História The Story Of Us: Emison - Capítulo 25


Escrita por: ~

Postado
Categorias Pretty Little Liars
Personagens Alison DiLaurentis, Emily Fields
Tags Alison Dilaurentis, Emily Fields, Emison
Exibições 383
Palavras 4.271
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 16 ANOS
Gêneros: Romance e Novela

Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Capítulo 25 - Make Me (Cry)


Fanfic / Fanfiction The Story Of Us: Emison - Capítulo 25 - Make Me (Cry)

(...)

—Que bom que você veio hoje Sra. Fields, Marco tentou adiantar algumas coisas, mas você sabe que há coisas que só podem sair daqui se forem assinadas pela gerente principal. —Ouço Eva falar atrás de mim enquanto eu entrava na minha sala com uma caixa de papelão nas mãos.  — Mas, eu espero que você esteja melhor. —Escuto ela comentar em seguida. — Eu deixei os contratos pendentes para você assinar. —Eva fala enquanto rodo a mesa do meu escritório.

—Ok, eu vou ver o que eu faço. —Digo ao ver algumas pastas de arquivo suspenso bege sobre a minha mesa. —Eu preciso que você peça ao RH uma carta de demissão urgente no meu nome. —Falo em seguida a fazendo me olhar como se estivesse em dúvida se deveria perguntar algo ou não. —E não se preocupe, antes de sair eu irei deixar tudo organizado. —Comento tentando soar bem-humorada no momento que ponho a caixa sobre a mesa.

—Eu irei providencia isso agora mesmo. —Ela responde. —Você precisa de mais alguma coisa? —Eva me questionar em seguida.

—Só peça para toda a equipe vir a minha sala assim que possível, agora você pode ir. —Respondo puxando a minha cadeira giratória para trás antes de me sentar ao vê-la caminhar até a porta.

—Sra. Fields? —A ouço me chamar me fazendo levantar a cabeça e ver Eva segurando maçaneta com a porta entre aberta. —Vai ser por pouco tempo que você irá nos deixar, não é? —Ela pergunta parecendo realmente querer aquilo me fazendo sorri para ela por um breve momento.

—Eu não sei. —Respondo sendo sincera, ok, aquele nunca foi meu emprego dos sonhos, nunca foi algo que realmente quis fazer da minha vida, mas eu tinha feito amigos que pareciam mais uma família ali. —Prometo que quando eu souber, vocês serão os primeiros a saber, agora vamos voltar ao trabalho. —Concluo a vendo sorri antes de sair da sala.

Eu tinha me sentado e analisado os inúmeros contratos que tinham em minha mesa e tentado assinar o máximo que eu conseguia para libera-los logo. Depois que terminei eu havia começado a recolher meus pertences pessoais do escritório para colocar dentro da caixa que tinha trazido, era engraçado como eu tinha trabalhado aqui por tantos anos e ainda assim essa sala não era tão familiar e reconfortante como deveria ser.

 Bem, Ali tinha tentado me ajudar a redecora-la a há pouco mais de ano atrás quando eu disse que passava tanto tempo lá e mesmo assim não sentia como se ela realmente fosse minha, mas nós estávamos tão empolgadas em ter aquele tempo juntas que fizemos absolutamente tudo naquele escritório, menos decora-lo e no final a única coisa que tínhamos feito era adicionar um porta-retratos com uma foto de Olivia a minha mesa.

É estranho como as coisas podem acontecer, como elas podem mudar tão rápido ao ponto de você não se dá conta disso e então quando finalmente se dá é como você tivesse caindo em queda livre do alto de um prédio e começasse a se perguntar como se como chegou até ali, como poderia ter evitado ter ido até lá, e principalmente como conseguir se salvar antes de se colidir com o chão e tudo aquilo acabar.

