História The Story Of Us: Emison - Capítulo 19


Escrita por: ~

Postado
Categorias Pretty Little Liars
Personagens Alison DiLaurentis, Emily Fields
Tags Alison Dilaurentis, Emily Fields, Emison
Exibições 513
Palavras 2.302
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 16 ANOS
Gêneros: Romance e Novela

Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas da Autora


150 FAVES OBRIGADO!!!

Capítulo 19 - Cold Water.


Fanfic / Fanfiction The Story Of Us: Emison - Capítulo 19 - Cold Water.

—Seu cabelo cheira a cloro. —Ouço Talia murmura nos meus lábios enquanto abro a sua blusa ao mesmo tempo que quase como num flash a única coisa que eu consigo ter minha mente é Alison falando sobre cloro, era como se aquela fosse a única lembrança que eu tinha.

—Eu não posso fazer isso. —Digo-lhe no mesmo segundo que tiro a mão de Talia do meu rosto e me empurro para trás me afastando dela. —Deus, o que estou fazendo. —Falo a mim mesma enquanto me levanto.

—Emily, está tudo bem. —Ouço Talia falar me fazendo olha-la.

—Eu preciso ir embora. —Digo-lhe fazendo ela se levantar ficando na minha frente.

—Não, eu não vou deixa-la dirigir assim, nem que eu tenha que a prender aqui. —Talia diz enquanto eu me curvava para pegar minha T-shirt jogada sobre o sofá oposto. —Senta-se e você pode ficar até está melhor para dirigir. —A ouço falar enquanto vestia minha blusa, eu nem sabia ao certo o que deveria fazer, então tudo que eu fiz foi me sentar no sofá e ficar lá olhando para o chão enquanto pensava o que diabos eu tinha feito, o porque eu tinha vindo até aqui e se Alison iria me entender, aliás o que eu realmente diria a ela?

(...)

Antes mesmo de abrir os olhos a primeira coisa que sinto é uma dor no corpo horrível, e então no segundo seguinte ao abrir meus olhos a imagem que vejo é Talia dormindo sentada numa poltrona quase que no meu lado, fazendo eu erguer meu corpo para então me dá conta que eu estava deitada no sofá dela, e única coisa que eu conseguia lembrar agora era dá gente se beijando enquanto eu tirava minha T-shirt.

Eu levo poucos segundos para me dá conta que tinha que sair dali e então procuro sem ao menos me mexer pelas minhas chaves e principalmente pelas chaves de Talia. Enquanto eu desço as escadas que davam acesso ao The Brew a única coisa que estava pensando era o que eu tinha feito? O que porra eu estava pensando quando fui para cama com ela?

(...)

Ao entrar no quarto, depois de ter passado um bom tempo sentada na sala no escuro, eu vejo Alison abraçada a Olivia na nossa cama, ambas pareciam estar dormindo, eu caminho em silencio até o lado oposto aonde Olivia estava para então me sentar na beira da cama ao lado dos quadris de Alison tentando não fazer barulho algum enquanto não sabia exatamente o que fazer, eu talvez poderia apenas ficar sentada ali e tentar esquecer tudo isso ao mesmo tempo que tentava não olhar para o chão porque parecia que até ele estava me julgando nesse momento.

—Eu pensei que você não iria mais voltar. —Ouço Alison dizer ainda de costa me assustando antes que pudesse vê-la ainda de costas, fazendo eu me questionar se realmente tinha ouvido aquilo e no segundo seguinte ela se mexe na cama mudando a posição e ficando de peito para cima, me fazendo apenas ficar a olhando sem saber o que dizer. Então ela se levanta sentando na cama e me abraça quase que imediatamente. Nesse momento tudo que eu queria era ficar ali com ela desse jeito não importa por quanto tempo fosse.

—Ali... —Sussurro.

—Desculpe-me Em. —A ouço falar baixinho provavelmente para não acorda Olivia. —Por ter falado daquele jeito, por não ter sido a melhor companhia nos últimos meses e por ter mentindo por você. —Ela fala em seguida ainda com os braços envolta do meu pescoço. —Eu tenho me sentindo tão insegura e eu sei que isso é exclusivamente culpa minha... —Ela tenta dizer.

—Alison eu... —Tento interrompe-la.

—Não, escuta-me em primeiro lugar, por favor. —Ela diz ao mesmo tempo que se afasta para me olhar. —Eu sei que as coisas entre nós não têm sido fáceis, e que você deve estar tão cansada quanto eu me sinto com essas discussões sem fins, e eu sei que eu não posso mudar o que aconteceu, mas eu amo você Em, tudo que tenho feito durante o último ano é tentar achar uma forma para você me perdoa. —Alison fala em seguida antes de pôr a mão direita no meu rosto. —Apenas me diga que você pode tentar me perdoar e tudo será diferente. —A ouço falar enquanto abaixo a cabeça.

