História The Spy - Capítulo 35


Escrita por: ~

Postado
Categorias Violetta
Personagens Andrés Calixto, Broduey, Camila "Cami" Torres, Diego, Federico, Francesca Cauviglia, León Vargas, Ludmila Ferro, Violetta Castillo
Tags Drama, Espiões, Romance
Exibições 46
Palavras 1.248
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 10 ANOS
Gêneros: Luta, Romance e Novela, Violência

Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas da Autora


Demorou? Muito.
Ficou bom? Eh.... Não foi meu melhor capítulo.
Eu vou tentar continuar a história, mas se eu não conseguir vou excluir a fanfic. Obrigada pelos comentários, são eles os principais motivos para eu não ter desistido ainda.

Capítulo 35 - Amor e Tristeza


Haviam se passado quase 2 horas e eu não saíra do quarto. Não abrira a porta. Não parara de chorar. Não falei com ninguém.

 

Leon: Violetta... Eu não me importo de me machucar, minha vida sempre foi perigosa, sei me defender, sei lutar e sei que nós somos capazes de sobreviver a isso. Por favor. Abre a porta. –provavelmente, ele estava chorando.

 

Ele tinha ficado muito tempo falando, então ele me deixou em paz. E pelo visto acabara de voltar pra minha porta.

 

Leon: Violetta, eu te amo. Eu vou me machucar com ou sem você comigo. E eu prefiro que seja ao seu lado.

Violetta: Leon, eu só quero os meus pais agora. Quero que eles me digam que vai ficar tudo bem e me protegam como era antes da morte da minha mãe.

Leon: Eu posso fazer isso. Me dá uma chance. Abre a porta ou eu vou chuta-la até quebrar.

 

Desisti. Abri a porta e ele entrou.

 

Leon: Obrigada. –ele enxugou uma lágrima minha- Eu prometo que não vou deixar que nada te aconteça.

 

E nos abraçamos. Ele não me soltou e eu também não.

 

Violetta: Eu te amo. Não queria, mas eu te amo.

Leon: Eu também te amo. E agora que está aqui, não vou deixar que vá embora.

 

Nos beijamos. Várias vezes. Foi ótimo. Cada beijo era um curativo numa ferida aberta.

 

Violetta: Obrigada, mesmo. –eu o abracei.

Leon: Vamos comer. Você deve estar com fome. –concordei com a cabeça e fomos ainda abraçados.

Violetta: Leon...

Leon: O quê?

Violetta: Você disse que não deixaria que nada me acontecesse...

Leon: Sim.

Violetta: Eu quero fazer o mesmo pra você. Eu vou te proteger. –eu estava quase chorando quando ele me beijou e uma imensidão de sentimentos veio à tona.

Leon: Obrigada, my princess.

Francesca: MAS VOCÊS SÃO MUITO FOFOS!-Fran veio correndo- A comida está pronta.

 

(...)

Já era tarde da noite. Eu estava deitada no peito de Leon enquanto víamos um filme qualquer. Ele me abraçava com carinho e eu me senti segura em seus braços... De um jeito que eu nunca senti antes. Eu estava animada para acabar com aquele que matou os pais dele e finalmente podermos ficar juntos sem a gangue ou a CIA nos separando. Eu finalmente o teria por inteiro. Só pra mim.

 

Violetta: Sei que vai ser difícil deixar a gangue... E eu sinto muito por ter que fazer isso.

Leon: M’Princess... Não fique mal. É uma coisa que eu quero fazer. Eu quero continuar lutando, mas ao seu lado e não contra você.

Violetta: E sobre seus amigos?

Leon: Não sei. Quem sabe eles também não queiram trocar de lado...

Violetta: Mas... Mas e se vocês forem presos? Não tinha parado para pensar, mas quando te encontrarem irão te prender!

Leon: Não se souberem que eu salvei a sua vida.

Violetta: Mas os seus amigos...

Leon: Nós vamos dar um jeito. Não se preocupe com isso agora. –ele beijou minha testa.

Violetta: Se você diz...

 

Pouco tempo depois adormeci em seu colo.

(...)

Acordei na cama do quarto. Sozinha. O sol entrava pela janela e já devia ser quase meio dia. Bocejei, espreguicei e me levantei. Quando olhei para a escrivaninha vi um relógio que marcava 10h30min. Me levantei devagar e fui até a porta abrindo-a.

 Sai do quarto e fui caminhando até o banheiro onde joguei uma água no rosto antes de descer as escadas.

