.

—Desculpa, filha, mas você também tem culpa nisso. -ela dá um sorrisinho falso. -Não vá dormir tarde, lembre-se que amanhã você tem aula. -ela sobe as escadas e atrás dela, subia meu padrasto que nem ao menos olhava na minha cara.

Bufo e vou pra cozinha, procurando algo pra comer. Abro os armários e vejo um Cup Noodles. Pego o mesmo e o esquento, abrindo e pegando os hashi e começando a comer. Eu comia enquanto pensava em tantas coisas, mas ao mesmo tempo, em nada, nada que valesse a perda de tempo.

Terminando de comer, me dirigi até a sala e liguei a TV onde não passava nada de interessante. Ah, que vida tediante essa minha. Nem a TV tem algo útil.

Bufando, subo pro meu quarto, deixando as luzes todas apagadas enquanto meu cantinho era apenas iluminado pela lua cheia lá de fora.

Me deitei sobre o acolchoado que havia na enorme janela e observo a noite, ao sentir meu olhar pesar e meus olhos simplesmente serem fechados, me fazendo dormir ali mesmo, enquanto pensava em várias coisas, e uma delas, incluía o nome daquele garoto que eu não sabia.


Notas Finais


Gostaram? Eu me matei aqui pra ter alguma ideia boa pra essa segunda porta e esse segundo garoto.
Aguardem por mais, e deixem aqui nos comentários o que acharam, para que eu possa continuar, e não se esqueçam de divulgar pros amiguinhos.
Um beijo, amores '3'


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...