História The supernatural love story (Imagine Park Jimin) - Capítulo 2


Escrita por: ~

Postado
Categorias Bangtan Boys (BTS), Lendas Urbanas
Personagens J-hope, Jimin, Jin, Jungkook, Personagens Originais, Rap Monster, Suga, V
Tags Anjos, Demonios, Hentai, Imagine Bts, Imagine Jimin, Jungkook, Seres Sobrenaturais, Sexo, Sobrenatural, Terror, Universo Alternativo
Visualizações 198
Palavras 1.379
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Aventura, Crossover, Drama (Tragédia), Ecchi, Fantasia, Hentai, Lírica, Luta, Magia, Mistério, Misticismo, Policial, Romance e Novela, Shoujo (Romântico), Sobrenatural, Suspense, Terror e Horror, Universo Alternativo, Violência
Avisos: Álcool, Heterossexualidade, Incesto, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Mutilação, Nudez, Sexo, Tortura, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


Olaaaa, alienspandacórnios!!! Como vão? ❤💘
Eu devia ter postado esse final de semana mas eu estava muito ocupada :/ mas por sorte eu consegui postar hoje hehehe.
Espero que gostem! ❤
Boa leitura! 💜

Capítulo 2 - Zwei


Fanfic / Fanfiction The supernatural love story (Imagine Park Jimin) - Capítulo 2 - Zwei

Jeon Jungkook P.O.V

Eu estava fazendo minha corrida matinal até que caiu um raio e fez um estrondo horrivelmente alto, parecendo que alguma coisa caiu de lá de cima. Ignorei e continuei a correr, afinal isso acontece, não é?

Parei para descansar e tomar um pouco d'água e, olhei para onde o raio caiu. Parecia  que tinha uma mulher deitada no chão, será que o raio a atingiu? Vou me aproximar para ver.

Me aproximei e, realmente era uma mulher. Ela tinha os cabelos negros lisos, uma tatuagem de asas nas costas - uma branca e outra preta - e uma no braço com um coração com alguns traços que parecia espinhos - não entendo muito de tatuagem - e um vestido longo preto, aberto nas costas. E, porque tem penas em volta dela? Pretas e brancas? Será que atingiu um pássaro também? Muito estranho.

Balancei ela levemente e a chamei mas nada aconteceu. Eu preciso levá-la para o hospital mas, o hospital fica longe. Vou a levar para casa e, quando ela acordar eu a levo. Vou aproveitar que Minah está em casa e pedir que ela faça um "check-in" nela.

Eu a peguei no colo e carreguei-a até em casa. Eu nunca tinha visto ela antes. Ela não parece ter traços coreanos tampouco orientais. Quando ela acordar eu a questiono sobre isso. 

Deixei a moça no sofá e fui atrás de Minah. Procurei ela por toda aquela enorme casa e não a encontrei, a única coisa que eu encontrei foi um bilhete escrito:


"Maninho, fui me encontrar com o Jhonatan. Estarei aí para o jantar."

Beijo, Minah


Bah, sabia! Ela não larga do pé daquele garoto desde que ele voltou da Alemanha. Eu digo que ele chifra ela mas ninguém me ouve. Deixa ela então. Justo na hora que eu preciso dela, aquela garota some. Quando eu não preciso, ela faz um inferno na minha vida.

Suspiro e vou ver como a moça está. Ela ainda está desmaiada, não que eu estivesse esperando ela acordar do nada. Vou tomar banho, tirar o suor do corpo e depois resolvo o que fazer. Durante o banho eu fico pensando sobre aquelas penas em volta da moça. Não parecia penas de pássaro pois eram grandes demais para ser de pássaros. Do que eram? Será que ela sabe? Respiro fundo e desligo o chuveiro, pego minha toalha e saio do banheiro. 

Pego um moletom - pois não pretendo sair e está frio - e vou até a sala, ver como a moça está. Chego na sala e não tem ninguém. Será que ela foi embora sem se despedir? Ingrata! Eu me viro e sou surpreendido por um golpe com o vaso que tinha em cima da mesinha que me fez cambalear. Filha da puta!

Olho para ela incrédulo e ela me olha assustada e coloca a mão na boca como se ela não quisesse me acertar. 

— Ahh, minha santa anja híbrida Marx, me desculpe moço! — Ela tenta se aproximar mas eu afasto. Coloco a mão na testa que lateja fortemente.

— Eu tento te ajudar e é assim que agradece?! Eu poderia ter desmaiado sabia?! — Me altero um pouco e ela cruza os braços e me encara feio.

— Hey! Eu já pedi desculpas, não pedi? Não é isso que vocês humanos fazem quando erram e querem perdão? — Eu a encarei confuso e ela se recompôs rapidamente como se tivesse dito algo impróprio. — Quero dizer... Ahh... E-eu peço desculpas pelo incidente e deixa que eu cuido disso. — Ela aponta para a minha testa. Eu olho rapidamente no espelho e arregalo os olhos ao ver o corte que se formou alí. 

É isso que se ganha ao tentar ajudar alguém! Sacanagem!!