—Ali, essa coisa toda do Noel... —Tento mais uma vez falar a ela como eu já tinha perdoado pela coisa toda com Noel, e que esse nunca tinha sido o ponto.

—Não, só por isso, por tudo, me diga como você se senti. —A ouço dizer enquanto sinto ela levantar meu rosto para olha-la. —Nós podemos consultar um terapeuta, fazer terapia de casal, eu não me importo, me dê uma apenas uma chance de tentar concerta isso. —Alison fala quase como se fosse um sussurro antes de nós duas instantaneamente virarmos para olhar Olivia ao senti-la se mexer na cama.

—O que ela está fazendo aqui? —Pergunto a Alison baixinho enquanto continuava olhando para nossa filha dormindo.

—Ela quis esperar por você aqui e acabou dormindo. —A ouço responder no mesmo tom de voz logo em seguida. —Eu vou leva-la para o seu quarto. —Ela diz ao mesmo tempo que sinto agora ela se mexer na cama me fazendo olha-la sair da cama apenas com a minha T-shirt branca a qual ela tinha manchado de tinta a algumas semanas atrás enquanto pitávamos o quarto de hospede. —Me espera? —Ela pergunta me fazendo assentir antes de vê-la rodar a cama para então ir até Olivia a pegando no colo com todo cuidado possível para sair do quarto.

*POV ALISON

Eu tinha ficado apenas alguns minutos observando Olivia para me certificar que ela ainda estava dormindo tão bem quanto estava antes de eu traze-la, e então ao voltar para o quarto novamente Emily não estava mais lá e depois de procura-la no banheiro e no closet eu tinha finalmente me dado conta que eu deveria descer para a procurar.  

Eu me encosto na entrada da cozinha assim que vejo Emily sentada perto do balcão ilha de costas para porta, então eu fico em silencio a olhando enquanto pensava no quão sortuda eu era por tê-la, e embora o ciclo natural que as pessoas esperassem de nós fosse que eu a magoasse de alguma forma, já que ter relacionamentos sem perspectiva alguma estava no DNA DiLaurentis, eu tinha tentado de todas maneiras não fazer isso, e iria continuar a fazer.

—Desculpa não ter lhe esperado no quarto. —Ouço Emily falar fazendo com que eu levantasse a cabeça quase que imediatamente para vê-la sentada ainda no mesmo lugar, mas agora de frente para entrada, ou melhor para mim.

—Tudo bem. —Respondo sorrindo. —Você está com fome? Eu posso lhe fazer um sanduiche. —Digo-lhe ao mesmo tempo que entro na cozinha para ir até a geladeira.

—Não, na verdade não. —Ouço ela responder enquanto abro a geladeira e fico olhando como se me perguntasse o que deveria pegar lá de dentro já que ela não estava com fome. —Você me disse para falar como eu me sinto. —Emily diz em seguida ao mesmo tempo que fecho a geladeira.

—Sim. —Falo, ao me virar para ela como se o comentário anterior dela tivesse sido uma pergunta, notando pela primeira vez a garrafa de cerveja sobre o balcão ilha, antes de caminhar até ela.

—Eu acho que tudo pode ser resumir em o quanto eu sinto falta de você. —Ela diz em seguida quando já estou em frente a ela que continuava sentada. —Não só como minha mulher, mas como minha melhor amiga, eu queria poder conversar não só sobre negócios ou em qual dia da semana eu vou levar Olivia para escola ou se posso dá sorvete a ela, eu queria conversar sobre qualquer coisa como se a vida não tivesse ficado séria o bastante para a gente não ter outros assuntos além de trabalho. —Emily fala antes de dá um longo suspiro e olhar para baixo.  —E sinto falta de como você, e nós, éramos antes da coisa toda do ano passado, porque parece que você mesma não se perdoou por isso, e então não basta eu ter a perdoado. —Ela tenta dizer ainda olhando para o chão.

—Às vezes você fala como se não tivesse. —A interrompo a fazendo levantar a cabeça no mesmo segundo para me olhar.

—Eu a perdoei Ali, mas isso não quer dizer que eu esqueci, as vezes por um segundo a gente passa a pensar apenas na gente, sem ligar para as consequências que isso vai causa nas pessoas que amamos, mas isso não quer dizer que as amamos menos. —Ela diz em seguida, como se tivesse se sentindo mal o bastante para começar a chorar a qualquer momento. —E eu só quero esquecer tudo que aconteceu hoje e poder nos dá uma nova chance. —Emily fala ao mesmo tempo que se levanta e coloca a mão sobre a minha que estava em cima do balcão ilha a poucos centímetros da cerveja.

—Não importa o que aconteça, eu sempre vou ser sua melhor amiga Em. —Falo antes de vê-la dá um passo na minha direção colocando mão direita no meu rosto e para então vê-la aproximar o rosto devagar para me beijar enquanto sinto ela envolver o braço livre em torno do meu corpo o abraçando.

(...)

