História The Shadow - Capítulo 8


Escrita por: ~

Postado
Categorias Bangtan Boys (BTS), EXO
Personagens Baekhyun, J-hope, Jin, Lay, Sehun, Suga
Tags Baekhyun, Bts, Exo, J-hope, Jin, Lay, Sehun, Suga, Vampiro
Exibições 39
Palavras 3.101
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Crossover, Drama (Tragédia), Famí­lia, Festa, Ficção, Luta, Magia, Mistério, Misticismo, Romance e Novela, Sobrenatural, Suspense, Terror e Horror, Universo Alternativo
Avisos: Heterossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Mutilação, Nudez, Sexo, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas da Autora


Demorei mais cheguei !!!
Gente esse capitulo é um dos motivos de ter colocado a classificativa +18 , hoje é HENTAI
então quem não curti, ou é de menor e quer evitar só pular o capitulo, tem pouca coisa importante então não vai interferir muito na leitura, porém quem gosta e quer ler CHEGA MAIS.
Não me responsabilizo por lerem em .... u.u kkkkkkkk
Espero que gostem, porque sinceramente quase que ia pular a parte do sexo já que queria desenvolver mais a historia.
Então deixe os seus comentários se gostarem que se tiver um retorno positivo eu farei mais cenas desse jeito e quem sabe dependendo um imagine com k-idols?
Agora vão ler .... :)

Capítulo 8 - Só nos dois.


Fanfic / Fanfiction The Shadow - Capítulo 8 - Só nos dois.


