História The Story Of Us: Emison - Capítulo 20


Escrita por: ~

Postado
Categorias Pretty Little Liars
Personagens Alison DiLaurentis, Emily Fields
Tags Alison Dilaurentis, Emily Fields, Emison
Exibições 590
Palavras 3.439
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 16 ANOS
Gêneros: Romance e Novela

Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Capítulo 20 - Body Say.


Fanfic / Fanfiction The Story Of Us: Emison - Capítulo 20 - Body Say.

—Seja boa, ok? E principalmente divirta-se. —Digo a Olivia enquanto me abaixo para ficar a sua altura.

—Eu vou ser mamãe. —A ouço responder no momento que eu a abraço o mais forte que eu posso nesse momento, antes de finalmente solta-la.

—Hanna, nos ligue não importa a hora ou que for. —Escuto Emily avisar. —Você sabe os números da minha mãe e eu já falei com ela por isso se você precisar de qualquer coisa por favor ligue. —Ela diz em seguida informando o nosso plano B, caso Hanna se atrapalhasse aos cuidados de Olivia, afinal elas nunca tinham passado tanto tempo a sós juntas.

—Eu já tinha entendi da primeira vez. —Hanna informa se referindo a Emily está repetindo aquilo. —Por tanto divirtam-se e tragam presentes. —Ela diz ao mesmo tempo que vejo Em abraçar Olivia pela terceira vez seguida desde que começamos a nos despedir. —Vamos levar vocês até o elevador. —Ela fala passando por nós para ir até a porta do seu apartamento a abrindo, eu e Emily nos entreolhamos antes de segui-la. —Não se preocupe, nós não vamos ligar. —Hanna fala antecedentemente que a porta do elevador se fechasse por completa com nós dentro no mesmo tempo que eu vejo Olivia dá tchau.

—Se você quiser nós não precisamos ir. —Emily fala ao meu lado quando o elevador começa a descer eu a olho quase que no segundo seguinte em questionamento. —Ela irá cuida bem da Olivia, não se preocupe. —Ela fala em seguida como se quisesse me tranquilizar.

—Eu não estou preocupada com Olivia, e sim com Hanna. —Digo-lhe ainda a olhando a fazendo ri provavelmente por também conhecer a filha que tem. —Mas, de qualquer forma foi ela que pediu, portanto nada pode estragar nossa breve viagem. —Falo em seguida, eu nem me lembrava quando tinha sido a última vez que havíamos viajado sozinhas, sem ser viagem de trabalho.

—As chaves. —Emily diz ao saímos do elevador.

—É meu carro, eu dirijo. —Falo passando por ela para seguir até o nosso carro no estacionamento no subsolo do prédio. —Nesse caso eu acho melhor você colocar o cinto de segurança. —Aviso brincando ao vê-la rodar o carro para o lado de motorista.

Emily ficou acordada e falante até chegarmos na Filadélfia e então nas duas horas e meia que se seguiram até Nova York ela adormeceu por várias vezes seguida me fazendo apenas olha-la e sorri fingindo que eu não tinha percebido que ela havia dormido durante eu está falando com ela.

(...)

—O que você está fazendo? —Emily pergunta enquanto que eu procuro o número de Aria na agenda do meu celular.

—Eu estou procurando o número de Aria. —Digo a olhando por cima do ombro a vendo de roupão enxugando o cabelo com uma toalha perto da porta do banheiro. —Eu sei que acabamos de chegar, mas quero convida-la para almoçar. —Falo ao voltar a observar a tela do meu celular sentindo quase que imediatamente Emily beija meu pescoço me abraçando por trás.

—Ou, nós podemos passar esse final de semana só eu e você —Ela sussurra antes de beijar meu ombro. —O que você acha? —A ouço perguntar apoiando agora o queixo no meu ombro, olho para o celular uma última vez e o deixa em cima da mesinha de cabeceira virando-me de frente para ela.

—Eu acho uma ótima ideia. —Digo colocando ambos os meus braços em torno do seu pescoço a beijando no mesmo momento que a empurro para trás a fazendo cair na cama carregando-me em cima dela e então ela tira meu robe sem parar de me beijar antes de a sentir começar a acariciar minhas costas suavemente para baixo até a minha bunda nua.

