História The sound of the heart - Capítulo 17


Escrita por: ~

Postado
Categorias Saga Crepúsculo
Personagens Alice Cullen, Billy Black, Edward Cullen, Embry Call, Emily Young, Jacob Black, Leah Clearwater, Paul Lahote, Personagens Originais, Quil Ateara, Renesmee Cullen, Sam Uley, Seth Clearwater, Sue Clearwater
Exibições 144
Palavras 1.087
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Drama (Tragédia), Fantasia, Ficção, Romance e Novela
Avisos: Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo, Tortura
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas da Autora


Boa leitura até semana que vem!

Capítulo 17 - I just want to have something that never had


Fanfic / Fanfiction The sound of the heart - Capítulo 17 - I just want to have something that never had

Pov  Leah Clearwater
Não sei se havia passado, segundos, minutos ou horas ainda posso ouvir a respiração  serena de Nolan,  no quarto silencioso sua respiração se destaca, cada palavra sua ainda martela em minha mente e em cada martelada uma pontada se faz presente em minha cabeça, estou sentada, encostada na cabeceira da cama com o joelhos encostados em meu peito com meus braços abraçando minhas pernas, eu não sei o que ele pretende  ainda estando ali, eu consigo sentir que ele está calmo, tranquilo, com certeza por ter conseguido falar tudo  e eu aqui como uma idiota, sem saber como  fazer ou o que dizer, eu sei que prometi a mim mesma que seguiria apenas  o som do meu coração, mas porque é  tão difícil  aceitar que meu coração quer ele por perto sem medo do que possa estar  por vir? 
Olho por tudo que já passei, por tudo que perdi e tudo que ganhei, mais perdi do que ganhei isso é fato. Todos caem e costumam se levantar muito mais fortes, e isso aconteceu comigo, o único problema é que me fechei e agora eu não consigo  sair dessa jaula que impus a mim mesma, será um eufemismo se eu disser que não estou com medo, quando tudo que me impede de levantar e atravessar o quarto e ir de encontro ao lobisomem é  meu medo.
Tenho medo por mim
Tenho medo por ele
Tenho medo o que me espera
E se mais uma vez eu quebrar a cara, será eu capaz de me reerguer?
Paro para analisar meus pensamentos, e vejo que são de uma pessoa  que quer sim tentar, então porque nego veementemente que o que sinto por Nolan é  nada mais que uma atração? Eu não posso me julgar assim, quem tem um passado como o meu, talvez não estaria cogitando a ideia de se quer pensar em um homem, faria de tudo para expulsar qualquer indicio de tais pensamentos.
Droga Alice, porque eu tive que te escutar? E eu que pensei que La Push era demais para mim, pelo menos lá  eu tinha Sue, minha mãe  com certeza me ajudaria  a me decidir, ela que me ajudou superar a perda do Sam, depois a perda do meu pai, e com certeza teria um sábio conselho para mim neste meu momento.
Uma coisa sou grata, se eu estou passando por tudo isso é  porque  ainda estou viva e que alguém precisa  de mim e esse alguém  acabou de declarar que aceita  ser resgatado por mim.
E eu quero ser resgatada por ele, e com essa  decisão me levanto  da cama, chega de questionamentos, deixo que o destino mais uma vez  venha  me surpreender. Meus pés  vão de encontro  ao chão frio, a blusa que visto é  enorme, é  do Seth, enrolo  meu cabelo  em um coque que  não prende muito  bem, devido meus fios não estarem tão compridos, atravesso o quarto parando em frente  a porta, coloco minha mão  sobre o trinco metalizado e respiro fundo abrindo  a porta, Nolan ergue sua cabeça me encarando.
-Eu vou te fazer apenas uma pergunta Nolan, apenas uma, porque?
Ele se levanta na mesma hora, se encosta na parede e cruza os braços, percebo que ele ainda veste a mesma roupa que saímos. 
- tudo se resume a duas  palavras  Leah e eu já te falei elas, confusão e medo, estou  confuso,  sempre vivi sozinho, sempre fugindo, fugindo do que sou, aí me aparece você, e tudo vem à tona, é  como se meu passado estivesse ligado ao meu presente, sei que estava assim antes de você chegar, porém, eu conseguia me reprimir e agora  não consigo  mais, e vem o medo, eu sei que tirei a chance de você ter uma vida, você poderia ter uma vida se não soubesse  de minha existência como até pouco meses atrás, mas mesmo assim tenho consciência  que você sempre sentiria um vazio e não  saberia o porquê.
Ele para umedecendo seus lábios, escuto ele atentamente.
- Nossa ligação é  proibida  e tenho medo do que possa vir acontecer com você, onde o único culpado sou eu, e eu não quero obrigar você a viver sem saber ao certo o que possa vir acontecer  no futuro, e se eu mais uma vez reescrever minha história? Eu faço somente escolhas erradas.
Ele para de falar e entendo que minha vez de falar chegou. 
-Às vezes  ao falar com você eu tenho certeza de que estou  falando  com meu próprio  reflexo Nolan, somos mais parecidos do que imagina, por motivos diferentes, claro, mas, mesmo assim nós nos fechamos, nos colocamos em uma redoma. Uma vez me disseram  que é  difícil  lutar quando a luta não é justa, e é  assim que me sinto quando olho para você, você veio como uma avalanche em minha vida  e com essa avalanche veio os sentimentos  e não sei lidar com nenhum  deles, as vezes sinto que se me afastar será pior, tudo que eu quero é  poder te decifrar, e te ajudar e poder ficar ao seu lado, eu só tenho medo, e isso é  normal, sabemos  que sim.
Ele me escuta atentamente 
-Eu só quero ter algo que nunca tive- digo  com sinceridade
-é o que eu quero também Leah ,ter algo que nunca tive- Ele enfia suas mãos em sua calça jeans
- Não  vou exigir nada de você e o mesmo você fará  comigo, e sei também  que mais cedo ou mais tarde  vamos perguntar porque não tentamos e eu não quero isso. 
-E, se...- coloco meu dedo sobre seus lábios.
-Para de pensar no se, no futuro, se você quer ser resgatado, esse é  o primeiro conselho que lhe dou Nolan.
E de verdade, eu senti essa necessidade  de pedir que ele pare de por  o se em tudo.
-Você é  incrível e tem toda razão senhora Clearwater
- Você tem cento e vinte sete anos a mais do que eu e me chamando de senhora, soa tão estranho- Sorrio para ele que retribui na mesma hora
Ele me abraça  e respondo no mesmo instante o carinho. 
-Eu estou com vontade de te beijar- ele fala e logo em seguida encara meus lábios 
-Está esperando o que então para me beijar.
Ele sela nossos lábios  no mesmo instante,  me deixo guiar em seus braços, hoje aceito meu destino, não vou lutar contra ele, eu sou a conselheira deste lobisomem e também sou sua marcada, eu aceito o desafio de trazê-lo de volta a vida e de voltar a viver. 



Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...