Depois do meu banho Antonella saiu e me deixou sozinha na imensidão de meus pensamentos, havia dias que não conseguia dormir devido aos pesadelos que eu não tinha há algum tempo até começar a dormir nessa mansão, estava aflita demais para conseguir fechar os olhos então apenas apaguei todas as luzes e me sentei na poltrona que ficava próxima a porta; botei os pés para cima e fiquei olhando para a janela enquanto pensava em tudo com calma, no fim meus pensamentos me levaram as pessoas desconhecidas que estavam na mansão, forçando a minha memória a lembrar dos rostos e cheiros, algo dentro de mim me alertava de que eu não estaria protegida ali. O estranho era que havia passado praticamente um ano na mansão treinando e aprendendo todos os dias e quase nunca via Marcus e sua família, às vezes esbarrava com Luane minha meia irmã, que apenas me ignorava e eu fazia o mesmo por não me importar, até hoje. Ver todos me olhando como se eu fosse um animal, me deixou um pouco irritada principalmente quando nunca apareceram para dar um bom dia. 
Estava submersa em meus devaneios até ver a maçaneta se mover e uma sombra adentrar ao quarto, como aquela casa inteira havia feitiço espalhado por todas as paredes e arredores ele confundia meus sentidos, e principalmente meu olfato como se diminuísse e enfraquecesse meus poderes. Levemente desci meus pés da cadeira, levantei sem fazer barulho me aproximando pelas suas costas, percebi que a sombra esperava que eu estivesse dormindo já que começou a puxar o edredom que estava espalhado sobre a cama e antes que ele notasse minha presença em suas costas fiz uma investida sobre a sombra o derrubando na cama, assim que caiu batendo com suas costas na cama ficando de frente para mim senti mãos me puxarem fazendo com que eu caísse por cima dele, rapidamente a sombra girou o corpo e quando tentei trocar de posição senti mãos firmes segurando meus pulsos e forçando suas coxas contra a minha, seu cheiro me envolveu de maneira inebriante. 
— Ei, sou eu! — Disse baixo.
— Sehun? — Perguntei com o coração na boca. —Você me assustou! Não precisava entrar tão sorrateiramente. — Disse com a respiração ofegante. 
— Desculpe, pensei que você estivesse dormindo e não quis acorda-la. — Disse esboçando um sorriso. Estava me acalmando aos poucos então ele afroixou a mão que segurava meus pulsos, porém continuou sobre mim olhando em meus olhos, até seu rosto se aproximar do meu fazendo com que minha respiração ficasse descontrolada. 
— Eu queria realmente entender porque desde que o vi pela primeira vez me sinto tão entregue a você. — Sussurrei antes que fizesse o que gostaria. 
Algo em minhas palavras o reteve por um pequeno momento me encarando, senti que existia algo a mais que não havia dito. Ele me encarou por um momento até me beijar de forma forte e desesperada, seus braços voltaram a me segurar firme na cama para que não me movesse. Sua língua invadiu minha boca me deixando relaxada ao lembrar como seu beijo era tão compatível com o meu. Seu cheiro, gosto, beijo e corpo próximo me deixava louca, eu não sabia o tamanho da saudade que sentia até encontra-lo e abraça-lo hoje, nosso relacionamento foi tão repentino e rápido que não tive tempo de pensar em como me sentia realmente, e talvez eu soubesse o quanto eu gostava dele, mas os acontecimentos não me deixaram aproveitar e sentir com cuidado. Enquanto nos beijávamos sua mão que me prendia me soltou, girei o forçando rolar para o lado e assim fez me deixando por cima, me afastei de seus lábios para que pudesse olha-lo. Notei seu sorriso raro, e em seu cabelo que estava um pouco mais comprido, seus olhos firmes a me olhar até perceber que tentávamos colocar na nossa memória o máximo de informação que podíamos um do outro, bem devagar passei minhas unhas compridas sobre seu peitoral que estava protegida por uma camisa branca de algodão, fazendo com que seus olhos fechassem, levantei sua camisa e o acariciei, beijei e dei leves chupões enquanto ele acariciava meus cabelos, removi minha camisola curta de cetim com rendas, fazendo suas mãos irem até meu quadril o apertando levemente, me encarando como se fosse me devorar e eu sustentava o olhar com a mesma sede. Percebi que ele estava sem cueca quando seu membro ficou completamente duro e visível por baixo da calça de moletom, me fazendo morder o lábio com um sorriso travesso enquanto minha mão acariciava o mesmo sobre a calça o fazendo revirar os olhos. 
— Você sabia que vampiros sentem o dobro do prazer que os seres humanos? — Ele me perguntou enquanto eu continuava o acariciar sorrindo.
