História The Teacher - Capítulo 6


Escrita por: ~

Postado
Categorias Fifth Harmony
Personagens Ally Brooke, Camila Cabello, Dinah Jane Hansen, Lauren Jauregui, Normani Hamilton, Personagens Originais
Tags Camren, Fifth Harmony
Exibições 162
Palavras 1.486
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Colegial, Comédia, Drama (Tragédia), Famí­lia, Romance e Novela, Suspense, Violência
Avisos: Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Mutilação, Sexo, Tortura, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas da Autora


Voltei queridos e queridas

Capítulo 6 - Capítulo Cinco



CAMILA POV
Dirigi parecendo uma louca no trânsito, não sei quantos sinais vermelhos ultrapassei e também não contei quantas vezes quase causei um acidente ou atropelei alguém. Estacionei o carro na vaga dos funcionários e peguei minha bolsa sai correndo para dentro do prédio. Eu estava literalmente correndo e empurrando algumas pessoas, me imaginem como a Anne Hathaway em O Diabo Veste Prada agora, aquela mulher estaria a ponto de me assasinar se eu me atrasasse mais um pouquinho. Quando acho que não pode ficar pior eu me esbarro com alguém e nós caimos no chão, uma confusão de papéis se espalhou pelo chão da redação da revista, olhei para moça que tentava catar tudo e a ajudei já que eu tinha causado isso.
- Eu sinto muito - falei a encarando e ela apenas deu um sorriso frágil
- Está tudo bem, hoje não é o meu dia - ela disse
- O meu também não, Christina vai me matar por causa do atraso e porque vim com uma roupa inapropiada para os seus funcionários
- Ah sim! As ordens dessa mejera são tão rígidas que chega irrita
- Nem me fale - ela pegou todos os papéis e levantou do chão e eu fiz o mesmo - Não vou tomar mais do seu tempo, antes que aquele demônio loiro te assasine assim que você chegue na sala dela - ela disse e eu assenti com um sorriso
- Mais uma vez me desculpe - falei indo na direção oposta a que ela estava e fui até a sala de Christina
- Onde você estava, Karla? - Christina perguntou encarando seu notebook, ela estava se esforçando o máximo para não arrancar meus pulmões
- Eu estava vindo pra cá
- E por que demorou?
- Porque eu vim de carro e não de jatinho - falei e dessa vez ela me encarou, sua expressão era de puro ódio e vontade de cometer um assasinato, ainda bem que eu sei me defender contra assasinatos, eu mato não morro.
- Por que está vestida dessa forma Karla?
- A senhora me tirou de casa lembra? Não deu tempo para trocar a roupa
- Sai, sai logo da minha frente antes que eu mate você - ela falou praticamente jogando a caneta que estava em sua mão em mim, fiz oque ela mandou não queria estressa-la mais do quê já estava. Segui até o lugar onde eu trabalhava, uma pequena e quente sala cheia de notebooks e pessoas que são humilhadas por Christina todos os dias, a tão famosa redação das revistas. Sentei-me no meu lugar, ele ficava perto da porta e ao lado do de Frankie, ele é a única pessoa desse lugar que não liga para as humilhações de Christina, ele não se sente deprimido e nem nada, apenas continua com seu trabalho e ignora a nossa chefe. E por que eu amo o Frankie? Primeiro por ele ser tão legal e sempre me ajuda e segundo porque ele não é um daqueles caras héteros e completamente idiotas, mas não ele não é gay. Só que pra mim ele é quase gay, eu ainda acho que ele seja e não queira assumir isso pra mim achando que eu vou ver isso como coisa de outro mundo, logo eu! Eu não sei realmente oque sou, faz tempo que não namoro ninguém, quando eu era mais nova talvez eu fosse hétero mas agora… eu não sei mais.
- A demônia loira te viu vestida assim? - Frankie perguntou assim que eu sentei em minha cadeira, todos os funcionários chamavam Christina de demônia loira - e não era porque ela era bonita - eu não posso dizer que não a chamava assim.
- Sim - falei olhando pra tela de meu notebook
- E você ainda está viva? - ele perguntou
- Eu acho que ainda estou
- E temos uma sobrevivente - ele falou e eu começei a rir
- Não foi tão ruim assim
- Claro que não ela apenas tentou te matar com a primeira coisa que tinha na frente
- Tá vendo, isso não é tão ruim para uma pessoa como a Christina - Frankie riu e eu percebi que seu cabelo estava mais claro - Você deu luzes?