—Você estava aonde? — Pergunto enquanto abro os botões do seu jeans, e ela beija meu pescoço, eu não poderia ajuda-me a não pergunta isso me baseando no quão eu ainda sentia a boca dela amarga do caminho todo da cozinha até aqui, no nosso quarto, isso só podia dizer que ela aquela cerveja não tinha sido a única que ela havia bebido hoje.

—Com Marco. —Ela diz ao mesmo tempo que para de beijar o meu pescoço e então puxa a bainha da blusa dela que vestia para cima me deixando só de calcinha antes de me deitar na cama atrás de mim lentamente enquanto me olhava como se nada no mundo pudesse tirar a atenção dela de mim naquele momento.

(...)

A única coisa que conseguia ouvir esse momento era o som do celular tocando como se tivesse cada vez mais perto, e mais perto, até que fica alto o bastante para ser a única coisa a ser ouvida, e então eu finalmente compreendo que estava despertando e antes mesmo de abrir os olhos eu começo a passar a mão pela cama por onde eu achava que estava vindo a melodia, numa busca a cegas para finalmente encontra-lo debaixo do travesseiro.

Ao mesmo tempo que tento mexer ao abrir olhos para ver tela sinto quase que imediatamente o meu corpo sendo puxado para trás, me fazendo perceber pela primeira vez naquele espeço de tempo que Emily estava abraçada a mim e então antes que eu pudesse pensar em qualquer outra coisa mais, o celular começar a vibrar na minha mão e no segundo seguinte a tocar.

—Alô. —Falo baixo ao atender a ligação, não sabendo exatamente quem era, já que eu tinha atendido o mais rápido o possível para não acorda Emily.

—Ali, bom dia. —Ouço Hanna dizer aparentemente animada e parecendo que já estava acordada a horas. —Que horas vocês vêm deixar a Olivia? Eu já estou esperando. —E ela pergunta em seguida antes que eu pudesse responder ao seu cumprimento.

—O que? —Pergunto ao mesmo tempo que tento entender porque eu levaria minha filha para o apartamento de Hanna. —Ah, sim Hanna, eu não sei se eu e Emily.... —Tento falar baixinho.

—Alison, você prometeu. —Hanna fala do outro lado da linha alto o bastante para mim ter que afastar um pouco o celular do ouvido.

—Hanna, a gente não comprou as passagens, e não se planejou. —Digo-lhe como se fosse óbvio.

—Para isso existe uma viagem de duas horas e meia maravilhosas de carro até Nova York, então comece a arrumar as malas que vocês chegam a tempo de convidar Aria e Ezra para almoçar, eu espero vocês trazem Olivia em uma hora, tchau. —Ela diz rápido como se já tivesse traçado todo aquele plano, e então antes que pudesse a contestar, ela encerra a ligação me fazendo afastar o celular da orelha e empurra-lo debaixo do meu travesseiro tentando não me mexer.

—O que Hanna queria? —Ouço Emily pergunta me fazendo olha-la por cima do ombro para vê-la ainda de olhos fechados enquanto continuava me abraçando.

—Você está acordada a quanto tempo? —Pergunto virando-me para ficar de frente com ela.

—Hanna não fala, ela grita. —Ela responde sorrindo de olhos fechados antes de aconchega-se ainda mais o corpo no meu colocando seu o rosto contra minha clavícula, me fazendo ficar em silencio por alguns segundos enquanto sorri para mim mesma, eu poderia ficar assim com ela por uma eternidade.

—Você quer viajar comigo de carro até Nova York? —Pergunto fazendo ela levantar o rosto para me olhar quase que imediatamente ao ouvir.

—Você odeia viajar de carro para Nova York. —Ela fala me olhando, ok isso era verdade afinal passar quase três horas de tempo dentro de um carro era a coisa mais frustrante que eu tinha passado durante toda a minha infância indo e voltando quase todos os fins de semana com a minha filha.

—Eu não odeio quando é com você. —Respondo sendo totalmente sincera. —E bem, isso é parte da mudança que teremos, tudo que disse ontem não era apenas promessa. —Falo a fazendo sorri e então beijar meu queixo. —Você aceita passar um final de semana inteiro comigo na melhor cidade do mundo? —Pergunto-lhe mais uma vez antes de vê-la assentir e então me beijar enquanto sua mão começava a vagar por dentro da minha T-Shirt, ok, acho que Hanna teria que esperar mais do que uma hora por Olivia. 


Notas Finais


Gente que polemica foi aquela nos comentários do capitulo anterior, eu ri tanto deles. Mas, bem eu quero dizer as pessoas que sempre me pedem para postar mais capitulo por semana que eu estou me organizando e em breve pretendo fazer tipo uma maratona como foi sugerido por alguém nos comentários do capitulo anterior porque pretendo terminar essa fic até o fim desse mês, então @Rafaello me desculpa e não desiste de mim akmskahkkkkk

Mas, mudando de assunto me digam o que acharam do capitulo nos comentários, será que Emily vai contar para Alison sobre ter pegado a Talia durante essa a viagem?


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...