— Então quer dizer que se eu lhe tocar assim é como se eu estivesse o masturbando? — Perguntei curiosa.
— Não sei como os humanos se sentem, mas acredito que seja. Somos diferentes principalmente quando se trata de prazer e sexo. — Sua mão segurou a minha, fazendo com que eu parasse com os movimentos. 
— Você tem certeza que quer continuar? Tenho medo de ser agressivo na nossa primeira vez. — Perguntou me deixando confusa.
 — Espera! Nós ainda não fizemos sexo? — Perguntei um tanto alto e em resposta ele balançou a cabeça negativamente. — Você havia dito que da ultima vez quase havíamos quebramos o seu quarto inteiro, e me lembro de ter acordado só de roupa intima. — Ele me encarou com um grande ponto de interrogação no rosto.
— Ah é! Você não lembra! — Disse pensativo. — Não fizemos nada naquele dia, você não estava no seu normal então só tiramos as roupas e nos beijamos até você pegar no sono. Foi complicado para me controlar, mas no fim agi de maneira correta. — Disse apoiando os cotovelos na cama para poder me olhar nos olhos, e isso me fez gargalhar o deixando com um sorriso bobo no rosto. 
— Você merece um prêmio por isso. — Disse puxando a ponta da sua calça onde se encontrava o elástico a descendo levemente, seus olhos gritavam de desejo. Seu membro estava apenas esperando por mim, lentamente comecei a masturba-lo o fazendo fechar os olhos com força.
— Fiquei curiosa, então me mostra em que são diferentes? — Perguntei tentando o provocar. 
— Vampiros não cansam, nunca. — Falou com a voz mais grossa do que o normal me deixando completamente excitada e arrepiada, senti a ponta dos meus seios endurecerem. Ele me encarou por um segundo como se soubesse o poder que tinha sobre mim. 
— Como você conseguiu isso? — Perguntei completamente atordoada por sentir tanto desejo de uma maneira descontrolável, como se eu quisesse que ele me possuísse ali por horas até mesmo dias. 
— Eu consigo fazer com que você sinta o que sinto. E isso é só o terço. — Disse enquanto fechava os olhos para respirar fundo, imaginei que ele tentava como louco se controlar. Se aquele era só um terço não imaginava como seria o resto.
— Vamos logo com isso então. — Sussurrei com um sorriso olhando todo seu corpo exposto para mim. 
Minhas mãos que o masturbaram continuaram com um ritmo constante e então levei a minha boca até ele acompanhando a velocidade de minha mão e com o tempo comecei a aumentar a velocidade o fazendo gemer e resmungar algo que nem ele conseguia pronunciar direito, uma hora ou outra o chupava de maneira que nunca havia feito o fazendo gemer, o que me fez repetir varias vezes o mesmo ato o deixando descontrolado. Continuei assim até ele me puxar para cima de uma forma bruta e rápida que me deixou desnorteada, quando olhei em seus olhos eles haviam mudado de tom, estavam completamente cinza, porém mais escuros do que de costume. Ele lentamente passou a língua pelos lábios que estavam vermelhos e não demorou até sentir o jato sobre minha barriga exposta junto ao seu gemido, depois me sentou em seu colo, passei as pernas em volta de sua cintura e Sehun me olhou de cima a baixo.
— Acho injusto você ainda ter suas roupas intimas tampando o que já era para estar exposto. — Dizia ao meu ouvido enquanto suas mãos se livravam do meu sutiã. 
— Vou fazer você gemer tanto que amanhã você não vai conseguir falar. — Completou passando a mão por entre meus cabelos os puxando levemente, em seguida mordeu o lóbulo de minha orelha levemente, eu já estava preparada para recebê-lo, uma hora ou outra sentia a onda de prazer me envolver, remexia o quadril enquanto ele severamente me excitava. Suas mãos acariciavam minha curva do quadril, enquanto eu rebolava desesperadamente por seu toque, sua mão foi até meus seios e começaram a massageá-los devagar como se estivesse o analisando, repentinamente sua língua começou a brincar com a ponta de meu seio me deixando desesperada, gemi seu nome duas vezes até que ele parasse me deixando sem folego. Suas mãos foram até minhas nádegas apertando com força me puxando para mais próxima de seu corpo. Senti seu membro encostar-se a minha barriga, sutilmente mordeu meus lábios, desceu seus lábios até meu pescoço dando múltiplos chupões. 
— Viu como é ruim ter um pano no meio disso tudo? — Ele disse sobre meus lábios antes que me beijasse como nunca havia feito antes, de maneira feroz, brincando com minha língua como se fosse à coisa mais saborosa que ele já havia experimentado sua mão que antes estava em minhas nádegas apertando com força o suficiente para me deixar com mais desejo, foi até minha calcinha já molhada a rasgando sem muito esforço para que eu não me movesse, seus dedos acariciaram toda a minha região e começaram a me masturbar fazendo com que eu gemesse e notasse como meu intimo estava sensível a seu toque. 