A moça volta com álcool, algodão, água oxigenada e band-aid. Arregalo os olhos quando vejo o álcool. Ela é louca?! Ela tem demência?! Vamos internar essa maluca!!

— Você vai usar álcool?! Tá louca?! Tomou Toddynho estragado e sem agitar?! — Ela me olhou com tédio e me puxou pelo braço até o sofá. Que força essa moça tem!

— Aliás, meu nome é (S/N). Prazer! — Ela se reverencia, sorri e passa o álcool no machucado. Eu gemo de dor fazendo uma expressão de dor e tiro a mão dela dali. Ela bate na minha mão e continua a passar.

— Meu nome é Jeon Jungkook, prazer. — Sorrio de lado. Ela termina o curativo e vai guardar as coisas.

Passo a mão no curativo e nego com a cabeça. Ela volta e se senta ao meu lado.

— Então... (S/N), certo? — Ela assente. — O que aconteceu com você hoje mais cedo? — Ela me olha confusa. — Digo, quando o raio caiu estava cheio de penas pretas e brancas como essas... — Pego umas que eu trouxe comigo. — Você estava desmaiada e isso estava em sua volta. — Entrego as penas para ela faz uma expressão de surpresa.

— A-ah é... É... É que... E-eu... Eu... Não me lembro. — Mentira! Eu sei quando uma pessoa mente e, ela é a pior mentirosa que já existiu.

— Ah, não? — Ela balança a cabeça negando e me devolve as penas. — Então tá. — Sorrio sem mostrar os dentes e guardo as penas. — Então... Você tá bem? Tá melhor? Tá doendo alguma coisa? Tá machucada?

— Calma, não! — Ela ri e eu suspiro aliviado. Pelo menos não tenho que levar ninguém ao hospital, amém!

— Ah, que bom! Pelo menos não tenho que te levar no médico. — Sorrio. — Bom, o papo tá ótimo mas, você mora aonde? Sua família deve estar preocupada. — Ela abaixa a cabeça e comprime os lábios. — Que foi?

— É que... Eu não tenho família, na verdade eu tenho um pai e uma mãe mas eu só os vi mas faz uns... — Ela pausa e conta nos dedos. — 17539 anos. — Eu seguro o riso. — E eu também não tenho casa aqui na Terra.

— Ah, tá. E você morava onde então? — Cruzei os braços.

— Ora bolas, no céu, ué. Escondida, mas no céu junto com Marx, minha protetora. — Se eu disser que eu não acreditei em uma palavra que ela disse vocês acreditam em mim?

— Tá e, meu nome agora é Barack Obama e o novo presidente da Coréia do Norte. É sério, onde você mora? Eu preciso te levar!

— Eu já disse que não tenho casa ou qualquer lugar onde eu possa morar! — Ela altera um pouco a voz.

— E onde você ficava então?! — Ela revira os olhos e bufa.

— Olha, eu não vou descutir com você. Aproveite enquanto meu lado "calmo" ainda está no controle. — Ela fecha os olhos e os abre rapidamente olhando em volta como se tivesse percebido algo.

— O que foi? — Ela faz um sinal de silêncio e eu me calo.

Puta menina estranha, viu! Primeiro ela aparece do nada, depois ela quase me mata, me agride na minha própria casa e diz que morava no céu. Hah, mereço mesmo. Ela suspira aliviada e me olha sorrindo.

— Então... Jungkook, eu poderia ficar aqui? — Ela sorri como uma criança que quer doces.

— QUE?! Ficar aqui?! Tipo morar?! — Eu me levanto e arregalo os olhos.

— Calma, não, não é morar é só até eu achar um lugarzinho para mim. Juro que não será por muito tempo. — Ela se ajoelha no chão e juntou as mãos como se estivesse pedindo um milagre. — Eu posso fazer qualquer coisa! Qualquer uma mesmo. — Ela sorri esperando minha resposta.

Não é assim que as coisas funcionam! Não mesmo! Eu não posso aceitar que uma estranha durma aqui em casa! Depois de eu quase ter morrido também. Tá, eu exagerei mas eu não posso deixar ela ficar aqui!

"Mas ela te curou"

Tá, e daí? Eu mesmo poderia ter feito aquilo.

"Ela poderia simplesmente ir embora e te deixar alí, sangrando"

Ah, é sério isso? Meu próprio consciente contra mim? Tudo bom? 

— Tá bom, eu deixo você ficar mas com uma condição... — Ela abre um sorriso enorme e balança a cabeça afirmando. — Você fica com a parte da faxina da casa e vai ter que me contar essa sua história direito. 

Ela morde o lábio inferior como se estivesse decidindo algo que estivesse valendo sua vida. (S/N) abaixa a cabeça e sussurra um "tudo bem".




Notas Finais


Se você chegou até aqui só queria te desejar um casamento com o Bias, amém. Ahauabaigz
Espero que tenham gostado 💙
Eu não sei quando que sai o próximo capítulo mas vou tentar sei a mais breve possível ❤
Kisses, alienspandacórnios 💞💖
Até o próximo capítulo 💘


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...