História The start, end and the restart - Capítulo 6


Escrita por: ~

Postado
Categorias Originais
Personagens Personagens Originais
Tags Drama, Romance, Yaoi
Visualizações 19
Palavras 1.114
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Drama (Tragédia), Escolar, Romance e Novela, Yaoi
Avisos: Estupro, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Mutilação, Nudez, Suicídio
Aviso legal
Todos os personagens desta história são de minha propriedade intelectual.

Capítulo 6 - The Restart- cap. 06


Fanfic / Fanfiction The start, end and the restart - Capítulo 6 - The Restart- cap. 06

5 Anos Depois 

DANIEL

Já se passaram 5 longos anos desde que eu perdi aquele quem eu mais amei, depois de sair daquele velório,  eu fui para o Japão, depois comecei a trabalhar na Europa e  em cerca de 1 ano eu me tornei o melhor fotografo, o pai de Marcus se demonstrava sempre orgulho de meu trabalho, e agora eu voltei para essa cidade em busca de alguém que sirva de modelo para um comercial de produtos para pele, o dono da agencia que vendia os produtos, não gostara de nenhum de nossos modelos.

Assim que cheguei a essa cidade, o peso da morte de Luiz recaiu novamente sobre meus ombros, eu chorei a noite toda, porem hoje eu de manha eu decidi, ir a uma floricultura comprar um  buque de rosas vermelhas, e depois de todo esse tempo, conhecer o tumulo onde o "corpo" dele esta enterrado.

Na floricultura eu não demorei muito para achar o buque perfeito, e então segui caminho com minha moto, para o cemitério, assim que desci e entrei, um arrepio doce subiu pela minha espinha, era uma sensação boa, de alguma forma. Procurei entre as lapides presa na grama verde, o local certo, não demorei a achar, depositei com cuidado as flores ali, e rezei, para que onde quer que ele esteja, que fique bem. Minhas preces foi interrompida por um choro agudo e sofrido, vindo de algum canto mais afrente de onde eu estava, e por curiosidade, segui o som.

Me deparei com algo que vou demorar tempo para esquecer. Um pessoa, estava se auto enterrando, na para ser mais assertivo, um menino de cabelos loiros, quase brancos, e pele bem clara e suja de terra e grama, estava cavando um dos túmulos do local, o buraco já era grande  suficiente para que, de joelhos, somente seus ombros, pescoço e cabeça ficassem para fora, me pergunto como ninguém o viu ainda.

Segui ate ele, notando seu choro desesperado, ele parecia machucado, suas roupas estavam rasgadas, e estava sujo de grama e terra, ele estava de costas então não me viu chegar, ele parecia em transe com a própria dor e a sua própria loucura.

- Ei!- chamei sua atenção, ele parou o que fazia, mas não me olhou.- Você não pode fazer isso, saia dai!

- M-Me deixa em pa-az!- sua voz era fraca e doía.

- Vamos, saia dai!- me aproximei.

Toquei seu ombro e o mesmo se afastou e pela primeira vez, ele me olhou no rosto, seus olhos estavam vermelhos e inchados, eram azuis, seus lábios estavam cortados e sujos de terra, seu rosto esta sujo de terra.

Saia de perto de mim!!!​- Ele gritou. -​ Eu quero morrer, e ficar com a minha mae! me deixa em paz!.

 ​Assim que ele parou de gritar, caiu em um choro intenso e profundo, me aproximei mais do buraco, e me abaixei, com algum esforço, segurei seus braços e com força o tirei do local onde estava, ele era pequeno,  magro, muito magro, suas roupas rasgadas, revelavam as marcas de agressão,  ele tremia e eu tive medo de solta-lo e o mesmo cair no chão. Ele começou a socar meu peito, porem sua força era, quase, nenhuma, então não machucava.

-S-Saia daqui! P-Porque não me deixa morrer?- ele tentava falar enquanto chorava e se debatia.

-Venhas, Vamos sair daqui!- Falei calmo.

Isso pareceu desperta-lo, ele começou a gritar e a tentar se soltar, ele falava coisas como, " Eu quero ficar com a minha mãe!", "me deixa morrer!", e se debatia cada vez mais. Eu sei que eu poderia de feito varias coisas para acalma-lo, mas nenhuma me pareceu mais eficiente do que beija-lo.

Segurei seu rosto,  e tomei seus lábios, era um beijo com gosto de lagrimas e terra, aos pouco eu senti a crise em que ele estava ir se dissolvendo, e ele aceitando ao toque, uma de minhas mãos estava em seus cabelos, e a outra abraçava sua cintura, a suas mãos, que notei serem bem pequenas, uma segurou meu braço e outra segurou a barra da minha blusa.

Quando me afastei, ele apenas abaixou a cabeça a encostando em meu peito, chorando bem baixinho desta vez, suas mãozinhas seguravam a minha camisa, ele parecia frágil, e por um momento, ele quase despencou para o chão, e antes que isso de fato ocorresse, eu o peguei no colo.

-Só não deixe ele me pegar por favor.- o menino me olhou, de forma machucada. - Eu estou com medo!

_Não se preocupe. - falei. - Vou te levar para um lugar seguro, so me diz, qual é seu nome?

- Luka.

O levei ate a casa que seria, minha e de Luiz, era o local mais perto, e eu precisava ser rápido, já que o menino chamado Luka, havia desmaiado em meu colo e eu não podia por ele na moto. Sorte que eu sempre andava com as chaves daquela casa no bolso.

Assim que entrei, impedi que a tristeza me assolasse , e depositei com cuidado o garoto na cama, naquela casa, havia algumas roupas de Luiz, que eu tinha trazido para a casa, subi e peguei uma blusa e uma calça qualquer, ver aquelas roupas me fez derramar algumas lagrimas, mas logo as segurei.

Peguei um  pano úmido,   e retirei a blusa rasgada e a calça de Luka, e comecei a retirar a terra que estava grudada em sua pele. pouco a pouco, hematomas e mais hematomas foram aparecendo, aquele garoto deveria sofrer algum tipo de abuso intemso, seu corpo, em poucos lugares era possível ver a pele branca,  que estava em vermelho queimado, provavelmente pelas horas que ele passou embaixo do sol cavando aquele buraco, depois de limpa-lo, vesti aquelas roupas nele, notando que mesmo sendo as roupas de Luiz, que já era magro, ficavam largas em Luka.

O deixei no sofá mesmo, e fui comprar coisas para comer, quando voltei, ele estava na mesma posição, fui para a cozinha e comecei a preparar uma macarronada. quando estava quase tudo pronto, tentei acorda-lo, sacudindo-o de leve. Luka abriu os olhos de leve, assustado, e se senou no sofá, olhando as coisas ao redor.

-Quem é você? e porque me tirou de la?- ele perguntou.

-Meu nome é Daniel, e eu não sei por que estou te ajudando.- fui sincero.- Eu fiz comida, venha comer.

O ajudei a levantar, e o levei para a cozinha, ele parecia hipnotizado pelo cheiro da comida.

- Eu realmente posso comer?

- É claro que pode! 

Ele começou a comer de forma afobada, o observei comendo, ele era uma graça.

- Porque me observa tanto? - ele perguntou.

Apenas sorri, e comecei a comer.


Notas Finais


:)


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...