— Que delicia completamente preparada para mim. — Disse ao meu ouvido com a voz um pouco rouca, meu corpo arqueou quando seu dedo começou a entrar e sair devagar, minha cabeça pendeu para trás e meu quadril voluntariamente começou a balançar em ritmo ao seu dedo, eu gemia baixo, sua velocidade aumentou me fazendo segurar a respiração. 
— Sehun, por favor! — Clamei rouca e sem folego em seu ouvido, eu o queria dentro de mim, desejava que meu corpo recebesse tudo o que ele podia me oferecer, senti seu desejo crescer como uma bomba, como se esperasse que eu dissesse aquelas palavras, porém eu não me contive como Sehun, eu o empurrei fazendo com que deitasse na cama o pegando desprevenido, com um sorriso lindo no rosto, segurei o seu membro e então o coloquei na posição certa e sentei bem devagar para fazer meu corpo se acostumar com ele dentro de mim, fechei os olhos sentindo seu membro buscando espaço, rebolei lentamente fazendo com que chegasse até meu limite e de uma forma perfeita nossos corpos se completavam como jogo de quebra cabeça. 
— Nossa! — Dizia pousando sua mão sobre meu quadril que não demorou a se mexer lentamente, subindo e descendo. Minhas mãos foram até seu peitoral para me manter em equilíbrio enquanto fechava meus olhos sentindo todo ele dentro de mim, indo até meu limite e voltando com lerdeza para me acostumar de maneira completa, como estava totalmente lubrificada senti que podia aumentar a velocidade e assim fiz, ele levemente bateu em minha nádega me arrancando um gemido. Parei por um momento subindo bem lentamente e descendo com força o fazendo gemer. Afoito ele girou o corpo ficando por cima, quase nos derrubando no chão já que estávamos na beira da cama, vendo onde havíamos parado ele me colocou no meio da cama me dando doces beijos e risadas junto a mim, me posicionou sobre o travesseiro e abriu minhas pernas de maneira que eu ficasse completamente exposta, e me penetrou com força me fazendo gemer alto, enquanto ele fazia isso segurava a cabeceira da cama com tanta força que achei que quebraria, meus olhos reviravam de prazer, pude o ouvir chamar por meu nome entre seus gemidos diversas vezes e em resposta eu só gemia de maneira animal. Depois de um bom tempo ele tirou seu membro bem devagar me fazendo gemer mais do que antes, chegou para o lado se sentindo aliviado ao chegar a seu ápice novamente, ele respirava forte, mas me encarava como se não tivesse aproveitado tudo que tinha direito. Seus lábios e língua passaram pelo meu corpo por inteiro, me beijando, chupando, lambendo fazendo que meu corpo arqueasse a cada toque que me dava, até que parasse em meu intimo o chupando lentamente, sua língua passava por meu clitóris brincando com meu prazer, me fazendo sentar por não aguentar aquele prazer deitada apenas tocando meus seios então eu segurei seus cabelos os puxando levemente uma vez ou outra, não aguentando muito tempo meu corpo caiu na cama, um arrepio percorreu todo meu corpo, meu útero se contraiu e então finalmente a onda de prazer me invadiu e senti que havia chego ao meu ápice demorado, enquanto continuava a me chupar com mais força me deixando completamente mole e em extasse, não conseguia para de gemer e chamar seu nome, seu membro completamente duro ainda me enlouquecia. Ficamos brincando até de manhã quando decidimos parar, pelo fato de estar cansada e rouca o suficiente para continuar. Fiquei ali deitada em cima de seu corpo respirando com dificuldade devido as ultimas estocadas, ele era alto o suficiente para que meu corpo não cobrisse metade de seu corpo me fazendo rir da nossa diferença de altura. 
— Vai ser difícil me controlar depois de hoje. — Ele disse acariciando meus cabelos com delicadeza. 
— Estou preocupada com que frequência nos veremos. Soube que sua família anda o prendendo em afazeres. — Disse levantando a cabeça me mexendo e lembrando que Sehun ainda estava dentro de mim, mexi o quadril fazendo com que ele grunhisse. 