 Fran: Bom dia princesa adormecida! –era Fran que estava varrendo a sala- Decidi dar uma faxina por aqui. Essa casa continua cheia de poeira!

 Violetta: Isso é só temporário. Não sei se vamos ficar por muito mais tempo aqui.

  Fran: Mesmo assim eu quero ficar num lugar limpo.

 Eu dei de ombros e segui para a cozinha onde Leon comia.

  Leon: Bom dia M’Princess. –ele disse fofo.

  Violetta: Bom dia. –eu passei ao seu lado dando-lhe um selinho- O que tem de bom para comer?

  Leon: Pão, mortadela, leite, toddy e café. Nada de mais.

  Violetta: Já é melhor que nada. –disse colocando leite numa xícara.

  Leon: Que dia é hoje?

 Violetta: Acho que é sexta. –disse enquanto colocava o café.

  Leon: Você quer ir atrás de pistas? Sabe... Do cara.

  Violetta: Sei lá. –disse partindo um pão- Eu estou com preguiça. É estranho que a chefa não tenha me ligado, não tenha entrado em contato...

 Leon: Já checou seu celular? –concordei com a cabeça- Ah deixa pra lá. Se quiser, podemos ir para Nova York...

 Violetta: Não. Você está certo. Nós devemos ir atrás do cara... Só aí poderemos ficar tranquilos.

 Leon: Eu não sei o que vai acontecer. –ele disse pegando minha mão- Mas saiba que eu te amo. –e me deu um beijo.

 Violetta: Deixa de ser meloso! –brinquei rindo- Mas eu também te amo. Só pra constar.

(...)

 Depois do café eu e Fran fomos num salão. Eu queria fazer uma repaginada. Cortei meus cabelos curtos deixando a franga maior do que eles. Fran apenas repicou o cabelo e fez as unhas.

 Voltamos para casa encontrar o Leon para irmos almoçar num restaurante fora. Depois disso voltamos para casa, ficamos vendo um filme e Fran subiu para tomar um banho.

 Leon: Diego me ligou. Rastreamos a casa do cara.

 Violetta: Então vamos. Se seu ombro estiver melhor, é claro. –disse deitada em seu colo no sofá.

 Leon: Eu estou ótimo. E Diego está vindo de Nova York. Chega ás 19h. Eu vou busca-lo no aeroporto. 

 Violetta: Fran não gosta quando toco no assunto Diego. Parece que rolava algum clima entre os dois...

 Leon: Diego estava alucinado com a Fran. Ele a achava perfeita demais para ser real. Ela ficou distante dele depois que ela perdeu a memória e ele sofreu bastante.

 Violetta: Eu não sabia disso.

 Leon: Aconteceram muitas coisas. Fran não deve ter tido tempo de contar, mas... No dia em que ela perdeu a memória, os dois haviam se beijado em cima da árvore.

 Violetta: E apagamos a memória dele... Me sinto mal agora. Deve ter um jeito...

 Leon: Ei! Relaxa. –ele beijou minha testa- Se os dois são tão perfeitos um para o outro, os dois vão se conhecer de novo e toda a história vai se repetir.

 Sorrimos e eu então vi Fran paralisada na escada. O que ela havia escutado?! Ela colocou a mão na boca e se agachou na escada, chorando. Corri até ela.

 Violetta: Fran... Fran... Me fala o que está acontecendo...

 Fran: Eu nunca me lembrei desse beijo... Eu nunca me lembrei da minha proximidade com Diego... E eu mesma apaguei sua memória... Agora entendo tudo...

 Violetta: Vai ficar tudo bem.

 Fran: Ele me implorou chorando para que eu não o fizesse esquecer-se da melhor época da vida dele, porque eu estava com ali ao seu lado, mas eu achei que era só mentiras e eu apaguei a memória dele a sangue frio...

 Violetta: Você não sabia. Não foi sua culpa. Agora nem um dos dois lembra. Então podem recomeçar. –a abracei.

 Fran: Eu me odeio.

 Violetta: Você devia me odiar. Por minha culpa você caiu por minha culpa você perdeu a memória e é por minha culpa que você nunca lembrou-se de Diego...

 Fran: Não... Não... Eu só quero que isso tudo seja um pesadelo para que eu acorde e tudo volte a ser bom como naqueles dias...

 Violetta: Eu também quis isso por muitos dias, mas desisti porque não posso voltar no tempo, mas posso criar novos momentos bons. Prometo que as coisas vão melhorar.


Notas Finais


Não deixem de comentar, é muito importante para mim.


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...