—Emily! —Ouço alguém me chamar me fazendo levantar a cabeça e ver Marco na porta sorrindo. —Eu não acreditei quando Eva disse que você estava aqui. —Ele diz em seguida enquanto entra na sala sorrindo antes de se virar rapidamente para fechar a porta atrás dele.

—É, eu tinha que pegar algumas coisas e acabei vendo alguns documentos pendentes. —Informo enquanto o vejo andar até a frente da minha mesa. —Mas, antes de ir eu quero falar com todos vocês. —Falo sentando-se na minha cadeira ao mesmo tempo que o vejo sentar à minha frente.

—Então é verdade? —Ele pergunta der repente sério ao olhar entre mim e caixa de papelão sobre a mesa. —Você finalmente decidiu tirar as férias que você queria ano passado? Você sabe como isso aqui vai ficar sem você, mas você definitivamente merece. —Marco fala animado me lembrando das férias que eu pretendia tirar no fim do ano passado, mas por vários motivos diferentes nunca tinha chegado a acontecer.

—É quase como se fosse isso, mas na verdade... —Tento falar parando no mesmo instante ao ouvir batidas na porta e então ela entreabrir-se e só a cabeça de Gavin aparecer antes dele parecer ter sido empurrado bruscamente ao abrir a porta por completo e eu ver Henry, Jake e Luke.

—Nem acredito que nossa chefinha favorita voltou. —Henry diz em tom debochado enquanto empurra Gavin para entrar na sala.

—Eva nos disse que você queria falar com todos nós. —Jack fala enquanto fecha a porta atrás dele quando todos já estavam dentro da sala.

—Sim Jack, e eu estava esperando por vocês. —Falo ao ver todos parecendo procurar um lugar para se sentar. —Ou pelo menos por uma parte de vocês. —Digo me referindo ao Noel, por mais que eu não gostasse dele e tudo mais, ele ainda assim era parte da equipe e eu preferia manter o profissionalismo ao inclui-lo nisso.

—Reunião de emergência? —Gavin me questiona enquanto estava sentada a minha frente ao lado de Marco.

—Seja lá o que tenha acontecido, eu só quero dizer que durante você não está aqui, eu não fiz nada que não devia dentro desse prédio. —Luke diz se comportando como o típico irmão mais novo da turma fazendo que eu sorrisse ao ouvi-lo, eu nunca tinha tido um irmão mais novo, ou até mesmo mais velho, mas além das meninas e de Toby, aqueles caras eram os únicos os quais eu me sentia como se não fosse filha única.

—Eu tenho certeza que você não fez Luke. —Falo o tranquilizando. —E isso não é uma reunião Gavin, e sim mais um comunicado, porque eu tomei uma decisão nos últimos dias, e eu não podia ir embora hoje sem falar com vocês. —Digo explicando ao mesmo tempo que tentando olhar entre todos eles espalhados pela sala. —Bem, todo mundo sabe que eu adoro isso aqui, e adoro vocês, mas eu decidi que quero fazer outra coisa agora.... —Tento dizer sendo interrompida por batidas na porta fazendo todos nós automaticamente olharmos para ela e esperando-a se abrir.

—Desculpa. —Noel diz assim que abre a porta parecendo constrangido, talvez porque todos estávamos olhando para ele. —Eva me disse que você queria falar com todos da equipe, e eu só voltei do banco agora. —Ele fala se auto explicando em seguida ainda na porta.

—Tudo bem Noel, entre. —Falo fazendo ele no mesmo instante entrar na sala fechando a porta e assim continuar em pé ao lado do sofá aonde Jack, Henry e Luke estavam sentados.

—Então, como eu estava falando. —Digo tentando reunir meus pensamentos novamente. —Bem, resumindo tudo o que eu quero falar é que estou deixando o escritório. —Falo ao mesmo tempo que vejo todos me olharem como se não tivessem entendido. —Quer dizer, não só o escritório, mas também a imobiliária, e não, não é só por algum tempo ou por férias. —Concluo.