— Vai ser muito difícil aguentar aquelas reuniões enquanto você está aqui nesse quarto, sozinha. Sinto que vou imagina-la de todas as maneiras em meus sonhos novamente. — Disse ele me puxando mais para ele como se isso ainda fosse possível, rolamos de um lado para o outro na cama nos enlaçando até cairmos no chão em gargalhadas. Seu cheiro me invadiu, minha barriga roncou e quando percebi meus caninos estavam expostos, como os dele também. Ele rolou no chão me colocando para baixo do seu corpo enorme, lambeu meu pescoço fazendo com que seu canino rosasse em meu pescoço me dando arrepios, não demorou muito para eu sentir minha pele sendo perfurada e meu sangue ser extraído. Meu corpo arqueou, seus músculos estavam rígidos enquanto soltava gemidos parecidos com sussurros enquanto se deliciava. Não demorou muito para parar e girar o corpo novamente me deixando no controle, seus olhos cinza seguiam meu movimento, primeiro eu sentei o encarando de cima, seu peitoral exposto lindo, seu rosto estava expressando tranquilidade e então antes de me saborear com seu sangue sorri. Assim que senti as primeiras gotas de sangue meu corpo explodiu em satisfação, não contive o gemido que dei ao senti-lo depois de um tempo, seu sangue, seus lábios me deixavam fora de controle, saboreá-lo era tudo do que precisava. Enquanto ouvi seus gemidos uma onda de prazer me invadiu novamente, eu nunca estava saciada quando era sobre Sehun, e repentinamente minha visão mudou até ver um homem de costas para mim, ele era alto seus ombros largos e quando ele virou o rosto para minha direção me fazendo tremer, pude ver seu sorriso coberto de sangue ao me encarar. Em seguida ele abaixou e voltou a beber o sangue de alguém que parecia ser uma criança, ouvi um grito no fundo chamando por meu nome. 
— O que você viu? O que você viu? — Perguntou Sehun me segurando em seus braços com o rosto em desespero e olhos alarmados. 
— O que aconteceu? — Perguntei ao notar que eu tremia dos pés a cabeça. Então ele me abraçou com força e notei que tremia também. 
— Você invadiu minhas lembranças, mas não sei qual delas viu. — Ele me encarou com tristeza nos olhos. 
— Eu vi um homem beber o sangue de alguém. — Respondi, mas algo dentro de mim gritou quando tentei lembrar o rosto do homem que fazia com que suor frio descesse pelas minhas costas. Ele apenas me abraçou e acariciou até o tremor de ambos parasse. Depois de tomarmos um banho demorado, Sehun me ajudou a por meu vestido bagunçando meu cabelo todo e me prendendo no vestido por errar o lado do braço com o da cabeça, depois de me agarrar na parede e nos beijarmos descontroladamente, ele me sentou à mesa da penteadeira.  
— Presta atenção no que vou lhe dizer, faltam alguns dias para apresentarem você oficialmente então tome cuidado, agora à mansão irá receber mais visitantes do que o normal e você não pode confiar em ninguém, as pessoas iram se aproveitar de você e tentar beber do seu sangue, não deixe e não faça mais como fez com o Jin ontem, o seu sangue pode viciar e alguém poderoso pode controlar você com isso. Não confie em ninguém que não seja da mansão, infelizmente não posso estar com você até a festa por causa de algumas regras, mas tome cuidado, as pessoas têm curiosidade e desejo por você que são um tanto, peculiares. — Disse procurando as palavras certas.
— Se você não queria me assustar, devo dizer que está sendo péssimo com isso. — Falei com um sorriso nervoso. 
—Vai haver um ritual antes de você ser apresentada, em que todos vão participar e você é o foco principal, então até lá não perambule por ai e fique com Jin, entendeu? Qualquer coisa me ligue imediatamente que eu dou um jeito de aparecer.  — Ele falava baixo e próximo o suficiente para que eu sentisse sua preocupação. 
— Que ritual é esse? — Perguntei, por um instante ele pensou e percebi que se preocupava com as palavras. 
— Eu não sei como funciona para mulheres, nunca presenciei um. Porém quando eu tive que fazer o ritual de passagem eles elevaram meus poderes, e meus desejos mais fortes ficaram descontrolados fazendo com que eu quisesse e fizesse de tudo para conquista-los. — Falava como se aquilo fosse algo muito ruim. 
— O que aconteceu? — Perguntei baixo. 
— Acabei indo para o mundo humano e tive que voltar inconsciente se não faria coisas horríveis com quem desejava. — Disse olhando para o lado, me fazendo sentir uma pontada de ciúmes. 
— Até que não foi tão ruim. — Respondi acariciando seu rosto tenso até que ele me beijasse com força o suficiente para cortar meu lábio inferior, enquanto sentia o gosto de meu sangue, suas mãos me apalpavam aproveitando tudo que ele podia, e aquilo teria que ser o suficiente para matar a saudade dos dias que viriam sem ele.     


Notas Finais


Bom gente por hoje é isso, e não esqueçam de deixar os comentários eu AMO ler a opinião de vocês, e isso me faz postar mais rápido. Não esqueçam de ler minha nova fic flopada - normal- mas que eu amo escreve-la. kkkkkkkk
Beijos e até o próximo capitulo.


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...