Eu quase que silenciosamente ouvi-me gemer na sua boca quando a senti aperta a minha bunda e assim eu me afasto e fico de joelhos na cama buscando por ar, no segundo seguinte começo a desamarrar o roupão dela que ainda estava deitada sorrindo fazendo com que eu apenas subisse sobre ela novamente a beijando durante isso uma das minhas mãos vão até seus seios nus para massageá-los a ouvindo suspirar antes de senti-la rolar para entrar-se sobre mim, para em seguida se afasta-se ficando me olhando enquanto apoiava-se com uma das mãos sobre o colchão ao mesmo tempo que com a outra acaricia meu rosto parecendo prestar atenção em cada detalhe do meu corpo como se quisesse memorizar aquele momento.

—Em? —A chamo.

—Deus, eu amo tanto você. —Emily fala passando o polegar na minha boca lentamente como se tivesse acabado de se dá conta disso e antes que pudesse falar qualquer coisa ela me beija novamente e novamente pelos minutos seguintes.

Seus lábios deixam minha boca para dá chupões no meu pescoço e assim em seguida na minha garganta até meus seios o chupando antes de passar a língua em torno dos meus mamilos o mordendo de leve, enquanto tudo que eu conseguia ouvir nesse momento era meus suspiros começarem a se tornar gemidos, eu ergo meu corpo para cima para encontrar o dela

—Em... —Me ouço a chamar sentindo seus lábios seus lábios quentes no meu estômago até meu umbigo e, em seguida nas minhas coxas me fazendo automaticamente fechas os olhos no instante que ela separa minhas pernas as colocando sobre o ombro durante as suas mãos param em cada lado do meu quadril antes de sentir mergulhar sua língua dentro de mim sem qualquer aviso.  —Aaah... —É tudo que eu consigo dizer quando sinto uma sensação que me fazia incapaz de formar um pensamento por sequer, eu agarro sua cabeça para incentiva-la a ir mais rápido e fundo. —Ohh.... —Eu não posso me ajudar a não gritar minutos depois quando ela começa a mergulhar a língua mais rápido, e em seguida, mais e mais rápido.

Eu engasgo quando tudo que podia sentir era um prazer sucumbir todo o meu corpo, Emily sobe nua novamente sobre mim me beijando outra vez no mesmo momento que a sinto tocar minhas pernas as levantando levemente pedindo para que eu as envolvesse-se em torno da sua cintura enquanto ela começa a se mover em cima de mim.

Minhas mãos vãos para ambos os lados do seu pescoço para beija-la ainda mais, ao mesmo tempo que percebo suas mãos nos meus quadris à medida que ela começa a movesse mais rápido em cima de mim. A ouço gemer na minha boca quando o prazer começou a domina-la, eu abro meus olhos quando ela afasta a boca da minha para vê-la já me olhando enquanto minhas mãos continuavam firmemente no seu pescoço e minhas pernas em volta do seu quadril.

—Amor... —Ela solta docemente se tirar os olhos do meu enquanto se move mais e mais rápido tentando chegar ao clímax. Ela me beija-me forte quando meu corpo começa a movesse junto ao dela. —Ah...—A ouço gemer nos meus lábios antes de eu tirar minhas mãos do seu pescoço para abraça-la no momento que sua boca sai da minha para ir até meu ombro esquerdo enquanto percebo ela diminuir os movimentos parecendo ofegante no segundo que seu corpo fica molhe sobre o meu.

Ficamos assim em silencio escutando uma a outra tentar recuperar o folego por algum tempo antes de senti-la beijar meu ombro e então levantar o rosto aparentemente para me olhar.

—Eu amo você. —Emily repete novamente me fazendo sorri. —E eu me sinto sortuda por me lembrar que eu me apaixono pelo meu primeiro amor todos os dias, eu sempre soube que era você, mesmo quando eu namorei outras garotas. —Ela diz me fazendo revirar os olhos ao lembrar da sua grande lista de ex-namoradas. — Eu sempre procurei algo em todas que eu só consigo encontrar em você, e não importa o que aconteça você sabe, o meu coração sabe, que sempre será você. —A escuto falar em seguida enquanto eu prestava atenção em cada palavra.

—Em eu.... —Tento falar.

—Não precisa falar nada, eu só quero que você se lembre disso. —Emily me interrompe antes de me beijar.