—Emily, como assim? —Marco é primeiro a questionar parecendo ser o único a ter coragem de me perguntar o que todos queriam saber. —Eu pensei que era só umas férias. —Ele comenta em seguida aparentemente surpreso.

—Algumas coisas mudaram, eu espero que vocês entendam e que nós continuamos a ser amigos independente de não trabalharmos juntos mais. —Falo. —Eu não queria fazer isso sem falar pessoalmente com vocês antes para ninguém ser pego de surpreso quando um gerente menos legal do que eu aparecer no escritório daqui uns dias. —Digo-lhes tentando brincar sobre a última parte.

Nos minutos seguintes todos, menos Noel, tinham me questionado seguidamente sobre aquilo ao mesmo tempo que se lamentavam por eu estar “os deixando” e me diziam estariam felizes se eu estivesse também no que eu iria fazer a partir dali. Foi só quando Eva veio trazer a minha carta de demissão que eu me dei conta que era o momento de ir, e então Marco se ofereceu para carregar a caixa com as minhas coisas até o meu carro.

E enquanto eu esperava Gavin, Jack, Henry, Luke Marco se espremerem dentro do elevador, já que todos queriam me acompanhar até o carro, antes que eu pudesse entrar também Noel havia vindo até mim e me dito que sentia muito por nós não termos trabalhado por mais tempo juntos, mas que me desejava boa sorte.

E então quando eu estava o achando gentil até demais, ele soltou um “espero que isso não seja por minha causa. ” Me fazendo respirar fundo e dizer um obrigado entrando no elevador o mais rápido possível ao mesmo tempo que pensava que Noel tinha o ego grande demais para pensar em qualquer coisa que não fosse ele mesmo.

(...)

— Eu achei que Sra. Beker estava enlouquecendo ou coisa do tipo. —Essa é primeira coisa que ouço ao entra na sala de Alison em Rosewood ao mesmo tempo que estou de costas para fechar a porta. —Mas, é realmente você. —Ela diz no momento que viro para olha-la em frente à mesa dela enquanto eu tentava entender se ela estava com raiva, brincando ou o que. —Eu retornei suas ligações várias vezes hoje. —Alison diz no segundo que eu ando até ela.

—Eu esqueci no hotel, fui almoçar com Hanna e... —Tento dizer antes de me calar no mesmo segundo quando ela me abraça.

—Deus, Em você me deixou tão preocupada. —Ela murmura ainda me abraçando enquanto eu lentamente fechei os olhos, me sentindo completamente bem pela primeira vez nesses dois dias. —Nunca mais faça isso. —A ouço falar ao mesmo tempo que sinto ela sair dos meus braços me fazendo no mesmo instante abrir os olhos novamente.

—Eu senti sua falta. —Falo quase que involuntariamente no momento que levo minha mão esquerda a sua bochecha a vendo quase que imediatamente dá um passo para trás como se tivesse percebido que havia feito algo errado. —Desculpa. —Digo quando por alguns segundos ela olha para baixo como se não soubesse o que dizer ou fazer. —Eu só vim trazer isso. —Pronuncio calmamente levantando a minha mão direita para mostra-lhe a carta de demissão.

—Emily. —Ela diz logo depois de olhar rapidamente a folha que eu lhe entreguei segundos antes. —Você não pode simplesmente abandonar seu trabalho, sua equipe. —Alison fala como se fosse óbvio.

—Eu posso. —Digo-lhe como mais convicção que eu podia naquele momento.

—Emily você assinou um contrato, você não pode fazer isso assim do nada. —Ali rebate.

—Então me processe. —Respondo me sentindo totalmente bem por finalmente está fazendo algo que eu queria. —Eu vou buscar Olivia na escola, eu preciso conversar com ela. —Digo em seguida antes que ela pudesse falar qualquer coisa. —E se você pudesse assinar a minha carta de demissão o mais rápido possível, eu ficaria agradecida. —Falo antes de me virar para ir até a porta.