- É, mas vamos dizer que isso não foi para esconder os fios de cabelo brancos
- Você tem trinta e três anos
- Isso mesmo, idade perfeita para fios brancos
- Você é tão exagerado
- E o Evan como está? - Frankie perguntou mudando de assunto
- Com problemas escolares como sempre, eu descobri que ele tem dislexia por isso o motivo de ter seis anos e não ter aprendido a ler e nem a escrever
- Eu sabia, um menino da idade dele não tem tantos problemas escolares sem ter algo por trás
- Pois é, estou fazendo o máximo possível para ajuda-lo - encarei a tela do notebook lendo oque eu iria escrever na revista que seria de amanhã. "A nova moda em Paris". De todos os assuntos tratados nessa revista eu sempre fico com o pior e Christina faz isso de propósito ela sabe que pra falar sobre moda eu precisaria pesquisar e isso era apenas para eu ter mais trabalho e chegar cada vez mais tarde em casa. Sai da pasta de documentos e entrei no google ou como diz Dinah, "o senhor sabe de tudo" digitei o assunto e apareceu muitos contéudos, cliquei no mais recente e quando carregou começei a ler. Detesto ler páginas e blogs que falam sobre moda. Mas ao menos achei o necessário e consegui escrever a matéria. Quando terminei enviei a matéria para Christina e depois de dez minutos ela apareceu no pequeno escritório da redação.
- Karla, venha até minha sala agora - ela disse, percebi que todos começaram a trabalhar mais rápido. Bem, Christina nunca vem na sala ela manda te chamar e se ela veio pessoalmente é porque o assunto é sério. Me levantei e Frankie me deu um olhar encorajador e eu segui para sala de Christina.
- Está bem Karla, sente-se - ela falou e eu sentei de frente para ela - Você pesquisou sobre o assunto?
- Sim - falei
- Então por que fez essa matéria mínima?
- Miníma? Christina, isso é o equivalente a três folhas de matéria
- Mas fala muito pouco sobre o contéudo, você vai refazer isso
- Meu expidiente termina daqui vinte minutos
- Não quero saber! Você vai terminar isso, pode passar a noite aqui mas vai terminar isso - ela gritou - Agora retire-se da minha sala! - sai de sua sala e voltei para a sala da redação. Se aguento essa mejera durante todos esses anos que trabalho com ela é por causa do Evan. Começei aqui servindo café, uma simples estagiária então se Christina conseguiu me promover a uma das escritoras da redação era porque eu merecia. Eu tenho que cuidar de duas crianças e não tenho ninguem, meu filho de seis anos que é a maior dispesa e minha irmã Sofia que tem doze anos. Meus pais morreram a muito tempo, o pai de Evan morreu antes mesmo de descobrir sobre ele, nem eu sabia dele. Eu não tenho ninguem, nem mesmo minhas amigas podem ajudar. Elas já tem muito com oque se preocupar e eu não posso ser um problema na vida delas, eu era obrigada a suportar a Christina. Sentei-me em frente ao notebook e abri a pasta de documento novamente, senti lágrimas de raiva cairem por meus olhos. Eu estava chorando de raiva de Christina para não matar ela. Acabei tudo as sete e meia, uma hora depois de meu horário normal já que eu entro as oito da manhã e paro as onze e meia para almoçar depois volto as uma hora da tarde e saiu as seis e meia. Sai correndo do trabalho e indo para casa, assim que abri a porta vi Dinah sentada no sofá assistindo algum filme com Sofi enquanto Evan dormia no outro sofá, ele não tinha tomado banho já que não estava usando pijama e sim a camisa branca do Homem de Ferro e a bermuda jeans que estava usando quando eu o deixei.
- Você demorou - Dinah disse assim que me viu entrar
- Reclame com a mejera da Christina
- Ela te obrigou a reescrever a matéria de novo?
- Pois é né
- Juro que vou matar aquela mulher algum dia
- Entre pra fila, estou tentando fazer isso a quatro anos. Sofi já fez o dever?
- Sim - a menina disse sem tirar atenção da TV. Percebi que o filme que passava era "Coraline e o Mundo Secreto"
- Acorde o Evan e manda ele tomar banho, vou preparar o jantar - falei jogando a bolsa na almofada do sofá e indo para cozinha. Meu dia não podia ter sido pior.


Notas Finais


Eu tenho algum leitor aqui que é Cry Baby?
Ou gosta da Melanie? Ou pelo menos ouve, se sim me abraçe agora.


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...