*POV EMILY

Eu nem sabia que horas eram, e tudo que eu estava fazendo era assistir as luzes de Nova York que nunca se apagavam na varanda do apartamento, a minha cabeça parecia está ainda mais em caos que a cidade lá fora e eu estava me sentindo tão culpada que estou evitando até de pensar para não alto me julgar.

—Você não consegue dormir? —Escuto Alison falar me fazendo instantaneamente me virar para vê-la encostada na grande porta da varanda com um lençol em rolado em volta do corpo sorrindo. —São quase quatro da manhã. —Ela adiciona em seguida. —No que você está pensando? —A ouço me questionar enquanto caminha até mim.

—Na Olivia. —Respondo, aquilo não era totalmente mentira, já que ela tinha sido um dos meus pensamentos constantes desde que eu vim parar aqui a algumas horas atrás.

—Em, não se preocupe ela está bem. —Ali fala antes de sorri já a minha frente.

—Eu sei. —Digo-lhe ao pôr meu braço por cima do seu ombro para puxa-la em um abraço ao mesmo tempo que ela segura o lençol com uma das mãos, enquanto envolve o outro braço na minha cintura encostando a cabeça na minha clavícula me fazendo beijar sua cabeça. —Prometa-me que nunca vai afastar Olivia de mim, não importa que há entre nós duas. —Pergunto-lhe fazendo aquilo parecer mais uma suplica que uma simples pergunta.

—Em, por que você está me perguntando isso? —Alison fala no momento que levanta o rosto para me olhar. —Eu nunca faria isso, nem com você e nem com Olivia, ela não é minha Em, ela é nossa. —Ela completa me olhando sério como se estivesse tentando entender aquilo.

—Eu te amo tanto, Ali. —Digo a fazendo sorri. —Eu não sei se ainda posso viver sem você e Olivia na minha vida. —Murmuro em seguida.

—Você não precisa pensar nisso, porque eu nunca vou te deixar saber. —Ela sussurra sorrindo como se estivesse brincando ao dizer aquilo, embora eu soubesse que era verdade. —Você precisa descansar, vem. —A ouço falar antes de desvencilhar de mim para me puxar até a porta da varanda.

(...)

Embora eu tenha me deitado com Alison eu estava acordada por horas, eu simplesmente não conseguia dormir, eu sabia que deveria ter contado a ela sobre o que aconteceu desde o momento que eu cheguei em casa noite passada. Eu mudo minha posição para olha-la deitada ao meu lado dormindo o seu peito mexam-se uniformemente para dentro e para fora medida que ela respira.

E então ela agita-se na cama mudando-se de posição ficando de frente para mim, por um segundo eu achei que ela havia acordado, eu puxo o lençol para cobrir seu peito nu antes de pôr minha mão direita no seu rosto e acaricia-lo lentamente imaginando como ela reagiria, e se eu deveria falar ou não sobre aquilo para ela.

(...)

Eu acordei na manhã seguinte sem Alison ao meu lado, eu a tinha procurado por todo o apartamento, que não era tão grande assim, e então voltado para cama enquanto imaginava a onde ela poderia ter ido as oito da manhã se eu ao menos não tivesse esquecido o meu celular, ou melhor se eu ao menos lembrasse do número do seu celular eu poderia ligar do telefone do apartamento para ela.

—Oh, você deveria estar dormindo para isso realmente funcionar. —Ouço Alison falar me fazendo levantar a cabeça o mais rápido que eu posso para vê-la entrar no quarto com uma bandeja na mão.

—A onde você estava? —Pergunto no momento que ela se senta e coloca a bandeja entre nós sobre a cama se inclinando para me dá um rápido selinho.

—Eu fui a cafeteria, e se eu não tivesse parado para tomar um cappuccino eu iria chegar e você ainda estaria dormindo e esse momento seria tão romântico como eu imaginei. —Alison respondo sorrindo me fazendo olhar para bandeja a nossa frente.

—Na verdade eu acordei há algum tempo, você fez isso? —Pergunto olhando para panquecas com banana e aparentemente mel por cima e então levanto a cabeça para olha-la outra vez.

—Não, eu comprei, mas eu arrumei o prato e retirei o cappuccino do copo de papel para colocá-lo na xicara. — Ela diz me fazendo ri, ok, eu amava Nova York pelo simples motivo de você poder comprar panquecas em qualquer lugar que fosse.

—Você fez um ótimo trabalho. —Digo orgulhosa, por ela ter feito aquilo.