—Em? —A ouço chamar no segundo que eu pego na maçaneta fazendo meu corpo paralisasse no mesmo segundo, como se der repente quisesse apenas correr até ela e implora-la para mudar de ideia sobre tudo. —Eu não tive coragem de conta a ela que você saiu de casa... —Ela tenta dizer no momento que me viro para vê-la no mesmo lugar que estava antes.

—Que você me pediu para sair. —Falo a corrigindo como se aquilo fosse mudar alguma coisa. —Não se preocupe, eu falo com ela. —Digo.

—Não, você poderia leva-la para casa e para falarmos com ela juntas? —Alison pergunta ignorando totalmente meu comentário anterior me fazendo apenas assentir positivamente antes de me virar novamente para abrir a porta e sair dali.

(...)

—Eu senti tanto a sua falta. —Ouço Olivia falar enquanto eu abraço em frente a Dover Elementary School. —Por favor, não me deixe mais. —Ela diz em seguida no momento que a sinto me abraçar ainda mais forte.

—Eu não irei, eu prometo. —Digo-lhe ao deixa-la no chão novamente me sentindo culpada por tê-la deixado por tanto tempo. —O que você quer comer, pizza ou sorvete? —Pergunto enquanto caminhávamos até meu carro.

—Pizza. —Ela responde animada. —Mamãe tem deixado eu tomar sorvete durante todos os dias que você esteve viajando. —Olivia diz ao mesmo tempo que eu tiro as chaves do meu carro do bolso da jaqueta para destrancar as portas. —Talvez, ela soubesse que eu também estava triste por você não está com nós. —A ouço comentar enquanto abro a porta traseira do carro me fazendo perceber que então isso era que Alison tinha falado para ela em vez da verdade.

—Então, sem sorvetes. —Falo me sentindo realmente animada em vê-la. —Vamos ao shopping comer quantas pizzas conseguimos. —Digo antes de fechar a porta traseira com ela já de dentro e rodear o carro para ir até a porta do motorista.

—Nós podemos pedir pizza em casa? —A ouço perguntar assim que entro no carro. —Mamãe ficará tão feliz em vê-la e então podemos comer pizza juntas. —Escuto ela falar em seguida.

—Uh, claro que podemos princesa. —Respondo tentando sorri ao olha-la por cima do ombro fingindo que a parte de Ali ficar feliz em me ver seria realmente verdade.

(...)

Quando chegamos em casa, Alison estava longe de ser vista por lá e então eu dei banho em Olivia e ajudei a se trocar antes de descemos para pedir uma pizza de pepperoni pelo telefone, ela havia ficado me contando como tinha sido os seus dias anterior enquanto esperávamos pela pizza, e uma vez ou outra a ouvia reforçar o quanto ela e Ali tinham sentindo a minha falta, ok, isso estava tornando cada vez mais difícil de contar a ela sobre tudo aquilo.

—Fecha os olhos. —Ouço Olivia falar da sala enquanto eu colocava alguns pratos sobre o balcão ilha da cozinha. —Não é para abri-los mamãe. —A escuto dizer em seguida parecendo está sorrindo enquanto eu viro para olhar a entrada percebendo que provavelmente era Alison que havia chegado.

—Eu não irei. —Ouço Alison falar no momento que vejo ela entrar na cozinha sendo puxado por Olivia que a guiava já que ela estava de olhos fechados parecendo realmente não está vendo nada. —Posso abrir agora? —Ela pergunta em seguida quando ambas pararam de andar.

—Pode. —Ela diz fazendo Alison abrir os olhos na mesma hora. —A mamãe chegou, você não está feliz agora? —Olivia diz olhando entre mim e Ali sorrindo.

—Claro bebê. —Ela diz ainda me olhando, porém, agora parecendo mais embaraçada do que nunca.

—Nós pedimos pizza. —Ouço Olivia falar animada. —Mamãe trocasse para que possamos come-la —Ela diz para Alison.

—Ok, eu já volto. —Ali responde a ela antes de vira-se para sair da cozinha.

O “já volto” de Alison tinha demorado o bastante para que a pizza fosse entregue e eu e Olivia já estarmos esperando por quase dez minutos olhando a caixa de pizza sobre o balcão ilha já que ela insistiu em esperar por Ali para poder comemos.

(...)

—Troca de lugar comigo? —Ouço Olivia pergunta sentada entre eu e Alison enquanto comíamos a pizza em silencio fazendo com que nós nos entreolhássemos antes de Ali olhar para ela em questionamento. —Assim vocês podem ficar perto uma dá outra. —Ela diz antes que Ali pudesse falar qualquer coisa.

—Está bem. —Ouço Alison responder antes de ajuda-la mudar de lugar e empurrando o prato dela de pizza e o guardanapo sobre o balcão.

—Eu posso dormir com vocês hoje? —Ela pergunta em seguida me fazendo levantar a cabeça para olha-la, ok, nós devíamos contar isso para ela agora porque definitivamente ela estava parecendo Hanna no colegial tentando nos fazer enxergar o quão eu e Ali éramos estranhamente “uma da outra”

—Ok. —Falo finalmente saindo dos meus próprios pensamentos ao me levantar. —Olivia eu tenho que contar algo para você. —Digo tentando tomar coragem, e principalmente, reunir as palavras certas ao mesmo tempo que vejo ela se indireta no banco da bancada ficando de frente para mim fazendo com que Alison no mesmo segundo fizesse o mesmo.

—Nós temos. —Ouço Alison falar no segundo que pega na mão de Olivia parecendo que iria começar a falar. —Bebê, as vezes as pessoas precisam de um tempo separados. —Alison diz olhando rapidamente para mim antes de voltar a olhar Olivia novamente. —Para pensar na vida, em si mesmas, é como quando você quer decidir se quer continuar a tomar sorvete de chocolate ou mudar para o próximo sabor. —Ela diz em seguida me fazendo revirar olhos, ok que comparação mais idiota era aquela do nosso casamento a sorvete?  —E mesmo que você queria mudar, você ainda assim ama o de chocolate, e independente do sabor que você vá tomar a casquinha ainda estará lá, certo? —Ela pergunta fazendo Olivia assentir em concordância.

—O que a sua mãe está tentando dizer, é que nós duas, juntas, decidimos que o melhor para gente é nos separamos agora. —Digo sendo a mais direta que conseguia ao corta o papo todo de Alison sobre sabores de sorvete e casquinha, afinal aquilo iria a confundir ainda mais. —Eu não irei dormir aqui, ou morar, mas isso não muda o que sentimos por você. —Falo vendo Olivia me olhar atentamente.

—Você nos entende? —Alison pergunta fazendo Olivia olha-la ao lado rapidamente antes de voltar a me olhar. —Isso, não é culpa de ninguém e nada vai mudar, sempre que você quiser Emily vai vir aqui. —Ela diz em seguida.

—Você vai nos deixar? —Ela me questiona ignorando totalmente Alison ao seu lado. —Eu não quero que você me deixe. —Olivia diz antes de começar a descer lagrimas uma atrás da outra enquanto ela não emitia um som sequer.

—Eu nunca vou deixar você. —Digo no momento que praticamente corro até ela para abraça-la o mais forte que eu conseguia para então carrega-la no colo.

Nos minutos seguintes ela tinha ficado no meu colo chorando baixinho enquanto eu não sabia exatamente se deveria falar com ela ou apenas deixa-la quieta naquele momento, durante todo o tempo Alison havia ficado no nosso lado em silencio acariciando as costas dela parecendo ter a esperança de aquilo conforta-la de alguma forma.