—Bem então coma. —Ela fala em seguida. —Liguei para Hanna e está tudo bem com Olivia, e ela me disse que Aria tento te ligar e eu disse a ela que você esqueceu seu celular. —A ouço falar enquanto pego o prato de panquecas, eu tinha tomado café enquanto a ouvia falar quase sem parar e bem, eu amava isso, a amava falante e sociável pois essa era a Alison que eu conhecia e por quem eu me apaixonei.

—Eu deveria ter me lembrado de pega-lo no meu carro antes de sairmos. —Digo-lhe ao mesmo tempo que ouvimos o celular dela começar a tocar a fazendo pega-lo do bolso do casaco e olhar a tela por alguns segundos antes de devolvê-lo para o mesmo lugar só que agora sem toque algum. —Quem é? —Pergunto antes de beber um gole de café da xicara.

—Noel. —A ouço responder instantaneamente olha-la em questionamento. —Beker me ligou avisando que ele ligou para ela perguntando se devia ir ao escritório ou não amanhã, e bem, é seu escritório e sua equipe então você decide. —Ela diz fazendo com que eu pensasse por alguns segundos.

—Ele é seu amigo e se ele está precisando... —Tento argumentar sobre o que ela tinha me explicado no dia anterior, não que eu tivesse me tornado uma grande fã de Noel, mas era melhor o ter no meu escritório que na cola da Alison em Rosewood.

—Se você quiser eu posso pedir há algum amigo para dá um cargo a ele. —Ali fala me interrompendo.

—Ali, está tudo bem, nós precisamos de um novo administrador o mais rápido o possível. —Falo. —E além disso é melhor tê-lo na minha equipe que corre o risco de ele trabalhar no escritório de Rosewood e ficar perto de você. —Digo a fazendo sorri por um instante.

—Tem certeza? —A ouço me questionar.

—Absoluta. —Respondo com a mais certeza possível.

—Ok, quando chegar em casa ao aviso, agora eu não quero falar mais de trabalho com você. —Ela diz antes de inclinasse parcialmente para me beijar rapidamente. —Apenas tome seu café da manhã agora. —A ouço murmurar como uma ordem.

 

(...)

—Eu separei alguns lugares que podemos ir. —Alison fala enquanto saí do banheiro, me fazendo pensar que durantes todos esses anos eu já tinha conhecido os principais pontos turísticos dessa cidade.  —Eu achei que podíamos fingir que não os conhecemos e depois convidamos Ezra e Aria para almoçar antes de voltarmos para Rosewood. —Ela fala em seguida.

—Ali nós não somos turistas. —Falo como se ela não soubesse enquanto caminho até ela. —Eu não quero dividir você hoje nem com Aria e muito menos com Nova York. —Digo enquanto ponho ambas as minhas mãos na sua cintura a fazendo automaticamente ri.

—E que nós iremos fazer? —Ali pergunta envolvendo os braços entorno do meu pescoço.

—Eu tenho algumas ideias. —Falo no momento que as minhas mãos saem da sua cintura e vão até a sua coxa a puxando para cima para eu então carrega-la.

—Em me ponha no chão. —Alison murmura nos meus lábios apertando as pernas em volta da minha cintura da forma mais firme que poderia, provavelmente com medo de cair enquanto caminho até a cama com ela no meu colo.

—Não se mova, senão eu irei deixa-la cair. —Murmuro segundos antes de me curvar lentamente para subir na cama com ela.

—Você é rude. —Ali diz rindo logo após eu afastar nossos lábios ao mesmo tempo que eu estou de quatro sobre ela.

—Eu sou? —Pergunto-lhe a fazendo assentir antes de eu começar a beijar seu pescoço.

—Em, não, eu irei ter marcas amanhã. —A escuto dizer enquanto chupo seu pescoço. —E todos iram achar que nós acabamos de fazer amor. —Ela adiciona em seguida.

—E daí? Então deixá-los saber. —Murmuro contra a pele do seu pescoço e então o mordendo.

—Emily. —A ouço falar ao mesmo tempo que a sinto golpear meu ombro.

—Aí! O que foi isso? —Digo-lhe me afastando minha boca do seu pescoço para olha-la debaixo de mim enquanto fingia que aquilo tinha doido, e então voltando a fazer a mesma coisa quando ela só ficou sorrindo da minha pergunta.