(...)

—Não se preocupa Em, ela vai ficar bem. —Ouço Alison falar baixinho enquanto eu a olhava dormir logo depois de tê-la colocado na sua cama, tinha sido totalmente angustiante vê-la chorar silenciosamente até dormir no meu colo. —Vem. —A escuto dizer no momento que sinto ela pegar na minha mão para me puxar até a porta do quarto.

—Ali, e se ela acordar? —Pergunto já no corredor me sentindo der repente culpada novamente por não poder fazer nada para quilo passar enquanto vejo Alison fechar a devagarzinho porta do quarto.

—Ela não vai. —Alison responde ao se virar para mim parecendo pela primeira vez não ter certeza do que estava dizendo. —Você está na casa da sua mãe? —Ela pergunta em seguida me fazendo negar prontamente.

—Eu preciso pegar o carregador do meu celular. —Informo, ok, aquilo não era realmente importante, ou preciso, já que no Radley Hotel em todos os quartos tinha carregadores para celulares e segundo o gerente “não importava que marca fosse”, mas eu só precisava passar mais algum tempo ali, não só para ter certeza que Olivia não iria acorda, mas também para ficar perto de Alison.

—Claro. —Ouço Alison dizer antes de passar por mim para andar até nosso quarto enquanto eu a seguia.

—Eu acho que eu deixei ali. —Digo passando por ela para entrar no quarto. —Não se preocupe que daqui uns dias eu irei vir buscar o resto das minhas roupas. —Falo enfatizando a última parte.

—Em, sobre o escritório se você precisa de um tempo para se organizar, você pode o ter, não precisa deixar seu trabalho por isso. —A ouço dizer atrás de mim fazendo com que eu me vire para olha-la.

—Nenhum tempo irá organizar como eu estou me sentindo agora. —Digo-lhe como se fosse o óbvio.

—Eu sei, eu juro, eu sinto tanto a sua falta e isso dói como se meu coração tivesse sendo esmagado a cada segundo. —Alison responde der repente parecendo emotiva.

—Não precisa ser assim, nós podemos resolver isso juntas, como sempre fizemos. —Falo quando dou alguns passos até ela. —Você só precisa querer que isso seja diferente. —Digo no momento que tento beijar seu ombro a sentindo instantaneamente me impedir ao me empurrar levemente.

—Em... —Ela diz me olhando como se tivesse me reprendendo silenciosamente por aquilo. —Eu sei...—Alison tenta falar em seguida.

—Não precisa falar nada. —Digo-lhe tentando evitar mais aquela conversa. —Eu já vou. —A aviso antes de passar por ela e descer as escadas sentindo ela me seguir em silencio até a porta.

—Você sabe que pode ver Olivia quando quiser, não é? —Alison pergunta enquanto abre a porta para mim me fazendo ficar em silencio ao passar por ela para sair.

—Qualquer coisa me liga. —Peço em frente a porta antes de virar para dá cerca de três passos antes de virar novamente e ainda a ver na porta. —Aliás, sobre o trabalho, eu sei que provavelmente Noel é pessoa que você escolherá para me substituir, mas Marco é pessoa que você precisa para manter o seu escritório lucrativo. —Falo a aconselhando, não que eu me importasse com trabalho ou qualquer coisa agora, mas era o justo, e então me viro para continuar a andar até a calçada.

—Em? —A ouço me chamar antes que eu pudesse dá sequer um passo. —Eu estou aqui para o que você precisar, mesmo com tudo isso você ainda continua sendo minha melhor amiga. —Ela diz em segui quando eu me viro para olha-la. —Por favor, apenas se cuide. —A escuto completar me fazendo ficar calada e então me virar para novamente andar.

*POV ALISON

—Decidiu finalmente se mudar? —Pergunto enquanto abro a porta do meu escritório para Hanna. —Surgiu um apartamento ótimo, pronto para decora-lo. —Digo em seguida ao abraça-la logo depois dela entrar.

—Não, eu e Caleb precisamos nos casar primeiro para depois pensar nisso. —A ouço me responder atrás de mim enquanto caminhava até a minha mesa.

—Vocês meio que já passaram dá hora de marca essa data Hanna. —Falo ao me sentar na minha cadeira giratória.  

—Nós iremos para o próximo ano. —Ela diz como se fosse óbvio ao senta-se a minha frente. —Mas, eu não vim aqui para falar de mim e Caleb. —Hanna fala em seguida.

—Não? Então o que lhe traz aqui em plena sexta-feira? —Pergunto sorrindo, era uma coisa rara Hanna não querer falar dela e Caleb.

—Spencer te ligou? —Ela pergunta ignorando minha pergunta.

—Sim, ela me ligou ontem. —Respondo olhando para a caneta sobre a minha mesa ao lembrar o sermão desnecessário que Spencer tinha me dado ao telefone sobre como minha separação afetaria negativamente não só Olivia, mas também eu e Emily. —Aria também me ligou. —Informo sobre a ligação de Aria a dois dias atrás, ela ao contrário de Spencer tinha me dito que independente das nossas decisões ela nos amava e que a única coisa a qual eu e Emily tínhamos que tomar cuidado era para não magoarmos uma a outra ou até mesmo a nossa filha.

—Você viu Emily esses dias? —A escuto perguntar em seguida.

—Não, na verdade a última vez que a vi foi a três dias atrás. —Respondo olhando novamente para baixo como se aquilo não doesse como realmente doía, ela tinha preferido optar por ver Olivia na escola, ok, era de se esperar que ela não quisesse me ver depois da nossa última conversa na terça, isso era preferível e mais fácil, porém eu não queria que fosse assim.

—Alison. —Hanna me chama fazendo eu levantar a cabeça para olha-la. —Emily me falou sobre a coisa toda com Talia. —Ela diz em seguida fazendo com que eu fingisse que não estava surpresa por ela saber. —Não é porque ela errou uma vez que você tem que a excluir totalmente da sua vida sem pensar nos sentimentos de vocês. —Ela diz em seguida. —Você devia repensar no que é melhor para Olivia. —Hanna conclui.

—Hanna, nós não estamos no colegial, você, Spencer, Aria ou qualquer outra pessoa não tem o direito de vir me dizer o que é melhor para minha filha. —Falo irritada.

—Alison, a Emily está sofrendo, você está, e isso tudo é por um beijo? Do jeito que vocês convivem qualquer pessoa por mais apaixonada que estivesse faria o mesmo que ela... —Hanna tenta justificar.

—Vai ser sempre assim, não é? —Pergunto embora realmente não quisesse uma resposta. —Não importa o que ela faça eu sempre vou ser a “vilã” da história. —Afirmo enquanto me levanto me sentindo completamente irritada. —Só essa semana eu já quase esqueci de buscar a minha própria filha na escola duas vezes, eu não sei o que responder aos questionamentos dela ou o que fazer quando ela começar a chorar do nada. —Digo com se aquilo fosse mudar alguma. —A minha vida está uma completa bagunça porque Emily não pensou em mim e nem na Olivia quando fez aquilo, então não peça para pensar nela quando eu estou no meu limite. —Completo como irritada do que deveria.

—Alison... —Hanna tenta falar parecendo amedrontada.

—Mas, quem se importa como eu estou, ou o que estou sentindo quando se tem a pobre Emily para todos saírem em defesa. —Digo-lhe a interrompendo quando finalmente percebi que a minha explosão repentina tinha sido com a pessoa errada.  —Droga! —Essa é minha única palavra quando a minha irritação deu lugar a frustração fazendo eu sentir lagrimas começarem a descer. 


Notas Finais


O próximo capitulo sairá nos próximos dias, cometem o que acharam.


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...