—Você é tão impertinente. —A ouço falar novamente como se tivesse se segurando para não ri. —Amor, pare com isso. —Ali diz novamente, mas ela não está fazendo esforço algum para mim parar. —Em, você quer ter um novo bebê? —A escuto pergunta segundos depois me fazendo afasta-se do pescoço dela o mais rápido que eu conseguia para olha-la.

—Você quer? —Eu a questiona-la para ter certeza que não era uma brincadeira, bem, Alison já tinha dito de diversas maneiras diferentes que um novo filho não fazia parte dos seus planos tão cedo.

—Sim, Olivia não se sentiria sozinha e bem, você as vezes parece querer tanto. —Alison responde séria, ela tinha razão eu queria ter outro bebê com ela mais do que qualquer coisa, mas ela tinha que querer aquilo pelos seus próprios motivos não só por mim ou Olivia.

—Eu quero isso mais que tudo, mas talvez déssemos conversar e planejar isso. —Respondo a fazendo sorri.

—Ok. —Alison diz ao mesmo tempo que põe a mão no meu pescoço para puxar minha cabeça me beijando.

(...)

Tínhamos passado o resto do dia na cama, e então decidido voltar para Rosewoood no fim do dia, durante toda a viagem Alison tinha dormido, e eu não poderia culpa-la disso já que ela mal havia feito isso nas últimas duas noites.

(...)

—Nós podemos pega-la e convidar sua mãe para jantar. —Alison diz enquanto entra no closet mais uma vez se referindo a Olivia enquanto eu a esperava já pronta sentada sobre a cama. —O que você acha? —Ela pergunta quase que gritando de dentro do closet.

—Nós podemos fazer o que você quiser. —Digo ao mesmo tempo que a vejo entrar no quarto novamente.

—Então nós podemos tomar café da manhã no clube amanhã. —Ela diz sorri enquanto me olha me fazendo ri sem graça e assentir. —Ok, que há de errado com você? —A ouço questionar colocando a mão na cintura seria.

—Nada. —Respondo o mais rápido que eu posso enquanto a vejo caminhar até mim.

—Você odeia tomar café no clube, Em eu sei quando há algo de errado com você. —Ela diz em seguida sentando ao meu lado, ok, eu não sabia nem o que havia de certo em mim agora, imagina de errado, e se eu pudesse apenas contar a ela?!

—Estou bem, só estou triste pelo fim de semana ter acabado. —Falo tentando soar convincente a fazendo me olhar por alguns segundo como se não acreditasse e então se levanta. —Você avisou a Hanna que nós já chegamos? —Pergunto antes que ela pudesse falar qualquer outra coisa enquanto que a vejo se olhar no espelho da cômoda.

—Não. —Ela diz de costas para mim. —Você tem certeza que não quer me dizer o que está te incomodando? Eu fiz alguma coisa? —Alison pergunta ao mesmo tempo que se vira para me olhar sem mexe-se do lugar.

—Não, é claro que não. —Falo no momento que me levanto dá cama. —Na verdade, eu fiz... —Digo, ok aquilo tinha saído quase que sem querer, e eu estava me sentindo tão culpada que eu sei que agora eu não seria mais capaz de parar de falar. —Eu beijei a Talia e.... —Tento falar.

—Em, a gente pode apenas esquecer isso? Eu não consigo sequer imaginar que ela te beijou porquê... —Alison fala parecendo não entender o que realmente eu estava dizendo.

—Não, eu a beijei Ali, eu estava com tanta raiva e tão magoada com você depois dá discussão que tivemos no escritório, que eu não sei, eu apenas fui até lá e aconteceu. —Confesso tão culpada quando alguém poderia se sentir. —E eu estava tão bêbada que eu passei horas até chegar em casa pensando que eu tinha ido para cama com ela. —Falo em seguida a fazendo me olhar parecendo totalmente sem reação e então no segundo seguinte ela olha para baixo, como se tivesse reunido foças para dizer qualquer coisa, e foi ali que eu soube que tinha a perdido.  


Notas Finais


Comentem o que acharam do capitulo, espero posta o próximo o mais rápido possível.

Gente, mas mudando de assunto depois de ver o Q&A sobre Emison que saiu ontem eu tive a confirmação que o mundo é de sashay e eu apenas vivo nele kasmkaskadkkkaksasjkkk o bom é que semana que vem tem mais um vídeo delas juntas, então eu tenho que continuar viva até lá.


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...